3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

5. RESULTADOS E DISCUSSÃO

5.3 DIRETRIZES PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UNIDADE DE ENSINO INFANTIL, FUNDAMENTAL E MÉDIO DA REDE

5.3.4 Verificação e correção

Para avaliação da implantação do SGA, torna-se necessário um monitoramento a ser definido pela comissão, que deverá ocorrer de forma sistemática. Por meio deste monitoramento, é possível verificar falhas no processo e a partir daí tomar as decisões necessárias que nortearão os procedimentos futuros.

As verificações podem ocorrer através de auditorias internas, que se trata de um processo sistemático, independente e documentado para obter evidência e

avaliá-la objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios de auditoria do sistema de gestão ambiental estabelecidos pela organização são atendidos,

através de auditorias externas, a serem realizadas por órgãos competentes

credenciados. Também poderão ocorrer através de indicadores de desempenho que permitem um acompanhamento contínuo, verificando os pontos de melhorias, como a diminuição nos gastos com água, energia e insumos, ou mesmo para promover ações corretivas.

Winandy (2012) recomenda as seguintes ações:

 Definir os indicadores relacionados às suas metas e objetivos;

 Acompanhar os indicadores na periodicidade necessária definida para cada um deles;

 Realizar auditorias internas que verifiquem os programas implantados e a observância dos processos;

 Realizar auditorias externas para verificar a implantação e execução do SGA.

Em relação aos resíduos sólidos, caberá à comissão organizar subcomissões nos diversos setores para instituir a coleta seletiva, definindo os materiais que deverão ser reciclados, cobrando da administração a compra dos cestos apropriados para a coleta seletiva para todos os setores da instituição, providenciando o local de armazenamento e estabelecendo uma rotina de coleta desses materiais.

Caso haja o interesse em parcerias com cooperativas de catadores de lixo, a comissão do SGA deverá organizar e documentar o controle de saída dos materiais.

Este controle poderá servir como indicador do sistema.

6 CONCLUSÕES

A instituição de ensino estudada tem demonstrado interesse com os problemas relacionados ao meio ambiente. Isto pode ser percebido através de uma postura proativa da unidade frente às questões ambientais, promovendo periodicamente eventos como projetos, palestras, feiras e mostras culturais, abordando o tema meio ambiente. Alguns programas também estão sendo praticados, ressaltando a importância da minimização dos resíduos gerados, além da conscientização constante para a prática da coleta seletiva e reciclagem.

da coleta de dados. Foi realizada através da análise das diretrizes ambientais que devem ser seguidas para implantação de um SGA, baseando-se na norma ISO 14001 e na A3P, em uma instituição de ensino, visando à minimização dos impactos sobre o meio ambiente.

Foi feita a caracterização das instituições de ensino infantil ao médio, a avaliação dos principais requisitos exigidos pela legislação ambiental, o diagnóstico da situação atual da gestão ambiental da instituição, o levantamento das vantagens econômicas, ambientais e sociais proporcionadas à instituição com a implantação do SGA e como proposta, foram elaboradas as diretrizes para implantação do SGA, baseando-se a norma ISO 14001 e a A3P.

Durante o levantamento bibliográfico pôde-se perceber que a A3P e a norma ISO 14001 apresentam alguns pontos que se interrelacionam, como por exemplo, ambas baseiam-se no ciclo de melhoria contínua, conhecido como PDCA, iniciam-se com um diagnóstico da unidade estudada, apresentam a fase de planejamento, desenvolvimento de atividades e projetos, implantação, operação, mobilização, sensibilização, verificações e ações corretivas, que proporcionam melhoria contínua, portanto, podem ser utilizadas em concomitância.

A investigação feita através de questionários e entrevistas possibilitou uma visão ampla da instituição, contribuindo para o desenvolvimento desta dissertação, possibilitando através do diagnóstico, observar a ocorrência de alguns aspectos ambientais que podem incidir em impactos ao meio ambiente e, que normalmente, são decorrentes da falta de informação.

Tendo como referência a pesquisa efetuada, inicialmente a instituição poderá proceder à implantação do SGA baseando-se nas orientações e benefícios previstos na A3P, que não requer investimento financeiro oneroso e que já dispõe de um grupo voluntário para o desenvolvimento. Uma vez implantada a A3P a instituição poderá introduzir a ISO 14001, passando a cumprir os requisitos previstos nesta norma.

Após a implantação do Sistema de Gestão Ambiental sugere-se fazer um monitoramento na organização, visando à verificação e a medição dos processos, das metas estabelecidas e dos objetivos do SGA.

Como orientação dos trabalhos futuros recomenda-se:

 A criação da comissão responsável pela elaboração e implantação do Sistema de Gestão Ambiental;

 A definição de tarefas e responsabilidades;

 A definição de projetos e atividades que serão realizadas;

 A implementação das ações aprovadas pela alta administração;

 A verificação e a avaliação das ações corretivas necessárias para o bom funcionamento e a melhoria contínua dos processos através de indicadores de desempenho previamente estabelecidos pela equipe gestora de implantação do SGA;

 A revisão periódica dos objetivos e das metas e;

 Treinamentos que qualifiquem os funcionários quanto à questão de resíduos recicláveis e não recicláveis e a utilização dos reagentes químicos e seus descartes além de treinamentos aos professores, alunos e funcionários envolvendo o maior número possível de pessoas.

Este estudo poderá ser utilizado na unidade de ensino em questão e/ou nas demais unidades de ensino, pertencentes à mesma rede, vindo a contribuir com a instituição de modo a fornecer as diretrizes gerais para implantação e manutenção do sistema, melhorando o desempenho ambiental, aumentando a competitividade, promovendo economia de insumos e energia, reduzindo desperdícios, além da aumentar a credibilidade perante seus clientes e comunidade proporcionando, deste modo, melhoria da imagem perante a sociedade, além disso, a implantação do SGA na unidade de ensino permitirá a mudança nos hábitos e atitudes de seus colaboradores e nas ações adotadas, promovendo, assim, a consolidação de uma imagem positiva perante seus clientes, a preservação dos recursos naturais, a diminuição dos gastos com insumos, além de abrir o caminho para que a unidade promova ações pensando no desenvolvimento sustentável.

Através deste levantamento pode-se concluir que a implantação do SGA faz-se necessária, não somente por uma questão de melhoria e preocupação ambiental, mas por desenvolvimento pessoal da equipe de colaboradores e segurança pessoal.

REFERÊNCIAS

A evolução das certificações ISO 14001 no Brasil. Revista Meio Ambiente

Industrial, São Paulo, n. 55, maio/junho, 2005.

AMARAL, S. T.; MACHADO P. F. L.; PERALBA, M. C. R., CAMARA, M. R.; SANTOS,T. dos; BERLEZE, A.; FALCÃO, H. L.; MARTINELLI, M.; GONÇALVES, R.S.;OLIVEIRA, E. R. de; BRASIL, J. L.; ARAÚJO, M. A. de e BORGES, A. C. A.;

Relato de uma Experiência: Recuperação e Cadastramento de Resíduos dos Laboratórios deGraduação no Instituto de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Química Nova, vol. 24, n.º 3, p.419-423, 2001.

AMBICARE. Acidente ambiental em Minamata. Disponível em:

<http://www.ambicare.com/downloads /minamata_case_study.pdf>. Acesso em: 23 jul. 2011.

ANDREOLI, C.V. Gestão Ambiental, Coleção Gestão Empresarial, v.2, p.59-70, Curitiba, 2002.

ANGLO BOITUVA. SGA em escolas. Disponível em:

<http://www.angloboituva.com.br/paginas/fique_ projetos. php >. Acesso em: 25 jul. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Conheça a ABNT.

Disponível em: < http://www.abnt.org.br/m3.asp?cod_pagina=929>. Acesso em: 12 out. 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14001: sistema de gestão ambiental – diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Manual

de treinamento e desenvolvimento. 2ª edição, São Paulo: Makron Books, 1994.

BARBIERI, J. C. Gestão Ambiental Empresarial: Conceitos, Modelos e Instrumentos. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

BATICH, P. Associação Congregação de Santa Catarina, São Paulo, 19 jul. 2011. Entrevista concedida a Eliane Kleinfelder Ferraioli de Paula.

BERMAN, M. Educação e gestão ambiental. 2. ed. Blumenau: SENAI, 2002. BERMAN, M. Educação e gestão ambiental. Blumenau: SENAI, 2000.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BERNA, V.S.D. Como fazer educação ambiental. 3. ed. São Paulo, 2007.

BOGO, J. M. Sistema de gerenciamento ambiental segundo a ISO 14001 como

inovação tecnológica na organização.1998.Dissertação (Mestrado) - Universidade

BOOG, E. G.; BIZZO, W. A. Perspectivas de melhorias ambientais das normas da série ISO 14000. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E SANEAMENTO AMBIENTAL, 1999, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABES, 1999. p.3855-3863

BRASIL. CONAMA. Resolução nº 001 de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental. Diário

Oficial da União, Brasília - DF, 17 fev. 1986.

BRASIL. Lei n º 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília - DF, 02 set.1981.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília - DF, 23 dez.1996.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário

Oficial da União, Brasília, 28 abr. 1999.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 2010.

BRAUNS, B. Sistema de Gestão Simplificado – um modelo aplicável à micro e pequenas empresas do setor de serviços. 2007. 86f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, São Paulo, 2007.

BRÜSEKE, F. O problema do desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTI, C. (Org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1994. p.29 -40.

BUENO, R. K. CICLO PDCA – ferramenta de qualidade Disponível em:

<http://www. http://roneibueno.blogspot.com. br/>. Acesso em: 07 jul. 2012.

CAMPBELL, A. R. M. Benefícios da implantação de um sistema de gestão

ambiental baseado na norma ISO 14001:04: estudo de caso em empresa de

eletroeletrônicos. 2007. 56 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisas Tecnológicas, São Paulo, 2007.

CAMPOS, L. M. S. Um estudo para definição e identificação dos custos da

qualidade ambiental. 1996. Dissertação (Mestrado Engenharia de Produção) -

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1996.

CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando pessoas. 2ª edição. São Paulo: Makron Books, 1994.

COLÉGIO CRISTO REI. Informações gerais, história, implantação de sistema

de gestão ambiental. Disponível em: <http://www.cristorei.g12.br>. Acesso em: 30

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso

futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988. 430p.

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Construindo o Sistema Nacional

Articulado de Educação: O Plano Nacional de Educação, Diretrizes e Estratégias de Ação, Brasília, Distrito Federal, abril, 2010.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, Diário Oficial da

União. Brasília, 5 de out. 1988.

DONAIRE, D. A internalização da gestão ambiental na empresa. Revista de

Administração, São Paulo, v.31, n.1, p.44-51, jan/mar, 1996.

FELIX, R. A. Z. Coleta seletiva em ambiente escolar. Revista Eletrônica Mestrado

Educação Ambiental. v.18, jan./jun. 2007.

FERES, Y. N.; ANTUNES, F. Z. Gestão ambiental em instituições de ensino: programa ecoeficiência e sistema de gestão ambiental do SENAC-SP. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO AMMBIENTE, 9., 2007, Curitiba. Anais... São Paulo: FGV, 2007. p.1-15.

FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Ed. Positivo, 3.ed., 2004.

FIESP. Melhore a competitividade com o Sistema de Gestão Ambiental - SGA / Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. – São Paulo : FIESP, 2007. 84p. : il. – (Normas e Manuais Técnicos).

FIORILLO, C. A. P. Curso de direito ambiental brasileiro. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

FRANCISCO, W. C. Rio + 10: a busca pelo equilíbrio ambiental. Disponível em: <http://www.brasilescola.com>. Acesso em: 15 nov. 2011.

FRANK, B.; QUADROS, D. S. Desenvolvimento do sistema de gestão ambiental

da universidade regional de Blumenau. [S. l.: s. n.], 2003.

FRAZÃO, R.F.L.F. Práticas na implementação de sistemas de gestão ambiental

baseados na ISO 14001:2004: análise crítica e proposições para melhoria contínua. 2004. 313f. Dissertação (Mestrado Profissional) – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo, São Paulo, 2004.

GAVRONSKI, I. Gestão estratégica de operações sustentáveis: levantamento das empresas brasileiras certificadas na norma NBR ISO14001. 2003. 171 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Curso de Pós-graduação em Administração, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2003.

Gestão Ambiental da UFRGS. Informações gerais, história, implantação de

sistema de gestão ambiental. Disponível em: <http://www.paginas.ufrgs.br/sga/br>.

GHENO, R. Sistema de gestão ambiental e benefícios para a organização: estudo de caso em empresa metalúrgica do RS, 2006. 149 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Engenharia e Arquitetura, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2006.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996. HARVEY, D. A condição pós-moderna. 9. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

HELENE, M. E. M.; BICUDO, M. B. Sociedades sustentáveis: cenário mundial. Campinas: Scipione, 1994.

Homenagem às Empresas Certificadas em Conformidade coma Norma ISO 14001.

Revista Meio Ambiente Industrial, São Paulo, n. 91, p.32-39, maio/junho, 2011.

HOSKEN, M. J. C. Conceitos de gestão ambiental. Curitiba: [s.n.], 2008. 11p. Disponível em:

<http://www.qualidade.adm.br/uploads/meioambiente/conceitos_gestaoambiental.pdf >. Acesso em: 12 maio 2011.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Ed. Objetiva, 2009.

INTERGOVENMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Climate Change: The IPCC impacts assessment. Camberra: IPCC, 1990. 294p.

INTERGOVENMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Informações gerais da

homepage. Disponível em: http://www.ipcc.ch>. Acesso em: 16 nov. 2011.

INTERGOVENMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. IPCC second assessment

climate change 1995. Camberra: IPCC, 1995. 73p.

INTERGOVENMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Synthesis Report. Camberra: IPCC, 2001.

INTERGOVENMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. The AR4 Synthesis

Report. Camberra: IPCC, 2007. 104p.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. Environmental

Management Systems - General guidelines on principles, systems and supporting techniques. Geneve: ISO, 1995. p.1- 53. (Committee Draft: ISO

14000:199XISO/TC 207/SC1/WG2)

JUNIOR, M. C. Ampliando as fronteiras do ensino.Disponível em: http://www.brasil.gov.br. Acesso em 28 de jul. 2012.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, Vozes, 2001.

LINDNER, N. Educação ambiental como meio de integração do sistema de

gestão ambiental à cultura organizacional: uma proposta metodológica. 2000.

Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

LUNARDI, D. G.; LUNARDI, V. O. A arte de criar e educar com o lixo. Revista

Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental, v.21, p.186-189, jul./dez. 2008.

MACHADO, A. M. R. Normas elaboradas pela Unidade de gestão de resíduos

UGR/CEMA/UFSCAR, São Carlos-SP, 2005.

MAGRINI, A.; POMBO, R. F. Panorama de aplicação da norma ISO 14001 no Brasil.

Gestão e Produção, São Carlos, v. 15, n. 1, p. 1-10, jan./abr. 2008.

MATIAS, P. J. Manual de metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Atlas, 2007.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Agenda ambiental na administração pública. 4. ed. Brasília: MMA, 2007. (Folhetos)

MIRANDA, S. Oficina de dinâmica de grupos para empresas, escolas e grupos

comunitários. 5ª Ed, Papirus, São Paulo, 1996.

MORALES, A. G. M. Formação do educador ambiental: (re) construindo uma reflexão epistemológica e metodológica frente ao curso de especialização em educação, meio ambiente e desenvolvimento. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 6., 2006, Curitiba. Anais... Curitiba: UFPR, 2006.

MOREIRA, M. S. Estratégia e Implantação do sistema de gestão ambiental

(modelo ISO 14000). Belo Horizonte: Editora Desenvolvimento Gerencial, 2001.

286p.

MOURA, L. A. A. Economia ambiental: gestão de custos e investimentos. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2000.

MOURA, L. A. A. Economia ambiental: gestão de custos e investimentos. 2. ed. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2003. p.248.

MOUSINHO, P. Glossário. In: TRIGUEIRO A. (Org.). Meio Ambiente no Século

21: 21 especialistas falam da questão nas suas áreas de conhecimento. Rio de

Janeiro, Sextante, 2003.

MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Informações gerais da homepage. Disponível em: <http://www.mudancasclimaticas.andi.org.br>. Acesso em: 11 ago.2011.

NAIME, R. Diagnóstico ambiental e sistemas de gestão ambiental. Novo Hamburgo: Feevale, 2004.

NEVES, E.;TOSTES, A. Meio Ambiente: Aplicando a Lei. Petrópolis: Vozes, 1992. Normas da ISO Série 14000. International Organization for Standardization.

Informações gerais da homepage. Disponível em: <http://www.iso.org.br>. Acesso

em: 12 out. 2011.

PALADINI, E. P. Gestão da qualidade: a nova dimensão da gerência da produção. 1996. 207 f. Tese (Concurso para professor titular) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos 1996.

RELATÓRIO DE AÇÕES/ ATIVIDADES DA AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA – A3P. Ministério do Meio Ambiente, Disponível em: <http://www. mma. gov.br/ estruturas/a3p/_arquivos/relat_ativ.pdf.br>. Acesso em: 20 ago 2012.

SEIFFERT, M. E. B. Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. São Paulo: Atlas, 2007.

SEIFFERT, M. E. B. ISO 14001 sistemas de gestão ambiental: implantação objetiva e econômica. São Paulo: Atlas, 2006.

SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Curso básico de

gestão ambiental. Brasília: Sebrae, 2004.

SGA em Instituições de Ensino Superior. Revista Ciência & Educação, v.8, n.1, p.83–96, 2002.

STARKE, L. Lutando por nosso futuro em comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991. TACHIZAWA, T. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

TECNOLOGIA E GESTÃO. Ciclo PDCA e informações sobre Deming. Disponível em: <http://www. http://tecnologiaegestao.wordpress.com/>. Acesso em: 20 set. 2011.

TOCCHETTO, M. R. L. O gerenciamento dos resíduos sólidos industriais. Curso de

Química Industrial,Universidade Federal de Santa Maria, Porto Alegre, 2005.

TAUCHEN, J.; BRANDLI, L. L. A gestão ambiental em instituições de ensino superior: modelo para implantação em campus universitário. Gestão e Produção, v.13, n.3, p.503-515, set./dez. 2006.

TIBOR, T.; FELDMAN, I. ISO 14000: um guia para as novas normas de gestão ambiental. São Paulo: Futura, 1996.

UNESCO. Educação para um futuro sustentável: uma visão transdisciplinar para ações compartilhadas. Brasília, IBAMA, 1999.

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DO SINOS. Histórico. Disponível em: <http://www.unisinos.br/sga/index.php?option=com_content&task=view&id=82&Itemi d=168&menu_ativo=active_menu_sub&marcador=168>. Aceso em: 20 jul. 2011. VIOLA, E. J.; LEIS, H. R. Desordem global da biosfera e a nova ordem internacional: o papel organizador do ecologismo. In: LEIS, H. R. (Org.). Ecologia e

política mundial. Rio de Janeiro: Vozes, 1991. p.23-50.

WINANDY, A.J.C. Diretrizes para implantação de sistema de gestão ambiental

no setor de varejo supermercadista. 146f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo – IPT, São Paulo, 2012.

APÊNDICE A - Modelo do Questionário 1

Prezado (a) Senhor (a):

O presente questionário é parte de uma pesquisa para elaboração da dissertação do Mestrado em Tecnologia Ambiental, Área de Concentração: Gestão Ambiental, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), cujo objetivo é verificar a viabilidade da implantação de um Sistema de Gestão Ambiental no Colégio Padrão Ambiental.

Este questionário tem objetivo essencialmente acadêmico, não havendo necessidade da identificação pessoal. Por isso, solicito que responda todas as questões, sem pular nenhuma, com o máximo de fidelidade naquilo que você pensa sobre os itens.

Agradeço sua colaboração no preenchimento deste questionário. Atenciosamente.

Eliane Kleinfelder Ferraioli de Paula

Mestranda em Tecnologia Ambiental (Gestão Ambiental) Fones: (11) 2897-4347 Celular (11) 96737-8940 e- mail: elianeferraioli@hotmail.com

Modelo do questionário 1

SIM NÃO

1. Você sabe quais são os locais que mais geram lixo na escola? 2. Você conhece os resíduos que sua escola gera?

3. Você sabe o que é coleta seletiva?

4. Você separa o lixo reciclável do não reciclável antes de jogá-lo fora?

5. Sua escola possui cestos de lixos apropriados para coleta seletiva? 6. Você acredita que a separação do lixo antes do descarte atrasaria

seu trabalho?

7. Você participaria de um programa de melhorias ambientais no colégio?

APÊNDICE B - Modelo do Questionário 2

Prezado (a) Senhor (a):

O presente questionário é parte de uma pesquisa para elaboração da dissertação do Mestrado em Tecnologia Ambiental, Área de Concentração: Gestão Ambiental, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), cujo objetivo é verificar a viabilidade da implantação de um Sistema de Gestão Ambiental no Colégio Padrão Ambiental.

Este questionário tem objetivo essencialmente acadêmico, não havendo necessidade da identificação pessoal. Por isso, solicito que responda todas as questões, sem pular nenhuma, com o máximo de fidelidade naquilo que você pensa sobre os itens.

Agradeço sua colaboração no preenchimento deste questionário. Atenciosamente.

Eliane Kleinfelder Ferraioli de Paula

Mestranda em Tecnologia Ambiental (Gestão Ambiental) Fones: (11) 2897-4347 Celular (11) 96737-8940 e- mail: elianeferraioli@hotmail.com

Modelo do questionário 2

SIM NÃO

1. Quantos sacos de lixo de 100 litros são recolhidos por dia? (Menos de 10?) Favor especificar quantos.

2. Os sacos de lixo recolhidos possuem um local adequado para armazenamento?

3. Existe uma pessoa responsável para retirar o lixo do colégio e colocá-lo na rua?

4. Há treinamento aos funcionários para manuseio do lixo?

APÊNDICE C - Modelo do Questionário 3

Prezado (a) Senhor (a):

O presente questionário é parte de uma pesquisa para elaboração da dissertação do Mestrado em Tecnologia Ambiental, Área de Concentração: Gestão Ambiental, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), cujo objetivo é verificar a viabilidade da implantação de um Sistema de Gestão Ambiental no Colégio Padrão Ambiental.

Este questionário tem objetivo essencialmente acadêmico, não havendo necessidade da identificação pessoal. Por isso, solicito que responda todas as questões, sem pular nenhuma, com o máximo de fidelidade naquilo que você pensa sobre os itens.

Agradeço sua colaboração no preenchimento deste questionário. Atenciosamente.

Eliane Kleinfelder Ferraioli de Paula

Mestranda em Tecnologia Ambiental (Gestão Ambiental) Fones: (11) 2897-4347 Celular (11) 96737-8940 e- mail: elianeferraioli@hotmail.com

Modelo do questionário 3

SIM NÃO

1. Você sabe como descartar corretamente o lixo produzido na escola?

2. Você conhece os resíduos que a escola gera?

No documento Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Eliane Kleinfelder Ferraioli de Paula (páginas 111-130)