2.2 ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO

2.2.4 Resumos

2.2.4.1 Metodologia de Elaboração de Resumos

Uma vez que se deseja utilizar a metodologia de Elaboração de Resumos de Kobashi (1994), faz-se necessário apresentar: a) contexto de desenvolvimento, b) objetivos, c) superestrutura, d) descrição, e) aplicação.

a) Contexto do desenvolvimento

A elaboração da metodologia foi objeto de estudo da tese de Kobashi (1994) e foi fundamentada nos seguintes itens:

caracterização da função da análise documentária no interior da documentação;

análise do estado da arte das pesquisas em análise documentária;

identificação de referentes teóricos e metodológicos que permitissem compreender os processos de análise e representação documentárias;

crítica das regras de indexação e de elaboração de resumos tradicionalmente propostas para a área.

O contexto de desenvolvimento da metodologia mostra que a mesma foi projetada a partir de aspectos da estrutura textual. A justificativa para isso é que as normas de elaboração de resumos nacionais e internacionais, como a ISO 214 e a NBR 6028, não contemplam a noção de estrutura textual de forma suficiente, considerando que a elaboração de resumos se modifica conforme o tipo de texto. Além disso, a elaboração tende a se basear em conhecimentos intuitivos, na experiência ou no hábito (KOBASHI, 1994, 1997). É enfatizado que “a característica mais marcante das referidas regras é o fato de abordarem os mecanismos de combinação de informações: tamanho do resumo, número de palavras, estilo da redação, tipos de resumo (indicativo, informativo), sem, no entanto, explicitar mecanismos de seleção de dados” (KOBASHI, 1997).

A seleção é um dos principais processos na elaboração de informações condensadas.

Kobashi (1997) afirma que “seu fundamento repousa na distinção entre informação essencial e informação acessória do texto de partida. Não se trata, portanto, de excluir mecanicamente certas partes do texto, mantendo outras” (KOBASHI, 1997, p. 201). Neste sentido, conforme destaca a autora, a confecção de resumos compreende muito mais do que unir informações mecanicamente criando um novo texto.

Além da crítica às normas, Kobashi (1994) citou outros fatores, dentre os quais ressaltam-se dois. O primeiro refere-se ao fato de os sistemas de recuperação da informação não extinguirem os resumos e a elaboração de informações documentárias. Pelo contrário,

eles continuam sendo elaborados por seres humanos e utilizados nos SRI. O segundo se baseia na afirmação de que quando não existe nenhum esquema ou diretriz para elaboração de resumos ele dificilmente cumprirá seu papel na recuperação da informação. Sendo assim, para a confecção de um resumo é preciso que haja critérios bem definidos.

b) Objetivos

Quanto aos objetivos, Kobashi (1994, p. 103) destaca que “a metodologia aqui proposta pretende ser uma ferramenta de trabalho apta a garantir a produção de Informações Documentárias (IDs) [...], por contemplar, simultaneamente, a coleta de dados textuais, sua organização e sua combinação através de procedimentos objetivos e sistemáticos”.

Além disso, Kobashi (1997) acrescenta que se pretende contribuir para a melhor compreensão e operacionalização dos processos relacionados à condensação de informações textuais. Baseada em aspectos conceituais, a proposta metodológica da autora contempla a análise de textos, a coleta de dados, sua organização e sua combinação.

c) Superestrutura

Na metodologia, a autora propõe a compreensão de texto e a seleção de informações com base na hierarquização. A superestrutura é um elemento fundamental para a compreensão dos textos por dois motivos, segundo Djik e Kintsch (1983 apud KOBASHI, 1997): tem caráter convencional, sendo conhecido e reconhecido por uma comunidade linguística; e configura-se como um esquema abstrato que estabelece a ordem global de um texto sendo composto por uma série de categorias, cujas possibilidades de combinação se baseiam em regras convencionais.

A proposta de utilização da superestrutura e da estrutura temática nos processos na produção de informações documentárias apóia-se no pressuposto de que o texto não se oferece à compreensão de forma direta e imediata. A estrutura temática facilita a apreensão do objetivo a que se propõe o autor do texto. As superestruturas são úteis para diferenciar informação acessória e essencial do texto (KOBASHI, 1997).

Ao propor a utilização de estruturas textuais como um dos aspectos fundamentais de sua metodologia, Kobashi (1997, p. 202) afirma que “há diversas tentativas de classificar os textos dentro de suas tipologias: pela estrutura interna (descritivo, narrativo, dissertativo) ou pela finalidade a que se propõe (texto técnico, científico, didático, jornalístico, jurídico, político, etc.)”.

Sendo assim, a autora se baseia em três tipos de textos técnico-científicos, considerados argumentativos (dissertativos). Para Kobashi (1994, p. 114), “o texto técnico-científico é um objeto complexo, normalmente de natureza argumentativa, elaborado com o intuito de expor metodicamente os resultados da observação de um fenômeno”. Para cada tipo é apresentado um esquema com os critérios considerados. A caracterização se dá em tabelas em que a primeira coluna define as categorias presentes e a segunda determina a natureza da categoria.

O texto argumentativo do tipo 1 é o científico, composto de: tema/problema, hipótese, metodologia, resultado e conclusão. Cada etapa é descrita a seguir:

tema/problema: o tema é o assunto que se deseja desenvolver, enquanto o problema diz respeito à dificuldade que se pretende resolver ou a indagação à qual se pretende oferecer alguma resposta;

hipótese: enunciado geral de relações entre fatos, formulado como solução provisória para um determinado problema;

metodologia: compreende dois aspectos indissociáveis - um de natureza lógica e outro de natureza técnica. O primeiro diz respeito aos procedimentos e operações que possibilitam a observação racional e controlada dos fatos, de modo a permitir a interpretação e a explicação adequada dos fenômenos observados. O segundo diz respeito ao instrumental metodológico e ao arsenal técnico que indica a melhor

conclusão: é um comentário final, que discute as possibilidades de aplicação e de utilização dos resultados, isto é, a incorporação ou não destes últimos a um sistema teórico.

O quadro 6, a seguir, mostra as características do texto tipo 1.

Problema Indagação

O texto argumentativo do tipo 2 é o argumentativo, também denominado dissertativo. Esse tipo é também uma forma recorrente utilizada no âmbito da atividade técnico-científica. Apresenta os seguintes constituintes básicos: teses, argumentos e conclusão. Cada etapa é descrita a seguir. Os competentes estão representados no quadro 7.

a tese caracteriza-se como a apresentação de um ponto de vista;

os argumentos são as provas apresentadas para qualificar o ponto de vista do autor e, simultaneamente, desqualificar o ponto de vista contrário;

a conclusão confirma o ponto de vista inicialmente apresentado.

Tese Ponto de vista problema-solução como seus constituintes básicos. Amplamente utilizado na comunicação do conhecimento técnico-científico, pode ser visto com a estrutura constituída de três categorias:

apresentação do problema;

causas e consequências do problema;

solução do problema.

Os componentes do texto 3 são apresentados no quadro 8.

Problemas Questões

d) Descrição

Kobashi (1994) mostra os princípios e as operações consideradas na construção da proposta metodológica, descritos a seguir.

I) princípio: produção de representações condensadas de um texto.

II) operações:

1. Identificação do tema

Operação: leitura para identificação do objetivo do texto

Parâmetro: categorias de estrutura temática (categoria Essencial: o quê; categorias Acessórias:

quando, onde, como).

2. Identificação das informações no texto

Operação: leitura do texto para identificar e hierarquizar informação.

Parâmetro de leitura: superestrutura textuais.

3. Seleção das informações mais importantes

Operação: determinação das informações textuais pertinentes.

Parâmetro: tipo de resumo e categorias textuais pertinentes.

4. Representação da informação Operação: redação do resumo.

Parâmetro: regras formais de elaboração de resumos.

Os princípios acima descritos estão ilustrados na figura 3.

Figura 3: Operações para elaboração de resumos

Fonte: Kobashi (1994)

A metodologia é fundamentada em três operações (KOBASHI, 1997):

Primeira operação: ler o texto para identificar seu tema (categoria responsável pela condensação semântica do texto ao seu nível hierárquico mais geral);

Segunda operação: a identificação da informação deverá ser realizada a partir do reconhecimento da superestrutura textual. As categorias da superestrutura permitem discriminar as informações segundo a sua função no texto, que podem ser, desse modo, hierarquizadas;

Terceira operação: selecionar as informações consideradas pertinentes para o tipo de produto que se quer elaborar.

A autora ressalta que no caso do resumo informativo, a leitura procurará contemplar todas as categorias da superestrutura e condensá-las. No caso do resumo indicativo, o analista deverá deter-se de modo específico nos segmentos textuais pertinentes a esse tipo de

Texto Tipo 1 Resumo informativo Resumo indicativo

Tema X X

Quadro 10: Metodologia de resumos: texto tipo 1

Fonte: Kobashi (1997)

Texto Tipo 2 Resumo informativo Resumo indicativo

Tema X X

Tese X

Argumentos X

Conclusão X X

Quadro 11: Metodologia de resumos: texto tipo 2

Fonte: Kobashi (1997)

Texto Tipo 3 Resumo informativo Resumo indicativo

Tema X X

Problema X

Causas X

Solução X X

Quadro 12: Metodologia de resumos: texto tipo 3

Fonte: Kobashi (1997)

Salienta-se que a metodologia parte da hipótese de que o texto, por ser uma unidade de sentido logicamente estruturada e com redundância informacional, pode ser condensado sem que se descaracterize sua informação central. No entanto, a condensação pertinente requer procedimentos de coleta de dados subsidiados por mecanismos de identificação da informação e sua integração em blocos, categorizáveis segundo suas funções no texto (KOBASHI, 1997).

e) Aplicação

Durante o desenvolvimento da tese, a metodologia foi aplicada em textos científicos, dissertativos e argumentativos. A proposta dessa metodologia pode ser aplicada tanto na elaboração quanto na avaliação de resumos. Além disso, pode trazer benefícios para as seguintes partes, conforme Kobashi (1994, 1997):

aos sistemas documentários, bases de dados ou sistemas de informação: controlar e avaliar os processos de fabricação de informações documentárias, o que confere maior consistência aos seus produtos;

aos profissionais da informação (que lidam com a organização e representação da informação): possibilidade de explorar o texto de forma metódica, concentrando-se nos segmentos que possam de fato conter as informações centrais a serem retidas nos resumos;

ao usuário: este poderá ter acesso a informações com maior grau de confiabilidade, dada a pertinência das representações documentárias obtidas;

ao sistema de ensino: por possibilitar o aprimoramento das estratégias de ensino de Análise Documentária, já que apresenta os aspectos teóricos e metodológicos das operações de condensação e de representação documentárias.

No documento ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS: IMPLICAÇÕES DO AUTO-ARQUIVAMENTO NA REPRESENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO (páginas 61-68)