m³/hab.ano (vazão média)

6.5 A crise hídrica de São Paulo

6.5.1 Programa de Bônus

Instrumentos econômicos possuem um enorme potencial como indutor de comportamento em políticas ambientais. O aumento ou diminuição do preço de um determinado serviço pode alterar significativamente a provisão do mesmo, dependendo

45 Governo paulista distribuirá caixa d’água para baixa renda. O Estado de Snao Paulo. 10 de janeiro de

2015. Disponível em <https://www.estadao.com.br/noticias/geral,governo-paulista-distribuira-caixa-dagua- para-baixa-renda,1618021>

46

47 A campanha denominada pelo IDEC de “Tô sem água” contabilizou as denúncias através de um

formulário digital. Posteriormente, em setembro de 2015, a Aliança pela Água lançou o aplicativo móvel “Tá faltando água”que em um mês recebeu mais de 10 mil relatos de falta d`água. Disponível em <

https://idec.org.br/em-acao/em-foco/por-dia-170-pessoas-reclamam-de-falta-dagua-em-sp-aponta- relatorio> Acesso em 21 de janeiro de 2018.

de sua elasticidade-preço da oferta e outros fatores (Espey, Espey e Shaw, 1997)49. Sob o nome de Programa de Incentivo à Redução de Consumo de Água, a Sabesp. Questiona-se também a porcentagem de redução que a Sabesp afirma que foram elásticas ao incentivo econômico ou punição. Algumas hipóteses deveriam ser analisadas de forma mais detalhada: i) alguma parte da redução do consumo se deve simplesmente à falta d’água na torneira, o que a Sabesp negou sumariamente que aconteceu50.

O programa de bônus aprovado pela ARSESP51 autorizava a Sabesp a conceder em “caráter emergencial”. Interessante notar que a Sabesp justificava a necessidade do uso do instrumento econômico por estar sob racionamento em seu insumo (Sistema Cantareira) através da decisão dos órgãos gestores ANA e DAEE. Ou seja, mesmo sem a declaração de racionamento, medida necessária para a justificativa de adoção de medida tarifária emergencial de acordo com o Decreto Federal no. 7.217/2010, a Sabesp requeria a adoção do instrumento econômico. A disputa conceitual é por vezes sutil, mas possui impactos extremamente profundos nos incentivos a ação. A negação do racionamento, mesmo que essa era a situação presente, objetiva passar tranquilidade a população, mas também aos investidores. Com menor volume de venda de água, seu produto principal, os efeitos sobre a rentabilidade do ativo Sabesp no Mercado financeiro tenderiam a se depreciar ainda mais.

Tabela 3- Política de bônus e multa Divulgação Abrangência

geográfica Redução (sobre média) Bônus Final da vigência esperada Início do impacto nas contas

04/02/2014 Cantareira ³ 20% 30% Set/14 Mar/14

49 Meta-análise feita por Espey et al (1997) demonstrou que as variáveis que mais afetam a demanda em

usos residenciais são a estrutura de preços, a estação climática e as taxas de evapotranspiração.

50 Embora a Sabesp tenha negado por diversas vezes que a população da RMSP estivesse sofrendo

algum tipo de interrupção no abastecimento de forma sistemática, pela Aliança pela Água e Rede Nossa São Paulo lançaram um aplicativo para sistematizar e mapear os pontos críticos no abastecimento. Pesquisa IBOPE efetuada em novembro de 2015 afirmou que metade dos paulistanos havia relatado interrupção do fornecimento no mês anterior. Disponível em

http://datafolha.folha.uol.com.br/opiniaopublica/2015/11/1701998-metade-dos-paulistanos-sofreu-com-

falta-de-agua-no-ultimo-mes.shtml.

02/04/2014 RMSP ³ 20% 30% Dez/14 Abr/14 28/05/2014 RMSP + PCJ ³ 20% 30% Dez/14 Jun/14 23/10/2014 RMSP + PCJ ³ 10 e <15% ³ 15 e <20% ³ 20% 10% 20% 30% Dez/14 Nov/14 19/12/2014 RMSP + PCJ ³ 10 e <15% ³ 15 e <20% ³ 20% 10% 20% 30% Dez/15 Nov/14 Fonte: Sabesp (2014)

Já em relação a multa os consumidores que aumentassem o consumo em até 20% teriam um acréscimo de 20% sobre a conta de água e esgoto, enquanto que se o incremento do consume fosse maior que 20%, haveria um acréscimo de 50% sobre a conta de água e esgoto. A área de abrangência seria a mesma do programa de bônus, mas não se aplicava a clientes com média de consumo de até 10m³/mês e aos consumidores com contrato de demanda firme. Ou seja, os grandes consumidores que já pagavam uma tarifa de água muito mais baixa do que a média da população não estariam inclusos neste programa, o que diminui a transparência e a equidade das medidas tomadas para a população como um todo. A medida foi bastante criticada por diversos atores.

A previsão inicial do final da vigência, obviamente não se concretizou devido a persistência dos baixos índices do Sistema Cantareira. Enquanto houve restrição de captação nos reservatórios pelos órgãos gestores, a Sabesp pediu prorrogação do programa. O fim da política de bônus foi um prelúdio da declaração do fim da crise hídrica. No dia 07 de março, Alckmin declarou em entrevista que “a questão da água está resolvida”52 uma vez que os reservatórios haviam recuperado um nível médio. Poucas semanas depois a Sabesp encaminhou solicitação pedindo a extinção da política,

52Alckmin diz que questão da água está resolvida. Estado de São Paulo. 07 de março de 2016. Disponível

em: <http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,alckmin-diz-que-questao-da-agua-esta- resolvida,10000019977>. Acesso em 21 de dezembro de 2017.

recebendo o aval do órgão regulador em 31 de março. Diversos segmentos da sociedade civil e atores da governança hídrica foram contra o fim do programa de bônus e multa. A incerteza frente ao período da estação de seca, tendo em vista o comportamento anômalo nos anos anteriores, exigia esforços maiores e justificativas técnicas para o encerramento do programa53.

Segundo o Relatório de Sustentabilidade 2015 da Sabesp, a política foi responsável por economia de 200 bilhões de litros o que equivale a cerca de 5,6m³/s. O programa teve um impacto significativo no resultada da empresa, “custando” R$ 912,1 milhões. Ao mesmo tempo, foram arrecadados R$ 499,7 milhões com a tarifa de contingência. Obviamente o impacto financeiro foi recompensado com a autorização de um aumento na tarifa pela própria ARSESP. Em 12 de abril de 2016, a agência autorizou aumento de 8,45% na tarifa. O acumulado da inflação IPCA desde o último reajuste em 2013 havia sido de 22,62%. Somados, a ARSESP autorizou um aumento de 37,25% na tarifa da Sabesp.

6.5.2 Os contratos de demanda firme: a lógica do consumo de um produto

No documento Governança dos recursos hídricos e eventos climáticos extremos : a crise hídrica de São Paulo (páginas 157-160)