O Papel do Governo. Relatório das Contas de Governo (TCU)

Texto

(1)

TCDF 2014

Aula 1

(2)
(3)

O Papel do Governo

Relatório das Contas de Governo (TCU)

(4)

O Papel do Governo

Relatório das Contas de Governo (TCU)

PIB per capita CT PIB per capita CT

1. Noruega 82.276 59% 18. Coreia 21.653 29%

2. Irlanda 59.940 37% 19. Portugal 21.102 43%

3. Suica 59.475 34% 20. Chile 9.881 21%

4. Dinamarca 56.923 55% 21. Mexico 9.693 20%

5. Suecia 49.554 56% 22. Russia 9.103 24%

6. Finlandia 46.836 53% 23. Uruguai 7.297 23%

7. Estados Unidos 46.674 28% 24. Brasil 7.107 35%

8. Reino Unido 45.922 41% 25. Argentina 6.617 29%

9. Canada 43.404 33% 26. Africa do Sul 5.922 24%

10. Australia 42.864 31% 27. Colombia 4.377 18%

11. Franca 41.940 50% 28. Equador 3.335 16%

12. Alemanha 40.480 44% 29. China 2.560 21%

13. Italia 35.963 46% 30. Egito 1.771 28%

14. Japao 34.287 27% 31. Bolivia 1.352 20%

15. Espanha 32.153 41% 32. Nigéria 1.153 11%

16. Nova Zelandia 30.453 36% 33. India 942 12%

17. Israel 23.990 37%

Países Países

(5)

O Papel do Governo

Relatório das Contas de Governo – 2010 (TCU)

(6)

ORÇAMENTO DE 2011

Despesas Empenhadas

(7)
(8)
(9)

Questão de Prova

O gasto público social é o instrumento central dos governos para a promoção da equidade na distribuição das oportunidades de acesso ao produto social e para a melhoria da distribuição da renda numa sociedade. Entre as assertivas abaixo, que versam sobre o gasto público social, assinale a única incorreta.

a) Os efeitos redistributivos do gasto público social são determinados pela magnitude e pela forma de financiamento deste.

b) No Brasil, o gasto social direto representa o maior item do dispêndio não financeiro do governo federal.

c) O Brasil é um país de renda per capta relativamente baixa, mas tem alcançado uma arrecadação tributária equivalente à de países ricos.

(10)

Questão de Prova

d) Embora quase metade da carga tributária brasileira seja composta de contribuições diretamente vinculadas a gastos na área social, persiste no Brasil uma das mais extremas situações de desigualdade de renda do mundo.

e) A maior parcela dos recursos alocados na área social é absorvida pela previdência social – o regime geral da previdência social e o regime jurídico único para os funcionários federais.

A

(11)

Sociedade Moderna

Conjunto de indivíduos e grupos com características, aptidões, interesses, formações, capacidades e recursos próprios e diferenciados, em permanente e complexa interação, com comportamentos direcionados à satisfação de suas necessidades específicas.

DIFERENCIAÇÃO CONFLITO

(12)

Sociedade Moderna

CONFLITO

COERÇÃO

POLÍTICA

Procedimentos que visam permitir a “convivência entre diferentes”

(Hannah Arendt)

(13)

Polity, Politics, Policy

A dimensão institucional “polity”: “se refere à ordem do sistema político, delineada pelo sistema jurídico, e à estrutura institucional do sistema político-administrativo”

A dimensão processual “politics”: “tem-se em vista o processo político, freqüentemente de caráter conflituoso, no que diz respeito à imposição de objetivos, aos conteúdos e às decisões de distribuição”

A dimensão material “policy”: “refere-se aos conteúdos concretos, isto é, à configuração dos programas políticos, aos problemas técnicos e ao conteúdo material das decisões políticas”

(Klaus Frey)

(14)

Políticas Públicas

“As políticas públicas (policies) são outputs, resultantes da atividades política (politics)”

“Uma política pública geralmente envolve mais do que uma decisão e requer diversas ações estrategicamente selecionadas para implementar as decisões tomadas.”

“Embora uma política pública implique decisão política, nem toda decisão política chega a constituir uma política pública.”

(Graças Rua)

(15)

POLÍTICAS PÚBLICAS:

OUTPUTS DO SISTEMA POLÍTICO

OUTPUTS

WITHIN PUTS

inputs

inputs Processamento

pelo sistema político

Incentivos / Estímulos

Externos

Incentivos / Estímulos

Internos

Apoios e Demandas

DECISÕES POLÍTICAS

POLÍTICAS PÚBLICAS

(16)

Inputs: Apoios

Obediência e cumprimento de leis e regulamentos;

Atos de participação política, como o simples ato de votar e apoiar um partido político;

Respeito à autoridade dos governantes e aos símbolos nacionais;

Disposição para pagar tributos e para prestar serviços, como por exemplo o serviço militar;

Envolvimento na implementação de programas governamentais;

Participação em manifestações públicas.

(Graças Rua)

(17)

Inputs: Demandas

Reivindicações de bens e serviços, como: saúde, educação, transportes, segurança pública, previdência social;

Exigência de desenvolvimento social e econômico;

Demandas por participação no sistema político;

Exigência de maior controle da corrupção e de mais transparência pública;

Demandas pela atuação regulamentar do setor público.

(Graças Rua)

(18)

Políticas Públicas

Definições

“Trata-se de um fluxo de decisões públicas, orientado a manter o equilíbrio social ou a introduzir desequilíbrios destinados a modificar essa realidade.”

“É possível considerá-las como estratégias que apontam para diversos fins, todos eles, de alguma forma, desejados pelos diversos grupos que participam do processo decisório.”

(Enrique Saravia)

(19)

Políticas Públicas

Definições

“Um sistema de decisões públicas que visa a ações ou omissões, preventivas ou corretivas, destinadas a manter ou modificar a realidade de um ou vários setores da vida social, por meio da definição de objetivos e estratégias de atuação e da alocação dos recursos necessários para atingir os objetivos estabelecidos.”

(Enrique Saravia)

(20)

Arenas

“As reações e expectativas das pessoas afetadas por medidas políticas têm um efeito antecipativo para o processo político de decisão e de implementação.”

“O modelo da „policy arena‟ refere-se portanto aos processos de conflito e de consenso dentro das diversas áreas de política, as quais podem ser distinguidas de acordo com seu caráter distributivo, redistributivo, regulatório ou constitutivo.”

(Klaus Frey)

(21)

Arenas

POLÍTICAS DISTRIBUTIVAS:

Caracterizadas por um baixo grau de conflito dos processos políticos, pois parecem somente distribuir vantagens e não acarretar custos para outros grupos;

Caracterizadas por consensos e indiferença amigável, com lideranças relativamente temporárias;

Em geral, beneficiam um grande número de destinatários (em escala relativamente pequena), e potenciais opositores costumam ser incluídos na distribuição de benefícios.

(Klaus Frey)

(22)

Arenas

POLÍTICAS REDISTRIBUTIVAS:

Caracterizadas pelo conflito, pois busca-se, de forma deliberada, o deslocamento de recursos entre camadas sociais ou entre diferentes grupos da sociedade;

Nesse caso, o processo político costuma ser polarizado e envolver relações de poder sobre recursos diversos, com lideranças duradouras e pouca presença de alianças e barganhas;

(Klaus Frey)

(23)

Arenas

POLÍTICAS REGULATÓRIAS:

Utilizam instrumentos normativos diversos para regular a atuação dos diferentes grupos na sociedade;

Os efeitos relacionados aos custos e benefícios não são determináveis previamente, dependendo da configuração concreta das políticas;

Os processos de conflito, consenso, coalizão, barganhas e concessões podem se alterar de acordo com a configuração específica das políticas.

(Klaus Frey)

(24)

Arenas

POLÍTICAS CONSTITUTIVAS (ESTRUTURADORAS):

Políticas que determinam as regras do jogo e, assim, definem a estrutura dos processos e conflitos políticos;

Estabelecem as condições gerais conforme as quais serão desenvolvidas as demais políticas públicas (distributivas, redistributivas e regulatórias);

Trata da própria esfera da política e suas instituições;

(Klaus Frey)

(25)

Quanto aos seus impactos sobre as relações sociais, as políticas públicas podem ser classificadas como distributivas, redistributivas ou regulatórias.

C

Questão de Prova - Cespe

(26)

PROBLEMAS

AGENDA

FORMULAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO

AVALIAÇÃO

Ciclo de PPUs

ACOMPANHAMENTO

(27)

Questões (1)

FORMULAÇÃO X

IMPLEMENTAÇÃO

(28)

Questões (2)

FOCALIZAÇÃO X

UNIVERSALIZAÇÃO

(29)

Questão de Prova - Cespe

Um elemento importante da análise de políticas públicas é o chamado “ciclo da política” ou “ciclo político” (policy cycle).

Embora apresentem pequenas variações, tradicionais abordagens do ciclo político destacam as fases da formulação, da implementação e do controle de resultados.

Com relação ao processo de política pública e suas fases, julgue os itens a seguir.

I. Política pública é sinônimo de decisão política: ambas envolvem a alocação imperativa de valores e recursos.

II. As fases de formulação e implementação da política pública são empiricamente distintas, inexistindo quaisquer sobreposições factuais ou temporais entre elas.

(30)

Questão de Prova - Cespe

III. Elementos simbólicos ou políticos, como prestígio ou poder, são capazes de influenciar as preferências dos atores envolvidos na fase de formulação da política pública.

IV. O monitoramento da implementação permite identificar problemas e especificar medidas corretivas para saná-los, aumentando a probabilidade de uma política pública atingir os objetivos pretendidos.

Estão certos apenas os itens:

A) I e II B) I e III C) II e IV D) III e IV

D

(31)

Governo x APU

Segundo Hely Lopes Meirelles:

A Administração é o instrumental de que dispõe o Estado para por em prática as opções políticas do Governo.

Segundo Maria Sylvia Zanella Di Pietro:

Em sentido objetivo ou material, a administração pública pode ser definida como a atividade concreta e imediata que o Estado desenvolve, sob regime jurídico de direito público, para a consecução dos interesses coletivos.

Em sentido subjetivo, formal ou orgânico, pode-se definir Administração Pública, como sendo o conjunto de órgãos e de pessoas jurídicas aos quais a lei atribui o exercício da função administrativa do Estado.

(32)
(33)

“Burocracia” na imprensa

(34)

“Burocracia” na imprensa

(35)

“Burocracia” na imprensa

(36)

“Burocracia” na imprensa

(37)

“Burocracia” na imprensa

(38)

“Bu rocracia” n o Goo gle

(39)

Afinal, quem é essa

BUROCRACIA?

(40)

Administração Pública

“A administração pública no sentido mais amplo é todo o sistema de governo, todo o conjunto de idéias, atitudes, normas, processos, instituições e outras formas de conduta humana, que determinam:

a) como se distribui e se exerce a autoridade política;

b) como se atendem aos interesses públicos.

Este é o âmbito da ciência política, esboçada gradualmente desde a antigüidade, em longa evolução que tem acumulado um acervo de interpretações bastante rico”

(AMATO MUÑOZ)

(41)

Administração Pública

Com o Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado de 1995, adotou-se o seguinte conceito para a administração pública:

“É todo o aparelho do Estado pré- orientado à realização de seus serviços, visando à satisfação das

necessidades coletivas”

(42)

Administração Pública Modelos Teóricos

PATRIMONIALISTA

BUROCRÁTICO

GERENCIAL

(43)

Exercício - Cespe

A administração pública evoluiu por meio de três modelos básicos: assistencialista, burocrático e gerencial.

E

(44)

Administração Pública Patrimonialista

“O Patrimonialismo significa a incapacidade ou a relutância do poder absolutista em distinguir entre o patrimônio público e os seus bens privados.”

“A administração patrimonialista é caracterizada pela dificuldade de definição do que venha ser o

patrimônio público e o privado, o que pode permitir a proliferação de nepotismo e de corrupção.”

(BRESSER PEREIRA)

(45)

Administração Pública Patrimonialista

Historicamente, este tipo de administração

corresponde ao Estado absolutista, que prevaleceu até o século XVIII (justificado por filósofos como Jean Bodin e Thomas Hobbes).

Hobbes: No início, os homens viviam em estado natural, sem lei que os submetesse. O Estado, para ele, nada mais era que o resultado de um contrato pelo qual os homens cediam todos os direitos ao rei, que fosse forte o bastante para protegê-los.

(46)

Administração Pública Patrimonialista

O aparelho do Estado funciona como uma extensão do poder do soberano, e os seus auxiliares,

servidores, possuem status de nobreza real.

Os cargos são considerados prebendas.

A res publica não é diferenciada das res principis.

A corrupção e o nepotismo são inerentes a esse tipo de administração.

(47)

Administração Pública Patrimonialista

No século XVIII, a burguesia estava cada vez mais rica e ansiava pelo poder político, que não conseguira alcançar na ajuda aos reis contra os senhores feudais.

Ao fim do período, levantou-se contra a monarquia absolutista e as classes privilegiadas, nobreza e alto clero.

Foi a Revolução Industrial que permitiu à burguesia desenvolver o máximo de suas potencialidades e

possibilitar o surgimento dos Estados democráticos.

(48)

Administração Pública Patrimonialista

Fim do absolutismo associado à ideia de Estado, que até então era fundamentada no rei como soberano.

Surge a ideia de nação, onde os déspotas esclarecidos perceberam que existia o povo que fazia parte de seu patrimônio e de sua riqueza.

(49)

Administração Pública

Patrimonialista: Declínio (1)

Causas que levaram à formação da administração pública burocrática:

Processo de racionalização capitalista (Weber)

As organizações complexas, privadas e públicas, devem profissionalizar sua gestão, padronizar os métodos administrativos e buscar maior eficácia em suas ações, em termos de estrutura hierárquica e qualificação dos funcionários.

(50)

Administração Pública

Patrimonialista: Declínio (2)

Expansão do papel do Estado

No início: exército regular e tributação eficiente.

Expansão:

Direitos de propriedade, proteção legal.

Atividades regulatórias e investimento em infra- estrutura.

Nos países em desenvolvimento, o Estado como

vetor do desenvolvimento dependeu da constituição de uma burocracia meritocrática.

(51)

Administração Pública

Patrimonialista: Declínio (3)

Ampliação da liberal-democracia e surgimento de políticas públicas para garantir direitos sociais

O liberalismo tornou-se liberal democracia com a ampliação do sufrágio, levando a políticas sociais, que demandavam uma burocracia profissional.

A democracia e ampliação dos direitos tornou mais igualitário o acesso aos cargos públicos.

A criação da burocracia esteve no centro dos

conflitos da montagem da liberal democracia até a sua transformação em democracia.

(52)

Administração Pública

Patrimonialista: Declínio (4)

Em muitos casos, houve a criação de outra lealdade patrimonial, a clientelista, cujo objetivo era retribuir com cargos públicos aos apoios recebidos.

Isso ocorreu nos Estados Unidos, na Inglaterra, no Brasil.

(53)

Administração Pública Burocrática

Surge na segunda metade do século XIX, na época do Estado liberal, como forma de combater a corrupção e o nepotismo patrimonialista.

Os controles administrativos visando evitar a corrupção e o nepotismo são sempre a priori.

Parte-se de uma desconfiança prévia nos administradores públicos e nos cidadãos.

São sempre necessários controles rígidos dos processos (ex.: admissão de pessoal, compras).

(54)

Administração Pública Burocrática

O controle transforma-se na própria razão de ser do funcionário. O Estado volta-se para si mesmo,

perdendo a noção de sua missão básica, que é servir à sociedade.

A qualidade fundamental da administração pública burocrática é a efetividade no controle dos abusos.

Seus defeitos: a ineficiência, a auto-referência, a incapacidade de voltar-se para o serviço aos

cidadãos.

(55)

Administração Pública Burocrática

Estes defeitos não foram determinantes na época do surgimento da administração pública burocrática porque os serviços do Estado eram muito reduzidos.

O Estado limitava-se a manter a ordem e administrar a justiça, a garantir os contratos e a propriedade.

(56)

Caráter legal (normas)

Caráter racional

Comunicação formal

Impessoalidade

Valorização da hierarquia

Autoridade formal

Separação entre Política e Administração

Administração Pública

Burocrática: Características

(57)

Padronização de procedimentos

Meritocracia

Valorização da qualificação técnica

Especialização

Profissionalização dos indivíduos

Previsibilidade dos comportamentos

Administração Pública

Burocrática: Características

(58)

Redução de custos e erros

Comunicação eficiente

Decisões rápidas

Minimização de atritos

Estabilidade e confiabilidade

Benefícios para os trabalhadores

Eficiência da organização no alcance de seus objetivos

Administração Pública

Burocrática: Vantagens

(59)

Internalização das regras

Excesso de formalismo e de conformidade às normas

Resistência a mudança

Despersonalização dos relacionamentos

Valorização excessiva da autoridade

Despreocupação com os resultados

Perda da capacidade de inovação

Administração Pública

Burocrática: Disfunções

(60)

O modelo de administração pública burocrática é comumente citado como modelo burocrático

weberiano, pois foi Max Weber o primeiro a

descrever uma estrutura burocrática em sua forma típica ideal.

Weber considerava a burocracia imprescindível para a racionalização das atividades estatais, o que a

classe política não conseguiria fazer sozinha; mas temia que a burocracia tivesse poder demasiado e sempre propôs um controle político.

Administração Pública

Burocrática

(61)

Não há um único modelo de administração burocrática.

Fatores que podem influenciar a constituição do modelo burocrático:

Cultura política: o sentido da meritocracia

Modelo de construção capitalista

Relações entre Estado e Sociedade

Administração Pública

Burocrática

(62)

Problemas Endógenos:

A separação entre Política e Administração

O fortalecimento do formalismo

Uma evolução em prol do insulamento

Os problemas de desempenho

Administração Pública

Burocrática: Declínio (1)

(63)

Desafios mundiais a partir de 1970:

Crise do Estado: crise fiscal e enfraquecimento do poder estatal frente à globalização

Transformações tecnológicas e produtivas, que exigem um Estado mais ágil e eficiente

Mudanças sociais e culturais aumentaram as demandas por direitos e novas políticas estatais

Democratização e ampliação da esfera pública, aumentando o número de atores sociais relevantes

Administração Pública

Burocrática: Declínio (2)

(64)

Exercício - Cespe

No que concerne ao pensamento de Max Weber, julgue o item seguinte. O patrimonialismo normal inibe a

economia racional não apenas por sua política

financeira, mas também por peculiaridades de sua administração, entre as quais se pode citar a ausência típica de um quadro de funcionários com qualificação profissional formal.

C

(65)

Exercício - Esaf

Ao longo de sua história, a administração pública assume formatos diferentes, sendo os mais característicos o

patrimonialista, o burocrático e o gerencial. Assinale a opção que indica corretamente a descrição das características da

administração pública feita no texto a seguir.

O governo caracteriza-se pela interpermeabilidade dos

patrimônios público e privado, o nepotismo e o clientelismo. A partir dos processos de democratização, institui-se uma

administração que usa, como instrumentos, os princípios de um serviço público profissional e de um sistema administrativo

impessoal, formal e racional.

(66)

Exercício - Esaf

a) Patrimonialista e gerencial b) Patrimonialista e burocrático c) Burocrático e gerencial

d) Patrimonialista, burocrático e gerencial e) Burocrático

B

(67)

Administração Pública Gerencial

Surge na segunda metade do século XX, como

resposta à expansão das funções econômicas e sociais do Estado e ao desenvolvimento tecnológico e à

globalização da economia mundial.

A eficiência da administração pública, com a necessidade de reduzir custos e aumentar a

qualidade dos serviços, em benefício do cidadão, torna-se essencial.

(68)

Administração Pública Gerencial

A reforma do aparelho do Estado passa a ser orientada predominantemente pelos valores da eficiência e qualidade na prestação de serviços públicos.

Começa a se desenvolver uma cultura gerencial nas organizações.

(69)

Administração Pública Gerencial

A administração pública gerencial constitui um avanço e um certo rompimento com a burocrática.

A administração pública gerencial conserva da anterior, embora flexibilizando, alguns princípios fundamentais (meritocracia, carreiras, avaliação de desempenho, treinamentos sistemáticos).

A diferença fundamental está na forma de controle, que deixa de basear-se nos processos e concentra-se nos objetivos e resultados.

(70)

Administração Pública Gerencial

Estratégias:

1. Definição precisa dos objetivos que o

administrador público deverá atingir em sua unidade.

2. Garantia de autonomia do administrador na gestão dos recursos humanos, materiais e

financeiros à sua disposição para atingir os objetivos contratados.

3. Controle a posteriori dos resultados.

(71)

Administração Pública Gerencial

Propõe-se a competição administrada no interior do próprio Estado, quando há a possibilidade de

concorrência entre as unidades.

Quanto às estruturas organizacionais, buscam-se a descentralização e a redução dos níveis hierárquicos.

A administração pública deve ser permeável à maior participação dos agentes privados e das organizações da sociedade civil.

(72)

Adm. Pública x Adm. Privada

A administração pública gerencial inspira-se na

administração de empresas, mas não pode ser confundida com ela.

A receita das empresas depende dos pagamentos que os clientes fazem livremente; a receita do Estado provém de impostos.

O mercado controla a administração das empresas; a sociedade controla a administração pública.

A administração de empresas está voltada para o lucro privado; a administração pública gerencial está explícita e diretamente voltada para o interesse público.

(73)

Administração Pública Gerencial

A administração pública gerencial vê o cidadão como contribuinte de impostos e como cliente dos seus

serviços.

Os resultados da ação do Estado são considerados bons se as necessidades do cidadão-cliente estão sendo atendidas, e não apenas porque os processos administrativos estão sob controle e são seguros.

(74)

Administração Pública Gerencial

O paradigma gerencial contemporâneo é

fundamentado nos princípios da confiança e da descentralização da decisão.

Demanda formas flexíveis de gestão, horizontalização de estruturas, descentralização de funções, incentivos à criatividade.

(75)

Administração Pública Gerencial

Contrapõe-se à ideologia do formalismo e do rigor técnico da burocracia tradicional.

Mantém a avaliação sistemática, a recompensa pelo desempenho, a capacitação permanente,

características da boa administração burocrática.

Adiciona os princípios da orientação para o cidadão- cliente, do controle por resultados e da competição administrada.

(76)
(77)

Surgimento do

Modelo Gerencial

Desde o final da década de 70, a reforma do Estado se tornou palavra de ordem em quase todo o mundo.

O antigo consenso social a respeito do papel do Estado perdia forças rapidamente, sem nenhuma perspectiva de retomar o vigor.

A introdução do modelo gerencial no setor público faz parte deste contexto.

(78)

Surgimento do

Modelo Gerencial

Fator 1:

Crise econômica mundial, iniciada em 1973, na

primeira crise do petróleo, e reforçada em 1979, na segunda crise do petróleo.

A economia mundial enfrentou um grande período recessivo nos anos 80 e não retomou os níveis de crescimento das décadas de 50 e 60.

Na escassez, o Estado foi o principal prejudicado, entrando em grave crise fiscal.

(79)

Surgimento do

Modelo Gerencial

Fator 2:

Crise Fiscal: os governos não tinha mais como financiar seus déficits crescentes.

Sobretudo nos Estados Unidos e na Inglaterra,

iniciava-se uma revolta dos taxpayers (contribuintes) contra a cobrança de mais tributos, sem relação

direta com a melhoria dos serviços públicos.

Os governos estavam sobrecarregados de atividades acumuladas no pós-guerra. Vários grupos não

queriam perder o que consideravam conquistas.

(80)

Surgimento do

Modelo Gerencial

Fator 3:

Tratava-se do que a linguagem da época chamava de situação de “ingovernabilidade”:

Os governos estavam inaptos para resolver seus problemas.

(81)

Surgimento do

Modelo Gerencial

Fator 4:

A globalização e todas as transformações

tecnológicas que transformaram a lógica do setor produtivo afetaram de maneira decisiva o Estado e sua capacidade de formular políticas econômicas de forma autônoma.

(82)

Gerencialismo

Os conceitos do managerialism invadiram o setor público dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, a partir da eleição dos governos conservadores.

No início, consistia na utilização dos instrumentos do modelo gerencial segundo um modelo conhecido

como “gerencialismo puro” (Abrucio), direcionado à redução de custos e ao aumento da eficiência e

produtividade da organização.

(83)

Gerencialismo

Inglaterra:

“Rolling Back the State”

Privatização de empresas nacionalizadas no pós- guerra

Desregulamentação

Devolução de atividades governamentais à iniciativa privada ou à comunidade

Tentativas de reduzir os gastos públicos

(84)

Gerencialismo

Recentemente, o modelo gerencial não tem sido

utilizado apenas como um mecanismo para reduzir o papel do Estado.

O managerialism uniu-se a conceitos como busca contínua da qualidade, descentralização e avaliação dos serviços públicos pelos consumidores/cidadãos.

Há mais de um modelo gerencial: surgiram diversas respostas à crise do modelo burocrático weberiano.

(85)

Gerencialismo

Modelo Gerencial Puro

Economia / Eficiência

Taxpayers (contribuintes)

Consumerism

Efetividade / Qualidade

Clientes / Consumidores

Public Service Orientation

Accountability / Eqüidade

Cidadãos

(86)

Gerencialismo

Há um relevante intercâmbio entre as teorias,

principalmente entre consumerism e public service orientation.

Há uma evolução ao longo do tempo, do

gerencialismo puro ao public service orientation.

Embora haja diferenças entre as teorias, elas não são mutuamente excludentes. Há uma incorporação dos aspectos positivos de cada teoria.

(87)

Modelo Gerencial Puro

O modelo gerencial puro foi o primeiro a ser implantado no caso inglês e, com algumas

modificações, na experiência americana durante o governo de Reagan.

O managerialism foi utilizado no setor público para diminuir os gastos em uma era de escassez e para aumentar a eficiência governamental.

Tinha como eixo central o conceito de produtividade:

o ponto central do modelo gerencial puro é a busca da eficiência.

(88)

Modelo Gerencial Puro

Definição clara das responsabilidades de cada funcionário dentro das agências governamentais

Definição precisa dos objetivos organizacionais,

analisados em sua substância e não como processos administrativos

Aumento da consciência a respeito do “valor dos recursos” (value money) públicos, incorporando o valor da eficiência na lógica de funcionamento da burocracia.

(89)

Problemas

Os critérios de medição da eficiência podem se tornar tão rígidos e ineficazes quanto as regras e

procedimentos do modelo burocrático weberiano.

O enfoque apenas da eficiência governamental possui outro problema: a avaliação da efetividade dos

serviços públicos não recebe a devida importância.

Deve-se ter a noção de que o governo deve prestar bom serviços: necessidade de qualidade.

Subestimação do conteúdo político da administração pública.

(90)

Problemas

Foi proposto como uma tecnologia neutra destinada a modificar o funcionamento e a cultura do setor público.

Propunham reformas ao setor público como se fosse uma organização homogênea, mas a administração pública se constitui num sistema organizacional em que há diferentes tarefas e valores pertencentes a um contexto complexo de relações com a esfera política.

O modelo gerencial puro tem como base a separação entre a política e a administração.

(91)

Problemas

Os gerencialistas puros não consideraram que a especificidade do setor público dificulta a

mensuração da eficiência e a avaliação do desempenho tal como na iniciativa privada.

Estão em jogo valores como eqüidade e justiça, que não podem ser avaliados por intermédio dos

conceitos do managerialism puro.

Esta “despolitização” e a ênfase no conceito de eficiência governamental fizeram com que Pollitt classificasse o managerialism como “neotaylorismo”.

(92)

Consumerismo

O novo paradigma resultaria da síntese entre os antigos valores do serviço público (modelo

weberiano) e a orientação para uma melhor performance do setor público como um todo.

Perspectiva voltada à satisfação do público,

intitulada paradigma do consumidor (consumer paradigm)

(93)

Consumerismo

O programa do governo inglês mais importante no sentido de priorizar o consumidor foi o Citizen‟s Charter.

Baseou-se no princípio de que os serviços públicos devem estar mais direcionados às necessidades

definidas pelo público diretamente afetado.

Consistiu na implantação de programas de avaliação de desempenho organizacional de acordo com dados recolhidos juntos aos consumidores.

(94)

Consumerismo

Estratégias para tornar o poder público mais ágil:

Descentralização, com opções caso determinado equipamento social não esteja funcionando a contento.

Incentivo à competição entre as organizações do setor público.

Adoção de um novo modelo contratual para o serviços públicos.

(95)

Críticas

A cidadania está relacionada com o valor de

accountability, que requer uma participação ativa na escolha dos dirigentes, no momento da elaboração das políticas e na avaliação dos serviços públicos.

O conceito de consumidor também não responde ao problema da eqüidade, valor fundamental na

administração pública.

(96)

Public Service Orientation

A reflexão realizada pelos teóricos do PSO leva aos temas do republicanismo e da democracia,

utilizando-se de conceitos como accountability, transparência, participação política eqüidade e justiça.

O PSO foi criado a partir de uma questão do modelo gerencial: a descentralização, a partir da qual foram formulados os conceitos do PSO.

(97)

Public Service Orientation

É a partir do conceito de esfera pública (public

domain) que é estruturado o conjunto de idéias do PSO.

A esfera pública como ambiente de transparência e de aprendizado social deve estar presente na

organização interna da administração pública,

sobretudo no momento de elaboração das políticas públicas.

(98)

Public Service Orientation

O planejamento estratégico não pode estar confinado à burocracia. Os objetivos políticos devem ser

discutidos e revelados em debate público.

Quanto à competição entre agências públicas, para o PSO o que é mais ressaltado é a possibilidade de

cooperação entre agências por um melhor resultado global na oferta de serviços públicos.

(99)

Public Service Orientation

As discussões sobre eficiência, qualidade, avaliação de desempenho, flexibilidade, planejamento

estratégico não são negadas: há a tentativa de aperfeiçoá-las.

O modelo do PSO foi pensado dentro dos parâmetros do poder local, onde os cidadãos tenderiam a

controlar mais a qualidade dos serviços públicos.

Tem-se um concepção muito otimista com relação à possibilidade dos cidadãos resolverem na esfera local todos os problemas do setor público.

(100)

EUA: Reinventando o Governo

A obra de David Osborne e Ted Gaebler, Reinventando o governo (1994), é um marco na discussão da administração pública americana.

“Nosso problema fundamental é o fato de termos o tipo inadequado de governo. Não necessitamos de mais ou menos governo: precisamos de melhor governo. Para sermos mais precisos, precisamos de uma melhor

atividade governamental.”

(OSBORNE & GAEBLER)

(101)

Reinventando o Governo

Governo catalisador, a partir da redefinição do papel do governo, de provedor direto para promotor;

Governo competitivo, que destaca as vantagens da competição;

Governo da comunidade, que transfere responsabilidades da burocracia para o cidadão;

Governo orientado por missões e resultados, que muda o

enfoque em regras e procedimentos para missões e resultados;

Governo voltado para clientes, que destaca o papel

preponderante do governo de servir aos cidadãos com qualidade e enfatizando o controle social.

(102)

Reinventando o Governo 10 Princípios

1. Competição entre os prestadores de serviço;

2. Poder aos cidadãos, transferindo o controle das atividades à comunidade;

3. Medir a atuação das agências governamentais através dos resultados;

4. Orientar-se por objetivos, e não por regras e regulamentos;

5. Redefinir os usuários como clientes

(103)

Reinventando o Governo 10 Princípios

6. Atuar na prevenção dos problemas mais do que no tratamento;

7. Priorizar o investimento na produção de recursos, e não em seu gasto;

8. Descentralização da autoridade;

9. Preferir os mecanismos de mercado às soluções burocráticas;

10. Catalisar a ação do setores público, privado e voluntário.

(104)

Questão de Prova - Cespe

A respeito do paradigma do cliente na gestão pública, assinale a opção correta:

A) A administração pública com foco no cliente visa à

construção de uma gestão eficiente, mesmo que os valores democráticos tenham de ser abandonados.

B) As organizações governamentais recebem claros sinais do mercado e conseguem avaliar facilmente a necessidade dos seus clientes.

C) A administração pública voltada para o cliente

menospreza a qualidade dos serviços, uma vez que o seu objetivo é atender a demanda do cidadão no menor prazo possível.

(105)

Questão de Prova - Cespe

D) A gestão com foco no cliente pode ser facilmente adaptada da administração privada para o setor público, desde que a aplicação de alguns princípios básicos que regem as

organizações públicas, tais como igualdade e transparência, seja amenizada.

E) Uma das principais características de uma administração pública com alto desempenho é a reestruturação de seus

serviços e processos de trabalho, para satisfazer as necessidades do seus clientes.

E

(106)

NGP: Princípios (1)

1. Orientação da ação do Estado para o cidadão- usuário ou cidadão-cliente;

2. Ênfase no controle dos resultados através dos contratos de gestão (ao invés de controle dos procedimentos);

3. Fortalecimento e aumento da autonomia da burocracia estatal, organizada em carreiras ou

“corpos” de Estado;

4. Separação entre as secretarias formuladoras de políticas públicas, de caráter centralizado, e as unidades descentralizadas, executoras;

(107)

NGP: Princípios (2)

5. Distinção de unidades descentralizadas: as agências executivas, que realizam atividades exclusivas de Estado, e os serviços sociais e científicos;

6. Transferência para o setor público não-estatal dos serviços sociais e científicos competitivos;

7. Adoção cumulativa de controle social, contrato de gestão e formação de quase-mercados em que

ocorre a competição administrada;

8. Terceirização das atividades de apoio, que passam a ser licitadas competitivamente no mercado.

(108)

Exercício - Cespe

A administração pública gerencial está voltada para o atendimento às demandas dos usuários dos serviços e a obtenção de resultados. Baseia-se fortemente na

descentralização e na delegação de competência e

define indicadores de desempenho, o que está associado à adoção de contratos de gestão.

C

(109)

Exercício - Cespe

O “Citizen‟s Chart”, programa desenvolvido na

Inglaterra durante as décadas de 1970 e 1980, tinha como estratégia central seu direcionamento às

necessidades do público demandante, e pode ser apontado como o principal exemplo britânico da

“orientação para o serviço público”.

E

(110)
(111)

Exercício - Cespe

Para a administração pública gerencial, ao contrário do que ocorre na administração pública burocrática, a

flexibilização de procedimentos e a alteração da forma de controle implicam redução da importância e, em alguns casos, o próprio abandono de princípios

tradicionais, tais como a admissão segundo critérios de mérito, a existência de organização em carreira e

sistemas estruturados de remuneração.

E

(112)

Exercício - Cespe

No plano administrativo, a administração pública burocrática surgiu no século XVIII, com o início do Iluminismo europeu.

E

(113)

Exercício - Cespe

A administração pública gerencial, apesar de representar uma evolução em relação ao modelo burocrático, foi apenas uma transição de métodos e técnicas gerenciais, sem representar, de fato, uma nova visão do Estado e da administração pública.

E

(114)

Exercício - Cespe

A crise do Estado teve início nos anos 70 do século passado, mas só nos anos 80 se tornou evidente, paralelamente ao descontrole fiscal, à redução do

crescimento econômico, ao aumento do desemprego e aos elevados índices de inflação.

C

(115)

Exercício - Cespe

A crise do Estado define-se como crise fiscal,

esgotamento da estratégia estatizante de intervenção e predomínio da administração burocrática.

C

(116)

Exercício - Cespe

A reforma do Estado deve ser entendida no contexto da redefinição do seu papel: ele deixa de ser responsável direto pelo desenvolvimento econômico e social pela via da produção de bens e serviços, para fortalecer o papel de regulador e promotor desse desenvolvimento.

C

(117)

Exercício - Cespe

Na administração pública gerencial, a estratégia volta- se para a definição dos objetivos que o administrador público deve atingir em sua unidade, para a garantia da autonomia na gestão de recursos humanos, materiais e financeiros e para o controle e a cobrança a posteriori de resultados.

C

Imagem

Referências

temas relacionados :