• Nenhum resultado encontrado

AS ATUAÇÕES DO PSICÓLOGO EM INSTITUIÇÕES ... - Univali

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2023

Share "AS ATUAÇÕES DO PSICÓLOGO EM INSTITUIÇÕES ... - Univali"

Copied!
71
0
0

Texto

E como objetivos específicos: analisar a demanda por psicologia na ILPI; conhecer quais atividades são desempenhadas pelos psicólogos na ILPI; comparar a relação entre as condições de trabalho e as exigências identificadas pelos psicólogos da ILPI; apontar as vantagens e os problemas que os psicólogos encontram ao trabalhar nas ILPI; e explore os benefícios que os psicólogos encontram trabalhando na ILPI. Os resultados mostram que os principais requisitos de trabalho na ILPI são os idosos, seus familiares e funcionários, e que o trabalho do psicólogo deve ser baseado em ações como diagnóstico, interação entre os idosos, participação em equipe interdisciplinar, equipes de cuidado e informação aos familiares. . , idosos e colaboradores, escuta individualizada com idosos e colaboradores.

INTRODUÇÃO

Esse fato acaba prejudicando a promoção da saúde dessa população e aumenta ainda mais a prevalência de idosos em lares de idosos (CHAVES et al., 2009). Portanto, o objetivo geral desta pesquisa foi compreender a atuação do psicólogo em instituições de longa permanência para idosos.

EMBASAMENTO TEÓRICO

Envelhecimento

Por conta disso, Neri (2005) explica que a velhice geralmente está associada apenas a doenças, declínio irreversível e morte. A representação social distorcida de que a velhice é apenas a última etapa da vida e permeada de perdas, contribui para a divisão da população idosa na sociedade.

Instituições de Longa Permanência para idosos

Em contraste, Creutzberg et al. 2008) lembram que nem sempre os idosos são abandonados pelas famílias. Os autores (DAVIM et al., 2004) alertam que as ILPI devem ser respeitadas, pois representam uma escolha e não devem ser lembradas apenas no apoio aos idosos que não podem permanecer com suas famílias. explica que as instituições para idosos surgem como uma resposta natural da sociedade para atender aquelas pessoas sem recursos e sem família. que não tem condições de cuidar das necessidades do idoso.

Psicologia e Velhice

Neri (2005) indica algumas possibilidades de trabalho para psicólogos idosos em diferentes contextos, como orientação e acompanhamento de sujeitos e instituições; na geração de programas para melhorar a qualidade de vida e mudar atitudes; no trabalho de reabilitação cognitiva e apoio psicológico aos idosos; ações informativas; e na prestação de serviços psicológicos a instituições que prestam serviços sociais. Em relação às ILPIs, Neri (2005) indica que a Psicologia pode contribuir para o bem-estar dos idosos, ao proporcionar capacitação para melhorar as competências profissionais e apoio psicológico aos profissionais que trabalham com idosos, ajudar no planejamento e avaliação dos serviços.

ASPECTOS METODOLÓGICOS

Portanto, para uma melhor visualização, segue abaixo uma tabela que caracteriza os dados de cada participante. As entrevistas semiestruturadas (ANEXO C) foram realizadas em horário e local escolhido por cada participante de acordo com suas preferências.

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS

Trazer parentes que estejam longe para as ILPIs. Realize festas e eventos para integração de familiares e idosos. F. Na categoria Condições de Trabalho foram encontradas 5 variáveis ​​que influenciam o trabalho do psicólogo em relação às exigências das ILPIs. Falta de clareza sobre o real papel dos psicólogos nas ILPIs Encontre psicólogos trabalhando nas ILPIs.

Carga emocional de cuidar de idosos institucionalizados. Funcionamento das ILPIs como instituições totais Semelhança no trabalho com crianças. Foram destacados 17 benefícios em relação à atuação do psicólogo nas ILPIs, mas foram destacados maiores benefícios para os idosos. Idosos que não falavam começaram a falar. As pessoas mais velhas começaram a se dar melhor umas com as outras. Os idosos começaram a se juntar aos grupos. Os idosos se sentiram melhor.

DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Demanda e atividades

Segundo Elemiah (E) “Uma das demandas que considero importante é o atendimento individualizado ao idoso (..) através do trabalho de escuta conseguimos conhecer as pessoas e garantir uma maior integração entre elas”. Magesky, Modesto e Torres (2009) também compartilham a ideia de criar um espaço na ILPI para que os idosos possam refletir juntos e discutir suas experiências. Programas para melhorar a qualidade de vida ajudam os idosos institucionalizados a envelhecer de forma saudável.

Como complemento à atividade anterior, Caliel (P) sugere envolver os familiares em atividades junto aos idosos. O entrevistado Vasahiah (E) destaca que é importante “trazer os familiares do idoso para dentro da casa de repouso, perto do idoso”. 2007a), quando a família se aproxima da ILPI, busca uma parceria para cuidar de seu idoso, e a instituição por sua vez espera que a família também ajude nesse cuidado. Fragoso (2008) refere que o aumento da responsabilidade e adaptação das tarefas, para que os idosos institucionalizados tenham maior controlo sobre as suas vidas, resulta em efeitos positivos na sua condição e saúde.

Condições de trabalho

Diante de tantas demandas, é interessante saber se as ILPIs oferecem as condições necessárias para a realização dessas obras. Isso também foi sentido por Ariel (P): “mas a questão é que eu não fico aqui o tempo suficiente (para desenvolver um grupo com idosos) (..) e cuido da parte organizacional da instituição (. . ) Eu faço toda a folha de pagamento, só para vocês terem uma ideia.” Ao falar sobre condições de trabalho e remuneração, torna-se interessante caracterizar as ILPI brasileiras: segundo Creutzberg, Gonçalves e Sobottka (2007b), a maioria das instituições asilares brasileiras são públicas.

Os mesmos autores afirmam que cabe às ILPIs públicas arrecadar os recursos necessários para custeio e. Como alternativa, contam com parcerias com empresas que apresentam programas de responsabilidade social e programas de bazares internos e festas socialmente abertas (CREUTZBERG, GONÇALVES E SOBOTTKA, 2007b). 2006) apontam que, em geral, as ILPIs apresentam, além dos problemas financeiros, uma grande carência de profissionais adequados como psicólogos, médicos, etc. Damabiah (P) afirma: “O que mais vejo que me incomoda no trabalho é o espaço confinado, é o que mais me incomoda.

Facilidades

Essa visão abrangente é importante, pois permite compreender melhor aspectos da vida e da saúde dos idosos, suas histórias, falas e comportamentos (FONSECA et al., 2007). O autor lembra ainda a importância de aliar os saberes da geriatria e da gerontologia aos saberes populares dos idosos. Caliel (P) demonstra como foi sua ligação com a instituição e a forma como seus valores foram explicados: “Estou lá (na ILPI) um porque me apeguei, outro porque gosto dessa experiência, então agora tenho não há como sair.

O objeto decorre da abertura e receptividade dos idosos pela falta de amor e necessidades de contato, o que os torna mais dispostos a participar das intervenções propostas pela ILPI. Na publicação realizada pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social de Curitiba (IPARDES, 2008) é explicado que muitos dos idosos que vivem em ILPI sofrem de solidão, apatia, saudade e carência. Em síntese, a capacidade do psicólogo para atuar na ILPI se deve ao programa oferecido pelo município, foco idosos; a compreensão que a Psicologia oferece na compreensão da pessoa como ser integral, cuidando da saúde emocional e psicológica; trabalhar com equipes interdisciplinares; apoio da coordenação das instituições e liberdade oferecida aos psicólogos para a realização de atividades; e a aceitação dos idosos e seus familiares em relação ao trabalho da Psicologia.

Dificuldades

Dois entrevistados relataram a falta de vínculo e integração entre os idosos em ILPI como uma dificuldade, embora também tenham destacado como uma atividade que gostariam de explorar melhor: Caliel (P): “Falta muita integração entre eles”. Guidetti e Pereira (2008) investigaram a importância da comunicação na socialização de idosos institucionalizados, os dados revelados por este estudo mostraram que com a institucionalização, os idosos tendem a se isolar, e muitos deles, independentemente do quanto vivam juntos, o fazem. isto. não se comunicando ou interagindo, sem socialização e convivência participativa. Magesky, Modesto e Torres (2009) indicam que se a relação entre idosos institucionalizados for mais saudável, eles terão um.

Os idosos vivem de acordo com rotinas e horários previamente determinados pela gestão, o que implica na perda da expressão da subjetividade e dos desejos dos moradores. Esta situação é caracterizada por baixo prestígio social, o que leva à tristeza e ao isolamento dos idosos. Born (1996) explica que se o idoso não tiver um horário planejado, a ILPI tende a ser extremamente monótona e começa a desenvolver uma passividade aprendida.

Benefícios

Por fim, serão apresentados os benefícios que o trabalho do psicólogo traz para o contexto das ILPI. Para legitimar os benefícios dessa ação de psicólogos e estagiários em ILPIs, serão destacadas a seguir as falas de cada participante sobre os benefícios identificados, pois foi encontrado pouco referencial teórico sobre os benefícios deste trabalho. Rafael (E) descreve que os benefícios envolvem todas as intervenções realizadas na ILPI: "Enquanto fazíamos os grupos, acompanhávamos os idosos, enquanto ouvíamos os idosos, enquanto fazíamos os testes, enquanto trabalhávamos com desenho, enquanto fazíamos trabalhávamos com pintura, enquanto trabalhávamos com música, com movimento, eram diferentes.

Vasahiah (L) explica os benefícios paralelos que o seu trabalho com os idosos trouxe: “Há benefícios para os idosos e também para os trabalhadores. Sobre os benefícios, Ariel (P) explica que são para idosos, familiares e funcionários, e que é o psicólogo quem incentiva o trabalho interdisciplinar: “A gente vê aqui a importância do trabalho do psicólogo, porque no final das contas eles vão te procurar . . No geral, os benefícios destacados são os seguintes: os idosos eram mais felizes e afetuosos; falavam com mais facilidade, até os idosos começaram a falar; os idosos passaram a participar de atividades, ingressar e integrar-se em grupos, criando um sentimento de pertencimento; conviver melhor um com o outro; os idosos sentiram-se melhor, a autoestima melhorou;

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Não devemos apenas aceitar a longevidade humana como uma grande conquista, devemos continuar a lutar para que os idosos possam viver uma vida de qualidade, com amor e felicidade e, acima de tudo, para que possam participar ativamente no seu ambiente social. Refletir sobre os cuidados prestados pelos cuidados de longa duração é fundamental para avançar em intervenções que garantam um envelhecimento de qualidade. Observando que os programas de cuidados aos idosos não se concentram apenas na reabilitação, é fundamental pensar preventivamente e traçar alternativas para que não tenham que chegar ao ponto de institucionalizar os idosos.

À luz da pesquisa realizada, sugiro novas pesquisas sobre a atuação do psicólogo nas ILPI, com uma população maior de psicólogos atuantes em instituições, buscando caracterizar detalhadamente essas ações. Além disso, ressalto a importância de pesquisar a atuação do psicólogo em outros contextos institucionais que atendem idosos, como centros de convivência e creches, pois são alternativas pouco utilizadas em nosso país. Pessoalmente, este trabalho permitiu-me aprofundar e explorar as minhas dúvidas sobre o papel dos psicólogos mais velhos e das ILPI.

BRASIL, Ministério Público de Santa Catarina, Decreto N. lt;http://www.mp.sc.gov.br/portal/site/portal/portal_lista.asp?campo=808>. Compreendendo família e saúde do idoso: um estudo em uma instituição de longa permanência na cidade de São Paulo. A importância da comunicação na socialização dos idosos. http://www.sare.unianhanguera.edu.br/index.php/reduc/article/view/168/165>.

Lar de idosos: passado e presente. lt;http://www6.ufrgs.br/seermigrando/ojs/index.php/RevEnvelhecer/article/viewFil e/5476/3111>. Anais da III Reunião dos Integrantes do Programa de Apoio às Ações Afirmativas de Inclusão Social, Londrina, 2008. lt;www.uel.br/inclusaosocial/pages/arquivos/iii-. Disponível em:

APÊNDICES

Apêndice A

Apêndice B

Apêndice C

Referências

Documentos relacionados

Para isto, os objetivos específicos são: [1] apresentar o histórico do microcrédito no Brasil; [2] analisar a atuação do Banco da Gente na cidade de Rondonópolis-MT e [3] identificar