A metodologia proposta permitiu a avaliação do sistema de GRSU do município de Cotiporã, proporcionando a identificação de suas potencialidades e das lacunas existentes entre a conjuntura atual e um cenário ideal, pautado pela gestão sustentável.

A matriz de indicadores de sustentabilidade, adotada como instrumento avaliativo, teve sua elaboração embasada em uma metodologia específica, vinculada à revisão sistemática. Esse método de investigação científica, realizado a partir de bases de dados e filtros definidos, oportunizou a sintetização dos indicadores de sustentabilidade passíveis de serem empregados na avaliação de sistemas de gestão de RSU.

A matriz de indicadores de sustentabilidade, que teve sua estruturação baseada nas referências obtidas junto à revisão sistemática, foi subdividida em quatro grandes áreas, nomeadas dimensões. Apesar de tratar de temas específicos, as dimensões se relacionam com uma gama de indicadores, dado que estas abrangem temas amplos, que representam eixos essenciais à gestão sustentável RSU.

A estruturação da matriz envolveu, além da manipulação, adaptação e seleção de indicadores, a definição de um mecanismo de mensuração e de avaliação dos mesmos. Para o primeiro foram adotados descritores, também utilizados por Santiago e Dias (2012), que descrevem três cenários distintos à cada indicador, sendo estes favorável, intermediário e desfavorável à gestão sustentável. Para a avaliação de tais cenários adotou-se uma escala numérica, variando entre 1 e -1, sendo a pontuação crescente juntamente com a gestão sustentável.

A aplicação da matriz foi pautada pela utilização de uma série de instrumentos, que possibilitaram a coleta dos dados e informações necessários à avaliação do sistema, de acordo com as questões elencadas pelos indicadores. Desta maneira, adotou-se a aplicação de questionário, a consulta de planos municipais vinculados à temática dos resíduos sólidos e coleta de informações e dados junto à entes públicos e diretamente a campo.

A partir do mecanismo de avaliação proposto se verificou que as dimensões que tratam das questões relacionadas à operacionalização e

tecnologia e à educação ambiental, foram as que se mostraram mais satisfatórias, apresentando avaliações positivas para todos os indicadores vinculados.

As dimensão ambiental, que abordou questões como adesão à coleta seletiva, geração de RSU e satisfação com a coleta, se mostrou em um nível mediano frente à gestão sustentável, dado que apesar de certos indicadores terem revertidos em valores positivos, outros reverteram em um quadro intermediário ou desfavorável, representados pelos valores 0 e -1, respectivamente. O mesmo fato ocorreu a partir da avaliação das GRSU sob o viés econômico e político.

Um cenário insatisfatório foi verificado junto a dimensão da inclusão social dos catadores, que em função da falta da existência de um convênio entre a Prefeitura e a entidade existente no Município, bem como de políticas públicas e programas específicos voltados à tal classe, reverteu em uma avaliação predominantemente negativa.

Apesar de um parcela significativa dos indicadores terem revertido em situações favoráveis, a gestão sustentável não pode ser vista somente a partir de temas e resultados isolados, e sim, como um conjunto de fatores essências ao manejo de RSU em um município. A GRSU deve ser encarada como um processo que integre todas às questões que envolvem a sustentabilidade, como encargos financeiros, preservação do meio ambiente, reciclagem, tecnologias de disposição final, operacionalização, estruturação política-administrativa, educação ambiental e inclusão social de catadores.

Além disso, cabe destacar os agentes envolvidos nessa articulação, que apesar do inquestionável papel do poder público, também envolve a atuação da sociedade, seja na tomada de decisão ou na participação e avaliação das políticas públicas e programas, voltados não só à temática dos resíduos, mas do meio ambiente como um todo.

As oportunidades de melhorias sugeridas à trabalhos futuros, voltados à mesma temática, dizem respeito à seleção dos indicadores e descritores adotados para a avaliação, principalmente quando esta for realizada junto a municípios de pequeno porte, como é o caso em questão.

Tal sugestão parte do fato de que todos os artigos obtidos a partir da revisão sistemática, quando aplicados, o foram em municípios maiores, com

população sempre superior à 15.000 habitantes. Sendo assim, tais municípios vivenciam, em diversos aspectos, realidades distintas em relação à cidades menores, sendo que os indicadores e descritores podem ser refinados com vistas à obtenção de uma análise mais fidedigna da realidade.

Exemplos de tal situação dizem respeito à estruturação política administrativa relacionada à GRSU, que via de regra, em municípios de pequeno porte, é reduzida, enquanto que cidades maiores chegam à contar com autarquias e setores que tratam especificamente sobre o tema.

À exemplo do caso anterior as grandes cidades normalmente dispõem de recursos, técnicos e financeiros, para a prestação dos serviços relacionados ao manejo de RSU, principalmente à implantação e operacionalização de aterros sanitários. Já em municípios menores, tais serviços são normalmente terceirizados, sendo que a execução própria dos mesmos depende via de regra, da criação de consórcios públicos entre diversos municípios.

REFERÊNCIAS

ALBERTIN, Ricardo Massulo et al. Diagnóstico da gestão dos resíduos sólidos urbanos do município de Flórida Paraná. Revista Agroambiente On-line, v.4, n. 2, p. 118-125, jul./dez. 2010. Disponível em: <

https://revista.ufrr.br/agroambiente/article/view/378/302 >. Acesso em: 16 mai. 2019.

ALCANTARA, Patrícia Fontinha de. Concepção de resíduos sólidos na área

rural de Nova Friburgo (RJ, Brasil): do consumo ao manejo. 2012 136 f.

Dissertação (Mestrado)- Programa de Pós Graduação em Ciências na área de Saúde Pública e Meio Ambiente. Fundação Oswaldo Cruz, 2010.

AMBIENTAR. Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos-

PMGIRS. Cotiporã, RS, 2012.

ARAÚJO, Adélia et al. Impacto dos praguicidas na saúde: estudo da cultura de tomate. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 3, p. 309-313, jun. 2000.

Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rsp/v34n3/2235.pdf >. Acesso em: 17 mai. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS- ABNT. NBR 10.004: Resíduos Sólidos- Classificação. Rio de Janeiro, 2004.

_____. NBR 13.221. Transporte terrestre de resíduos. Rio de Janeiro, 2003. _____. NBR 13.463. Coleta de resíduos sólidos. Rio de Janeiro, 1995. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS- ABRELPE. Panorama dos Resíduos Sólidos no

Brasil 2017. São Paulo: ABRELPE, 2017.

BARROS, Regina Mambeli. Tratado sobre resíduos sólidos: gestão, uso e sustentabilidade. Rio de Janeiro: Interciência; Minas Gerais, BH: Acta, 2012. BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Competência em informação (CoInfo) e midiática: inter-relação com a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) sob a ótica da educação contemporânea. Revista de

Biblioteconomia e Ciência da Informação, v.4, n. 1, p. 15-24, jan./jul. 2018.

Disponível em: <

https://periodicos.ufca.edu.br/ojs/index.php/folhaderosto/article/view/289/244>. Acesso em: 9 jul. 2019.

BESEN, Gina Rizpah. Coleta seletiva com inclusão de catadores:

construção participativa de indicadores e índices de sustentabilidade. 2011. 274 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós Graduação em Saúde Pública, Universidade de São Paulo, 2011.

BIOSFERA. Plano de Saneamento Básico-PSB. Cotiporã, RS, 2018.

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é- o que não é. 5 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. 225 p.

BRASIL. Constituição Federal, de 5 de outubro de 1998. Institui a

Constituição da República do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 1988.

______. Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010. Regulamenta a Lei no 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 2010.

______. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e

aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 31 ago. 1981.

______. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 27 abr. 1999.

______. Lei n° 9.974, de 6 de junho de 2000. Altera a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras

providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 06 jun. 2000.

______. Lei n° 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder

______. Lei complementar n° 140, de 8 de dezembro de 2011.

Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os

Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à

poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora; e altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 08, ago. 2011. ______. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de resíduos sólidos. Brasília, 2012. 109 p.

BOZIKI, Damiane et al. Situação atual da utilização de agrotóxicos e

destinação de embalagens na área de Proteção Ambiental Estadual Rota Sol, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista VITAS, v.1, n. 1, p. 1-15, set. 2011.

Disponível em: < https://docplayer.com.br/11219075-Situacao-atual-da- utilizacao-de-agrotoxicos-e-destinacao-de-embalagens-na-area-de-protecao- ambiental-estadual-rota-sol-rio-grande-de-sul-brasil.html >. Acesso em: 24 mai. 2019.

BRINGHENTI, Jaqueline. Coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: aspectos operacionais e da participação da população. 2004. 316 f. Tese (Doutorado)- Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, 2004.

CALDEIRA, Magnus Martins. Estudo dos determinantes da coleta domiciliar

e da disposição final dos resíduos sólidos urbanos em Minas Gerais.

2008. 83 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós- Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Belo Horizonte, 2008.

CANTÓIA, Silvia Fernanda. Educação ambiental e coleta seletiva em

Presidente Prudente-SP: avaliando seus resultados no conjunto habitacional

Ana Jacinta. 2007. 174 f. Dissertação (Mestrado)- Faculdade Ciências e

Engenharia, Programa de Pós Graduação em Geografia, Presidente Prudente, SP, 2007.

CARDOSO FILHO, Gerson Teixeira. Avaliação da Gestão de Resíduos

Sólidos Urbanos na cidade de Parintins/AM: desafios e oportunidades à luz

da Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS. 2014. 111 f. Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal do Amazonas, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Manaus, AM, 2014.

CASTRO, Jane S; CONFALONIERI, Ulisses. Uso de agrotóxicos no município de Cachoeiras de Macacu (RJ). Revista Ciência e Saúde Coletiva, v.10, n. 2, p. 473-482, 2005. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n2/a25v10n2.pdf>. Acesso em: 23 out. 2018.

CASTRO, Marcos André de Oliveira; SILVA, Neliton Marques da; MARCHAND, Guillaume Antonie Emile Louis. Desenvolvendo indicadores para a gestão sustentável de resíduos sólidos nos municípios de Iranduba, Manacapuru e Novo Airão, Amazonas, Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.20, n. 3, p. 415-426, jul./set. 2014. Disponível em: <

http://www.scielo.br/pdf/esa/v20n3/1413-4152-esa-20-03-00415.pdf>. Acesso em: 14 out. 2018.

COLVERO, Diogo Appel et al. Avaliação da geração de resíduos sólidos urbanos no estado de Goiás, Brasil: análise estatística de dados. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.22, n. 5, p. 415-426, jul./set. 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/esa/v22n5/1809-4457-esa-22-05-00931.pdf>. Acesso em: 14 mai. 2019.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE- CONAMA. Resolução n° 237, de 19 de dezembro de 1997. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 19 dez. 1997.

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COSEMA. Resolução n°

372/2018, de 22 de fevereiro de 2018. Dispõe sobre os empreendimentos e

atividades utilizadores de recursos ambientais, efetiva ou potencialmente poluidores ou capazes, sob qualquer forma, de causar degradação ambiental, passíveis de licenciamento ambiental no Estado do Rio Grande do Sul,

destacando os de impacto de âmbito local para o exercício da competência municipal no licenciamento ambiental. Diário Oficial do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 01 mar. 2018.

CORDEIRO, Alexander Magno. Revisão sistemática: uma revisão narrativa.

Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões.v. 34, n. 6, p. 931- 941, set./out.

2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rcbc/v34n6/11.pdf>. Acesso em: 14 set. de 2019.

DESMOND, Margaret. Municipal solid waste management in Ireland: assessing for sustainability. Irish Geography. v. 39, n. 1, p. 22-33, 2006. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/249058597_Municipal_solid_waste_m anagement_in_Ireland_Assessing_for_sustainability>. Acesso em: 10 set. 2018.

FECHINE, Roberta; MORAES, Luiz Roberto Santos. Indicadores de

sustentabilidade como instrumentos para avaliação de programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos e sua aplicação na cidade de Salvador- BA. Gestão e Tecnologias Ambientais (GESTA). v.14, n. 1, p. 87-104, 2014. Disponível em: <

https://portalseer.ufba.br/index.php/gesta/article/view/9223/8532>. Acesso em: 19 set. 2018.

FERREIRA, Gilmar Luiz. Diagnóstico do gerenciamento dos resíduos

sólidos urbanos de Minas Gerais e a Política Nacional. 2016. 110 f.

Dissertação (Mestrado)– Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós- Graduação em Engenharia Ambiental, Florianópolis, 2016.

FERREIRA FILHO, Paulo Sérgio. Ministério Público e a regularização

fundiária urbana em áreas de preservação permanente. Rio de Janeiro:

Lumen Juris, 2017. 232 p.

FRACASSO, M. M. et al. Avaliação dos resíduos sólidos urbanos para município de Sananduva/RS. Revista Brasileira de Energia e

Sustentabilidade (RBES), v.4, n.1, p. 20-30, jul. 2017. Disponível em: <

https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/RBES/article/view/9688/7776>. Acesso em: 19 set. 2018.

FREITAS, Marcílio de; FREITAS, Marilene Corrêa da Silva. A

sustentabilidade como paradigma: cultura, ciência e cidadania. Petrópolis,

RJ: Vozes, 2016.

FRITSCH, Ivânea Elisabete. Resíduos sólidos e seus aspectos jurídicos,

legais e jurisprudenciais. Porto Alegre, RS: Prefeitura Municipal de Porto

Alegre, 2000. 141 p.

GLOBAL ENGENHARIA AMBIENTAL LTDA. Plano de Gerenciamento

Integrado de Resíduos Sólidos. CISGA, 2018.

GRIMBERG, Elisabeth. Abrindo os sacos de "lixo": um novo modelo de gestão de resíduos está em curso no país. São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.polis.org.br/uploads/576/576.pdf. Acesso em: 19 out. 2018. HAY, Davi J. Incineration of municipal solid waste regulatory initiatives in Canada. Environmental Impact Assessment Review. v. 9, p. 291-304, set. 1989.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA- IBGE. Pesquisa

_____. Censo 2010. Disponível em:<

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/cotipora>. Acesso em: 20 out. 2018. _____. Cidades. Disponível em:

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/cotipora/panorama.Acesso em: 15 out. 2018.

JACOBI, Pedro Roberto; BESEN, Gina Rizpah. Gestão dos resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos Avançados. v. 25, n. 71, São Paulo, jan./abr. 2011.

JARDIM, Arnaldo; YOSCHIDA, Consuelo; MACHADO FILHO, José Valverde. Política nacional, gestão e gerenciamento de resíduos

sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012. 731 p.

KITCHENHAM, Barbara. Procedures for performing systematic reviews. Keele University Technical Report TR/SE-0401 and NICTA Technical Report 0400011T.1, 2004.

LEITE, Marcelo Fonseca. A taxa de coleta de resíduos sólidos domiciliares

uma análise crítica. 2006. 106 f. Dissertação (Mestrado)- Universidade de São

Paulo, Programa de Pós Graduação em Planejamento e Operações em Sistemas de Transportes. São Carlos, SP, 2006.

LEME, Simone Maria. Comportamento da população urbana no manejo dos resíduos sólidos domiciliares em Aquidauana – MS. Revista Geografia, v. 18, n. 1, p. 157-192, já./jun. 2009. Disponível em: <

http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/2392/2266>. Acesso em: 18 out. 2018.

LISBOA, Severina Sarah; HELLER, Léo; SILVEIRA, Rogério Braga. Desafios do planejamento municipal de saneamento básico em municípios de pequeno porte: a percepção dos gestores. Engenharia Sanitária e Ambiental. v.18, n.4, p. 341-348, out./dez. 2013. Disponível em: <

http://www.scielo.br/pdf/esa/v18n4/1413-4152-esa-18-04-00341.pdf >. Acesso em: 19 set. 2018.

LOZANO, Marisa Cubas. Um olhar para a gestão de resíduos sólidos

urbanos a partir de indicadores de sustentabilidade. 2012. 101 f.

Dissertação (Mestrado)- Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos, 2012.

MANTOVANI, Bruna et al. Geração de resíduos sólidos urbanos e o produto interno bruto (pib): análise da realidade de Caxias do Sul – Rio Grande do Sul.

In: 9º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos, Porto Alegre, 2018.

Anais...Disponível:<http://www.institutoventuri.org.br/ojs/index.php/firs/article/d

ownload/674/547/ > Acesso em: 11 mai. 2019.

MARIN, Vinícius. Produção de resíduos e perspectivas para implantação

de usina de compostagem em Veranópolis-RS. 2011. 52 f. Trabalho de

Conclusão de Curso (Bacharelado)- Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

MARÔCO, João. Análise estatística com o SPSS Statistics. Pêro Pinheiro, PT: Barbosa & Filhos, 2014. 990 p.

MASSUKADO, Luciana Miyoko. Sistema de apoio à Decisão: Avaliação de cenários de gestão de resíduos sólidos urbanos domiciliares. 2004. 272 f. Dissertação (Mestrado)- Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana, Universidade Federal de São Carlos, 2004.

MAZZAROTTO, Ângelo Augusto Valles de Sá; SILVA, Rodrigo de Cássio da.

Gestão da sustentabilidade urbana: leis, princípios e reflexões. Curitiba, PR:

Intersaberes, 2017. 364 p.

MILANEZ, Bruno. Resíduos sólidos e sustentabilidade: princípios, indicadores e instrumentos de ação. 2002. 229 f. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana, 2002.

MOLES, Richard. Practical appraisal of sustainable development Methodologies for sustainability measurement at settlement level.

Environmental Impact Assessment Review. v. 28, p. 144-165, fev./abr. 2008. Disponível em:<

https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0195925507000819> Acesso em: 11 mai. 2019.

MONTEIRO, Caroline et al. A gestão municipal de resíduos sólidos e as ações de sustentabilidade: um estudo realizado em um município do centro oeste do Paraná. Revista Brasileira de Gestão Urbana. v. 9, n. 1, p. 139-154, jan./abr. 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/urbe/v9n1/2175-3369-urbe- 2175-3369009001AO010.pdf > Acesso em: 11 mai. 2019.

MONTEIRO, José Henrique Penido et al. Manual de gerenciamento

integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

MUÑOZ, Susana Inés Segura. Impacto Ambiental na área do aterro

sanitário e incinerador de resíduos sólidos de Ribeirão Preto, SP:

Universidade de São Paulo, Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana, Ribeiro Preto, SP, 2002.

OLIVEIRA, Luciana Maria Moreira Souto de; OLIVEIRA, Romulo Carvalho de. Política Nacional de Resíduos Sólidos e a inclusão social dos catadores de materiais recicláveis. In: Congresso Virtual Brasileiro de Administração. 2011.

Anais...Disponível:

<http://www.convibra.com.br/upload/paper/adm/adm_3133.pdf > Acesso em: 10 mai. 2019.

OLIVEIRA, Selene de; PASQUAL, Antenor. Avaliação de parâmetros

indicadores de poluição por efluente líquido de um aterro sanitário. Engenharia

Sanitária e Ambiental, v.9, n. 3, p. 240-249, jul./set. 2004.

PEREIRA, Suellen Silva et. al. Uso de indicadores na gestão dos resíduos sólidos urbanos: uma proposta metodológica de construção e análise para municípios e regiões. Engenharia Sanitária e Ambiental. v.23, n.3, p. 471- 438, mai./jun. 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/esa/v23n3/1809- 4457-esa-23-03-471.pdf > Acesso em: 10 out. 2018.

PIAZ, Jandir Francisco; FERREIRA, Gabriel Murad Velloso. Gestão de resíduos sólidos domiciliares urbanos: o caso do município de Marau -

RS. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 5, n. 1, p. 33-47, jan./abr. 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/esa/v23n3/1809-4457-esa-23-03- 471.pdf > Acesso em: 10 out. 2018

POLAZ, Carla Natacha Marcolino; TEIXEIRA, Bernardos Arantes do Nascimento. Indicadores de sustentabilidade para a gestão municipal de resíduos sólidos urbanos: um estudo para São Carlos (SP). Engenharia

Sanitária e Ambiental, v.14, n. 3, p. 411-420, jul./set. 2009. Disponível em: <

http://www.scielo.br/pdf/esa/v14n3/v14n3a15.pdf > Acesso em: 10 out. 2018 RIBEIRO, Helena; BESEN, Gina Rizpah. Panorama da coleta seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. Revista de

Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambeinte (Interfacehs),

v.2, n. 4, ago. 2007. Disponível em:

<http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wpcontent/uploads/2013/0 7/2007-art-7.pdf > Acesso em: 19 out. 2018

RIBEIRO, Tatiana Soares Viana. ISO 37120 e objetivo do desenvolvimento

No documento Aplicação de indicadores de sustentabilidade na avaliação do sistema de gestão de resíduos sólidos urbanos do município de Cotiporã-RS (páginas 110-176)