Daniella Guimarães Araújo

No documento Histórias da VISA real: o modo de fazer em VISA [Livro] - Biblioteca Virtual do NESCON (páginas 40-42)

Minas Gerais

l

s

Histórias da Visa R eal - V. 2 - O modo de fazer em VISA

drogam cada vez mais? O pior daqui é a pobreza, gente, tanto lixo amontoado, o cheiro ruim da lagoa, a falta de água tratada, o consumo de remédio pra remediar a alma da gente...

“Problemas são problemas demais”. E então, com olhos vivos e participantes, priorizam um problema, “va- mos ver se trabalhamos o impacto da VISA nessa ques- tão”. Vamos registrar aqui o nosso plano. O que vimos com olhos vigilantes, o que queremos, quem serão nos- sos parceiros, quem responde por isso, em que tempo e que metas nossos olhos pretendem ver quando o prazo do trabalho se consolidar.

Então, muitos grupos conversam, trocam ideias, a palavra diálogo torna-se atitude, duas lógicas, a minha e a do outro. Mentes coletivas. A sua bênção, Paulo Freire. Em sua honra, Paulo Freire, Sérgio Arouca, Bakhtin, Ha- bermas. A Vigilância Sanitária dá um salto. Reúne gente, põe sua pauta no dia. A rádio comunitária chama. O se- cretário de saúde convida, o coordenador da VISA é ouvi- do, a CIB discute, o Conselho aprova ou desaprova. Reú- ne gentes das mais diversas. Ousa ouvir quem precisa soltar a voz. Vai além do usual, além dos documentos, das programações, termos de ajustes, além das inspe- ções, além do que é rotina. E planeja. Estrategicamente. Problemas locais, ideias locais. Mas da minha aldeia, vejo o mundo, como Neruda escreveu. Vejo cidades, territó- rios, relações de interdependência.

Vejo que as estratégias devem ser somadas. Trabalhos de ousadia nos esperam. Um dos conceitos de integralidade diz sobre “dar respostas aos problemas de saúde”. Aquilo que incomoda nas muitas cidades deste vasto país.

A VISA caminhou, fez seus planos, pôs gente na roda para sonhar cidades saudáveis, nosso melhor objeto. Fizemos uma par- te. Transitamos entre muitos corações e vozes nesses últimos tempos. Precisamos agora de parcerias nas respostas.

União, estados, municípios. Só seremos sistema se ordenar- mos desafios e recriarmos nossas práticas. Dar respostas ao povo das cidades, aí deve estar pactuado nosso dever de cada dia, como construtores desse SUS que queremos.

No final de muitas reuniões, estratégias ordenadas, plani- lhas feitas, “obrigada moça, aprendi muito por aqui. Não vamos deixar no papel, vocês voltam?” A missionária fala do amor, olhos cheios d’água, canta a canção para despedir, o final é como festa de mineiros, abraços fortes e mesa farta. “Podemos continuar jun- tos?” “Quem sabe faz a hora, não espera acontecer...”, vozes de muitos sujeitos...

Parece assim mesmo, feitura de romantismo. “A saúde é a vida da gente, dona”. Poética como deve ser. Emancipadora de sujeitos, saúde para transformar histórias, para socializar poderes e construir mundos ditosos. Os planos diretores: para libertar da palavra a práxis transformadora. A política feita para as cidades que tanto amamos.

Histórias da Visa R eal - V. 2 - O modo de fazer em VISA

Há alguns dias fomos reinspecionar um moinho, muito antigo, que ainda utiliza moenda de pedra. É bem famoso na cidade de menos de 3.000 habitantes, próxi- mo de Passo Fundo. Havíamos solicitado que promoves- se adequações na área física e fomos verificar como tinha ficado.

Ao chegar, a parede pintada de um verde muito vivo já indicava que haviam feito alguma melhoria. O pro- prietário veio nos acompanhar e, contente, foi mostran- do as modificações. O homem é um “gringo” (descen- dente de italiano), daqueles que fala muito e alto. Em primeiro lugar, quis mostrar o lavatório. Elogiamos o fato de ter colocado o lavatório e ter o sabonete líquido, com papel-toalha, mas então perguntei:

– “Por que tão alto e rodeado por uma parte de uma parede de PVC?” O proprietário disse que achou que ficava mais bonito. Eu e meu colega só nos olhamos e de- pois entre nós comentamos que tinha ficado meio esqui- sito. Continuando, comentei: – “Mas este lavatório tem jeito que é pouco usado”. Ele, rápido, falou naquele sota- que carregado: – “Bem, é que os ‘home’ ainda não muda- ram o ‘carrero’, continuam indo no banheiro lavá as mãos”. Insistimos na necessidade de treinar os

funcionários e orientá-los da importância da lavagem das mãos. Perguntamos se ainda comercializava farinha para os consumido- res. Ele respondeu: – “Ah! As nona vem aqui e pega farinha. Que- rem sempre o mesmo preço e me levam os pacotes debaixo do sovaco. Bem... bem, não vale a pena”. A conversa foi o tempo in- teiro mais ou menos desse jeito. Para completar, perguntei se ti- nha feito uniforme novo. E ele: – “Sim, até eu uso pra entregar fa- rinha. E o povo diz que eu pareço o doutor do município. E pros funcionários mandei fazer os uniformes. Sabe... o avental e a bare- ta” (touca em italiano). O jeito de falar com sotaque e misturando palavras utilizadas no interior e algumas em italiano fez com que a cena ficasse bem engraçada. É claro que falamos normalmente sem demonstrar que estávamos com vontade de rir.

Na viagem de volta para a regional ficamos conversando e concluímos que conseguimos nos entender com eles porque eu moro há anos na região e casei-me com um “gringo” e o meu cole- ga é “gringo”. Mas ficamos pensando que talvez não fosse muito fácil para alguém de fora entender a cultura e o jeito de falar. E chegamos à conclusão que para trabalhar nessa região precisa en- tender um pouco de italiano.

No documento Histórias da VISA real: o modo de fazer em VISA [Livro] - Biblioteca Virtual do NESCON (páginas 40-42)