Esta seção apresenta os aspectos relativos ao delineamento da pesquisa, população e amostragem utilizada, facilidade e dificuldades na coleta dos dados e tratamento dos dados.

4.2.1 Delineamento da Pesquisa

A presente pesquisa caracteriza-se como estudo de caso múltiplo, com três fontes de evidência e utilizando o método descritivo-qualitativo, sendo, portanto, considerada uma pesquisa exploratória. O nível de análise é o Projeto de Conservação da Mata Atlântica, conduzido pela SPVS e a unidade de análise são os empreendedores envolvidos, representantes da política local, líderes comunitários e consultores da SPVS.

Yin (2005) define um estudo de caso como sendo “uma investigação empírica que investiga um fenômeno contemporâneo dentro de seu contexto da vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não estão claramente definidos”. Gil (1999) afirma que “o estudo de caso é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de maneira a permitir o seu conhecimento amplo e detalhado”.

O estudo de caso vem sendo utilizado com freqüência cada vez maior pelos pesquisadores sociais, visto servir a pesquisas com diferentes propósitos, tais como:

a) explorar situações da vida real cujos limites não estão claramente definidos;

b) descrever a situação do contexto em que está sendo feita determinada investigação; e

c) explicar as variáveis causais de determinado fenômeno em situações muito complexas que não possibilitam a utilização de levantamentos e experimentos (GIL, 1999).

Segundo Yin (2001), o estudo de caso representa “a estratégia preferida quando se colocam questões do tipo ‘como’ e ‘por quê’, quando o pesquisador tem pouco controle sobre os eventos e quando o foco se encontra em fenômenos contemporâneos inseridos em algum contexto da vida real”.

Na realização desta pesquisa, a opção recai pelo estudo comparativo de casos. Para Yin (2001), o importante neste tipo de investigação é a possibilidade de

constatações sobre as similaridades e diferenças entre organizações. Dessa forma, ao realizar dois ou mais estudos de caso separadamente e compará-los, busca-se avaliar se os resultados encontrados seguem um mesmo padrão, permitindo fazer generalizações analíticas.

Para Yin (2001), uma das vantagens do estudo de caso é a possibilidade de o pesquisador utilizar múltiplas fontes de evidência. A convergência de informações oriundas de fontes diversas é feita por meio de um processo de triangulação, que permite ao pesquisador investigar ampla diversidade de questões históricas, comportamentais e de atitudes. Para Herriot e Firestone (1983) apud Yin (2001), as provas que resultam dos estudos de casos múltiplos são consideradas as mais convincentes e, por conseguinte, como sendo mais robustas. A análise de casos múltiplos é importante porque permite, além de verificar similaridades ou diferenças entre os casos estudados, estabelecer que um estudo de caso seja complementar ao outro, favorecendo uma melhor análise dos dados. Para Merriam (1998), a inclusão de múltiplos casos é, na realidade, uma tática comum para aumentar a validade ou generalização de seus resultados.

A pesquisa apresentou caráter qualitativo, pois é caracterizada como a tentativa de uma compreensão detalhada dos significados e características situacionais apresentadas pelos entrevistados (RICHARDSON et al., 1999).

Trata-se de um estudo descritivo. A pesquisa descritiva tem como objetivo principal a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre categorias analíticas. São incluídas nesse grupo as pesquisas que possuem por objetivo levantar as opiniões, as atitudes e as crenças de uma população. Também são descritivas as pesquisas que visam a descobrir a existência de associações entre as variáveis, pretendendo-se determinar a natureza dessa relação (GIL, 1991).

4.2.2 População e Amostragem

Para a realização da pesquisa, foram escolhidos três empreendimentos surgidos a partir do Projeto de Conservação da Mata Atlântica, conduzido pela

SPVS. Estes foram escolhidos a partir de uma visita exploratória realizada na região, em setembro de 2005. Os empreendimentos escolhidos foram: (1) Projeto de Meliponicultura (mel de abelhas sem ferrão), (2) produção e comercialização de banana orgânica e (3) horta comunitária.

As razões que levaram o pesquisador a escolher estes três empreendimentos residem no fato que, já naquela época, foi possível vislumbrar a realização de um estudo comparativo entre os empreendimentos visitados. Isso se deve às características únicas e diferenciadas encontradas em cada um deles no que se refere ao processo empreendedor, o que possibilita tal comparação.

4.2.3 Coleta de Dados

Para efetuar o processo de triangulação, foram coletados dados primários e secundários de várias fontes de evidências.

Dados secundários

Os dados secundários são aqueles coletados, tabulados, ordenados e, às vezes, até analisados, com propósitos outros ao de atender às necessidades da pesquisa, e que estão catalogados e disponibilizados para a utilização de interessados (MATTAR, 1997).

Os primeiros dados secundários coletados objetivaram orientar a elaboração do roteiro de entrevistas semi-estruturadas, que foi utilizada junto à SPVS, representante do governo, líder comunitário e aos empreendedores. A temática de Aquecimento Global é relativamente nova, mas tem conseguido espaço relevante na mídia impressa, por este motivo foram utilizados jornais e revistas, artigos acadêmicos, relatórios setoriais, bem como informações oriundas de parceiros da SPVS.

Os dados secundários foram utilizados com o objetivo de subsidiar a análise dos casos, principalmente no que se refere à realização da triangulação dos dados.

Dados primários

Os dados primários foram obtidos por meio de entrevistas semi-estruturadas com consultores da SPVS e empreendedores locais, visando a confirmar e complementar os dados obtidos por meio de fontes secundárias e da entrevista exploratória realizada anteriormente. Os dados primários foram coletados por meio de entrevistas e pesquisa documental, pois argumenta Yin (2001) que, para a realização de estudos de casos, é fundamental que os dados primários sejam coletados por meio de diversas fontes e não de apenas uma. Ainda segundo o autor, a necessidade de utilizar várias fontes de evidências ultrapassa em muito a necessidade que se tem em outras estratégias de pesquisa, como em experimentos, levantamentos ou pesquisas históricas.

Ao falar do trabalho de campo na pesquisa qualitativa, Minayo (1996) destaca que a entrevista (tomada no sentido amplo de comunicação verbal e no sentido restrito de coleta de informações sobre determinado tema científico) é a técnica mais usada no processo de trabalho de campo. Sua importância, de acordo com King (1995), está ligada à alta flexibilidade do método, à possibilidade de ser usada em qualquer lugar e à capacidade de gerar dados em grande profundidade. Para Chizzotti (1991), a entrevista semi-estruturada é um tipo de comunicação entre o pesquisador que pretende colher informações sobre fenômenos e os indivíduos que detenham estas informações e possam emiti-las. Na estrutura utilizada, as perguntas costumam ser mais flexíveis, com a entrevista mesclando perguntas mais e menos estruturadas. Na maior parte a entrevista, é guiada por uma lista de perguntas ou assuntos a serem explorados. Utilizando este formato, o investigador permite que a visão de mundo do entrevistado possa emergir (MERRIAM, 1998).

Para Lakatos (2002), na entrevista semi-estruturada, o entrevistador tem o poder de explorar mais amplamente algumas questões. No entendimento de Triviños (1987), entrevista semi-estruturada é a realização de perguntas básicas, fundamentadas em hipóteses e teorias. Essas perguntas levam a um amplo campo de questionamentos, pela criação de novas hipóteses baseadas nas respostas dos informantes. Esta técnica é apropriada, pois permite aprofundar assuntos que levem ao melhor entendimento do tema e dos objetivos do projeto. Foi aplicada entrevista

semi-estruturada com cada um dos empreendedores da região que estão sendo analisados neste projeto, com um membro da comunidade local, um representante político e dois consultores da SPVS. As visitas foram agendadas por telefone, com antecedência de quatro dias e foram realizadas três visitas na região, sendo a primeira para realizar uma entrevista semi-estruturada com o objetivo de avaliar a viabilidade do projeto e mais duas entrevistas para coletar dados que fornecessem subsídios para o presente trabalho. As entrevistas tiveram em média noventa minutos e não foi permitida a gravação e divulgação dos nomes dos entrevistados.

Para apoiar o tratamento dos dados coletados, foram utilizadas as variáveis descritas no item 3.1. deste projeto. As entrevistas estão localizadas no Apêndice 1.

4.2.4 Facilidades e Dificuldades na Coleta de Dados

A coleta dos dados a partir dos documentos apresentou grande dificuldade, pois, apesar da grande disponibilidade de material impresso sobre aquecimento global e Protocolo de Kyoto, a maioria das fontes não tinha origem acadêmica. A Internet também abriga inúmeros sites que tratam destes assuntos, mas a veracidade das fontes nem sempre é confiável. A coleta dos materiais para confecção da base teórica de empreendedorismo e estratégia não apresentou dificuldades substanciais em relação à qualidade dos materiais, sendo o grande desafio separar literaturas que realmente estivessem adequadas ao tema e pudessem auxiliar na confecção do trabalho.

No caso das entrevistas, a dificuldade inicial residiu no fato do local do projeto ficar distante do local onde o trabalho estava sendo desenvolvido e necessitar de um agendamento preciso, no qual possibilitasse entrevistar todos os envolvidos em apenas uma visita por etapa de desenvolvimento do trabalho. A falta de disponibilidade de tempo por parte de alguns dos entrevistados também foi um elemento dificultador no processo. Outro fato que também dificultou foi a solicitação de anonimato por parte dos entrevistados, que não permitiram a divulgação de seu nome, a gravação das entrevistas e fotos do local.

No documento CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO PROTOCOLO DE KYOTO: CRIAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS A PARTIR DO PROJETO REFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA (SPVS) (páginas 65-71)