As unidades de propagação dos fenômenos meméticos da Internet

No documento Jaime de Souza Júnior (páginas 49-56)

Esquema 2 – Princípios constitutivos do processo de propagação de fenômenos

2 A DIMENSÃO EXTERNA DE PROPAGAÇÃO: FENÔMENOS

2.1 As unidades de propagação dos fenômenos meméticos da Internet

A seguir, tomando por base o fenômeno memético da Internet “Que deselegante”, apresentaremos exemplos de unidades de propagação a serem investigadas nesta pesquisa, destacando de que forma essas passam a ser utilizadas, possibilitando que os internautas interajam uns com os outros, atribuindo e alocando propósitos nessas unidades, através de um memeplexo linguístico-midiático, e, por consequência, fazendo surgir fenômenos meméticos na Rede.

2.1.1 Vídeos meméticos

Na Web, dispostos através da modalidade audiovisual, os vídeos meméticos podem ser submetidos a alguns expedientes de memetização para evoluir, tais como a aplicação de um sem número de edições de imagem, legendagem ou de áudio, contendo repetição das expressões que acompanham o texto de uma mensagem, extraídas de um contexto original para aquele no qual uma nova mensagem será postada. Vejamos um exemplo, conforme figura 1, a seguir:

Figura 1: Vídeo memético como unidade de propagação no Youtube.com. Disponível em:

http://uolentretenimento.blogosfera.uol.com.br/2011/12/01/sandra-annenberg-repete-expressao-que-deselegante-e-vira-assunto-comentado-no-twitter/>Acesso em: 28 out. 2013.

2.1.2 Expressões meméticas

Aqui, temos expressões fixas (ou ditos47) extraídos de um contexto particular que, no processo de apropriação e memetização, se prestam a expressar verbalmente diversos sentidos e propósitos, quando associados ao texto de uma mensagem que se queira comunicar.

Apresentaremos alguns exemplos de nosso corpus de expressões, conforme figura 2, a seguir:

(a)

(b)

47 Neste trabalho, utilizamos o termo “dito” como equivalente a expressão, focando-nos majoritariamente em sua possibilidade de abarcar definições que vão de palavra até frase, conforme indicação do Dicionário Aulete Digital:

“Qualquer palavra, expressão, frase etc. [F.: Do lat. dictus.]” Disponível em:

<: http://aulete.uol.com.br/dito#ixzz2mvgQ38wy> Acesso em 08/12/2013. O termo expressão, por seu turno, não se referirá somente à formação sintagmática que é composta por um número X de palavras. Indicará, predominantemente, a função que tal item possui, enquanto recurso de expressão das línguas, isto é, possibilitar que indivíduos se expressem, nesse caso, verbalmente.

(c) (d)

(e)

Figura 2: Expressão memética como unidade de propagação. Disponível em:<http//twitter.com/#!/search/ “QUE DESELEGANTE”>Acesso em: 31 out. 2011.

2.1.3 Imagens meméticas

As imagens meméticas (sem movimento), podem (ou não) ser adicionadas à mensagem que se quer comunicar, desempenhando função paralinguística e/ou multimodal (inclusive através de proposições multimodais48, como as imagens do fenômeno “Nana em desastres49” ou as do fenômeno “Tenso50”). Seguem exemplo de imagens meméticas, conforme disponibilização nas figuras 3 e 4:

Figura 3: Imagem memética como unidade de propagação usada com propósito paralinguístico. Disponível em:<http://youpix.com.br/memepedia/que-deselegante/>Acesso em 04 jun. 2012.

48 No sentido de Kress e van Leeuwen (2000), como veremos no Capítulo 4.

49 Detalhes e exemplos de representações multimodais desse fenômeno memético estão localizados em 3.3.

50 Detalhes e exemplos de representações multimodais desse fenômeno memético estão localizados em 3.1.

Figura 4: Imagem memética como unidade de propagação, utilizada para indicar uma proposição multimodal.

Disponível em:< http://www.tumblr.com/tagged/deselegante>Acesso em 04 jun. 2012.

2.1.4 Tirinhas meméticas

As tirinhas meméticas se apresentam como uma imagem (sem movimento) que redimensiona o uso de uma expressão ou imagem memetizada para um contexto e um tópico diferente daquele observado na menção original da expressão em questão. Os elementos memetizados podem ser, por exemplo: uma personagem, um tópico ou uma expressão/dito.

Tal expressão pode já ser uma expressão memética, ou passar a ser uma, pela propagação dos diferentes tópicos, temáticas e contextos que as tirinhas passam a abordar. Assim sendo, a tirinha aparenta determinar o contexto que a expressão passará a atender. O contrário do que

ocorre com as postagens contendo expressões meméticas, em que a expressão não aparenta prender-se a um contexto específico.

Figura 5: Tirinha memética como unidade de propagação. Disponível em:<

http://ctcomics.wordpress.com/category/uncategorized/page/13/>Acesso em 04 jun. 2012.

2.1.5 Gifs meméticos

De acordo com a Wikipedia51, um gif (Graphics Interchange Format, que se pode traduzir como "formato para intercâmbio de gráficos"), “é um formato de imagem de mapa de bits muito usado na World Wide Web, quer para imagens fixas, quer para animações”.

Enquanto unidade de propagação, um gif memético pode se apresentar como uma espécie de

51 http://pt.wikipedia.org/wiki/Graphics_Interchange_Format

figura animada, combinada com expressão de postagem. Esse tipo de figura repete, à exaustão, gestos e expressões memetizadas para acompanhar o texto de uma mensagem, conforme, mostrado na figura 6, uma tentativa de ilustração sequencial – uma vez que sua visualização fiel só seria possível se estivéssemos conectados à Rede:

Figura 6: Gif memético como unidade de propagação. Disponível

em:<http://media.tumblr.com/tumblr_ltyftcJC1s1qkmkva.gif>Acesso em: 04 jun. 2012.

2.1.6 Perfis meméticos

Perfis meméticos são aqueles que personificam uma identidade – uma celebridade, subcelebridade52, ou anônimos – através da propagação de seus comportamentos ou falas, fazendo com que essa cópia de perfil espelhe aquele que serve de inspiração para esse ato da cópia. Pode-se, porém, refratar hábitos, posturas e falas daquele que é copiado, alterando e expandindo, por sua vez, a representação daquela primeira identidade. Perfis meméticos podem, também, refletir ou refratar hábitos e posturas/missões de instituições, organizações, comunidades organizadas, etc., tais como aqueles que são nomeados como empresa /instituição/localidade/objeto X “da (deprê)ssão”53, ou empresa/instituição/objeto/líder

“sincero/irônico”54.

52 Na indústria do entretenimento e no tipo de imprensa que atende a esse nicho, subcelebridades são pessoas que alcançam destaque nas mídias não necessariamente em função de seu histórico ou consistência artístico-profissional. Como exemplo, citamos os primeiros participantes de reality shows da Tv brasileira.

53 Por exemplo: “Facebook da Depressão”, “ “Uerj da depressão”, “Madureira da Deprê”, “Whatsapp da depressão”, etc.

54 Como exemplo, teríamos: “Xuxa sincera”, “Globo sincera”, “Dilma sincera”, “Whatsapp irônico”, etc.

Neste trabalho, mostraremos um exemplo de propagação de perfil memético de um internauta que personifica uma identidade e postura – as de Sandra Annenberg, apresentadora do “Jornal Hoje” –, conforme disponibilização na figura 7:

Figura 7: Perfil memético como unidade de propagação. Disponível em:<https://twitter.com/QuedeseIegante

>Acesso em 04 jun. 2012.

Nesta pesquisa, decidimos selecionar duas dessas unidades, as quais têm papel fundamental na propagação de tais fenômenos. A primeira delas é a expressão memética. A segunda é a imagem memética. Essas duas unidades são as que em maior quantidade são produzidas individualmente, percebendo-se, também, uma hibridização destas na criação e propagação das demais unidades de propagação já apresentadas.

Além disso, as expressões e imagens meméticas são as unidades de propagação menos complexas55 de serem produzidas, replicadas e/ou retransmitidas56. Há de se perceber neste sentido que, afora a característica de “design” (DENNETT, 1995), e de acordo com os preceitos da Teoria Memética, quanto mais complexo ou especializado for o processo de criação da unidade de propagação, em especial nas redes sociais, mais difícil de ser transmitido e menos longevo esse memeplexo linguístico-midiático e seu fenômeno poderão ser.

Fora dos ambientes digitais, essas unidades de propagação podem continuar sendo memetizadas para evoluir, dando origem a novas unidades, tais como camisetas, canecas, broches, som de buzina/alarme/celular – todas com algum tipo de expressão, imagem ou fala que faça alusão a um fenômeno memético já propagado. Neste trabalho, no entanto, nosso foco recairá sobre as referidas unidades produzidas e propagadas nos contexto das redes sociais.

A seguir, pretendemos explicitar qual a relação que as unidades de propagação apresentadas têm com os princípios constitutivos do memeplexo linguístico-midiático, bem como com os tipos de padrão de propagação gerados a partir de seus fenômenos propagados.

Ou seja, explicitaremos como os usuários dão origem a fenômenos meméticos e que tipo de internauta e relações esse processo faz emergir nos ambientes digitais, em especial nas redes sociais

2.2 Expressões meméticas, imagens meméticas e o princípio linguístico de propagação da

No documento Jaime de Souza Júnior (páginas 49-56)