• Nenhum resultado encontrado

POLANYI, K. - A grande transformação as origens de nossa época.

N/A
N/A
Ramiro Valdez

Academic year: 2023

Share "POLANYI, K. - A grande transformação as origens de nossa época."

Copied!
337
0
0

Texto

Polanyi quer sublinhar, o que o faz com extraordinária perspicácia, as consequências sociais de um determinado sistema económico, a economia de mercado, que atingiu a sua maior prosperidade no século XIX. Pelo contrário, oferece-nos uma análise penetrante de uma certa transformação histórica em que a supressão de um sistema económico por outro desempenha um papel decisivo. Esta vitória do pacifismo pragmático não se deveu certamente à ausência de causas graves de conflito.

Organizacionalmente, as altas finanças foram o núcleo de uma das instituições mais complexas que a história humana já produziu. O comércio dependia agora de um sistema monetário internacional que não poderia funcionar numa guerra generalizada. Por outras palavras, o equilíbrio do sistema de poder só poderia evitar um incêndio generalizado no contexto de uma nova economia.

No final da década de 1870, porém, a era do livre comércio (1846-1879) havia terminado; A utilização do padrão-ouro pela Alemanha marcou o início de uma era de proteccionismo e de expansão colonial6. Genebra procurou em vão a restauração de tal sistema naquele Concerto da Europa mais amplo e aperfeiçoado denominado Liga das Nações. Durante mais de uma década, a restauração do padrão-ouro foi o símbolo da solidariedade global.

Contudo, a quebra do padrão-ouro não fez mais do que fixar a data de um acontecimento demasiado grande para ser causado por ele.

O MOINHO SATÂNICO

As cercas foram apropriadamente chamadas de revolução dos ricos contra os pobres. As leis de mercado só são relevantes no ambiente institucional de uma economia de mercado; Não foram os estadistas da Inglaterra Tudor que se afastaram dos factos, mas sim os economistas modernos cujas observações sobre eles deixaram implícita a existência anterior do sistema de mercado. Examinando o passado a partir das alturas em rápida queda da economia de mercado global, devemos concordar com a famosa distinção que ele faz entre a verdadeira domesticidade e o acto de ganhar dinheiro.

Contudo, enquanto os mercados e o dinheiro fossem apenas acessórios para uma situação doméstica auto-suficiente, o princípio da produção de subsistência poderia funcionar. A presença ou ausência de mercados ou de dinheiro não afecta necessariamente o sistema económico de uma sociedade primitiva. Além disso, o ambiente doméstico do chef deve ser purificado com o sangue sacrificial de uma vaca leiteira.

O sistema económico estava imerso nas relações sociais gerais; os mercados eram apenas um aspecto subsidiário de uma estrutura institucional que era mais do que nunca controlada e regulada pela autoridade social. Estamos agora em condições de desenvolver de forma mais concreta a natureza institucional da economia de mercado e os perigos que ela traz para a sociedade. Numa sociedade comercial, esta oferta só poderia ser organizada de uma forma: disponibilizando-os para compra.

Contudo, uma vez que a organização do trabalho é apenas mais um termo para o modo de vida das pessoas comuns, isto significa que o desenvolvimento do sistema de mercado seria acompanhado por uma mudança na organização da própria sociedade. Se Speenharnland tinha impedido a ascensão de uma classe trabalhadora, agora os trabalhadores pobres formavam essa classe sob a pressão de um mecanismo insensível. Ninguém previu o desenvolvimento de uma indústria mecânica; foi uma surpresa total.

A política de Speenharnland foi o resultado de uma determinada fase do desenvolvimento do mercado de trabalho e só pôde ser compreendida à luz das opiniões daqueles que foram capazes de formular esta política. A abolição de Speenhamland foi resultado da ação de uma nova camada que entrou no cenário histórico - a classe média da Inglaterra. As pessoas fugiram dos horrores de Speenharnland e fugiram cegamente para o abrigo de uma economia de mercado utópica.

O plano foi acompanhado por uma análise detalhada das diferentes categorias de desempregados e nesta análise Bentham antecipou em mais de um século os resultados de outros investigadores. Mas na época de Adam Smith, o campo inglês já se tinha tornado parte integrante de uma sociedade comercial. A natureza biológica do homem emergiu como a base de uma sociedade que não era política.

A existência de uma empresa comercial refletia-se na regularidade dos preços, e a estabilidade dos rendimentos dependia desses preços.

AUTOPROTEÇÃO DA SOCIEDADE

Simultaneamente, porém, ocorreu um contra-movimento, que foi mais do que o comportamento defensivo habitual de uma sociedade que enfrenta mudanças. O liberalismo económico foi o princípio organizador de uma sociedade empenhada na criação de um sistema de mercado. O credo liberal só recebeu o seu entusiasmo evangélico em resposta às necessidades de uma economia de mercado plenamente desenvolvida.

A classe industrial pressionou para que a Lei dos Pobres fosse alterada, uma vez que impedia a criação de uma classe trabalhadora industrial que só pudesse ganhar o seu próprio rendimento. Tornar a “liberdade simples e natural” de Adam Smith compatível com as necessidades de uma sociedade humana foi uma tarefa muito complicada. Se alguma vez o poder executivo foi deliberadamente utilizado para servir uma política deliberadamente controlada pelo governo, foi com os benthamistas no heróico período do laissez-faire.

Toda a sua filosofia social gira em torno da ideia de que o laissez-faire foi um desenvolvimento natural, enquanto a subsequente legislação anti-Iaissez-faire foi o resultado de uma acção propositada por parte daqueles que se opunham aos princípios liberais. Este é o mito da conspiração antiliberal que, de uma forma ou de outra, é comum a todas as interpretações liberais dos acontecimentos das décadas de 1870 e 1880. A rigor, o liberalismo económico é o princípio organizador de uma sociedade na qual a indústria se baseia. no estabelecimento de um mercado auto-regulado.

Em suma: o contra-movimento que se opôs ao liberalismo económico e ao laissez-faire tinha todas as características inconfundíveis de uma reacção espontânea. De uma forma diferente e com uma tendência política oposta, os partidos marxistas argumentaram, naturalmente, em termos igualmente contundentes. Não há magia nos interesses de classe que possa garantir aos membros de uma classe o apoio dos membros de outras classes.

Mas os interesses de uma classe referem-se mais directamente à sua posição e lugar, ao estatuto e à segurança, ou seja, são fundamentalmente não económicos, mas sociais. Dada a necessidade da produção mecanizada para estabelecer um sistema de mercado, apenas as classes comerciais conseguiram assumir a liderança nesta primeira transformação. Mas enquanto as classes proprietárias de terras procuravam naturalmente a solução de todos os males através da manutenção do passado, os trabalhadores foram, em certa medida, capazes de transcender os limites de uma sociedade de mercado e pedir soluções do futuro.

A diferença reside principalmente no facto de uma classe social fazer parte de uma sociedade que vive na mesma área geográfica, enquanto o contacto cultural normalmente ocorre entre sociedades localizadas em regiões geográficas diferentes. A mente penetrante de Thurnwald reconheceu que a catástrofe cultural da sociedade negra de hoje é completamente análoga à de grande parte da sociedade branca nos primeiros dias do capitalismo.

Referências

Documentos relacionados

A teoria da história é mais do que apenas um pensamento sis- temático sobre a História e sua escrita; a narrativa história se mostra, cada vez mais, complexa, por suas tensões