População e amostra – fase quantitativa

No documento Antecedentes da aprendizagem organizacional em cursos superiores de tecnologia : a experiência brasileira (páginas 90-93)

4. Método

4.3 Primeira fase – pesquisa qualitativa com coordenadores de cursos Superiores de

4.4.1 População e amostra – fase quantitativa

O objeto em análise, nesta fase, são os Cursos Superiores de Tecnologia, tendo como porta-vozes os professores que neles atuam. Segundo dados do sistema e-mec, no ano de 2014, existiam 2.118 cursos superiores de tecnologia em funcionamento no Brasil. Não foi encontrado o número exato de professores atuantes especificamente nesses cursos, apenas o total de professores no ensino superior: 362.732. Considerando-se que 13,4% dos alunos do ensino superior estão matriculados em tecnólogos, infere-se que 13,4% do total de professores de ensino superior atuam nestes cursos, o que levaria ao número de 48.606 professores.

Quanto ao cálculo da amostra, Hair Jr. et al. (2005) explicam que, para realização de análise de regressão múltipla, a amostra mínima é de 50 observações, sendo preferível 100 casos. Adicionalmente, deve haver proporção mínima de cinco observações para cada variável preditora. Para a análise fatorial, eles defendem que a amostra deve ser igual ou maior que 100 observações, além de haver pelo menos cinco vezes mais observações do que o número de variáveis a serem analisadas.

O questionário foi criado com base na análise teórica e dos dados empíricos qualitativos e está disponível no Apêndice B deste trabalho. Foram formuladas 36 questões relativas às práticas voltadas à aprendizagem nos cursos, sendo que duas questões eram repetidas, apenas com escala invertida, para buscar a atenção dos respondentes; nove questões eram relativas às aprendizagens organizacionais produtivas, cinco para ciclo simples e quatro para ciclo duplo. No total, buscou-se avaliar 43 variáveis, sendo 34 em relação às práticas que

favorecem os processos de aprendizagem organizacional e nove relativas aos outputs das aprendizagens de ciclo simples e duplo. Sendo as 34 variáveis relativas às práticas consideradas preditoras, calculou-se que o tamanho amostral mínimo deveria ser de 170 observações, considerando o cálculo de cinco vezes 34 variáveis. O mesmo cálculo pode ser aplicado com vistas à análise fatorial, já que o maior conjunto de variáveis a ser analisado por este método também seria o das variáveis relativas às práticas de aprendizagem organizacional.

Os questionários foram enviados para coordenadores de cursos reconhecidos e autorizados pelo MEC, através de e-mail, para resposta por meio de ferramenta web da aplicação Qualtrics, licenciada para a PUCRS. Para formar a base de dados de endereços eletrônicos dos professores, foi solicitado o auxílio dos sindicatos dos professores e de conselhos de classe regionais. As respostas recebidas destas instituições informaram que não havia, em suas bases de dados, filtros para professores de Cursos Superiores de Tecnologia e elas recusaram-se a encaminhar a pesquisa para toda a base. Desta forma, partiu-se para a pesquisas no sistema do MEC, denominado e-mec, procurando pelo nome dos coordenadores de curso. Posteriormente, buscaram-se, nos sítios de internet das instituições e através da ferramenta de busca Google, os endereços eletrônicos de tais coordenadores. Foram obtidos, neste processo, 1.333 endereços eletrônicos, com exclusão dos endereços duplicados, pois alguns professores coordenavam mais de um curso.

Para ampliar a base de respondentes aos professores que não eram coordenadores de curso, foi utilizada a técnica snowball, pedindo, ao final do questionário, indicações de endereços de outros possíveis respondentes ou o encaminhamento do link da pesquisa diretamente para conhecidos que correspondessem à população-alvo do estudo. Foi igualmente solicitado, no corpo da mensagem enviada aos coordenadores de curso, que enviassem o link da pesquisa para os professores que compunham a equipe de seus cursos.

A pesquisa ficou disponível entre os dias 27 de setembro e 6 de dezembro de 2015. Ao todo foram enviados 1.501 e-mails, sendo 1.333 para coordenadores de curso e 168 para endereços indicados pelos respondentes, pelo método snowball. Destes, 211 abriram a correspondência e iniciaram a resposta ao questionário, sendo que 117 a finalizaram até a última página, conforme detalhado no Quadro 5. Outros 174 questionários foram iniciados por pessoas que receberam o link por algum meio diverso, possivelmente de outro respondente, tendo 138 finalizado a resposta ao questionário. Ao todo, 255 respondentes foram até a última página da pesquisa e 40 respondentes foram até a penúltima página, ou seja, forneceram respostas válidas, mas não clicaram no botão ‘finalizar’.

As respostas destes 40 respondentes foram aproveitadas na composição da base de dados. O Quadro 6 mostra a fonte/origem dos respondentes. O Quadro 7 evidencia o balanço final sobre a progressão das respostas aos e-mails enviados.

Quadro 5 – Distribuição do questionário – resumo dos e-mails enviados e retornos

Fonte: base de dados da aplicação Qualtrics, tabulação do autor.

Quadro 6 – Distribuição dos questionários – origem dos respondentes

Fonte: base de dados da aplicação Qualtrics, tabulação do autor

Quadro 7 – Números de respostas ao questionário

Fonte: base de dados da aplicação Qualtrics, tabulação do autor

Origem dos respondentes Questionários iniciados

Questionários

finalizados % de finalização

E-mail enviado ao coordenador 211 177 83,9%

Link Snowball 174 138 79,3%

Total 385 255 66,2%

Questionários iniciados 385

Questinários respondidos até penúltima página 295

Em complemento, no início do questionário, no formulário de consentimento informado, quatro respondentes declararam que não aceitavam participar da pesquisa, mesmo sendo professores de algum Curso Superior de Tecnologia, e 21 declararam não aceitar participar da pesquisa, pois não eram e nem nunca tinham sido professores de qualquer Curso Superior de Tecnologia.

4.4.2 Operacionalização da coleta de dados, objetivos e métodos de análise – fase

No documento Antecedentes da aprendizagem organizacional em cursos superiores de tecnologia : a experiência brasileira (páginas 90-93)