SOBRE O IMPACTO NOS RESULTADOS ACADÊMICOS

No documento FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E GOVERNO (páginas 69-73)

5 CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA FUTURAS PESQUISAS

5.2 SOBRE O IMPACTO NOS RESULTADOS ACADÊMICOS

A partir dos resultados acadêmicos médios dos municípios disponibilizados nas bases do INEP e da separação do grupo de municípios que possuem professores titulados pelo programa PROFMAT dessas bases, não foi possível associar os efeitos do mestrado profissional em matemática aos resultados médios dos municípios afetados com base no modelo completo proposto. Considerando-se a segunda pergunta de pesquisa, observou-se um efeito positivo do programa desde uma análise simplificada com uma regressão simples, com um acréscimo de 7,7 pontos na nota de matemática média do município para cada 1% do total de professores do Ensino Básico desse município, titulados em nível de mestrado pelo programa até um acréscimo de 4,4 pontos quando foram introduzidos vetores de controles socioeconômicos e educacionais do município e, apenas, um controle para efeitos fixos para fatores omitidos não observados que são constantes ao longo do tempo. Entretanto, considerando-se os efeitos fixos utilizados no modelo adotado para a regressão proposta (equação 7), o impacto observado na presente

dissertação foi nulo, ou seja, um impacto de 0 pontos na nota média de matemática dos alunos de 9º ano do Ensino Fundamental do município para cada 1% do total dos professores de um município que se titulem em nível de mestrado pelo PROFMAT. A mesma avaliação observada no impacto sobre os rendimentos pode ser aplicada na análise do impacto nos resultados acadêmicos dos alunos, quando consideramos que não foi possível confirmar 805 discentes participantes atuando na atividade docente. Essa quantidade não afeta as tendências observadas no estudo no sentido de que o impacto do programa é nulo nessa dimensão acadêmica dos alunos.

Consideramos que essas conclusões têm limitações derivadas da metodologia de análise retrospectiva e da impossibilidade de se estabelecer uma relação da titulação de um determinado professor com as notas em matemática de seus alunos, assim como controles socioeconômicos individuais desses alunos em relação à construção da base de dados. Essa análise mais próxima entre estudante e professor titulado poderia resultar em uma avaliação do impacto mais ajustada às variáveis e aos fatores específicos relacionados ao desempenho dos alunos afetados pelo programa da CAPES, o que sugerimos para pesquisas futuras. Ainda assim, a metodologia utilizada permite avaliar o impacto do programa, quando supomos a influência da titulação de um professor na escola onde trabalha por meio de um efeito de transbordamento “spillover” em função do caráter colaborativo e cooperativo do exercício da profissão docente. Nesse sentido, entendemos ser possível avaliar um impacto positivo do programa, convergindo, ou não, para conclusões como as das pesquisas de Harris e Sass (2011) de que a titulação em nível de mestrado apresenta influência positiva nos resultados acadêmicos dos estudantes em matemática do Ensino Médio.

REFERÊNCIAS

BACOLOD, M. P. Do Alternative Opportunities Matter? The Role of Female Labor Markets in the Decline of Teacher Quality. The Review of Economics and Statistics, Vol.

89, n.4, p. 737-751, nov. 2007.

BALOU, D.; PODGURSKY, M. Teacher Pay and Teacher Quality. Upjohn Institute for Employment Research, Kalamazoo, MI, 1997.

BARIGOZZI, F.; RAGGI, D. Adverse selection in a labor market with motivated workers, University of Bologna, 2010.

BRITTON, J.; PROPPER, C. Teacher pay and school productivity: Exploiting wage regulation. Journal of Public Economics, 133, p. 78-89, 2016.

BUDDIN, R.; ZAMARRO, G. Teacher qualifications and student achievement in urban elementary schools. Journal of Urban Economics, v. 66, n. 2, p. 103–115, 2009.

CLOTFELTER, C.; LADD, H.; VIGDOR, J. How and Why Do Teacher Credentials Matter for Student Achievement. National Bureau of Economic Research, 2007a.

CLOTFELTER, C.; LADD, H.; VIGDOR, J. Teacher credentials and student

achievement: Longitudinal analysis with student fixed effects. Economics of Education Review. v. 26, p. 673-682, 2007b.

CURI, E.; PIRES, C. M. C. Pesquisas sobre a formação do professor que ensina matemática por grupos de pesquisa de instituições paulistanas. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 10, n. 1, pp. 151-189, 2008.

DARLING-HAMMOND, L. Teacher education around the world: What can we learn from international practice? European Journal of Teacher Education, 2017.

DARLING-HAMMOND, L. Teacher Quality and Student Achievement: A Review of State Policy Evidence. Education Policy Analysis Archives, vol. 8, n.1, p. 32, jan. 2000.

DOLTON, P.; GUTIERREZ, O. D. M. Teacher Pay and Pupil Performance - If you pay peanuts do you get monkeys? A cross-country analysis of teacher pay and pupil performance. Economic Policy, p. 5–55, jan. 2011.

FIGLIO, D. N., Teacher Salaries and Teacher Quality. Economic Letters, v. 55, p. 267-271, 1997.

GERTLER, P. J., et al. Impact Evaluation in Practice. The International Bank for Reconstruction and Development. Second Edition, p. 1-266, 2016.

GIUS, M. Using a difference-in-differences approach to estimate the effects of teacher merit pay on student performance. Eastern Economic Journal, v. 39, n. 1, p. 111–120, 2013.

GOLDHABER, D. Teacher Effectiveness Research and the Evolution of U.S. Teacher

Policy. n. 5, p. 1–22, 2015.

GOLDHABER, D. The mystery of good teaching, Education Next, vol. 2, n.1. 2002.

HANUSHEK, E. A., et al. Do Smarter Teachers Make Smarter Students? International Evidence on Teacher Cognitive Skills and Student Performance. Education Next, vol. 19, n. 2, p. 56-64, spring 2019a.

HANUSHEK, E. A.; PIOPIUNIK, M.; WIEDERHOLD, S. The Value of Smarter Teachers International Evidence on Teacher Cognitive Skills and Student Performance. Journal of Human Resources, v. 54, n. 4, p. 857–899, 2019b.

HARRIS, D. N.; SASS, T. R. Teacher training, teacher quality and student achievement.

Journal of Public Economics, v. 95, n. 7–8, p. 798–812, 2011.

HEYES, A. The economics of vocation or why is a badly paid nurse a good nurse?

Journal of Health Economics, vol. 24, p. 561-569, 2005.

LADD, H. F.; SORENSEN, L. C. Do master’s degrees matter? advanced degrees, career paths, and the effective. National Center for Analysis of Longitudinal Data in Education Research, n. August, p. 1–31, 2015.

LOEB, S.; PAGE, M. E. Examining the link between teacher wages and student

outcomes: the importance of alternative labor market opportunities and non-pecuniary variation. The Review of Economics and Statistics, vol. 3, n. 82, p. 393–408, ago. 2000.

LOUZANO, P., et al. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, vol. 21, n. 47, p.543-568, dez. 2010.

LUKAS, M. Impact of Teachers Income on Students Educational Achievements. SGEM 2014 Scientific SubConference on Psychology and Psychiatry, Sociology and Healthcare, Education, v. 3, n. November, p. 383–390, 2014.

MACKINSEY&COMPANY. How the world’s best-performing school systems come out on top, p. 17-23, set. 2007.

MOREIRA, M. A.; NARDI, R. O mestrado profissionalizante na área de Ensino de Ciências e Matemática: alguns esclarecimentos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, vol. 2, n. 2, 2009.

MORICONI, G. M. Os professores públicos são mal remunerados nas escolas brasileiras?

Uma análise da atratividade da carreira do magistério sob o aspecto da remuneração.

Dissertação de Mestrado em Administração Pública e Governo - FGV - Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2008.

MURMANE, R. J., et al. Who Will Teach? Policies that Matter. Harvard University Press.

Cambridge, MA, 1991.

OCDE. Effective Teacher Policies - Insights From Pisa Overview: Teacher Policies Matter. p. 33, 2018.

ODDEN, A.; KELLEY, C. Paying Teachers for What They Know and Do: New and Smarter Compensation Strategies to Improve Schools. Corwin Press Inc. Thousand Oaks, California. 1997.

PEDROZO, C. T.; BRANCHER, V. R.; BITENCOURT, C. J. Formação Permanente do Professorado: novas tendências. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 2, n. 2, p. 286–291, 2019.

PIRES, C. M. C.; IGLIORI, S. B. C. Mestrado Profissional e o Desenvolvimento

Profissional do Professor de Matemática. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 4, p. 1045-1068, 2013.

RIVKIN, S.G.; HANUSHEK, E.; KAIN, J. F. Teachers, Schools, and Academic Achievement. Econometrica, vol. 73, n. 2, mar. 2005.

SAHLBER, P., Lições finlandesas 2.0: o que a mudança educacional na Finlândia pode ensinar ao mundo. Editora SESI-SP, 2018.

SBM. Profmat: uma reflexão e alguns resultados. SBM, 2017.

SCHLEICHER, ANDREAS. Pisa 2018: Insights and Interpretations. OECD, 2019.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Documento Técnico Educação Já!. 3ª edição, dez. 2018.

TODOS PELA EDUCAÇÃO. Pisa 2018: para voltar a avançar, brasil precisa investir na profissionalização e no prestígio da carreira dos professores

https://todospelaeducacao.org.br/noticias/pisa-2018/ . Acesso em 13/05/2021.

VITAL, A.; GUERRA, A. A Natureza da Ciência no Ensino de Física: Estratégias Didáticas Elaboradas por Professores Egressos do Mestrado Profissional. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 31, n. 2, p. 225-257, ago. 2014.

No documento FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E GOVERNO (páginas 69-73)