Com o desenvolvimento deste estudo tornou-se claro que existe um elevado risco de cancro associado a este tipo de processo, nomeadamente no que diz respeito à indústria da borracha. Posto isto, sugere-se que no futuro sejam feitas monitorizações mais pormenorizadas e que as mesmas incluam referências que sejam relevantes no ponto de vista de produção, ou seja, que representem uma percentagem considerável da produção total da área.

No momento do planeamento das monitorizações é importante ter sempre em consideração a comunicação com os operadores e a escuta das suas opiniões, tentando perceber quais os seus constrangimentos, dificuldades e limitações na realização de algumas tarefas e em alguns postos de trabalho no que diz respeito à segurança e saúde dos próprios, tendo em conta que são eles que se encontram expostos durante as 8 horas de trabalho diárias.

Sugere-se ainda que nas futuras monitorizações seja incluído o Estireno (STY), tendo em conta que, pelos estudos apresentados anteriormente, pode apresentar também graves riscos para a saúde. No que diz respeito a este agente bem como ao 1,3-butadieno, sugere-se que as próximas monitorizações dos mesmos sejam realizadas no misturador aberto 5 aquando da produção da mistura-mãe, sabendo que neste tipo de produto são utilizadas primeiramente as borrachas e percebendo que estes dois agentes são parte da composição da maioria das borrachas utilizadas neste setor.

O ideal, nestes casos, seria desenvolver todas as equações de balanço, através do conhecimento aprofundado de todo o processo, e realizar uma posterior relação com os resultados obtidos de monitorizações realizadas, focando naquilo que seria o ideal e que reduziria os custos.

Para este tipo de abordagem sobre a contaminação química ocupacional e tendo em conta as diversas medidas de prevenção que são referidas anteriormente, a criação de uma base de dados para o registo de valores obtidos das monitorizações, de sintomas, de medidas sugeridas e implementadas, de custos associados, entre outros fatores que possam ser relevantes, pode ajudar na análise deste tipo de abordagem, nomeadamente para que se perceba mais facilmente quais as medidas mais vantajosas, menos custosas e que apresentam melhores resultados, diminuindo assim a exposição química ocupacional. Desta forma, toda esta análise seria mais intuitiva.

8 BIBLIOGRAFIA

A. Y. Coran, “Vulcanization,” in Science and Technology of Rubber, 2nd ed., Nova Iorque:

Academic Press, 1994;

Alam, M. N., Mandal, S. K., Roy, K., & Debnath, S. C. (2014). Safe amine based zinc dithiocarbamates for the vulcanization of carbon black reinforced natural rubber. Journal of Applied Polymer Science, 131(6). doi:10.1002/app.39988

Bolognesi, C., & Moretto, A. (2014). Genotoxic risk in rubber manufacturing industry: A systematic review. Toxicology Letters, 230(2), 345-355. doi:10.1016/j.toxlet.2013.11.013;

Cavallo, D., Casadio, V., Bravaccini, S., Iavicoli, S., Pira, E., Romano, C., . . . Calistri, D. (2014).

Assessment of DNA damage and telomerase activity in exfoliated urinary cells as sensitive and noninvasive biomarkers for early diagnosis of bladder cancer in ex-workers of a rubber tyres industry. BioMed research international, 2014, 370907. doi:10.1155/2014/370907;

Cheng, H., Sathiakumar, N., Graff, J., Matthews, R., & Delzell, E. (2007). 1,3-Butadiene and leukemia among synthetic rubber industry workers: Exposure-response relationships. Chemico-Biological Interactions, 166(1-3), 15-24. doi:10.1016/j.cbi.2006.10.004;

De Vocht, F., Burstyn, I., Straif, K., Vermeulen, R., Jakobsson, K., Nichols, L., . . . Kromhout, H.

(2007). Occupational exposure to NDMA and NMor in the European rubber industry. Journal of Environmental Monitoring, 9(3), 253-259. doi:10.1039/b615472g;

Decreto-Lei nº 169/2012, de 1 de agosto, cria o Sistema da Indústria Responsável, que regula o exercício da atividade industrial, a instalação e exploração de zonas empresariais responsáveis, bem como o processo de acreditação de entidades no âmbito deste Sistema;

Decreto-Lei nº 209/2008, de 29 de outubro, estabelece o regime do exercício da atividade industrial (REAI) e revoga o Decreto-Lei nº 69/2003, de 10 de abril, e respetivos diplomas regulamentares;

Decreto-Lei nº 220/2012, de 10 de outubro, assegura a execução na ordem jurídica interna das obrigações decorrentes do Regulamento (CE) n.º 1272/2008, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro, relativo à classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas;

Decreto-Lei nº 24/2012, de 6 de fevereiro, consolida as prescrições mínimas em matéria de proteção dos trabalhadores contra os riscos para a segurança e a saúde devido à exposição a agentes químicos no trabalho e transpõe a Diretiva n.º 2009/161/UE, da Comissão, de 17 de Dezembro de 2009;

Decreto-Lei nº 352/2007, de 23 de outubro, aprova a nova Tabela Nacional de Incapacidades por Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais;

Decreto-Lei nº 381/2007, de 14 de novembro, aprova a Classificação Portuguesa das Actividades Económicas, Revisão 3;

Decreto-Lei nº 73/2015, de 11 de maio, Procede à primeira alteração ao Sistema da Indústria Responsável, aprovado em anexo ao Decreto-Lei n.º 169/2012, de 1 de agosto;

Decreto-Lei nº 98/2010, de 11 de agosto, estabelece o regime a que obedecem a classificação, embalagem e rotulagem das substâncias perigosas para a saúde humana ou para o ambiente, com vista à sua colocação no mercado;

Delzell, E., Macaluso, M., Sathiakumar, N., & Matthews, R. (2001). Leukemia and exposure to 1,3-butadiene, styrene and dimethyldithiocarbamate among workers in the synthetic rubber industry. Chemico-Biological Interactions, 135-136, 515-534. doi:10.1016/s0009-2797(01)00223-x;

Delzell, E., Sathiakumar, N., Graff, J., Macaluso, M., Maldonado, G., & Matthews, R. (2006). An updated study of mortality among North American synthetic rubber industry workers. Research report (Health Effects Institute)(132), 1-63; discussion 65-6374;

Gemitha, G., & Sudha, S. (2013). Assessment of genotoxicity among rubber industry workers occupationally exposed to toxic agents using micronucleus assay. Iranian journal of cancer prevention, 6(2), 73-77;

Graff, J. J., Sathiakumar, N., Macaluso, M., Maldonado, G., Matthews, R., & Delzell, E. (2005).

Chemical exposures in the synthetic rubber industry and lymphohematopoietic cancer mortality.

Journal of occupational and environmental medicine, 47(9), 916-932.

doi:10.1097/01.jom.0000172866.16615.db;

Industry, R.-M. Occupational Exposures in the Rubber Manufacturing Industry.

Jonsson, L. S., Broberg, K., Axmon, A., Bergendorf, U., Littorin, M., & Jonsson, B. A. G. (2008).

Levels of 1-hydroxypyrene, symptoms and immunologic markers in vulcanization workers in the southern Sweden rubber industries. International archives of occupational and environmental health, 82(1), 131-137. doi:10.1007/s00420-008-0310-8;

Jonsson, L. S., Broberg, K., Axmon, A., Jonsson, B. A., & Littorin, M. (2007). Symptoms and immunologic markers among vulcanization workers in rubber industries in southern Sweden.

Scandinavian journal of work, environment & health, 33(4), 272-279;

Jönsson, L. S., Lindh, C. H., Bergendorf, U., Axmon, A., Littorin, M., & Jönsson, B. A. G. (2009).

N-nitrosamines in the southern Swedish rubber industries - Exposure, health effects, and immunologic markers. Scandinavian Journal of Work, Environment and Health, 35(3), 203-211.

doi:10.5271/sjweh.1323;

Miguel, A.S., 2014 - Manual de Higiene e Segurança do Trabalho, 13ª Edição, 2014;

Monarca, S., Feretti, D., Zanardini, A., Moretti, M., Villarini, M., Spiegelhalder, B., . . . Lebbolo, E. (2001). Monitoring airborne genotoxicants in the rubber industry using genotoxicity tests and chemical analyses. Mutation Research - Genetic Toxicology and Environmental Mutagenesis, 490(2), 159-169. doi:10.1016/S1383-5718(00)00163-7;

Norma Portuguesa (NP) 1796:2014 - “Valores limite de exposição profissional a agentes químicos.”, Instituto Português da Qualidade (IPQ);

Norma Portuguesa (NP) EN 14042/2015 – “Atmosferas dos locais de trabalho – Guia para a aplicação e utilização de procedimentos para a apreciação da exposição a agentes químicos e biológicos”, Instituto Português da Qualidade;

Norma Portuguesa (NP) EN 482/2015 – “Exposição nos locais de trabalho – Requisitos gerais do desempenho dos procedimentos de medição dos agentes químicos”, Instituto Português da Qualidade;

Norma Portuguesa (NP) EN 689/2008 – “Atmosferas dos locais de trabalho: Guia para a apreciação da exposição por inalação a agentes químicos por comparação com valores limite e estratégia de medição”, Instituto Português da Qualidade;

Portaria nº 302/2013, de 16 de outubro, identifica os requisitos formais do formulário e os elementos instrutórios que devem acompanhar os procedimentos de autorização prévia, de comunicação prévia com prazo e de mera comunicação respeitantes à instalação, exploração e alteração de estabelecimentos industriais;

Portaria nº 53/71, de 3 de fevereiro, aprova o Regulamento Geral de Segurança e Higiene do Trabalho nos Estabelecimentos Industriais;

Regulamento (CE) nº 1272/2008 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de dezembro, relativo à classificação, rotulagem e embalagem de substâncias e misturas;

Regulamento (CE) nº 1907/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de dezembro de 2006, relativo ao registo, avaliação, autorização e restrição dos produtos químicos (REACH), que cria a Agência Europeia dos Produtos Químicos;

Rubber Chemicals. In Kirk‐Othmer Encyclopedia of Chemical Technology.

Sathiakumar, N., Brill, I., & Delzell, E. (2009). 1,3-butadiene, styrene and lung cancer among synthetic rubber industry workers. Journal of occupational and environmental medicine, 51(11), 1326-1332. doi:10.1097/JOM.0b013e3181c3c663;

Sathiakumar, N., Brill, I., Leader, M., & Delzell, E. (2015). 1,3-Butadiene, styrene and lymphohematopoietic cancer among male synthetic rubber industry workers - Preliminary exposure-response analyses. Chemico-Biological Interactions, 241, 40-49.

doi:10.1016/j.cbi.2015.09.003;

Sorahan, T., Hamilton, L., & Jackson, J. R. (2000). A further cohort study of workers employed at a factory manufacturing chemicals for the rubber industry, with special reference to the chemicals 2-mercaptobenzothiazole (MBT), aniline, phenyl-β-naphthylamine and o-toluidine.

Occupational and environmental medicine, 57(2), 106-115. doi:10.1136/oem.57.2.106;

Straif, K., Weiland, S. K., Werner, B., Chambless, L., Mundt, K. A., & Keil, U. (1998). Workplace risk factors for cancer in the German rubber industry: Part 2. Mortality from non-respiratory cancers. Occupational and environmental medicine, 55(5), 325-332.

Vermeulen, R., De Hartog, J., Swuste, P., & Kromhout, H. (2000). Trends in exposure to inhalable particulate and dermal contamination in the rubber manufacturing industry: Effectiveness of

control measures implemented over a nine-year period. Annals of Occupational Hygiene, 44(5), 343-354;

Vlaanderen, J., Taeger, D., Wellman, J., Keil, U., Schuz, J., & Straif, K. (2013). Extended cancer mortality follow-up of a German rubber industry cohort. Journal of occupational and environmental medicine, 55(8), 966-972. doi:10.1097/JOM.0b013e31829540f4.

9 ANEXOS

No documento AVALIAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE CONTAMINANTES QUÍMICOS NO PROCESSO DE AGLOMERAÇÃO DE CORTIÇA COM BORRACHA (páginas 78-83)