Conclusões e perspetivas futuras

No documento De estudante a professor estagiário Relatório de Estágio Profissional (páginas 62-85)

Ao longo de todo o percurso académico, enquanto estudantes, vamos aprendendo uma série de práticas e informações essenciais à nossa concretização enquanto profissionais em Educação Física e Desporto, no entanto, só agora enquanto estagiários temos a perceção daquelas que são as nossas dificuldades e também competências.

Logo desde o início no estágio senti que as inseguranças eram muitas, por muitos momentos duvidei daquelas que seriam as minhas capacidades e se estaria à altura para tal desafio, todavia hoje sinto-me mais confiante para futuras experiências profissionais e devo tudo isso a esta experiência. Gostaria no entanto de salientar que nem todas as minhas inseguranças foram ultrapassadas, uma vez que existiram modalidades que eu gostaria de ter conseguido obter experiência no leccionamento das mesmas, tal como é o caso de Ginástica e Dança, que acabaram por não ocorrer de forma presencial. Estas inseguranças devem-se ao facto de estas serem modalidades com as quais eu me sentia menos preparado enquanto estudante universitário, e como tal gostaria de ter obtido esta experiência de modo a ultrapassar as minhas dificuldades.

Ao fazer um balanço de todo este grande desafio que foi o estágio, reflito essencialmente acerca dos ganhos que me trouxe, uma vez que na ESE dei os primeiros passos enquanto iniciante em Educação Física e Desporto e isso ficará sempre na minha memória como uma fase em que criei e desenvolvi competências não só a nível profissional como também pessoal. Tudo isto ocorreu de forma harmoniosa também devido a todo o apoio que tive dos profissionais com quem trabalhei que sempre acreditaram nas minhas capacidades apesar de estas ainda serem tão cruas.

Agora, com os olhos colocados no futuro, sinto-me mais capaz para iniciar novos desafios enquanto profissional e mais confiante das competências adquiridas como estudante, pronto para continuar esta viagem ao serviço da Educação Física e Desporto. Apesar de as oportunidades nesta área serem escassas, procurarei sempre implementar aquelas que foram as minhas experiências e conhecimentos em futuras oportunidades.

43

44 Referencias Bibliográficas

Arends, R. I. (1995). Aprender a Ensinar. Portugal: McGraw-Hill.

Arends, R. (2008). Aprender a Ensinar. Madrid: McGraw-Hill (7ª ed.) BENTO, J. O. (1998). Planeamento e Avaliação em Educação Física.

Livros Horizonte

Bento, J. O. (2003). Planeamento e avaliação em educação física (3º ed.). Lisboa: Livros Horizonte.

Brophy, J. E. (1979). Teacher Behavior and its Effects. In Journal of Education Psychology, 71, (6), 1979, (733-750)

CHARLOT, B. Relações com o saber, formação de professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CARVALHO, Lídia Madalena Damas de. Avaliação das Aprendizagens em Educação Física. Boletim Sociedade Portuguesa de Educação Física, [S.l.], n. 10-11, p. 135-151, june 2017. ISSN 2184-1594.

DAYRELL, J. T. A Educação do aluno trabalhador: uma abordagem alternativa, Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 15, p. 21-29, jun.1992.

Fernandes, D. (2019). Avaliação Sumativa.

Dessen, Maria Auxiliadora, & Polonia, Ana da Costa. (2007). A família e a escola como contextos de desenvolvimento humano. Paidéia (Ribeirão Preto), 17(36), 21-32

Gimeno Sacristán, J. (1998). O currículo uma reflexão sobre a prática.

Porto Alegre: Artmed.

Griffey, D. C., & Housner, L. D. (1991). Differences between experienced and inexperienced teachers’ planning decisions, interactions, student engagement, and instruc‑tional climate. Research Quarterly for Exercise and Sport, 62(2), 196‑204.

45

Hedeggard, M. (2002). A zona de desenvolvimento proximal como base para o ensino. In H. Daniels (Org.), Uma introdução a Vygotsky (pp. 199- 228).

São Paulo: Loyola

Huberman, M. (2000). O ciclo da vida profissional dos professores. En A.

Nóvoa (Org.), Vida de professores (pp.78-101). Portugal: Porto Editora.

Januário, C. (1996). Do pensamento do professor à sala de aula. Coimbra:

Almedina

Kinnerk, P., Harvey, S., MacDonncha, C., & Lyons, M. (2018). A review of the game-based approaches to coaching literature in competitive team sport settings. Quest, 70(4), 401–418.

Lima, F. D. C., de Oliveira, A. C. L., Araújo, T. S., & Miranda, G. J. (2015).

O choque com a realidade: dormi contador e acordei professor... REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 13(1), 49-67.

Lindsey, E. (2005). Study abroad and values development in social work students. Journal of Social Work Educatuion. 41(2) 229-249.

Matos, M. (2010). Diferenciação curricular: uma abordagem às práticas de intervenção educativa no 2º ciclo do ensino básico (Tese de doutoramento não publicada). Universidade Técnica de Lisboa, Cruz Quebrada.

Metzler, M. (2011). Instructional models for physical education (3rd ed.).

Scottdale, AZ: Holocomb Hathaway.

Piéron, M. (1996). Formação de professores. Aquisição de técnicas de ensino e supervisão pedagógica. Ciências do Desporto. Edições FMH. F.M.H..

Universidade Técnica de Lisboa. Lisboa.

POSTIC, M. (1979) - Observação e Formação de Professores. Coimbra:

Livraria Almedina.

Rego, T. C. (2003). Memórias de escola: Cultura escolar e constituição de singularidades. Petrópolis, RJ: Vozes.

RIBEIRO, L. (1999). Tipos de Avaliação. Avaliação da Aprendizagem.

Lisboa:

46 Texto Editora. (pp. 75-92).

Ribeiro, A & Ribeiro L. (1989). Planificação e avaliação do ensinoaprendizagem. Universidade Aberta. Lisboa

Santos, A (2000). Ensino à Distancia & Tecnologias de Informação - e-learning. Editora Lidel.

SCHMITZ, EGÍDIO. (2000) Fundamentos da Didática. 7ª Ed. São Leopoldo,RS: Editora Unisinos

Siedentop, D. (1983). Developing Teaching Skills in Physical Education.

Palo Alto. Mayfield Pub. Comp.

Torres, L. (2011). A cidadania e a democracia nas escolas. Revista do Centro de Formação Francisco de Holanda.

Vickers, J. (1990). Instructional Design for Teaching Physical Activities: A Knowledge Structures Approach. Champaign, Illinois: Human Kinetics Books.

47

48 Referências Legislativas

Portugal. DECRETO-LEI n.º 115 A/98. DR I Série. 102 (98.04.05)

49

xxi Anexos

Anexo 1. Roulement

xxii Anexo 2. Plano anual 10º ano

xxiii

37 Aulas/ 12 aulas de 100 mins/13 aulas de 50 min/24 aulas no interior/ 13 aulas no exterior

Turma 6ºC

35 Aulas /12 de 100 mins/ 11 de 50 mins / 25 no exterior/ 11 no interior

Jogos Coletivos

Basquetebol

Andebol

22 Aulas

Atletismo Saltos em altura

22 Aulas/ 7 aulas de 100 mins/8 aulas de 50 mins / 12 aulas no interior/ 10 no exterior

3ºPeríodo

xxiv Anexo 4. Ficha individual de Educação Física

xxv Anexo 5. Ficha de avaliação diagnóstica

10º Andebol

N º

Nome Turma Relação Com

a Bola

Estruturação no Espaço

Comunicação na Ação

Observações

Nível Critério

1 Realiza corretamente

2 Realiza com erros

3 Não realiza

xxvi

Parte Componentes críticas Conteúdo Descrição | Esquema t

I

xxvii

xxviii Anexo 8. Teste teórico do 1º Período

Ficha de Avaliação – Educação Física

Nome: ____________________________________ Ano / Turma: ______

Nota Final: ___

I. Voleibol (10 valores)

1. Relativamente às regras do jogo de voleibol, indica verdadeiro (V) ou falso (F) em cada uma das seguintes afirmações: (5)

1.1. ____ É permitido a um jogador tocar na bola duas vezes, de forma não consecutiva, na mesma jogada.

1.2. ____ Uma equipa tem direito a repetir o serviço se enviar a bola diretamente para fora.

1.3. ____ O jogo pode continuar se a bola passar por baixo da rede desde que não toque no chão.

1.4. ____ Invadir o campo adversário ou tocar num jogador adversário são ações consideradas como falta.

1.5. ____ Num 2x2 o recetor desloca-se para a rede após o primeiro toque.

2. Assinala com um círculo (o) a opção que consideras correta: (2) 2.1. O passe deve ser realizado:

a) Em cima e à frente da cabeça, com o olhar dirigido para a bola e coordenação entre a flexão/extensão dos membros superiores e inferiores no batimento.

b) Com ambas as mãos, podendo ocorrer uma apreensão durante poucos segundos;

c) Em cima e à frente da cabeça, com o olhar dirigido para a bola e flexão/extensão dos membros superiores no batimento.

xxix 2.2. A manchete deve ser realizada:

a) Orientada para o alvo e colocação atrás da bola

b) MS estendidos à frente, sendo o contacto com a parte interna dos antebraços c) MI semi refletidos

d) Todas das anteriores

3. Indica o gesto correspondente a cada uma das imagens que se seguem: (3)

______________________

______________________

______________________

xxx

II - Orientação (4 valores)

1.-Assinala com um círculo a opção que consideres correta:

1.1 Num ponto de controlo o que é necessário registar num cartão tradicional?

a) O código do ponto de controlo em formato de número b) O código do ponto de controlo em formato de letras c) Símbolos de informação

d) Quantas vezes lá passei

1.2 Numa prova de orientação o que representa estes símbolos?

a) Partida; Ponto de Controlo; Chegada b) Partida; Chegada; Ponto de Controlo c) Chegada; Ponto de Controlo; Partida d) Ponto de Controlo; Partida; Chegada

2- Associa as cores ao seu significado

1) Preto a) Vegetação 2) Azul b) Relevo

3) Amarelo c) Áreas/zonas abertas 4) Castanho d) Água/rios

5) Verde e) Casas/estradas/caminhos

Responde no espaço assinalado a baixo

1)____________________

2)____________________

xxxi 3)____________________

4)____________________

5)____________________

III – Atletismo (6)

1. Assinale se considera verdadeiro (V) ou falso (F) o conteúdo de cada uma das seguintes afirmações.

1.1. ____ Durante a corrida de resistência, o ritmo deve variar conforme o cansaço do atleta (devendo começar com um ritmo mais elevado e depois ir diminuindo com o cansaço).

1.2. ____ O descanso entre séries de velocidade deve ser superior ao descanso entre séries de resistência.

1.3. ____ Na corrida de resistência, cada atleta deve manter o mesmo ritmo de corrida durante toda a prova.

1.4. ____ Na partida de velocidade em pé, a chamada é feita a 2 vozes: “Aos seus lugares” e “Vai”.

2. Assinala com um círculo (o) a opção que consideras correta:

2.1. Na corrida de velocidade, se um atleta sair da sua pista:

a) Tem uma penalização 5 segundos;

b) É imediatamente eliminado;

c) Não tem qualquer problema a nível regulamentar.

2.2.Numa prova oficial de atletismo quantas falsas partidas são permitidas?

a) 1 b) 2

c) Nenhuma d) 3

xxxii

xxxiii Anexo 10. Mapa de percurso de Orientação

xxxiv Anexo 11. Capa torneio de Gira-vólei

xxxv Anexo 12. Critérios de avaliação

xxxvi Anexo 13. Programação do ensino à distância

No documento De estudante a professor estagiário Relatório de Estágio Profissional (páginas 62-85)