ROTEIRO DE AÇÃO EDUCATIVA: Visão holística da saúde: fatores que interferem na saúde do

No documento PRÁTICAS EDUCATIVAS EM SAÚDE: ROTEIROS DIDÁTICOS (páginas 65-68)

indivíduo

AÇÃO EDUCATIVA EM SAÚDE: Processo Saúde doença

AUTOR: Antônia de Fátima Zanchetta Serradilha E-mail: antonia.serradilha@etec.sp.gov.br Etec Elias Nechar

Tempo estimado: 04 aulas

Objetivo da Ação educativa

 Estimular os alunos à compreensão do processo saúde doença e dos fatores que interferem na saúde do ser humano;

 Proporcionar educação em saúde dentro do ambiente escolar;

 Refletir sobre a influência dos Determinantes Sociais em Saúde (DDS) e das condições de vida das pessoas no processo saúde- doença.

Introdução

A saúde torna-se a capacidade que o ser humano tem de gastar, consumir a própria vida.

Entretanto, é importante destacar que a vida não admite a reversibilidade, aceita apenas reparações (BRÊTAS & GAMBA, 2006). Já a doença não pode ser compreendida apenas por meio das medições fi siopatológicas, pois quem estabelece o estado da doença é o sofrimento, a dor, o prazer, enfi m os valores e sentimentos expressos pelo corpo subjetivo que adoece (BRÊTAS & GAMBA, 2006).

O Processo SaúDoença está diretamente atrelado à forma como o ser humano, no de-correr de sua existência, foi se apropriando da natureza para transformá-la buscando o atendimento às suas necessidades (GUALDA e BERGAMASCO, 2004). Neste sentido, o processo saúde-doença é um dos pontos centrais para os profi ssionais da saúde que bus-cam promovê-la, cuidando para que as pessoas possam ter, tanto quanto possível, uma boa qualidade de vida, mesmo quando as limitações se estabelecem.

Problematização inicial

As três famílias deste caso habitam um assentamento que foi ocupado há três anos por moradores sem-teto e é apoiada pelo Movimento dos Sem-Terra (MST). O assentamento tem hoje cerca de 150 moradores, sendo que a maioria trabalha no lixão.

As funções ocupadas dependem do estudo recebido e vão desde fi scal de coleta, coleto-res até selecionadocoleto-res de lixo.

Como organizar a Atividade Prática

1ª Etapa: Primeiramente inicia a leitura do texto: “ILHA DAS FLORES”. Posteriormente, o professor divide os alunos em pequenos grupos:

Grupo 1- CASO GERSON: “Gerson não se alimentava direito e estava vomitando há dois dias, depois de ter passado três horas seguidas no lixão. Continuou o relato dizendo que Gerson, quando não estava sob sua vigilância no lixão, procurava detritos de alimentos, como tomates, frutas e cascas abacaxi, para comer”.

Grupo 2- FAMÍLIA DE JOSÉLIA: A paciente tem uma ferida na perna há anos e sempre falta no dia de fazer curativo. A menininha deles, Stefane, está com a vacina atrasada.

Grupo 3-CASO SR. REINALDO: Sr. Reinaldo começou a pegar materiais de reciclagem para vender e está guardando-os no quintal.

2ª Etapa: A partir dos casos acima, o professor faz as seguintes indagações:

- Qual a conduta do Técnico em Enfermagem frente à situação esplanada? Justifi que sua resposta

- Se você morasse na Ilha das Flores, o que você consideraria essencial para viver?- Quais os elementos que afetam a saúde das pessoas?

Após cada pergunta espera-se 10 segundos para os integrantes dos grupos conversarem e chegarem a um consenso único. Eles devem escolher um líder. Caso o grupo não consi-ga responder a pergunta em 10 segundos, passa a vez para o próximo grupo. E se o novo grupo responder tem o direito de ganhar uma premiação, em forma de mimo do professor e, se não conseguir responder no ato é repassada a questão para o grupo inicial. E assim sucessivamente. Posteriormente, os integrantes dos três grupos são convidados a forma-rem uma RODA e dão início às perguntas e respostas relacionadas ao(s) caso(s), interca-lando-se um debate, mediado pelo professor.

Neste sentido, o grupo 1 escolhe formular uma questão ao grupo 2 ou 3, distinta daquelas formuladas pelo professor, no início da atividade. E assim, os três grupos devem elaborar questões distintas, com o tempo máximo de 10 segundos para cada grupo responder, até que todos tenham elaborado e respondido as respectivas questões, sempre mediado pelo debate do docente.

Possiblidade de Avaliação:

Será realizada mediante os critérios: assiduidade; interação grupal; participação; cons-trução de novos conceitos e interesse. Discussão e sobre o tema como forma de aguçar a participação do aluno; Formação dos grupos e a realização dos estudos sobre a temática;

Registro da iniciativa, participação e interesse;

Apresentação dos Resultados.

Critérios: Anotação de registros sobre a observação do ambiente enfatizando os possíveis fatores de risco relacionados com o processo saúde doença.

Pesquisa e seleção de fontes de informação, em diferentes formas e suportes

BRÊTAS, A. C .P.; GAMBA, M .A. Enfermagem e saúde do adulto. Barueri: Manole, 2006.

COMISSÃO NACIONAL SOBRE DETERMINANTES SOCIAIS DE SAÚDE. As causas sociais das ini-quidades em saúde no Brasil. Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008. 220 p. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/

causas_sociais_iniquidades.pdf

Atividade Experimental: Processo Saúde doença

A atividade consiste em conscientizar a comunidade escolar sobre a influência dos De-terminantes Sociais em Saúde ( DDS) no Processo Saúde doença das pessoas.

Descrição da Atividade Objetivos:

 Estimular os alunos à compreensão do processo saúde doença e dos fatores interferem a saúde do ser humano.

Materiais:

 Data show, computador ou celular com acesso à internet; texto e questões impressas.

Procedimentos: BRAINSTORMING

Questões norteadoras:

O que é saúde para você? O que é doença?

O que você precisa para ter saúde?

Quais os elementos que afetam a saúde das pessoas?

SUGESTÃO: assistir o vídeo de curta metragem “Ilha das Flores” para o fechamento da atividade proposta.

Link: https://youtu.be/Yy5l4Y5bVDY

ROTEIRO DE AÇÃO EDUCATIVA: Conscientização do

No documento PRÁTICAS EDUCATIVAS EM SAÚDE: ROTEIROS DIDÁTICOS (páginas 65-68)

Outline

Documentos relacionados