Mapa de Drenagem

No documento TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (páginas 79-88)

5.4 ANÁLISE GEOMORFOLÓGICA

5.4.3 Mapa de Drenagem

Para a análise a seguir, baseada na fotointerpretação das redes de drenagem, foram considerados os parâmetros, com base nas classificações propostas por Soares & Fiori (1976).

De acordo com a figura 5.16 é possível observar que as feições erosivas estão, majoritariamente, conectadas a drenagens, ocorrendo nas cabeceiras dessas, principalmente, em canais de 1ª ordem. A presença de segmentos de serras de orientação preferencial NE/SW, atuando como

Honorato, J. P. 2021, Avaliação dos condicionantes geomecânicos-estruturais e geomorfológicos...

60

divisor de águas tem como consequência a estruturação de redes de drenagem nos dois lados desses segmentos de serras, com orientação preferencial de WSW/ENE para aquelas a norte das serras, e SSW/NNE para as que se situam a sul, como pode ser observado na figura 5.16. Os canais fluviais que se estruturam ao longo dessas vertentes não apresentam uma orientação preferencial, podendo ser classificados com multidirecionais ordenados.

Ocorrem ainda, segmentos de drenagens retilíneos menores, que se encontram espaçados, distribuídos irregularmente e multidirecionais, caracterizando redes de drenagem em série, e que se relacionam a locais onde ocorrem fraturas e falhas. Tanto na voçoroca I quanto na II, analisadas em campo, a direção de crescimento dessas feições, nos quais os processos erosivos são mais acentuados, coincide com a orientação das redes de drenagem.

Figura 5.16 - Mapa de rede de drenagem, com a voçoroca I situada no quadrado superior e voçoroca II no quadrado inferior. As retas em amarelo representam os segmentos de serras de orientação NE/SW.

CAPÍTULO 6 6 CONCLUSÕES

Diante dos estudos realizados, a formação e desenvolvimento das voçorocas no manto intempérico de filitos da Formação Cercadinho, podem ser correlacionados a fatores geotécnico-estruturais e geomorfológicos. Considerando-se os fatores mais relevantes para essa investigação, pode-se citar as condições geotécnicas dos maciços, bem como a classificação em maciço rochoso fraco, para a maioria deles. Essa classificação RMR revela, portanto, a influência direta da qualidade do maciço no desenvolvimento de feições erosivas.

As famílias de fraturas, sob o aspecto de avaliação estrutural representam umas das estruturas mais relevantes para análise do processo de formação das voçorocas. Isto pois, essas estruturas desempenham importante função sobre a dinâmica de erosão atuante nos maciços, visto que o intenso fraturamento implica maior susceptibilidade à erosão, uma vez que as fraturas agem como canais que permitem a percolação e fluxo de água e, consequente favorecimento da erosão hídrica. Dessa forma, as fraturas podem ser elencadas como um dos principais condicionantes dos processos de voçorocamento identificados.

Os resultados da análise cinemática, como os indicativos de ruptura em cunha para a maioria das descontinuidades analisadas estão em consonância com o que foi verificado em observações expeditas de campo, nas quais foram identificadas várias rupturas em cunha nos diversos maciços. A análise cinemática revelou menos indicativos de ocorrência para ruptura planar e tombamento flexural, fato que também pôde ser observado em campo, com a identificação de ocorrências pontuais dos dois modos de ruptura.

As condições geomorfológicas que foram identificas nas voçorocas de estudo coincidem com aquelas que foram identificadas nas demais feições do entorno, de modo que é possível associar a formação e evolução de voçorocas aos parâmetros geomorfológicos analisados. Os lineamentos estruturais identificados correspondem às características do contexto geológico regional, marcado por eventos de deformação, com consequente formação de estruturas como falhas e fraturas. As condições de declividade do terreno provaram que as voçorocas estão majoritariamente associadas a terrenos de declividade acentuada, nos quais os processos erosivos são mais intensos. E, a estruturação das redes de drenagem nas encostas, favorecendo o fluxo de água por esses canais, mostrou-se fundamental ao processo de formação das voçorocas, bem como na modelagem do relevo formado por morros e serras de elevadas altitudes e inclinação.

Honorato, J. P. 2021, Avaliação dos condicionantes geomecânicos-estruturais e geomorfológicos...

62

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Alkmim, F. F., Brito Neves B. B., Alves I. A. C. 1993. Arcabouço Tectônico do Cráton São Francisco - uma revisão. Em: Dominguez, J. M. L., Misi, A. O Cráton do São Francisco: trabalhos apresentados na reunião preparatória do II Simpósio sobre o Cráton do São Francisco. Salvador, SBG, p. 4562.

Alkmim, F. F., Kuchenbecker, M., Reis, H. L. S.,Pedrosa-Soares, A. C. 2017. The Araçuai Belt. São Francisco Craton, Eastern Brazil Tectonic Genealogy of a Miniature Continent. Regional Geology Reviews. Springer International Publishing, 14:255-276.

Alkmim, F. F., Martins-Neto, M. A. 2012. Proterozoic first-order sedimentary sequences of the São Francisco craton, eastern Brazil. Marine and Petroleum Geology, 33:127-139.

Alkmim, F. F., Noce, C. M. 2006. The Paleoproterozoic Record of the São Francisco Craton. IGCP 509, Field workshop, Bahia and Minas Gerais, Brazil. Field Guide & Abstracts, 114 p.

Alkmim, F. F., Pedrosa-Soares, A.C., Noce, C.M., Cruz, S.C.P. 2007. Sobre a evolução tectônica do Orógeno Araçuaí-Congo Ocidental. Geonomos, 15(1): 25-43.

Almeida, F. F. M. 1977. O Cráton do São Francisco. Revista Brasileira de Geociências,7:285-295.

Almeida Filho, G. S. 2014. Uso das terminologias de processos erosivos lineares do tipo ravina e voçoroca. Revista GeoNorte, Edição especial, 10(4): 693-699.

Bacellar, L. A. P. 2000. Condicionantes geológicos, geomorfológicos e dos mecanismos de voçorocamento na bacia do Rio Maracujá. Ouro Preto, MG. Tese de Doutorado.

COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 225 p.

Bacellar L.A.P., Coelho Neto A.L., Lacerda W.A. 2005. Controlling factors of gullying in the Maracujá Catchment, southeastern Brazil. Earth Processes and Landforms. 30:1369-1385.

Baltazar, O. F., Silva, S. L. 1996. Projeto Rio das Velhas: Mapa Geológico Integrado do Supergrupo Rio das Velhas, escala1:100.000. Departamento Nacional de Produção Mineral/CPRM–Serviço Geológico do Brasil, Belo Horizonte. 136 p

Baltazar, O. F., Zucchetti, M. 2007. Lithofácies associations and structural evolution of the Archean Rio das Velhas greenstone belt, Quadrilátero Ferrífero, Brazil: a review of the setting of gold deposits.

Ore Geology Reviews. 32:471-499

Barbosa, O. 1949. Contribuição à geologia do centro de Minas Gerais. Mineração e Metalurgia, 14 (79): 3-19.

Barbosa, G. V. 1980. Superfícies de erosão no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Revista Brasileira de Geociências, 10:89 -101.

Barton, N. 1978. Suggested methods for the quantitative description of descontinuities in rock masses. Int. J. Rock Mech. Min. Sci., v. 15, p. 319-368

Barton, N. 2002. Some new Q value correlations to assist in site characterization and tunnel design.

Int. J. Rock Mech. Min. Sci., v. 39, p. 184-216

Barton, N., Lien, R.; Lunde, J. 1974. Engineering classification of rock masses for the design of rock support. Rock Mechanics, v. 6, p. 189-236

Benko, B. 1997. Numerical Modelling of complex slope deformations. Department of geological Sciencies. University of Saskatchewan, Sasktoon , Canada, 366 p.

Honorato, J. P. 2021, Avaliação dos condicionantes geomecânicos-estruturais e geomorfológicos...

64

Bieniawiski, Z. T. 1988. The rock mass rating (RMR) system (geomechanics classification) in enginnering practice. Kirkaldie L. Rock classification systems for enginnering purposes, Philadelfia.

ASTM, p. 17-34.

Bieniawiski, Z. T. 1989. Engineering Rock Mass Classification. New York: John Wiley & Sons, 251 p.

Bigarella, J. J. 2003. Estrutura e origem das paisagens tropicais e subtropicais. Florianópolis, Editora UFSC, 3, 1436 p.

Castro E. C. C. & Ferreira J. E. 1997. Aspectos estratigráficos, sedimentares e estruturais dos sedimentos cenozoicos da borda leste do Quadrilátero Ferrífero entre Santa Rita Durão e Fonseca, Minas Gerais. Trabalho Final de Graduação, Departamento de Geologia, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 49 p.

Castro, P. T. A., Varajão, A. F. D. C. (2020). O Cenozóico no Quadrilátero Ferrífero. In: Endo, I., Castro, P.T.A., Gandini, A.L. 2020. Quadrilátero Ferrífero: Avanços do conhecimento nos últimos 50 anos. Belo Horizonte, Universidade Federal de Ouro Preto, p. 166-193.

Cerri, L. E. S., Silva, J. A. F., Santos, P. H. P. 1997. Erosão do solo: aspectos conceituais. Revista Universidade Guarulhos. Geociências, 6(II): 92-98

Costa, F. M. 2005. Análise por métodos hidrológicos e hidroquímicos de fatores condicionantes do potencial hídrico de bacias hidrográficas – Estudo de Casos no Quadrilátero Ferrífero (MG).

Dissertação de Mestrado, Departamento de Geologia, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 147 p. atuantes: estudo da voçoroca Vila Alegre. Tese de mestrado, Instituto de ciências exatas e biológicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 116 p.

Christofoletti, A. 1981. A variabilidade espacial e temporal da densidade de drenagem. Not.

Geomorfológica, v. 21, n. 42, p. 3-22.

Diláscio, M. V. 2004. Estudo computacional do mecanismo de tombamento flexural em filitos.

Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 130 p.

Dorr J. V. N. 1964. Supergene iron ores of Minas Gerais, Brazil. Econ. Geol., 59(7):1203-124

Dorr, J. V. N. 1969. Physiographic, stratigraphic and structural development of the Quadrilátero Ferrífero, Brazil. Washington, USGS/ DNPM. Professional Paper. 641(A), 110 p.

Dorr, J. V., Gair, J. E., Pomerene, J. B., Rynearson, G. A. 1957. Revisão da estratigrafia pré-cambriana do Quadrilátero Ferrífero, Brasil. Departamento Nacional de Produção Mineral, Divisão de Fomento da Produção Mineral, Avulso, vol. 81. 31 p.

Drumond, F. N. 2006. Caracterização e Quantificação dos Processos Erosivos de uma Voçoroca na bacia do Riacho Manoel Félix no Complexo Metamórfico do Bação, Quadrilátero Ferrífero – MG.

Dissertação de mestrado, Departamento de Geologia da Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 107 p.

Duncan, C. W., Christopher, W. M. 2005. Rock slope engineering: civil and mining. Taylor & Francis e-Library, 456 p.

Trabalho de Conclusão de Curso, n. 408, 68 p. 2021.

65

Endo, I., Castro, P.T.A., Gandini, A.L. 2020. Quadrilátero Ferrífero: Avanços do conhecimento nos últimos 50 anos. Belo Horizonte, Universidade Federal de Ouro Preto, 480 p.

Endo, I. 1997. Regimes Tectônicos do Arqueano e Proterozóico no interior da Placa Sanfranciscana:

Quadrilátero Ferrífero e Áreas Adjacentes, Minas Gerais. Tese de Doutoramento, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 382 p.

Filho, G. S. S., Filho, J. T. 2014. A importância da diferenciação dos processos erosivos lineares dos tipos ravina e boçoroca. 7º Simpósio de recursos hídricos do nordeste. Natal, p. 1-15.

Filizola, H. F., Boulet, R., Gomes, M. A. F. 2003. Processos erosivos lineares em áreas de recarga do Aqüífero Guarani. In: HAMADA, E., 2003. Água, agricultura e meio ambiente no Estado de São Paulo: avanços e desafios. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente.

Fiori, A. P., Carmignani, L.,(2 ed), 2009. Fundamentos de mecânica dos solos e das rochas. Aplicação na estabilidade de taludes. Curitiba: Editora da UFPR, Oficina de Textos, 602 p.

Gair, J. E. 1962. Geology and ore deposits of the Nova Lima and Rio Acima Quadrangles, Minas Gerais, Brazil. U.S. Geological Survey Professional Paper, 341(A): 111 p.

Goodman, R. E., Bray, J. W. 1976. Toppling of Rock Slopes. Proc. Rock Eng., For Foundations and Slopes, Boulder, p. 201-234.

Gorceix, C.H. 1884. Bacias terciárias de água doce nos arredores de Ouro Preto (Gandarela e Fonseca), Minas Geraes, Brasil: Ouro Preto, Escola de Minas, Annaes, nº 3, p. 95-114;

Guidicini, G., Nieble, C. M., Cornides, A. T. 1972. Análise do método de compressão puntiforme em fragmentos irregulares, na caracterização geotécnica preliminar de rochas. Semana Paulista de Geologia Aplicada, 4. Anais. São Paulo. p. 237-264

Guild, P. W. 1957. Geology and mineral resources of the Congonhas District, Minas Gerais, Brazil.

U. S. Geological Survey, Professional Paper. 290, 90 p.

Hasui, Y., Facincani, E. M., Santos, M., Jiménes-Rueda J. R. 1995. Aspectos estruturais e neotectônicos na formação de boçorocas na região de São Pedro, SP. Geociências, 14(2): 59-76.

Herz, N. 1978. Metamorphic rocks of the Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais, Brazil. Geological Survey Professional Paper 641-C, p. 1-81.

Hoek, E., Bray, J. W.1981. Rock Slope engineering. 3. Ed. Rev. London: Institute of Mining and Mettalurgy. 358 p.

Hudson, J. A., Harrison, J. P. 1997. Engineering rock Mechanics: An introduction to the principles.

Published by Elsevier Science Ltd. 444 p.

Ireland, H. A., Sharpe, C. F. S., Ergle, D. H. 1939. Principles of gully erosion in the Piedmont of South Carolina, US. Department of Agriculture Technical Bulletin, n. 633, 142 p.

ISRM, 1978. Suggested methods for the quantitative descripition of discontinuities in rock mechanics.

Internacional Journal of Rock Mechanics Science and Geomechanics . Abstract. 15:319-368.

Jacobi, C. M. 2008. Afloramentos ferruginosos: Um ecossistema diverso e ameaçado. I Simpósio afloramentos ferruginosos no quadrilátero ferrífero: Biodiversidade, conservação e perspectivas de sustentabilidade. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Trabalho completo.

Jaques, D. S. 2014. Caracterização e classificação de maciços rochosos da mina de Volta Grande, Nazareno, Minas Gerais. Tese de mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 202 p.

Johnson, R. F. 1962. Geology and ore deposity of the Cachoeira do Campo, Dom Bosco and Ouro Preto quadrangles, Minas Gerais, Brasil. U.S. Geological Survey, Professional Paper 341-B, 39 p.

Honorato, J. P. 2021, Avaliação dos condicionantes geomecânicos-estruturais e geomorfológicos...

66

Ladeira, E. A. 1980. Metallogenesis of gold at the Morro Velho mine and in the Nova Lima district, Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. PhD Thesis, University of Western Ontario, Canadá, Ontario, 272 p.

Lagoeiro, L. E., Barbosa, P. F., Fueten, F. 2011. Complex fringes around magnetite porphyroclasts:

Growth and deformation history. Tectonophysics, 510: 186-194.

Lal, R. 1994. Soil erosion research methods. 2 ed., 352 p.

Lepsch, I. F. 2002. Formação e conservação do solo. São Paulo: Oficina de textos, 178 p.

Lipski, L. 2002. Tectonismo Cenozoico no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto. 171 p.

Lipski, M., Endo I., Castro, P.T.A, Trzaskos-Lipski, B., 2001. Estudo do Campo de tensões Cenozoico no Quadrilátero Ferrífero. Anais VII Simpósio Nacional de Estudos Tectônicos, p. 331-333.

Lobato, L. M., Baltazar, O. F., Reis, L. B., Achtschin, A. B., Baars, F. J., Timbó, M. A., Berni, G. V., Mendonça, B. R. V., Ferreira, D. V. 2005. Projeto Geologia do Quadrilátero Ferrífero - Integração e Correção Cartográfica em SIG com Nota Explicativa. Belo Horizonte: CODEMIG, 268 p.

Magalhães, F. S., Cella, P. R. C. 1998. Estruturas dos maciços rochosos. In Oliveira, A. M S., Brito, S.

N. A. Geologia de Engenharia. São Paulo. ABGE. Oficina de textos, p. 39-55

Magalhaes Junior, A. P., Cherem, L. F., Barros, L. F. P., Snatos, G. B. 2011. OSL Dating of sediments from a mountainous river in southeaster Brazil: late Cenozoic tectonic and climatic implications.

Geomorphology, Amsterdam, 131:132-155

Magalhaes Junior, A. P., Saadi, A. 1994. Ritmos da dinâmica fluvial neo cenozoica controlados por soerguimentos regionais e falhamentos: o vale do rio das Velhas na região de Belo Horizonte.

Geonomos. 2:42-54.

Maizatto J. R.. 1993. Estratigrafia e tectônica das rochas cenozóicas da bacia do Gandarela e da região do Gongo Soco, sinclinal do Gandarela, Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Trabalho Final de Graduação, Departamento de Geologia da Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 110 p.

Maizatto J.R., 2001. Análise bioestratigráfica, paleoecológica e sedimentológica das bacias terciárias do Gandarela e Fonseca – Quadrilátero Ferrífero – Minas Gerais, com base nos aspectos palinológicos e sedimentares. Tese de Doutorado, Departamento de Geologia, Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 249 p.

Marshak, S., Alkmim, F. F. 1989. Proterozoic contraction/extension tectonics of the southern São Francisco region, Minas Gerais, Brazil. Tectonics, 8(3): 555-571

Maxwell C. H.. 1972. Geology and ore deposits of the Alegria District, Minas Gerais, Brazil. USGS Prof. Paper, 341-J, 72 p.

Meis, M. R. M. 1977. As unidades morfoestratigráficas quaternárias no médio vale do Rio Doce. Na.

Acad. Bras. Ciências, v. 49, p. 443-459

Melo, M. C. 2004. Processos físicos e alterações geomorfológicas recentes na sub-bacia do córrego Saboeiro município de Itabirito – MG. Dissertação de Mestrado, Departamento de Geologia, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 140 p.

Mescherikov, Y. A. 1968. Neotectonics: In Fairbridge, R. W. (Ed), Encyclopedia of geomorphology.

New York: Reinhold, p. 768-773.

Morais F., Bacellar L.A.P., Sobreira F.G. 2004. Análise da Erodibilidade de Saprolitos de Gnaisse.

Revista Brasileira de Ciência do Solo, 28:1055-1062.

Trabalho de Conclusão de Curso, n. 408, 68 p. 2021.

67

Moreira, V. R. M. 1992. Fatores condicionantes das voçorocas na bacia do rio Santo Antônio, Bacia do Rio Grande, MG. Tese de mestrado, IG/UFMG, Belo Horizonte, 109 p.

Noce, C. M. 1995. Geocronologia dos eventos magmáticos, sedimentares e metamórficos na região do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Tese de Doutoramento, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, USP, 128 p.

Oliveira, A. M. M., Pinto, S. A. F., Lombardi Neto, F. 2007. Caracterização de indicadores da erosão do solo em bacias hidrográficas com o suporte de geotecnologias e modelo predictivo. Estudos Geográficos, Rio Claro, v. 5, p. 63-86.

Oliveira, A. M. S. 1994. Depósitos tecnogênicos e assoreamento de reservatórios. Exemplo do reservatório de Capivara, rio Paranapanema, SP/PR. Tese de doutorado, Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 211 p.

Oliveira, A. M. S., Brito, S. N. A. 1998. Geologia de engenharia. São Paulo : ABGE, p. 211-226.

Parizzi, M. G., Sobreira, F. G., Galvão, T. C. de B., Aranha, P. R. A., Elmiro, M. A. T., & Beirigo, E.

A. 2011. Processos de movimentos de massa em Belo Horizonte, MG. Revista Geográfias, 07(1): 58–

87.

Parzanese, G. A. C. 1991. Gênese e desenvolvimento das voçorocas em solos originados de rochas granitóides da região de Cachoeira do Campo, Minas Gerais. Tese de mestrado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 117 p.

Pereira, L. C. 2012. Análise tensão-deformação e por equilíbrio limite do mecanismo de tombamento de blocos. Dissertação de Mestrado, NUGEO, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 198 p.

Piteau, D. R., D. C. Martin. 1982. Mechanics of Rock slope failure. In proc. 3rd International Conference on stabalility in surface mining, New York Society of mining Engineers, p. 113- 169.

Piassa, L. 2018. A Falha do Engenho revisitada: sul do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Tese de mestrado, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto. 154 p.

Pichler, E. 1953. Boçorocas, Revista Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, 1:9-16.

Ramalho-Filho, A., Beek, K. J. 1995. Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras. 3.ed., Rio de Janeiro: EMBRAPA-CNPS, 65 p.

Rego, J. J. V. 1987. Erosão superficial em taludes de corte em solo residual de gnaisse. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 125 p.

Saadi, A., Sgarbi G. N. C., Rosière, C. A.. 1992. A bacia do Gongo Soco, nova bacia terciária no Quadrilátero Ferrífero: Controle cárstico e/ou tectônico. In: SBG/Núcleo São Paulo, Congresso Brasileiro de Geologia, v. 37, p. 600-601;

Sant’anna L.G.1994. Mineralogia das argilas e evolução geológica da Bacia de Fonseca, Minas Gerais. Dissertação de mestrado, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 151 p.

Santos, C. A., Sobreira, F. G., Neto, A. L. C. 2002. Comportamento hidrológico superficial e erodibilidade dos solos da região de Santo Antônio do Leite, Distrito de Ouro Preto – MG, REM Revista da Escola de Minas, 55(4): 285-290.

Schorscher, H. D. 1976. Polimetamorfismo do Pré-Cambriano na região de Itabira, Minas Gerais. Em:

SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, Ouro Preto, v. 5, p. 194-195.

Schorscher, H. D. 1978. Komatiítos na estrutura greenstone belt, Série Rio das Velhas, Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais, Brasil. Em: 30º Congresso Brasileiro de Geologia, Recife, p. 292-293.

São Paulo, 1990. Secretaria de Energia e Saneamento de. Controle de Erosão. 21 ed. São Paulo:

DAEE 1 IPT, 92 p.

Honorato, J. P. 2021, Avaliação dos condicionantes geomecânicos-estruturais e geomorfológicos...

68

Serra, E. J., Ojima, L. M. 1998. Caracterização e classificação de maciços rochosos. In: Oliveira, A.

M. S., Brito, S. N. A. Geologia de Engenharia. São Paulo: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE), p. 211-226.

Silva, F. R. 2007. A paisagem do Quadrilátero Ferrífero, MG: potencial para o uso turístico da sua geologia e geomorfologia. Tese de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

144 p.

Silva, M. L. N., Freitas, D. A. F., Cândido, B. M., Oliveira, A. H. 2015. Manejo e conservação do solo e da água: guia de estudos. Guia de estudos, Universidade Federal de Lavras, Lavras. 74 p.

Silva, T. P., Salgado, C. M., Gontijo, A. H. F., Moura, J. R. S. 2003. A influência de aspectos geológicos na erosão linear-médio baixo vale do Ribeirão, Paty do alferes (RJ). Geosul, Florianópolis, 18(36): 131-150.

Soares, P. C., Fiori, A. P., 1976. Lógica e sistemática na análise e interpretação de fotografias aéreas em geologia. Notícia Geomorfológica, Campinas, v.16, n.32, p.71-104.

Sobreira, F. G. 1998 Estudo das erosões do distrito de Cachoeira do Campo, Ouro Preto. Relatório final de projeto, FAPEMIG, 120 p.

Sobreira, F. G. & Bacellar, L. A. P. 1999. Caracterization of erosion processes at Cachoeira do Campo, Ouro Preto, Brazil. In: Regional Conference on Geomorphology, Rio de Janeiro, Boletim de resumos, p 101.

Stewart, I. S., Hancock, P. L. 1994. Neotectonics. In: Hancock, P. L. Continental Deformation, Pergamon Press, p. 370-409;

Sykes, L. R. 1978. Intraplate seismicity, reactivation of preexisting zones of weakness, alcaline magmatism and other tectonism posdating continental fragmentation. Review of Geophysics and Space Physics, 6: 621-688;

Teixeira, W., Figueiredo, M. C. H. 1991. An outline of Early Proterozoic crustal evolution in the São Francisco region, Brazil: a review. Precambrian Research, 53: 1-22.

Timo J. B., Romano A. W., Timo M. B. 2015. Caracterização dos espeleotemas de 2 cavernas em rochas ferríferas na unidade geomorfológica quadrilátero oeste, Congonhas (MG). Espeleotema,. 26 (1): 19-49.

Valadão, R. C. Evolução de longo-termo do relevo do Brasil oriental (desnudação, superfícies de aplainamento e soerguimentos crustais. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 243 p.

Varajão, C. A. C. 1991. A questão da correlação das superfícies de erosão do Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais. Revista Brasileira de Geociências. 21(2):138-145.

Vieira, C. L, Verdum, R., Soares, V. G. 2012. Caracterização de ravinamento no areal em São Francisco de Assis- Sudoeste do Rio Grande do Sul. IX Simpósio Nacional de Geomorfologia. Rio de Janeiro, p. 6.

Vieira, N. M. 1978. Estudo geomorfológico das voçorocas de Franca-SP. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", 226 p.

Wyllie, C. W., Mah, C. W. 2004. Rock Slope Engineering, 4th edition. Taylor & Francis e-Library.

456 p.

No documento TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (páginas 79-88)