Colunas ou barras múltiplas

No documento Adauto José Valentim Neto Dayanna Costa. Estatística Básica (páginas 27-36)

Outros tipos de gráficos podem ser estudados quando nos referimos aos diagramas, como, os gráficos com múltiplas colunas ou barras, os gráficos combinados e o gráfico de setores, que representam, visualmente, dados simples e de fácil interpretação.

Não é novidade que o gráfico de colunas ou barras traz informações retangulares que representam determinado fenômeno. Assim, a partir de agora, essas informações agregarão mais dados, de forma que os retângulos representem informações diferentes a partir de comparações simultâneas.

Para iniciarmos nossos estudos, vamos considerar que uma empresa X, no decorrer de determinado período (anos), produziu dois tipos de produto (A e B), conforme a tabela a seguir:

Produtos (quantidades)

Período

2000 2001 2002 2003 2004

Produto A 10.000 9.000 6.000 12.000 13.000 Produto B 6.000 7.000 8.000 10.000 14.000

Para a elaboração de um gráfico de colunas múltiplas, conside-ramos como eixo base, o eixo das abscissas, ou seja, o eixo horizontal (x), que descreverá o período de análise (2000, 2001, 2002, 2003 e 2004).

Nesse caso, os dados variam em relação à quantidade produzida de cada produto (A e B), assim, existe, nessa situação, dois retângulos, crescentes e decrescentes, de forma vertical, como demonstrado a seguir:

Figura 11 – Produção

Fonte: Elaborada pelos autores.

Nesse gráfico, podemos observar que o ano de maior produção, para ambos os tipos de produto, foi o ano de 2004, pois é o período que apresenta os maiores retângulos. Se formos analisar de forma individual, observamos que, em relação aos produtos, cada cor dos retângulos (azul e laranja) representa um produto diferente. Assim sendo, podemos identificar que, a maior produção do produto do tipo A se deu nos anos 2000, 2001 e 2003, enquanto a maior produção do produto do tipo B ocorreu nos anos 2002 e 2004, pois essas informações são representadas pelos maiores retângulos.

De forma parecida, podemos expressar tais dados por meio de um gráfico de barras múltiplas, que terá uma aparência diferente, pois os retângulos serão direcionados de forma horizontal, como a seguir:

Figura 12 – Período

Fonte: Elaborada pelos autores.

Observe que, dessa vez, os dados do fenômeno analisado são direcionados de forma diferente. No eixo vertical (y), foram alocadas as informações do período (ano), enquanto que, no eixo horizontal (x), foram alocadas as quantidades produzidas. Da mesma forma que o gráfico em colunas, as conclusões permanecem e as cores diferenciam o tipo de produto que está sendo analisado.

Assim, podemos concluir que os gráficos de colunas ou barras múltiplas podem ser elaborados a partir de diversos dados, os quais serão diferenciados por alguma característica (por exemplo, a cor), e facilitam ao usuário a identificação, de forma clara e objetiva, do fenômeno em decorrência de um período analisado.

Gráfico de combinação

Nessa mesma perspectiva, o gráfico de combinação consiste na utilização de mais de um gráfico em uma única estrutura visual. Esse gráfico combinará, por exemplo, as características do gráfico de colunas com as do gráfico de linha.

Com isso, o gráfico de combinação demonstrará dados na forma de colunas e de linhas, que representarão dados distintos em uma determinada distribuição.

Nesse tipo de gráfico, as informações podem ser identificadas mais facilmente; além disso, ele pode ser bastante útil na análise de categorias, principalmente se trabalhadas com valores. Vale salientarmos que, assim como os demais gráficos, na combinação, devem ser fornecidas informações claras e categóricas sobre o fenômeno a ser estudado.

Para exemplificarmos esse gráfico, consideramos os dados fornecidos por uma empresa X sobre as vendas projetadas e suas realizações em decorrência do primeiro semestre de um ano, assim como nos mostra a tabela a seguir:

Período (mês) Projeções de vendas (R$)

Realizações de Vendas (R$)

Janeiro R$ 150.000,00 R$ 170.000,00

Fevereiro R$ 120.000,00 R$ 110.000,00

Março R$ 100.000,00 R$ 92.000,00

Abril R$ 95.000,00 R$ 93.000,00

Maio R$ 120.000,00 R$ 125.000,00

Junho R$ 130.000,00 R$ 100.000,00

Para a elaboração do gráfico combinado, consideramos que as projeções de vendas são expressas por meio das colunas, enquanto as realizações das vendas são representadas por linhas unidas por pontos, como na figura a seguir:

Figura 13 – Vendas

Fonte: Elaborada pelos autores.

Podemos concluir, a partir desses dados, que, de acordo com as projeções destacadas pelas colunas de forma vertical, nos meses de janeiro e maio houve mais um maior número de vendas, e isso pode ser percebido a partir das linhas desenhadas ao longo do gráfico, que indicam, nesses dois períodos (janeiro e maio), que as vendas superaram as projeções.

Gráfico em setores

Esse tipo de gráfico, por sua vez, é representado por um círculo, por isso, muitas vezes, é denominado “gráfico de pizza”, por fazer referência ao visual circular.

Esse tipo de gráfico é utilizado, na maioria das vezes, para representar uma participação dos dados em relação ao seu total, por isso, deve ser dividido ou “fatiado”.

Nesse sentido, o total de dados é representado pelo círculo completo, já a sua divisão é representada pelas partes a serem analisadas.

Assim sendo, essas partes devem representar a proporção do dado em uma série específica, que será determinada pela comparação com o todo.

A forma circular representa, matematicamente falando, um ângulo de 360º graus, por isso, cada dado a ser representado deve ser considerado a partir desse ângulo.

Dessa forma, o ângulo de cada dado pode ser identificado a partir das fórmulas a seguir:

Ou seja, o gráfico de setores representa os dados estatísticos por meio de um círculo dividido em partes ou setores que representam os dados específicos analisados.

Para exemplificarmos esse tipo de gráfico, vamos considerar as seguintes informações sobre os dados de uma eleição na região sudeste do país.

Região (Sudeste) Número de Votos (fi)

Minas Gerais 150.000

São Paulo 258.000

Espírito Santo 125.000

Rio de Janeiro 230.000

∑ = 763.000

Para a construção do gráfico de setores, foi preciso a identificação do anglo de cada uma das cidades referentes à região sudeste.

Minas Gerais (x1)

São Paulo (x2)

Espírito Santo (x3)

Rio de Janeiro (x4)

A partir desses dados, pudemos elaborar dois tipos de gráfico de setores: o primeiro foi elaborado a partir da porcentagem de participação de cada cidade no todo, logo, utilizamos os valores encontrados em xi:

Figura 13 – Votos por região sudeste

Fonte: Elaborada pelos autores.

Já o segundo gráfico de setores expressa suas informações a partir do ângulo encontrado em cada cidade, ou seja, xºi:

Figura 14 – Votos por região sudeste

Fonte: Elaborada pelos autores.

Em ambos os gráficos de setores, seja a partir da porcentagem (%), seja por meio de ângulo (º), concluímos que, de forma visual, conseguimos identificar qual a região que possuiu o maior e o menor número de votos.

A região de São Paulo apresenta o maior número, com 33,81% e 122º em relação ao todo; já a região do Espírito Santo apresenta o menor, com: 16,38% e 59º do ângulo total. Dessa forma, podemos considerar que o gráfico de setores é uma importante ferramenta para análise e interpretação de grandes quantidades de dados, facilitando a visualização dos resultados.

Ademais, vale ressaltarmos que nem sempre é interessante para o usuário observar um gráfico de setores com muitas informações.

Acredita-se que o número ideal de setores para a divisão desse gráfico seja de até sete.

RESUMINDO:

E então? Gostou do que apresentamos? Conseguiu apreender tudo? Agora, só para termos a certeza de que você realmente entendeu o tema de estudo deste capítulo, vamos resumir tudo o que vimos. Você deve ter aprendido que existem outros tipos de gráficos que possibilitam a análise de vários dados, como os gráficos de colunas e barras múltiplas, além dos gráficos combinados e o gráfico de setores ou de pizza, como é comumente conhecido.

Dessa forma, compreendemos que os gráficos de colunas ou barras múltiplas têm a capacidade de demonstrar vários dados organizados, de forma que cada retângulo (vertical ou horizontal) represente uma variável de análise. Do mesmo modo, estudamos que o gráfico combinado tem a capacidade de envolver dois tipos de gráficos distintos, como o de colunas e de linhas, que são mais utilizados em dados de comparação. Por fim, estudamos os gráficos de setores, que são representados por figuras circulares e que representam divisões em relação às variáveis e ao todo, sendo necessário o conhecimento da participação (percentual ou angular) da variável em relação ao total de dados. Com isso, compreendemos o quanto é importante entender outras formas gráficas para o desenvolvimento e a construção de informações estatística, que, de forma clara e objetiva, auxiliam o profissional.

Entender o gráfico polar, o cartograma e

No documento Adauto José Valentim Neto Dayanna Costa. Estatística Básica (páginas 27-36)