A utilização da lavadora de louça industrial: uma alternativa para a central de material e esterilização.

Download (0)

Full text

(1)

A UTlLlACAO DA LAVADORA DE LOUCA INDUSTRIAL:

U MA ALTERNATIVA PARA A CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILZACAO*

Yukie Yokoyama** Sizue Nakae** Elaie Regain***

Aa Lucia Queiroz Bezea****

RES U MO: Neste estudo as autoras relatam a experiencia desenvolida na Central de Material e Esteriliza9ao de um hospital de grande pote da cidade de Sao Paulo, na utilizaao de uma maquina lavadora de IOU9a de usa industrial, readaptada om temperatura ideal para 0 processo de lavagem de instrumental . 0 estudo apresenta uma forma altemativa de trabalho com diminui9ao do tempo para operacionaliza9ao do seviyo e menor exposi9ao do pessoal aos residuos ogAnicos.

ABSTRACT: This wok is being developed at the material and sterilization center of a large hospital in Sao Paulo city. The authors relates the use of a industrial dish washing machine adapted with a correct temperature for washing surgical instrumental. The study shows a non expensive alternative form to wok, which diminishes time a nd pesonal exposure to the oganic disposal .

U N ITERMOS : Limpeza - Sanitiza9ao - Riscos Ocupacionais - Central d e Material Esterelizado.

1 . INTRODUCAO

Consideamos a Cental de Material e Esteilia­ :ao (CE) un dos mais impotantes locais do con­ texto hospitalar, tanto do onto de vista economico como tecnico aministrativo, devido a sua grade abrangencia. Qualquer procedimento realiado no pa­ ciente, podea obter ou 80 sucesso, entre outros fatores, em fn:ao da qualidade do material utiliado. Todo 0 pocessamento dos artigos medico-hospi­ talaes nas istiui:oes de saMe, desde a limpeza, sele:ao, acondicionamento, esteriliza:ao, uarda, distribui:ao e contole e de esponsabilidade da CE.

Esta unidade e comosta or divess reas, entre elas a de Expurgo, destinaa ao recebimento e lime­ a dos atigos sujos e/ou contaminados, povenientes do Centro Cirgico e de outas idades do hospital.

A limpea e a prime ira e mais importate etaa, pa que se atinja a eicacia dos pocedimentos de desinfec:ao ou esteriliza:ao dos artigos.

Em publica:oos sobe 0 assunto, 0 processo de limea e deinido como a emo:ao isica de sujia­ des, relizada com ag, diciodo, ou mo, sbao ou detergente, de foa nl ou or a:ao meic<4).

A limpeza manual ida e 0 processo mis utili­ zado no nosso meio e cosiste a lavagem dos istu­ mentos idividualmente, sob

aa

corete, solu:ao detergente e auxilio de escovas com cerds de nylon.

Pa a limpeza mecanica utiliza-se equiamentos como a lavadoaesteilizadoa ou a lavadoa ults­ sonica, que ossibilitam a desconamia:ao e/ou sa­ itiza:ao dos artigos medico hospitalares(3).

A eiciecia destes equipmentos deede a sa

Trabalho apresentado como Tema Livre no 45° Conresso Brsileiro de Enfemagem. Olinda-Recife - PE, 28 de novembro a 3 de dezembro de 1 993 .

.. Enfenneiras Supevisoras do Centro Cirurgico e Central de Material do Hospital da Beneicencia Potuguesa de Slo Paulo. . . . Enfemeira da Central de Material e Esteriliza�lo do Hospital da Beneicencia Potuguesa de Slo Paulo .

• • • • Enfermeira Supevisora do Setor de Educa�io em Sevi�o do Hospital da Beneicencia Potuguesa de Slo Paulo.

(2)

utiliza�ao adequada, qe inclui a ado�ao das nonas dos fabicantes, ate 0 osicioaeto dos materiais

no seu comarimeto inteno.

Quanto a descoamina�ao ataves da lavadoa ultrass6nica e discutivel, ois a temeratua e 0 temo

utilizdos a exosi�ao dos atigos oo sao sicien­ tes pa a destrui�ao de microoganismos(S).

o pimeio equiamento utiliado ara lavagem de artigos medico-hospitlaes foi descrito or Walter em 1 938, na autclave vertical, ode se utiliava un ecipiente e a� inox eurado paa coloc�ao de materil sujo. A cesa ea colocada no apaelho que ataves de movimentoS buscos fvoecia a eea­ �ao da agua o aparelho e no cesto de insumenal. Un tltro de vapor ao udo da dimaa fonecia clor paa a esterilia�ao e produzia a convec�ao. A adi�ao de detegente adeqado, auxiliava a eptor po­ teinas e saoniar gaxas(S).

o avan�o tecnoloico ven poocionando 0

apecimento de muitos equipamentos o mercado acional e esecialmente inteaciol.

Paa acompahar essa evolu�ao ovos prdutos e tecnicas de limeza sao desenvolvidas. Tudo isso ten acaetado costates adapta�oes o pocesso de limeza de artigos medico-ospitalaes. Porem esses equipamentos sao de alto custo e nem sepe cessi­ veis s codies ecooics de als itiui�es de le, levdo 0 essoal evolvido ess ativides

a bcar solu�es alteaivas a desevolvimeto do sevi�o, sem eeto pejudicar a sua qlidade.

Desenvolvemos as osss atividades proissio­ ais como enfeneias nua Cetrl de Material e Esteriliza�ao de un hospital e grande ore da cida­ de de Sao Paulo, que dispOe de 1 300 leitos, com 0

movimento ciirico em too de 2080 cirugis

mensais, ds quais 50 sao ciurgias cadioloicas.

Paa ateder a essa demanda cirurgica faz-se necessaio a eutilia�ao costante dos insumentais ciiricos existentes. Enetanto isso oo ocoria, e era feqiente 0 atraso no atendimento do movimento

das ciurgis progaadas para 0 dia.

Obsevava-se que 0 maior emo asto no tata­ mento com os instrumetais ea no seu pocesso de lavagem. Os equipmentos utiliados no osso sevi­ �o eam as lavadoas ultrassonicas, que devido ao gnde temo de UO, ja apesentavam alguns proble­ ms e manuten�ao constante, de un eo maior paa ealia�ao do seu ciclo, alem do ruido que po­ orcionava desconfoto ao essoal que ali tablava. Pelos moivos exostos, sentiu-se a ecessidade da

72 R. Bras. Eferm. Bsilia, v. 47, n. I , p. 7 1·74, jn.lmr. 1994

quisi�o de ovos quipmentos paa lavagem dos tigos, esecialmente os istumentais ciurgicos, visto que enfenavos diarimente problemas di­ vesos com 0 aaso s ciurgias proas.

Paa tnto passamos a uiliar na lavadoa-sa­ nitizadoa e lou�a idustrial, ja utiliada M n o elo Sevi�o e Nui�o e Dietetic, idica a

uso na CE ela Comissao de Contole de Ife�o e Qalidde, esoavel ela sel�o e quisi�o e equipametos ospitales.

Este equipamento e utilizdo a lvagem e sanitia�ao de artigos o, como istumentais cir­ gicos, vidos, plasticos e boachas. No osso sevi� o seu uso e exclusivo a istrumeais, elas eces­ siades ja citadas anterionente. A capacidde do cesto da lavadoa e paa 1 50 �as or vez. 0 temo or cicIo e 4 minutos, sedo 1 80 segdos a lava­ gem, 1 0 segudo de pausa e 50 segundos a enxa­ e. 0 seu fuciomento se pcessa or ua bom­ ba ceua de alta pessao, comjatos otativos qe fazem com que a agua circule numa teeaa e 9"C. Pa enxague, a agua e imulsioda ataves e jatos suerioes e inferioes nua emeatua e

95°C, ialiado 0 ciclo(6).

A diiculdade apeseda or este equiamento diz eseito a elimi�ao tl de sujides e esiduos aderidas em alguns instumentos. Paa eviar que isto ocora, faz-se necessno peviamente, a imeao des­ tes em na solu�o enzimatica, bcteriostica e bio­ degatavel eseciica pa digeir, dissolver e elimi­ r odoes e sange, pus, fezes e outos materiais oganicos.

A utilia�ao desta lavdoa de lou�a idustil pa lavagem de istumentais cicos en sido cosieada vantajosa els enfeeiras da CE. Poanto, esas se propuseam a elaar sas eeien­ cis com os seintes objetivos:

- vlidar 0 uso da lavdoa de lou�a industil coo solu�ao alteativa a dinamiar 0 processo de

lavagem dos instumentais ciurgicos, atededo s necessidades do sevi�o;

- poorcionar a diminui�ao dos riscos ocupcionais decorentes da limea manual.

2. METODO

(3)

cedas de ailon, sedo 0 maior volume de igos avados analmente.

A ptir de julo de 1991, com a instala9ao da

piea lvaoa de lou9a, 0 prcesso de limeza dos umentais cigicos, continuou 0 mesmo, mais com edu9ao signiicativa da pate anual.

o pocesso de limea dos istrumetais ciruri­

cos e ealiado imediatamente a6s 0 usa e obedece

s seguintes etapas:

1.

Os istmentais utilizados os pocedimentos ciiricos sao seados or esecie a sala de ciruri, e encminhados ao Expurgo da CE em caro de inox propio, deviamente cobetos com camos.

2. 0 uncioio do Exprgo, devidamente paa­ menado com luvas de boraca e avental imer­ meavel, ecebe esseS materiais, disondoos em pias propias de acordo com a es¢Cie.

3 . O s istumenais sao colcados nos cestos plasti­ cos vzados proprios da lavador, que estao den­

o e caixas de iox contendo a solu9ao

eziatica, bacteiosaica e bidegraaveI. 0

toal de instuentos, 150 e9as or cesto, sao

disostos totalmente abertos para facilitar a e­ mo9Io de sujiades agegaas as suas

aricu-19oes, cremalheias e anhus. 0 temo de

eo s S esta solu9ao e de 3 minutos, eo ese cosidedo suiciee a a em9ao

e ateis ormcos aegdos ao nstental.

4. Pasado esse temo, 0 cesto e etirado e colocado

a lavadoa. Es, que ja esta ligada, atinge ime­ diamente a temeatua de 90°C, quado se inicia 0 seu cicIo. A dua9ao do cicIo e de 4 mnutos coesondendo a lavagem, pausa e eaie.

5. Desligda a lavado., 0 cesto e retirado e feia a

is;o s e�as, pa se detectar residuos de

sujidades. Nesse momenta procede-se a esco­

va9Io manual de alns instumentos, esecial­ mente os que contem ahus, com a ilidade de gr a efetiviade da Iimea. Passa-se em aua coente.

6. A6s esta etapa, e prcedida a secagem al

dos instumentis, utiliando-se compessas ou toalhas acis.

7. Os instumenais deviamente secos sao colo­

cados em caixs de inox e encainados paa a sala de pepao.

Esse pocesso de limeza mecmco-maual, do momenta em que 0 istrumetal cega ao Expugo, ate 0 seU encaminamento paa a saIa de peparo leva

20 minutos. 0 prcesso anterionete utilizado dua­ va 60 minutos.

3. CONSI DERA;OES FINAlS

Devido aos esltados obtidos com 0 so da lavadora de lou93 ja conamos com tes qelas o sevi90.

Temos vericado que:

- houve dimiui9ao do temo de esera de a

iteven9ao cirurgica pam outa, ela maior api­ dez na lavagem dos instrmentais;

- a oeacionaliza9ao do pocesso de Iimeza se tonou mais diamica, ois equanto a aquia esa lavando, 0 pessoal esa preaando 0 proximo lote de istrumentis;

- houve redu9ao dos iscos cupacioais com mate­ iais eurocotantes, devido a menor utili9ao

da Iavagem manal;

- a aceita9ao d' equipamento elo essoal do setor foi bo, ela ausencia de midos;

- a anuten9ao e menos onerosa, com tecologia

simples e dispoibilidade de e9s, no mercado. Recomendamos a utilia9Io desta lavadoa de lou9a industrial como solu9ao 1teativa paa 0 de­ senvolvimento do trabalho o Expugo de ua Cen­ tal de Mateial e Esteriliza9ao, visto que 0 esultado ial alcan9ado e de melor qualidade e menor temo

no prcesso de limpea dos instumentais cirgicos,

como tambem or estanos cumprindo uma s nor­ mas de precau90es univesais ela menor exosi9ao

do essoaI.

(4)

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

1. CASRO, M.E. 0 no cirgico e 0 que pssa pelo seu interior. Mascaras e luvas, continuo fei�omnto de feneira cica, v.2, n.3, p. 13- 1 5, 1982.

2. FERRZ, E.M. Manual e contrle de inoc¢o em ciugia, p.287-288, 1982.

3. GARNE, S.S., FAVERO, M.S., CC guideline fr hnd­ wshing nd hosptal environental cotrol. 1985. T­ ay 's OR urse, v.8, n.4, p.2-37, 1986.

4. LACERDA, R.A., SILVA, A Lnpeza dos tig08 medic­ ospitalres. Rev. Pau. Hosp., SAo Pulo, v. lS, n. S a 12, mi/dez, 1992.

74 R. Bras. Enferm. Brsili, v. 47, n. I, p. 7 1 -74, jn.lmr. 1 994

S. PERKINS, I.l. Piciples and methods f sterilizain in health sciences. Chrles homs Publishr. 190. cp. l 0 e I S .

6. SEMCO, H. Laadora e f a M -304. Mnal d e sl­

�6s. SAo Pulo, s. n., 1985.

Figure

Updating...

References