Perfil Profissional

No documento PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO. História EaD. Segunda Licenciatura (páginas 35-42)

1 CONCEPÇÃO DO CURSO 1.1 Contexto Educacional

1.4 Perfil Profissional

A definição do perfil do egresso constitui condição fundamental e primeira para a elaboração dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação, a qual encontra-se ancorada na proposta educativa da Universidade, fundamentada pela compreensão de que a educação é processo contínuo que acompanha a pessoa no transcorrer de sua existência. Ao desenvolver a proposta educativa e considerando as dimensões indispensáveis ao desenvolvimento pleno do ser humano, a Universidade estabeleceu um referencial que permite orientar o perfil de egresso pretendido e desejado.

Na concepção dos cursos de graduação, aliam-se o perfil almejado a todos os egressos da Universidade La Salle ao perfil desejado aos egressos dos cursos que integram a área de Educação e Cultura às especificidades do perfil a ser desenvolvido pelos egressos do curso de História. Dessa forma, articulam-se o desenvolvimento e a formação de valores e atitudes esperadas de todo o egresso de um curso superior.

1.4.1 Perfil Profissional do Egresso da Universidade La Salle

O perfil do egresso pretendido parte da concepção do educando como o centro do processo educativo. Por trás dessa concepção há três agentes especiais: o sujeito, o próprio educando, a presença do educador e o papel da Universidade no processo.

A partir das interpretações dos escritos de João Batista de La Salle, a educação centrada na pessoa, está presente de forma clara na necessidade de conhecer o educando e oferecer a ele atenção diferenciada e mesmo individualizada. Conhecer o educando pressupõe um educador preparado para identificar e aceitar suas necessidades, respeitá-lo na sua individualidade e nos seus relacionamentos com os demais, um educador com domínio do conhecimento e de práticas pedagógicas adequadas a cada perfil de estudante.

À Universidade cabe acolher e promover sua inclusão, identificar e aceitar suas peculiaridades, incentivar a criatividade, sensibilizar para o percurso num itinerário acadêmico produtivo, oferecer condições de infraestrutura e acessibilidade, estimular atitudes de engajamento na realidade social, de colaboração e liderança, bem como desenvolver competências para o fazer, o estabelecer correlações e o resolver problemas, com habilidades de comunicação, com postura ética e espírito empreendedor.

A concepção do educando como o centro do processo educativo se constitui na base para o entendimento do perfil do egresso pretendido pela Universidade, especialmente ao expressar o entendimento de que o educando lassalista, no seu desenvolvimento pessoal, é sujeito da própria aprendizagem e responsável por ela, sendo protagonista no processo de apropriação, construção e reconstrução do conhecimento.

Quando fala em perfil do egresso como propósito educativo, a Universidade o compreende como uma resposta de processo, que evolui a partir de avaliações sucessivas e com o apoio de indicadores que demonstram o grau de evolução atingido pelos estudantes em relação às competências que devem ser compreendidas como resultados do processo.

Além desse aspecto, o itinerário progressivo trilhado pelo educando implica contato com diferentes contextos e desafios, envolvendo a perspectiva humanista, as habilidades interpessoais e a dimensão técnico-científica.

A perspectiva humanista considera os valores e princípios que fundamentam a vida da pessoa, a partir de referenciais cristãs-lassalistas, com destaque na ética, na moral, na alteridade, na compaixão, na solidariedade, no respeito, na caridade e na empatia. As habilidades interpessoais e intrapessoais incluem aspectos como autonomia, capacidade de adaptação a novas situações, persistência, criatividade, inovação, comunicação, trabalho em equipe, colaboração, espírito empreendedor, liderança. A dimensão técnico-científica relaciona-se a questões inerentes à formação do educando no sentido do conhecimento científico, investigativo, crítico-reflexivo e interdisciplinar.

Desenvolvidas a perspectiva humanista, as habilidades e a dimensão técnico-científica, o egresso lassalista, estimulado que foi, como educando, a ser criativo e empreendedor e a propor solução para os problemas cotidianos, motivado que foi para exercer a cidadania, cumprir deveres e defender direitos, conhecer a realidade internacional e preparado que foi para atuar como profissional em contextos que produzam oportunidades e deem sentido ao seu projeto de vida, será um profissional com capacidade técnica, autonomia intelectual, senso de justiça e humanidade e ampliada visão de mundo.

Considerando o exposto, os egressos da Universidade La Salle encontrarão em seu percurso formativo as condições para desenvolver o seguinte perfil:

● Ético frente à complexidade das relações humanas e das demandas sociais e ambientais.

● Comprometido com a proteção e defesa dos direitos humanos e com o reconhecimento da diversidade social, cultural, religiosa, de gênero e étnico-racial.

● Crítico diante do conhecimento disponível e na produção de novos conhecimentos, com sólida formação geral, pautada no conhecimento científico e tecnológico.

● Inovador e criativo em relação à proposição de soluções para as questões sociais, profissionais e ambientais, amparado em conduta responsável, pessoal e profissional.

● Empreendedor com competência para o exercício da interdisciplinaridade, preparado para atuação em equipes multiprofissionais, resguardando os preceitos da autonomia profissional.

● Comprometido com o aperfeiçoamento e atualização permanentes, ciente de que a formação profissional é um processo contínuo de desenvolvimento de competências.

1.4.2 Perfil Profissional dos Egressos da Área de Educação e Cultura

O perfil requerido para o egresso da área de Educação e Cultura aliado ao perfil do egresso lassalista, apresentado anteriormente, constitui ponto de partida para a construção das propostas pedagógicas dos diferentes cursos que integram a referida área, ao estabelecer atitudes esperadas de todos os seus profissionais.

Espera-se que os egressos da área de Educação e Cultura desenvolvam o perfil profissional que segue apresentado.

● Inovador e criativo na proposição e desenvolvimento de práticas de mediação cultural que integrem ações educativas e expressões artísticas e culturais.

● Mediador de processos de ensino-aprendizagem em ambientes educativos formais e não formais.

● Reflexivo e crítico em suas análises a respeito das relações sociais, repensando suas dinâmicas e movimentos, tendo em vista o bem comum.

● Proativo, engajado e comprometido com a educação e a cultura em todos os níveis e contextos, contribuindo para práticas de paz e não violência em compromisso com os direitos humanos.

● Investigador, crítico e atuante na busca de maneiras inovadoras e empreendedoras de convívio social, tendo como base os princípios lassalistas.

● Articulador de soluções inovadoras no campo da educação e da cultura, respondendo aos desafios que a realidade apresenta.

● Constante em sua formação acadêmica, aprofundando saberes educativos e culturais em uma dinâmica de formação continuada ao engajar-se em pesquisas e produções científicas ao longo de sua carreira.

1.4.3 Perfil Profissional do Egresso do Curso

O egresso do curso de História - Licenciatura, para além dos atributos relacionados no perfil de todos os demais egressos da Universidade La Salle e daqueles comuns aos cursos que integram a área de Educação e Cultura, orienta-se para o exercício do magistério

na Educação Básica, nos níveis Fundamental e Médio, dominando a natureza dos conhecimentos históricos, o conjunto de competências específicas e habilidades no uso de metodologias, técnicas e recursos materiais didáticos para o ensino. O egresso do curso de História - Licenciatura, da Unilasalle possui capacidade para ser criativo, empreendedor, capaz de propor alternativas de enfrentamento às múltiplas expressões e intervenções nas questões sociais, pautado no exercício da cidadania e na defesa intransigente dos direitos humanos. Ao finalizar sua formação, o egresso estará subsidiado com conhecimentos relativos às realidades locais, regionais, nacionais e internacionais e preparado para atuar como profissional: em espaços formais e não formais de educação, na formulação de agendas para políticas públicas, em assessoria política, em consultorias, em organizações não governamentais (ONGs), em instituições que desenvolvam trabalhos de memória e pesquisas historiográficas.

O Licenciado em História, formado pela Universidade La Salle, deverá ser capaz de associar a teoria à práxis, investigando, analisando e avaliando os fenômenos históricos.

Precisa, ainda, ter plenas condições de reconstruir o conhecimento histórico, associá-lo à sua visão de mundo e desta forma, integrar o pensar e o agir coerentemente, em busca de um ideal de cidadania e transformação, tanto do indivíduo quanto da sociedade em que está inserido. Por fim, o Licenciado em História se tornará um profissional com capacidade técnica, autonomia intelectual, senso de justiça e humanidade e visão de mundo, apresentando o seguinte perfil:

● questionador frente à concepção de história reproduzida pelo senso comum;

● crítico e investigativo tanto na construção quanto no exercício da docência dos conhecimentos históricos;

● capaz de estabelecer relações entre as fontes e as diferentes concepções históricas;

● questionador frente ao saber instituído adotando novas teorias que permitam a análise crítica frente a realidade em que está inserido;

● investigador diante de seu campo de atuação;

● reflexivo frente às questões tanto da área específica quanto de áreas afins que permitam relacionar a teoria à práxis;

● responsável, solidário e respeitoso para com o outro;

● pesquisador de alternativas, métodos, técnicas e abordagens do ensino dos fenômenos históricos, na busca de seu aprimoramento profissional e da prática docente;

● conhecedor das principais fontes nacionais e internacionais nas quais pode pesquisar sobre a educação básica, recursos materiais de ensino, dinâmicas pedagógicas, metodologias de ensino, Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), aplicando-as naplicando-as ações pedagógicaplicando-as;

● com visão ampla do processo formativo, dos diferentes ritmos, tempos e espaços, levando em consideração as dimensões psicossociais, histórico-culturais, afetivas, relacionais e interativas que permeiam a ação pedagógica;

● criativo, líder e inovador para possibilitar aos seus educandos as condições para o exercício do pensamento crítico, a resolução de problemas, o trabalho coletivo e interdisciplinar com criatividade, inovação, liderança e autonomia;

● compreensivo diante da complexidade da instituição educativa, bem como no desempenho de sua função de promover a educação para e na cidadania.

1.5 Habilidades

Ao longo do itinerário formativo buscar-se-á desenvolver nos estudantes as habilidades que seguem relacionadas.

● Identificação de alternativas que visem ao aperfeiçoamento cultural, à autonomia intelectual, ao pensamento crítico e à atitude científica.

● Proposição e realização de novos projetos pedagógicos em seu local de trabalho, atendendo às demandas comunitárias emergentes.

● Interação e diálogo com os alunos, na mediação dos conteúdos curriculares proposição de estratégias coletivas para a construção do conhecimento histórico.

● Aplicação de métodos pedagógicos em diferentes níveis de ensino das redes pública e privada, considerando as diferenças no processo de aprendizagem dos estudantes.

● Levantamento, sistematização e análise de conhecimentos sobre a realidade econômica, cultural, política e social brasileira, para a compreensão do contexto e das relações nas quais estão inseridas as práticas educativas.

● Planejamento de situações de aprendizagem significativa para todos os estudantes envolvidos no processo de ensino-aprendizagem, levando em consideração a diversidade dos grupos representados em sala de aula.

● Avaliação de situações didático-pedagógicas que permitam a construção do conhecimento histórico e da aprendizagem dos alunos.

1.6 Competências

As novas relações de tempo e espaço, associadas à inserção do ambiente digital no contexto das instituições de ensino e da sociedade tecnológica, trouxeram para a Universidade os desafios de rever as práticas pedagógicas tradicionais e a estrutura curricular dos cursos para desenvolver competências que possibilitem ao egresso se adequar às mudanças e se antecipar ao futuro em transformação acelerada.

Parte-se da compreensão de que competência é a “[...] capacidade pessoal de mobilizar, articular e colocar em ação conhecimentos, habilidades, atitudes e valores necessários para o desempenho eficiente e eficaz de atividades requeridas pela natureza do trabalho [...]” (Resolução CNE nº 3/2002).

Considerando o exposto, apresentam-se a seguir as competências a serem desenvolvidas ao longo do itinerário formativo, estando organizadas em competências gerais, esperadas de todos os egressos da Universidade La Salle, competências comuns aos egressos dos cursos da área de Educação e Cultura e as competências específicas do curso de História.

1.6.1 Competências gerais aos egressos da Universidade La Salle

● Identificar questões sociais e ambientais com postura investigativa, a fim de contribuir para sua superação de forma propositiva.

● Promover a defesa dos direitos humanos com vistas a contribuir para uma sociedade mais justa, reconhecendo e valorizando a diversidade social, cultural, religiosa, de gênero e étnico-racial.

● Interpretar e compreender textos diversos, como ferramenta de aprendizagem contínua, demonstrando leitura proficiente.

● Expressar-se de forma oral e escrita, para comunicar, informar e interagir com o outro e a sociedade, de forma clara e dinâmica.

● Avaliar continuamente sua própria prática, para qualificar sua atuação profissional com ética, criticidade e responsabilidade.

● Utilizar tecnologias de informação e comunicação como ferramentas de trabalho, de forma funcional e criativa.

● Trabalhar em equipes multi e interdisciplinares na antecipação de cenários, exploração de oportunidades e no desenho de soluções aos problemas sociais, ambientais e profissionais, de forma colaborativa e cooperativa.

1.6.2 Competências gerais da área de Educação e Cultura

Entende-se que são comuns a todos os egressos da área de Educação e Cultura as competências a seguir relacionadas.

● Atuar na ação pedagógica para a consolidação do fazer docente, qualificando a profissão professor no que tange aos saberes da área do conhecimentos, da área pedagógica e do campo pessoal.

● Inovar na elaboração de práticas de mediação cultural em ambientes formais e não-formais de educação, integrando ações educativas ou comunitárias com expressões artísticas e culturais.

● Contribuir ativamente para práticas de paz e não violência integradas à promoção dos direitos humanos, atuando em espaços formais ou não formais de educação ou comunitários.

● Materializar os princípios cristãos e lassalistas de educação e convívio social, propondo e engajando-se de maneira inovadora e empreendedora em espaços educativos ou comunitários.

● Articular soluções inovadoras aos desafios que a realidade apresenta, buscando a vanguarda na ação educativa ou comunitária a partir de um repertório cultural diversificado e coerente com sua formação.

1.6.3 Competências gerais do curso

Para além das competências esperadas de todos os egressos da Universidade La Salle e daquelas comuns aos cursos que integram a área de Educação e Cultura, o curso de História prevê o desenvolvimento das competências gerais que seguem apresentadas.

● Estabelecer relações entre as fontes de pesquisa, as diferentes concepções historiográficas e as tendências pedagógicas afins, para que a produção do conhecimento e a relação ensino-aprendizagem se efetive.

● Dominar as diferentes concepções metodológicas que referenciam a construção de categorias para a investigação e a análise das relações sociohistóricas.

● Problematizar, nas múltiplas dimensões das experiências dos sujeitos históricos, a constituição das relações no tempo e no espaço.

● Identificar as diferentes épocas históricas nas várias tradições civilizatórias, assim como sua interrelação.

● Cotejar as intersecções entre a História e outras áreas do conhecimento.

● Desenvolver a pesquisa e a produção do conhecimento histórico em instituições de ensino, bem como de cultura e de memória, visando o fomento de políticas e projetos de gestão do patrimônio cultural e da memória social.

● Utilizar ferramentas e recursos de informática para fins de pesquisa e difusão de conhecimentos em sítios virtuais, consulta a acervos, uso de softwares para análise de dados seriais e verificação de tendências, bem como no ensino de história.

● Contribuir na gestão de decisões institucionais associando os saberes históricos teóricos e práticos, colaborando para a proposição de soluções criativas para demandas educacionais e escolares.

● Articular, por meio de diferentes estratégias didático-pedagógicas, os conhecimentos multidisciplinares, os interesses da comunidade escolar e outros saberes nas práticas do ensino em História

No documento PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO. História EaD. Segunda Licenciatura (páginas 35-42)