INDICAÇÕES PARA ESTUDOS FUTUROS

No documento Aprendizagem, comunicação, liderança e comprometimento organizacional : um estudo no Grupo Beta (páginas 141-200)

Para trabalhos futuros, sugere-se a continuidade do estudo, com vistas a incluir questões que identifiquem a aprendizagem informal e a comunicação horizontal. Outro aspecto que pode ser pesquisado refere-se à aprendizagem baseada em práticas, onde pode-se explorar os aspectos informais contidos nos processos de aprendizagem, comunicação, liderança e no comprometimento organizacional. A aprendizagem baseada em práticas abarca além das ações e atividades de aprendizagem, o papel da linguagem e demais artefatos culturais e materiais, as interações sociais e respostas tácitas que estão situadas e atuam, muitas vezes de forma instintiva, onde as mesmas habitam (GHERARDI; NICOLINI, 2000; NICOLINI; GHERARDI; YANOW, 2003).

acompanhamento poderia permitir adequações durante o caminho da pesquisa, bem como, ampliação do escopo de pesquisa, de modo a contemplar o contexto como um todo. Neste caso, sugere-se considerar aspectos como a cultura organizacional e de governança corporativa.

A replicação do estudo em outros ambientes, tais como no setor de serviços também é sugestão para estudos futuros. Outra sugestão é que a partir das análises realizadas, possa ser utilizada a técnica de Modelagem de Equações Estruturais.

REFERÊNCIAS

ABBAD, Gardênia; BORGES-ANDRADE, Jairo. E. Aprendizagem humana nas organizações e trabalho. In: ZANELLI, José Carlos; BORGES-ANDRADE, Jairo. E; BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ABBAD, Gardênia; FREITAS, IA de; PILATI, Ronaldo. Contexto de trabalho, desempenho competente e necessidades em TD&E. In: BORGES-ANDRADE, Jairo E; ABBAD,

Gardênia S; MOURÃO, Luciana (Orgs.). Treinamento, desenvolvimento e educação em

organizações e trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas (p. 231-255). Porto Alegre:

Artmed, 2006.

ALLEN, Natalie J.; MEYER, John P. Organizational commitment: evidence of career stage effects?. Journal of Business Research, v. 26, n. 1, p. 49-61, 1993.

ALLEN, Natalie J.; MEYER, John P. A medida e os antecedentes de comprometimento afetivo, continuador e normativo para a organização. Jornal de psicologia ocupacional e

organizacional , v. 63, n. 1, p. 1-18, 1990.

ALLEN, Natalie J.; MEYER, John P. Afetiva, continuação e compromisso normativo com a organização: Um exame de validade de construto. Jornal de comportamento vocacional , v. 49, n. 3, p. 252-276, 1996.

ALMANSA, Ana. Assessoria de comunicação. São Paulo: Difusão Editora, 2010.

ANTONELLO, Claudia Simone. A metamorfose da aprendizagem organizacional. In: RUAS, Roberto; ANTONELLO, Claudia Simone; BOFF, Luiz Henrique. Os Novos Horizontes de

Gestão: Aprendizagem Organizacional e Competências. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ANTONELLO, Claudia Simone; GODOY, Arilda Schmidt. A Encruzilhada da

Aprendizagem Organizacional: uma Visão Multiparadigmática. Revista de Administração

Contemporânea, v. 14, n. 2, p. 310, 2010.

ARGENTI, Paul. A. Comunicação empresarial: a construção da identidade, imagem e reputação. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

ARGOTE, Linda. Organizational learning research: Past, present and future. Management

learning, v. 42, n. 4, p. 439-446, 2011.

ARGOTE, Linda; MCEVILY, Bill; REAGANS, Ray. Introduction to the special issue on managing knowledge in organizations: Creating, retaining, and transferring knowledge.

Management Science, v. 49, n. 4, p. v-viii, 2003.

ARGYRIS, Chris; SCHON, Donald. Organizational learning II: Theory, method, and practice. Massachusetts: Addison Wesley, 1996.

ARGYRIS, Chris; SCHON, Donald. Organizational learning: A theory of action perspective. Reading, MA: Addison-Wesley, 1978.

AUSUBEL, David Paul; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

AZEVEDO, Débora. Tensões e extensões da Aprendizagem Organizacional - Possíveis questões epistemológicas. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - ENANPAD, 37, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2012.

BALDISERA, Rudimar. Por uma compreensão da comunicação organizacional. In: SCROFERNEKER, Maria Andrade. O diálogo possível: comunicação organizacional e paradigma da complexidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

BANDEIRA, Mariana Lima; MARQUES, Antônio Luiz; VEIGA, Ricardo Teixeira. As dimensões múltiplas do comprometimento organizacional: um estudo na ECT/MG. Revista

de Administração Contemporânea, v. 4, n. 2, p. 133-157, 2000.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARTOLI, Annie. Comunicación y organización: La organización comunicante y La comunicación organizada. Barcelonas: Paidós, 1992.

BASS, Bernard M. De transacional à liderança transformacional: Aprendendo a compartilhar a visão. Dinâmica organizacional , v. 18, n. 3, p. 19-31, 1990.

BASS, Bernard M.; AVOLIO, Bruce J. Transformational leadership and organizational culture. Public administration quarterly, v.17, n.1, p. 112-121, 1993.

BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt et al. Comprometimento Organizacional. In: SIQUEIRA, M. M. M (Org.) Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e gestão. Porto Alegre: ARTMED, p. 49-95, 2008.

BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt; GONDIM, Sônia Maria Guedes; LOIOLA,

Elizabeth. Aprendizagem organizacional versus organizações que aprendem: características e desafios que cercam essas duas abordagens de pesquisa. Revista de Administração da

Universidade de São Paulo, v. 39, n. 3, 2004.

BATESON, Gregory; RUESCH, Jurgen. Comunicación: La matriz social de la psiquiatría. Barcelona: Paidós, 1984.

BECKER, Fernando. O que é construtivismo. Revista de educação AEC, Brasília, v. 21, n. 83, p. 7-15, 1992.

BECKER, Howard S. Notas sobre o conceito de compromisso. American Journal of

Sociology, v. 66, n. 1, p. 32-40, 1960.

BEKIN, Saul Faingaus. Conversando sobre endomarketing. São Paulo: Makron Books, 1995.

BEKIN, Saul Faingaus. Endomarketing: como praticá-lo com sucesso. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

BELL, Martin. Learning and the accumulation of industrial technological capacity in developing countries. In: FRANSMAN, Martin; KING, Kenneth (Orgs.). Technological

BERLO, David Kenneth. O processo da comunicação: introdução à teoria e à prática. 10.ed. São Paulo: M. Fontes, 2003.

BERRY, Leonard L. The employee as customer. Journal of retail banking, v. 3, n. 1, p. 33- 40, 1981.

BERTHOIN-ANTAL, Ariane et al. Organizational Learning and Knowledge: Reflections on the Dynamics of the Field and Challenges for the Future. In: DIERKES, Meinolf; CHILD, John. Handbook of Organizational Learning and Knowledge. Oxford: Oxford University Press, 2001.

BIDO, Diógenes S. et al. Examinando a relação entre aprendizagem individual, grupal e organizacional em uma instituição financeira. Revista Eletrônica de Administração, v. 17, n. 1, p. 58-85, 2011.

BONTIS, Nick; CROSSAN, Mary M.; HULLAND, John. Managing an organizational learning system by aligning stocks and flows. Journal of Management Studies, v. 39, n. 4, p. 437-469, 2002.

BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo et al. Mensuração de comprometimento organizacional em instituições públicas. Reunião anual de psicologia, v. 19, p. 236, 1989.

BROWN, Jerram L. Comportamento territorial e regulação populacional em aves: revisão e reavaliação. O Boletim Wilson, v.81, n. 3, p. 293-329, 1969.

BRUM, Analisa de Medeiros. Endomarketing como estratégia de gestão. Porto Alegre: L&PM, 1998.

BRUM, Analisa de Medeiros. Um olhar sobre o marketing interno. 3.ed. Porto Alegre: L&PM, 2003.

BRYMAN, Alan. Quantity and quality in social research. London: Routledge, 1988.

BUENO, Wilson da Costa. Comunicação empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, 2009.

CAMILLIS, Patricia Kinast de; ANTONELLO, Claudia Simone. Um estudo sobre os processos de aprendizagem dos trabalhadores que não exercem função gerencial. Revista de

Administração Mackenzie, v. 11, n. 2, p. 4-42, 2010.

CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas: Ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2002.

CARDOSO, Olga Regina. Foco da Qualidade Total de Serviços no Conceito do Produto

Ampliado. Florianópolis, 1995. 421 f. Tese de Doutorado (Departamento de Engenharia de

Produção e Sistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina. 1995.

CERQUEIRA, Wilson. Endomarketing: educação e cultura para a qualidade. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1994.

CHAN, Christopher C. A. Examining the relationships between individual, team and

n. 4, p. 223-235, 2003.

CHEMERS, Martin M. Leadership research and theory: A functional integration. Group

Dynamics: Theory, research, and practice, v. 4, n. 1, p. 27-43, 2000.

CHINEM, Rivaldo. Introdução à comunicação empresarial. São Paulo: Saraiva, 2010.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em administração: um guia para alunos de graduação e pós-graduação. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

COOK, Scott D. N; YANOW, Dvora. Culture and organizational learning. Journal of

Management Inquiry, v. 2, n. 4, p. 373-390, 1993.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela. Métodos de pesquisa em administração. 10. Porto Alegre: Bookman, 2011.

CORREIA-LIMA, Bruno Chaves; LOILA, Elisabeth; LEOPOLDINO, Cláudio Bezerra. Aprendizagem Organizacional em Revisão: Uma Análise Teórico-empírica de Escalas para Investigar o Fenômeno. In: Encontro Da Associação Nacional Dos Programas De Pós-

Graduação Em Administração, 39ª, 2015, Salvador. Anais... Salvador: Anpad, 2015.

COSTA, Joan. Comunicación Corporativa y Revolución de los Servicios. Madrid: Ediciones Ciencias Sociales, 1995.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CRESWELL, John W.; CLARK, Viki L. Plano. Pesquisa de métodos mistos. Porto Alegre: Penso, 2013.

CROSSAN, Mary M.; LANE, Henry W.; WHITE, Roderick E. An organizational learning framework: From intuition to institution. Academy of management review, v. 24, n. 3, p. 522-537, 1999.

CURVELLO, João José Azevedo. Comunicação interna e cultura organizacional. 2. ed. rev. e atual. Brasília: Casa das Musas, 2012.

DAFT, Richard L.; WEICK, Karl E. Toward a model of organizations as interpretation systems. Academy of management review, v. 9, n. 2, p. 284-295, 1984.

DEETZ, Stanley. Comunicação organizacional: fundamentos e desafios. In: MARCHIORI, Marlene. Comunicação e organização: reflexões, processos e práticas. São Caetano do Sul: Difusão, 2010.

DIXON, Nancy. The organizational learning cycle. How can we learn collectively. 2. ed. London: McGraw-Hill Book Company, 1999.

DIXON, Nancy. The organizational learning cycle. New York: McGraw-Hill, 1994.

DUARTE, Eduardo. Por uma epistemologia da comunicação. In: LOPES, Maria Immacolata Vassalo de (Edit.) Epistemologia da comunicação. São Paulo, Loyola, 2003.

EASTERBY-SMITH, Mark. Disciplines of organizational learning: contributions and critiques. Human Relations, v. 50, n. 9, p. 1085-1113, 1997.

EASTERBY-SMITH, Mark; ARAUJO, Luis. Aprendizagem organizacional: oportunidades e debates atuais. In: EASTERBY-SMITH, Mark; ARAUJO, Luis. Aprendizagem

organizacional e organizações de aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática.

São Paulo: Atlas, 2001.

EDMONDSON, A. C. The local and variegated nature of learning in organizations: a group level perspective. Organization Science. v. 13, n. 2, p. 128-146, Mar/Abr. 2002.

ELKJAER, Bente. Organizational learning with a pragmatic slant. International Journal of

Lifelong Education, v. 22, n. 5, p. 481-494, 2003.

EUROPEAN COMMUNICATION MONITOR. Relatório – 2009, 2010, 2011. Disponível em: <http://www.zerfass.de/ECM-WEBSITE/media/ECM2017-Results-ChartVersion.pdf>. Acesso em: 01 abr. 2017.

EVANS, James R.; LINDSAY, William M. The management and control of quality South. US: South-Western, 1999.

FARIAS, Luiz Alberto de. O campo acadêmico do ensino e da pesquisa em comunicação organizacional e relações públicas no Brasil. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling (Org.).

Comunicação organizacional: Histórico, fundamentos e processos. V.1. São Paulo: Saraiva,

2014, v.1.

FÁVERO, Luiz Paulo et al. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FELINTO, Erick. Patologia no sistema de comunicação: ou o que fazer quando seu objeto desaparece. In: FERREIRA, G.; MARTINO, L. C. Teorias da comunicação. Salvador: Ed. UFBA, 2007.

FERIGOTTI, Cristina Maria Souto. Aprendizagem e acumulação de competências inovadoras em produtos na Electrolux do Brasil (1980-2003). RAC-Eletrônica, v. 1, n. 1, p. 100-118, 2007.

FIELD, Andy. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2. Porto Alegre: ArtMed, 2009.

FISHBEIN, Martin. Readings in attitude theory and measurement. US: John Wiley & Sons Inc, 1967.

FRIEDMAN, Victor J.; LIPSHITZ, Raanan; POPPER, Micha. The mystification of organizational learning. Journal of Management Inquiry, v. 14, n. 1, p. 19-30, 2005.

GALINDO, Jesus. Comunicologia, Comunicación y Cultura: Exploración histórica de dos conceptos centrales em la trânsito del siglo XX al siglo XXI. Revista Razón Y Palavra, n. 66, 2010. Disponível em: <http://www.razonypalabra.org.mx/N/n66/actual/jgalindo.html>. Acesso em: 01 abr. 2016.

GARCÍA, Marta Rizo. Aportaciones de la psicologia social a la ciência de la comunicación.

GARVIN, David A. The processes of organization and management. MIT Sloan

Management Review, v. 39, n. 4, p. 33-50, 1998.

GERBER, Rod. Learning and Knowing in Workplaces: how do people learn in their work. In: CASTLETON, Geraldine; GERBER, Rod; PILLAY, Hitendra. Improving workplace

learning: emerging international perspectives. New York: Nova Science Publishers, 2006.

GERBNER, George. Cultural indicators: The third voice. Communications technology and

social policy, v.11, n.1, p. 555-573, 1973.

GHERARDI, S. NICOLINI, D. The Organizational Learning of Safety in Communities -of Pratice. Journal of Management Inquiry, v. 9, n. 1, p. 7-18, 2000.

GIBBS, Graham R. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Bookman, 2009.

GIL, Antonio Carlos. Metodologia do ensino superior. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

GORTARI, Sérgio Flores; GUTIÉRREZ, Emiliano Orozco. Hacia uma comunicación

administrativa integral. México: Trillas, 2002.

GREENE, Jennifer C.; CARACELLI, Valerie J.; GRAHAM, Wendy F. Toward a conceptual framework for mixed-method evaluation designs. Educational evaluation and policy

analysis, v. 11, n. 3, p. 255-274, 1989.

GRÖNROOS, Christian. Internal marketing–an integral part of marketing theory. In: DONNELY, James H.; GEORGE William. R. (Eds.). Marketing of services. Chicago: American Marketing Association, 1981.

GRÖNROOS, Christian. Marketing: gerenciamento e serviços. 3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

GUERCINI, Simone et al. Interaction behaviors in business relationships and heuristics: Issues for management and research agenda. Industrial Marketing Management, v. 43, n. 6, p. 929-937, 2014.

GUMMESSON, Evert. Marketing de relacionamento total: gerenciamento de marketing, estratégia de relacionamento e abordagens de CRM para a economia de rede. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAIR JR, Joseph F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HAIR JR., Joseph F. et al. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAWKING, Stephen. O universo numa casca de noz. Lisboa: Gradiva, 2002.

HREBINIAK, Lawrence G.; ALUTTO, Joseph A. Personal and role-related factors in the development of organizational commitment. Administrative science quarterly, v.17, n.4, p. 555-573, 1972.

INKOTTE, Alexandre Luz. Endomarketing: elementos para a construção de um marco teórico. 2000. 144 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. 2000.

IVANKOVA, Nataliya V.; STICK, Sheldon L. Students’ persistence in a distributed doctoral program in educational leadership in higher education: A mixed methods study. Research in

Higher Education, v. 48, n. 1, p. 93-135, 2007.

JACKSON, Karen M.; MARRIOTT, Christine. The interaction of principal and teacher instructional influence as a measure of leadership as an organizational quality. Educational

Administration Quarterly, v. 48, n. 2, p. 230-258, 2012.

JUNIOR, Francisco Antonio Coelho; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo. Uso do conceito de aprendizagem em estudos relacionados ao trabalho e organizações. Paidéia, v. 18, n. 40, p. 221-234, 2008.

KELMAN, Herbert C. Compliance, identification, and internalization three processes of attitude change. Journal of conflict resolution, v. 2, n. 1, p. 51-60, 1958.

KIM, D. H. The link between individual and organizational learning. Sloan Management

Review, n.35, p.37-50, 1993.

KLINE, Rex B. Principles and practice of structural equation modeling. 3. ed. New York, Estados Unidos: Guilford Press, 2008.

KOLB, David A. Experiental learning. US: Englewood Cliffs, 1984.

KOTLER, Philip. Marketing de A Z: 80 conceitos que todo profissional precisa saber. 6.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

KOTLER, Philip. Marketing's new paradigms: What's really happening out there. Planning

Review, v. 20, n. 5, p. 50-52, 1992.

KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. São Paulo: Pearson, 2006.

KOUZES, Jim M.; POSNER, Barry Z. O desafio da liderança. 5. Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

KREPS, Gary L. Organizational communication: theory and pratice. Second Edition. New York (USA): Longman, 1990.

KUNSCH, Margarida M. Krohling. Comunicação organizacional: conceitos e dimensões dos estudos e das práticas. Faces da cultura e da comunicação organizacional, v. 2, p. 169-192, 2006.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling (Org.). Comunicação organizacional: Histórico, fundamentos e processos. V.1. São Paulo: Saraiva, 2014, v.1.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação

LARSON, Ron; FARBER, Elizabeth. Estatística aplicada. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2004.

LATTIMORE, Dan et al. Relações Públicas: profissão e prática. 3 ed. Porto Alegre: Editora Penso, 2012.

LEMOS, Ana Heloisa da Costa; CAVAZOTTE, Flávia de Souza Costa Neves; NOGUEIRA, Alexandre Santana. Gerações Produtivas e Comprometimento Organizacional: Um Estudo Comparativo com Oficiais da Aeronáutica. Gestão & Planejamento-G&P, v. 13, n. 3, p. 694-711, 2012.

LESLIE, Bruce; ARING, Monika Kosmahl; BRAND, Betsy. Informal learning: The new frontier of employee & organizational development. Economic Development Review, v. 15, n. 4, p. 12-18, 1998.

LEVITT, Bárbara; MARCH, James G. Organizational learning. Annual review of sociology, v. 14, n. 1, p. 319-338, 1988.

LÉVY, Pierre. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Ed. 34, 2001.

LINGS, Ian N.; GREENLEY, Gordon E. Measuring internal market orientation. Journal of

Service Research, v. 7, n. 3, p. 290-305, 2005.

LLORIA, M. Begoña; MORENO-LUZON, Maria D. Organizational learning: Proposal of an integrative scale and research instrument. Journal of Business Research, v. 67, n. 5, p. 692- 697, 2014.

LOIOLA, Elisabeth; NÉRIS, Jorge Santos; BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt.

Aprendizagem em organizações: mecanismos que articulam processos individuais e coletivos. In: BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; ABBAD, Gardênia da Silva; MOURÃO, Luciana. (Org.). Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho:

Fundamentos para a Gestão de Pessoas. Porto Alegre: Bookman, 2006.

LUZ, Ricardo. Gestão do Clima Organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

MAIER, Günter W.; PRANGE, Christiane; ROSENSTIEL, L. von. Psychological

perspectives of organizational learning. In: DIERKES, Meinolf et al. (Orgs). Organizational

Learning and knowledge. New York: Oxford, 2001.

MALHOTRA, Naresh K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MALHOTRA, Naresh K.; BIRKS, David; WILLS, Peter. Marketing research: applied approach. 4. ed. New York: Pearson, 2012.

MARCH, James G. Exploration and exploitation in organizational learning. Organization

Science, v. 2, n. 1, p. 71-87, 1991.

MARCHIORI, M. Cultura e comunicação organizacional. São Caetano do Sul: Difusão, 2006.

MARCHIORI, Marlene. Cultura e comunicação organizacional: um olhar estratégico sobre a organização. 2. ed. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2008.

MARQUES, Ronaldo. Comunicação Interna. 2004. Disponível em:

<http://www.rh.com.br/Portal/Comunicacao/Artigo/3715/comunicacao-interna.html>. Acesso em: 23 set. 2016.

MARTINO, Luís Mauro Sá. A ilusão teórica no campo da comunicação. Revista Famecos, v. 1, n. 36, p.111-117, 2008.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

MATOS, Gustavo Gomes. Comunicação empresarial sem complicação. São Pauli: Editora Manole Ltda, 2009.

McGEE, Gail W.; FORD, Robert C. Two (or more?) dimensions of organizational

commitment: Reexamination of the affective and continuance commitment scales. Journal of

Applied Psychology, v. 72, n. 4, p. 638-641, 1987.

MEDEIROS, Carlos Alberto Freire et al. Comprometimento organizacional: o estado da arte da pesquisa no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 4, p. 187-209, 2003.

MEDEIROS, Carlos Alberto Freire et al. Um estudo exploratório dos múltiplos componentes do comprometimento organizacional. Revista eletrônica de administração, v. 11, n. 1, p. 1- 22, 2005.

MEDEIROS, Marcello AF; GASTER, Michael. The production of subharmonic waves in the nonlinear evolution of wavepackets in boundary layers. Journal of Fluid Mechanics, v. 399, p. 301-318, 1999.

MELEIRO, Amélia Regina. Bem-estar no trabalho: os aspectos do suporte do supervisor e estilos de liderança. 2005. 148 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia da Saúde) –

Universidade Metodista de São Paulo. 2005.

MELO, E. A. A. Escala de avaliação do estilo gerencial (EAEG): desenvolvimento e validação. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 4, n. 2, p. 31-62, julh/dez., 2004.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Phénoménologie de la Perception. Paris: Éditions Gallimard. 1945.

MEYER, John P.; ALLEN, Natalie J. A longitudinal analysis of the early development and consequences of organizational commitment. Canadian Journal of Behavioural

Science/Revue canadienne des sciences du comportement, v. 19, n. 2, p. 199, 1987.

MEYER, John P.; ALLEN, Natalie J. A three-component conceptualization of organizational commitment. Human resource management review, v. 1, n. 1, p. 61-89, 1991.

MEYER, John P.; ALLEN, Natalie J. Testando a "teoria da aposta lateral" do compromisso organizacional: algumas considerações metodológicas. Journal of applied psychology, v. 69, n. 3, p. 372, 1984.

MEYER, John P.; ALLEN, Natalie J.; SMITH, Catherine A. Compromisso com organizações e ocupações: Extensão e teste de uma conceituação de três componentes. Journal of applied

psychology, v. 78, n. 4, p. 538, 1993.

MEYER, Susan E.; ALLEN, Phil S.; BECKSTEAD, Julie. Seed germination regulation in Bromus tectorum (Poaceae) and its ecological significance. Oikos, p. 475-485, 1997.

MILES, Matthew B.; HUBERMAN, A. Michael. Qualitative data analysis: A sourcebook of new methods. Educational Evaluation and Policy Analysis, v. 8, n. 3, p. 329-331, 1984.

MILLER, George A. The Magical Number Seven, Plus or Minus Two: Some Limits on Our Capacity for Processing Information. The Psychological Review, v. 63, p. 81-97, 1956.

MOORE, David. A estatística básica e sua prática. 3.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2005.

MOVERGS. Dados do setor moveleiro. 2017. Disponível em:

<http://www.movergs.com.br/dados-setor-moveleiro>. Acesso em: 21 fev. 2017.

MOWDAY, Richard T.; PORTER, Lyman W.; STEERS, Richard M. Employee-

organizational linkages: The psycology of commitment, absenteeism, and turnover. New

York: Academic Press, 1982.

MOWDAY, Richard T.; STEERS, Richard M.; PORTER, Lyman W. The measurement of organizational commitment. Journal of vocational behavior, v. 14, n. 2, p. 224-247, 1979.

NETO, Júlio Afonso de Sá. Ética, cultura organizacional e responsabilidade social como fundamentos dos programas de relações públicas para o público interno. In: ESTRELLA, Charbelly; BENEVIDES, Ricardo; FREITAS, Ricardo Ferreira (Org.). Por dentro da

Comunicação Interna: tendências, reflexões e ferramentas. Curitiba: Champagnat, 2009.

NICOLINI, Davide; GHERARDI, Silvia; YANOW, Dvora (Ed.). Knowing in organizations: A practice-based approach. New York: ME Sharpe, 2003.

NOGUEIRA, Ronaldo Alves; ODELIUS, Catarina Cecília. Desafios da Pesquisa em Aprendizagem Organizacional. Cadernos EBAPE. BR, v. 1, n. 1, p. 83-102, 2015.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

NORTHOUSE, Peter G. Leadership Theory and Practice. 2 ed. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, Inc, 2001.

OLIVEIRA, Fernando; ARGOTE, Linda. Organizational learning and new product

development: CORE processes. In: THOMPSON, Leigh; LEVINE, John; MESSICK, David.

Shared cognition in organizations: The management of knowledge. USA: Psychology

OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; PAULA, Maria Aparecida de. Desafios da comunicação interna: interferências da contemporaneidade. In: ESTRELLA, Charbelly; BENEVIDES, Ricardo; FREITAS, Ricardo Ferreira (Org.). Por dentro da Comunicação Interna: tendências, reflexões e ferramentas. Curitiba: Champagnat, 2009.

OLIVER, Robert T. Contribuições dos especialistas em língua falada para o estudo da comunicação humana. In: DANCE, Frank. Teoria da Comunicação Humana. São Paulo: Editora Cultrix, 1973.

PAIXÃO, Marcia Valéria. Pesquisa e Planejamento de Marketing e Propaganda. Curitiba: Intersaberes, 2012.

PAWLOWSKY, Peter. The treatment of organizational learning in management science. In: DIERKES, Meinolf et al. (Ed.) Handbook of organizational learning and knowledge. Oxford: Osford University Press, 2001.

PESTANA, Maria Helena; GAGEIRO, João Nunes. Análise de dados para ciências sociais: a complementariedade do SPSS. 4.ed. rev. e aum. Lisboa, Portugal: Sílabo, 2005.

PIERCY, Nigel; MORGAN, Neil. Internal marketing: making marketing happen. Marketing

Intelligence & Planning, v. 8, n. 1, p. 4-6, 1990.

POPPER, Michael; LIPSHITZ, Raanan. Organizational learning mechanisms. Journal of

Applied Behavioral Science, v. 34, n. 2, p. 161-179, 1998.

POPPER, Michael; LIPSHITZ, Raanan. Organizational Learning: Essential readings in management learning. London: Sage, 2004.

REDDIN, W. J. Managing Organisational Change. Ind Training Int, v.5, n.3, p.132-134,

No documento Aprendizagem, comunicação, liderança e comprometimento organizacional : um estudo no Grupo Beta (páginas 141-200)