Funcionalidades

No documento Publicações do PESC Seleção de Técnicas de Teste Baseado em Modelos (páginas 160-166)

Capítulo 6 Infra-estrutura Computacional de Apoio à Seleção de TTBMs

6.4 Funcionalidades

Nesta Seção, as funcionalidades que compõem o componente Gerenciador de

Porantim serão apresentadas de acordo com as três responsabilidades deste

componente, conforme listado na Seção anterior.

6.4.1 Apoio à Configuração do Corpo de Conhecimento de Porantim

A configuração do corpo de conhecimento de Porantim envolve a disponibilização do repositório de TTBMs com seus atributos de caracterização. Dessa forma, é possível cadastrar, consultar, editar, excluir TTBMs, além de configurar os pesos de cada atributo de caracterização de TTBMs usado por Porantim durante o processo de seleção. Para acessar esta funcionalidade, a partir da tela inicial de Maraká escolha a opção Configuração  Técnicas de TBM.

Ao escolher esta opção, será exibida a tela de consultas das TTBMs incluídas no Repositório de TTBMs, exibindo suas principais características (Figura 6.6).

A partir desta tela, o usuário pode acessar as funcionalidades para adicionar uma nova TTBM no repositório (Figura 6.7), editar os dados de uma TTBM já cadastrada, visualizar os dados de uma TTBM inserida no repositório, excluir uma TTBM do repositório ou importar dados de novas TTBMs a partir da ferramenta JabRef (esta funcionalidade será descrita com maiores detalhes na Seção 6.5.

Figura 6.7. Tela Parcial de Cadastro de uma nova TTBM

6.4.2 Apoio à Configuração dos Parâmetros de Porantim

Outra funcionalidade provida por Maraká permite ajustar o peso dos atributos de caracterização de TTBMs previamente definidos para o processo de seleção. Tais pesos foram definidos inicialmente através de um survey publicado em (DIAS-NETO e TRAVASSOS, 2008) e descrito no Capítulo 3 - Seção 3.3, porém podem ser alterados ao longo do tempo de acordo com as características e necessidades da organização de software que esteja utilizando a abordagem Porantim. A soma dos pesos de todos os atributos de caracterização deve ser igual a 1, representando 100%. Também pode ser configurado se o atributo em questão poderá ser um atributo restritivo do projeto de software, ou seja, poderá filtrar TTBMs apenas que atendam obrigatoriamente à característica do projeto associada a este atributo. Isso é definido através as seleção do campo OPCIONALIDADE localizado ao lado do campo de peso de cada atributo de caracterização (ver Figura 6.8

).

Ainda é possível fixar a quantidade máxima de TTBMs a serem sugeridas pela infra-estrutura após o cálculo do grau de adequação entre as técnicas e o projeto, e determinar se um atributo deve ser obrigatório no processo de seleção (Figura 6.8).

Figura 6.8. Tela de Configuração dos Atributos de Caracterização de TTBM e seus pesos

6.4.3 Apoio ao Processo de Seleção de Técnicas de TBM

A seleção de técnicas de teste para um projeto de software normalmente ocorre durante a atividade de Planejamento dos Testes. Nesse contexto, a infra- estrutura Maraká possui um processo de teste contendo a atividade Planejar Testes e uma sub-atividade chamada Definir Técnicas de Teste. Na versão original de Maraká, esta atividade é feita através da descrição manual das técnicas de teste que serão adotadas. Já em sua extensão para apoiar a abordagem Porantim, é permitida a opção entre definir técnicas de teste de forma manual ou com o auxílio de Porantim, lembrando que Porantim só se aplica ao contexto de TTBMs. Esta funcionalidade implementa o elemento ―Processo de Seleção‖, apresentado na Seção 4.2.

Para acessar a atividade de seleção de técnicas de teste foi criado um atalho que pode ser acessado a partir da tela inicial de Maraká através do caminho: Testes em Andamento  Selecionar um Projeto (clicar no ícone Abrir para um projeto disponível)  Atalho para Seleção de Técnicas de Teste (Figura 6.10).

Figura 6.9. Atalho para tela de Seleção de Técnicas de Teste

Para realizar a seleção de técnicas de teste seguindo o processo definido por

Porantim é preciso escolher a abordagem de seleção Porantim e então clicar no botão

Figura 6.10. Tela de Escolha da Abordagem para Seleção de Técnicas de Teste em Maraká

Feito isso, a execução será direcionada à funcionalidade responsável pelo apoio à seleção de TTBMs. Tal funcionalidade foi dividida em três passos:

6.4.3.1 PASSO 1) Caracterização do Projeto de Software

Atividade na qual a equipe de teste define as características e requisitos de teste para o projeto de software em que se deseja aplicar TTBMs através de um formulário (Figura 6.11) contendo os atributos de caracterização de projeto de software apresentados na Tabela 4.1.

Figura 6.11. Tela de Caracterização do Projeto de Software

caracterizado no Passo 1, seguindo as fórmulas providas por Porantim (apresentadas no Capítulo 4 - Seção 4.2.2). Em seguida, as técnicas são exibidas ordenadas de forma decrescente por grau de adequação. A quantidade máxima de técnicas disponibilizadas para seleção corresponde ao valor definido na tela de configuração (Figura 6.8). Para cada técnica exibida, a infra-estrutura provê uma funcionalidade (um link) que fornece uma análise detalhada da adequabilidade da TTBM selecionada em relação ao projeto caracterizado.

Como sugestão de representação gráfica da adequação de uma TTBM a um projeto de software, adotou-se o uso de um Gráfico de Radar (Figura 6.12). Um gráfico de radar corresponde a um método gráfico para exibir dados com múltiplos valores na forma de um gráfico bi-dimensional de três ou mais variáveis quantitativas representadas nos vértices, iniciando a partir de um mesmo ponto. Em Porantim, as variáveis correspondem aos atributos de caracterização de projetos de software/TTBMs. Com isso, ele possibilita a visualização gráfica da adequação de uma TTBM a um projeto de software.

Figura 6.12. Tela de Análise da Adequação de TTBM via Gráfico de Radar

Neste passo, a equipe de teste deve selecionar as TTBMs a serem adotadas no projeto. Este passo implementa as atividades 2, 3 e 4 do elemento ―Processo de Seleção‖ (Figura 4.1).

6.4.3.3 PASSO 3) Combinação de Técnicas de TBM

Atividade onde é realizada a análise do impacto das TTBMs selecionadas no Passo 2 a partir do cálculo de três indicadores, citados na Seção 4.2.4 deste trabalho:

Cobertura do Projeto de Software, Esforço de Modelagem Salvo por utilizar modelos já

providos pelo Processo de Desenvolvimento e Grau de Preparação da Equipe de

Teste selecionada para o Projeto.

As informações podem ser visualizadas a partir de uma tabela que lista os dados do projeto e das técnicas selecionadas, e através de uma representação gráfica.

Conforme descrito na Seção 4.2.4, tais indicadores representam um número entre 0 e 100%. Para simplificar a representação de cada indicador graficamente, seus valores foram divididos em quatro diferentes intervalos: [100-75%]: Alto; [75-50%]: Médio; [50-25%]: Baixo; [25-0%]: Muito Baixo. Em seguida, adotou-se o uso de um

Gráfico de Gauge para representação gráfica dos indicadores de análise de

combinação de TTBMs (Figura 6.1317). A escolha de Gráfico de Gauge ocorreu por este tipo de gráfico visualizar facilmente diferentes faixas de valores representando categorias que são separadas por limites pré-estabelecidos. O marcador do ―velocímetro‖ indica quanto o valor obtido atualmente está posicionado em relação a uma meta definida.

Caso a equipe de teste confirme a escolha, tais técnicas selecionadas serão registradas no plano de teste construído para o projeto em questão e o fluxo de execução retorna às demais atividades do processo de teste monitoradas por Maraká.

No documento Publicações do PESC Seleção de Técnicas de Teste Baseado em Modelos (páginas 160-166)