• Nenhum resultado encontrado

TMA.PC.NVUM.4AX Placa Controladora CNC para 3 Eixos (USB)

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "TMA.PC.NVUM.4AX Placa Controladora CNC para 3 Eixos (USB)"

Copied!
19
0
0

Texto

(1)

TMA.PC.NVUM.4AX – Placa Controladora CNC para 3 Eixos (USB)

Rev.01 1. CARACTERÍSTICAS

• Software de Controle: Mach3 • Transmissão de dados via Porta USB

• Taxa de Transmissão de dados: 200 KHz, adequada para motor de passo ou servo motor • Alimentação principal de energia: +12~32 VDC

• Quantidade de Eixos: 1 até 4 eixos

• Conexão de fios: Engate rápido via 4pin XH ou via terminal PCB Screw • 13 Entradas Opto-Isoladas

• 10 Saídas Opto-isoladas + 1 Saída 0-10V Analógica

Desenvolvida especialmente para aplicação CNC (Comando Numérico Computadorizado), a Placa TMA.PC.NVUM.4AX apresenta uma ótima relação custo-benefício, permitindo conexão de sinal seguro e sem interferência, entre seu computador, drivers e dispositivos periféricos. Possui transmissão de dados via porta USB e alimentação secundária separada para proteger seu computador e componentes.

Apresenta compatibilidade exclusiva com software de controle Mach3, e pode ser utilizada em Sistema Operacional 32 e 64 bits. É de fácil instalação, possui compatibilidade via porta USB podendo ser inclusive utilizada em notebooks e dispensa a configuração de Portas e Pinos das placas via porta paralela convencionais.

Os pinos recebem sinal de entrada ou emitem sinal de saída. Os sinais de entrada são os sinais emitidos de outro equipamento para a placa interface, já os sinais de saída são sinais emitidos da placa interface para outro equipamento ou dispositivo externo.

Dispositivos periféricos ou componentes que podem ser adicionados à sua máquina utilizando essa placa:

Entradas / Inputs

• Sensores HOME [Zero Máquina]

• Sensores de fim-de-curso [Limit Switch] • Botão de emergência [E-Stop]

• Zeramento automático da ferramenta [Auto Tool Zero] • Sensor Probe para scanner 3D [Probe]

Os sinais de entrada são enviados por algum sensor quando ativado, os sensores de entrada podem ser de contato mecânico tipo micro-switch, do tipo eletromagnético, tipo indutivo (proximidade), e também sensores ópticos ou infra-vermelho.

Saídas / Outputs

• Controlar Drivers de Micro Passo (Pulso + Direção) • Liga / Desliga Spindle

• Liga / Desliga Refrigeração (Fluído de corte)

• Sentido de rotação do motor, horário ou anti-horário • Controle de RPM do spindle

(2)

Os sinais de saída são enviados para os dispositivos externos, podendo ser ligados diretamente ao equipamento: drivers, inversor de frequência, ou através de um dispositivo intermediário por exemplo um Relé ou chave contatora.

2. DETALHES (DIAGRAMA)

Figura 01: Diagrama de ligação da Placa Controladora

2.1 Controle dos Motores de Passo - Aba 01 da Figura 01 - STEPPERMOTOR CONTROL PORT

- Saídas para os drivers X, Y, Z, A (4 eixos).

Pino Descrição

COM+ Comum +5V

CPX- Saída de pulso (-) para o eixo X DIX- Saída de direção (-) para o eixo X CPY- Saída de pulso (-) para o eixo Y

DIY- Saída de direção (-) para o eixo Y CPZ- Saída de pulso (-) para o eixo Z DIZ- Saída de direção (-) para o eixo Z CPA- Saída de pulso (-) para o eixo A DIA- Saída de direção (-) para o eixo A

(3)

Figura 02: Exemplo de ligação de um driver (consulte o datasheet do seu driver para confirmar a ligação)

2.2 Controle do Motor Spindle - Aba 02 da Figura 01 – SPINDLE ou S-AXIS

- GND1 – é o comum para todos os pinos da aba Spindle (VSO, INDEX, OUT1 e OUT2) - VSO – saída analógica 0-10 VDC

- INDEX – é a entrada de sinal digital. Referente ao sinal de rotação do spindle da máquina CNC. É o pino utilizado para indexar o spindle nos tornos com objetivo de fazer operação de rosca. Vale lembrar que até o presente momento (Janeiro/2021) esse recurso ainda não está disponível nessa placa, aguardando nova atualização do Plugin).

- OUT1 e OUT2 são saídas de sinal digital. Apesar dessas duas saídas específicas estarem localizadas dentro da aba Spindle/S-Axis, elas são saídas iguais as demais OUT3 até OUT10. As saídas OUT1 e OUT2 podem e devem ser utilizadas como saídas de sinal para ligar/desligar o Spindle através do Inversor de Frequência, como por exemplo:

[OUT1] > Liga/Desliga Spindle no sentido Horário (comando M3) [OUT2] > Liga/Desliga Spindle no sentido Anti-Horário (comando M4)

(4)

Figura 03: Exemplo de ligação de um inversor de frequência na Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX - FOR é a abreviação de Forward (em inglês “pra frente”). No inversor de frequência é o pino que define o sentido de rotação principal do Spindle. Por padrão, esse sentido é anti-horário, mas pode ser alterado pela configuração do inversor de frequência ou trocando os cabos R, S e T que conectam o Spindle no Inversor de Frequência. Na Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX é saída digital, responsável somente por ligar e desligar o spindle. (Na figura 03, foi ligado no pino OUT1).

- REV é a abreviação de Reverse (em inglês “reversão”). No inversor de frequência é o pino que define o sentido de rotação contrário do Spindle. Por padrão, esse sentido é horário, mas pode ser alterado pela configuração do inversor de frequência ou trocando os cabos R, S e T que conectam o Spindle no Inversor de Frequência. Na Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX é saída digital, responsável somente por ligar e desligar o spindle com sentido contrário. (Na figura 03, foi ligado no pino OUT2). É comum às vezes não ligar o REV.

- AVI é a abreviação de Analog Voltage Input (em inglês “Entrada de Voltagem Analógica”). No inversor de frequência é o pino que define a potência ou rotação contrário do Spindle. Na Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX é chamado VSO, abreviação Voltage Spindle Output (em inglês “Saída de Voltagem para Spindle”) que é a saída analógica 0-10VDC, responsável por definir a velocidade ou RPM do spindle controlado pela Placa.

- ACM é a abreviação de Analog Common (em inglês “Analógico Comum”). No inversor de frequência é o pino “Comum” da analógica. Na Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX é próprio GND1 o pino “Comum” da analógica.

(5)

2.3 Saídas Digitais - Aba 03 da Figura 01 – OUTPORT

- OUT3 até OUT10 são saídas digitais para controle de dispositivos externos, como por exemplo ligar/desligar a bomba de refrigeração, acionar relés, etc.

- GND1 – é o comum para todas as saídas (OUT3 até OUT10)

2.4 Aba 04 da Figura 01 – Porta MPG

- Entradas para Pendente/manivela (handwheel)

- A porta MPG possui no total 19 pinos, conforme identificação abaixo:

Pino Definição Notas

GND Comum do MPG GND da fonte de alimentação do MPG TXD Porta de saída (comunicação

serial do MPG)

Para a comunicação do display digital do MPG RXD Porta de entrada

(comunicação serial do MPG)

Para a comunicação do display digital do MPG 100X Chave (Multiplicação 100X) Conexão com GND (100x) – cutoff significa sem

pulso

10X Chave (Multiplicação 10X) Conexão com GND (10x) – cutoff significa sem pulso

1X Chave (Multiplicação 1X) Conexão com GND (1x) – cutoff significa sem pulso ESTOP Estop do MPG Conexão com GND do Estop – cutoff significa

inválido

C-IN Chave seletora do Eixo C Conexão com GND do Eixo C – cutoff significa não selecionado

B-IN Chave seletora do Eixo B Conexão com GND do Eixo B – cutoff significa não selecionado

A-IN Chave seletora do Eixo A Conexão com GND do Eixo A – cutoff significa não selecionado

Z-IN Chave seletora do Eixo Z Conexão com GND do Eixo Z – cutoff significa não selecionado

Y-IN Chave seletora do Eixo Y Conexão com GND do Eixo Y – cutoff significa não selecionado

X-IN Chave seletora do Eixo X Conexão com GND do Eixo X – cutoff significa não selecionado

VDD5 Saída 5 Volts para alimentação do MPG

Saída 5 Volts para alimentação do MPG WHA+ Fase Positiva A do MPG Entrada positiva da fase A do MPG WHB+ Fase Positiva B do MPG Entrada positiva da fase B do MPG WHA- Fase Negativa A do MPG Entrada negativa da fase A do MPG WHB- Fase Negativa B do MPG Entrada negativa da fase B do MPG

(6)

2.5 Alimentação de Energia - Aba 05 da Figura 01– 12-32VIN

- Positivo Entrada +12-32 VDC - Entrada GND (comum)

ATENÇÃO: A fonte de alimentação deve alimentar unicamente a entrada da placa +12-32 VDC e GND. Nenhuma outra fonte de energia deve ser ligada à placa em nenhum outro pino.

2.6 Aba 08 da Figura 01 – ADJUST PORT

- Entradas de encoder e chave seletora para ajuste de SRO (Spindle ROM Override) e SJR (Slow Jog Rate – tecla TAB dentro do Mach3), através de componentes externos diretamente na Placa TMA.PC.NVUM.4AX.

2.7 Aba 07 da Figura 01 – INPUT PORT

- Entradas digitais (STOP + PROB + INP3 até INP12), onde: - pino INP1 (STOP)

- pino INP2 (PROB)

- pinos INP3 até INP12 são entradas digitais

- 4 pinos 12V são o comum para todas as entradas (INP1 até INP12)

Através dessas entradas, pode-se interligar na máquina dispositivos e equipamentos afim de enviar sinais para a placa TMA.PC.NVUM.4AX que serão interpretados pelo Mach3.

Os sinais de entrada são enviados por algum sensor, botão, chave ou dispositivo que quando ativado, enviam sinal para o software de controle. Esses sensores podem ser de contato mecânico tipo micro-switch ou chave-mecânica, do tipo eletromagnético, tipo indutivo (proximidade), e também sensores ópticos ou infra-vermelho.

Os sensores podem ser classificados de duas maneiras:

- Sensores sem alimentação de energia: os sensores mecânicos geralmente não necessitam de

alimentação de energia. São os mais fáceis de ligar, bastando fazer uma “ponte” entre os pinos: 12V e INP1 até IN12. A ligação desses sensores deve ser feita sempre utilizando o pino 12V e um INP

(INP_).

- Sensores com alimentação de energia: os sensores eletromagnéticos, indutivos (proximidade), e também sensores ópticos ou infra-vermelho geralmente necessitam de alimentação de energia. Esse tipo de sensor precisa ser ligado à uma fonte de energia para funcionar. Geralmente são do tipo de 3 fios com ligação NPN ou PNP. A Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX suporta somente

sensores do tipo PNP de 3 fios.

ATENÇÃO:

1. Não confundir sensores mecânicos tipo micro-switch de 3 pinos - NA e NF - com sensor de 3 fios que precisa de energia para funcionar.

2. Não confundir sensor “NA – Normal Aberto” e “NF – Normal Fechado” com sensor NPN e PNP.

3. “NA” e “NF” são a abreviação respectivamente de Normal Aberto e Normal Fechado. E referem-se ao tipo de contato de um sensor, chave ou dispositivo que ele envia no seu estado Inicial. Em inglês utiliza-se NO (Normal Open = Normal Aberto) e NC (Normal Closed = Normal Fechado). Um sensor Normal Aberto possui contato aberto inicialmente, e se

(7)

torna fechado quanto ativo. Um sensor Normal Fechado possui contato fechado inicialmente, e se torna aberto quanto ativo.

4. “NPN” e “PNP” refere-se ao tipo de sinal de saída do sensor. Sensor NPN possui sinal de saída negativo. Enquanto que sensor PNP possui sinal de saída positivo.

Figura 04: Esquema de ligação de botão de emergência

Sensores mecânicos tipo Botão de Emergência (Figura 04) são do tipo simples e não necessitam de alimentação externa, portanto devem ser ligados fazendo uma “ponte” entre o pino 12V e qualquer pino do INP1 ao INP12. No exemplo da Figura 04, a ligação foi feita da seguinte maneira:

(8)

Figura 05: Esquema de ligação de sensor Probe mecânico

Sensores mecânicos tipo Probe (Figura 05) são do tipo simples e não necessitam de alimentação externa, portanto devem ser ligados fazendo uma “ponte” entre o pino 12V e qualquer pino do INP1 ao INP12. No exemplo da Figura 05, a ligação foi feita da seguinte maneira:

Sensor Probe Mecânico = 12V // INP2 (dedicado) – (INP2 = PROB – na placa não está escrito INP2)

(9)

Sensores mecânicos tipo Fim de Curso (Figura 06) são do tipo simples e não necessitam de alimentação externa, portanto devem ser ligados fazendo uma “ponte” entre o pino 12V e qualquer pino do INP1 ao INP12. No exemplo da Figura 06, a ligação foi feita da seguinte maneira:

Sensor Fim de Curso Mecânico = 12V // INP3

Figura 07: Esquema de ligação de sensor Fim de Curso indutivo ou de proximidade

Para ligar um sensor que requer alimentação externa tipo sensor indutivo (Figura 07) deve-se utilizar os pinos 12V e GND1 como fonte de alimentação. O terceiro fio do deve-sensor (fio de sinal) deve ser ligado em um pino de entrada à sua escolha (INP3 ao INP12). No exemplo da Figura 07, a ligação foi feita da seguinte maneira:

Sensor Fim de Curso Indutivo ou de Proximidade = 12V // INP3 // GN1

ATENÇÃO: Consulte o datasheet do seu sensor para confirmar as cores de ligação dos fios. Deve ser utilizada uma fonte secundária compatível com os sensores e dispositivos periféricos que serão interligados na Placa Controladora TMA.PC.NVUM.4AX. Por exemplo, na Figura 07 o sensor indutivo (de proximidade) possui tensão de trabalho de 6 até 36 VDC, portanto seria possível utilizar uma fonte secundária de +12VDC ou de +24 VDC.

(10)

3. INSTALANDO O DRIVER PLUGIN DA PLACA TMA.PC.NVUM.4AX NO MACH3:

Após instalar o software Mach3 no PC, você deve instalar o driver da Placa TMA.PC.NVUM.4AX – arquivo Novosun.dll.

Esse driver é um plugin que deve ser copiado para dentro da pasta de instalação do Mach3. - Local de Origem: .../Plugins/Novosun.dll (está dentro da pasta Plugins) no datasheet que acompanha o equipamento.

- Local de Destino: C:/Mach3/Plugins (onde o diretório raiz C: deve ser substituído pelo local de instalação do sistema operacional).

Figura 08: Cópia do driver plugin Novosun.dll para a pasta de Instalação do Mach3: C:/Mach/PlugIns

4. CONFIGURANDO O MACH3:

1. Abra o Mach3 no PC e clique no botão Create Profile;

2. Selecione o perfil Mach3Mill, caso esteja configurando uma router ou fresadora cnc. Selecione o perfil Mach3Turn caso esteja configurando um torno.

3. Informe um nome para o perfil da sua máquina através do campo New Profile Name, ative o campo Default Profile Values, e clique no botão OK.

4. Selecione o seu perfil criado anteriormente e clique no botão OK.

5. Assim que carregar o software Mach3, será exibido uma janela para selecionar o plugin da placa controladora. Selecione o plugin Novosun-DigitalDream-Pluin-Ver-3.0b (o nome pode variar de acordo com o nome do arquivo). Ative a opção Don’t ask me this again e clique no botão OK.

6. No Painel de Configuração, clique em Config, e em seguida, clique em Config Plugins, conforme mostra a Figura 09:

(11)

Figura 09: Painel de Configuração do Mach3

7. Confirme se o plugin Novosun-DigitalDream-Pluin-Ver-3.0b está ativo (Enabled Ativado), conforme mostra a Figura 10. A qualquer momento, você pode abrir essa janela para habilitar e desabilitar plugins.

(12)

8. No Painel de Configuração, clique em Config, e em seguida, clique em Ports and Pins. 9. Na janela mostrada, confirme se a porta Port #1 está habilitada (conforme etapa 1 da Figura

11). Não altere o Port Adress. Confirme também se a velocidade Kernel Speed está em 25.000Hz (conforme etapa 2 Figura 11). De início, mantenha essa velocidade que é compatível com a maioria dos equipamentos. Não altere essa configuração, caso não tenha certeza dessa informação. Kernel Speed baixos tornam o computador mais estável. Em seguida, clique no botão Aplicar.

Figura 11: Janela no software Mach3 – Config > Port and Pins > Port Setup and Axis Selection

10. No Painel de Configuração, clique em Config, em seguida clique em Ports and Pins, e selecione a aba Motor Outputs, conforme mostra a Figura 12.

11. Etapa 01 da Figura 12 - habilitar ou desabilitar os eixos. Neste exemplo está habilitado os 6 eixos: X, Y, Z, A, B e C.

12. Etapa 02 da Figura 12 – configuração dos pinos referente aos eixos. Neste caso, deve-se deixar tudo 0. A placa TMA.PC.NVUM.4AX dispensa essa configuração, pois ela é feita automaticamente quando instalado e habilidade o driver plugin da placa. Os pinos de pulso e direção dos eixos devem ser ligados nos drivers conforme Figura 02.

13. Etapa 03 da Figura 12 – DirLowActive – inverte o sentido de giro do motor. Se a máquina estiver com o movimento do eixo X invertido, por exemplo: movimento da direita está NEGATIVO e você deseja tornar POSITIVO, inverta esse campo (não confunda o sentido de movimento dos motores com as “setas” do teclado para movimentar a máquina – veja o sentido de movimento se o valor está indo para o POSITIVO ou NEGATIVO). As “setas” do teclado devem ser configuradas no Mach através do menu Config > Hotkeys.

(13)

Figura 12: Janela no software Mach3 – Config > Port and Pins > Motor Outputs

14. Etapa 03 da Figura 12 – StepLowActive – os pulsos do drive do motor devem ser do tipo Pulso Baixo, conforme mostra a Figura 13 (a maioria dos drives utilizam essa configuração – confirme essa informação do datasheet do seu driver).

(14)

15. Etapa 04 da Figura 12 – especifica a porta da Placa. Deixe sempre em 1 (configuração proveniente do plugin).

16. Clique no botão Aplicar.

17. No Painel de Configuração, clique em Config, em seguida clique em Ports and Pins, e selecione a aba Input Signals, conforme mostra a Figura 14.

18. Etapa 01 da Figura 14 - habilitar ou desabilitar as entradas (Input). X++ é referente ao fim-de-curso do movimento X Positivo. X-- é referente ao fim-fim-de-curso do movimento X Negativo. Para os eixos Y, Z e A, segue a mesma lógica. Como se tem um limite de apenas 4 entradas, opta-se por ligar todos os sensores fim-de-curso juntos para poupar as entradas. A máquina continuará 100% funcional, uma vez que qualquer sensor que a máquina esbarrar irá imediatamente interromper o Mach3.

19. Etapa 02 da Figura 14 – especifica a porta. Deixe sempre em 1 (configuração proveniente do plugin).

20. Etapa 03 da Figura 14 – configuração dos pinos referente à cada entrada. Utilize a numeração 1 até 12 conforme ligação na Placa TMA.PC.NVUM.4AX (ver Figuras 04, 05, 06 e 07).

21. Etapa 04 da Figura 14 – especifica se o sinal ou pulso de entrada é do tipo Alto ou Baixo (ver Figura 13)

22. Clique no botão Aplicar.

(15)

23. No Painel de Configuração, clique em Config, em seguida clique em Ports and Pins, e selecione a aba Output Signals, conforme mostra a Figura 15.

24. Etapa 01 da Figura 15 - habilitar ou desabilitar as saídas.

25. Etapa 02 da Figura 15 – especifica a porta. Deixe sempre em 2 (configuração proveniente do plugin).

26. Etapa 03 da Figura 15 – configuração dos pinos referente à cada saída. Utilize a numeração 1 até 10 conforme ligação na Placa TMA.PC.NVUM.4AX.

27. Etapa 04 da Figura 15 – especifica se o sinal ou pulso de entrada é do tipo Alto ou Baixo (ver Figura 13)

28. Clique no botão Aplicar.

Figura 15: Janela no software Mach3 – Config > Port and Pins > Output Signals

29. No Painel de Configuração, clique em Config, em seguida clique em Ports and Pins, e selecione a aba Spindle Setup, conforme mostra a Figura 16.

30. Etapa 01 da Figura 16 – habilita o sinal de saída (output) para ligar o spindle ou motor. Podem ser configuradas até 2 saídas. Uma para o sentido de giro Horário (M3) e outra para o sentido de giro Anti-Horário (M4). A saída deve conter o número do Output#__, configurado previamente na Tela Output Signals.

31. Etapa 02 da Figura 16 – habilita o sinal de saída (output) para ligar a bomba d’água (refrigeração ou fluído de corte). Podem ser configuradas até 2 saídas para a bomba. Uma saída para Mist (M7) - sistema de “névoa”. A segunda saída para Flood (M9) – “refrigeração contínua”. No exemplo da Figura 16, colocamos o mesmo número Output#3 para as duas saídas, dessa forma os comandos M7 e M8 têm as mesmas características. Ainda é possível calcular um delay, ou seja, uma pausa que o Mach3 realiza antes de continuar a leitura do código enquanto a bomba carrega o fluído refrigerante.

(16)

32. Etapa 03 da Figura 16 – ativar os campos Use Spindle Motor Output e PWM Control para habilitar a saída analógica 0-10 VDC para controlar a rotação do spindle ou a potência do laser.

33. Etapa 04 da Figura 16 – ativa os campos marcados na Figura para habilitar o sistema de controle de rpm em caso de malha fechada.

34. Etapa 05 da Figura 16 – é possível configurar um delay, ou seja, uma pausa que o Mach3 realiza antes de continuar a leitura do código enquanto o spindle acelera e atinge a rotação de trabalho.

35. Clique no botão Aplicar.

Figura 16: Janela no software Mach3 – Config > Port and Pins > Spindle Setup

36. No Painel de Configuração, clique em Config, em seguida clique em Pulley Selection. Nessa janela (Figura 17) é realizada a calibração do pino referente ao PWM ou Saída Analógica 0-10 VDC. Os campos Min Speed e Max Speed funcionam como parâmetro para o Mach3 calcular as tensões de saída analógica referente à cada faixa de RPM. Neste este exemplo específico os comandos 10000 faz o Mach 3 enviar a tensão máxima (+10 VDC) na porta analógica, enquanto que o comando 3000 faz o Mach 3 enviar a tensão mínima (+0 VDC) na porta analógica.

37. O campo Ratio da Figura 17 deve ser utilizado como base de cálculo do RPM quando se tem um sensor de RPM instalado no Spindle. Para utilizar este sensor, deve-se habilita-lo como INDEX na aba Config > Port and Pins > Input Signals e configurar seu respectivo pino (Figura 14). No campo Ratio deve-se colocar o valor respectivo à quantos pulsos o Mach3 recebe à cada volta completa do Spindle.

(17)

Figura 17: Janela no software Mach3 – Config > Pulley Selection

5. SENSOR FIM DE CURSO (Micro-Switch):

Botões sensores fim-de-curso tipo micro-switch, podem ser do tipo NA (Normal Aberto) ou do tipo NF (Normal Fechado).

• Sensores Normal Aberto têm seus contatos por padrão abertos (sem passar sinal). Quando acionados passam para o estado fechado (passando a emitir sinal).

• Sensores Normal Fechado têm seus contatos por padrão fechados (passando sinal). Quando acionados passam para o estado aberto (interrompendo o sinal).

No Mach3, pode-se configurar o tipo de sinal na opção Low Active onde o Mach3 interpreta como sinal Ativo a interrupção de sinal vinda do sensor. Esse tipo de funcionamento pode parecer estranho e ao mesmo tempo contrário ao que se está acostumado. A vantagem desse tipo de sinal é a seguinte:

• Imagine um sensor fim-de-curso Normal Fechado, onde o Mach3 está interpretando o sinal como Low Active, ou seja, quando o sinal vindo do sensor é cortado ou interrompido, o Mach3 interpreta como parada imediata. Caso o cabo elétrico vindo do sensor se quebre ou desconecte, mesmo o sensor não senso pressionado, a máquina identifica o problema e para imediatamente. Se o sensor fosse do tipo Normal Aberto e o cabo desconectasse do sensor, quando a máquina tocasse o fim-de-curso, o Mach3 não identificaria o sinal, podendo haver danos na máquina, ferramentas e dispositivos.

Os sensores tipo micro-switch podem ser do tipo com 2 terminais: GND+NF ou GND+NA, ou com 3 terminais, sendo GND+NF+NA (esse tipo de sensor é universal e permite os dois tipos de ligação).

• Para ligação em série, os sensores devem ser ligados em Normal Fechado. Dessa forma, o sinal vai passar através de todos os sensores continuamente. Qualquer sensor que seja pressionado interrompe todo o sinal imediatamente, como se fosse uma cadeia ou um elo de corrente.

• Para ligação em paralelo, os sensores devem ser ligados em Normal Aberto. Dessa forma, todos os sensores estão com o sinal interrompido no contato NA (Normal Aberto). Qualquer sensor que seja pressionado permite que o sinal passe e seja recebido pela Placa TMA.PC.

(18)

NVUM.4AX. Os sensores trabalham de forma independente, e caso haja problema em um dos sensores os outros continuam em funcionamento.

Figura 18: Esquema de ligação de sensor micro-switch em série e em paralelo

6. PLUGIN

1. No Painel de Configuração, clique em Config, em seguida clique em Config Plugins. Na janela, clique no botão CONFIG referente à Placa Controladora, conforme mostra a Figura 19:

(19)

2. Na próxima janela (Figura 20), você conseguirá visualizar se a Placa TMA.PC.NVUM.4AX está conectada ao Mach3. Também conseguirá fazer upgrade do firmware para novas versões, poderá habilitar ou desabilitar o MPG (pendente/handwhell) e conferir a velocidade de comunicação (300 KHz, conforme exemplo da Figura 20).

Referências

Documentos relacionados

A DI, dirigida por um chefe de divisão, cargo de direção intermédia de 2.º grau, exerce as suas atribuições no domínio da disponibilização de serviços informáticos geridos

O ​perifa.io ​é, (lê-se ​perifa áio​), um laboratório itinerante, ou seja, um espaço de inovação que permite que nos apropriarmos de uma porção de

O presente trabalho tem como objetivo estimar o custo de produção da soja em plantio direto e a sua rentabilidade na região de Pereira Barreto-SP... relevo de planalto de

As pessoas “cultas” “aprendem com professores”. Podemos perceber que os discursos sobre “pessoas cultas” e “professores” estão, portanto, situados no mesmo lugar; ocupam

Quando o número de bandeiras for par, a Bandeira Nacional ocupa o lugar do centro à direita seguindo essa mesma ordem.. Veja nossas 12 dicas para você ter uma postura

Os mecanismos de acompanhamento aos discentes emergem das reuniões pedagógicas entre o corpo docente, Coordenação de Curso e Colegiado de Curso, os quais, em conjunto,

PARA SE TORNAR SIMILAR AO CRIADOR; MALCHUT DIVIDE E ANALISA CADA DESEJO EM DESEJOS QUE PODEM SER USADOS, E DESEJOS QUE NÃO PODEM SER USADOS.. ISTO

Para orientar os processos de licitações, foram editadas pelo Banco Mundial normas e critérios para todas as modalidades de contratação. Além das normas, existem