Intervenção Precoce (IP)

No documento RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 0 de 69 (páginas 9-16)

A Intervenção Precoce é uma Resposta Social da Instituição CFV, com Acordo de Cooperação Atípico celebrado com o Centro Distrital de Segurança Social de Lisboa e Vale do Tejo, em 1/12/1996.

Teve uma revisão em 22 de dezembro de 2011, obtendo um aumento de capacidade, passando a ter acordo para 30 crianças e capacidade para 40 crianças/famílias.

As Equipas Locais de Intervenção de Cartaxo/Azambuja e de Alenquer/Arruda/Sobral Monte Agraço (Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância), adiante designada por ELI, ambas constituídas por equipas pluridisciplinares, têm como meta atingir um funcionamento transdisciplinar, assente em parcerias institucionais, integrando representantes do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social, da Saúde, da Educação e Ciência, assim como da Cruz Vermelha , CFV de Azambuja, Comdignitatis entre outras entidades parceiras.

A ELI de Cartaxo/Azambuja e Alenquer/Arruda/Sobral é constituída em cumprimento do Art. 7º do Decreto-Lei n.º 281/2009, de 6 de outubro, rege-se pelas disposições constantes do Regulamento Interno, bem como pelo respetivo Protocolo de Constituição e pelas normas regulamentadoras e orientações emitidas pela Comissão de Coordenação do Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI).

9 Esta estrutura prestadora de serviços rege-se igualmente pelo estipulado no Decreto-Lei n.º 281/2009, de 6 de outubro e nas normas regulamentadoras emitidas pela Comissão de Coordenação do Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI).

A ELI desenvolve e concretiza, a nível local, a intervenção do SNIPI, com vista a garantir condições de desenvolvimento das crianças até aos 6 anos de idade, com alterações nas funções ou estruturas do corpo que limitam o crescimento pessoal, social, e a sua participação nas atividades típicas para a idade, bem como das crianças com risco grave de atraso de desenvolvimento.

Nos termos do Decreto-Lei n.º 281/2009, considera-se:

▪ “Intervenção precoce na infância (IPI)” o conjunto de medidas de apoio integrado centrado na criança e na família, incluindo ações de natureza preventiva e reabilitativa, designadamente no âmbito da educação, da saúde e da ação social;

▪ “Risco de alterações ou alterações nas funções e estruturas do corpo” qualquer risco de alteração, ou alteração, que limite o normal desenvolvimento da criança e a sua participação, tendo em conta os referenciais de desenvolvimento próprios, consoante a idade e o contexto social;

▪ “Risco grave de atraso de desenvolvimento” a verificação de condições biológicas, psicoafectivas ou ambientais, que implicam uma alta probabilidade de atraso relevante no desenvolvimento da criança.

Competência Funcional

Compete à ELI, no âmbito da intervenção local do SNIPI:

▪ Identificar as crianças e famílias imediatamente elegíveis para acompanhamento pelo SNIPI;

▪ Assegurar a vigilância às crianças e famílias que, embora não imediatamente elegíveis, requerem avaliação periódica, devido à natureza dos seus fatores de risco e possibilidades de evolução;

▪ Encaminhar crianças e familiares não elegíveis, mas carenciadas de apoio social;

▪ Elaborar e executar o Plano Individual de Intervenção Precoce em função do diagnóstico da situação;

▪ Identificar necessidades e recursos das comunidades da sua área de intervenção, dinamizando redes formais e informais de apoio social;

▪ Articular, sempre que se justifique, com as comissões de proteção de crianças e jovens e com os núcleos de apoio às crianças e jovens em risco ou outras entidades com atividade na área da proteção infantil;

10

▪ Assegurar, para cada criança, processos de transição adequados para outros programas, serviços ou contextos educativos;

▪ Articular com os profissionais das creches, amas e estabelecimentos de educação pré-escolar em que se encontrem colocadas as crianças acompanhadas pela ELI;

▪ Promover a participação ativa das famílias no processo de avaliação e de intervenção;

▪ Promover a articulação entre os vários intervenientes no processo de intervenção.

A CERCI Flor da Vida está representada em duas ELI, ELI Azambuja/Cartaxo e ELI Alenquer/Arruda/Sobral Monte Agraço.

TÉCNICOS AFETAÇÃO

FISIOTERAPEUTA 40%

TERAPEUTA DA FALA 40%

TÉCNICO SERVIÇO SOCIAL 50%

PSICÓLOGA 20%

Quadro 1 - Técnicos da CFV afetos à Resposta Social e respetivas percentagens

Estas percentagens de tempo são divididas nas duas ELI, mediante um acordo de cooperação atípico celebrado entre a CERCI e o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social.

Para além destes técnicos que representam na ELI o Ministério do Trabalho e da Segurança Social no concelho de Azambuja, está ainda uma terapeuta Ocupacional e uma enfermeira com 3 horas que representam o Ministério da Saúde e uma Docente de ensino especial do Ministério da Educação.

Na ELI Alenquer/Arruda/Sobral estão integradas três docentes do Ministério da Educação, três enfermeiras com tempo reduzido do Ministério da Saúde e uma outra instituição que representa também o Ministério do Trabalho e da Segurança Social, a Comdignitatis, com uma psicóloga, uma terapeuta da fala, uma psicóloga e uma assistente social.

11 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

CLIENTES PROCESSOS IP

OE01 OE02 OE05

Cumprir com as Normas e Procedimentos do SNIPI (Sistema Nacional de Intervenção Precoce)

Fornecer informações a todas as famílias relativamente ao modo de funcionamento e procedimentos do SNIPI

Nº de Reuniões Contagem direta ≥ 1 por família

CLIENTES

IP OE01

Melhorar a qualidade de vida das crianças/famílias acompanhadas no âmbito do SNIPI

Cumprir com os PIIP (Plano Individual de Intervenção Precoce)

Taxa de cumprimento dos PIIP

Assegurar resposta a todas as crianças elegíveis para o SNIPI

Identificar/ Avaliar e dar resposta a todas as referenciações que cheguem às ELI (Equipas Locais de Intervenção Precoce) respondidas / Nº de Referenciações Recebidas x 100 e Nº de Avaliações recebidas x Nº de

Avaliações respondidas x 100

100%

Garantir o

encaminhamento de todas as crianças/famílias não elegíveis para o SNIPI

Nº de todas as crianças/famílias elegíveis até ao limite máximo estabelecido no acordo de Cooperação em vigor

Melhorar a articulação do serviço com os clientes, significativos e colaboradores

Taxa de participação nas reuniões de Equipa Local

Nº de participantes em reunião/Nº de colaboradores x 100

≥80

Taxa de participação não reuniões de Eli Alenquer/Arruda/Sobral

Nº de participantes em reunião/Nº de colaboradores x 100

≥90

Taxa de participação de ELI Cartaxo/Azambuja

Nº de participantes em reunião/Nº de colaboradores x 100

≥90

12 Cumprir com as Normas e Procedimentos do SNIPI (Sistema Nacional de Intervenção Precoce) Foram efetuadas, no decorrer do período em análise, os seguintes apoios por parte da CFV nas ELI Cartaxo/Azambuja e ELI Alenquer/Arruda Sobral, sendo que a CERCI Flor da Vida apenas intervém no concelho de Azambuja e Alenquer.

Os acompanhamentos dividiram-se de acordo com as seguintes metodologias: apoios diretos, vigilâncias e consultadorias.

Melhorar a qualidade de vida das crianças/famílias acompanhadas no âmbito do SNIPI Assegurar resposta a todas as crianças elegíveis para o SNIPI

Figura 1 Nº de Crianças/Famílias apoiadas pela CFV

Figura 2 Nº de crianças/famílias apoias por cada ELI

A ELI Cartaxo/Azambuja apoia no seu total 150 crianças, sendo que o Cartaxo apoiou 87 e Azambuja 63 crianças. O gráfico que se segue mostra o total de crianças apoiadas pela equipa da CFV.

42 39

Nº de Crianças/Famílias apoiadas pela CFV

ELI Cartaxo/Azambuja ELI Alenquer/Arruda/Sobral

150 CRIANÇAS - 41%

212 CRIANÇAS - 59%

Total Crianças Apoiadas por ELI

ELI Cartaxo/Azambuja ELI Alenquer/Arruda/Sobral

13

Figura 3 – Locais de Apoio Concelho de Azambuja

Figura 4 – Idades crianças apoiadas no concelho de Azambuja

A ELI Alenquer/Arruda/Sobral apoia no seu total 212 crianças, sendo que o concelho de Alenquer apoia 118. O gráfico que se segue mostra o total de crianças apoiadas pela equipa da CFV no concelho de Alenquer.

7 - 17%

6 - 14%

29 - 69%

Locais de Apoio Concelho Azambuja

Domicilío Creche Pré-escolar

2 8

30 2

Idades

O-12 M 13- 24 M 25-36 M 3 A- 6 A maior 6 A

14

Figura 5– Idade das crianças apoiadas no concelho de Alenquer

Figura 6– Idade das crianças apoiadas no concelho de Alenquer

A grande maioria destas referenciações proveio da área da saúde (consultas de desenvolvimento infantil), bem como da educação dos Jardins de Infância e Creches. Todas as crianças referenciadas foram avaliadas, foi definido o gestor de caso para cada uma delas, bem como foi elaborado o PIP (Plano de Intervenção Precoce) em função do diagnóstico da situação que será monitorizado e ajustado ao longo de todo o processo em que a criança se mantenha na Intervenção Precoce.

Aquando do confinamento pela covid-19, a partir de meados janeiro a abril e até ao período em análise neste relatório, as reuniões de equipas passaram a ser feitas via zoom. Os acompanhamentos continuaram a ser feitos mediante uma análise de prioridades. As reuniões de equipas são sempre às quartas-feiras, no período da tarde. A ELI Cartaxo/Azambuja reúne uma vez por mês, alternadamente entre Cartaxo e Azambuja, já a ELI Alenquer/Arruda/Sobral, por ser uma equipa de

7 - 18%

2 - 5%

30 - 77%

Locais de Apoio Concelho Alenquer

Domicilío Creche Pré-escolar

0

7

26 4

Idades

O-12 M 13- 24 M 25-36 M 3 A- 6 A maior 6 A

15 maiores dimensões quer de técnicos quer em áreas geográficas, reúne duas vezes por mês, alternadamente nos Centros de Saúde de Alenquer e Arruda dos Vinhos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O trabalho desenvolvido é o espelho do esforço que temos vindo a realizar, em tempos muito conturbados.

Continuar a trabalhar, numa parceria alargada, no pressuposto de que estes espaços abrangentes de representação são potenciadores de uma visão igualmente mais ampla dos problemas e das soluções que melhor os resolvam é o nosso grande objetivo.

O trabalho de proximidade e uma dinâmica de interação permanente será a nossa forma de enfrentar as grandes incertezas e dificuldades que se nos apresentam, este será o desafio para a equipa de Intervenção Precoce.

Tem sido difícil gerir o número crescente de referenciações, o reduzido número de horas dos técnicos e não existência de lista de espera no SNIPI, pelo que continuamos a aguardar uma resposta por parte da Segurança Social a esta problemática da CFV, por responder a duas Equipas Locais de Intervenção com um número reduzido de técnicos no seu acordo de cooperação.

No documento RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 0 de 69 (páginas 9-16)