MATERIAL E MÉTODOS

No documento Luiz Vinícius Leão Moreira (páginas 33-38)

O projeto intitulado “Inquérito Sorológico de SARS-CoV-2 em pacientes atendidos em um hospital universitário na cidade de São Paulo”, foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de São Paulo de acordo com o parecer: 4.515.759, conforme consta no anexo 2 e 3.

3.2 Tipo de estudo, local e tempo da pesquisa

Este estudo inclui três inquéritos sorológicos realizados durante a pandemia de COVID-19 na cidade de São Paulo em pacientes atendidos no hospital São Paulo, conforme descritos abaixo.

3.2.1 Estudo transversal: Pacientes ambulatoriais

Trata-se de um estudo que contempla um inquerito epidemiologico transversal em amostras de soro armazenadas na soroteca do Laboratório Central, de pacientes ambulatoriais. Foram examinadas 1085 amostras de soro de pacientes de ambos os sexos, cuja idades variaram de 0 a 97 anos, atendidos nos ambulatórios do Hospital São Paulo diagnosticados com alguma comorbidade, de novembro de 2020 a janeiro de 2021.

Figura 6. Fluxograma do grupo de pacientes ambulatoriais e testes realizados

3.2.2 Estudo transversal: Pacientes hospitalizados

Trata-se de um inquérito sorológico em pacientes hospitalizados com ou sem infeccao por SARS-CoV-2 documentada laboratorialmente atendidos durante o período de março de 2021 a maio de 2021. Foram examinadas 1015 amostras de soro de pacientes hospitalizados de ambos os sexos, cuja idades variaram de 0 a 100 anos, com ou sem suspeita clínica cuja amostras de swab foram encaminhadas ao laboratório de virologia clínica para a realização do teste de RT-PCR para SARS-CoV-2.

Figura 7. Fluxograma do grupo de pacientes hospitalizados (estudo transversal) e testes realizados

3.2.3 Estudo prospectivo: Pacientes hospitalizados com COVID-19

Trata-se de uma avaliação prospectiva da dinamica de producao de anticorpos de pacientes hospitalizados com COVID-19. Foram incluídas amostras de soro de 104 pacientes internados no Hospital São Paulo com PCR positivo para SARS-CoV-2, de junho a julho de 2021. As amostras foram coletadas diariamente a partir da detecção positiva no PCR realizado no laboratório de virologia clínica. A partir dos critérios de exclusão estabelecidos para essa análise, restaram 25 pacientes com um total de 625 amostras (figura 6).

Figura 8. Fluxograma do grupo de pacientes hospitalizados com COVID-19 (estudo prospectivo) e testes realizados

3.3 Critérios de inclusão e exclusão

No estudo tranversal de pacientes ambulatoriais foi definido como critério de inclusão pacientes que passaram por consulta em algum ambulatório do HSP que por conveniencia coletaram uma amostra de sangue que vieram a ser estocadas na soroteca do laboratório central após as análises de rotina.

No estudo tranversal de pacientes hospitalizados foi definido como critério de inclusão um teste de RT-PCR para SARS-CoV-2, independente do resultado.

No estudo prospectivo de pacientes hospitalizados foi definido como critério de inclusão um teste positivo de RT-PCR para SARS-CoV-2 para o acompanhamento sorológico. Neste estudo também foi definido como critério de exclusão pacientes que possuíam menos 10 amostras de soro coletadas e que não possuíam informação acerca da vacinação para COVID-19.

Figura 9. Critérios de exclusão do estudo prospectivo.

3.4 Amostras

Foram avaliadas amostras de soro de pacientes atendidos no Hospital São Paulo, durante o período de novembro de 2020 a julho de 2021, provenientes do descarte dos biorrepositórios do setor de bioquímica do Laboratório Central do Hospital São Paulo, da Universidade Federal de São Paulo. As amostras foram transportadas em compartimentos próprios para o transporte de material biológico, devidamente identificado e refrigerado da soroteca do Laboratório Central até o Laboratório de Virologia Clínica, onde foram realizados os ensaios sorológicos. Após a realização dos testes essas amostras foram armazenadas em freezers -80 C° por um período de até 10 anos no Laboratório de Virologia Clínica.

3.5 Levantamento de dados nos prontuários

Dados clínicos dos pacientes como; sexo, idade, desfecho clínico, outras doenças e comorbidades, ambulatório de acompanhamento e informação de vacinação contra COVID-19 foram obtidos através das fichas de prontuário médico

quando disponível. A coleta de sangue de pacientes hospitalizados para o estudo prospectivo eram checadas diariamente no sistema de prontuário online através do código que o paciente recebe ao ser internado no hospital, se a coleta era realizada, a amostra era depositada na soroteca no laboratório central no fim do dia, onde era feita a retirada do material biológico para este estudo.

3.6 Teste de detecção de anticorpos por Quimioluminescência (CLIA) Os testes foram feitos para identificar e quantificar o anticorpo IgG, com os kits ACCESS CoV-2 IgG/IgG para CoV-2 (qualitativo) e ACCESS SARS-CoV-2 IgG 1st IS (quantitativo) (Beckman Coulter®), realizado no aparelho Access 2 (Beckman Coulter®). Trata-se de um imunoensaio quimioluminescente com particulas paramagnéticas capazes de detectar anticorpos da classe IgG contra a porção RBD da proteina S, no qual a produção de luz gerada durante a reação é proporcional a quantidade de anticorpos presentes na amostra. O processamento das amostras e interpretação dos resultados foram feitos de acordo com as instruções dos fabricantes, sendo consideradas amostras reagentes aquelas cujas detecções foram maiores ou iguais a 1.0 S/CO no ensaio qualitativo e 30 UI/ml no ensaio quantitativo (100).

Figura 10. Etapas do teste quimioluminescente.

3.7 Análise estatística

A análise estatística foi realizada feita através de softwares específicos, com a realização do testeexato de Fisher para variáveis categóricas, Anova, Kruskal-Wallis e Mann-Whitney para comparação dos valores de variáveis numéricas, com nível de significância de p<0,05, com intervalo de confiança (IC) de 95% para os parâmetros preditivos de sensibilidade e especificidade.

No documento Luiz Vinícius Leão Moreira (páginas 33-38)