RESULTADOS PRIMÁRIO E NOMINAL

No documento Processo TCE-RJ Nº /22 (páginas 151-156)

II. 6.5.3.4 REGIME DE COMPENSAÇÃO DE PRECATÓRIOS

II.6.6 RESULTADOS PRIMÁRIO E NOMINAL

Ao elaborar a Lei de Diretrizes Orçamentárias, os Poderes Executivo e Legislativo pactuam metas fiscais a serem alcançadas, notadamente quanto à trajetória do endividamento de médio prazo, de forma a garantir o equilíbrio material do orçamento e a sustentabilidade da dívida pública.

Tendo como objetivo a verificação do cumprimento de tais metas, o Resultado Primário ou resultado não financeiro representa o esforço fiscal empreendido pelo ente para o controle da trajetória do endividamento. Já o Resultado Nominal apresenta a variação da dívida consolidada líquida em determinado período, considerando o resultado primário obtido.

Ressalta-se que, de acordo com o Manual de Demonstrativos Fiscais88, o Demonstrativo de Resultados Primário e Nominal conterá a apuração pelas metodologias acima da linha e abaixo da linha, o que demonstra os ajustes metodológicos entre as duas práticas. Não obstante, para fins de atendimento ao disposto no §1º do art. 4º da Lei de Responsabilidade Fiscal, o comparativo entre o referido demonstrativo e as metas e projeções do resultado nominal devem seguir o critério de apuração acima da linha.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deve estabelecer em seu Anexo de Metas Fiscais (AMF) as metas anuais para as receitas, despesas, resultados primário e nominal e montante da dívida pública, em valores correntes e constantes, do exercício de referência e para os dois seguintes, conforme o disposto no §1°, do art. 4°, da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF.

Os resultados primário e nominal são demonstrados em anexo próprio do Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO), conforme disposto no inciso III do artigo 53 da LRF89.

88 11ª edição.

89 Anexo 06 do RREO.

152

II.6.6.1 METAS DE RESULTADO PRIMÁRIO E NOMINAL FIXADAS NA LDO

A tabela a seguir apresenta as metas fixadas no AMF da LDO para o exercício de 2021 – Lei Estadual n° 9.000, de 09.09.2020:

Tabela 66 - Metas de Resultados Primário e Nominal previstas na LDO

R$mil Receitas Primárias (I) 53.070.940 51.363.519 0,66 53.820.248 50.303.393 0,63 55.377.220 50.008.334 0,62 Despesas Primárias (II) 70.431.571 68.165.615 0,87 71.206.054 66.553.132 0,83 73.732.770 66.584.291 0,83 Resultado Primário (III) = (I- II) -17.360.631 -16.802.096 -0,21 -17.385.806 -16.249.739 -0,20 -18.355.550 -16.575.957 -0,21 Resultado Nominal (26.094.851) (25.255.315) -0,32 (26.214.280) (24.501.322) -0,31 (27.410.276) (25.619.166) -0,30

Fonte: Anexo de Metas Fiscais constante da LDO 2021 - Lei Estadual nº 9.000/20.

Nota 1: % PIB considerando valores correntes.

Nota 2: Excluídas a Imprensa Oficial, Cedae e Agência Estadual de Fomento - Agerio, por não se enquadrarem no conceito de empresa 14.01.2021, conforme disposto no Demonstrativo da Compatibilidade da Programação dos Orçamentos com o Anexo de Metas Fiscais da LDO de 2021:

Tabela 67 - Resultados Primário e Nominal previstos na LDO e na LOA

Discriminação LDO 2021 LOA 2021

Receita total 53.806.022 64.442.682

Receita primária (I) 53.070.940 62.831.113

Despesa Total 81.152.673 84.698.662

Despesa Primária (II) 70.431.571 73.664.459

Resultado Primário (III) = (I) – (II) -17.360.631 -10.833.346

Resultado Nominal -26.094.850 -18.434.249

Fonte: AMF da LDO/2021, Lei Estadual n.º 9.000/20 – Peça 08 - fl.86 e Demonstrativo da Compatibilidade da Programação dos Orçamentos com o AMF da LOA/2021, Lei Estadual n.º 9.185/21 – Peça 09 - fl.72.

153 Constata-se no quadro acima uma atualização da meta de resultado primário com uma redução de R$6,527 milhões no déficit previsto no AMF da LDO, o que representa um ajuste de 37,60% da meta original. A meta do resultado nominal reflete também essa atualização.

A atualização das metas por meio da LOA é inadequada e carece de metodologia que suporte a constatação. Tal fato já foi apontado como impropriedade na apreciação das Contas de Governo do exercício de 2019 e de 2020.

Conforme dicção legal do art. 4º, §2º, II, da Lei Complementar Federal nº 101/00, a meta de resultado primário deve constar do Anexo de Metas Fiscais, integrante do projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias. Tal prescrição se encontra na linha do contido no art. 165, §2º, da Constituição da República.

Nesse sentido, a superveniente alteração promovida por meio da Lei Orçamentária Anual, mesmo diante da projeção de redução do déficit das metas fiscais inicialmente estimadas, não encontra lastro na legislação de regência, e culmina em descumprimento do princípio da exclusividade previsto no art. 165, §8º da Carta Magna, que como exceções só comportam as autorizações aberturas de créditos suplementares e contratações de operação de crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei. Sobre o tema ainda se manifesta o Corpo Instrutivo:

Isso porque o estabelecimento e o cumprimento das metas fiscais devem se orientar pelos princípios da sustentabilidade econômico-financeira, da equidade intergeracional e da transparência, de modo a permitir o restabelecimento do equilíbrio das contas públicas do ERJ. Assim, não se afigura compatível com o ordenamento jurídico em vigor que as metas fiscais, fixada com base em metodologia própria estabelecida na LRF, sejam alteradas por mera atualização numérica no interior da Lei Orçamentária Anual, sem a apresentação da metodologia empregada nem dos impactos dessa alteração.

Nesse sentido, a superveniente alteração promovida por meio da Lei Orçamentária Anual sem a apresentação da metodologia empregada nem dos impactos dessa alteração será objeto da ressalva nº 19 e ensejará a determinação nº 37 para que o Governo do Estado abstenha-se de propor alterações das metas fiscais de resultados primário e nominal no Projeto de Lei Orçamentária Anual, na medida em que tais metas devem ser fixadas na Lei de Diretrizes Orçamentárias.

154

II.6.6.2 CUMPRIMENTO DAS METAS FISCAIS DOS RESULTADOS PRIMÁRIO E NOMINAL

Em linha com o estabelecido no Manual de Demonstrativos Fiscais (MDF)90, os resultados primário e nominal foram demonstrados no Anexo 6 do RREO, o qual foi publicado no DOERJ em 27.01.202291, demonstrado na tabela a seguir:

Tabela 68 - Resultados primário e nominal - Anexo 6 do RREO do 6º bim/21

R$ 1 ACIMA DA LINHA

Receitas Primárias Previsão Atualizada Até Dez/2021 (a)

Receitas Primárias Correntes (I) 82.592.232.041 84.716.083.533

Receitas Primárias de Capital (II) 351.557.238 49.067.258

Receita Primária Total (III) = (I + II) 82.943.789.279 84.765.150.791

Despesas Primárias Dotação

Atualizada Despesa Paga (a) RP processado Pago (b)

RP Não processado Pago

(c) Despesas Primárias

Correntes (IV) 81.333.806.427 65.230.606.670 2.858.183.491 220.072.353 Despesas Primárias de

Capital (V) 8.649.226.470 1.548.264.739 70.320.236 70.267.369

Reserva de Contingência (VI) 470.046.072 0,00 0,00 0,00

Despesa Primária Total (VII)

= (IV+V+VI) 90.453.078.969 66.778.871.409 2.928.503.727 290.339.722

Resultado Primário – Acima da Linha (VIII) = IIIa – (VIIa+VIIb+VIIc) 14.767.435.933

Meta de Resultado Primário fixada no AMF da LDO para 2021 (10.833.346.000)

Juros Nominais Até Dez/2021

Juros, encargos e variações monetárias ativos (IX) 1.371.548.741

Juros, encargos e variações monetárias passivos (X) 12.000.050.563

Resultado Nominal – Acima da Linha (XI) = VIII+ (IX-X) 4.138.934.111

Meta de Resultado Nominal fixada no AMF da LDO para 2021 (18.434.249.000)

Fonte: Anexo 6 do RREO - 6º bim/2021 e Siafe-Rio.

Nota1: Excluídas a Imprensa Oficial, Cedae e Agência Estadual de Fomento - Agerio, por não se enquadrarem no conceito de empresa dependente. 100.303-3/22 não altera as conclusões ora alcançadas, já que não houve o reenvio do anexo 6.

155 Todavia, o Corpo Instrutivo destacou que, no Processo TCE-RJ n° 106.883-3/21, que tratou da Auditoria Financeira no Estado do Rio de Janeiro para o exercício de 2021, foram constatadas falhas no registro das despesas com juros do exercício, que impactam a apuração do resultado nominal publicado no referido Anexo 6:

Em síntese, a auditoria identificou que o montante de R$ 2,46 bilhões, relativos a despesas do exercício de 2021 com juros incorridos sobre empréstimos e financiamentos, deixou de ser apropriado no subgrupo específico de contas de resultado (Variações Patrimoniais Diminutivas – VPD), 3.4.1.x.x.xx.xx – Juros e Encargos de Empréstimos e Financiamentos Obtidos.

Para o registro do montante em questão, foi utilizada a conta contábil de incorporação de passivo “3.6.4.0.3.02.02 – Recálculo Contratual da Dívida com a União – Regime de Recuperação Fiscal – LC 159/2017”, bem como as contas de VPD “3.4.3.1.3.01.01 - Variações Monetárias de Dívida Contratual Interna INTER OFSS União” e “3.4.3.1.3.02.01 - Variações Cambiais de Dívida Contratual Interna – INTER OFSS União”, conforme resumo apresentado no quadro a seguir e documento 21.1:

Conta de VPD  Valor em R$ 

3.6.4.0.3.02.02 - Recálculo Contratual da Dívida com a União – RRF  2.057.088.887 3.4.3.1.3.XX.XX - Variações Monetárias e Cambiais da Dívida Contratual

Interna -Inter OFSS – União 407.975.691

Total   2.465.064.578

Nota: o valor relativo à distorção de R$ 407.975.690,84 correspondeu ao somatório dos registros realizados nas contas 3.4.3.1.3.01.01 e 3.4.3.1.3.02.01.

(...)

Destaca-se, relativamente ao registro da conta “3.6.4.0.3.02.02 - Recálculo Contratual da Dívida com a União RRF”, que a distorção de R$ 2,06 bilhões correspondeu a registros realizados somente do período de janeiro a maio de 2021, uma vez que, em vista dos apontamentos realizados na auditoria financeira do ano anterior, uma nova rotina de registro de juros foi elaborada pela Superintendência de Normas Técnicas (Supnot), tendo esta sido implementada a partir de junho de 2021, fazendo com que, a partir dessa data, os juros incorridos sobre empréstimos e financiamento passassem a ser reconhecidos em conta apropriada, pertencente ao subgrupo 3.4.1.x.x.xx.xx, conforme documento 21.3.

Do mesmo modo como apontado pela Auditoria Financeira do ano anterior, o registro contábil de juros remuneratórios por meio da utilização da conta de VPD “3.6.4.0.3.02.02 - Recálculo Contratual da Dívida com a União – RRF”, além de representar uma distorção de classificação para efeito das demonstrações do exercício de 2021, trouxe também repercussão de natureza fiscal no cálculo do Resultado Nominal Acima da Linha, conforme apuração realizada no Anexo 6 do RREO do 6º bimestre de 2021.

Considerando que os registros realizados na conta “3.6.4.0.3.02.02 - Recálculo Contratual da Dívida com a União – RRF” não possuem natureza orçamentária, nem estão previstos no cômputo da rubrica “JUROS PASSIVOS” daquele demonstrativo fiscal, conclui-se que o resultado nominal, apurado acima da linha, ficou superavaliado em R$ 2,06 bilhões.

156 Há de se ressaltar que, na análise ora empreendida, a averiguação de cumprimento das metas de resultados primário e nominal seguirá o demonstrativo publicado pelo Poder Executivo no Anexo 6 do RREO, com destaque para o fato de que ainda que foram incluídos, por meio de Nota Explicativa, valores identificados como fatores de divergências entre os resultados primário e nominal calculados pelas metodologias “acima da linha” e “abaixo da linha”, tais como Reversão de Provisões, Ajustes de Exercícios Anteriores, Incorporações e Desincorporações de ativos que não tiveram a correspondente execução orçamentária, dentre outros, conforme detalhamento a seguir:

Tabela 69 - Detalhamento do ajuste metodológico - outros ajustes

R$1

Detalhamento do Ajuste Metodológico Até

Dezembro/2021

Outros Ajustes (XX) -13.883.984.400

(+) Ajustes que variam a Dívida Consolidada 26.781.340

Atualização Monetária de Sentenças Judiciais 20.156.013

Outras Variações Monetárias e Cambiais 6.625.328

(-) Ajustes da Disponibilidade de Caixa e os Demais Haveres Financeiros 10.416.501.634

Outras Receitas Financeiras 0

Ingressos Extraorçamentários 0

Retenção a Pagar Orçamentariamente Pagas 10.416.501.634

(-) Variações Patrimoniais Aumentativas 2.136.733.248

Reversão da Atualização Cambial 2.136.733.248

(+) Incorporações e Desincorporações de Ativos sem Execução Orçamentária Correspondente 6.967.338

(-) Discrepâncias 1.364.498.197

Fonte: Anexo 6 do RREO - 6º bim/2021.

No documento Processo TCE-RJ Nº /22 (páginas 151-156)