Escolhas metodológicas

No documento DISSERTAÇÃO_Balanced scorecard (páginas 95-98)

Quanto ao tipo de pesquisa, ela caracteriza-se como exploratória- descritiva. A pesquisa exploratória busca descobrir idéias e intuições, na tentativa de adquirir maior familiaridade com o fenômeno pesquisado. Elas possibilitam aumentar o conhecimento do pesquisador sobre os fatos, permitindo a formulação mais precisa de problemas, criar novas hipóteses e a realizar novas pesquisas mais estruturadas (Selltiz et al.,1965). Já a pesquisa descritiva tem a finalidade de descrever determinada realidade, buscando identificar fatos sociais, perfil de indivíduos e grupos, atitudes e opiniões. Esse tipo de pesquisa “delineia o que é - aborda também quatro aspectos: descrição, registro, análise e interpretação de fenômenos atuais, objetivando o seu funcionamento no presente” (Marconi & Lakatos, 1996, p. 19).

A classificação como pesquisa exploratória refere-se ao intuito de descobrir quais são os principais enfoques dos estudos sobre BSC nas pesquisas brasileiras e quais as principais metodologias adotadas, o que proporcionou o levantamento de novas questões para a área de administração, além do melhor entendimento sobre a ferramenta. Já a classificação como descritiva refere-se à

77

descrição das características desses estudos e à utilização de categorias para classificá-los.

Quanto à natureza da pesquisa, ela enquadra-se como pesquisa qualitativa com o suporte da pesquisa quantitativa. De acordo com Bogdan & Biklen (2003), a pesquisa qualitativa caracteriza-se pela obtenção de dados descritivos, por meio do contato direto do pesquisador com a situação estudada, enfatiza mais o processo do que o produto e se preocupa em retratar a perspectiva dos participantes. Já a pesquisa quantitativa é caracterizada pelo emprego da quantificação tanto nas modalidades de coleta de informações quanto no tratamento delas por meio de técnicas estatísticas. A pesquisa quantitativa preocupa-se em medir (quantidade, freqüência e intensidade), assim como em analisar as relações causais entre as variáveis (Richardson, 1999).

A classificação da pesquisa como qualitativa deve-se ao fato de os dados coletados serem predominantemente descritivos e baseados na percepção dos autores dos estudos sobre BSC e a análise dos dados também seguiu um processo indutivo, característico de pesquisas dessa natureza. Já a classificação da pesquisa como quantitativa refere-se à quantificação dos tipos de metodologias e dos enfoques adotados nas pesquisas analisadas. A avaliação quantitativa empregada ocorreu, simplesmente, por meio de contagens e avaliações de freqüências e serviram como suporte fundamental para definir as categorias de análise das dissertações e teses sobre BSC.

A respeito da escolha do objeto de estudo, a pesquisa caracteriza-se como uma amostragem não-probabilística da população. Nesse tipo de amostragem existe uma dependência, pelo menos em parte, do julgamento do pesquisador ou do entrevistador de campo para a seleção dos elementos da população para compor a amostra (Mattar, 2001). Dentre os diversos tipos de amostragens não-probabilísticas, nesta pesquisa foi utilizada a amostragem por conveniência (ou acidental), a qual, segundo Malhotra (2001), procura obter

78

uma amostra de elementos convenientes, ou seja, os elementos são escolhidos por estarem no lugar certo no momento certo. É um tipo de técnica que oferece vantagem de custo e de tempo.

A classificação da pesquisa como amostragem não-probabilística por conveniência refere-se ao fato de as dissertações e teses nela incluídas serem selecionadas por estarem disponíveis para downloads nos bancos de teses e dissertações das universidades; assim como na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD) do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e das páginas dos programas de pós-graduação. As não disponíveis para downloads não foram incluídas na amostra e, conseqüentemente, na análise. Mais adiante, o processo de seleção da amostra será mais bem detalhado (IBICT, 2007).

Quanto à técnica de coleta de dados, utilizou-se a pesquisa bibliográfica. Segundo Lakatos & Marconi (2001, p. 183), ela “[...] abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema estudado, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, materiais cartográficos, etc.”.

Assim, a pesquisa bibliográfica foi utilizada para a seleção das dissertações e teses que abordavam o tema BSC no BDTD, nas páginas e nas bibliotecas digitais de todos os programas de pós-graduação da área de administração.

Quanto à técnica de análise de dados, na pesquisa, utilizou-se, principalmente, a análise de conteúdo com abordagem quantitativa. A análise de conteúdo pode ser definida como:

“Um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando a obter, por procedimentos, sistemáticos e objectivos de descrição do conteúdo de mensagens, indicadores (quantitativos ou não) que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) dessas mensagens” (Bardin, 1977, p. 42).

79

Quanto à operacionalização do método, Laville & Dionne (1999) observam que uma das tarefas do pesquisador deve ser efetuar um recorte dos conteúdos em elementos, que deverão ser, em seguida, agrupados em torno de categorias. Assim, de acordo com Bardin (1977), dentre as várias técnicas possíveis de análise de conteúdo, está a análise temática, que consiste em classificar unidades de um documento segundo categorias pré-definidas. Desse modo, a análise temática é um procedimento taxonômico que obedece ao princípio da objetividade e se apóia em métodos quantitativos, tais como a contagem de ocorrências e a percentagem.

O uso da técnica de análise de conteúdo, mais especificamente a análise temática, permitiu classificar as metodologias utilizadas nas dissertações e teses e o levantamento das principais perspectivas de estudo sobre BSC. Mais adiante, o processo de seleção da amostra será mais bem detalhado.

De forma complementar, foi utilizada a estatística descritiva como técnica de análise de dados. Segundo Lakatos & Marconi (1996), o objetivo da estatística descritiva é o de representar de uma forma concisa, sintética e compreensível, a informação contida num conjunto de dados. Esta tarefa concretiza-se na elaboração de tabelas e de gráficos, e no cálculo de medidas ou indicadores que representam, convenientemente, a informação contida nos dados.

Sendo assim, utilizou-se a estatística descritiva na sumarização das categorias e enfoques metodológicos da produção acadêmica brasileira sobre BSC, por meio da distribuição de freqüências, tabelas e gráficos.

No documento DISSERTAÇÃO_Balanced scorecard (páginas 95-98)