REALIDADE AUMENTADA

No documento COVER ART NA ERA DO STREAMING: MUTABILIDADE E REDEFINIÇÃO (páginas 48-51)

Definição e

Contexto Histórico

IV.

A realidade aumentada é uma variação da realidade virtual que

pode ser definida como a junção do mundo digital com o mundo físico, no qual elementos gráficos computorizados são incluídos. A realidade aumentada é normalmente visionada através de câma-ras de telemóvel ou computador.

AR content is virtual information that is perceived by consumers through digital devices (e.g., smart phones, large-screen AR instal-lations) running generic AR browsers (e.g., Blippar, Junaio, and La-yar) or custom-made AR applications (e.g., Volkswagen Juiced Up).

Virtual AR content can exist in a variety of formats, including text, pictures, videos, animations, etc.

(Scholz and Smith 2016, p. 5)

Em 1961, o realizador Marton Heilig, monta o primeiro exemplo de realidade virtual [Figura 82] – Sensorama – que consiste num apa-relho de visualização individual no qual o utilizador observa uma viagem de bicicleta por Brooklyn. Este sistema inclui uma série de sensações como o movimento no assento, vento, odor e som: “The present invention, generally, relates to Simulator apparatus and, more particularly, to apparatus to stimulate the senses of na indivi-dual to simulate na actual experience realistically.” (Heilig 1962) Em 1968, Ivan Sutherland desenvolve o primeiro protótipo do sistema de realidade aumentada e em 1975, Myron Krueger cria o primei-ro laboratório denominado “vídeo place” que permite ao utilizador entrar em contacto com este mundo digital. O termo “augmented reality” é cunhado por Thomas P. Caudell em 1990.

A realidade aumentada assenta em vários tipos de aplicações. Fo-camo-nos brevemente nas primeiras aplicações desta experiên-cia imersiva com base na pesquisa do engenheiro Ronald T. Azuma (1997). Do ponto de vista médico, a utilização da realidade aumen-tada surge como exame de imagem não invasivo, no qual é incluí-do uma base de daincluí-dos tridimensional incluí-do paciente. A informação virtual permite, por exemplo, aos cirurgiões saberem exatamen-te onde devem operar. No campo da obsexatamen-tetrícia é possível gerar uma representação tridimensional do feto. A realidade aumentada traz, também, alguns progressos na reparação e na manufatura, bem como na construção de equipamentos elétricos no ramo da engenharia aerospacial – o equipamento de ligações eletrónicas dos aviões Boeing, em 1995, terá usado óculos de AR para ajudar a delimitar como é que a ligação do motor deveria ser executa-da. Para além deste tipo de visualização, a arquitetura conta com a idealização de futuros projetos, “An architect with a see-trough HMD might be able to look out a window and see how a proposed new sky-scraper would change her view.” (Azuma 1997, p. 7) Ainda no campo militar, os sistemas aumentados embutidos nos aviões da força aérea permitem a visualização de um vetor gráfico com as informações de voo. A sigla HMD (head mounted display) [Figu-ra 83] refere-se ao instrumento usado pa[Figu-ra conceber a realidade aumentada nos anos 90. Este aparelho permite o acesso visual ao ambiente real com a combinação do elemento tridimensional computorizado, “The video cameras provide the user’s view of the real world. Video from these cameras is combined with the graphic

[Figura 82] Sensorama Simulator

Marton Heilig 1961

[Figura 83] The Sword of

HMD faz com que, erraticamente, 30% da transmissão de luz da imagem real não seja alcançada. No seguimento do HMD, surge o sistema ARGOS, monitor-based optical configuration “Instead, the monitors and combiners are fixed in space, and the user positions her head to look through the combiners.” (Azuma 1997, p. 13) Azu-ma (1997) conclui o seu estudo, baseado nos sisteAzu-mas utilizados na época, no qual admite a falência da realidade aumentada, quando em comparação com a evolução tecnológica de ambientes pura-mente virtuais. Incentiva a sua comercialização:

Augmented reality is far behind virtual environments in maturity. Se-veral commercial vendors sell complete, turnkey virtual environment systems. However, no commercial vendor currently sells an HMD- based augmented reality system. A few monitor-based “virtual set”

systems are available, but today AR systems are primarily found in academic and industrial research laboratories.

(Azuma, 1997, p. 34)

Efetivamente, assistimos a uma mudança da realidade aumenta-da definiaumenta-da por Azuma no que hoje conhecemos nos aparelhos electrónicos (telemóveis, tablets, computadores) com os quais interagimos diariamente. Segundo Scholz e Smith (2016) em Augmented Reality: Designing Immersive Experiences That Ma-ximize Consumer Engagement, a realidade aumentada consiste em cinco ingredientes: AR content correspondente à informação virtual alcançada através do aparelho digital como o exemplo do telemóvel, instalação e computador; Users, o utilizador que entra em contacto direto com a experiência; bystanders ou utilizadores que não interagem diretamente com a experiência mas veem--na de fora, como por exemplo, através da partilha das imagens experienciadas; Targets, definidos por Scholz and Smith como:

“entities in the physical world that are augmented with digital in-formation.” (Scholz and Smith 2016, p. 6) Estes targets podem assumir a forma de objetos, objetos gráficos (cartazes, muppies, livros, capas de álbum, entre outros), caras (empregues nos face filters usados nas redes sociais, como o Instagram e Snapchat) e espaços (como é o exemplo da aplicação da empresa IKEA que permite a visualização de uma certa peça de mobília incluída na própria casa); o quinto ingrediente é o background, “those ob-jects and ambient conditions that share the same physical spa-ce as the target, but that are not augmented in this particular AR layer.” (Scholz and Smith 2016) Ou seja, o background, como o nome indica, é a imagem real observada na experiência que não padece de qualquer tipo de versão virtual. É, portanto, o espaço físico observado no ecrã.

A relação entre conteúdo físico e aumentado vai surgindo ao lon-go dos anos com empresas como a Disney que, em 2011, utiliza a realidade aumentada numa interação entre figuras animadas e pessoas em tempo real e a Coca-cola que, em 2013, apresenta uma simulação de gelo a derreter, apontando para os perigos das alterações climáticas. Estes são apenas alguns exemplos da uti-lização de realidade aumentada para fins comerciais.

Em 2016 a criação do jogo Pokemon Go [Figura 87], da empresa Niantic Labs em conjunto com Nintendo e The Pokémon Company, gera um rápido desenvolvimento no uso da realidade aumentada,

“(…) the fact that hundreds of millions of people are getting their first direct exposure and personal experience with augmented rea-lity – simple though it may be – can’t help but be a boost to the futu-re of this exciting new technology.” (O’Donnell 2016)

O Google e a Apple desenvolvem aplicações que permitem a ex-pansão desta ferramenta. A nova possibilidade de recursos na criação de aplicações com o uso de AR faz com que ocorra uma disseminação da realidade aumentada com finalidades diversas.

ARCore, ARKit e Vuforia são exemplos de plataformas que permi-tem o desenvolvimento de realidade aumentada. Atualmente esta-mos perante uma panóplia de softwares e aplicações que permi-tem este desenvolvimento, tais como: Spark AR Studio, HP Reveal, Banuba, Deep AR, Facebook AR Studio entre muitas outras.

Em Julho de 2011 surge a aplicação Snapchat. Esta aplicação so-cial consiste na troca de fotografias e vídeos entre utilizadores, com possibilidades de edição do conteúdo e inclusão de texto à imagem, entre outras. No entanto, é apenas em 2015 que o Snap-chat introduz o Snapchat Lens, característica que consiste em fa-cial tracking, face modification e render em tempo real cujo target, previamente mencionado, é a face humana. Ou seja, uma das vá-rias gavetas da realidade aumentada e popularmente conhecida como face filters ou filtros faciais. “Em geral, a popularização dos smartphones e outros dispositivos portáteis supõe um desenrolar de aplicações de realidade aumentada e respetiva comercializa-ção” (Fundación Telefónica 2011, p.17, tradução livre)

O Instagram, aplicação social criada em 2010, conta com 1 bilião de utilizadores no ano de 2018. Em 2016 adiciona Instagram stories, em que, tal como o Snapchat, permite a publicação de fotografias e vídeos visíveis apenas por 24 horas. A partir de 2017, a aplicação permite que qualquer utilizador crie filtros faciais, através de apli-cações como Spark AR, expandindo e promovendo a criação de conteúdos aumentados. Do ponto de vista artístico, muitos desig-ners e artistas tomam proveito desta característica da rede social e expandem práticas gráficas, promovendo o seu trabalho: Zach Lieberman [Figura 88], designer, artista e programador adiciona face filters ao seu portfólio criativo; Johanna Jaskowska [Figura 90] também explora novas possibilidades tridimensionais do pon-to de vista artístico; Filip Custic [Figura 89], artista cujas experiên-cias aumentadas abrangem a criação de filtros e apresentações de projetos no espaço público digital;

AR INSTAGRAM → 2017SNAPCHAT LENS→ 2015POKEMON GO→ 2016

↖ →

↑ ↗

Videoplace

Myron Krueger 1974 [Figura 84] IKEA Place AR App IKEA

[Figura 86] Hibrid Synthetic Vision System

NASA 1999

[Figura 88] Filtro AR com Acne Studios

Zach Lieberman 2019 [Figura 89] Filtro AR

Filip Custic 2019 [Figura 85] Campanha de

IV.II.

Realidade Aumentada

No documento COVER ART NA ERA DO STREAMING: MUTABILIDADE E REDEFINIÇÃO (páginas 48-51)