Ao traçarmos um histórico do teatro de resistência brasileiro de suas origens, na oposição ao regime militar, até as questões que exigem resistência na atualidade, como a representatividade e a promoção da igualdade de direitos civis, percebemos que o teatro é, ainda, um instrumento de posicionamento político e transformação social que opera por meio da mediação artística e cultural. Compreendemos, destarte, que essa expressão se relaciona com os conceitos de comunicação de resistência por três motivos: primeiro, por se tratar de um veículo intimista e anti- hegemônico frente aos meios de comunicação de massa; segundo, por possuir, em grande parte, um posicionamento político e de rompimento de padrões; e terceiro, por partir de grupos minoritários em resposta à realidade social vivenciada. Vale ressaltar que, ao longo da escrita deste trabalho, o Brasil voltou a presenciar ataques de grupos de extrema-direita contra manifestações artísticas, populares e mesmo universitárias que muito se aproximam de episódios vividos nas décadas de 1960 e 1970. Nesse cenário, o estudo da resistência por meio da comunicação e da arte se faz ainda mais relevante.

Percebemos, ao longo da pesquisa, que o impacto da intervenção teatral pode ser percebido, além do aspecto social, na transformação de espaços urbanos. Isso ocorre principalmente porque as apresentações de espetáculos têm como consequência uma circulação de público nesses locais, o que promove uma oxigenação da cidade de forma não necessariamente gentrificada. No caso d’Os Satyros, a ressignificação do espaço urbano vai ainda além da circulação de público quando a companhia passa a acolher as comunidades locais como parte de sua existência e, por vezes, até de seus elencos, e promover eventos culturais em locais abertos à comunidade externa. As articulações realizadas pelos diretores da companhia em suas viagens, na instalação da sede na Praça Roosevelt e, recentemente, na defesa da utilização do espaço da Praça Roosevelt para a apresentação das Satyrianas, demonstra uma exemplar habilidade de relações públicas, ainda que não premeditada. Essa sociabilidade e gestão de relacionamentos, inclusive, pode servir como modelo para a forma como uma organização deve se posicionar quando da sua instalação em uma cidade – o que, em grandes indústrias, podemos relacionar à contratação de moradores locais ou a políticas públicas de assistencialismo e sustentabilidade.

No que concerne à identidade, pudemos observar que a identidade organizacional no caso d’Os Satyros é muito relacionada à sua multiplicidade. Tal qual observamos na pesquisa dos Estudos Culturais, as identidades são compostas por significados e relações construídos a todo momento. No caso da companhia, que desde o início passou por situações diversas dentro e fora do Brasil, isso é muito cabível. Em um sentido de identificação por parte dos públicos, pudemos perceber que as afinidades entre Os Satyros e seus interlocutores são tão variadas quanto as próprias identidades. Esse processo é sempre incentivado pelo grupo, que acolhe tanto os públicos espectadores quanto a comunidade que habita o ambiente externo. Pudemos observar que a familiarização das pessoas com a imagem d’Os Satyros – por imagem, considero a junção de companhia, espetáculos, artistas, escola e festival que já se faz presente no imaginário da cidade – é, sim, um fator que opera a favor de sua manutenção. Com isso, percebemos que existe um público que busca a companhia atraído pela imagem que a precede; este pode assistir aos espetáculos já com a expectativa de surpreender-se e, de alguma forma, transformar-se. Por outro lado, há também um público que já conhece o trabalho da companhia e que se aproxima justamente pelo seu significado no campo da representatividade, do acolhimento e da arte em seu sentido essencial.

Concluímos, portanto, que os processos comunicativos d’Os Satyros, seja por meio dos espetáculos e divulgações, seja por meio das Satyrianas ou mesmo dos cursos livres de teatro, são possibilitados e guiados pelo seu próprio objetivo de resistência e sobrevivência. Podemos afirmar que o exercício do teatro sempre será, de todas as maneiras, uma tentativa de ruptura com padrões impostos pelo establishment, pelas simples propostas de aproximação pessoal e contato real. Em outras palavras: se a arte existe, ela resiste. Pelas mãos d’Os Satyros, esse local, por si só extremamente significativo, tem sido utilizado ainda para defender a visibilidade e a voz de grupos dissidentes de forma livre e autossuficiente, de forma que dialoga tanto com a essência da comunicação quanto com a essência do próprio teatro.

Nesta pesquisa, pudemos perceber como ainda há certa tensão e complexidade ao aplicarem-se definições de relações públicas a organizações não convencionais – o fato de as lógicas e os objetivos não serem guiados pela multiplicação de lucros já faz com que os processos comunicativos sejam totalmente diversos e as estratégias sejam adotadas de formas particulares. Somada a isto, há

a descoberta de uma identidade organizacional que deriva de múltiplas identidades, que se relacionam, por suas vezes, a públicos de identidades ainda mais variadas. O estudo nos aponta uma forma de comunicação de resistência culturalmente mediada pelo teatro. No entanto, a análise indica vertentes da resistência ainda mais amplas e uma sobrevivência que luta não apenas contra a supressão por parte de um grupo hegemônico, mas também contra censuras de grupos de diferentes posições, que vão desde comunidades conservadoras até órgãos públicos. Concluído este trabalho, a pesquisa apresentada abre margem para estudos com pelo menos três possíveis e diferentes enfoques: os processos comunicativos e de relações públicas em companhias teatrais; a sociabilidade organizacional no espaço urbano como estratégia de construção de relacionamentos com públicos; e a identidade e o comportamento organizacional nas relações públicas de grupos artísticos.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Cândido Teobaldo de Souza. Para entender Relações Públicas. Quarta edição. São Paulo: Loiola, 1993.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Definição de Relações

Públicas. Disponível em: <http://abrpsp.org.br/mercado/definicao-de-rp-da-abrp/>.

Acesso em: 27 de novembro de 2017.

BACOCCINA, Denize. Satyrianas volta à Praça Roosevelt: O amor venceu a intolerância. HuffPost Brasil, São Paulo, 20 de julho de 2018. Disponível em: <https://www.huffpostbrasil.com/a-vida-no-centro/satyrianas-volta-a-praca-roosevelt- o-amor-venceu-a-intolerancia_a_23485538/>. Acesso em: 07 de agosto de 2018. BAECHLER, Jean. Grupos e Sociabilidade, In: BOUDON, Raymond (org.). Tratado

de Sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995, cap. 02.

BENTLEY, Eric. O teatro engajado. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1969. BRECHT, Bertolt. Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978. CALDAS, Dario. A Reapropriação do Espaço. Portal ABC Design, 27 de janeiro de 2016. Disponível em: <http://www.abcdesign.com.br/rascunho-automatico/>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

CANCLINI, Néstor García. Imaginários culturais da cidade: conhecimento/espe- táculo/desconhecimento. In: COELHO, Teixeira (org.). A cultura pela cidade. São Paulo: Iluminuras, 2008.

CAVALCANTE, Ricardo Caribé. Organizações e o Ambiente Social: Interpretação

e Comunicação. Congresso Brasileiro Científico de Comunicação Organizacional e

de Relações Públicas – Abrapcorp, 3, 2009, São Paulo – SP. Anais (on-line). São Paulo: Abrapcorp, 2009. Disponível em: <www.abrapcorp.org.br/anais2009/pdf/ GT2_Ricardo.pdf>. Acesso em: 29 de novembro de 2017.

COELHO NETTO, José Teixeira. Dicionário Crítico de Política Cultural. São Paulo: Iluminuras, 2004.

COMPANHIA de Teatro ‘Os Satyros’ estreia sua 100ª produção em São Paulo: Pink Star. Globo Teatro. São Paulo, 04 de setembro de 2017. Disponível em: <https://redeglobo.globo.com/globoteatro/noticia/companhia-de-teatro-os-satyros- estreia-sua-100 -producao-em-sao-paulo-pink-star.ghtml>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

COSTA, Adalgyza; MARTINS, Elaine Cristina da Silva. Mediação Cultural e a

Linguagem Teatral. XIII Simpósio Integrado de Pesquisa FURB/UNIVILLE/

UNIVALI, 27 de agosto de 2015, Blumenau - SC. Disponível em: <http://proxy.furb.br/soac/index.php/sip/xiiisip/paper/viewFile/2037/498>. Acesso em: 29 de abril de 2018.

DE AZEVEDO, Amilton. Grupo os Satyros cria bela narrativa de histórias singulares.

Folha Online. São Paulo, 8 de março de 2018. Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2018/03/grupo-os-satyros-cria-bela-narrativa-de- historias-singulares.shtml>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

DEZOTTI, Clara Beatriz da Silva. O Teatro como meio de comunicação: Um estudo sobre a utilização do tableau na Proposta Pedagógica de Arte do Ensino Fundamental e Médio da Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo. Dissertação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação na Faculdade de Comunicação, Educação e Turismo, Universidade de Marília. Marília –SP. 2006. DOWNING, John D. H. Entrevista com John Downing. n. 28, 2009. Porto Alegre: Revista FAMECOS. Entrevista concedida a Patrícia Wittenberg Cavalli, p. 5-9.

______. Radical Media: rebellious communication and social movements. Thousand Oaks, California: Sage Publications Inc, 2001.

______. Mídia Radical: Rebeldia nas Comunicações e Movimentos Sociais. Tradução de Silvana Vieira, São Paulo: Senac, 2002 (1ª Ed.), 2004 (2ª Ed.).

EM sua 18ª edição, Satyrianas fica mais enxuto com proibição de atividades na Roosevelt. Metro Jornal, São Paulo, 01 de novembro de 2017. Disponível em: <https://www.metrojornal.com.br/cultura/2017/11/01/em-sua-18a-edicao-satyrianas- fica-mais-enxuto-com-proibicao-de-atividades-na-roosevelt.html>. Acesso em: 28 de maio de 2018.

ESTEVES, José Maria; GARCIA, Paula. O Teatro Contra a Censura: A Arte Sob Pressão. Caderno de Registro Macu, Teatro Escola Macunaíma, Edição nº 8, I Semestre de 2016. Páginas 76-83. Disponível em: <www.macunaima.com.br/ cadernos/caderno_08/caderno_08_dossie09.pdf>. Acesso em: 26 de maio de 2018. FANTINEL, Letícia Dias. Os significados do espaço e as sociabilidades

organizacionais: estudo de um café em Salvador. 216 f. il. 2012. Tese (Doutorado)

– Núcleo de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

GARCIA, Miliandre. Da resistência à desobediência: Augusto Boal e a I Feira Paulista de Opinião (1968). Varia hist. [online]. 2016, vol.32, n.59, p. 357-398.

GENTRIFICAÇÃO. Dicionário online Caldas Aulete. Lexicon Editora Digital. Disponível em: <http://www.aulete.com.br/gentrificação>. Acesso em: 28 de maio de 2018.

GUZIK, Alberto. Cia. de Teatro Os Satyros: um Palco Visceral. São Paulo: Imprensa Oficial, 2006.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

______. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.).

Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Trad. de Tomaz Tadeu

da Silva. Petrópolis: Vozes, 2009, p. 103-133.

IASBECK, Luiz Carlos Assis. A Administração da Identidade: um estudo semiótico da comunicação e da cultura nas organizações. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, vol. XXII, nº 2, jul./dez. 1999, p. 121-136.

KISHI, Kátia Harumy de Siqueira. Análise Entre a Opinião da Mídia Hegemônica e

da Mídia Radical no Novo Código Florestal Brasileiro. XVIII Congresso de

Ciências da Comunicação na Região Sudeste – Intercom, 2013, Bauru – SP. Disponível em: <http://portalintercom.org.br/anais/sudeste2013/resumos/R38-0521- 1.pdf>. Acesso em: 13 de maio de 2018.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na

Comunicação Integrada. São Paulo: Summus, 2003.

MAIA, Rousiley C. M. Sociabilidade: apenas um conceito? GERAES – Revista de Comunicação Social – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), n. 53, 2001, p. 4-15.

MALDONADO, A. Efendy. Transmetodologia, cidadania comunicativa e

transformação tecnocultural. In: Intexto, Porto Alegre, UFRGS, n. 34, p. 713-727,

set./dez. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.19132/1807-8583201534.713- 727>. Acesso em: 30 de setembro de 2018.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à administração. 6 ed. São Paulo: Atlas, 1992.

MELLÃO, Gabriela. Grupo Os Satyros faz maratona sobre robotização da humanidade. Folha Online. São Paulo, 06 de março de 2014. Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2014/03/1421169-grupo-os-satyros-faz-maratona- sobre-robotizacao-da-humanidade.shtml>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

MOUTA, Andressa Carreira Luzirão. Mídia Radical em Cena: o teatro do Grupo Orgone e o reflexo no público. 2011. 21 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações e Artes, Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação, São Paulo, 2011. Disponível em: <http://200.144.182.130/celacc/sites/default/files/media/tcc/ 319-998-1-PB.pdf>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

NEVES, Lucas. "Boom" na Roosevelt criou "supermercado" de peças. Folha Online. São Paulo, 25 de novembro de 2010. Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/ fsp/ilustrad/fq2511201025.htm>. Acesso em: 28 de maio de 2018.

PARANHOS, Katia Rodrigues. Arte e engajamento no brasil pós-1964: dramaturgos e grupos de teatro trafegando na contramão. Texto integrante dos Anais do XX Encontro Regional de História: História e Liberdade. ANPUH/SP – UNESP – Franca. 06 a 10 de setembro de 2010.

PEÇA com transexual em papel de Jesus é cancelada após decisão judicial. Folha

Online, São Paulo, 15 de setembro de 2017. Disponível em: <www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/09/1919033-peca-com-transexual-em-papel- de-jesus-e-cancelada-apos-decisao-judicial.shtml>. Acesso em 27 de maio de 2018. PERROTTI, Edmir; PIERUCCINI, Ivete. A mediação cultural como categoria

autônoma. Informação & Informação, [S.l.], v. 19, n. 2, p. 01-22, out. 2014. ISSN

1981-8920. Disponível em: <www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/ view/19992>. Acesso em: 29 de abril de 2018.

PERUZZO, Cicília Maria Krohling. Comunicação nos Movimentos Populares: A Participação na Construção da Cidadania. Editora Vozes; 3ª Edição. 2004.

REIA, Jhessica. A cidade como palco: Artistas de rua e a retomada do espaço público nas cidades midiáticas. Contemporânea – Revista de Comunicação e Cultura da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Ed. 24, Vol. 12, 2014.

SANCHEZ, Leonardo. Os Satyros discutem sexualidade em 'Cabaret Trans'. Guia

Folha. São Paulo, 04 de maio de 2018. Disponível em: <https://guia.folha.

uol.com.br/teatro/2018/05/os-satyros-discutem-sexualidade-em-cabaret-trans.shtml>. Acesso em: 27 de maio de 2018.

SANTOS, Carlos André dos. Olhando para Mídia Radical Alternativa. Mosaico Social - Revista da Graduação em Ciências Sociais - UFSC, Florianópolis, v. 2, p. 62-85, 2004.

SCHÜTZE, Jessica. Dzi Croquettes: Teatro de resistência no período da ditadura militar brasileira. Monografia (Bacharelado em Artes Cênicas). Centro de Comunicação e Expressão, Departamento de Artes e Libras, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, junho de 2015.

SILVA, Tomaz Tadeu da. “A produção social da identidade e da diferença”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2009, p. 73-102.

SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de Teoria e Pesquisa da Comunicação e dos

Media. Porto; Edições Universidade Fernando Pessoa, 2003, 2ª edição revista e

ampliada. Porto: EUFP, 2006.

VÁZQUEZ, Rodolfo García. Entrevista com Rodolfo García Vázquez [jul. 2018]. Entrevistador: Igor Alberto Padilha. São Paulo, 2018. 1 arquivo .mp3 (35 min.). A entrevista na íntegra encontra-se transcrita no Apêndice 1 desta monografia.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença: uma introdução teórica e conceitual” In: In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2009, p. 7-72.

No documento UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE ARTES, COMUNICAÇÃO E DESIGN DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL IGOR ALBERTO PADILHA (páginas 67-76)