3 METODOLOGIA

3.1 DADOS

A preparação da base de dados utilizada nesta dissertação iniciou-se com a consulta ao banco de dados de discentes da CAPES e posterior extração da relação de discentes participantes do PROFMAT entre os anos 2011 e 2020. Essa primeira relação de dados continha a descrição dos professores que participaram do programa e foram selecionados para a realização do mestrado profissional em rede de matemática, assim como as informações de entrada no curso, desligamento dos que não continuaram o mestrado e as informações dos que se titularam. Nesse banco, também, se encontram as informações da instituição de ensino superior promotora do mestrado e tempo de titulação2.

Para a obtenção dos dados relativos aos salários dos docentes, consultou-se o banco de dados da RAIS disponibilizado pelo Ministério da Economia. Entretanto, apenas os dados relativos aos anos de 2014 a 2018 foram fornecidos para a CAPES até a data da obtenção das informações dessa relação anual, o que limitou o estudo a esse período apenas. Nesse banco, constavam os dados relativos aos empregos dos professores: salários pagos ao longo dos anos de 2014 a 2018, gênero, raça, tempo no emprego, localização do empregador em nível municipal e quantidade de empregos em cada um dos anos analisados.

Esta foi a primeira vez que houve junção dessas duas bases, cadastro de discentes do PROFMAT da CAPES e cadastro da RAIS, com o propósito de avaliar o efeito do programa na carreira discente paralelamente à avaliação do efeito desse programa nos resultados

2 Agradecemos aos colegas da Divisão de Acompanhamento e Supervisão de Resultados da CAPES pelo suporte para obtenção dos dados dos discentes do PROFMAT que possibilitaram a construção da base de dados utilizada nessa dissertação.

acadêmicos dos estudantes do Ensino Básico, afetados pelo PROFMAT e, por esse motivo, constitui uma importante contribuição para a área e para a análise de resultados de políticas públicas. A própria capacidade de formar essa base já pode ser considerada uma colaboração relevante do estudo para as políticas públicas.

Os dados socioeconômicos dos municípios afetados pelo PROFMAT foram obtidos por meio da plataforma Atlas Brasil. Esta é uma ferramenta disponibilizada na Internet e construída a partir da parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o IPEA e a Fundação João Pinheiro (FJP). Nessa plataforma, foram coletadas informações para o nível da territorialidade municipal entre os anos de 2013 e 2017, tais como a porcentagem da população do município participante do programa Bolsa Família, a transferência per capita de recursos do programa bolsa família e a renda média do setor formal.

Essas informações foram selecionadas em razão da sua disponibilidade na plataforma e para inserir controles de ordem socioeconômica na unidade, pois o nível de desenvolvimento social é um fator importante para explicar o nível da aprendizagem dos alunos.

Segundo a literatura disponível, estão relacionados a indicadores que, por sua vez, articulam-se à evasão escolar, ao desempenho acadêmico dos alunos e a outros aspectos que afetam o grau de desenvolvimento escolar de um grupo social determinado. O indicador de desenvolvimento do município como o PIB per capita não estava disponível para a utilização no estudo. Dessa forma, utilizamos os índices como a transferência per capita de recursos do bolsa família e a renda média do setor formal como fatores que apontavam o grau de desenvolvimento social da unidade de análise.

Os indicadores educacionais como as notas do SAEB, em médias municipais, quantidade de professores do ensino básico, quantidade de professores com pós-graduação e os indicadores socioeducacionais, foram extraídos dos bancos de dados disponibilizados pelo INEP em seu endereço na Internet. Essas variáveis controlam a influência da quantidade de professores do município e da relação quantidade de alunos por professores do município na aprendizagem dos alunos, visto que são reconhecidamente fatores associados ao nível de aprendizagem dos estudantes de um município. Foram utilizados para avaliar o grau de influência dessas características nos resultados avaliados no estudo.

Os dados foram combinados e ajustados por município para formar os conjuntos de dados finais que serviram de base para as análises efetuadas nas duas dimensões: a carreira docente e os resultados dos estudantes nas provas de matemática em termos de médias municipais que abarcam as redes municipal, estadual, federal e particular.

A partir da base de discentes da Plataforma Sucupira da CAPES, foi possível extrair a

relação de discentes matriculados no PROFMAT desde o ano de 2011 até março de 2021. Essa primeira relação continha 11.858 registros de alunos matriculados no mestrado profissionalizante de Matemática em Rede Nacional em 100 instituições de ensino superior, distribuídas ao longo dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal. Destes, 5.525 são alunos que se titularam no período e 6.333 são alunos que não haviam concluído o curso de mestrado cadastrados na plataforma como “desligados”, “abandono” e “matriculado”. No grupo de titulados, 4.285 (77,56%) são alunos do sexo masculino e 1.240 (22,44%) são do sexo feminino.

Os primeiros alunos titularam-se em 2013.

Na tabela 1, descreve-se a distribuição dos titulados e não titulados (os não titulados são os alunos que entraram no programa, mas foram desligados ou não haviam terminado o curso) ao longo do período de nove anos-base acompanhados desde 2013 até março de 2021.

O ano-base 2013 contempla os alunos matriculados desde 2011 e descreve a situação/registro desses alunos até o final de 2013 entre os registros de titulados e não titulados no sistema da CAPES. Os demais anos-base seguem a mesma regra.

Tabela 1 – Distribuição de titulados e não titulados no PROFMAT entre 2013 e 2021

Ano-base Titulados Não Titulados Total

2013 776 571 1.347

Fonte: Cadastro de discentes da CAPES (março de 2021) – elaboração própria.

Para a análise do impacto do programa na carreira discente, foram utilizados os dados dos discentes titulados até o mês de março de 2021, visto que o programa estava em andamento durante o período em que os registros da base de dados de discentes da CAPES foram consultados, o que impediria avaliações completas a respeito do ano de 2021. Nesse sentido, o ano de 2021 foi utilizado, apenas, para computar aqueles que ingressaram nos anos anteriores e se formaram, não haviam titulado ou se desligaram, em 2021. Ou seja, foi possível avaliar

todos os alunos que ingressaram no PROFMAT em 2019 e 2018 e se titularam até março de 2021. Os alunos que ingressaram no programa no ano de 2021 não foram incluídos no estudo.

Para a observação do efeito do programa PROFMAT nos rendimentos dos docentes, foram utilizados os dados dos alunos matriculados no programa entre os anos de 2011 e 2021 disponíveis na CAPES, tais como o Cadastro de Pessoa Física (CPF) da Receita Federal.

A partir da consulta à base de dados da RAIS disponibilizada na CAPES, foi possível associar os rendimentos anuais dos discentes do PROFMAT ao CPF desses docentes, assim como o código do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) do município onde estes exercem a profissão de docentes do Ensino Básico. Os dados da RAIS disponíveis contemplam os anos de 2014 a 2018, percorrendo um período de 5 anos consecutivos. Os rendimentos atribuídos aos docentes equivalem à soma dos seus salários médios anuais. A base formada é composta do ano RAIS, o documento do discente (CPF), o sexo, o código do município, a situação do discente (se titulado ou não titulado no período de 5 anos avaliado), o respectivo ano dessa situação (que corresponde ao ano do registro de sua última situação acadêmica no cadastro de discentes da Plataforma Sucupira da CAPES no ano RAIS em questão), a quantidade de meses no curso de mestrado, o total da remuneração média anual atualizado para o ano base de 2018 e a quantidade média de meses na profissão docente no período RAIS avaliado. Alguns discentes do PROFMAT não têm cadastro disponível na RAIS utilizada no estudo. Nesses casos, estes não foram considerados no presente estudo e tiveram seus dados descartados, pois não haveria como localizar o discente no município em que observados maiores que R$ 25.000,00 – e que representam rendimentos médios anuais afetados, por exemplo, por indenizações, sentenças judiciais, lançamentos equivocados, etc.), foram retirados da base os discentes cujas rendas médias anuais constavam no último percentil de distribuição, produzindo a base final para a análise com os alunos cujas rendas anuais encontravam-se abaixo do percentil 99 da distribuição dos salários médios anuais de todos os indivíduos avaliados no PROFMAT.

A base final constitui-se de 54.825 observações com dados dos professores inscritos titulados e não titulados dentro dos 5 anos RAIS estudados, incluindo 18 variáveis necessárias para utilização na equação (6). Nessa base repetiram-se as informações de salários e dados do

titulado quando o discente trabalhava em mais de um município. Ao longo do período analisado (2013 a março de 2021), essa base final avaliou 8.755 discentes de 1.645 municípios brasileiros, incluindo o Distrito Federal, alcançados pelo PROFMAT. Não foi possível confirmar a vinculação de 805 discentes ao exercício de atividade docente, mas os dados desses discentes foram utilizados para que se fizesse uma checagem posterior a respeito da influência desses valores nos resultados do estudo.

Da mesma fonte inicial de discentes da CAPES, formamos a base de dados para a análise do impacto do PROFMAT nos resultados acadêmicos dos estudantes do Ensino Básico dos municípios tratados. Considerando-se essa base inicial de dados da CAPES, obtida a partir da plataforma Sucupira, foram extraídos dados de 8.403 discentes participantes do PROFMAT entre 2013 e 2018. 4.360 foram titulados nesse período em 1.172 municípios tratados pelo programa. A junção da base de discentes da CAPES com a base da RAIS permitiu posicionar o aluno de mestrado do PROFMAT no município onde trabalha e, a partir daí, associar os resultados dos exames padronizados de matemática do 9º ano do Ensino Fundamental dos anos de 2013, 2015 e 2017, disponíveis nos microdados do SAEB na página do INEP na Internet, aos municípios tratados por essa política pública. Tal associação de três fontes de dados permitiu a formação da base de dados final apropriada para a aplicação do modelo proposto pela presente dissertação. Os dados referentes às características individuais dos municípios foram obtidos na plataforma Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (Atlas Brasil) disponível na Internet. Nessa base final, foram listados 1.172 municípios alcançados pelo PROFMAT e o respectivo número acumulado de docentes titulados dessas unidades da federação ao longo dos três anos avaliados pelo SAEB: 2013, 2015 e 2017. Para cada município foram associados os seus indicadores INSE3 – o indicador referente ao ano de 2017 foi obtido com base em uma média entre os valores de 2015 e 2019, – a transferência per capita do Programa Bolsa Família no município, a fração de professores com contratos temporários em relação aos concursados, a renda média do setor formal do município e a relação número de alunos matriculados do 9º ano do Ensino Fundamental em relação ao total de professores nos últimos anos do Ensino Fundamental do município. A escolha desses indicadores se justifica pelo fato de estarem ligados ao nível de desenvolvimento educacional de um município em termos de resultados acadêmicos em testes padronizados.

3 INSE – Indicador de Nível Socioeconômico da Educação Básica, utilizado para contextualização do desempenho das escolas nas avaliações e exames realizados pelo INEP, contemplando a renda familiar, a posse de bens e a contratação de serviços de empregados domésticos pela família dos estudantes, além do nível de escolaridade de seus pais ou responsáveis (Portal do INEP na Internet – consulta em 2021).

3.2 A ANÁLISE DO IMPACTO DO PROFMAT NA CARREIRA DOCENTE E DO

No documento FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E GOVERNO (páginas 38-43)