• Nenhum resultado encontrado

AMBIGUIDADE ESTRUTURAL: par UMA PROSODIA ASSENT ADA SaBRE A SINTAXE*

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "AMBIGUIDADE ESTRUTURAL: par UMA PROSODIA ASSENT ADA SaBRE A SINTAXE*"

Copied!
6
0
0

Texto

(1)

AMBIGUIDADE ESTRUTURAL: paR UMA PROSODIA ASSENT ADA SaBRE A SINTAXE*

ABSTRACT: This paper discusses some conclusions by Nespor & Vogel (1986) with respect to the issue of sentence disambiguation. A reanalysis of the issue within a Minimalist Framework (Chomsky, 1995) shows that syntax/phonology mapping is to be soundly based on structural information, more specifically, on the notion of c-comand.

Pensar 0mapeamento sintaxe/fonologia tem reflexos diretos para a questao do processamento da fala, na medida, por exemplo, em que delimitar unidades entonacio-nais pode ser relevante para 0processador sintatico. As caracteristicas pros6dicas po-dem ser tomadas como pistas para a estrutura~ao sintatica do material linguistico, em urn sentido inverso ao da sua implementa~ao. A identifica~ao de urna unidade entonaci-onal pode se dar pelo alongamento da(s) silabas finais da unidade entonacional; a ten-dencia

a

presen~a de pausas no seu inicio e final; a existencia de urna melodia circuns-crita aos seus dominios e/ou a manuten~ao de urn padrao constante de velocidade de fala e de tessitura. Sintaticamente, tais caracteristicas podem explicitar que elementos mantem rela~oes sintaticas mais estreitas entre si, fundamental, por exemplo, em rela~ao a certas ambigiiidades estruturais, como na senten~a (i) abaixo:

A presen~a de marcas delimitadoras da unidade entonacional, como por exem-plo, uma pausa (na escrita, a virgula) entre saiu e so ou entre so e quando permite escolher entre os dois significados comportados por essa sequencia linguistica linear.

Este trabalho questiona a visao de sintaxe sobre a qual Nespor & Vogel (1986) elaboram seus argumentos, na condu~ao de urn teste de desambigua~ao de senten~as. Assurno que as caracteristicas pros6dicas sao resultado de urn mapeamento gerado pel a sintaxe. Uma vez adotada urna teoria sintatica mais refinada, em que se considera a no~ao de c-comando, relevante no que conceme

a

desambigua~ao estrutural, nao mais se encontram diferen~as entre 0que uma Proposta Sintatica e outra Pros6dica preveriam em rela~ao

a

questao da desambigua~ao estrutural. Corrobora-se, assim, a idcia de que 0 mapeamento sintaxe/fonologia se assenta fortemente sobre informa~oes estruturais .

• A pesquisa que originou este artigo foi financiada pela FAPESP - Processo 97/12131-8. Agrade\(o a Ester Scarpa e Jairo Nunes por coment:irios valiosos. Erros remanescentes silo de minha inteira responsabilidade.

(2)

Dentro do arcabou~o do Modelo de Principios e Parametros, tem-se cada vez

mais, principalmente a partir do Programa Minimalista (Chomsky, 1995), privilegiado

as amilises que se baseiam nas imposi~oes dos sistemas de interface.

0

modelo de

gra-mlitica sugerido pelo Programa Minimalista admite apenas dois niveis de representa~ao,

a Forma L6gica - LF e a Forma Fonetica - PF, que fazem, respectivamente, interface

com os m6dulos de desempenho, representados pelos sistemas conceptual-intencional e

articulat6rio-perceptual. Essa proposta tern recebido inumeras contribui~oes no que

concerne ao sistema computacional, ou seja, a gera~ao das estruturas sintaticas. 0

desenvolvimento de teorias aplicaveis as interfaces e mais recente e menos frequente.

Em rela~ao a interface fonologia/sintaxe, existem, no entanto, teorias fonol6gicas que,

ao se preocuparem justamente com

0

mapeamento entre sintaxe e fonologia, podem, de

certo modo, adequar-se bem aos pressupostos definidos no Programa Minimalista.

En-caixam-se nessa possibilidade a Teoria da Hierarquia Pros6dica de Nespor

&

Vogel

(1986) e os trabalhos de Selkirk (1980,1984).

Para Nespor

&

Vogel, assim como para Selkirk,

0

mapeamento

sin-taxe/fonologia cria uma estrutura complexa formada por constituintes hierarquicamente

organizados que, no entanto, NAO sao necessariamente isom6rficos aos constituintes

sintaticos, embora advoguem as autoras ser a informa~ao sintatica relevante para a sua

constru~ao. Os dominios que mais diretamente estao correlacionados com a

desambi-gua~ao sintatica sao os mais superiores, como a frase fonol6gica, construida a partir de

uma ou mais palavras fonol6gicas (Selkirk) ou grupos cliticos (Nespor & Vogel), e a

frase entonacional,

0

dominio seguinte.

Assumindo a nao-isomorfia, Nespor

&

Vogel conduzem urn teste de

desambi-gua~ao sintatica em que combinam diferencia~oes em termos dos dominios da frase

fonol6gica - ~ - e da frase entonacional - I - com duas considera~oes sintliticas - as

senten~as ambiguas apresentarem ou nao os mesmos constituintes e/ou os mesmos

r6-tulos para os sintagmas -levando a identifica~ao de 10 tipos de estruturas ambiguas':

Sentenras do teste Tradllriio/adaptariio para 0

DortlllllleS

1 a. [[[Non ho mai visto], [tanti ricci],] f]U a. Nunca tinha visto tantos carac6is.

'Ricci di mare' 'Carac6is do mar'

b. [[[Non ho mai visto], [tanti Ticci],]J]u b. Nunca tinha visto tantos carac6is.

'Caoelli ricci' 'Cabelos encaracolados'

I' a. [[[E stato trovato], [da Antonio],] Ilu a. Queria faze-Io tocar. 'Era a casa di Antonio' 'Fazer alguem tocar.' b. [[[E stato trovato], [da Antonio],] ,]u b. Queria faze-Io tocar.

'Antonio I'ha trovato' 'Fazer 0instrumento tocar.'

1Ndo apresentamos a senten~a 10 por ndo haver equivalente para0portugues. Segundo a tabela das autoras, a senten~a 2, cujo exemplo ndo foi encontrado no italiano e que deveria ilustrar uma senten~a ambigua em que os r6tulos sintliticos fossem diferentes, embora os constituintes fossem os mesmos, foi substituida por I', exemplo de ambigOidadetendo como base diferentes rela~oes tematicas (ver Nespor&Vogel, 1986:260).

(3)

3 a. [[[Marcol~l, [[ha guardatol~ [Ia ragazzal~ [col a. Marcos observou a garota com os

canocchiale 1.1 Jlu binoculos.

'La ragazza ha in mano il canocchiale' 'A garota esta com os binoculos' b. [[[Marcol~l, [[ha guardatol~ [Ia ragazzal~ [col b. Marcos observou a garota com os

canocchialel.l flu binoculos.

'Marco ha in mano il canocchiale' 'Marcos esta com os binoculos'

4 a. [[[Luca l~l, [[fal~ [Ia foto l~l, [[e Carlo l~l fl [[Ia a. Lucas faz a pintura e Carlos a

stampal.l ,lu estampa.

'Carlo fa la stampa' 'Carlos faz a estampa'

b. [[[Lucal,l, [[fal~ [Ia fotol~l, [[e Carlol~l ,1 [[Ia b. Lucas faz a pintura e Carlos a

stampal.l Jlu estampa.

'Carlo stampa la foto' 'Carlos estampa a pintura'

5 a. [[[Quando Giorgiol~l, [[chiamal~ [suo a. Quando Jorge chama seu irmao esta fratel101.1, [[

e

sempre nervoso 1.1 Jlu sempre nervoso.

'Giorgio

e

nervoso' 'Jorge esta nervoso'

b. [[[Quando Giorgiol,l, [[chiamal~l, [suo b. Quando Jorge chama seu irmao esta fratel10 1.1, [[

e

sempre nervoso 1.1 ,lu sempre nervoso.

'Suo frate110

e

nervoso' 'Seu irmao esta nervoso'

6 a. [[[Quando Giorgiol~l, [[val~ [al ristorantel~ll a. Quando Jorge vai ao restaurante [[com Luisal.[e Manuelal~l,

[[e

sempre com Luisa e Manuela fica feliz. felice 1.lJlu

'Jorge fica feliz' 'Giorgio

e

felice'

b. [[[Quando Giorgiol~lI [[val~ [al ristorantel~l, b. Quando Jorge vai ao restaurante [[com Luisal~l, [Emanuelal~lf

[[e

sempre com Luisa Emanuela fica feliz. felice l.l,lu

'Emanuela fica feliz' 'Emanuela

e

felice'

7 a. [[[Ho vistol~ [in svendital~l, [[degli sgabel1il~ a. Vi em liquida~ao alguns bancos para [per pianofortil. [antichil.l ,lu pianos antigos.

'Gli sgabelli sono antichi' 'Os bancos sao antigos'

b. [[[Ho vistol~ [in svendital~l, [[degli sgabel1il~ b. Vi em liquida~ao alguns bancos para [per pianoforti antichil~ flu pianos antigos.

'I oianoforti sono antic i' 'Os oianos sao antigos' 8 a. [[[Ho visto Marcol. [dal monacol.l ,lu a. Eu vi 0 Luizinho do morro.

'E a casa del monaco che I'ho visto' 'Eu estava no morro' b. [[[Ho vistol. [Marco Oal Monacol.l ,lu b. Eu vi 0 Luizinho do Morro.

'II co gnome di Marco

e

Oal Monaco' 'Luizinho do Morro

e

cognome'

9 a. [[[Ha parlato naturalmentel.l ,lu a. Falou naturalmente. 'E ovvio che ha parlato'

'E

obvio que ele falou' b. [[[Ha parlato naturalmentel~l ,lu b. Falou naturalmente.

'Ha oarlato in modo natura e' 'Falou de modo natural'

Tabela I: Senten~as ambiguas: estrutura prosodica (Adaptado de Nespor & Vogel (1986:261-2))

Foram consideradas, entiio, duas hip6teses, a saber, a possive1 desambigua9iio favorecida pel a presen9a de marc as sintaticas diferentes - 0 que foi denominado Pro-posta Sintatica - ou com base em marcas pros6dicas distintas - a ProPro-posta Pros6dica. A prime ira, segundo a tabe1a apresentada pe1as autoras, preve desambigua9ao para os tipos de 3 a 10. A segunda, apenas para os tipos de 5 a 10.

A ap1ica9iio do teste computouse 0sujeito fomecia uma resposta compativel com 0 significado pretendido. Consideraram-se resultados pr6ximos a 50% como aque1es que apontavam para a niio-desambigua9iio da senten9a apresentada. As senten-9as 1, 1', 3 e 4 apresentaram percentuais de 50.0%, 51.4%, 59.1 % e 52.6% respectiva-mente. Os percentuais alcan9ados para as demais senten9as variaram entre 67.8% a 94.9%, indices que apontavam para a possibilidade de desambigua9iio da senten9a. Vma vez que as Hip6teses Sintatica e Pros6dica divergiam em re1a9iio

a

desambigua9ao de 3

(4)

e 4, os resultados confirmaram a hip6tese de que significados distintos que nao sejam codificados por marcas pros6dicas distintas nao sao desambiguizaveis.

Este trabalho questiona a visao de sintaxe sobre a qual as autoras elaboram seus argumentos. Em relatyao a desambiguatyao estrutural, urn aspecto sintatico relevante e a identificatyao dos blocos de c-comando para cada versao da sententya ambigua. A nOtyao de c-comando esta na base da definityao do Axioma de Correspondencia Linear2

(LCA) de Kayne (1994), cujo objetivo e estabelecer relatyoes de precedencia entre os elementos terminais de uma estrutura sintatica. 0 LCA e retomado em duas outras propostas: 0 sistema de Multiplo Spell-out de Uriagereka (a sair) e 0 modelo de mapeamento sintaxe/fonologia de Guimaraes (1998).

Uriagereka pretende derivar as propriedades do LCA a partir das imposityoes dos sistemas de desempenho ou de consideratyoes de economia e propoe que se permita multiplas aplicatyoes de Spell-ouf durante a derivatyao. Assim, quando nao for possivel estabelecer urna relatyao de c-comando assimetrico entre os elementos terminais, 0 ma-terial que ja foi concatenado ate entao e cujas relatyoes de c-comando permitem mapear a precedencia entre seus elementos terminais sofre spell-out. Desse modo, tem-se na verdade a construtyao de bloc os ou "unidades de c-comando", que vao alimentando PF dinamicamente. Essa nOtyao e importante em relatyao as sententyas ambiguas, na medida em que as "unidades de c-comando" podem divergir para cada significado comportado pela sequencia linguistica.

Guimaraes (1998) propoe urn modelo em que integra 0LCA a Teoria da Hie-rarquia Pros6dica, fatorando-o em dois algoritmos distintos: 0 ALT4 e0 ALS5. A partir da nOtyao de string, resultado das relatyoes sintaticas de c-comando, constroem-se os dominios pros6dicos. Prescinde-se, assim, da nOtyaode "Unidade de Sentido" de Selkirk (1984), ja capturada pelas restrityoes impostas pela nOtyaode c-comando. Assim como as ''unidades de c-comando" de Uriagereka, as strings formam blocos estruturais que exibem relatyoes sintaticas mais estreitas. Isso equivale a dizer que ambigiiidades relacionadas com a caracteristica sintatica de os elementos pertencerem ou nao a uma mesma string (ou "unidade de c-comando") estarao refletidas na formatyao dos dominios

2Axioma de Correspondencia Linear (Kayne, 1994:33 - tradur;[l0 minha):

Tomemos XeYcomo n6dulos nao-terminais ex e y como nooulos terminais, tal queXdomina xeYdomina y.Entao, se X c-comanda assimetricamente Y,xprecede y.

lSpell-out

e

a opera9ao que envia 0materiallingiiistico para PF.

4Algoritmo de linearizar;iio de terminais (ALT) (Guimariies, 1998:157) Linearizar os membros de P em uma ou mais strings 0, tal que:

apode preceder [3 se e somente seac-comanda assimetricamente [3.

Onde: P constitui urn subconjunto dos termos pronunciaveis do conjunto T, que comporta todos os termos da senten<;a.

5Algoritmo de linearizar;iio de strings (ALS)(Gulmataes, 1998: 161)

Dado urn conjunto de strings de nooulos terminais OJ,02 ...On,construir uma super-string t.,linearizando todas as strings do input, de tal modo queOJprecede 02se e somente se:

Para algum a,tal que a

e

urn simbolo da string OJ& para todo [3,tal que [3

e

urn simbolo da string 02,existe urny,tal queydomina a&yc-eomanda assimetricamente [3.

(5)

pros6dicos. Guimariies admite, inclusive, urn dominio denominado ora~iio fonol6gica

(1t),

que e, na verdade, isom6rfico as stringi.

Defendo, entiio, que a no~iiode c-comando, na base da constitui~iio das

"unida-des de c-comando" de Uriagereka ou das strings de Guimariies, determina a forma~ao

de certos blocos, os quais siio considerados na constru~iio dos dominios pros6dicos.

Sendo assim, se houver forma~iio de ''unidades de c-comando" ou strings distintas para

duas interpreta~oes de uma senten~a ambigua, essa distin~ao demandara a constru~iio de

dominios pros6dicos distintos,

0

que facilitam a desambigua~ao da senten~a. A

forma~iio de blocos indistintos, embora a estrutura sintatica seja diferente em termos de

constituintes ou r6tulos, niio ocasionara distin~oes pros6dicas e havera, portanto, maior

dificuldade de desambigua~iio. As marcas pros6dicas, nesse sentido, siio vistas como

direcionadoras do processamento, indicando a estrutura~iio sintatica subjacente,

refletida justamente nessas marcas.

No modelo de Guimariies, as ora~oes fonol6gicas siio isom6rficas as strings,

representando, portanto, as rela~oes de c-comando. Retomemos as senten~as do teste:

la)

i. [Nunca tinha visto]" [tantos carac6is]"

(I 'a)

i. [Queria faze-Io tocar]"

(3a)

i. [Marcos]" [observou a garota]" [com os bin6culos]"

(4a)

i. [Lucas]" [faz a pintura]" [e Carlos]" [a estampa]"

(5a)

i. [chama seu irmiio]"

Ii. [chama]" [seu irmiio]"

(6a)

i. [com Luisa e Manuela]"

ii. [com Luisa]" [Emanuela]"

(7a)

i. runs bancos para pianos velhos]"

Ii. runs bancos para pianos]" [velhos]"

(8a)

i. [Eu vi

0

Paulinho]" [do morro]"

Ii. [Eu vi

0

Paulinho do Morro]"

(9a)

i. [Ele falou]" [naturalmente]"

ii. [Ele falou naturalmente]"

A divergencia entre a Proposta Pros6dica e a Sintatica residia nas senten~as 3a

e 4a. Assumindo-se a no~iio de c-comando, observa-se, em rela~ao a 3a, que a

lineariza~ao do objeto em rela~iio ao adjunto fica impossibilitada. Assim sendo, os

adjuntos siio mapeados em urna ''unidade de c-cornando" isolada,

0

que implica em

"unidades de c-comando" similares para as duas versoes da senten~a. Em rela~ao a 4a,

estabelece-se uma ''unidade de c-comando" seja entre urn determinante e

0

nome ou

entre urn clitico e

0

verba,

0

que implica em ''unidades de c-comando" tambem

similares. Ja as senten~as de 5a a 9a apresentam blocos de c-comando (ou ora~oes

fonol6gicas) distintos para cada interpreta~iio. Os objetos siio mapeados em ''unidades

de c-comando" junto com

0

verba, enquanto os sujeitos, com exce~iio dos pronomes,

formam uma "unidade de c-comando" separada. Isso leva as distin~oes em 5a e 6a. A

senten~a 8a mostra a ausencia de c-comando que se obtem com os adjuntos, que

6Dada a falta de espa<;o que permita expor com clareza 0sistema proposto por Guimaraes (1998), remeto 0 leitor ao trabalho original para maiores detalhes. Augusto (1999) faz essa exposi<;ao.

(6)

formam urna ''unidade de c-comando" separada. Quando a interpreta~iio e de nome composto, a ''unidade de c-comando" e Unica. 9a, no entanto, ilustra a possibilidade de urn adjunto, no caso urn adverbio, ser c-comandado pelo verbo e com ele formar urna "unidade de c-comando". Isso acontece quando 0adverbio modifica 0sintagma verbal. Uma vez que 0 verbo sobe para urna posi~iio mais alta, acima de VP, passa a c-comandar 0adverbio, formando com ele uma ''unidade de c-comando" pr6pria. Quando o adverbio e sentencial, esta em posi~iio de adjun~iio mais alta e nao se estabelece a rela~iio de c-comando com 0verbo. 7a tambem e resultado de diferentes rela~oes de c-comando que se estabelecem, devido

a

posi~iio do adjetivo. Estando mais alto (modificando bancos),

e

mapeado em uma ''unidade de c-comando" separada. Uma vez mais encaixado (modificando pianos), estabelece-se uma unica ''unidade de c-comando" entre todos os itens lexicais que formam 0objeto.

:E

indiscutivel, portanto, a afirmayiio de que as marcas pros6dicas siio respon-saveis pela desambiguayiio de senten~as. A ambigiiidade estrutural, no entanto, assenta-se, claramente, em questoes sintliticas a serem consideradas. A discussiio mostra que a no~ao de c-comando leva

a

forma~iio de unidades ou blocos sintaticos que, no mapeamento sintaxe/fonologia, se mostram relevantes para a constru~iio dos dominios pros6dicos. Assumindo-se a no~iio de c-comando, verifica-se que niio ha mais divergencia entre 0que urna Proposta Sintatica e outra Pros6dica preveriam em rela~ao

a

questiio da desambigua~iio estrutural.

RESUMO: Este trabalho questiona a visiio de sintaxe sobre a qual Nespor & Vogel (1986) elaboram seus argumentos em rela~ao

a

desambiguayiio de senten~as. Adotando-se no~oes sintliticas assumidas pelo Programa Minimalista (Chomsky, 1995), especificamente a no~iio de c-comando, corrobora-se a ideia de que 0 mapeamento sintaxe/fonologia se assenta fortemente sobre informa~oes estruturais .

. AUGUSTO, M.R. "A interface fonologia/sintaxe: questoes de processamento", Ms. UNICAMP, 1999.

CHOMSKY, N. The Minimalist Program. MIT Press, Cambridge, Mass, 1995.

GUIMARAES-MIRANDA, M. Repensando a interface sintaxe-fonologia a partir do Axioma de Correspondencia Linear. Campinas: Unicamp. Dis. de Mestrado, 1998. KAYNE, R. The Antisymmetry of Syntax. Cambridge: The MIT Press, 1994.

NESPOR, M. & I. Vogel Prosodic phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986. SELKIRK, E. Phonology and Syntax. The MIT Press. Cambridge, 1984.

URIAGEREKA, J. (a sair) "Multiple Spell-out". in: Hornstein, N.

&

S. Epstein (org.) Working Minimalism. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press.

Referências

Documentos relacionados

Por lo tanto, RD no solo debe reconocer su nacionalidad dominicana para disminuir su vulnerabilidad (CIDH, 2005, párr. 25)), pero también restituirlos por el daño inmaterial

Analisou-se os acompanhamentos das refeições servidas, que no caso são arroz branco polido (n=16), arroz integral (n=16) e feijão (n=15) das Unidades a partir da realização de

Os maiores coeficientes da razão área/perímetro são das edificações Kanimbambo (12,75) e Barão do Rio Branco (10,22) ou seja possuem uma maior área por unidade de

Neste estudo foram estipulados os seguintes objec- tivos: (a) identifi car as dimensões do desenvolvimento vocacional (convicção vocacional, cooperação vocacio- nal,

Foi membro da Comissão Instaladora do Instituto Universitário de Évora e viria a exercer muitos outros cargos de relevo na Universidade de Évora, nomeadamente, o de Pró-reitor (1976-

Com a mudança de gestão da SRE Ubá em 2015, o presidente do CME de 2012 e também Analista Educacional foi nomeado Diretor Educacional da SRE Ubá e o projeto começou a ganhar

Os únicos indicadores considerados não efetivos do Âmbito Gestão foram os relacionados ao fortalecimento das UCs: Indicador 19 - Gestores das áreas protegidas se reúnem para

Após a colheita, normalmente é necessário aguar- dar alguns dias, cerca de 10 a 15 dias dependendo da cultivar e das condições meteorológicas, para que a pele dos tubérculos continue