Ciência Lúdica Para Crianças: Oficina de Som Para Crianças de 03 a 06 Anos.

Texto

(1)

Ciência Lúdica Para Crianças: Oficina de Som Para Crianças de 03 a 06 Anos.

Jonatas Estevan Soares da Silva Maria do Carmo de Sousa Marcos Pires Leodoro Resumo

A brincadeira pressupõe sempre a abertura para a criação infantil. Ela nunca pode ser inteiramente controlada por ninguém, seja adulto ou criança. Motivados por esta ideia, docentes do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) com parceria da Secretaria Municipal da Educação e Cultural de São Carlos – SP e Unidade de Atendimento a Criança (UAC) da UFSCar vem desenvolvendo, desde 2009, oficinas lúdicas para crianças de 03 a 06 anos, nas escolas do Futuro de São Carlos. Uma destas oficinas é a oficina do som que visa apresentar as crianças na fase pré- escolar, pais e professores o universo das ciências através do som, utilizando artefatos tecnológicos caseiros e instrumentos musicais industrializados. O projeto está sendo desenvolvido há dois anos nas Escolas do Futuro mantidas pela Prefeitura de São Carlos – SP.

Palavras-chave: Percepção Sonora. Lúdico. Ciência.

Introdução

O crescente desinteresse no ensino de ciências, principalmente na área de matemática, faz com que o educador se comprometa em pesquisar novas técnicas de aprendizado.

Portanto, fazer com que os alunos sintam vontade de aprender e prazer de realizar a tarefa proposta, vêm sendo nos dias de hoje, um grande desafio.

O grupo do Ciência Lúdica para crianças composto por alunos de licenciaturas dos cursos de Matemática, Física e Educação Especial e docentes do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desenvolvem desde janeiro de 2009 formas lúdicas para o ensino da ciência e da matemática.

Este projeto tem por objetivo contribuir para a divulgação cientifica voltada a crianças pré-escolares brasileiras na faixa etária de 03 a 06 anos por meio de atividades destinadas a elas, visando promover a interação mediada com o universo da ciência e da matemática a partir de vivencias lúdicas.

As vivências feitas pelas crianças são feitas através de oficinas que ocorrem em um espaço museal aberto e contextual composto por um cenário problematizador.

No caso, específico deste texto vamos considerar a Oficina de Som, ou seja, um cenário musical, o qual está configurado pela disponibilidade dos artefatos tecnocientificos,

(2)

com matérias recicláveis do dia a dia que podem se tornar durante o desenvolvimento das oficinas, materiais pedagógicos.

O projeto dispõe de três linhas de atuação:

1. Atuação junto às crianças, seus pais e professores por meio de oficinas públicas realizadas nas dependências das Escolas do Futuro da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de São Carlos (SMEC);

2. Organização do núcleo de desenvolvimento de atividades de divulgação científica para crianças pré-escolares;

3. Oferecerimento de subsídios aos pais e professores para que contribuam para a divulgação científica para crianças.

Neste trabalho vamos focar na primeira linha de atuação que está relacionada ao desenvolvimento de oficinas juntos às crianças, pais e professores que são realizadas nas Escolas do Futuro mantidas pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de São Carlos – SP, que ao todo são oito Escolas instaladas nas regiões periféricas da cidade,, onde se encontra a população de baixa renda e com menor acesso aos bens culturais.

Nestas oficinas temos por meta atingir o numero de 4500 crianças, que representa a 75% dos estudantes matriculados na Rede Municipal de São Carlos. Até o momento, novembro de 2010, já atingimos aproximadamente 2200 crianças.

Oficina do Som

Com duração aproximada de 45 minutos a oficina do som tem como objetivo mostrar às crianças que é possível fazer som em brinquedos, artefatos caseiros e até mesmo em nosso corpo, promovendo momentos onde possam fazer perguntas como por exemplo:

Como o som chega em nossos ouvidos? É possível fazer som com qualquer instrumento ou material? Por que?

Estas e outras questões não são respondidas por nós, de imediato, mas com o auxilio dos instrumentos e os materiais recicláveis, as próprias vivências nas oficinas faz com que as crianças possam enxergar e formular parte de suas respostas.

A oficina tem três momentos. Em um primeiro momento nos apresentamos às crianças e perguntamos a elas o que acham que iremos fazer, já que o cenário onde nos encontramos está caracterizado para o desenvolvimento da oficina de som (com vários instrumentos, mesas, e materiais recicláveis). Neste momento, conversamos com elas

(3)

sobre a propagação do som, se é permitido fazer som com qualquer material e em seguida apresentamos os instrumentos que o grupo dispõe, perguntando se sabem como toca, se é chacoalhando, raspando, batendo ou assoprando. Em seguida entregamos às crianças os instrumentos e alguns materiais para que juntos possamos fazer som, construindo assim uma “orquestra”.

Após este momento, dividimos a sala em grupos de até cinco crianças onde cada grupo ficará com um monitor e percorrerá a sala passando por ambientes em que irão fazer som em objetos como garrafas penduradas em uma arara com diferentes quantidades de água em seu conteúdo, tampas de panelas de diferentes tamanhos e cabides. Há também um tatame com vários canos de pvc e cornetas, ao qual as crianças irão propagar som com estes instrumentos, vendo a diferença de como falar sem o cano e falando com o cano por exemplo (ver figura 1, no anexo), e no ultimo ambiente da sala será a caixa do silêncio, que será pedido para as crianças colocar em seus ouvidos alguns materiais como fone, copos descartáveis, conchas, fones de ouvido e potes de cerâmica, neste momento as crianças perceberão a diferença da vibração do ar dentro de cada material.

Em um ultimo momento serão confeccionados com as crianças instrumentos com materiais recicláveis como, por exemplo, copos plásticos e pratos de papel, que são facilmente encontrados em casa, estes instrumentos as crianças poderão levar para casa.

Desenvolvimento da Oficina do Som

O projeto Ciência Lúdica apresentou esta oficina em um evento para os pais, uma ONG, cinco escolas do futuro e em dois eventos no ano de 2010.

Atendemos a Escola do Futuro EMEB Afonso Fioca Vitalli (CAIC), no primeiro semestre de 2010, sendo assim a primeira escola que atendemos neste ano. Situada no bairro Cidade Aracy na periferia de São Carlos – SP, foi montada em uma sala da escola nossa oficina ao qual trabalhamos por aproximadamente dois meses com uma média de 400 crianças.

A segunda escola que trabalhamos foi Escola do Futuro EMEB Artur Natalino Deriggi no bairro Antenor Garcia em São Carlos – SP. Foram atendidos 8 salas de primeiros anos com crianças de 05 a 06 anos em uma sala da escola caracterizada para oficina, permanecemos neste escola por aproximadamente 2 meses e foi possível atender uma média de 200 alunos.

(4)

Em seguida trabalhamos com a Creche Maria Consuelo com crianças de 03 a 05 anos, na própria sala da EMEB Artur Natalino Deriggi, pois a Creche se localiza ao lado da EMEB.

E para encerrar nossas atividades no bairro Antenor Garcia, apresentamos as crianças da ONG Estrela da Manhã a oficina do Som em um dia, fazendo atendimento nos períodos da manhã e tarde.

Após estas atividades, foi realizada na Escola do Futuro EMEB Angelina Dagnone de Melo um evento destinado aos pais, ao qual foi montada uma oficina de som para as crianças com uma sala separada para uma conversa com os pais, assim aqueles que compareciam ao evento, deixavam as crianças na oficina do som com alguns monitores e iam a uma sala separada para uma conversa com os dois professores do Departamento de Metodologia. E assim foi encerrado o primeiro semestre de 2010.

No inicio do segundo semestre de 2010 a oficina do som na Feira do Conhecimento foi realizada na Praça XV em São Carlos – SP, evento anual promovido pela Prefeitura da cidade que teve duração de 3 horas. Durante o desenvolvimento desta oficina foi possível atender entre 250 e 300 pessoas.

Considerações Finais

Tomando por base as idéias de Vygotsky (2001), queremos considerar que é possível definir a forma lúdica como mediação para o saber na escola, especificamente no que diz respeito à Educação não formal.

Há muito tempo é notório que uma grande parcela dos alunos rejeita o ensino das Ciências e da Matemática. As estatísticas que tratam desta rejeição comprovam que seu numero é alarmante na área da matemática, com isto, cabe não só aos docentes promover vivências que possibilitem a melhoria na aprendizagem de seus alunos.

Promover vivencias onde as crianças possam explicitar suas idéias brincando faz com que a oficina do som seja de grande importância para a formação cientifica e matemática destas crianças.

As vivências mostram que trabalhando com a Oficina do Som é possível promover a divulgação cientifica e matemática por meio dos materiais recicláveis, instrumentos musicais e artefatos caseiros, criando assim nas crianças um preparo para situações diferentes que as desafiem respeitando sempre o que falam, as maneiras como fazem

(5)

som, como imaginam que tocam os instrumentos com isto podemos aguçar a criatividade e imaginação das mesmas.

O projeto Ciência Lúdica visa atuar não só com as crianças, mas também com os pais e professores, de forma que estes possam fazer indagações sobre os conhecimentos científicos e matemáticos. Desta forma, são criados eventos nas próprias oficinas para os pais e ACIEPE – Atividade Curricular de Integração, Ensino, Pesquisa e Extensão para os professores. Estas atividades têm como objetivo contribuir com a formação profissional dos professores da Educação Básica, com especial atenção para aqueles que lecionam na Educação Infantil.

Atingimos, até o momento, praticamente todos os alunos matriculados na Rede Municipal. Iremos atender nas próximas semanas as duas últimas escolas.

Ressalta-se que, as oficinas estão contribuindo, teórica e metodologicamente com a formação tanto de futuros professores de Matemática, Física e Educação Especial, uma vez que estes licenciandos são monitores destas, quanto dos pesquisadores envolvidos no projeto em questão.

Referência bibliográfica

VYGOSTSKY, L. S, A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

(6)

Anexo Figura 1

Imagem

Referências

temas relacionados :