O PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL:

No documento PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (páginas 53-59)

2. O PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO CULTURAL DAS FAMÍLIAS

2.1. O PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL:

Neste capítulo apresento as bases para a elaboração do Programa de Preservação do Patrimônio Cultural e sua vinculação com os pressupostos do Inventário Nacional de Referências Culturais. Abordo, ainda, os percalços ocorridos durante a execução do Programa, seus resultados e as dificuldades de adequação da noção de patrimônio, tal como adotada por estes dois trabalhos, na situação específica de reassentamento compulsório.

Tal como salientado na introdução desta dissertação, a necessidade da preservação do patrimônio cultural das comunidades abrangidas pela UHE Irapé deu-se em função de uma demanda da Comissão de Atingidos de Irapé pelo reconhecimento da comunidade de Porto Coris como remanescente de quilombo e da conseqüente necessidade do envolvimento da Fundação Cultural Palmares. A partir desta solicitação, e por demanda da ANEEL, o IPHAN emitiu um parecer no qual constam as diretrizes para elaboração e execução deste Programa. Cabe ressaltar que neste parecer encontram-se as bases daquilo que viria a constituir, posteriormente, o Programa Nacional de Patrimônio Imaterial.

Assim, para a elaboração do Programa de Preservação do Patrimônio Cultural das Comunidades Afetadas Afetadas pela UHE Irapé, utilizou-se como marco teórico os pressupostos do Programa Nacional de Patrimônio Imaterial, de maneira particular no que se refere à valorização dos aspectos ligados às referências culturais de caráter imaterial.

O objetivo geral deste Programa, tal como apresentado no PCA, era a preservação do patrimônio cultural das comunidades abrangidas pela UHE Irapé. Para sua consecução, estabeleceram-se, ainda, os seguintes objetivos específicos:

• identificar os bens e manifestações culturais, assim como os aspectos constitutivos da memória das comunidades das áreas a serem afetadas pelo reservatório;

• documentar e inventariar, sistematicamente, os bens, manifestações culturais e registros da memória, utilizando-se de diversos recursos de comunicação;

• promover a restauração e a guarda de alguns destes bens culturais;

• promover a valorização do patrimônio cultural e o estímulo a novas produções através da implantação de dois Centros de Referência e Memória na região.

Para cumprir tais objetivos, foi elaborado um grande programa que contava com a participação de uma série de profissionais de diferentes áreas; previa diferenciadas formas de documentação das manifestações cotidianas das comunidades afetadas; realização de obras de engenharia; ações de restauração de bens móveis, com um volume total de recursos alocados da ordem de R$ 1.600.000,00 (um milhão e seiscentos mil Reais). Estes dados iniciais já demonstram a complexidade do trabalho desenvolvido, aos quais somaram fatores, como: 1) o fato de que se encontrava em andamento o processo de instalação da usina e de negociação com os atingidos, no que diz respeito às novas terras e às indenizações; 2) a situação de incerteza das famílias em relação ao seu futuro; 3) as grandes distâncias entre as várias comunidades e municípios afetados e a precariedade dos acessos existentes, dentre outros.

Apresento a seguir estas (e outras) dificuldades encontradas durante a implantação do Programa e discutidas as orientações dadas para sua superação, como forma de pensar a adequação da utilização do INRC no contexto de remanejamento compulsório e da própria noção de patrimônio neste processo.

Para a elaboração do Programa de Preservação do Patrimônio Cultural, o material disponível para a equipe contratada pela CEMIG consistia inicialmente no Estudo de Impacto Ambiental (ENERCONSULT ENGENHARIA LTDA, 1993). Além desse material, foram analisadas as recomendações do IPHAN e da FCP constantes no parecer que foi incorporado ao Edital de Licitação nº 05/98, da ANEEl, que tratava do leilão público de concessão para a UHE Irapé.

Durante a elaboração do PCA, foi feita uma atualização do levantamento socioeconômico da população das Áreas Diretamente Afetada e de Entorno, durante o período de março e abril de 2001. Neste levantamento, decidiu-se pela incorporação, no questionário, de itens que revelassem a incidência e a localização de alguns aspectos ligados ao patrimônio cultural e passíveis de serem documentados. As questões pesquisadas incluíram, então, aspectos relativos à existência e localização das festividades, patrimônio edificado, documentação e personagens que pudessem oferecer testemunhos relativos à ocupação da região, aos ritos sociais e aos métodos “do fazer” tradicional ou em extinção.

De posse dos resultados obtidos por meio da pesquisa em questão, partiu-se para o trabalho em campo, com a participação da equipe responsável pela elaboração do Programa (uma historiadora, um arquiteto e um economista), quando foi realizado o reconhecimento dos

povoados e comunidades rurais, a saber: Posses, Acauã, Leme do Prado, Peixe Cru, Córrego do Engenho, Mandassaia, Bocaina, Jacuba, Carqueja, Cotovelo, Boa Sorte, Santa Cruz, Santa Maria, Cabra, Malhada, Mandacaru, Córrego dos Gomes, Lelivéldia, Berilo e a região do eixo da barragem, próxima ao encontro dos rios Itacambiruçu e Jequitinhonha.

Os procedimentos adotados visaram, entre outros, o contato com lideranças locais já identificadas, que pudessem auxiliar na interpretação dos dados recolhidos, a avaliação in situ de edificações apontadas como sendo de significado regional e, sobretudo, a verificação da pertinência dos projetos preestabelecidos. Às observações obtidas em campo somaram-se as informações colhidas dos documentos anteriormente mencionados e da bibliografia referente aos temas, que levaram à definição dos projetos a serem implementados e seus objetivos.

Nota-se, entretanto, que em seu conjunto o Programa previa a realização de levantamentos amplos, abrangendo elementos materiais e imateriais daquelas comunidades. Esses levantamentos eram detalhados no corpo do Programa, dividido em 15 projetos e subprojetos. Para cada um dos projetos e subprojetos executados foram identificados os diversos objetivos específicos, definidas as metodologias e previstos os resultados, conforme constam no resumo do Programa apresentado no Quadro I.

PROJETO/SUBPROJETO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS

1) Projeto de registro do patrimônio cultural

• Subprojeto levantamento físico do patrimônio edificado.

Cadastramento de edificações de maior relevância na ADA da UHE Irapé.

Confecção de 5 maquetes de edificações representativas do modo de vida e de técnicas construtivas tradicionais.

Elaboração de memorial em planta e descritivo, apresentando os materiais construtivos distinguíveis.

Realização de registro fotográfico. Construção das maquetes.

60 dossiês com levantamentos cadastrais digitalizados das edificações selecionadas;

2 volumes com os resultados do inventário dos bens edificados. Foram confeccionadas 5 maquetes.

• Subprojeto Inventário de Festividades e Música

Produção de dossiês apresentando as características das festividades e celebrações da ADA;

Realização de inventário de tocadores e cantadores existentes na ADA

Realização de registro fotográfico e em áudio e vídeo das músicas, festas e celebrações da região.

Coleta, em áudio e vídeo, de depoimentos espontâneos.

Gravação de depoimentos espontâneos;

Elaboração de dossiês sobre as festas;

Registro em áudio de 250 músicas, sacras e profanas.

Documentário de 17 minutos.

• Subprojeto Inventário de Saberes e Fazeres

Produção de dossiês dos diferentes saberes e fazeres tradicionais das populações da ADA.

Realização de entrevistas com detentores dos saberes tradicionais para obter as descrições dos processos; Realização de registro fotográfico e em áudio e vídeo dessas pessoas e processos.

Documentário 30 minutos. Realização de 80 entrevistas com artesãos, contadores de histórias, rezadeiras e outros detentores do saber local;

3 volumes com a transcrição das entrevistas realizadas.

• Subprojeto Inventário de Bens Móveis

Execução de inventário dos artefatos característicos da região de forma a constituir registro documental que permita a realização de futuras pesquisas e projetos relacionados à permanência das técnicas utilizadas.

Avaliação e indicação dos bens materiais passíveis de recolhimento para o Centro de Referência e Memória da UHE Irapé.

Realização de registro fotográfico. Elaboração de dossiês, a partir do preenchimento de fichas-padrão para a realização deste tipo de inventário (tal como utilizado pelo IPHAN e IEPHA).

250 dossiês dos bens móveis encontrados nas fazendas pesquisadas;

Relatório de indicação dos bens móveis passíveis de recolhimento nos Centros de Referência e Memória;

2 volumes com os resultados do inventário de bens móveis.

5

PROJETO/SUBPROJETO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS

• Subprojeto Invetário das Fontes Orais

Realização de entrevistas gravadas, previamente estruturadas, para registro de histórias de vida e de outras temáticas sobre a história, a memória e as práticas culturais das comunidades. Gravação de depoimentos espontâneos durante os trabalhos de campo de forma a registrar informações orais de interesse para a história e a memória das comunidades.

Realização de entrevistas (de forma não estruturada). Transcrição das entrevistas e depoimentos.

Produção de cópias de cada documento (em suporte magnético e textual).

Foram consideradas, como produto, as 80 entrevistas realizadas para o levantamento dos Saberes e Fazeres e os depoimentos espontâneos feitos para o inventário de festividades e música.

• Subprojeto Mapa Cultural da Região Afetada

Elaboração de um mapa cultural da ADA para registro em base cartográfica dos traços culturais e da memória da paisagem.

Realização de inventários sobre os bens e manifestações culturais da região.

Localização em mapa dessas manifestações.

Tratamento artístico a essas informações.

Dois mapas culturais: um de Saberes e Fazeres; e o outro de Celebrações, Formas de Expressão e Bens Edificados.

2) Projeto de Educação Patrimonial

Realização de oficinas sobre o patrimônio cultural, a história e a memória da região com os professores do ensino de 1º e 2º graus dos municípios da área atingida.

Realização de uma oficina sobre a técnica construtiva da Capela do Senhor Bom Jesus, na localidade de Peixe Cru.

Produção de material didático e instrumental para trabalho de educação patrimonial.

Planejamento e execução das oficinas de educação patrimonial.

Cinco oficinas de educação patrimonial. Uma para os municípios da margem esquerda, uma para os municípios da margem direita, uma para a comunidade de Porto Coris e uma para a comunidade de Peixe Cru. Uma última foi realizada na margem direita e abrangeu os sete municípios afetados. Foram realizadas exposições ambientais itinerantes (em todos os municípios afetados), algumas delas tiveram como tema o patrimônio.

Foi criado um banco de dados e elaboradas cartilhas

5

PROJETO/SUBPROJETO OBJETIVO METODOLOGIA RESULTADOS 3) Projeto de Registro de

Reassentamento

Registro do processo do reassentamento e adaptação das famílias, através de filmagens e gravações de entrevistas. Produção de documentário em linguagem para divulgação e utilização didática dos registros.

Realização de registro fotográfico e em áudio e vídeo do processo de reassentamento das famílias afetadas. Edição do material gravado.

Documentário de 15 minutos sobre o processo de reassentamento das famílias.

4) Projetos de Fotos de Família Repasse, a cada grupo familiar a ser realocado, três fotografias, enfocando tema à sua escolha.

Visita a cada uma das famílias para realização das fotos.

Entrega das fotos, juntamente com cartão da CEMIG e porta-retrato, para cada família.

Fotos de 554 famílias afetadas, num total de 1662 fotos. Estas fotos foram entregues aos chefes de família como forma de registro de seus familiares em seus locais de origem.

5) Projeto de Criação dos Centros de Referência

Montagem de dois Centros de Referência e Memória devidamente aparelhados para tornarem-se espaços destinados ao desenvolvimento de atividades de preservação do patrimônio cultural e educação ambiental.

Elaboração dos projetos arquitetônicos. Coleta de registros culturais e documentais relativos à memória, história e cultura das comunidades atingidas.

Foram implantados dois Centros de Referência e Memória um na comunidade remanescente de quilombos de Porto Coris e um no eixo da barragem.

6) Projeto de Reconstrução da Capela de Peixe Cru

Reconstrução com reutilização parcial dos elementos construtivos da Capela do Senhor Bom Jesus no local de realocação das famílias que habitam o povoado de Peixe Cru.

A restauração do crucifixo com policromia aplicada, único elemento artístico identificado.

Estudo e elaboração de projeto de reconstrução da capela. Realização de um relatório fotográfico de registro das etapas de desmonte e reconstrução da capela e da restauração do crucifixo.

Foi reconstruída a Igreja e restaurado seu crucifixo

Quadro I: Programa de Preservação do Patrimônio Cultural, UHE Irapé

Fonte: Sistematização do próprio autor

5

2.2. O Programa de Preservação do Patrimônio Cultural e Inventário Nacional de

No documento PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (páginas 53-59)