A ciência escolar e o conhecimento científico

No documento Diferenças na sala de aula de ciências: conhecendo as práticas de professoras do ensino fundamental (páginas 115-118)

7 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

7.2 A ciência escolar e o conhecimento científico

A partir da ciência escolar, as professoras trazem para os alunos a visão sobre o

conhecimento científico e, a partir de suas explicações sobre os conteúdos da disciplina,

elas podem incluir/ excluir seus alunos na aprendizagem. Segundo Chassot (2003):

Muito provavelmente, um dos temas mais polêmicos quando se discute formação de professores de ciências é o quanto se precisa procurar uma ciência da escola (= o saber escolar); essa ciência da escola não é necessariamente uma produção exclusiva para a escola e/ou na escola, mas, como ensina Lopes (1999), envolve um processo de reelaboração de saberes de outros contextos sociais visando o atendimento das finalidades sociais da escolarização, que é significativamente diferente daquela ciência da universidade (= saber acadêmico). (CHASSOT, 2003 p. 91)

Outros autores, como Selles e Ferreira (2005), evidenciam como as ciências de

referência não são os únicos aspectos determinantes para a constituição de uma disciplina

escolar. Assim, esses autores estão reconhecendo e caracterizando a complexidade do

processo de construção das disciplinas escolares, bem como apontando algumas tensões

que perpassam esse processo. De certa forma, essa complexidade é potencializada

continuamente no dia-a-dia da sala de aula, quando múltiplas dimensões do currículo estão

em ação.

Como incluir os alunos na disciplina ciências? Esse foi um grande desafio para

pensar o nosso trabalho. Na nossa revisão bibliográfica, observamos que os aspectos

socioeconômicos, de raça e de gênero contribuem para incluir/ excluir os alunos, como

apontaram os estudos revisados por Kelly (2007). Rose e Ana não mostraram essa

preocupação. Talvez, porque, como nos disse Rose, os alunos chegam no 3º ciclo com

defasagem na aprendizagem, e, por isso, a preocupação maior seria incluí-los

primeiramente na escola, na leitura e na escrita e na forma de se comportar na sala de aula.

Talvez, porque, como nos disse Ana, os alunos precisam primeiramente entender que a

ciência está no cotidiano deles. Todavia, para nós, a ciência que se torna presente nessas

salas de aula a partir das intervenções do professor – principalmente por meio da fala – ao

ensinar esse conteúdo, pode contribuir para incluí-lo/excluí-lo na aprendizagem dessa

disciplina.

No artigo de Pérez, et al (2001) “Para uma imagem não deformada do trabalho

científico”, eles enumeram sete visões dos professores de ciências sobre o trabalho

científico. Citamos neste momento as visões que também estão presentes nas práticas de

Ana e Rose: uma visão individualista e elitista e uma visão socialmente neutra.

De acordo com os autores, sob

(...) uma visão individualista e elitista da ciência. Os conhecimentos científicos aparecem como obras de gênios isolados, ignorando-se o papel do trabalho coletivo e cooperativo, dos intercâmbios entre equipes... Em particular faz-se crer que os resultados obtidos por um só cientista ou equipe podem ser suficientes para verificar, confirmando ou refutando, uma hipótese ou toda uma teoria. Muitas vezes insiste-se explicitamente em que o trabalho científico é um domínio reservado a minorias especialmente dotadas, transmitindo-se assim expectativas negativas à maioria dos alunos, com claras discriminações de natureza social e sexual (a ciência é apresentada como uma atividade eminentemente “masculina”). Contribui-se, além do mais, para esse elitismo escondendo o significado dos conhecimentos por meio de apresentações exclusivamente operativas. Não se faz um esforço para tornar a ciência acessível (começando com tratamentos qualitativos, significativos), nem para mostrar o seu carácter de construção humana, em que não faltam hesitações nem erros, situações semelhantes às dos próprios alunos. Em alguns casos deparamo-nos com uma visão deformada de sinal oposto que encara a atividade científica como algo simples, próximo do senso comum, esquecendo que a construção científica parte, precisamente, do questionamento sistemático do óbvio (BACHELARD, 1938) e contra o senso comum. (PÉREZ, et al, 2001, p. 133)

Os exemplos de Galileu e Newton, os quais as professoras trazem para suas salas de

aula, trazem vários componentes dessa perspectiva: cientistas trabalhando sozinhos e

observando fenômenos conseguem criar teorias, por exemplo.

Além disso, identificamos que, tanto na sala da professora Rose, quanto na sala da

professora Ana, as meninas ganharam destaque, por participarem da forma que as

professoras mais valorizam: anotando os conteúdos no caderno, realizando as atividades

com capricho. Contudo, ao apresentarem uma “visão masculina” da ciência, essas meninas

estariam incluídas na ciência escolar e não no conhecimento científico.

Rose propõe uma discussão mais reflexiva sobre os conhecimentos humanos, ao

discutir o consumismo e a saúde do planeta, mas, apesar disso, ela ainda não esclarece que

os cientistas também fazem escolhas e estão inseridos em um contexto político e social.

Uma visão socialmente neutra da ciência: esquecem-se as complexas relações entre ciência, tecnologia, sociedade (CTS) e proporciona-se uma imagem deformada dos cientistas como seres “acima do bem e do mal”, fechados em torres de marfim e alheios à necessidade de fazer opções. (PÉREZ, et al, 2001, p. 134)

As concepções dos docentes sobre a ciência seriam, pois, expressões dessa visão comum que os professores de ciências aceitariam implicitamente devido à falta de reflexão crítica e a uma educação científica que se limita, com freqüência, a uma simples transmissão de conhecimentos já elaborados – retórica de conclusões. Isso não só secundariza as características essenciais do trabalho científico, mas também contribui para reforçar algumas visões deformadas, como o suposto carácter “exato” (logo dogmático) da ciência, ou a visão aproblemática, etc. (PÉREZ, et al, 2001, p. 135)

Contudo, não poderíamos nos limitar a enfatizar limitações da prática dessas

professoras sem considerar que elas estão procurando construir formas de trabalho em um

contexto real da sala de aula de ciências. Um ponto importante nesse processo é,

certamente, o fato de algumas dessas questões estarem presentes em seu trabalho apenas de

forma tácita. Em outras palavras, a não explicitação dessas questões gera obstáculos para

que se atribua significados para elas. É importante destacar que as visões de ciência como

algo influenciado socialmente estão ausentes desde a formação inicial de professores de

biologia. Como nos fala Santos (2000), a ciência não deve ser vista como uma explicação

neutra da realidade natural. Ela é construída e nomeada por pessoas e se materializa sob a

forma de discursos produzidos por essas pessoas. É interessante ressaltar que os Estudos

Culturais, do qual nos fala Santos (2000) traz contribuições importantes para pensarmos a

realidade das salas de aula.

Essa maneira de apresentar, isto é, representar a(s) ciência(s) e seu ensino, por sua vez, “impede-nos” de construir outros caminhos para que se possa entender/constituir o que deve ser tema de estudo na sala de aula e o que se deve entender como ciência. (SANTOS, 2000, p. 231)

Em contrapartida, o interesse de nossa pesquisa é entender quais caminhos essas

professoras encontram nesse contexto para trabalhar ciências e criar representações de

certa(s) ciência(s), tanto escolar quanto de referência. Ana traz a imagem de Galileu como

alguém que observa a natureza, faz experimentos científicos, mas relativamente triviais.

Assim, cultiva uma imagem de que olhar, experimentar, explorar aspectos de nosso dia-a-

dia pode ser ciência. Ao aproximar a ciência do cotidiano dos alunos Ana consegue incluir

muitos alunos na aprendizagem. A imagem que Rose traz de Newton parece ter

similaridades com a de Ana, mas no contexto de uma sala de aula na qual os alunos não

passam por um processo de olhar para fenômenos e construir explicações pode ter outros

significados. Além disso, Rose, por outro lado, define campos, afastando, de certa forma, o

cientista do fenômeno. Porém, parece buscar fazer uma contraposição às noções de ciência

enquanto forma superior ou única de explicação. Algo importante para o aluno do Ensino

Fundamental.

No documento Diferenças na sala de aula de ciências: conhecendo as práticas de professoras do ensino fundamental (páginas 115-118)