Efeito do aumento da concentração de sólidos totais da dieta líquida sobre o comportamento de bezerras

Texto

(1)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

ESCOLA DE VETERINÁRIA

Colegiado de Pós-Graduação em Zootecnia

EFEITO DO AUMENTO DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS

TOTAIS DA DIETA LÍQUIDA SOBRE O COMPORTAMENTO

DE BEZERRAS

SÂMARA RAIANY DE ALMEIDA RUFINO

(2)

SÂMARA RAIANY DE ALMEIDA RUFINO

EFEITO DO AUMENTO DA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS

TOTAIS DA DIETA LÍQUIDA SOBRE O COMPORTAMENTO

DE BEZERRAS

Dissertação apresentada ao Programa de

Pós-Graduação em Zootecnia da Escola de Veterinária

da Universidade Federal de Minas Gerais, como

requisito parcial para obtenção do título de Mestre

em Zootecnia.

Área de Concentração: Produção Animal

Orientadora: Sandra Gesteira Coelho

Coorientadoras: Maria de Fátima Ávila Pires e

Mariana Magalhães Campos

Belo Horizonte

(3)

Rufino, Sâmara Raiany de Almeida, 1991-

R926e Efeito do aumento da concentração de sólidos totais da dieta líquida sobre o comportamento de bezerras / Sâmara Raiany de Almeida Rufino. – 2016.

55 p. : il.

Orientadora: Sandra Gesteira Coelho

Coorientadoras: Maria de Fátima Ávila Pires, Mariana Magalhães Campos

Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Veterinária Inclui bibliografia

1. Bezerro – Alimentação e rações – Teses. 2. Dieta em veterinária – Teses. 3. Animais – Comportamento – Teses. 4. Produção animal – Teses. I. Coelho, Sandra Gesteira. II. Pires, Maria de Fátima Ávila. III. Campos, Mariana Magalhães. IV. Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Veterinária. V. Título.

(4)

A Deus, pela presença constante em minha vida.

Ao meu pai, Vanderlei, meu grande exemplo de homem.

À minha mãe, Elza, pelo amor incondicional.

Às minhas irmãs, Leidy e Luana, pelo carinho e cumplicidade.

(5)

AGRADECIMENTOS

À Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais pela ampliação dos

conhecimentos.

À Coordenação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior (CAPES), pela concessão da

bolsa de estudos.

À Embrapa Gado de Leite, por tornar possível a realização deste trabalho.

À minha orientadora, Sandra Gesteira Coelho pelos ensinamentos, confiança e exemplo

profissional. Muito obrigada pela oportunidade e palavras de incentivo, serei sempre grata.

Às pesquisadoras da Embrapa Gado de Leite Mariana Magalhães Campos, Maria de Fátima

Ávila Pires e Fernanda Samarini Machado pela aprendizagem, apoio e sugestões.

À Professora Ângela Maria Quintão Lana pela disponibilidade e auxílio nas análises

estatísticas.

À professora Joana Ribeiro da Glória, pela colaboração neste trabalho e por todo carinho

desde a graduação, seu apoio nos momentos difíceis foi fundamental. Muito obrigada.

Ao professor Antônio Último de Carvalho pelos conselhos e colaboração neste trabalho.

À Juliana Lima pela realização das análises estatísticas.

Ao Rafael Azevedo, pela dedicação neste trabalho, amizade, conselhos e pelo apoio nos

momentos difíceis. Muito obrigada.

À Pamela, pela amizade e excelentes momentos compartilhados.

Aos residentes zootécnicos da Embrapa Gado de Leite, Lucas, Thiago, Juliano, Daniel,

Adenilson, Janayna, Jackson, Darlene, Geidson, Aureliano, Cleiton, Mateus, Ronaldo, Jairo,

Bruno, Calebe, Dieferson, Cecília, Jader, Nicolas, Evandro e Ronald. Muito obrigada por

dedicarem com tanto empenho ao experimento e por estarem presentes até mesmo nos finais

de semana e feriados, nada disso seria possível sem vocês.

Aos funcionários da Embrapa Gado de Leite, em especial ao Celinho,

Seu Chico

e

Seu

Lado

pela receptividade e amizade.

Aos estagiários Paulo, Aloma, Guilherme, Heberth, Mariana, Diego, Sávio e Rayanne pela

amizade e colaboração neste trabalho.

(6)

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

1.

INTRODUÇÃO... 11

2.

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA... 12

2.1 Comportamentos indicativos de bem-estar dos bezerros... 12

2.2 Comportamento de bezerros leiteiros em diferentes tipos de alojamento...

13

2.3 Efeitos do manejo alimentar sobre o comportamento de bezerros leiteiros... 14

2.4 Comportamento de bezerros durante o desaleitamento... 17

3.

OBJETIVO GERAL... 20

4.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 20

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 21

ANEXOS... 26

CAPÍTULO 2 - ARTIGO CIENTÍFICO: EFEITO DO AUMENTO DA

CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS TOTAIS DA DIETA LÍQUIDA SOBRE O

COMPORTAMENTO DE BEZERRAS

RESUMO... 27

1.

INTRODUÇÃO... 28

2.

MATERIAL E MÉTODOS... 29

2.1 Animais, abrigos e tratamentos... 29

2.2 Parâmetros climáticos... 30

2.3 Parâmetros comportamentais... 31

2.4 Análises estatísticas... 32

3.

RESULTADOS... 33

3.1 Parâmetros climáticos... 33

3.2 Comportamento entre a 2ª e 13ª semanas de idade... 33

3.3 Comportamento durante o desaleitamento (56 a 60 dias) ... 36

35

4.

DISCUSSÃO... 36

4.1 Parâmetros climáticos... 36

4.2 Comportamento entre a 2ª e 13ª semanas de idade... 37

4.3 Comportamento durante o desaleitamento (56 a 60 dias) ... 40

5.

CONCLUSÃO... 42

AGRADECIMENTOS... 42

(7)

LISTA DE TABELAS

Tabela 1. Composição nutricional dos tratamentos, concentrado e silagem de milho...45

Tabela 2. Etograma das atividades comportamentais avaliadas...46

Tabela 3. Médias de temperatura e umidade relativa do ar e índice de temperatura e umidade

(ITU) no interior do abrigo registradas nos dias das avaliações comportamentais, das 8 às

17h, entre os meses de abril e setembro de 2014...47

Tabela 4. Médias de número de brincadeiras (BRN), vocalizações (VOC), mamadas no

abrigo ou utensílios (MAU), lambidas no abrigo ou utensílios (LAU), lambidas no corpo

(LCO), visitas ao balde de água (VBA), micções (MIC) e defecações (DEF) da 2ª a 13ª

semanas de idade de bezerras mestiças Holandês x Gir aleitadas com diferentes

concentrações de sólidos totais na dieta líquida...47

Tabela 5. Médias de número de brincadeiras (BRN), vocalizações (VOC), mamadas no

abrigo ou utensílios (MAU), lambidas no abrigo ou utensílios (LAU), lambidas no corpo

(LCO), visitas ao balde de água (VBA), micções (MIC) e defecações (DEF) de bezerras

mestiças Holandês x Gir aleitadas com diferentes concentrações de sólidos totais na dieta

líquida, de acordo com as semanas avaliadas...48

Tabela 6. Tempo médio e erro padrão da média (EPM) em horas dos comportamentos em pé

(EPE), deitada (DTA), no interior do abrigo (INT), visitando o cocho de silagem (SIL),

exterior do abrigo (EXT), consumindo forrageira (FOR), visitando cocho de concentrado

(CON), ruminando (RUM) e em ócio (ÓCIO) da 2ª a 13ª semanas de idade de bezerras

mestiças Holandês x Gir aleitadas com diferentes concentrações de sólidos totais na dieta

líquida...49

(8)

Tabela 8. Tempo médio em horas dos comportamentos exterior do abrigo (EXT),

consumindo forrageira (FOR), visitando o cocho de concentrado (CON), ruminando (RUM)

e em ócio (ÓCIO) de bezerras mestiças Holandês x Gir aleitadas com diferentes

concentrações de sólidos totais na dieta líquida, de acordo com as semanas

avaliadas...51

Tabela 9. Médias de número de brincadeiras (BRN), vocalizações (VOC), mamadas no

abrigo ou utensílios (MAU), lambidas no abrigo ou utensílios (LAU), lambidas no corpo

(LCO), visitas ao balde de água (VBA), micções (MIC) e defecações (DEF) durante o

desaleitamento de bezerras mestiças Holandês x Gir aleitadas com diferentes concentrações

de sólidos totais na dieta líquida...52

Tabela 10. Tempo médio e erro padrão da média (EPM) em minutos dos comportamentos

em pé (EPE), deitada (DTA), no interior do abrigo (INT), consumindo forrageira (FOR),

visitando cocho de concentrado (CON), em ócio (ÓCIO), exterior do abrigo (EXT) e

ruminando (RUM) durante o desaleitamento de bezerras mestiças Holandês x Gir aleitadas

com diferentes concentrações de sólidos totais na dieta líquida...53

(9)

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

BEA: bem-estar animal

BRN: brincadeira

CEUA: Comissão de Ética no Uso de Animais

CON: visitando o cocho de concentrado

d: dia

DEF: defecação

DTA: deitada

EB: energia bruta

EE: extrato etéreo

EPE: em pé

EPM: erro médio padrão

EXT: exterior do abrigo

FDA: fibra em detergente ácido

FDN: fibra em detergente neutro

FOR: consumindo forrageira

g: grama

GPC: ganho de peso corporal

INT: interior do abrigo

ITU: índice de temperatura e umidade

kcal: quilocaloria

kg: quilograma

L: litro

LAU: lambidas no abrigo ou utensílios

LCO: lambidas no corpo

MAU: mamadas no abrigo ou utensílios

MIC: micção

mL: mililitro

MS: matéria seca

NRC: Nutrient Requirements Council

PB: proteína bruta

PC: peso corporal

RUM: ruminando

SAS: Statistical Analysis System

SIL: visitando o cocho de silagem

ST: sólidos totais

TBs: temperatura do bulbo seco

Ur: umidade relativa

(10)

RESUMO

Objetivou-se avaliar o comportamento de bezerras mestiças Holandês x Gir (N = 60), da 2ª a

13ª semana de idade, que receberam durante o aleitamento leite integral acrescido de

sucedâneo em pó, com o intuito de aumentar as concentrações de sólidos totais (ST). As

bezerras foram alojadas em abrigos individuais com água e concentrado (20% PB) à vontade

e distribuídas aleatoriamente em quatro tratamentos (N = 15). Sucedâneo em pó foi

adicionado ao leite integral para ajustar os ST em 13,5; 16,1; 18,2 e 20,4%. As bezerras

receberam 6 L/d da dieta liquida, dividida em duas refeições iguais (8 e 16h), fornecidas em

baldes, dos cinco aos 55 dias de idade. Dos 56 aos 59 dias, o volume foi reduzido pela metade

(3 L/d) e aos 60 dias foram desaleitadas. No pós-aleitamento, a partir de 70 dias de idade,

silagem de milho foi incluída à dieta. As avaliações comportamentais foram realizadas

semanalmente, por nove horas consecutivas (8 às 17h). No período do desaleitamento (N = 9),

as avaliações foram realizadas no dia da redução do volume e nos demais dias até a retirada

total do leite aos 60 dias de idade, uma hora antes e uma hora após o aleitamento da tarde,

totalizando duas horas de avaliações consecutivas (15 às 17h). O número de comportamentos

de brincadeiras, vocalizações, mamadas no abrigo ou utensílios, lambidas no abrigo ou

utensílios, lambidas no corpo, visitas ao balde de água, micções e defecações foram

observados continuamente, considerando-se a frequência em que ocorriam. Utilizou-se o

método de varredura instantânea com intervalos de 10 minutos para avaliar o tempo gasto em

pé, deitada, no interior do abrigo, no exterior do abrigo, consumindo forrageira, visitando o

cocho de silagem, visitando o cocho de concentrado, ruminando e em ócio. O aumento no teor

de ST na dieta líquida entre a 2ª a 13ª semana de idade alterou moderadamente os

comportamentos estereotipados de vocalizar, lamber e mamar no abrigo ou utensílios, porém,

sem padrão definido. Durante o desaleitamento, o tratamento com 20,4% de ST na dieta

líquida apresentou maior número de comportamentos de brincadeiras, menor tempo de

permanência em pé e maior tempo gasto ruminando em comparação as bezerras que foram

aleitadas com 13,5% de ST na dieta líquida e independentemente do teor de ST na dieta

líquida, houve aumento no número de vocalizações em resposta ao estresse do desaleitamento

na 9ª semana.

(11)

ABSTRACT

The objective of this study was to evaluate the behavior of Holstein ×Gyr crossbred

heifers (N = 60) from the 2nd to 13th week of age receiving whole milk with milk

replacer powder during the suckling phase, aiming to increase the concentrations of total

solids (TS). Heifers were housed in individual hutches and assigned to four treatments (N

= 15). Replacer powder was added to whole milk to adjust TS to 13.5, 16.1, 18.2, and

20.4%. Heifers received 6 L/d of the liquid diet, divided into two equal meals (08h00 and

16h00), provided in buckets, from 5 to 55 days of age. From 56 to 59 days, the volume

was reduced by half (3 L/d) and at 60 days the calves were weaned. In the post-weaning

phase, starting from 70 days of age, corn silage was included in the diet. Behavioral

assessments were performed weekly for nine consecutive hours (08h00 to 17h00). In the

weaning period (N = 9), evaluations were carried out on the volume-reduction day and

remaining days until weaning, at 60 days age, one hour before and one hour after the

afternoon feeding, totaling two hours of consecutive assessments (15h00 to 17h00).The

number of play behaviors, vocalizations, sucking the hutch or utensils, licking the hutch or

utensils, licking the body, visits to the water bucket, urinations, and defecations was

observed continuously, considering their frequency of occurrence. We used the scan

sampling method with 10-min intervals to evaluate the time spent standing, lying, inside

the hutch, outside the hutch, consuming forage, visiting the silage trough, visiting the

concentrate trough, ruminating, and idle. The increase in TS content in the liquid diet from

the 2nd to the 13th week of age moderately changed the stereotyped behaviors of

vocalizing, licking, or sucking the hutch or utensils, though with no defined pattern.

During weaning, the treatment with 20.4% TS in the liquid diet resulted in a higher

number of play behaviors, shorter duration of standing, and longer time spent ruminating

compared with calves fed 13.5% TS in the liquid diet. Irrespective of the TS content in the

liquid diet, there was an increase in the number of vocalizations in response to the

weaning stress on the 9th week.

(12)

11

1.

INTRODUÇÃO

Na pecuária leiteira, a fase de aleitamento é um dos períodos mais críticos e

determinantes do sistema de criação de animais de reposição, pois além de dispendiosa, não

proporciona retorno econômico imediato. Com o intuito de reduzir custos e estimular o

consumo de concentrado, é frequente o fornecimento de pequenos volumes de dieta líquida

(10% do peso corporal) às bezerras durante a fase de aleitamento. No entanto, o baixo

consumo de alimentos sólidos no primeiro mês de vida (Sweeney et al., 2010), aliado a

restrição da dieta líquida, não fornece nutrientes suficientes para obtenção de altas taxas de

ganho de peso corporal (GPC), justificando características comportamentais de fome

apresentadas pelos bezerros (De Paula Vieira et al., 2008; Khan et al., 2007a; Thomas et al.,

2001).

Dessa forma, a busca por melhorias nas condições de vida das bezerras vem sendo foco

de pesquisas, com o intuito de promover o bem-estar animal (BEA) e consequentemente a

melhoria na saúde e produção. Além disso, o uso simultâneo de vários indicadores

comportamentais tem sido recomendado para que se tenham avaliações mais seguras desse

parâmetro (Chua et al., 2002; Jensen et al., 1998; Krachun et al., 2010).

O comportamento dos animais depende da complexa interação entre fatores genéticos e

ambientais e pode ser influenciado pela experiência prévia dos indivíduos, sendo modificado

por fatores como manejo, tipo de dieta, condições climáticas, comportamento social e

instalações (Rushen et al., 1999) e podem ser divididos em interação social, ingestão,

eliminação ou exploração. A modificação da frequência desses comportamentos pode

sinalizar o comprometimento do BEA e indicar estresse nos animais (Kenny e Tarrant, 1987).

(13)

12

2.

REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 Comportamentos indicativos de bem-estar dos bezerros

O BEA pode ser definido como o estado em que o animal apresenta diante das

tentativas de adaptação ao ambiente em que se encontra. Dessa forma, quanto maior o desafio

ocasionado pelo ambiente em que o animal é criado, maior será a dificuldade na adaptação, o

que poderá comprometer o seu BEA. Esse parâmetro vem sendo difundido no cenário da

produção animal, o qual pode ser analisado diante das esferas físicas, mentais e

comportamentais em que o animal experimenta em determinado ambiente. A crescente

demanda pela criação de animais em sistemas que priorizem o BEA tem levado pesquisadores

a investigar o tema com maior frequência (Broom e Fraser 2007).

O conhecimento do comportamento natural é importante para se diagnosticar e melhorar

o grau de BEA (Fraser, 2012). Comportamentos são denominados de alta motivação quando

são considerados como prioritários pelo sistema de controle cerebral. Em ambientes de

confinamento de bezerras, quando os animais são impedidos de expressar determinados

comportamentos, seu BEA é reduzido. Além disso, os bovinos são animais gregários,

portanto, quando as bezerras são separadas das suas mães, e alojadas em abrigos individuais,

são impedidas de expressarem seu comportamento natural (Broom e Johnson, 1993).

Há reconhecimento crescente de que o BEA em sistemas de criação não depende apenas

de mantê-los livres de dor, desconforto e outras experiências negativas, mas também

propiciá-los oportunidade de vivenciar e expressar comportamentos naturais da espécie, bem como

experimentar emoções positivas (Boissy et al., 2007). Nesse sentido, o comportamento lúdico

ou de brincadeira tem sido sugerido como uma medida potencialmente útil de BEA (Jensen et

al., 1998).

A maioria dos mamíferos jovens aparenta se divertir ao realizar corridas, saltos, pinote

ou outras atividades lúdicas e eles procuram ativamente oportunidades para sua realização

(Spinka et al., 2001). No entanto, os animais costumam brincar somente quando suas

necessidades básicas de alimentação, abrigo e segurança são atendidas (Jensen et al., 1998).

Portanto, condições de manejo que impeçam animais jovens de brincar podem comprometer o

BEA, impedindo que os benefícios da brincadeira sejam refletidos no potencial emocional,

social, físico e produtivo (Spinka et al., 2001).

(14)

13

anormal (Fraser, 2012), repetitivo, invariante e sem função ou objetivo óbvio (Mason, 2006).

Os bovinos podem apresentar variedade de comportamentos que são frequentemente

considerados anormais. Porém, em muitos casos, a definição de comportamento anormal se

deve ao fato de que a função desse comportamento não é clara para o observador (Rushen et

al., 2008).

Embora o papel da nutrição no comportamento de brincar tenha recebido pouca atenção,

a diminuição de brincadeira em bezerros aleitados com baixos volumes de leite é associada à

redução do GPC e da ocorrência de comportamentos indicativos de fome (Borderas et al.,

2009; De Paula Vieira et al., 2008). Assim, o regime alimentar pode influenciar a ocorrência

de estereotipias (Redbo, 1992; Redbo e Nordblad, 1997).

2.2 Comportamento de bezerros leiteiros em diferentes tipos de alojamento

Bezerras leiteiras são usualmente separadas da mãe logo após o nascimento e alojadas

em baias individuais, pois esse manejo facilita a alimentação, o controle da quantidade de

concentrado ingerido, a observação de doenças, bem como a aplicação de medicamentos e a

eliminação da competição por alimentos. No entanto, as consequências de tal privação são o

aumento da frequência de estereotipias orais, caracterizadas por sucção de estruturas do

abrigo ou utensílios, sugar ou lamber partes do próprio corpo continuamente e o enrolar de

língua, aliados à possível redução no GPC (De Passillé, 2001).

Jensen et al. (1998) verificaram que bezerros criados em baias individuais são menos

ativos em comparação aos criados em baias coletivas. Segundo esses autores, os

comportamentos de galopar, pular e coicear raramente foram observados nos animais criados

isoladamente e o comportamento de brincadeira ocorreu principalmente após o fornecimento

de leite.

(15)

14

Costa et al. (2014) comparando bezerros criados de forma individualizada ou em grupos

na fase de aleitamento, concluíram que a oportunidade de socialização com outros bezerros e

com as vacas proporcionou aumento na ingestão de novos alimentos e redução da latência

para abordá-los na fase de pós-desaleitamento. De acordo com os autores, a aceitação tardia

de novos alimentos pode ser uma preocupação no BEA e na produção de bovinos leiteiros, já

que estes animais são frequentemente expostos a estas situações, e a criação individual pode

reduzir a capacidade do bezerro em se adaptar às mudanças na alimentação e, possivelmente,

a mudanças no ambiente.

Jensen et al. (2015) verificaram que bezerros criados em pares e em sistema intensivo

de aleitamento apresentam maiores consumos de concentrado e GPC do que os alojados

individualmente. Chua et al. (2002) constataram que bezerras alojadas em pares são

estimuladas a consumir maior quantidade de leite e, portanto, apresentaram redução dos sinais

de estresse, sendo verificado maior GPC durante o desaleitamento em relação às bezerras

alojadas individualmente.

Se a utilização dos abrigos individuais for a primeira opção na propriedade, deve-se

avaliar a possibilidade de soltar os bezerros por algumas horas do dia, permitindo-lhes brincar

e interagir entre si (Paranhos da Costa e Silva, 2011). O enriquecimento ambiental é uma

ferramenta que deve ser levada em consideração. Ninomiya e Sato (2009) observaram que a

utilização de um

“escovão”

na baia dos bezerros aumentou o comportamento de limpeza e

diminuiu o comportamento agonístico, concluindo que enriquecer o ambiente para bezerros

criados em sistema confinado pode melhorar o BEA.

Alojar em grupo permite que os bezerros possam desenvolver e executar

comportamentos sociais e de brincadeiras (Chua et al., 2002), contudo, bezerros alojados em

grupo realizam mais comportamentos orais anormais sob a forma de mamada cruzada que

bezerros alojados individualmente (Babu et al., 2004). Mesmo que o alojamento em grupo

tenha efeito positivo sobre o BEA dos bezerros, vale ressaltar que grandes grupos aumentam a

competição para o acesso a dieta líquida (Jensen, 2004), principalmente se no grupo ocorrer a

presença de bezerras menores e mais fragilizadas.

2.3 Efeitos do manejo alimentar sobre o comportamento de bezerros leiteiros

(16)

15

alimentadores automáticos e podem desencadear sucção não nutritiva em objetos do abrigo

(De Passillé et al., 1992).

Essa estereotipia ocorre principalmente nas ocasiões em que o leite não é fornecido por

meio de tetos, os quais, hipoteticamente, funcionariam como “válvula de escape” para a

execução do comportamento de sucção (Jung e Lidfors, 2001). Segundo Rushen e De Passillé

(1995), a motivação da sucção não nutritiva declina espontaneamente entre 10 e 15 minutos

após o fornecimento da dieta líquida. De acordo com Appleby et al. (2001), bezerras

alimentadas à vontade por meio de tetos artificiais, despendem aproximadamente 45

minutos/d ingerindo leite, enquanto bezerras alimentadas via balde, gastam em média de 10 a

15 minutos/d (De Passillé et al., 1992; De Passillé et al., 1997).

A obtenção de leite com o auxílio do teto artificial aumenta o tempo total de

alimentação, especialmente se tetos com orifícios pequenos forem utilizados, permitindo a

redução na taxa de fluxo do leite (Haley et al., 1998) e parece influenciar o metabolismo,

porque há aumento na secreção de insulina e colecistoquinina (De Passillé et al., 1993; Lupoli

et al., 2001).

Trabalhos relatam que as taxas de crescimento de bezerras alimentadas com tetos

artificiais são superiores (Hammel et al., 1988), iguais (Hopkins, 1997) ou inferiores (Szucs et

al., 1983) aos animais alimentados por meio de baldes. Hepola et al. (1999) verificaram que

essas variações podem ser atribuídas a higienização inadequada dos tetos e consequente

aumento no risco de contaminação microbiana. Segundo Veissier et al. (2002), bezerros

criados individualmente, alimentados por meio de tetos artificiais, gastaram menor tempo

realizando atividades orais, apresentaram menor frequência cardíaca, menor número de

sucções não nutritivas e começaram a descansar mais cedo após o aleitamento do que os

aleitados em balde. No entanto, segundo os autores, não houve efeito entre os tratamentos

sobre a taxa de crescimento dos animais.

(17)

16

observado maiores taxas de deslocamentos, assim como maior número de comportamentos de

disputa entre as bezerras.

A ocorrência de comportamentos anormais pode estar associada ao menor BEA das

bezerras. Quando os animais são impedidos de realizar determinado comportamento para o

qual são motivados, em resposta, podem executar comportamentos anormais, que são

comportamentos padrões do repertório comportamental normal, porém, realizados de forma

inadequada (Fraser, 2012).

Um dos entraves na criação coletiva de bezerras leiteiras é a mamada cruzada, que foi

primeiramente notada em bezerras alimentadas via balde, supostamente pelo fato de estarem

privadas da oportunidade de sucção. Esse comportamento pode levar a injúrias da pele e

outros problemas, uma vez que, as bezerras sugam partes do corpo das companheiras ou de si

mesmas continuamente (De Passillé, 2001; Jensen, 2003). No entanto, Veissier et al. (2002)

concluíram que a utilização de tetos artificiais para bezerros alojados em grupo não é capaz de

diminuir a motivação da mamada cruzada quando comparados a bezerros alimentados via

balde. Jung e Lidfors (2001) relataram que quando o leite foi fornecido em maiores

quantidades por meio de tetos artificiais, houve redução na ocorrência de mamada cruzada.

Com o avanço das pesquisas, foi notado que esses comportamentos anormais estão

fortemente associados ao fornecimento de quantidades insuficientes de leite e não

necessariamente a forma como o leite é fornecido. Sabe-se que em condições naturais, a vaca

alimenta sua bezerra cinco a nove vezes por dia durante as primeiras semanas de vida (Day et

al., 1987) e estima-se que nestas condições as bezerras ingerem até 25% do seu PC em leite.

Porém, é comum encontrar sistemas de criação em que o leite é ofertado duas vezes ao dia,

em pequenos volumes, 10% do PC ao dia (aleitamento convencional ou restrito). No entanto,

esse volume fornece nutrientes apenas para mantença e GPC de no máximo 300 g/d em

condições termoneutras (Drackley, 2008).

A fome é uma sensação homeostática importante para a obtenção de nutrientes e

garantia da sobrevivência do animal, sendo determinada por variáveis fisiológicas, estímulos

externos e associações de aprendizado, porém, quando o animal está altamente motivado a

executar comportamento alimentar, mas sofre restrição para realizá-lo, pode desenvolver

diversos comportamentos de substituição, ocasionados por esta frustração (Hall e Halliday,

1998).

(18)

17

2008), maior taxa de visitas sem recompensa ao alimentador automático de leite (Jensen,

2006; Nielsen et al., 2008) e maior número de vocalizações (Thomas et al., 2001) em relação

aos aleitados de forma intensiva. Ao serem aleitados à vontade, bezerros ingerem em média,

10 kg/d de leite, até 40 dias de idade (Jasper e Weary, 2002; Sweeney et al., 2010), valor

superior aos 4kg/d tradicionalmente fornecido. Segundo Davis e Drackley (1998), a maior

ingestão de leite fornece nutrientes necessários para mantença e possibilita maior GPC,

aumentando a eficiência alimentar das bezerras.

Melhores resultados de consumo, desenvolvimento corporal, saúde e BEA são

observados com o fornecimento de maiores quantidades de dieta líquida, possivelmente em

virtude do maior aporte nutricional disponibilizado aos animais (Khan et al., 2011; Silper et

al., 2014). Krachun et al. (2010) observaram maiores frequências de comportamentos

locomotores positivos (corrida, salto e interação com outras bezerras) em bezerras que

receberam maior quantidade de leite (12 L/d) quando comparadas as aleitadas com menor

quantidade (6 L/d). Segundo os autores o maior consumo de energia tem relação direta com

maior frequência de comportamentos locomotores lúdicos.

Jensen et al. (2015) demonstraram que o fornecimento de maiores volumes de leite (9

L/d de três a 28 dias e 5 L/d de 29 a 42 dias) proporcionou mais comportamentos locomotores

positivos quando comparados aos animais aleitados com menores quantidades de leite (5 L/d

de três a 42 dias), sugerindo que esses comportamentos refletem o BEA frente ao volume de

leite fornecido, uma vez que, a baixa motivação para executar comportamentos locomotores

pode ter sido ocasionada pela fome e como forma de conservar energia corporal.

2.4 Comportamento de bezerros durante o desaleitamento

(19)

18

O comportamento e os fatores fisiológicos do animal estão relacionados com suas

respostas aos estímulos estressores e estes parâmetros podem ser utilizados na avaliação do

estresse (Broom e Johnson, 1993). Alterações na frequência cardíaca, respiração, defecação e

micção, além de redução na ingestão de alimentos e ruminação são alguns exemplos de

parâmetros fisiológicos utilizados (Negrão e Marnet, 2006).

Na fase do desaleitamento ocorrem mudanças na fisiologia e também no metabolismo

da bezerra, principalmente relacionadas ao desenvolvimento ruminal e a transição de

pré-ruminante para pré-ruminante funcional. Além disso, nesse período também ocorrem alterações

no manejo e nas instalações dos animais, que passam muitas vezes de abrigos individuais para

agrupamento, devendo adaptar-se ao novo ambiente e encontrar o seu lugar na hierarquia

social (Quigley, 1996).

Algumas práticas como reduzir a quantidade de leite gradualmente, diminuir a

frequência de alimentação, ou ainda, diluir a dieta líquida em água, tem sido utilizadas para

reduzir o estresse dos bezerros durante o desaleitamento (Jasper et al., 2008). O

desaleitamento gradual pode ser realizado reduzindo o número de refeições por dia, mas

mantendo a mesma quantidade, reduzindo a quantidade de dieta líquida fornecida, porém,

mantendo o mesmo número de refeições, ou mistura de ambos (Jensen, 2006). De acordo com

esse autor, o desaleitamento reduzindo a quantidade de dieta líquida por refeição resultou em

menor duração e menor número de visitas sem recompensa ao alimentador de leite em

comparação com a redução do número de refeições.

(20)

19

Budzynska e Weary (2008) forneceram 9 L/d de leite a bezerros durante todo o período

de aleitamento e verificaram que os mesmos, além de apresentarem comportamentos

relacionados ao estresse, não foram capazes de aumentar o consumo de concentrado após o

desaleitamento de forma a suprir a mesma quantidade de energia fornecida pelo leite,

resultando em perdas de PC nos três dias seguintes ao desaleitamento. Além disso, os autores

observaram que metade dos bezerros que receberam água morna na mamadeira, durante dois

dias após o desaleitamento, vocalizaram menos do que o grupo que não recebeu água morna

nesse período, no entanto, no terceiro dia, quando foi interrompido o fornecimento da água, a

vocalização foi semelhante entre ambos.

Nielsen et al. (2008) realizaram desaleitamento abrupto ou gradual de bezerros em

aleitamento convencional e intensivo criados em grupos. Segundo os autores, todos os

bezerros foram desaleitados na oitava semana, com o tratamento gradual iniciado na sexta

semana de idade, sendo observado que no grupo de bezerros desaleitados de forma gradual,

houve redução da ocorrência de mamada cruzada e o desaleitamento gradual para bezerros em

aleitamento intensivo se mostrou eficiente em estimular o consumo de concentrado e reduzir

os impactos da transição para dieta baseada apenas em alimentos sólidos.

De Passillé et al. (2010) avaliaram a ocorrência de mamada cruzada em bezerros

leiteiros mantidos em grupos e desaleitados na sexta semana de vida de maneira abrupta ou

gradual e concluíram que uma vez iniciado o processo de desaleitamento, maior atividade de

mamada cruzada pode ser observada. Já Nielsen et al. (2008) verificaram que o

desaleitamento gradual iniciado mais cedo resultou em maior frequência de mamada cruzada,

o que foi associado ao menor consumo de energia pelos animais, possivelmente pela baixa

ingestão de concentrado, uma vez que foram desaleitados ainda muito jovens.

Vários fatores podem influenciar a forma como os bezerros respondem ao

desaleitamento. Bezerros desaleitados muito cedo podem não ter tempo para adaptarem-se a

transição da dieta líquida para sólida, pois o rúmen pode ainda não ter se desenvolvido o

suficiente para digerir esses alimentos (Khan et al., 2007b), resultando características

comportamentais de fome e maior estresse no desaleitamento.

(21)

20

comportamentos indicativos de fome e desconforto como o aumento das vocalizações,

permanência em pé e maior número de visitas ao alimentador de leite (Jasper et al., 2008).

3. OBJETIVO GERAL

Avaliar o comportamento de bezerras mestiças Holandês x Gir, da 2ª a 13ª semana de

idade, que receberam durante o aleitamento leite integral acrescido de sucedâneo em pó, com

o intuito de aumentar as concentrações de ST.

4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Avaliar os efeitos do aumento nas concentrações de sólidos totais da dieta líquida de

bezerras mestiças Holandês x Gir, da 2ª a 13ª semana de idade, que receberam durante o

aleitamento leite integral acrescido de sucedâneo em pó, sobre:

A frequência dos comportamentos lúdicos de brincadeira (corrida, galope, pinote e

salto), indicativos de bem-estar animal e saciedade;

A frequência de vocalizações, comportamento indicativo de desconforto e fome;

A frequência dos comportamentos estereotipados (mamar no abrigo ou utensílios,

lamber o abrigo ou utensílios e lamber o corpo);

A frequência de visitas ao balde de água, micção e defecação;

(22)

21

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

APPLEBY, M.C.; WEARY, D.M.; CHUA, B. Performance and feeding behavior of calves on

ad libitum milk from artificial teats. Appl. Anim. Behav. Sci., v.74, p.191-201, 2001.

BABU, L.K.; PANDEY, H.N.; SAHOO, A. Effect of individual versus group rearing on

ethological and physiological responses of crossbred calves. Appl. Anim. Behav. Sci., v.87,

p.177-191, 2004.

BITTAR, C.M.M.; FERREIRA, L.S.; SANTOS, F.A.P., ZOPOLLATTO, M. Desempenho e

desenvolvimento do trato digestório superior de bezerros leiteiros alimentados com

concentrado de diferentes formas físicas. Rev. Bras. Zootec., v.38, n.8, p.1561-1567, 2009.

BOISSY, A., MANTEUFFEL, G., JENSEN, M.B. et al. Assessment of positive motions in

animals to improve their welfare. Physiol.Behav., v.92, p.375-97, 2007.

BORDERAS, T.F., DE PASSILLÉ, A.M.B., RUSHEN, J. Feeding behavior of calves fed

small or large amounts of milk. J. Dairy Sci., v.92, p.2843-2852, 2009.

BROOM, D.M.; FRASER, A.F. Domestic animal behavior and welfare. 3. ed. Wallingford:

CABI Publishing, 2007. 540p.

BROOM, D.M.; JOHNSON, K.G. Stress and animal welfare. Londres: Lower Academic,

1993. 228p.

BUDZYNSKA, M.; WEARY, D.M. Weaning distress in dairy calves: Effects of alternative

weaning procedures. Appl. Anim. Behav. Sci., v.112, p.33-39, 2008.

CHUA, B.; COENEN, E.; VAN DELEN J.; WEARY, D.M. Effects of pair versus individual

housing on the behaviour and performance of dairy calves. J. Dairy Sci., v.85, p.360-364,

2002.

COSTA, J.H.C.; DAROS, R.R.; VON KEYSERLINGK, M.A.G.; WEARY, D.M. Complex

social housing reduces food neophobia in dairy calves. J. Dairy Sci., v.97, p.7804-7810, 2014.

DAVIS, C. L.; DRACKLEY, J.K. The development, nutrition and management of the young

calf. Ames: Iowa State University Press, 1998. 339p.

DAY, M.L.; IMAKAWA, K.; CLUTTER, A.C. et al. Suckling behavior of calves with dams

varying in milk production. J. Animal Sci., v.65, p.1207-1212, 1987.

DE PASSILLÉ, A.M.; METZ, J.H.M.; MEKKING, P.; WIEPKEMA, P.R. Does drinking

milk stimulate sucking in young calves? Appl. Anim. Behav. Sci., v.34, p.23-36, 1992.

DE PASSILLÉ, A.M.; RUSHEN, J.; Weary, D. Designing good environments and

management for calves. Adv. Dairy Techn., v.16, p.75-89, 2004.

(23)

22

DE PASSILLÉ, A.M. Sucking motivation and related problems in calves. Appl. Anim. Behav.

Sci., v.72, p.175-187, 2001.

DE PASSILLÉ, A.M.; CHRISTOPHERSON, R.J.; RUSHEN, J. Nonnutritive sucking and the

postprandial secretion of insulin, CCK and gastrin in the calf. Physiol.Behav., v.54,

p.1069-1073, 1993.

DE PASSILLÉ, A.M.; SWEENEY, B.; RUSHEN, J. Cross-sucking and gradual weaning of

dairy calves. Appl. Anim. Behav. Sci., v.124, p.11-15, 2010.

DE PAULA VIEIRA, A., GUESDON, V., DE PASSILLÉ, A.M. et al. Behavioural indicators

of hunger in dairy calves. Appl. Anim. Behav. Sci., v.109, p.180-189, 2008.

DE PAULA VIEIRA, A.; VON KEYSERLINGK, M.A.G.; WEARY, D.M. Effects of pair

versus single housing on performance and behavior of dairy calves before and after weaning

from milk. J. Dairy Sci., v.93, p.3079-3085, 2010.

DRACKLEY, J.K. Calf nutrition from birth to breeding.Vet. Clin. Food Anim., v.24, p.55-86,

2008.

FRASER, D. Compreendendo o bem-estar animal: A ciência no seu contexto cultural.

Londrina: Eduel, 2012. 436p.

GLOSSON, K.M.; HOPKINS, B.A.; Washburn, S.P. et al. Effect of supplementing

pasteurized milk balancer products to heat-treated whole milk on the growth and health of

dairy calves. J. Dairy Sci., v.98, p.1127-1135, 2015.

GRANDIN, T. Assessment of stress during handling and transport. J.Anim. Sci., v.75, n.1,

p.249-257, 1997.

HALEY, D.B.; RUSHEN, J.; DUNCAN, I.J. et al. Effects of resistance to milk flow and the

provision of hay on nonnutritive sucking by dairy calves. J. Dairy Sci., v.81, p.2165-2172,

1998.

HALL, M.; HALLIDAY, T. (Ed). Behaviour and evolution. New York: Springer, 1998. 306p.

HAMMEL, K.L.; METZ, J.H.M; MEKKING, P. Sucking behaviour of dairy calves fed milk

ad libitum by bucket or teat. Appl. Anim. Behav. Sci., v.20, p.275-285, 1988.

HEPOLA, H.; LAITALA, T.; CASTRÉN, H. Effect of different teat-buckets on sucking

behaviour of calves and comparison of two cleaning methods of the buckets. In: Proceedings

of the International Symposium on Suckling, Hamra Farm, Alfa Laval Agri, Tumba, Sweden.

p.49, 1999.

HOPKINS, B.A. Effects of the method of calf starter delivery and effects of weaning age on

starter intake and growth of Holstein calves fed milk once daily. J. Dairy Sci., v.80,

p.2200-2203, 1997.

(24)

23

JASPER, J.; WEARY, D. M. Effects of ad libitum milk intake on dairy calves. J. Dairy Sci.,

v.85, p.3054-3058, 2002.

JENSEN, M.B. Computer-controlled milk feeding of dairy calves: the effects of number of

calves per feeder and number of milk portions on use of feeder and social behaviour. J. Dairy

Sci., v.87, p.3428-3438, 2004.

JENSEN, M.B. Computer-Controlled Milk Feeding of Group-Housed Calves: The Effect of

Milk Allowance and Weaning Type. J. Dairy Sci., v.89, p.201-206, 2006.

JENSEN, M.B.; DUVE, L.R.; WEARY, D.M. Pair housing and enhanced milk allowance

increase play behavior and improve performance in dairy calves. J. Dairy Sci., v.98, n.4,

p.2568-2575, 2015.

JENSEN, M.B.; HOLM, L. The effect of milk flow rate and milk allowance on feeding

related behaviour in dairy calves fed by computer controlled milk feeders. Appl. Anim. Behav.

Sci., v.82, p.87-100, 2003.

JENSEN, M.B.; VESTERGAARD, K.S.; KROHN, C.C. Play behavior in dairy calves kept in

pens: the effect of social contact and space allowance. Appl. Anim. Behav. Sci., v.56,

p.97-108, 1998.

JUNG, J.; LIDFORS, L. Effects of amount of milk, milk flow and access to a rubber teat on

cross-sucking and non-nutritive sucking in dairy calves. Appl. Anim. Behav. Sci., v.72,

p.201-213, 2001.

KENNY, F.J.; TARRANT, P.V. The physiological and behavioural responses of crossbred

Friesian steers to short-haul transport by road. Livest. Prod. Sci., v.17, p.63-75, 1987.

KHAN, M.A., WEARY, D.M., VON KEYSERLINGK, M.A.G. Invited review: effects of

milk ration on solid feed intake, weaning and performance in dairy heifers. J. Dairy Sci., v.94,

p.1071-1081, 2011.

KHAN, M.A.; LEE, H. J.; LEE, W.S. et al. Pre and postweaning performance of Holstein

female calves fed milk through step-down and conventional methods. J. Dairy Sci., v.90, p.

876-885, 2007a.

KHAN, M.A.; LEE, H. J.; LEE, W.S. et al. Structural growth, rumen development, and

metabolic and immune responses of Holstein male calves fed milk through step-down and

conventional methods. J. Dairy Sci., v.90, p.3376-3387, 2007b.

KRACHUN, C.; RUSHEN, J.; DE PASSILLE, A.M. Play behaviour in dairy calves is

reduced by weaning and by a low energy intake. Appl. Anim. Behav. Sci., v.122, p.71-76,

2010.

(25)

24

LUPOLI, B.; JOHANSSON, B.; UVNÄS-MOBERG, K.; SVENNERSTEN-SJAUNJA, K.

Effect of sucking on the release of oxytocin, prolactin, cortisol, cholecystokinin, somatostatin

and insulin in dairy cows and their calves. J. Dairy Res., v.68, p.175-187, 2001.

MASON, G. Stereotypic Animal Behaviour: Fundamentals and Applications to Welfare.

Londres: CABI Publishing, 2006. 367p.

MOBERG G.P. Problems in defining stress and distress in animals. J. Am. Vet. Med. Assoc.,

v. 191(19), p.1207-1211, 1987.

NEGRÃO, J. A.; MARNET, P. G. Milk yield, residual milk, oxytocin and cortisol release

during machine milking in Gir, Gir x Holstein and Holstein cows. Reprod. Nutrit.

Development, v.46, n.1, p.77-86, 2006.

NIELSEN, P.P.; JENSEN, M.B.; LIDFORS, L. Milk allowance and weaning method affect

the use of a computer controlled milk feeder and the development of cross sucking in dairy

calves. Appl. Anim. Behav. Sci., v.67, p.15-33, 2008.

NINOMIYA, S.; SATO, S. Effects of 'Five freedoms' environmental enrichment on the

welfare of calves reared indoors. J. Anim. Sci., v. 80(3), p.347-51, 2009.

PARANHOS DA COSTA, M.J.R.; SILVA, L.C.M. Manual Boas Práticas de

Manejo-Bezerros Leiteiros. Jaboticabal, FUNEP, 2011. 51p.

QUIGLEY III, J.D. Feeding prior to weaning. In: Calves, heifers dairy profitability national

conference. Pennsylvania, Ithac: Northeast Regional Agricultural Engineering Service

Cooperative Extension, 1996. p.245-255.

REDBO, I.The influence of restraint on the occurrence of oral stereotypies in dairy cows.

Appl. Anim. Behav. Sci., v.35, p.115-123, 1992.

REDBO, I.; NORDBLAD, A. Stereotypies in heifers are affected by feeding regime. Appl.

Anim. Behav. Sci., v.53, 1997. p.193-202.

RUSHEN, J.; DE PASSILLÉ, A.M.; VON KEYSERLINGK, M.A.G.; WEARY, D.M. The

welfare of cattle. Holanda: Springer, 2008. v.5. 310p.

RUSHEN, J.; TAYLOR, A.A.; DE PASSILLÉ, A.M. Domestic animals’ fear of humans and

its effects on their welfare. Appl. Anim. Behav. Sci., v.65, n.3, p.285-303, 1999.

RUSHEN, J.; DE PASSILLÉ, A.M. The motivation of non-nutritive sucking in calves,

Bostaurus. Anim.Behav.,v.49, p.1503-1510, 1995.

SILPER, B.F.; LANA, A.M.Q.; CARVALHO, A.U. et al. Effects of milk replacer feeding

strategies on performance, ruminal development, and metabolism of dairy calves. J. Dairy

Sci.; v.97, p.1016-1025, 2014.

(26)

25

SWEENEY, B.C.; RUSHEN, J.; WEARY, D.M. et al. Duration of weaning, starter intake,

and weight gain of dairy calves fed large amounts of milk. J. Dairy Sci., v.93, p.148-152,

2010.

SZUCS, E.; MOLNAR, I.; WÉBER-FORGONY, A. et al. Effects of feeding milk from

nipple-pails or buckets in calf rearing. Acta Agron. Acad. Sci.; v.32, p.273-284, 1983.

THOMAS, T.J.; WEARY, D.; APPLEBY, M.C. Newborn and 5-week old calves vocalize in

response to milk deprivation. Appl. Anim. Behav. Sci., v.74, p.165-173, 2001.

VEISSIER, I.; DE PASSILLÉ, A.M.; DESPRÉS, G. et al. Does nutritive and non-nutritive

sucking reduce oral behavior and stimulates rest in calves? J. Animal Sci., v.8, p.2574-2587,

2002.

(27)

26

ANEXOS

(28)

27

ARTIGO CIENTÍFICO

Efeito do aumento da concentração de sólidos totais da dieta líquida sobre o comportamento de bezerras

Resumo

(29)

28 permanência em pé e maior tempo gasto ruminando em comparação as bezerras que foram aleitadas com 13,5% de ST na dieta líquida e independentemente da concentração de ST na dieta líquida, houve aumento no número de vocalizações em resposta ao estresse do desaleitamento na 9ª semana.

Palavras-chave: aleitamento, bem-estar, desaleitamento, estresse, vocalização.

1. Introdução

O aleitamento em volume restrito (quatro litros/dia) e o desaleitamento aos 60 dias de idade são estratégias amplamente utilizadas no Brasil para reduzir custos com alimentação na criação de bezerras, além de incentivar o consumo de concentrado e o consequente desenvolvimento do rúmen. No entanto, trabalhos sobre comportamento mostram que bezerros aleitados restritivamente executam comportamentos que podem ser associados à fome, como maior tempo de permanência em pé (De Paula Vieira et al., 2008) e maior número de vocalizações (Thomas et al., 2001) em comparação aos alimentados com maior volume de leite. Os estudos mostram ainda, que bezerros alimentados com maior volume de leite realizam comportamentos de brincadeiras com maior frequência, sugerindo que o maior consumo de energia tem relação direta com a melhoria do bem-estar de bezerros (Jensen et al., 2015; Krachun et al., 2010).

Apesar dos benefícios do aumento no volume de dieta líquida fornecida, bezerros com menor peso corporal, como no caso dos mestiços Holandês x Gir e raças de pequeno porte, possuem menor capacidade de ingerir grandes volumes de leite em dois fornecimentos (Kiezebrink et al., 2015; Silper et al., 2014), e há ainda, resistência dos criadores e técnicos em aumentar o volume fornecido às bezerras em virtude do atraso no desenvolvimento ruminal.

(30)

29 aumentar o volume de leite fornecido às bezerras pode ser uma estratégia interessante para melhorar o aporte nutricional aos bezerros (Glosson et al., 2015), no entanto, não há trabalhos na literatura que avaliem o comportamento das bezerras ao utilizar essa estratégia de aleitamento.

Objetivou-se avaliar o comportamento de bezerras mestiças Holandês x Gir, da 2ª a 13ª semana de idade, que receberam durante o aleitamento leite integral acrescido de sucedâneo em pó, com o intuito de aumentar as concentrações de ST.

2. Material e métodos

Todos os procedimentos adotados foram aprovados pela Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA 06/2014) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). O experimento foi realizado no campo experimental da Embrapa Gado de Leite, em Coronel Pacheco, Minas Gerais, Brasil.

2.1. Animais, abrigos e tratamentos

Este estudo foi realizado em paralelo a outro experimento, em que foram avaliados os efeitos do aumento nas concentrações de ST na dieta líquida, pela adição de sucedâneo em pó ao leite integral, sobre o consumo de alimentos, eficiência alimentar, crescimento e a saúde de bezerras leiteiras durante os períodos pré e pós-aleitamento imediato.

(31)

30 fabricados com vergalhões e telhado de aço, dispostos em pastagem de capim Cynodon sp., sendo contidas por correntes de 1,8 metros de comprimento.

Os tratamentos consistiram de 6 L/d de leite integral acrescidos de quantidades crescentes de sucedâneo em pó (Sprayfo Violet, Deventer, Holanda) com o objetivo de ajustar os ST para 13,5; 16,1; 18,2 e 20,4%. A aferição do valor de ST inicial do leite foi realizada diariamente antes do aleitamento da manhã e da tarde, utilizando-se refratômetro Brix (Misco DD-3 Palma Abbe Digital, Solon, Ohio, EUA). Os valores de grau Brix foram convertidos para o conteúdo de ST, para ajustar a quantidade de sucedâneo a ser adicionada ao leite, de acordo com a equação proposta por Moore et al. (2009) [ST = 0,9984 x (leitura do refratômetro Brix) + 2,077].

A mistura de leite e sucedâneo foi fornecida do 5° ao 55° dia de idade, em baldes, em duas refeições iguais (8 e 16h). No oitavo dia de idade, foi utilizado protocolo preventivo contra coccidiose, via oral (Baycox Ruminantes, Bayer, Leverkursen, Alemanha), utilizando-se 3 mL do produto para cada 10 kg de peso corporal (PC). No 56º dia, iniciou-se o desaleitamento gradual, no qual o volume da dieta líquida foi reduzido pela metade (3 L/d), fornecido até o 59° de idade, pela manhã. Aos 60 dias as bezerras foram desaleitadas. Concentrado (Soylac Rumen 20% floculada, Total Alimentos, Três Corações, Minas Gerais, Brasil; Tabela 1) e água foram fornecidos à vontade. Durante o período pós-aleitamento, aos 70 dias de idade, silagem de milho foi incluída à dieta (Tabela 1). A quantidade de concentrado e silagem de milho fornecida foi ajustada para 10% de sobras por animal/dia.

2.2. Parâmetros climáticos

(32)

31 Fahrenheit e Ur é a umidade relativa do ar expressa em valor decimal. O estresse térmico pelo calor foi avaliado segundo a classificação proposta por Armstrong (1994) em vacas Holandês, de acordo com a variação de ITU em ameno (72 a 78), moderado (79 a 88) e severo (89 a 98), sendo ITU abaixo de 72 considerado ambiente sem estresse por calor.

2.3. Parâmetros comportamentais

Os parâmetros comportamentais foram avaliados semanalmente da 2ª a 13ª semana de idade, por nove horas consecutivas (8 às 17h) utilizando-se 60 animais, e nos dias do desaleitamento (56 a 60 dias) uma hora antes e uma hora após o horário anteriormente destinado ao fornecimento da dieta líquida, totalizando duas horas de avaliações consecutivas (15 às 17h) utilizando-se 36 animais. O número de comportamentos de brincadeiras (BRN), vocalizações (VOC), mamadas no abrigo ou utensílios (MAU), lambidas no abrigo ou utensílios (LAU), lambidas no corpo (LCO), visitas ao balde de água (VBA), micções (MIC) e defecações (DEF) foram observados continuamente e registrados sempre que exteriorizados, considerando-se a frequência em que ocorriam. Se o animal realizava atividades diferentes dentro do mesmo minuto, essas eram registradas. No entanto, se a mesma atividade fosse repetida no mesmo minuto, considerava-se apenas uma ocorrência desta atividade. Para garantia da precisão dos dados, utilizou-se um observador para cada 10 bezerras avaliadas.

Utilizou-se ainda, o método de varredura instantânea (scan sampling) (Martin e Bateson, 2007) com intervalos de 10 minutos, avaliando-se o tempo gasto em pé (EPE), deitada (DTA), no interior do abrigo (INT), no exterior do abrigo (EXT), consumindo forrageira (FOR), visitando o cocho de silagem (SIL), visitando o cocho de concentrado (CON), ruminando (RUM) e em ócio.

(33)

32

2.4. Análises estatísticas

As análises estatísticas foram realizadas utilizando os procedimentos do software SAS (2002, versão 9.0) e Instat. Entre a 2ª e 13ª semanas e durante o desaleitamento, para os comportamentos avaliados por frequência de ocorrência e pelo método de varredura instantânea, foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado, com medidas repetidas no tempo. Os dados foram submetidos aos testes de Lilliefors e Bartlett para verificação da normalidade e homocedasticidade, respectivamente. Para variáveis que não atenderam pelo menos uma destas condições foi realizada transformação dos dados. Na varredura instantânea do comportamento entre a 2ª e 13ª semanas, as variáveis INT e SIL foram transformadas, respectivamente, com utilização da função logarítmica e raiz quadrada. Na varredura instantânea do comportamento no desaleitamento as variáveis INT, FOR e CON foram transformadas com função raiz quadrada. As variáveis que não apresentaram normalidade e não alcançaram esta condição após a transformação foram submetidas à análise não paramétrica, pelos testes de Kruskal Wallis (comparação entre tratamentos) e Friedman (comparação entre semanas) a 5%. Todas as variáveis avaliadas entre a 2ª e 13ª semanas e durante o desaleitamento por meio da frequência das ocorrências foram submetidas a análise de variância não paramétrica. As variáveis EXT, FOR, CON, RUM e ÓCIO entre as semanas 2 e 13, e as variáveis EXT e RUM durante o desaleitamento, na avaliação em varredura instantânea, também foram submetidas a análise de variância não paramétrica. As médias foram comparadas pelo teste de Dunn para comparações múltiplas, a 5% de probabilidade.

(34)

33 3. Resultados

3.1 Parâmetros climáticos

As médias de temperatura e umidade relativa do ar durante as avaliações foram de 27,7ºC e 52,9%, respectivamente. A média de temperatura máxima no interior do abrigo foi 33,2ºC e a média de temperatura mínima foi 20,8ºC. A umidade relativa do ar máxima e mínima foram de 72,4 e 40,0%, respectivamente. O índice de temperatura e umidade (ITU) no interior do abrigo apresentou média de 75,6 (Tabela 3).

3.2 Comportamento entre a 2ª e 13ª semanas de idade

O aumento da concentração de ST na dieta líquida não alterou os comportamentos de brincadeiras, mamadas no abrigo ou utensílios, visitas ao balde de água e micções entre a 2ª e 13ª semana de idade das bezerras (Tabela 4).

Bezerras que receberam 13,5% de ST na dieta líquida apresentaram maior (P=0,02) número de vocalizações do que aquelas aleitadas com 18,2% de ST, adicionalmente, foram observados valores intermediários nos demais tratamentos (Tabela 4).

O número de lambidas no abrigo ou utensílios das bezerras aleitadas com 20,4% de ST foi maior (P=0,01) do que aquelas aleitadas com 16,1% de ST, sendo observados valores intermediários para os demais tratamentos (Tabela 4).

(35)

34 Independentemente das concentrações de ST nas dietas líquidas, foi observado maior número (P<0,05) de comportamento lúdico de brincadeira até a 8ª semana. Em contrapartida, na 9ª semana, quando ocorreu o desaleitamento, houve redução desse comportamento (P<0,05) e aumento do número de vocalizações e visitas ao balde de água (P<0,05) (Tabela 5).

Em todos os tratamentos, o número de mamadas no abrigo ou utensílios, lambidas no abrigo ou utensílios e lambidas no próprio corpo foi maior (P<0,05) entre as semanas 6 e 9. As demais semanas foram intermediárias para esses comportamentos (P<0,05) (Tabela 5).

O número de micções aumentou (P<0,05) com o avanço da idade dos animais, já o número de defecações foi maior (P<0,05) na 2ª semana em comparação as semanas 4, 5, 6, 7 e 8. A partir da 9ª semana, quando ocorreu o desaleitamento, o número de defecações voltou a aumentar (P<0,05) (Tabela 5).

Não houve efeito dos tratamentos e da interação tratamentos e semanas para as variáveis avaliadas pelo método de varredura instantânea entre as semanas 2ª e 13ª (Tabela 6).

Na 2ª e 3ª semanas, as bezerras ficaram mais tempo (P<0,01) deitadas do que nas semanas seguintes. Durante o desaleitamento (9ª semana) e na semana seguinte, as bezerras passaram mais tempo (P<0,01) em pé que o restante das semanas avaliadas (Tabela 7).

As bezerras passaram mais tempo (P<0,01) no interior do abrigo na 2ª semana em relação as demais. Com o avançar da idade, esse tempo foi reduzido, no entanto, nas semanas 9, 10 e 11, o tempo de permanência no interior do abrigo aumentou (P<0,01). Nas semanas 12 e 13 o tempo no interior do abrigo diminuiu (P<0,01) novamente (Tabela 7). Na 13ª semana, as bezerras visitaram mais (P<0,01) o cocho de silagem do que nas semanas 11 e 12 (Tabela 7).

Os animais permaneceram mais tempo (P<0,05) no exterior do abrigo na 5ª semana do que na 2ª, 3ª, 9ª, 10ª, 11ª e 12ª semanas. As demais semanas foram intermediárias para esta variável (P<0,05) (Tabela 8).

(36)

35 animais, sendo maior na 13ª semana. Já o tempo em ócio reduziu com o avanço da idade dos animais (P<0,05) (Tabela 8).

3.3 Comportamento durante o desaleitamento (56 a 60 dias)

Não houve efeito dos tratamentos sobre o número de vocalizações, mamadas no abrigo ou utensílios, lambidas no abrigo ou utensílios, lambidas no corpo, micções e defecações, durante o desaleitamento (P>0,05) (Tabela 9). No entanto, as bezerras aleitadas com 20,4% de ST apresentaram maior número de brincadeiras em comparação as bezerras alimentadas com 13,5% de ST (P<0,05). Os demais tratamentos apresentaram comportamento intermediário (Tabela 9). As bezerras aleitadas com 20,4% de ST visitaram menos o cocho de água em relação as bezerras dos outros tratamentos (P<0,05) (Tabela 9).

O número de brincadeiras, mamadas no abrigo ou utensílios, lambidas no abrigo ou utensílios, lambidas no corpo, visitas ao balde de água, micções e defecações não foi influenciado pelo dia do desaleitamento (P>0,05).

O número de vocalizações foi afetado pelo dia do desaleitamento (P<0,05%). O menor número de vocalizações foi observado no dia 56 (5,6 vocalizações) quando o volume de leite fornecido foi reduzido à metade. Nos dias seguintes 57, 58 e 59 observou-se valores intermediários, 11,2; 7,1 e 5,9 vocalizações, respectivamente. No dia 60, a dieta líquida parou de ser fornecida às bezerras, sendo observado o maior número de vocalizações (12,5).

(37)

36 O tempo ruminando foi avaliado de forma não paramétrica, as bezerras aleitadas com 20,4% de ST ruminaram mais tempo (P<0,01) em comparação as aleitadas com 13,5 e 16,1% de ST. Para as outras variáveis não foi observado efeito do tratamento (P>0,05).

Não houve efeito dos tratamentos sobre o tempo gasto no interior do abrigo, consumindo forrageira, visitando o cocho de concentrado, em ócio e no exterior do abrigo (Tabela 10).

Houve efeito (P<0,05) do dia em desaleitamento sobre o tempo gasto no interior do abrigo, visitando o cocho de concentrado e no exterior do abrigo (Tabela 11). Com o passar dos dias em desaleitamento, as bezerras permaneceram mais tempo (P<0,05) no interior do abrigo. No dia 60, quando o leite deixou de ser fornecido, as bezerras passaram mais tempo (P<0,05) no interior do abrigo do que os demais dias avaliados (Tabela 11). As bezerras permaneceram mais tempo (P<0,05) no exterior do abrigo no dia 56 do que nos dias 58, 59 e 60. No dia 57 as bezerras passaram mais tempo (P<0,05) no exterior do abrigo do que no dia 60 e esse tempo foi intermediário para os dias 56, 58 e 59 (P<0,05) (Tabela 11). No dia 60, as bezerras visitaram mais (P<0,05) o cocho de concentrado do que os dias 56 e 57 (Tabela 11). As variáveis em pé, deitada, consumindo forrageira, ruminando e ócio não apresentaram diferença entre os dias em desaleitamento.

4. Discussão

4.1 Parâmetros climáticos

(38)

37 No mês de julho, os animais estiveram em ambiente sem estresse por calor, porém, no mês de setembro foram expostos a estresse térmico moderado, enquanto nos demais meses constatou-se estresse ameno por calor (Tabela 3). Espera-se que, em razão de sua maior adaptabilidade às condições tropicais, bezerras mestiças apresentem valores críticos superiores de ITU em relação às bezerras provenientes de climas temperados, além disso, a superfície corporal dos bezerros é maior que sua massa corporal, o que propicia rápida perda de calor, no entanto, inexistem trabalhos que avaliaram o ITU de conforto para bezerras mestiças (Holandês x Zebu). Os resultados obtidos sugerem que as bezerras possam ter utilizado mecanismos comportamentais e fisiológicos para dissipação do calor e regulação da temperatura corporal.

4.2 Comportamento entre a 2ª e 13ª semanas de idade

O aumento na concentração de ST na dieta líquida não foi capaz de influenciar o número de comportamentos de brincadeiras lúdicas executadas pelos animais (Tabela 4). Segundo Krachun et al. (2010), bezerros alojados em grupo e alimentados com 12 L/d de leite gastaram mais tempo realizando brincadeiras do que bezerros aleitados com 6 L/d, sugerindo que esse comportamento pode ser uma medida útil de avaliação da saciedade e bem-estar de bezerros. As bezerras do presente estudo foram alojadas em abrigos individuais e com limitação de espaço para execução de comportamentos de brincadeiras, o que indica que essa variável possa ter sido influenciada pelas condições impostas, justificando a similaridade entre os tratamentos.

Os animais diminuíram comportamentos de brincadeira com o aumento da idade (Tabela 5), esse comportamento também foi relato em outros estudos (Jensen et al., 1998; Jensen e Kyhn, 2000). O desaleitamento realizado na 9ª semana de idade das bezerras provocou redução no número de brincadeiras e atividades lúdicas, como corrida, galope, pinote e salto (Tabela 5), sugerindo o desconforto dos animais durante esse período.

(39)

38 menor aporte nutricional disponibilizado aos animais deste tratamento. Thomas et al. (2001) observaram maior número de vocalizações em bezerros alimentados com 5 L/d de leite em comparação aos que foram aleitados com 8 L/d, demonstrando que a dieta fornecida pode afetar o número de vocalizações emitidas por bezerros leiteiros. No entanto, o número de vocalizações das bezerras que receberam 13,5% de ST na dieta líquida não foi diferente do grupo que ingeriu 20,4% (Tabela 4) e independentemente da concentração de ST na dieta líquida, houve aumento no número de vocalizações em resposta ao estresse do desaleitamento na 9ª semana (Tabela 5). Possivelmente, existem fatores não nutricionais que interfiram no comportamento de desconforto dos animais como relatado por Jasper et al. (2008).

As estereotipias mamar e lamber abrigo ou utensílios bem como lamber o corpo foram observadas em todos os tratamentos (Tabela 4). Nas semanas 7 e 8, próximo e no início do desaleitamento, respectivamente, a frequência dessas atividades foi maior, sugerindo que o estresse do desaleitamento pode influenciar a ocorrência dessas estereotipias (Tabela 5).

Os animais aleitados com 20,4% de ST executaram maior número de lambidas no abrigo ou utensílios e lambidas no corpo do que os animais aleitados com menores concentrações de ST na dieta líquida (Tabela 4), apesar da ocorrência de estereotipias serem associadas a dietas com quantidades restritas de leite e consequentemente insuficiência da saciedade (De Paula Vieira et al., 2008).

Bezerras aleitadas com 16,1 e 20,4% de ST na dieta líquida defecaram mais vezes que o grupo aleitado com 13,5% de ST (Tabela 4). Possivelmente, a maior ingestão de ST provocou esse efeito. O número de micções e defecações aumentou com a idade. A maior frequência de defecações na 2ª semana em relação as semanas 4, 5, 6 e 7 (Tabela 5) pode ser explicada pela maior incidência de diarreia ocorrida neste período.

Imagem

Referências