As figuras geométricas

No documento Metodologia do Ensino da Matemática (páginas 45-51)

As figuras geométricas também costumam ser chamadas de formas geométricas, por serem os objetos que possuem um conjunto de pontos na sua formação, existindo, ainda, algumas que são classificadas como planas e outras como não planas.

IMPORTANTE:

As formas geométricas planas são alvos de estudo da geometria plana e as formas não planas da geometria espacial. Considera-se que as formas planas estão dispostas em um plano e as não planas, no espaço.

A Geometria é considerada a área da matemática com objetivo de estudar os formatos das coisas que estão ao nosso redor. A palavra

“geometria” tem origem grega, cujo significado de geo é terra e de metria é medida, assim, geometria seria a medida da terra.

Figura 10: Exemplos de figuras planas

Fonte: Pixabay

Então, o formato geométrico das coisas é considerado como a forma que os objetos estão dispostos e a geometria estuda, ainda, o formato, a área, o volume e o comprimento.

No caso das formas geométricas planas, são consideradas as figuras que estão dispostas totalmente em um plano, sendo bidimensionais, isto é, figuras com a característica de possuir somente duas dimensões: o comprimento e a largura.

As formas planas podem ser classificadas de acordo com a formação dos seus lados, sendo em polígonos e em não polígonos.

Os polígonos são figuras geométricas que são planas e fechadas e, ainda, com seus lados formados por arestas que estão unidas nos

vértices. As arestas são  os segmentos de retas e os vértices, a união destes segmentos.

Alguns exemplos de polígonos que podem ser citados são:

• Triângulo – polígono formado por três lados, três vértices e três ângulos.

• Quadriláteros – polígonos formados por quatro lados, quatro vértices e quatro ângulos.

• Pentágono – polígono formado por cinco lados, cinco vértices e cinco ângulos.

• Hexágono – polígono formado por seis lados, seis vértices e seis ângulos.

• Octógono – polígono formado por oito lados, oito vértices e oito ângulos.

• Decágono – polígono formado por dez lados, dez vértices e dez ângulos.

• Icoságono – polígono  é formado por vinte lados, vinte vértices e vinte ângulos.

Os não polígonos são as figuras planas, tanto abertas quanto fechadas, e com característica de não apresentarem lados que sejam formados totalmente por arestas. Como exemplos temos a circunferência e as linhas fechadas ou abertas.

As figuras geométricas não planas ou espaciais são figuras dispostas no espaço. Essas figuras apresentam três dimensões:  comprimento, largura e altura.

Como exemplos de formas não planas podem ser citados: cone, esfera, pirâmide e cilindro.

Figura 11: As formas não planas

Fonte: Elaborado pelo autor.

Na geometria espacial, as formas geométricas que não são planas são classificadas como poliedros e não poliedros.

Os poliedros são os sólidos geométricos fechados e com suas faces sendo formadas por polígonos. Exemplos: tetraedro, hexaedro e cubo.

DG, FAVOR INSERIR A IMAGEM ABAIXO Figura 12: Os poliedros

Fonte: Elaborado pelo autor.

Os não poliedros são as figuras geométricas planas cujas superfícies não são formadas por polígonos e possuem, ainda, formas circulares ou arredondada. Exemplos: esfera, cilindro e cone.

RESUMINDO:

E então? Gostou do que lhe mostramos? Aprendeu tudo mesmo? Agora, só para termos certeza de que você realmente entendeu o tema de estudo deste tópico, vamos resumir tudo o que vimos. Você deve ter aprendido que as figuras geométricas podem ser classificadas como  planas  ou  espaciais. Esta classificação é feita de acordo com a quantidade de dimensões  que são necessárias para a construção de uma figura. As planas são aquelas que precisam de menos dimensões, e as espaciais de mais, pelo menos três, sendo chamadas ainda de sólidos geométricos. As dimensões do espaço são compostas pelo ponto, que é uma figura geométrica que não possui dimensão, tamanho e forma. Então, podemos dizer que um ponto tem um número de dimensões igual a zero, ou ainda que o ponto é uma figura adimensional. Os conceitos figurais constituem somente o limite ideal de um processo de fusão e integração entre a lógica e o conceito figural. Ou seja, um conceito figural é uma construção mental caracterizada por todas as propriedades de conceitos, como generalidade, essencialidade, abstração, idealidade, mas que, ao mesmo tempo, preserva propriedades figurais, como formas, distâncias e posições.

No caso das formas geométricas planas, são consideradas as figuras que estão dispostas totalmente em um plano, sendo bidimensionais, isto é, figuras com a característica de possuir somente duas dimensões, o comprimento e a largura. As formas planas podem ser classificadas de acordo com a formação dos seus lados, sendo polígonos e não polígonos. As figuras geométricas não planas ou espaciais são figuras dispostas no espaço. Essas figuras apresentam três dimensões: comprimento, largura e altura.

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, L.W. Modelagem matemática na Educação Básica/

Lourdes Werle de Almeida, Karina Pessôa da Silva, Rodolfo Eduardo Vertuan. São Paulo: Contexto, 2012.

BOYER, Carl Benjamim.  História da matemática. Tradução: Elza F.

Gomide. São Paulo: Ed. Edgard, 1996.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental:

matemática. Brasília: Ministério da Educação, 1997. 152 p. (PCNs 5ª a 8ª Séries).

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Da realidade à ação: reflexões sobre educação e matemática. 2. ed. São Paulo: Sumus editorial, 1996.

EVES, Howard. Introdução à história da matemática. Campinas:

Editora Unicamp, 2004.

MENDES, I. A. Matemática e investigação em sala de aula: tecendo redes cognitivas na aprendizagem/Iran Abreu Mendes. Ed. ver. e aum. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009.

POLYA, George. A arte de resolver problemas: um novo aspecto do método matemático. Rio de Janeiro: Ed. Interciência Ltda., 1995.

VIANNA, Carlos Roberto. História da Matemática, Educação Matemática: entre o Nada e o Tudo. Revista Bolema. Rio Claro (SP):

EDUNESP, 2010.

No documento Metodologia do Ensino da Matemática (páginas 45-51)