Quando cheguei em casa, fui direto ao quarto de minha mãe para procurá-la. Ainda era noite, mas ela já estava dormindo, enrolada em uma bola em seu colchão. O colchão estava no chão, mas não era porque estávamos tentando fazê-la dormir mal ou o que fosse, era porque toda vez que lhe dávamos uma cama, ela a usava para se machucar.

Minha mãe ficou perturbada. Sua mente não funciona bem. Ela estava com muita raiva, mas principalmente estava triste.

Ela disse que queria morrer. Uma vez, quando eu estava no ensino médio, ela agarrou minha mão quando estávamos sozinhas em seu quarto em uma noite. Eu sempre entrava para lhe dar um beijo de boa noite. Ela me implorou para ajudá-la a morrer.

Ela pensou em tudo. Ela disse que eu poderia colocar minhas mãos em alguns dos remédios que vovó guardava no armário do banheiro. Ela disse que tinha visto quando estava tomando banho. Ela

disse que eu poderia dar a ela. Ela disse que eu não teria que fazer nada, eu poderia deixá-la sozinha.

Isso foi muito perturbador.

Eu olhei para minha mãe naquela noite, não porque eu pensava que ela poderia se matar (embora isso sempre acontecesse), mas porque eu estava preocupada que as criaturas tivessem chegado. Às vezes, depois que eu chamava a magia, eles pareciam saber onde ela estava também e ficavam rastejando por rachaduras no teto ou embaixo de portas. Não entendi como tudo funcionava ou por quê. Mas eu tinha feito mágica e sabia que eles poderiam estar lá. Eu estava preocupada com ela.

Eu sempre me preocupei com ela.

Ela nem sempre foi tão ruim. Ocasionalmente, ela tinha bons dias. Em um bom dia, ela pode tocar piano, fazer biscoitos ou deitar-se ao sol em uma rede no quintal e ler poesia de Walt Whitman.

Por que minha mãe costumava ser diferente?

Quando ela era jovem, era mais parecida com a de seus bons dias.

Vovó nunca veio à tona e disse isso, mas pelo que entendi, o que havia mudado minha mãe era eu.

Eu tinha certeza de que dar à luz tinha feito algo com ela. Também não entendi isso. Isso me fez sentir culpada. Isso me fez sentir ainda mais responsável por ela. Eu queria ter certeza de que ela estava segura.

Como minha mãe estava dormindo e como não havia criaturas de pernas finas tentando entrar pela janela, fechei a porta e fui para a cozinha.

Eu estava cercada de comida no restaurante o dia todo e, geralmente, quando chegava em casa, não estava com fome. O cheiro de comida me lembrava o trabalho, e não era particularmente apetitoso. Mas eu queria um lanche, porque fiz mágica com a gárgula. Fazer mágica tendia a tirar um pouco de energia de mim. Eu precisava reabastecer um pouco.

Abri a geladeira e espiei dentro. Estava com recipientes cheios de sobras, sacos de legumes, queijo e pães. Vovó sempre comprava comida

suficiente para alimentar um exército, mesmo que fosse apenas eu, ela e minha mãe em casa. Minha mãe não comia muito. Eu costumava ficar no restaurante o dia todo e, quando voltava, estava com nojo de pensar em comida, então também não comia muito. É certo que minha avó tinha um apetite saudável. Ainda assim, ela cozinhava como se tivesse uma família em casa, e a maior parte era desperdiçada.

Mas hoje à noite fiquei feliz com isso. Encontrei caçarola de frango e em um recipiente de plástico e coloquei no micro-ondas. Peguei um garfo e fiquei na frente do micro-ondas, observando a contagem decrescente.

— Você fez mágica?— veio uma voz.

Eu me assustei. Vovó estava porta da cozinha.

Meus ombros caíram. — Eu fiz.

— Você me disse que não faria mais isso. Nunca é uma boa ideia, Petra.

Bati meu garfo na palma da minha mão. — Havia uma gárgula.

— Uma gárgula?— Vovó entrou na cozinha, puxou uma cadeira à mesa da cozinha e sentou-se, dando-me toda a atenção. — Conte-me tudo.

Eu fiz. Contei a ela tudo sobre como a gárgula me seguiu, como ele me contou sobre alguma faculdade e como eu havia feito mágica para provar que podia me qualificar.

— Então você vai me deixar,— disse minha avó.

Eu balancei minha cabeça. — Não, você não me ouviu? Ele disse que me queria na faculdade para que eu pudesse lutar contra aquelas criaturas estranhas e usar minha magia para fazer isso. Eu não quero nada com isso. Eu não acho que você quer isso também. Você é quem está sempre falando comigo sobre não usar meu poder.

Vovó bateu o dedo indicador contra o lábio. — Parece-me que esta gárgula pode saber mais sobre a magia do que jamais conhecemos.

O micro-ondas apitou. Abri a porta e peguei meu lanche. Levei-o para a mesa da cozinha e sentei-me ao lado de vovó. — E daí? Então, ele sabe das

coisas? Grande negócio. Lutando com essas coisas ...— Eu não terminei, porque não queria que ela soubesse até que ponto eu havia lutado contra essas coisas. Ela só sabia sobre a ponta do iceberg.

Vovó deu de ombros. — Eu sempre disse que esta cidade era pequena demais para você, Petra.

— Você quer que eu vá embora?— Coloquei meu garfo na caçarola, mas não mordi. Eu agitei. — Então você estará sozinha aqui com mamãe.

— Eu posso gerenciar sua mãe,— disse vovó. — Além disso, não é como se eu não tivesse suas tias e primos por perto para me ajudar.

Isso era verdade. Tínhamos uma família bastante grande, muito unida. Quase todas as mulheres da minha família eram bruxas. Mesmo que os humanos só pudessem fazer mágica se tivessem um talismã, alguns humanos se saíam melhor do que outros. Provavelmente porque em algum lugar da nossa linhagem, tínhamos sangue de dragão.

Sabíamos de pelo menos vários dragões ao longo da linhagem que haviam contribuído. Nenhum de nós

tinha sangue de dragão suficiente para mudar ou qualquer coisa, mas tínhamos o suficiente para ter uma afinidade pela magia.

Mas o que eu podia fazer, era completamente diferente. Minha afinidade pela magia dos dragões era a mesma que todo mundo da minha família.

Minha outra magia? Ninguém nunca tinha visto algo assim antes.

— Eu simplesmente não sabia que você estava tão ansiosa para se livrar de mim, só isso.

— Oh, Petra. Não seja ridícula. Claro que não quero me livrar de você.

Eu levantei minhas sobrancelhas para ela.

Talvez ela queira, talvez não. Eu parecia incomodá-la muito. Ela se referiu a mim como um desafio. — Você acha que eu deveria ir para a faculdade.

Vovó não disse nada. Ela encolheu os ombros. — Bem, você fugiu daquela gárgula, então, a menos que você tenha um endereço, acho que você não tem como entrar em contato com ele ou a faculdade.

— Isso é verdade.— O problema era que não importava se eu deveria ir à faculdade ou não. A oportunidade havia passado. Dei uma mordida na caçarola, mastiguei e engoli. Então eu abaixei meu garfo. — Bem, é isso, então. Acho que não há mais motivo real para pensar nisso.— Levantei-me da mesa e peguei minha caçarola. — Acho que vou comer o resto disso na sala, assistindo TV.

* * *

Eu não conseguia me concentrar muito na TV, no entanto. Acabei terminando minha refeição, deixando minha vasilha na pia da cozinha e subindo as escadas para o meu quarto.

Mas quando eu fechei a porta, vi que minhas cortinas estavam tremendo na brisa. Aquilo foi estranho. Não me lembrava de deixar minha janela aberta. Fui inspecionar, e foi aí que notei que a tela havia sido tirada da minha janela e colocada no chão ao lado dela. Agora, eu sabia que não tinha feito isso.

A gárgula saiu das sombras ao lado do meu armário. — Eu colocaria isso de volta antes que você chegasse aqui,— disse ele.

Eu apontei para a janela aberta. — Você invadiu minha casa?

— Sinto muito por isso,— disse ele.

— Algo errado em passar pela porta?

— Não, nada de errado com isso, eu acho. Mas eu queria falar com você sozinha. Este parecia ser o melhor lugar para fazer isso.

— Quem disse que eu quero falar com você?—

Cruzei os braços sobre o peito. É claro que, depois dessa conversa com vovó, tive que admitir que não estava tão segura de mim como estava. Talvez eu deva ir com ele para a faculdade. Talvez eu deva aprender a usar minha magia.

Ele atravessou o quarto, para que estivéssemos mais perto. Ele estava a talvez um metro de distância, e eu percebi o quão alto ele era. Eu tive que levantar meu pescoço para olhar em seu rosto.

E eu não era exatamente uma garota baixa. Eu não

era super alta, nem nada. Eu tinha cerca de um metro e oitenta. Ele deve ter pelo menos uns dezesseis centímetros mais. — Apenas me dê mais alguns minutos. Escute o que tenho a dizer.

— Eu não sei,— eu disse, mesmo sabendo que não vi nada de errado em ouvi-lo.

— Eu posso ter deturpado o interesse da Ordem das Cinzas em você.

— Não sei o que isso significa e não me importo.— Exceto que talvez eu tenha me importado. Quando se tratava disso, não havia nada para mim aqui nesta cidade. Vovó estava certa sobre isso. O lugar era pequeno demais para mim.

— Precisamos de você,— disse a gárgula. — É assim mesmo. Não é tanto sobre a sua qualificação ou algo assim. É mais sobre eu vir aqui implorar que você venha e nos ajude. A situação está ficando cada vez pior. Há muito perigo. Você é especialmente adequada para esta luta. Você tem que ir para a faculdade.

Eu ri um pouco — Precisa de mim, hein? Bem, acho que ninguém nunca me disse isso antes.

— Estou falando sério. Existem outros como você, mas nunca vi alguém tão forte. Você é, literalmente, nossa melhor esperança.

Eu balancei minha cabeça. — Talvez você precise de mim, eu não sei. Mas outras pessoas também precisam de mim. Não posso deixá-los— . Eu estava pensando em minha mãe. De alguma forma, eu estava conectada àquelas criaturas horríveis, mas ela também parecia estar conectada.

— Sua família?— ele disse.

— Sim,— eu disse. — E especialmente minha mãe. Ela é, hum, ela não é ...

— Eu sei sobre sua mãe,— disse ele.

Franzi minha testa. — Você sabe? Como você sabe disso?

— Como eu disse, existem outros como você.

— E eles têm mães que são como a minha?

— Se você vier comigo, tudo será explicado.—

Sua voz era baixa e urgente. Ele parecia muito sério,

como se estivéssemos evitando o fim do mundo ou algo assim.

Esfreguei minha testa. Parte de mim queria ir com ele. Por um lado, essa voz profunda e expressão séria estavam realmente trabalhando para ele. Ele era todo pensativo, atraente e musculoso. Quero dizer, os braços dele? Aqueles eram bons braços.

Definitivamente, havia algo tentador em fugir de tudo isso e começar de novo em algum lugar, especialmente se eu fosse realmente tão especial. — As criaturas vêm atrás da minha mãe. Se eu for embora, ela estará sozinha e indefesa.

— Eles vêm para sua mãe porque você está aqui.

Eles sentem você, não ela— ele disse. — Se você a deixar, ela estará mais segura do que se você estivesse aqui.

— Como você sabe disso?

— Bem, para ser sincero, não temos certeza absoluta, mas, de nossa observação, é o que descobrimos.

— De observar essas outras pessoas como eu?

Ele assentiu. — Sim.

Eu soltei um suspiro enorme. — Então ela estaria segura?

— Sim.

Eu me afastei dele. Olhei pela janela aberta, senti a brisa do outono na minha pele. Lá fora, tudo estava escuro e pacífico. — E se eu for com você, você pode me ensinar a lutar melhor contra essas coisas? Você pode me ensinar a matá-los?

— Esse será todo o seu foco,— disse Logan. — Nós vamos matar todos eles. Com sua ajuda, faremos isso. Diga que você vem.

Lambi meus lábios. Eu me virei para ele.

— Por favor?

Eu não poderia dizer não, poderia? Eu tive que fazer isso. Isso é importante. Então, eu assenti para ele. — Tudo bem,— eu disse. — Ok, eu irei.

Ele sorriu. — Boa. Você está fazendo a escolha certa.

Sim, eu não tinha tanta certeza disso, mas rejeitar de novo me faria parecer uma covarde

indecisa. Para melhor ou pior, eu estava indo para uma faculdade de magia.

CAPÍTULO TRÊS

— Você é a nova garota, então?

Eu estava de pé no topo de uma escada. No alto, pinturas altas de magos de aparência séria do século XIX ou algo me encaravam. As pinturas emolduradas seguiam as escadas desde o primeiro andar. Esse prédio de dez andares era aparentemente o Ravenridge College, e abrigava todas as salas de aula, dormitórios e tudo mais.

A pessoa que estava falando comigo tinha cabelos pretos e um piercing na sobrancelha. Ela estava usando um monte de pulseiras. — Eu sou Tatum Booth,— disse ela. — Eles disseram que eu estava conseguindo uma colega de quarto, o que é bom. Eu gostava de ter o banheiro sozinha, mas posso compartilhar. Eu sou iluminada.

Aparentemente, o semestre havia começado semanas atrás, mas eu era uma recruta atrasada.

Eu tinha uma bolsa pendurada nas costas e estava

No documento SINOPSE Bem-vindo ao ravenridge college. Embebedar-se. Tome decisões estúpidas. E chute o traseiro interdimensional sério. Petra brightshade tinha a (páginas 22-36)