• Nenhum resultado encontrado

instituto federal de santa catarina

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2023

Share "instituto federal de santa catarina"

Copied!
130
0
0

Texto

EFEITO DA IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE MOBILIDADE URBANA NO MUNICÍPIO DE BRUSQUE/SC SOBRE AS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA. Para tanto, elenca diretrizes voltadas para uma mobilidade urbana mais sustentável e com redução das emissões de gases de efeito estufa e, consequentemente, da poluição do ar.

OBJETIVOS

Objetivo geral

Esse é um dos motivos da importância da elaboração de estudos que relacionem planejamento urbano, políticas públicas, planejamento da mobilidade urbana, emissões de GEE e cenários de emissão (TOLEDO, 2019). Além disso, tendo em vista que esses municípios também estão elaborando seus planos de mobilidade urbana, a medida estudada em Brusque poderia incentivá-los a também fazê-los, com vistas à implantação gradativa de suas PMUs de redução de gases de efeito estufa.

Objetivo(s) específico(s)

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Mudanças de Uso da Terra

O setor de mudança de uso da terra - LUT continua sendo o principal emissor de gases de efeito estufa desde o ano de 1990, conforme mostra o SEEG (2021). Ao analisar o ano de 2020 é possível identificar que o MUT contribuiu com 998 milhões de toneladas de dióxido de carbono, o que no ano de análise representou 46% do total nacional.

Figura 2 - Principais processos envolvidos no setor de Mudança de Uso da Terra (MUT).
Figura 2 - Principais processos envolvidos no setor de Mudança de Uso da Terra (MUT).

Agropecuária

Na análise do subsetor, a fermentação entérica1 foi o maior contribuinte em 2020, causando emissões totais de 373 MtCO2e, representando 65% do total do setor (quase dois terços das emissões totais do setor). Diante desse cenário de aporte de emissões, é fundamental que esse setor aumente o uso de tecnologias de baixa emissão de carbono, como a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta - ILPF, pois isso leva a uma forte redução nas emissões de gases de efeito estufa. devido à fixação de carbono na biomassa e matéria orgânica do solo (ASSAD et al., 2019).

Setor de Energia

Com a segunda maior emissão está a emissão direta da agricultura, com 166 milhões de toneladas e um crescimento de 5,4% em relação a 2019 (SEEG, 2021). No entanto, a diminuição das emissões de GEE no setor neste cenário pandémico não é considerada a maior no período de 1970 a 2020, pois em 2016, época de abrandamento económico associado ao aumento da utilização de fontes de energia renováveis, a diminuição foi de 7,3%.

PROBLEMAS AMBIENTAIS

Os problemas ambientais decorrentes das atividades humanas já são sentidos no mundo há algum tempo devido às transformações já observadas, mas devido à continuação das transformações devido à liberação contínua de gases de efeito estufa, haverá ainda mais aquecimento e alterações nos componentes do sistema climático, como mencionado por Braun e Aumond, eles argumentam que o aumento das emissões de gases de efeito estufa aumenta a probabilidade de agravamento de problemas ambientais já percebidos e possibilita a existência de novos, que podem ser irreversíveis e até desconhecidos. Diante desse cenário de aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera e da incerteza de suas inúmeras consequências, fica claro que alguns ecossistemas e sistemas humanos são vulneráveis ​​a essa situação.

EFEITO ESTUFA

Gases de Efeito Estufa - GEE

  • Dióxido de carbono (CO 2 )
  • Metano (CH 4 )
  • Óxido nitroso (N₂O)

Os gases de efeito estufa mais importantes são: dióxido de carbono (CO2); metano (CH4) e óxido nitroso (N₂O), e a soma desses GEEs representa 98% da contribuição das emissões humanas para o efeito estufa (Figura 3). Sua permanência na atmosfera é menor, pois permanece por até doze anos, mas seu potencial de aquecimento é vinte e oito vezes maior em relação ao dióxido de carbono.

Figura 3 - Contribuição das emissões humanas para o efeito estufa antropogênico.
Figura 3 - Contribuição das emissões humanas para o efeito estufa antropogênico.

Meios de medição dos Gases de Efeito Estufa

  • Analisadores de gases
  • Simuladores/Softwares
  • Ferramentas de cálculo
  • Satélites ambientais

35 Os tópicos a seguir apresentarão alguns exemplos de metodologias para medição de gases de efeito estufa - GEE. Os satélites ambientais também são uma ferramenta para medir a emissão de gases de efeito estufa – GEE.

Influência dos GEE nos elementos meteorológicos

O prazo de análise é anual, período utilizado pela grande maioria das organizações para a elaboração de seus inventários de emissões de gases de efeito estufa. Os pesquisadores acreditam que esta análise é a primeira a quantificar, globalmente, as quantidades de emissões de metano diretamente relacionadas à extração de petróleo e seus derivados (UDOP, 2022).

Figura 6 - Futuras emissões anuais de dióxido de carbono (à esquerda) e de um subconjunto  dos demais principais gases não-CO 2  (à direita), nos cinco cenários
Figura 6 - Futuras emissões anuais de dióxido de carbono (à esquerda) e de um subconjunto dos demais principais gases não-CO 2 (à direita), nos cinco cenários

LEI DE MOBILIDADE URBANA

182 da constituição federal, com o objetivo de interligar diferentes modais de transporte e melhorar a acessibilidade e mobilidade de pessoas e cargas na área do município. II - prioridade dos modos de transporte não motorizado sobre os motorizados e dos serviços de transporte público compartilhado sobre o transporte individual motorizado; VI - a prioridade dos projetos de transporte público coletivo que estruturam o território e promovem o desenvolvimento urbano integral; Isso é.

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DO MUNICÍPIO DE BRUSQUE

Diagnóstico da situação atual - gerado pelo PMU Brusque

Segundo a UNIFEBE (2020), essa alta frequência de veículos na cidade acarreta diversos problemas de mobilidade urbana no município, além de causar esgotamento da capacidade dos corredores e vias existentes para o tráfego de veículos. Devido à duração dos veículos pesados ​​em diferentes áreas da cidade, há diminuição da velocidade das vias e consequentemente outros problemas; Constatou-se que o percentual de veículos pesados ​​é baixo na cidade, mas a forma como os caminhões circulam nas vias, sua baixa velocidade e o espaço que ocupam os tornam muito importantes para a consideração da mobilidade na cidade.

Figura 10 - Quantidade de veículos no município de Brusque entre os anos 2002 e 2020.
Figura 10 - Quantidade de veículos no município de Brusque entre os anos 2002 e 2020.

Área de estudo

A altitude do município varia de 20 metros acima do nível do mar a 940 metros (Figura 19), e o relevo do município é caracterizado pela forma de vale, resultando em uma típica bacia dendrítica, de onde escoam as águas dos afluentes no principal rio da cidade, o rio Itajaí-Mirim, que corre no sentido sudoeste-nordeste. Junto a esta ribeira existem zonas de relevo plano, onde se situa o centro do concelho, mas a ocupação para fins habitacionais tendeu ao longo dos anos a ocupar bairros com cotas mais elevadas, com o objetivo de evitar zonas de inundação em períodos de maior intensidade pluviométrica (JÚNIOR, 2007).

Figura 18 - Localização do município de Brusque/SC.
Figura 18 - Localização do município de Brusque/SC.

Cenários propostos

Dessa forma, foi realizada uma triagem das metas propostas na PMU e espelhadas para os anos estudados nos cenários propostos. O uso de veículos elétricos híbridos não foi considerado neste estudo, pois o PMU não continha metas quantificáveis ​​para a categoria de veículo motorizado individual relacionada a esse uso. Dessa forma, os alvos inseridos foram determinados pela análise do cotidiano dos habitantes de Brusque e demais informações contidas no PMU.

Tabela 2 - Distribuição das metas para a categoria de transporte coletivo para os cenários  propostos no estudo
Tabela 2 - Distribuição das metas para a categoria de transporte coletivo para os cenários propostos no estudo

AVALIAÇÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA - GEE DOS CENÁRIOS POR MEIO

Como o presente estudo trata da análise das emissões de gases de efeito estufa em veículos utilizados no município de Brusque, foram utilizadas as tabelas de cálculo para combustão móvel inseridas no escopo 1 do programa. Para ferramentas, a combustão móvel se origina das emissões de gases de efeito estufa da combustão do combustível no qual ocorre a oxidação. Os dados resultantes das análises são: consumo mensal de combustível; consumo mensal de combustíveis fósseis e biocombustíveis; emissões fósseis de CO₂ (t); emissões de CH₄ (t); Emissões de N₂O (t); emissões totais (t CO₂e) e emissões biogênicas de CO₂ (t).

Tabela 6 - Quantificação de veículos no município de Brusque no ano de 2020, considerado o  ano base do estudo, consumo médio (km/l) e quantificação de passageiros em deslocamento
Tabela 6 - Quantificação de veículos no município de Brusque no ano de 2020, considerado o ano base do estudo, consumo médio (km/l) e quantificação de passageiros em deslocamento

DETERMINAÇÃO DA INFLUÊNCIA DOS GASES DE EFEITO ESTUFA NA

Dessa forma, ao se utilizar a duplicação da concentração de CO2 (C = 2C0), verifica-se que o fato de dobrar a concentração de dióxido de carbono, como resultado, é um aumento de 1,2°C na temperatura. Para o modelo, a temperatura global média é determinada exclusivamente pela concentração de dióxido de carbono atmosférico através do aquecimento da atmosfera e da absorção de dióxido de carbono pelo oceano e pela biosfera, que é mantida constante ao longo do tempo. Supõe-se também que para cada 7,8 gigatoneladas de dióxido de carbono lançadas na atmosfera, haja um aumento de 1 ppm na concentração de dióxido de carbono atmosférico, levando em consideração as estimativas da quantidade total de CO2 na atmosfera (em gigatoneladas - GtC ) e concentração de CO2.

FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES RELACIONADAS A EMISSÃO DE GEE

Assim, o consumo mensal de combustíveis fósseis, o consumo mensal de biocombustíveis e o consumo total de combustíveis (soma de combustíveis fósseis e biocombustíveis), em cada um dos cenários propostos, são apresentados respetivamente nas tabelas 8 a 10. A categoria com mais consumo o maior consumo de combustível foi da categoria 'carro', representando cerca de 70% do consumo total de combustível nos seis cenários analisados. A categoria 'ônibus/microônibus' foi a frota com menor consumo total de combustível, com 3,45% do total de combustível consumido (Tabela 10).

Tabela 7 – Dados utilizados para os cálculos, considerando o tipo de combustível (gasolina ou  diesel)
Tabela 7 – Dados utilizados para os cálculos, considerando o tipo de combustível (gasolina ou diesel)

COMPARATIVO ENTRE OS CENÁRIOS

O óxido nitroso também obteve uma redução final de 21% em relação ao cenário base do estudo, conforme mostra a Figura 23. É possível verificar que os resultados para os cenários propostos apresentam uma pequena diferença de resultados, que no gráfico mostra a diferença entre os resultados obtidos no cenário de linha de base. A Figura 26 apresenta a análise sem o cenário de linha de base e foca no período de análise dos anos de 2110 a 2121, para facilitar a identificação dos resultados de cada cenário proposto.

Figura 21 - Emissões, em toneladas, de dióxido de carbono fóssil (CO₂) para cada um dos  cenários estudados, bem como a redução de emissão em relação ao cenário base
Figura 21 - Emissões, em toneladas, de dióxido de carbono fóssil (CO₂) para cada um dos cenários estudados, bem como a redução de emissão em relação ao cenário base

COMPARATIVO ENTRE OS CENÁRIOS

Os resultados permitiram verificar os efeitos em relação às emissões de GEE para o setor de transporte de passageiros, bem como verificar a tendência das emissões da implementação e execução dos objetivos determinados na PMU. Toledo (2019) afirma que o planejamento da mobilidade urbana da Prefeitura Municipal de Natal (PlanMob) não atende à Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU), aumentando significativamente as emissões de GEE nos cenários considerados para 2020 e 2025. Cenários de mitigação que integram transporte público eletrificado e soluções de transporte não motorizado oferecem uma redução de 5% nas emissões de GEE e uma redução de 7,5% no Material Particulado (MP).

Comparativo entre os meios de transporte analisados

  • Transporte individual motorizado
  • Ônibus coletivo
  • Bicicleta
  • Caminhada

Toledo (2019) menciona que as ações de mitigação de políticas públicas devem priorizar o desestímulo ao uso de meios de transporte individual e motorizado. Segundo Ceeliauskaite et al. 2021), no caso de Barcelona, ​​a redução de dióxido de carbono pela transferência do uso excessivo do transporte motorizado individual para outros meios de transporte (e.g. bicicleta e transporte público) foi estimada em 203.251 t/CO₂ emissões por ano. Além disso, o aluguer de bicicletas revelou-se um meio de transporte vantajoso, mas a sua utilização depende da cobertura e disponibilidade do serviço.

Figura 30 - Representação do espaço necessário para transportar 40 passageiros, comparando  a utilização do veículo motorizado individual, ônibus e bicicleta
Figura 30 - Representação do espaço necessário para transportar 40 passageiros, comparando a utilização do veículo motorizado individual, ônibus e bicicleta

Influência dos resultados nos elementos meteorológicos

Muito se fala sobre a influência do aumento da temperatura em relação aos elementos meteorológicos e, com base nisso, o presente estudo abordou e propôs objetivos voltados ao trânsito na cidade de Brusque/SC a fim de reduzir a temperatura gerada. Assim, numa visão antagônica do que costuma ser dito, a queda da temperatura global, diante das medidas de redução das emissões de GEE, contribuirá para que os países que se comprometeram com o Acordo de Paris reduzam o aumento para manter a média global temperatura abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais e envidar esforços para limitar esse aumento da temperatura média a 1,5°C, o que proporciona o alcance do objetivo acordado (UNITED NATIONS, 2015). A redução na emissão de gases de efeito estufa proporcionada pela implantação da PMU em Brusque permitirá uma pequena redução da temperatura no município, o que consequentemente possibilitará a alteração do regime de chuvas no município e região, e inundações constantes.

Produto tecnológico

107 A Figura 31 apresenta um exemplo de utilização da calculadora, onde foram introduzidas informações sobre a utilização diária de 30 km de um veículo a gasolina com um consumo de 10 km/l. Nesse caso, o usuário emite 1.688,31 kg de CO₂ equivalente por ano e, para compensar essa emissão, deve plantar 13 árvores no bioma Mata Atlântica. Como os dados utilizados para esses cálculos não são exclusivos do município de Brusque, mas do bioma em que o município está inserido, a ferramenta é aplicável a todas as cidades e regiões inseridas no bioma Mata Atlântica.

Figura 31 – Informações iniciais do site da Calculadora de Emissões de GEE para Mobilidade
Figura 31 – Informações iniciais do site da Calculadora de Emissões de GEE para Mobilidade

Publicação de artigo

Inventário e neutralização de emissões de gases de efeito estufa: avaliação e desenvolvimento de software de cálculo. Sequestro de carbono e redução das emissões de gases com efeito de estufa através da introdução de sistemas integrados. Análise das emissões brasileiras de gases de efeito estufa e suas implicações para as metas do Brasil: 1970 a 2018.

Tabela 21 - Comparativo da alteração de temperatura até o ano de 2121 nos cenários determinados pelos métodos UCAR e de Ellis
Tabela 21 - Comparativo da alteração de temperatura até o ano de 2121 nos cenários determinados pelos métodos UCAR e de Ellis

Imagem

Figura 1- Emissões de GEE (em  MtCO₂e) do Brasil, por setor,  entre o período de 1990 a 2020
Figura 2 - Principais processos envolvidos no setor de Mudança de Uso da Terra (MUT).
Figura 7 - Contribuição para o aumento da temperatura da superfície global a partir de  diferentes emissões, com papel dominante das emissões de dióxido de carbono
Tabela 1- Mudanças na temperatura da superfície global nos cenários ilustrados para curto,  médio e longo prazo
+7

Referências

Documentos relacionados

O presente estudo teve o objetivo de medir o efeito de um programa de intervenção educacional proposto pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) para a prevenção e redução no