Etapa 3: Primeira Rodada de Estudos de Caso

No documento Análise do alinhamento estratégico no portfólio de P&D (páginas 47-52)

B.2 Documentos utilizados

3.4 Etapa 3: Primeira Rodada de Estudos de Caso

Nessa terceira etapa, foram utilizados os resultados da etapa anterior - i.e., estrutura e roteiro - para avaliar se a estrutura teórica proposta era válida na prática das empresas. Para se fazer essa avaliação, foi escolhida a metodologia de estudos de caso. A justifi- cativa dessa escolha reside no fato de que os estudos de caso possibilitam uma análise das conexões entre elementos, e não lidam com meras frequências ou incidências (Yin, 2009). Além disso, a pergunta de pesquisa é do tipo como estabelecer o conjunto de baldes estratégicos de forma a alinhar o portfólio de P&D à estratégia da empresa? Tal fato está de acordo com a literatura, que reconhece estudos de caso como ferramentas eficientes para examinar perguntas de pesquisa do tipo "como" e "por que"(Yin, 2009).

Assim, para o desenvolvimento dos estudos de caso, Yin (2009) define quatro fases de pesquisa: (i) Projeto de Pesquisa; (ii) Coleta de Dados; (iii) Análise de Dados; e, (iv) Composição.

35 3.4. Etapa 3: Primeira Rodada de Estudos de Caso

condições críticas: (i) validade do construto; (ii) validade interna; (iii) validade externa; e, (iv) confiabilidade. A Figura 3.2 mostra algumas táticas para atender a essas condições críticas e a fase de pesquisa em que cada uma deve ser considerada.

Figura 3.2: Táticas de Estudo de Caso para quatro Tipos de Testes. Fonte: Yin (2009).

Projeto de Pesquisa

O projeto criterioso da pesquisa é essencial para assegurar a validade e qualidade dos dados coletados nos estudos de caso. A primeira decisão importante se refere ao tipo de estudo de caso: um caso único ou múltiplos casos. Seguindo a abordagem metodológica proposta por Yin (2009), optou-se por realizar uma análise múltiplos casos. As vantagens de se utilizar esse tipo de análise é que essa se demonstra mais convincente e mais robusta para a análise do objeto de pesquisa (Yin, 2009).

Após essa escolha, passou-se para a definição do número de casos a serem analisados. Yin (2009) sugere que a análise de 6 a 10 casos, no agregado, é capaz de fornecer resulta- dos que suportam argumentos teóricos e asseguram a validade externa dos dados. Dessa forma, foram escolhidas 7 grandes empresas de atuação global, que são líderes de mercado no Brasil. Também procurou-se envolver nessa pesquisa empresas de segmentos diferentes

Capítulo 3. Metodologia de Pesquisa 36

(cosméticos, mineração, energia, comércio eletrônico, serviços bancários, automotiva e ae- ronáutica). Para a realização das entrevistas, procurou-se pessoas diretamente envolvidas com o processo de tomada de decisão e alocação de recursos no portfólio. A Tabela 3.1 apresenta um resumo das empresas analisadas.

Tabela 3.1: Amostra de Empresas.

Fonte: Demonstrativos financeiros do ano de 2012 (exceto Características Distintivas). Empresa Faturamento Funcionários Investimento P&D Característica Distintiva Natura R$ 6,34 bilhões 6.700 R$ 158 milhões 10a empresa mais inovadora do

mundo (Fonte: Forbes 2012)

Vale R$ 95 bilhões 79.646 US$ 1,5 bilhões

(≈ R$ 3 bilhões)

Maior empresa de mineração di- versificada das Américas e a se- gunda maior do mundo (Fonte: Thomson Reuters 2013)

Petrobras R$ 244 bilhões 81.918 US$ 1,5 bilhões

(≈ R$ 3 bilhões) 7a

maior empresa de energia do mundo (Fonte: PFC Energy 2013)

Nova Pon- tocom

R$ 3,75 bilhões 2.500 R$ 37 milhões 2a

maior empresa de e- commerce no Brasil (Fonte: Revista Exame 2013)

Itaú R$ 79,5 bilhões 97.000 R$ 10,4 bilhões

(até 2015)

Maior banco da América Latina (Fonte: Financial Times 2013)

Fiat € 84 bilhões 214.836(Mundo)

11.500(Brasil)

€ 3,3 bilhões 13a

maior produtora de automó- veis do mundo (Fonte: OICA 2012)

Embraer R$ 12,2 bilhões 18.032 US$ 328,7 milhões 3a

maior fabricante de aviões do mundo (Fonte: Forbes 2011)

Coleta de Dados

Para a fase de coleta dos dados, o primeiro passo foi a elaboração do roteiro, que foi descrito na Etapa 2 deste documento. Segundo Yin (2009), a aplicação do mesmo roteiro a todos os casos garante a confiabilidade da coleta de dados.

O roteiro desenvolvido foi validado através de um "estudo de caso piloto", que foi apli- cado a um entrevistado de uma das empresas a serem pesquisadas. Yin (2009) ressalta a importância desse instrumento, pois ele proporciona maior segurança aos pesquisadores, fazendo com que esses se sintam mais confortáveis para lidar com incertezas procedurais durante o curso do estudo. Ressalta-se, no entanto, que posteriormente voltou-se a em- presa onde foi realizado esse estudo de caso piloto para realizar outra entrevista com mais um participante, para evitar qualquer viés na coleta de dados.

37 3.4. Etapa 3: Primeira Rodada de Estudos de Caso

Outra atividade complementar à preparação para as entrevistas consistiu da realiza- ção de amplas pesquisas sobre as empresas em fontes secundárias, tais como relatórios públicos, websites e trabalhos acadêmicos relacionados. Essas pesquisas permitiram uma maior familiaridade a alguns conceitos utilizados pelos entrevistados (e.g., departamentos, produtos, negócios, etc).

Em seguida, foram entrevistadas pessoas de média e alta gerência, envolvidas direta- mente com o processo de tomada de decisão e alocação de recursos no portfólio. Quando não era possível conversar diretamente com o responsável pelos recursos a serem alocados (budget) do portfólio da empresa ou com um membro do comitê executivo, procurou-se a pessoa responsável pela intermediação do processo; e quando não era possível conver- sar com essas, procurou-se envolver mais de um participante do processo, para reduzir o possível viés do respondente e assim capturar de forma mais ampla as características do processo (Yin, 2009). A Tabela 3.2 mostra um resumo do perfil dos entrevistados.

Tabela 3.2: Perfil dos entrevistados. Fonte: Elaboração Própria.

Empresa Entrevistado Nível Hierárquico Função

Natura Entrevistado 1 Alta gerência Responsável pelo budget Entrevistado 2 Média gerência Intermediador do processo Vale Entrevistado 1 Média gerência Intermediador do processo

Entrevistado 2 Média gerência Participante do processo Petrobras Entrevistado 1 Média gerência Intermediador do processo

Entrevistado 2 Média gerência Participante do processo Entrevistado 3 Média gerência Participante do processo Entrevistado 4 Média gerência Participante do processo Nova Pontocom Entrevistado 1 Média gerência Intermediador do processo Itaú Entrevistado 1 Alta gerência Membro do comitê

Fiat Entrevistado 1 Alta gerência Responsável pelo budget Embraer Entrevistado 1 Alta gerência Responsável pelo budget

Entrevistado 2 Alta gerência Intermediador do processo Entrevistado 3 Média gerência Participante do processo Entrevistado 4 Média gerência Participante do processo Entrevistado 5 Média gerência Participante do processo

Todas entrevistas duraram pelo menos 90 minutos. Essas foram conduzidas seguindo um processo adaptativo, em que muitas questões foram formuladas durante as entrevis- tas. Algumas das questões presentes no roteiro, que não eram relevantes para alguns

Capítulo 3. Metodologia de Pesquisa 38

casos, foram deixadas de lado, e outras questões foram feitas de acordo com a pessoa entrevistada.

Dois entrevistadores realizaram essas entrevistas simultânea ou separadamente. Após cada encontro, cada entrevistador escrevia uma ata com as informações coletadas. Em caso de dúvida ou divergência, os entrevistados eram contactados via e-mail.

As informações coletadas nas entrevistas foram então trianguladas com as demais informações provenientes de fontes secundárias. A triangulação de dados visa atenuar o viés dos respondentes e aumentar a confiabilidade e validade dos construtos (Eisenhardt, 1989; Yin, 2009).

O protocolo de todas as entrevistas se encontra no Apêndice B desse documento. Todos esses dados foram reunidos em um banco de dados, para garantir a confiabilidade dos dados coletados (Yin, 2009).

Análise dos Dados

Após o planejamento e a coleta de dados, passou-se para a etapa de análise dos dados. Foi escolhida a estratégia de descrição do caso, pois essa é a mais indicada para pesquisas em estágios iniciais (Yin, 2009). Através desse descritivo garante-se a validade interna dos dados.

Essa primeira rodada de estudos de caso serviu para revelar algumas lacunas e tópicos de interesse na estrutura teórica inicialmente proposta (Yin, 2009). No entanto, através da estrutura já foi possível fazer algumas deduções sobre as dimensões mais relevantes para cada empresa.

Composição

Os resultados alcançados até essa etapa foram submetidos a um comitê (banca) de avalia- ção desta dissertação. Além disso, eles foram publicados e apresentados em um congresso da European Operations Management Association, em junho de 2013; e apresentados num seminário de pesquisa da Copenhagen Business School, em julho de 2013; e num encontro científico da sociedade INFORMS, em outubro de 2013. Essas apresentações renderam

No documento Análise do alinhamento estratégico no portfólio de P&D (páginas 47-52)