importante

surpresa

Figura 1 - Comportamento não verbal observado nas crianças durante as entrevistas retrospectiva e cognitiva

Fonte: Os autores.

DISCUSSÃO

Poucos itens da escala original necessitaram de ajustes na tradução, sendo necessárias e possíveis pequenas modificações para manter a equivalência conceitual e semântica do item para a adaptação cultural do Banco Pediátrico de Itens Impacto da Asma do PROMIS®. Os participantes do estudo demonstraram comportamento que confirmou a capacidade cognitiva de interpretação semântica e retrospectiva dos itens. Todos estes aspectos foram contemplados sem nenhuma intercorrência demonstrando que as crianças e adolescentes apresentaram, com uma ressalva, comportamento cognitivo que possibilitou a obtenção de respostas. Durante as entrevistas, observou-se que as crianças acima de 10 anos de idade tiveram menos dificuldade de leitura dos itens, não mostraram dúvidas e rapidamente respondiam. As crianças de oito anos liam e reliam as perguntas, muitas vezes olhando para o lado na tentativa de que o entrevistador explicasse, o que não ocorreu, pois a interpretação dos itens fazia parte da avaliação do pré-teste

Como o adulto, a criança vivencia a doença e o tratamento, sendo capaz de relatar e entender os impactos da doença em sua vida a partir de oito anos de idade (24). A literatura mostra que o nível de entendimento dos itens aumenta com a idade e que essas diferenças de desenvolvimento devem ser consideradas na administração das MRRP (24). O pré-teste foi realizado em crianças de oito a 14 anos devido ao fato de a confiabilidade e a validade das respostas aumentarem nessa faixa etária, se comparada à de cinco a sete anos de idade. Ainda, observamos, em nosso estudo, que o respeito à autonomia das crianças influenciou

30

sobremaneira no comportamento não verbal delas durantes as entrevistas e a aplicação do banco de itens.

A entrevista retrospectiva pode ser realiza em crianças com um tempo recordatório de, no máximo, quatro semanas, pois, após esse período, a criança, na maioria das vezes, não consegue dimensionar o tempo (24). Todas as crianças entenderam que o tempo recordatório era de sete dias, referindo-se à semana anterior à da consulta.

Em Pediatria, a entrevista cognitiva realizada com o próprio paciente é extremamente útil para o autorrelato do estado de saúde sem interpretação da resposta pelo médico, investigador ou qualquer outra pessoa. Assim como com pessoas adultas, a entrevista cognitiva pode ser realizada de diversas formas. No nosso estudo, optamos por deixar que eles mesmos lessem e interpretassem o que estava sendo perguntado nos itens. Em seguida, foi questionado aos participantes o que eles haviam entendido acerca de cada item e como eles selecionaram as categorias de resposta. Esse processo foi importante, pois averiguou a clareza, a compreensibilidade, a abrangência e a relevância dos itens (20,21,24,25).

Durante as entrevistas cognitiva e retrospectiva, o comportamento dos participantes e a linguagem não verbal chamaram a atenção do entrevistador, que elencou os diferentes tipos comportamentais em um diário de campo. A linguagem não verbal envolveu todas as manifestações de comportamento não expressas por palavras, como gestos, expressões faciais, orientações do corpo e posturas. O entrevistador observou que os participantes se mostraram participativos, interessados, surpresos com a forma de abordagem do impacto da doença, receptivos em responder o questionário e, na maioria das vezes, autossuficientes, ou seja, não pediram ajuda aos pais ou ao entrevistador. A aplicação de itens que avaliam os resultados relatados pelos pacientes, além de possibilitar que a consulta seja centrada na pessoa, fortalece a relação médico-paciente, inclusive na população pediátrica.

As MRRP são importantes nos contextos em que se valoriza a autonomia e a segurança, tendo sido elaborados com a finalidade de medir a opinião dessa população.

Conhecer a percepção do paciente por meio do autorrelato dessas medidas é essencial para estabelecer estratégias terapêuticas, ambientais e comportamentais para o manejo da doença (26). O Banco Pediátrico de Itens Impacto da Asma do PROMIS® avalia o paciente de forma multidimensional por abordar questões práticas do dia a dia da criança que são comprometidas de forma negativa pelas crises de asma. Tais atividades cotidianas incluem brincar com animais de estimação, praticar esportes, ações comuns como dormir, respirar e andar, e questões relacionadas à socialização com amigos e ir à escola, que são importantes no

contexto social da criança. Todos esses aspectos interferem na qualidade de vida desses pacientes (26).

Apesar de Brasil e Portugal terem o português como língua oficial, algumas traduções necessitaram de revisões, pois algumas palavras são ditas de formas diferentes em cada país, como foi o caso da palavra “wheezy”, que, no processo tradução e adaptação cultural, foi identificado como “pieira”, em Portugal, e como “chiado do peito”, no Brasil. Essas diferenças são previstas pelo processo de adaptação cultural e no caso no Banco de Itens Impacto da Asma, foram facilmente ajustadas (10,17).

Outro aspecto observado no processo de tradução e adaptação cultural do Banco de Itens Impacto da Asma foi o cuidado em diferenciar os sintomas emocionais dos sintomas físicos relacionados à asma. Tal situação justifica o item “My body felt bad when I was out of breath” traduzido inicialmente como “Senti-me mal quando fiquei sem ar”, passou na etapa de adaptação para “Senti-me mal fisicamente quando fiquei sem ar”; essa alteração foi necessária por a primeira versão ter, segundo os revisores, conotação física e não emocional (22).

A opinião do participante é de extrema importância, pois itens que recebem comentários duvidosos devem ser reformulados para melhor fidedignidade do seu conceito original. No item “Fiquei ofegante e meu peito ficou chiando por causa da asma” (3R2), optou-se pela retirada da palavra “ofegante”, visto que os participantes associaram o termo a aumento da frequência respiratória e falta de ar; ademais, o conceito original desse item propõe o significado de sibilância. Já no item “Senti-me mal quando fiquei sem ar”

(5301R1), foi acrescida a palavra “fisicamente” devido à associação emocional que, no pré­

teste, foi verificada, levando-se em consideração o caráter físico estipulado no conceito original do item.

Em alguns itens, foi acrescido o pronome “me” após o verbo, como no item 5297R1 -

“My asthma bothered when I was with my friends” -, cuja tradução inicial havia sido “A asma me incomodou quando eu estava com meus amigos” e foi mudada para “A asma incomodou- me quando eu estava com amigos”. Isso foi necessário para adequar os itens a uma forma universal entre a gramática do Brasil e de Portugal, pois, na norma culta, o pronome oblíquo átono não é empregado no início da frase. Além disso, o pronome oblíquo átono é um substituto ou acompanhante do substantivo e, em pronomes reflexivos - aqueles que indicam que o sujeito é quem pratica e sofre a ação - utiliza-se a ênclise após o verbo (27).

32

CONCLUSÕES

A tradução e a adaptação transcultural do Banco Pediátrico de Itens Impacto da Asma do PROMIS® mantiveram as equivalências semântica, conceitual e cultural propostas nos itens originais. Todas as traduções de instrumentos PROMIS são ® copyrighted pela PHO, e para obter mais dados sobre a tradução, é necessário acessar a página da internet HealthMeasures (www.healthmeasures.net).

Destacamos que as entrevistas cognitiva e retrospectiva direcionadas aos pacientes pediátricos foram fundamentais nesse processo, tendo demonstrado ser um recurso importante para a avaliação do bem-estar pretendido pelo tratamento e o controle da asma baseados na percepção das crianças e dos adolescentes.

Apesar de a consulta médica pediátrica ser, em sua maioria, voltada para o relato dos pais e/ou cuidadores, a opinião da criança não deve ser menosprezada.

Agradecimentos

À FAPEMIG pelo financiamento disponibilizado para a compra deste banco de itens e ao grupo de pesquisa em Qualidade de Vida / PROMIS® da Universidade Federal de Uberlândia.

REFERÊNCIAS

1 GINA. Global strategy for asthma management and prevention. [Homepage on the Internet].

Global Iniciative Asthma 2017 [cited 2017 April]. [acesso em 2017 jan. 12] Disponível em:

http://www.ginasthma.org.

2 ARAUJO DLA et al. Qualidade de sono e de vida na asma. Braz J Allergy Immunol. 2014;

2(3), 2014.

3 SBPT. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. IV Diretrizes Brasileiras para o Manejo da Asma. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 2012; 38(1):S1-S46.

4 NUNNALLY JC, BERNSTEIN IH. Psychometric Theory. 3.ed. New York: McGraw-Hill;

1994.

5 Bender BG. Measurement of quality of life in pediatric asthma clinical trials. Ann. Allergy Asthma Immunol. 1996; 77:438-46

6 Indicadores e Dados Básicos 2008: tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2008.

7 Ghandi PK, Kenzik KM, Thompson LA, DeWalt DA, Revicki DA, Shenkman EA, et al.

Exploring factors influencing asthma control and asthma-specific health-related quality of life among children. Respiratory Research. 2013; 14(1):26-34.

8 CALLEGARI-JACQUES SM. Biostatistics: principles and applications. Porto Alegre:

Artmed; 2003.

9 Esteves AR. Adaptação e validação do questionário "ATS-DLD-78-C" para diagnóstico de asma em crianças com até 13 anos [dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 1995.

10 BEATON DE et al. Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measure. Spine. 2000; 25:3186-91.

11 Li Z, Huang IC, Thompson L, Tuli S, Huang SW, Dewalt D, et al. The relationships between asthma control, daytime sleepiness, and quality of life among children with asthma:

A path analysis. Sleep Medicine. 2013; 14(7):641-647.

12 Irwin DE, Stucky B, Thissen D, DeWitt EM, Lai J-S, Yeatts K, et al. Sampling plan and patient characteristics of the PROMIS pediatrics large-scale survey. Quality of Life Research.

2010; 19(4):585-94.

13 Bacharier LB, Boner A, Carlsen KH, et al. European Pediatric Asthma Group. Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy. 2008;

63(1):5-34.

14 Carroll LC, Schramm MC, Zucker RA. Slow responders to IV - 2 adrenergic agonist therapy. Pediatric Pulmonology. 2008; 43:627-33.

34

15 National Heart, Luand, Blood Institute. US Department of Health and Human Services.

National Institutes of Health. Expert Panel Report 3: guidelines for the diagnosis and

management of asthma. Bethesda, MD: National Heart, Luand, Blood Institute ; 2007; 1-440.

16 CASTRO NFC et al . Portuguese-language cultural adaptation of the Items Banks of Anxiety and Depression of the Patient-Reported Outcomes Measurement Information System (PROMIS). Cad. Saúde Pública. 2014; 30(4):879-884.

17 EREMENCO SL, Cella D, Arnold BJ. A comprehensive method for the translation and across-cultural validation of health status questionnaires. Eval Health Prof. 2005; 28:212-32.

18 Irwin DE, Varni JM, Yeatts K, DeWalt DA. Cognitive interviewing methodology in the development of a pediatric item bank: a Patient Reported Outcomes Measurement

Information System (PROMIS) study. Health and Quality of Life Outcomes. 2009; 7:13.

19 Yeatts KB, Stucky BD, Thissen D, Irwin D, Varni JW, DeWitt, et al. Construction of the Pediatric Asthma Impact Scale (PAIS) for the Patient-Reported Outcomes Measurement Information system (PROMIS). Journal of Asthma. 2010; 47(3):295-302.

20 Van Kooten JAMC, Terwee CB, Kaspers GJL, Van Litsenbur RRL. Content validity of the Patient-Reported outcomes measurement information system sleep disturbance and sleep related impairment item banks in adolescents. Health and Quality of Life Outcomes. 2016;

14:92.

21 Mokkink KBM, Terwee CB, Knol DL, Stratford PW, Alonso J, Patrick DL et al. The COSMIN checklist for evaluating the methodological quality of studies on measurement properties: A clarification of its content. BMC Medical Research Methodology; 2010; 10:22.

22 User Manuals. Assessment Center. [page on the Internet]. [acesso em 2017 jan. 12]

Disponível em: https://www.assessmentcenter.net/UserManuals.aspx

23 Wild D, Grove A, Martin M, Eremenco S, McElroy S, Verjee-Lorenz A, et al. Principles of good practice for the translation and cultural adaptation process for pacient-reported outcomes (PRO) measures: report of the ISPOR Task Force for Translation and Cultural Adaptation. Value Health. 2005; 8:94-104.

24 Matza LS, Patrick DL, Riley AW, Alexander JJ, Rajmil L, Pleil AM, et al. Pediatric Patient-Reported Outcome Instruments for Research to Support medical Product Labeling:

Report of the ISPOR PRO Good Research Practices for the Assessment of Children and Adolescents Tas Force. Value in health. 2013; 16:461-479.

25 Caspar AR, Lessler TJ, Willis GB. Reducing Survey Error through Research on the

Cognitive and Decision Processes. In: Meeting of the American Statistical Association, 1999 . 26 Matsunaga NY, Ribeiro MAGO, Saad IAB, Morcillo AM, Ribeiro JD, Toro AADC.

Evaluation of quality of life according to asthma control and asthma severity in children and adolescents. J Bras Pneumol. 2015; 41(6):502-508.

27 Aquino R. Português: questões comentadas/Renato Aquino. 2. ed. Niterói: Impetus; 2015.

REFERÊNCIAS

1 USER Manuals. Assessment Center. Disponível em:

<https://www.assessmentcenter.net/UserManuals.aspx>. Acesso em: 12 jan.

2017.

2 SBPT. Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. IV Diretrizes

Brasileiras para o Manejo da Asma. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 38, n.

1, p. S1-S46, 2012.

3 ARAUJO, D. L. A. et al. Qualidade de sono e de vida na asma. Braz J Allergy Immunol, v. 2, n. 3, 2014.

4 NUNNALLY, J. C.; BERNSTEIN, I. H. Psychometric Theory. 3. ed. New York: McGraw-Hill, 1994.

5 CARROLL, L. C.; SCHRAMM, M. C.; ZUCKER, R. A. Slow responders to IV - 2 adrenergic agonist therapy. Pediatric Pulmonology, v. 43, p. 627-33, 2008.

6 BEATON, D. E. et al. Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measure. Spine, v. 25, n. 31, p. 86-91, 2000.

7 IRWIN, D. E.; VARNI, J. M.; YEATTS, K. et al. Cognitive interviewing methodology in the development of a pediatric item bank: a Patient Reported Outcomes Measurement Information System (PROMIS) study. Health and Quality o f Life Outcomes, v. 7, n. 13, 2009.

8 YEATTS, K. B.; STUCKY, B. D.; THISSEN, D. et al. Construction of the Pediatric Asthma Impact Scale (PAIS) for the Patient-Reported Outcomes Measurement Information system (PROMIS). Journal o f Asthma, v. 47, n. 3, p.

295-302, 2010.

9 Cintia S. Kurokawa La Scala. Rev. bras. alerg. imunopatol, v. 28, n. 1, p. 32­

38, 2005.

10 MATSUNAGA, N. Y.; RIBEIRO, M. A. G. O.; SAAD, I. A. B. et al.

Evaluation of quality of life according to asthma control and asthma severity in children and adolescents. J Bras Pneumol, v. 41, n. 6, p. 502-508, 2015.

11 NATIONAL heart, Luand, Blood Institute. US Department of Health and Human Services. National Institutes of Health. Expert Panel Report 3:

36

guidelines for the diagnosis and management of asthma. Bethesda, MD:

National Heart, Luand, Blood Institute, 2007.

12 CALLEGARI-JACQUES, S. M. Biostatistics: principles and applications.

Porto Alegre: Artmed, 2003.

13 ESTEVES, A. R. Adaptação e validação do questionário “ATS-DLD-78C”

para diagnóstico de asma em crianças com até 13 anos. 1995. 84 f. Dissertação - Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo,

1995.

14 INDICADORES E DADOS BÁSICOS 2008:

tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2008.

15 CONSENSO BRASILEIRO DE ASMA. Jornal Bras. de Pneumol, 2012. No prelo.

16 GINA. Global strategy for asthma management and preventio. Global Iniciative Asthma. 2017. Disponível em: <http://www.ginasthma.org>. Acesso em: 12 jan. 2017.

17 BACHARIER, L. B.; BONER, A.; CARLSEN, K. H. et al. European Pediatric Asthma Group. Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy, v. 63, n. 1, p. 5-34, 2008.

18 LI, Z.; HUANG, I. C.; THOMPSON L, T. S. et al. The relationships between asthma control, daytime sleepiness, and quality of life among children with asthma: A path analysis. Sleep Medicine, v. 14, n. 7, p. 641-647, 2013.

19 IRWIN, D. E.; STUCKY, B.; THISSEN, D. et al. Sampling plan and patient characteristics of the PROMIS pediatrics large-scale survey. Quality o f Life Research, v. 19, n. 4, p. 585-94, 2010.

20 BENDER, B. G. Measurement of quality of life in pediatric asthma clinical trials. Ann. Allergy Asthma Immunol, v. 77, n. 4, p. 38-46, 1996.

21 GHANDI, P. K.; KENZIK, K. M.; THOMPSON, L. A. et al. Exploring factors influencing asthma control and asthma-specific health-related quality of life among children. Respiratory Research, v. 14, n. 1, p. 26-34, 2013.

22 WILD, D.; GROVE, A.; MARTIN, M. et al. Principles of good practice for the translation and cultural adaptation process for pacient-reported outcomes

(PRO) measures: report of the ISPOR Task Force for Translation and Cultural Adaptation. Value Health, v. 8, p. 94-104, 2005.

23 CASTRO, N. F. C. et al . Portuguese-language cultural adaptation of the Items Banks of Anxiety and Depression of the Patient-Reported Outcomes Measurement Information System (PROMIS). Cad. Saúde Pública. v. 30, n. 4, p. 879-884, 2014.

24 EREMENCO, S. L.; CELLA, D.; ARNOLD, B. J. A comprehensive method for the translation and across-cultural validation of health status questionnaires.

Eval Health Prof, v. 28, p. 212-32, 2005.

25 PITON-GONÇALVES, J.; ALUÍSIO, S. M. Teste Adaptativo

Computadorizado Multidimensional com propósitoseducacionais: princípios e métodos. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 23, n. 87, p. 389-414, abr./jun. 2015.

26 Mota, A. L. B. Criança e mídia: o acesso ao computador e seus reflexos nos saberes da criança de educação infantil. 2007. Dissertação (Mestrado em

Educação) - Setor de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

27 KLIEGMAN, R. et al. Nelson Tratado de Pediatria. Editora: Elsevier. 2014.

28 MATZA, L. S.; PATRICK, D. L.; RILEY, A. W. et al. Pediatric Patient- Reported Outcome Instruments for Research to Support medical Product Labeling: Report of the ISPOR PRO Good Research Practices for the

Assessment of Children and Adolescents Tas Force. Value in health, v. 16, p.

461-479, 2013.

38

A ___

No documento UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA (páginas 31-40)

Documentos relacionados