Manual Do Motor Hyundai

59 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

HYUNDAI

HYUNDAI

MANUAL DE MANUTENÇÃO

MANUAL DE MANUTENÇÃO

MOTOR

MOTOR

DIESEL

DIESEL

D4B

D4B

(2)

D4B

D4B

MANUAL DE MANUTENÇÃO

MANUAL DE MANUTENÇÃO

HYUNDAI

HYUNDAI

(3)

D4B

D4B

MANUAL DE MANUTENÇÃO

MANUAL DE MANUTENÇÃO

HYUNDAI

HYUNDAI

(4)

PREFÁCIO

PREFÁCIO

Este manual de manutenção contém os procedimentos adequados de operação e manuseio, e procedimentos simples de

Este manual de manutenção contém os procedimentos adequados de operação e manuseio, e procedimentos simples de

ins-peção e manutenção para o motor

peção e manutenção para o motor diesel Hyundai Modelo D4B.

diesel Hyundai Modelo D4B.

Para asseguram excelente desempenho, operação econômica e segura e longa vida útil, aqueles que usam e controlam este

Para asseguram excelente desempenho, operação econômica e segura e longa vida útil, aqueles que usam e controlam este

motor devem ler todo este manual e observar estritamente as instruções ao operarem o motor.

motor devem ler todo este manual e observar estritamente as instruções ao operarem o motor.

Caso surjam perguntas referentes ao motor diesel industrial Hyundai ou no caso de problemas, consulte a sua oficina de

Caso surjam perguntas referentes ao motor diesel industrial Hyundai ou no caso de problemas, consulte a sua oficina de

servi-ços mais próxima.

ços mais próxima.

HYUNDAI MOTOR COMPANY

HYUNDAI MOTOR COMPANY

Impresso na Coréia

Impresso na Coréia

DEPTO. DE MOTORES COMERCIAIS

DEPTO. DE MOTORES COMERCIAIS

DEPTO. DE ENGENHARIA DE MOTORES INDUSTRIAIS

DEPTO. DE ENGENHARIA DE MOTORES INDUSTRIAIS

* Estas especificações estão sujeitas a modificações sem aviso prévio.

(5)

CONTEÚDOS

CONTEÚDOS

11.

.

Annttees

A

s

ddo

o

U

Ussoo

55

22.

.

N

Noom

mees

s

ddaas

s

P

Peeççaas

s

ddo

o

M

Moottoorr

99

33.

.

M

Maannuusseeiio

o

ddo

o

M

Moottoor

r

N

Noovvoo

1155

44.

.

V

Veerriiffiiccaaççõõees

s

pprréé--ooppeerraacciioonnaaiiss

1177

55.

. P

Prroocceeddiim

meennttoos

s dde

e O

Oppeerraaççãão

o e

e M

Maannuusseeiio

o C

Coorrrreettooss

2211

55--11.

. P

Paarrttiidda

a ddo

o M

Moottoor

r ((M

Maannuuaallm

meennttee))

2222

55--22.

.

C

Cuuiiddaaddoos

s

dduurraanntte

e

a

a

O

Oppeerraaççããoo

2233

55--33.

.

D

Deesslliiggaam

meenntto

o

ddo

o

M

Moottoorr

2266

55--44.

. V

Veerriiffiiccaaççãão

o a

a F

Faazzeer

r aappóós

s o

o D

Deesslliiggaam

meenntto

o ddo

o M

Moottoorr

2266

66.

.

O

Oppeerraaççãão

o

eem

m

T

Teem

mppoos

s

Q

Quueenntte

e

e

e

F

Frriioo

2277

77.

. LLuubbrriiffiiccaannttee,

, Ó

Ólleeo

o C

Coom

mbbuussttíívveel

l e

e R

Reeffrriiggeerraannttee

3311

88.

. IInnssttrruuççõõees

s ppaarra

a uum

m LLoonnggo

o P

Peerrííooddo

o dde

e A

Arrm

maazzeennaaggeem

m

3355

99.

.

IInnssppeeççãão

o

e

e

M

Maannuutteennççããoo

3399

99--11.

. S

Siisstteem

ma

a dde

e E

Ennttrraadda

a e

e E

Exxaauussttããoo

4400

99--22.

.

S

Siisstteem

ma

a

dde

e

LLuubbrriiffiiccaaççããoo

4444

99--33.

.

S

Siisstteem

ma

a

dde

e

C

Coom

mbbuussttíívveell

4466

99--44.

.

S

Siisstteem

ma

a

dde

e

R

Reessffrriiaam

meennttoo

4488

99--55.

.

S

Siisstteem

ma

a

E

Ellééttrriiccoo

5500

1100.

. T

Taabbeella

a dde

e V

Veerriiffiiccaaççõõees

s P

Peerriióóddiiccaas

s e

e S

Seerrvviiççooss

5533

1111.

.

S

Soolluuççõõees

s

dde

e

P

Prroobblleem

maass

5599

1122.

.

P

Prriinncciippaaiis

s

M

Mooddiiffiiccaaççõõeess

6633

(6)

1. ANTES DO USO

1. ANTES DO USO

INSPEÇÃO PERIÓDICA

INSPEÇÃO PERIÓDICA

PEÇAS GENUÍNAS HYUNDAI

PEÇAS GENUÍNAS HYUNDAI

NÚMERO DO MOTOR

NÚMERO DO MOTOR

(7)

 ANTES DO USO

1. ANTES DO USO

INSPEÇÃO PERIÓDICA

É bem essencial que o motor sofra

ins-peção periódica e serviços de

manu-tenção de forma a prolongar a sua vida

útil e garantir a segurança.

O procedimento de verificação está

descrito em “TABELA DE

VERIFICA-ÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS”

PEÇAS GENUÍNAS HYUNDAI

Por favor, use Peças, Óleo/Graxa e

Equipamentos Opcionais Genuínos

Hyundai. Todas as Peças Genuínas

Hyundai estão identificadas com a

mar-ca mostrada acima.

NÚMERO DO MOTOR

Por favor, especifique o modelo do

motor e o número do motor ao

enco-mendar peças ou no caso de

proble-mas. O número do motor está

estam-pado na posição mostrada acima.

EX.:

DFBB X 000001

Número do Motor 

 Ano de produção

(8)

 ANTES DO USO

PLACA DE IDENTIFICAÇÃO DO

MO-TOR

 A placa de identificação está montada

na posição da ilustração acima.

 A placa de identificação mostra o

mo-delo do motor, o deslocamento total, a

potência, a folga das válvulas, a ordem

de injeção de combustível e a

tempori-zação da injeção de combustível.

Método de indicação:

1. Modelo do motor 

2. Deslocamento total

3. Potência nominal

* NOTA

Os termos “frontal e traseiro”, “direito e

esquerdo”, “sentido horário e

anti-horário” são usados neste manual

conforme mostrado acima.

(9)

2. NOMES DAS PEÇAS DO MOTOR

MODELO:

1. MOTOR D4B BUS AIRCON

2. MOTOR D4B EXCAVATOR

3. MOTOR D4B SKID LOADER

4. MOTOR DE GERADOR D4BB

(10)

NOMES DAS PEÇAS DO MOTOR

2. NOMES DAS PEÇAS DO MOTOR

MODELO: 1. MOTOR D4B BUS AIR

(11)

NOMES DAS PEÇAS DO MOTOR

2. MOTOR D4B EXCAVATOR

(12)

NOMES DAS PEÇAS DO MOTOR

3. MOTOR D4B SKID LOADER

(13)

NOMES DAS PEÇAS DO MOTOR

MODELO: D4BB (MOTOR DE GERADOR)

(14)

MODELO: 3. MANUSEIO DE MOTOR NOVO

VERIFICAÇÃO INICIAL

OPERAÇÃO DE MOTOR NOVO

(15)

MANUSEIO DE MOTOR NOVO

3. MANUSEIO DE MOTOR NOVO

Um bom começo é importante para

tudo. A vida útil e o desempenho de

um motor novo dependem, em

gran-de parte, gran-de como ele é manuseado

no estágio inicial. Especialmente

com um motor novo, observe os

pontos a seguir.

VERIFICAÇÃO INICIAL

Quando o medidor de serviço

(horí-metro do tacô(horí-metro) mostrar 200

horas iniciais, ou após 3 meses, o

que ocorrer primeiro, faça com que o

seu motor seja verificado na sua

ofi-cina de serviços mais próxima.

OPERAÇÃO DE UM MOTOR NOVO

O seu motor novo é “domesticado”

durante as primeiras 60 horas. Para

amaciar pontos freqüentes de peças

móveis e manter um alto

desempe-nho, preste especial atenção aos

seguintes pontos.

1. Deixe o motor aquecer após a

partida inicial

2. Evite acelerar o motor.

3. Limite a carga máxima a 70%.

4. Evite trocar para Carga Extrema.

SUBSTITUINDO O ÓLEO

Em um motor novo, substitua os

óleos a seguir após as primeiras 60

horas de operação. Após as

primei-ras 60 hoprimei-ras, o óleo do motor.

(16)

4. VERIFICAÇÕES PRÉ-OPERACIONAIS

VERIFICANDO O NÍVEL DO ÓLEO DO MOTOR

VERIFICANDO O NÍVEL DO COMBUSTÍVEL

VERIFICANDO O NÍVEL DO REFRIGERANTE

VAZAMENTOS DE ÁGUA

TENSÃO DA CORREIA EM V

(17)

VERIFICAÇÕES PRÉ-OPERACIONAIS

4. VERIFICAÇÕES PRÉ-OPERACIONAIS

Para assegurar uma operação se-gura e suave sempre, verifique os pontos a seguir antes de iniciar uma operação

.

VERIFICANDO O NÍVEL DE ÓLEO DO MOTOR

Remova o medidor do nível do óleo, limpe-o com um pano, reinsira e remova novamente. Se o nível do óleo estiver entre as linhas entalha-das superior e inferior, o nível do óleo está bom.

Se o nível do óleo estiver baixo, adicione óleo através do filtro de óleo. Ao mesmo tempo, verifique o óleo para ver se há contaminação e viscosidade, e substitua conforme necessário. Verifique também para ver se há vazamentos de óleo. NOTA

1. Com o motor colocado em uma superfície plana, inspecione o nível de óleo antes de dar parti-da no motor, ou aproximaparti-da- aproximada-mente 30 minutos após ele ter  parado.

2. Aguarde de 5 a 6 minutos entre a adição de óleo ao motor e a verificação do nível do óleo. Se o nível do óleo for verificado imediatamente após a adição de óleo do motor, será adicio-nado óleo em excesso porque o nível do óleo pode ser verifica-do antes que toverifica-do o óleo tenha baixado.

(18)

VERIFICAÇÕES PRÉ-OPERACIONAIS

VERIFICANDO O NÍVEL DE COMBUSTÍVEL

Verifique para certificar-se de que o tanque está cheio. Verifique tam-bém se há vazamentos de combus-tível. Para dar partida num motor  após um longo período desligado ou após o combustível ter se eva-porado, o sistema de combustível deve ser sangrado antecipada-mente. Para o procedimento de sangramento.

VERIFICANDO O NÍVEL DO RE-FRIGERANTE

Verifique o nível do refrigerante no radiador ou no tanque de refrige-rante.

NOTA

1. Use água macia.

2. Se o refrigerante no sistema de resfriamento for uma mistura de água e congelante ou anti-ferrugem, a adição de somente água diminuirá a concentração do refrigerante. Misture água com anti-congelante ou antifer-rugem à mesma proporção de mistura que o refrigerante atual no sistema, e adicione esta mistura.

VAZAMENTOS DE ÁGUA

Verifique se há vazamentos de água do radiador, da mangueira do radiador e outras peças do sistema se resfriamento. Verifique também se há vestígios de vazamento de água debaixo do motor.

TENSÃO DA CORREIA EM V Pressione para baixo o ponto cen-tral da correia com um dedo para verificar se há deflexão.

Verifique a correia em V para ver se há óleo ou graxa, danos, etc. Para o procedimento de ajuste da ten-são.

PONTOS DEFEITUOSOS EN-CONTRADOS NO DIA ANTERIOR Verifique os pontos encontrados defeituosos durante a operação do dia anterior para confirmar se não há nada que possa impedir a ope-ração.

(19)

5. PROCEDIMENTOS CORRETOS DE OPERAÇÃO E MANUSEIO

5-1. PARTIDA NO MOTOR (MANUALMENTE)

VERIFICAÇÕES A FAZER DURANTE A OPERAÇÃO DE AQUECIMENTO

ROTAÇÃO INVERTIDA DO MOTOR E PROVIDÊNCIAS A TOMAR

5-2. CUIDADOS DURANTE A OPERAÇÃO

MEDIDOR DE PRESSÃO DO ÓLEO OU LÂMPADA DE ADVERTÊNCIA

MEDIDOR DE TEMPERATURA DA ÁGUA OU LÂMPADA DE ALARME DE

SUPERA-QUECIMENTO

5-3. PARADA DO MOTOR

(20)

PROCEDIMENTOS CORRETOS DE OPERAÇÃO E MANUSEIO

5. PROCEDIMENTOS CORRETOS DE OPERAÇÃO E MANUSEIO

 Antes de dar partida no motor, cer-tifique-se de executar as VERIFI-CAÇÕES PRÉ-OPERACIONAIS.  Algumas máquinas podem requerer 

procedimentos diferentes para a sua partida e parada. Consulte o manual do operador entregue junto com a máquina.

5-1. PARTIDA NO MOTOR (MA-NUALMENTE)

1. Conforme que o motor está sem nenhuma carga. Em um motor com embreagem, desen-gate a alavanca da embreagem  já que isto facilitará a partida. 2. Coloque a chave da bateria em

ON. NOTA

Durante a operação do motor, não coloque a chave em OFF. A opera-ção do motor com a chave na posi-ção OFF resultará em falha do sis-tema elétrico. Além disto, cada me-didor ou chave se tornará inope-rante, o que ocasiona danos. 3. Insira a chave na posição da

chave de partida.

4. Coloque a alavanca de controle na posição CHEIA.

5. Gire a chave para a posição do glow plug (?). Levará

aproxima-damente de 20 a 30 segundos para que o indicador se torne vermelho, indicando que o aquecedor de ar está suficien-temente aquecido. À temperatu-ra ambiente normal, o uso do aquecedor de ar não é neces-sário.

NOTA

1. Evite o uso repetido do glow plug (?), o que con-some grande quantidade de força. Do contrário, resulta-rá uma bateria gasta. 2. Se o indicador do glow plug

(?) não ficar vermelho e quente, significa que o fusí-vel do relé do glow plug (?) queimou.

6. Em seguida, gire a chave para a posição “START” e o motor  de partida irá girar e o motor  dará partida.

NOTA

1. Quando você não puder dar  partida no motor com uma úni-ca tentativa, opera o motor de partida por 10 a

(21)
(22)

PROCEDIMENTOS CORRETOS DE OPERAÇÃO E MANUSEIO

MEDIDOR DE PRESSÃO DO ÓLEO OU LÂM-PADA DE ADVERTÊNCIA

Confirme se a pressão do óleo está normal e se a lâmpada de advertência está em OFF. Indicação padrão: 295 a 490 kPa (3 a 5 kgf/cm2) à velocidade nominal, 80 kPa (0,8

kgf/cm2) ou mais em vazio ou na zona verde. ►Quando a pressão do óleo é anormal

Quando o ponteiro indicar 49 kPa (3 a 5 kgf/cm2) ou menos a vazio, ou 200 kPa (2,0

kgf/cm2) ou menos (ou zona vermelha) à

velo-cidade nominal ou quando a lâmpada de ad-vertência acender, a pressão do óleo está anormal.

(1) Pare o motor imediatamente. A operação sustentada pode ocasionar travamento dos mancais do motor.

(2) Verifique se há vazamentos de óleo. Se houver evidência de vazamentos, corrija.

(3) Verifique o nível de óleo do motor. Adicione se estiver baixo.

(4) Verifique o elemento de filtro do óleo para ver se está entupido.

(5) Verifique o medidor de pressão do óleo , a lâmpada e a tubulação.

Neste caso, a pressão do óleo deve ser  efetivamente medida com um medidor de pressão do óleo.

(6) Se, após tomar as medidas acima, a pres-são anormal do óleo ainda persistir, con-sulte a sua oficina de serviços mais próxi-ma.

(7) Nos casos a seguir, a pressão do óleo padrão pode não estar indicada, mas não há motivo de preocupação porque a pres-são do óleo logo retornará ao normal. (a) Quando o motor ainda não estiver 

quente, como imediatamente após a partida, pode estar indicada uma pressão muito elevada. Após a parti-da, portanto, não acelere o motor, mas opera o motor a vazio até que esteja completamente aquecido.

(b)

 Após o motor estar completamente aquecido, o motor terá uma pressão de óleo baixa, à velocidade ociosa baixa. Se a pressão for maior do que 98 kPa (1 kgf/cm2), não há nada com

(23)

PROCEDIMENTOS CORRETOS DE OPERAÇÃO E MANUSEIO

MEDIDOR DE TEMPERATURA DA ÁGUA OU LÂMPADA DE ALARME DE SUPERAQUECI-MENTO

Verifique para ter certeza de que a temperatura do refrigerante está boa e que a lâmpada de alarme está em OFF.

Indicação padrão: 75ºC a 95ºC ou zona verde

►Superaquecimento

Quando o ponteiro exceder a 100ºC em um motor equipado com radiador (ou quando o ponteiro entra na zona vermelha) ou quando a lâmpada de alarme acender, isto indica que o motor está superaquecido.

1. Desacelere o motor imediatamente a uma velocidade a vazio, e opere o motor at velo-cidade a vazio até que a temperatura do refrigerante caia. A operação sustentada pode causar o travamento do motor.

2. Após a temperatura do refrigerante ter caí-do, pare o motor e verifique se há vaza-mentos de água, correia do ventilador dani-ficada ou caída, e radiador entupido. 3. Verifique o nível do refrigerante. Adicione

refrigerante conforme necessário. NOTA

1. Não abra a tampa do radiador enquanto o refrigerante estiver quente. Água quente poderá jorrar para for a e você pode se queimar. Levante a alavanca de descom-pressão da tampa do radiador para aliviar a pressão no radiador.

2. Não coloque água fria em um motor supe-raquecido. O resfriamento repentino pode ocasionar rachaduras.

(24)

PROCEDIMENTOS CORRETOS DE OPERAÇÃO E MANUSEIO

5-3. DESLIGAMENTO DO MOTOR

Se um motor superaquecido for repentinamente desligado sem ser resfriado, um rápido au-mento na temperatura do refrigerante pode ocasionar o travamento de peças móveis do motor, tais como os pistões.

1. Apos o término do seu trabalho, opere o motor a velocidade a vazio por aproxima-damente cinco minutos antes de desligá-lo. 2. Puxe para for a o botão de desligamento do

motor e após a parada completa do motor, pressione o botão para a sua posição origi-nal.

3. Coloque a alavanca de controle na posição de parada.

4. Coloque a chave em na posição de “OFF” para remover a chave.

5. Fixe a chave da bateria na posição de “OFF”.

NOTA

Deixar a chave na posição de “ON” durante um longo tempo resultará no consumo da bateria devido ao fluxo de corrente inútil.

5-4. VERIFICAÇÕES A FAZER APÓS A PA-RADA DO MOTOR

 Após a operação, limpe o motor e execute as seguintes verificações.

1. Verifique e corrija os pontos encontrados defeituosos durante a operação.

2. Verifique cada peça para ver se estão sol-tas, danificadas, ou se há vazamentos de óleo e água.

3. No inverno, remova todo o refrigerante, a não ser que ele contenha anti-congelante. Se o refrigerante não for removido, ele fica-rá congelado e a caixa da manivela pode sofrer rachaduras.

(25)

6. OPERAÇÃO EM TEMPO FRIO E QUENTE

OPERAÇÃO EM TEMPO FRIO

(26)

OPERAÇÃO EM TEMPO FRIO E QUENTE

6. OPERAÇÃO EM TEMPO FRIO E QUENTE

OPERAÇÃO EM TEMPO FRIO

Quando a temperatura atmosférica diminui, em tempo frio, alguma atenção especial deve ser  dada à operação do motor.

Observe as descrições a seguir.

►Óleo do motor 

O óleo do motor se torna menos fluído com a temperatura decrescente. Como isto torna difícil dar partida no motor, use óleo de viscosidade adequada para a temperatura atmosférica. Para a seleção de óleo de viscosidade adequada, veja “Lubrificante”.

►Combustível

(1) à medida que a temperatura cai, o com-bustível perde a sua fluidez e não se pode esperar boa atomização. Use portanto um combustível adequado para a temperatura atmosférica. Para detalhes, veja “Combus-tível”.

(2) Encha o tanque com tanto combustível quanto possível de forma que o ar no tan-que possa sair e reduzir a chance de

con-gelamento de umidade, ferrugem e a difi-culdade de dar partida.

(3) Afrouxe o plugue de dreno do tanque para drenar a água, de vez em quando, de for-ma a evitar que a umidade dentro do com-bustível congele.

►Bateria

(1) A capacidade da bateria diminuirá à medi-da que a temperatura atmosférica cair. Mantenha a bateria completamente carre-gada todo o tempo.

(2) Se a bateria não for usada durante tempo frio, remova a bateria e armazene-a em ambiente interno.

(3) Após ter sido adicionado fluído de bateria, ou quando a gravidade específica for muito baixa, carregue a bateria, já que há risco de que congele.

►Refrigerante

 Adicione anti-congelante à água para evitar o seu congelamento. Sobre o uso de anti-congelante, veja “Refrigerante”.

NOTA

Quando não for adicionado anti-congelante à água, certifique-se de abrir cada registro de dreno da caixa da manivela do motor, e do ra-diador para drenar todo o refrigerante após a operação de forma que estes componentes possam ser protegidos contra danos por con-gelamento do refrigerante.

►Precauções operacionais

(1) A viscosidade aumentada do óleo e o de-sempenho reduzido da bateria resultarão em difícil partida no motor.

Se o motor não puder ser ligado na primei-ra tentativa, aguarde aproximadamente 15 segundos antes de fazer nova tentativa. Não opere o motor de partida continua-mente por mais de 30 segundos. Não es-queça de aquecer o motor antes da parti-da.

(2) A uma temperatura atmosférica muito bai-xa, a viscosidade do óleo pode aumentar  em uma extensão tal que o aquecimento do coletor de óleo se torna necessário. (3) Aqueça o motor suficientemente antes da

(27)

OPERAÇÃO EM TEMPO FRIO E QUENTE

OPERAÇÃO EM TEMPO QUENTE

Preste especial atenção ao sistema de resfria-mento já que este é mais fácil de superaquecer  sob calor intenso.

►Óleo do motor 

Escolha o óleo do motor com alta viscosidade apropriada para a temperatura do clima. Veja “Lubrificante” para selecionar o óleo com visco-sidade apropriada.

►Bateria

O nível do fluído da bateria cairá rapidamente. Verifique o nível com freqüência e certifique-se de que o nível do fluído esteja sempre próximo do nível SUPERIOR.

►Sistema de resfriamento

(1) Mantenha o refrigerante sempre cheio até o nível especificado, e verifique se há va-zamentos de refrigerante.

(2) Substitua o refrigerante periodicamente, par limpar o sistema de resfriamento. Em tempo quente, mais crostas e ferrugem se-rão formados no sistema de resfriamento (no radiador, em particular) e pode resultar  superaquecimento. Veja o procedimento de limpeza do sistema de resfriamento.

(3) Sempre verifique se há correia de ventila-dor solta e ajuste a tensão da correia con-forme especificado.

►Precauções operacionais

Preste atenção no medidor de temperatura da água e no medidor da pressão do óleo.

(1) Quando o superaquecimento do motor for  evidente, não tente parar o motor abrupta-mente, mas opera em velocidade a vazio por algum tempo antes de desligá-lo. NOTA

Não abra a tampa do radiador enquanto o refri-gerante estiver quente. Água quente poderá esguichar para for a e você pode se queimar. Não coloque água quente em um motor supe-raquecido. O resfriamento repentino pode cau-sar rachaduras.

(28)

7. LUBRIFICANTE, ÓLEO COMBUSTÍVEL E REFRIGERANTE

INSTRUÇÕES GERAIS DE LUBRIFICAÇÃO

COMBUSTÍVEL

REFRIGERANTE

(29)
(30)

LUBRIFICANTE, ÓLEO COMBUSTÍVEL E REFRIGERANTE

REFRIGERANTE

Use água doce com um pequeno conteúdo de impurezas como refrigerante. O uso de água que contenha sal, ou água na proximidade de uma mina ou de um spa pode acelerar o depó-sito de crostas na camisa de água e a corrosão da superfície interna do revestimento do cilin-dro.

Use anticorrosivo durante o tempo quente para evitar a corrosão e use anti-congelante em tempo frio para evitar o congelamento do refri-gerante.

NOTA

Se o refrigerante no sistema de resfriamento contiver anti-congelante ou anticorrosivo, adici-one uma solução da mesma concentração que a solução inicialmente colocada no sistema.

Cuidados com o uso e manuseio de

anti-congelante

(1) Use um tipo de anti-congelante perma-nente.

(2) Quando o anti-congelante tiver que ser  aplicado ou quando o refrigerante com anti-congelante tiver que ser substituído por re-frigerante sem anti-congelante para aten-der o aumento da temperatura atmosférica, lave e limpe o sistema de resfriamento.

(3) A proporção da mistura de anti-congelante depende da temperatura mais baixa espe-rada. Coloque anti-congelante de acordo com o Manual de Instruções.

LUBRIFICANTE

Os motores diesel de alta velocidade, que são freqüentemente operador em condições mais severas do que os motores a gasolina, reque-rem o uso de óleo de motor de qualidade mais alta. Use o óleo e a graxa de acordo com as especificações mostradas abaixo.

Óleo e graxa Especificações

Sob condições

operaci-onais normais  API CC ou mais alto Óleo de motor  Sob condições

operaci-onais severas ou para motor com turbocarre-gador 

 API CD ou mais alto

40ºC ou mais SAE 40 40 – 50ºC SAE 30 10 – 30ºC SAE 10W – 30 Óleo de engrenagem API GL – 3

ou API GL – 4 SAE 80SAE 90

Fluído de freio SAE J1703

Graxa tipo multi-propósito NLG1 No. 2 Graxa do variador da embreagem MIL – G – 3545b

(31)

LUBRIFICANTE, ÓLEO COMBUSTÍVEL E REFRIGERANTE

TABELA DE MARCAS RECOMENDADAS DE LUBRIFICANTE

CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO IDEMITSU GULE CALTEX SHELL MOBIL KOREA ÓLEO DE MOTOR API CC CD GRAU SIMPLES

 APOLLOIL DIESEL MOTIVE S-300 VERÃO: 30 INVERNO: 20W/20 MULTI-GRAUS  APOLLOIL CUSTOM WIDE 15W/40 GRAU SIMPLES SERVIÇO SUPER PESADO MOTOR OIL

VERÃO: 30 INVERNO: 20W/20 MULTI-GRAUS

SERVIÇO SUPER PESADO MOTOR OIL 15W/40 GRAU SIMPLES RPM DELO300 VERÃO: 30 INVERNO: 20W/20 MULTI-GRAU RPMDELO 400 15W/40 GRAU SIMPLES VERÃO: 30 INVERNO: 20W/20 MULTI-GRAU RIMULA X OUL 15W/40 GRAU SIMPLES MOBIL DELVAC VERÃO: 30 INVERNO: 20W/20 MULTI-GRAU MOBIL DELVAC SUPER 15W/40 ÓLEO DE

EN-GRENAGEM  API GL-3 or  API GL-4  APOLLO GEAR HE 80 MPG LUBRICANT 80 MP THUBANEP80 SPRAX HD 80 GX 80MOBILUBE FLUÍDO DE

FREIO E EMBRA-GEM

SAE J1703 APOLLO BRAKE FLUID YUKONG SUPER BRAKE FLUID CALTEX BRAKE FLUID DONAXHB MOBIL SUPER H/DUTY BRAKE FLUID GRAXA TIPO

MULTI-PROPÓSITO

MLGI NO.2 APOLLOIL AUTOFLEX A GULFCROWN GREASE EP2 MARFAK M/ PURPOSE2 RETINAX A MOBIL GREASE 77

GRAXA DO VARI- ADOR DA

EM-BREAGEM

ML-G-3545B DAPHNE MOLYBDENUM

GREA-SE GULFLEX MOLY MOLYTEX NO.2 RETINAX AM MOBIL GREASE SPECIAL FLUÍDO

ANTI-CONGELANTE SEA J814B APOLLO RADIATOR COOLANT YUKONG SUPERA COOLANT HO YU AF COOLANT GLYCOSHELL PLUS TERMINAL DA

(32)

8. INSTRUÇÕES PARA UM LONGO PERÍODO DE ARMAZENAGEM

MOTOR ARMAZENADO COMO UNIDADE COMPLETA PRONTA PARA OPERAÇÃO

PROCEDIMENTOS DE ARMAZENAGEM PARA O MOTOR PERMANECER DESLIGADO DURANTE UM

LONGO PERÍODO

(33)

LUBRIFICANTE, ÓLEO COMBUSTÍVEL E REFRIGERANTE

8. INSTRUÇÕES PARA UM LONGO PERÍODO DE ARMAZENAGEM Quando o motor tiver que ser removido do

ser-viço por um certo período, proceda conforme descrito abaixo e armazene o motor em um lugar seco.

MOTOR ARMAZENADO COMO UNIDADE COMPLETA PRONTA PARA OPERAÇÃO Opere o motor uma vez por semana para aque-cimento, para circular o óleo do motor por todo o motor. Antes de disparar a operação, acelere o motor com o motor de partida e verifique o medidor da pressão do óleo para confirmar que a pressão do óleo aumenta.

Durante a operação de aquecimento, mantenha a velocidade do motor tão baixa quanto possí-vel. Acelere o motor após o refrigerante ter sido aquecido adequadamente.

PROCEDIMENTOS DE ARMAZENAGEM PARA O MOTOR PERMANECER DESLIGA-DO DURANTE UM LONGO PERÍODESLIGA-DO

Quando o motor tiver que ser removido do ser-viço por um longo período, tome as providênci-as descritprovidênci-as abaixo, de acordo com o período e local de armazenagem e coloque uma cobertu-ra sobre todo o motor quando armazenado.

NOTA

1. Quando o período de armazenagem inici-almente esperado for excedido, tome medi-das adequamedi-das de acordo com o período estendido de armazenagem.

2. Quando o período de armazenagem exce-der um ano, repita as mesmas providênci-as.

Período de armazenagem

Descrição Um mês ou menos Um a três meses Três a seis meses Seis meses a um ano Dentro do motor 

- - (1) Sistema de entrada(2) Sistema de resfria-mento (1) Sistema de entrada (2) Sistema de resfria-mento (3) Sistema de lubrifica-ção (4) Sistema de combus-tível Fora do motor  -• Porção externa exposta • Superfícies usina-das • Peças de alumínio • Peças laminadas ← ←

 Acessórios (1) Limpador de ar  (2) Alternador, Glow

plug (?), etc. (3) Correia (4) Bateria

(34)
(35)

9. INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO PERIÓDICA

PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

9-1. SISTEMA DE ENTRADA E EXAUSTÃO

LIMPADOR DE AR

9-2. SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

COLETOR DE ÓLEO DO MOTOR

FILTRO DE ÓLEO

9-3. SISTEMA DE COMBUSTÍVEL

SANGRAMENTO DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL

FILTRO DE ÓLEO

9-4. SISTEMA DE RESFRIAMENTO

BOMBA DE ÁGUA

REFRIGERANTE

AJUSTE DA CORREIA EM V

9-5. SISTEMA ELÉTRICO

BATERIA

(36)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

9. INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

Para prolongar a vida útil do motor e manter  uma ótima condição operacional o tempo todo, é importante que o motor seja verificado e man-tido a intervalos regulares.

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO DO PRODUTO 1. Os simples procedimentos de inspeção e

manutenção estão resumidos abaixo. Man-de fazer verificações e ajustes Man-detalhados na sua oficina de serviços autorizada mais próxima de acordo com a TABELA DE VE-RIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVI-ÇOS mostradas nas páginas subseqüentes. Um motor de emergência também deve ser  inspecionado e mantido de acordo com a

tabela de padrão de manutenção descrita mais tarde.

2. Determine os intervalos de inspeção e ma-nutenção verificando os mostradores dos medidores de serviço. Quando o motor é operado sob condições precárias ou seve-ras, execute a inspeção e a manutenção mais cedo.

NOTA

 Após as operações de manutenção, certifique-se de que nenhum pano ou ferramenta certifique-seja deixado para trás, sobre o motor ou ao redor  dele.

PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

1. Não tente qualquer tipo de operações de manutenção enquanto o motor estiver fun-cionando.

2. Use sapatos e óculos de segurança con-forme necessário, e vista roupas adequa-das para as operações. Use as ferramentas corretas para as operações.

3. Antes de inspecionar o sistema elétrico, coloque a chave da bateria em OFF.

4. Quando as peças são limpas em óleo in-flamável, tenha cuidado para manter-se longe de fogo.

9-1. SISTEMA DE ENTRADA E EXAUSTÃO VERIFICANDO AS EMISSÕES DA EXAUS-TÃO DO MOTOR

 Após o motor ter aquecido completamente, verifique a cor do gás de exaustão

Sem cor ou azul desmaiado Bom Preto Mau, demonstrando combustão incompleta Branco Mau, demonstrando combustão forçada de óleo.

Por favor, observe que o gás de exaustão, que é na verdade incolor ou azul desmaiado parece-rá branco devido ao frio do inverno.

LIMPADOR DE AR

Um elemento de limpador de ar sujo, se for  deixado assim, irá diminuir a potência do motor, no pior das hipóteses. Também ocasionará aumento no consume de combustível, aumento no conteúdo perigoso das emissões da exaus-tão e fumaça preta.

(37)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

►Indicador de pó

Em um limpador de ar com um indicador de pó, a hora de limpar é indicada por um sinal ver-melho quando o elemento está entupido. Quan-do a parte transparente Quan-do indicaQuan-dor fica ver-melha, limpe ou substitua o elemento indepen-dente dos intervalos de verificação. Quando o elemento tiver sido limpo ou substituído, pressi-one o botão “reset” no topo.

►Tipo ciclone

(1) Remova a tampa inferior e retire o ele-mento diretamente.

(2) Antes da instalação, limpe o interior da caixa e a tampa do fundo e então lenta-mente insira o elemento diretalenta-mente.

Se o limpador de ar for colocado em posi-ção horizontal, instale a tampa do fundo se forma que a marca de indicação da dire-ção de montagem na válvula esteja de voltada para cima.

NOTA

Certifique-se de que o elemento e a tampa do fundo estejam firmemente instalados. Se estive-rem instalados de forma solta, o pó será atraído para dentro e o limpador de ar não funcionará adequadamente.

►Limpe o elemento

Cada 250 horas ou quando o sinal vermelho aparecer no indicador.

NOTA

Quando o motor for operado em um local em-poeirado, encurte os intervalos de limpeza ade-quadamente. Limpe o elemento por um destes métodos a seguir, dependendo do grau de contaminação.

(38)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

(1) Se o elemento estiver contaminado com pó seco, limpe o pó, etc. soprando ar compri-mido limpo [685 kPa (7 kgf/cm2) ou menos] ao longo das rugosidades de dentro do elemento.

NOTA

Não bata no elemento, não o bata contra um objeto, e nem permita que caia.

(2) Se houver evidência contaminação preta devido a fumaça de óleo, fuligem ou graxa (do tipo ciclone), use um limpador de ele-mento para limpar o eleele-mento.

Mergulhe o elemento na solução aquosa do limpador por aproximadamente 30 mi-nutos e agite o elemento até que esteja completamente limpo. Para maior eficiên-cia de limpeza, use água aquecida a apro-ximadamente 40ºC.

Então, retire o elemento e enxágüe-o com água limpa para lavar manchas e o limpa-dor [a pressão da água não deve exceder  70 kPa (2,8 kgf/cm2)].

Deixe-o secar em um local bem ventilado. Se tiver que ser secado com rapidez, use um ventilador elétrico.

NOTA

1. Seque bem o elemento. Não use um elemento úmido.

2. Visto que a secagem natural requer  muito tempo, a recomendação é que se tenha um elemento de reserva pronto.

(39)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

(3) Coloque uma lâmpada elétrica no elemento limpo para verificar se há danos. Se des-cobrir furos nos pinos ou áreas finas ou se a vedação estiver quebrada, substitua o elemento com um novo.

(4) Quando o elemento é limpo, remova o defletor e limpe também o coletor de pó. Para remover o defletor, afrouxe o parafu-so da asa.

(40)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

9-2. SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO COLETOR DE ÓLEO DO MOTOR

►Substitua o óleo do motor 

 Após as primeiras 60 horas e a cada 250 horas após. (A cada 300 horas para o motor bus air  con)

Em um motor novo, certifique-se de substituir o óleo após as primeiras 60 horas de operação. (1) Após o desligamento do motor, remova o

plugue de dreno do coletor de óleo para remover o óleo enquanto ainda está quen-te. Ao mesmo tempo, o óleo no filtro de óleo deve também ser removido.

(2) Instale o plugue de dreno e coloque óleo do motor novo [API CC ou API CD] a partir  da porta do filtro de óleo até a marca CHEIO do medidor de nível.

(3) Após operar o motor a vazio por vários minutos, verifique o nível de óleo.

►Quantidade de óleo

Coletor de óleo … 4,2 l Filtro de óleo …0,7 l

Resfriador de óleo … Aprox. 0,5 l NOTA

1. Um óleo muito contaminado ou deteriorado deve ser substituído independente dos in-tervalos de substituição.

(41)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

FILTRO DE ÓLEO

O filtro de óleo em uso é do tipo “puxa-fluxo” e desvio.

►Elemento de desvio

Cada 500 horas: EXCAVATOR, S/LOADER Cada 600 horas: BUS A/CON

NOTA

1. Se a lâmpada de alarme do filtro de óleo estiver LIGADA, substitua o elemento ime-diatamente independente dos intervalos de substituição.

2. O elemento não pode ser lavado e reutili-zado.

(1) Remova o filtro de óleo girando-o no senti-do anti-horário (use uma chave de filtro). (2) Para instalar o filtro, aplique uma fina

ca-mada de óleo do motor ao redor da veda-ção.

(3) Se o elemento somente tiver sido substituí-do sem a substituição substituí-do óleo substituí-do motor, complete aproximadamente 2,3 litros de óleo do motor e verifique o nível do óleo. (4) Após a instalação, limpe rigorosamente o

óleo derramado, dê partida no motor, e ve-rifique se há vazamentos de óleo da veda-ção.

NOTA

Se o óleo derramado no motor for deixado como está, há risco de incêndio. Certifique-se de que o óleo derramado seja limpo completa-mente.

(42)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

9-3. SISTEMA DE COMBUSTÍVEL

SANGRAMENTO DO SISTEMA DE COM-BUSTÍVEL

O sistema de combustível deve ser sangrado para remover o ar, conforme descrito abaixo, se o suprimento de combustível for exaurido du-rante o acionamento, quando o filtro de com-bustível for substituído, ou se o motor não for  usado por um longo período de tempo.

1. Afrouxe o plugue de ar no topo do filtro de combustível.

2. Bombeie a bomba manual até que não haja mais bolhas no combustível que sai do plu-gue de ar. Ao fazer isto, coloque um pano ao redor do plugue de ar para evitar que o combustível que escapa se espalhe.

3. Aperte o plugue de ar quando não houver  mais bolhas no combustível.

4. Continue bombeando até que a bomba manual se torne dura.

5. Finalmente, verifique para ter certeza de que não há vazamento de combustível. NOTA

(1) Não fume nem tenha qualquer chama nua perto do motor ao sangrar o sistema de combustível.

(2) Certifique-se de limpar cuidadosamente qualquer combustível que tenha se derra-mado perto das peças que saem do plugue de ar, porque tais acumulações de com-bustível podem sofrer ignição e causar um incêndio.

REMOÇÃO DE ÁGUA DO FILTRO DE COM-BUSTÍVEL

Se a lâmpada de advertência se iluminar du-rante o acionamento, isto indica que a água se acumulou no filtro de combustível. Se isto ocor-rer, remova a água conforme descrito abaixo. 1. Afrouxe o plugue de dreno no fundo do filtro

(43)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

2. Opere a bomba manual lentamente 6 ou 7 vezes para forçar a água através do plugue de dreno.

3. Aperte o plugue de dreno quando não sair  mais água.

4. Afrouxe o plugue de ar e sangre o ar. (Con-sulte “Sangrando o sistema de combustí-vel”.)

5. Verifique para ter certeza que a lâmpada de advertência se ilumina quando a chave de ignição é girada para “ON”, e que desliga quando o motor é ligado.

Se estiver em dúvida, consulte o seu re-vendedor HYUNDAI mais próximo.

NOTA

(1) Não fume e nem tenha uma chama nua perto do motor ao sangrar o sistema de combustível.

(2) Certifique-se de limpar cuidadosamente qualquer água drenada desta forma, porque o combustível misturado na água pode so-frer ignição e resultar em incêndio.

(44)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

9-4. SISTEMA DE RESFRIAMENTO REFRIGERANTE

►Substitua o refrigerante e limpe o sistema

Cada 500 horas

Crostas e ferrugem se acumulam na camisa de água do motor ao longo do tempo. Limpe o radiador e a camisa de água para remover as crostas e a ferrugem, já que estes causam re-dução da eficiência de resfriamento. Também certifique-se de que o sistema seja limpo se o refrigerante contiver antiferrugem ou anti-congelante.

 Ao limpar o sistema, aqueça o refrigerante a 90ºC ou mais e mantenha o motor rodando a vazio. Se a temperatura da água estiver mais baixa, o termostato é fechado para impedir o fluxo do refrigerante ao radiador, tornando im-possível limpar o sistema completamente.

(1) Abra a tampa do radiador e os registros de dreno da caixa da manivela do motor e do radiador para remover o refrigerante. (2) Feche os registros de dreno e coloque

refrigerante. Rode o motor até que o refri-gerante esteja aquecido a até 80ºC. (3) Se houver consideráveis crostas ou

ferru-gem, coloque uma solução de limpeza e opere o motor até que a solução esteja aquecida a aproximadamente 90ºC. (4) Continue a rodar o motor a vazio por

apro-ximadamente 30 minutos.

(5) Após parar o motor, abra os registros de dreno da caixa da manivela do motor e o radiador para drenar completamente o re-frigerante.

(6) Feche os registros de dreno e coloque refrigerante para enxaguar o sistema com-pletamente. Enxágüe até que a água suja não mais escorra.

(7) Use água doce, como refrigerante e encha até que saia do tubo de transbordo.

(8) Após encher o refrigerante, opere o motor  por algum tempo. Após parar o motor, veri-fique o nível do refrigerante e complete se necessário. Este nova verificação do nível do refrigerante é necessária porque o nível do refrigerante cairá após a operação inici-al como resultado da expulsão de ar do sistema.

NOTA

1. Use água doce, o uso de água de fonte ou de rio pode ocasionar crostas ou ferru-gem.

2. Adicione anticorrosivo à água na estação quente para evitar corrosão e adicione an-ti-congelante na estação fria para evitar o congelamento do refrigerante.

(45)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

AJUSTE DA CORREIA EM V

Se a correia em V estiver solta, ajuste pelos procedimentos a seguir.

NOTA

1. Após o ajuste, aperte firmemente os para-fusos e as porcas. Se a correia em V esti-ver muito apertada, poderão resultar danos à correia e ao mancal.

2. Mantenha as correias em V livres de óleo e graxa.

3. Quando o par de correias em V necessitar  de substituição, certifique-se de que ambas sejam substituídas por novas.

►Correia em V de acionamento do ventilador e

do alternador 

 Afrouxe levemente o parafuso de montagem do alternador e o parafuso de ajuste, e então re-mova o alternador para a direita ou para a es-querda.

(46)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

9-5. SISTEMA ELÉTRICO BATERIA

Preste atenção ao seguinte ao manusear a bateria.

1. O fluído da bateria é uma solução diluída de ácido sulfúrico. Tenha cuidado para não permitir que o fluído entre em contato com os olhos, a pele, roupas e superfícies metá-licas. Se o fluído tiver entrado em contato com eles, lave imediatamente com água. 2. A bateria emite gás de hidrogênio

inflamá-vel. Evite usar fogo próximo à bateria. 3. Quando a bateria é inspecionada ou

carre-gada ou quando o sistema elétrico sofre manutenção, a chave de partida deve ser  fixada em OFF e o terminal negativo da bateria deve ser desconectado antecipa-damente para o bem da segurança.

4. Quando a bateria é removida, certifique-se de que o terminal negativo seja desconec-tado primeiro. Quando a bateria é instalada, o terminal negativo deve ser conectado primeiro.

►Verificação do nível de fluído

 A cada 125 horas (ou a cada duas semanas, cada semana no VERÃO)

(1) O nível do fluído deve estar entre as linhas de nível “SUPERIOR” e “INFERIOR”. Se o nível estiver abaixo da linha “INFERIOR”, adicione fluído ou água destilada até a li-nha “SUPERIOR”.

NOTA

 Algumas baterias somente têm uma linha de nível, o que denota o nível “INFERIOR”.

(2) Quanto a uma bateria que não tem linhas de nível, o nível deve ser de 10 a 15 mm acima das placas da bateria. Adicione fluí-do até que o nível de fluífluí-do atinja a super-fície inferior da caixa.

NOTA

Certifique-se de que o fluído é adicionado antes da carga (antes da operação). Em tempo frio, há o risco de congelamento.

(47)

INSPEÇÃO E MANUTENÇÃO

►Inspeção dos terminais da bateria

Cada 250 horas.

Verifique os terminais para ver se estão soltos. Se houver evidência de contaminação ou corro-são, limpe-os.

(1) Se houver pó branco ou terminais corroí-dos, lave com água morna.

Terminais muito corroídos devem ser poli-dos com uma escova de aço ou lixa. NOTA

 Aperte as tampas dos respiros para evitar a entrada de substâncias estranhas na bateria. (2) Após limpar, aplique uma camada muito

(48)

10. TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

(49)

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

10. TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

Operações de verificação e de manutenção diárias e periódicas estão listadas na tabela a seguir.

1. A tabela a seguir se destina a motores usa-dos regularmente.

2. Os intervalos de verificação e manutenção devem ser determinados com base nas in-dicações do medidor de serviços.

Os intervalos padrão de verificação e ma-nutenção foram determinados com base em condições operacionais padrão. Em um motor operado cada dia por um período mais longo do que o normal, os intervalos devem ser reduzidos.

3. Os itens de inspeção em dispositivos tais como acessórios não fixados no seu motor  devem ser desconsiderados.

(50)

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

Símbolos

Verifique, ajuste ou lubrifique

Substitua o óleo, graxa ou elemento

Intervalos de verificação e serviço Item de verificação ou serviço operacional

Pré-(cada 10 horas) Cada 60 horas Cada 125 horas Cada 250 horas Cada 500 horas Cada 1000 horas Cada 7000 horas Notas Condição de partida e ruído ○

Condição de baixa velocidade e aceleração (nominal)

Condição de exaustão ○

Cabeça do cilindro, coletor e instalação do suporte de monta-gem *○ ○ * Itens marcados são apli-cáveis somente a motor  novo. Pressão de compressão ○

Folgadaválvula *○ ○ * Itens marcados são apli-cáveis somente a motor  novo. Geral Motor 

Correia de temporização ● Inspeção de 4000 horas Vazamentos de óleo ○

Sistema de

(51)

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

Intervalos de verificação e serviço Item de verificação e serviço operacional

Pré-(cada 10 horas) Cada 60 horas Cada 125 horas Cada 250 horas Cada 500 horas Cada 1000 horas Notas Verifique o óleo para conferir  contaminação e quantidade ○ Coletor de óleo do motor  Substitua o óleo *● ●

(300hr) novo, certifique-seEm um motor  de substituir. (óleo

do motor) Sistema de

lubrificação

Filtro de óleo Substitua ●

(600hr) Vazamentos de combustível

(Verifique a mangueira para ver  se há danos e deterioração)

Filtro de combustível

Substitua ●

Pressão de injeção e condição de pulverização do bico de inje-ção

Temporização da injeção ○

Verifique e limpe o pré-fltro (filtro ou coador do medidor)

Sistema de combustível

Descarregue a água e os sedi-mentos do interior do tanque de combustível

(52)

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

TABELA DE VERIFICAÇÕES PERIÓDICAS E DE SERVIÇOS

Intervalos de verificação e serviço Item de verificação e serviço operacional

Pré-(cada 10 horas) Cada 60 horas Cada 125 horas Cada 250 horas Cada 500 horas Cada 1000 horas Notas Vazamentos de água

(Verifique danos e deterioração na mangueira)

Substitua o refrigerante limpe o sistema ○ Certifique-se de limpar o sistema antes e depois do uso de anti-congelante Correia em V solta ou danificada ○

Ventilador danificado, condição de montagem do ventilador  ○ Quantidade de água ○ Função da tampa ○ Geral Motor  Radiador  Núcleo entupido ou danificado ○ Quantidade de eletrólito

○ Cada duas sema-nas, mas cada semana, no verão Gravidade especí-fica do eletrólito ○ Bateria Condição de cone-xão dos terminais

Sistema elétrico

Conexões dos fios elétricos frouxas e isoladores soltos ou danificados

(53)

11. SOLUÇÕES DE PROBLEMAS

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS

(54)

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS

11. SOLUÇÕES DE PROBLEMAS

Faça o melhor possível para encontrar os pro-blemas no seu estágio mais inicial possível e corrija o problema antes que se desenvolva em um problema maior.

Quando sintomas não cobertos nas tabelas a seguir forem evidentes, quando o problema persiste mesmo após a correção e quando os problemas (marcados com asterisco* na tabe-la), não forem prontamente corrigidos, por favor  contate a sua oficina de serviços mais próxima para reparos, informando a condição dos pro-blemas.

(55)

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS

Problema Causa provável Correção Chave da bateria está desligada. Ligue a chave da bateria. Terminais da bateria desconectados,

soltos ou corroídos.

Capacidade da bateria insuficiente ou bateria descarregada.

Cabo terra desconectado. Conecte firmemente. Motor não opera quando a chave de

partida é ligada (o motor de partida não gira ou gira apenas lentamente)

Viscosidade do óleo do motor inadequa-da.

Tanque de combustível vazio. Complete o combustível. Filtro de combustível entupido.

 Ar preso no sistema de combustível.

Sistema de pré-aquecimento defeituoso. Verifique e corrija. Motor não opera quando a chave de

partida é ligada (o motor de partida gira mas o motor não dá partida).

Limpador de ar entupido.

Velocidade a vazio muito baixa. Ajuste.

* Folga da válvula incorreta. Verifique e corrija. Filtro de combustível entupido.

Motor para quando operado a baixa velo-cidade.

Limpador de ar entupido.

Limpador de ar entupido ou vazamento de ar.

Filtro de combustível entupido.

* Folga das válvulas incorreta. Verifique e corrija. Potência insuficiente do motor 

* Embreagem patinando. Verifique e corrija. Gás de exaustão preto ou cinza escuro. Limpador de ar entupido.

* Folga das válvulas incorreta. Verifique e corrija. Combustível vaza. Verifique e corrija. Limpador de ar entupido.

Consumo excessivo de combustível

(56)

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS

Problema Causa provável Correção Óleo inadequado.

 Alto nível de óleo. Ajuste até a marca CHEIO. Vazamento de óleo. Verifique.

Intervalos de substituição do óleo exces-sivamente longos.

Consumo excessivo de óleo do motor 

Operação de aquecimento insuficiente. Aqueça até que o refrigerante esteja aquecido a aproximadamente 60ºC Baixo nível de óleo do motor. Complete até a marca CHEIO. Óleo do motor com viscosidade

inade-quada.

Mangueira quebrada ou óleo vazando da

conexão. Verifique o coletor de óleo e a mangueirade óleo para ver se há danos ou vaza-mentos.

Pressão do óleo excessivamente baixa.

Filtro de óleo entupido. Baixo nível do refrigerante.

Superfície frontal do radiador entupida. Limpe. Correia em V solta ou quebrada.

Ferrugem ou crosta no refrigerante. Superaquecimento do motor.

* Termostato defeituoso. Verifique e substitua. Terminais da bateria desconectados,

soltos ou corroídos.

Baixo nível do fluído da bateria. Correia em V solta ou quebrada. Bateria cai com freqüência.

(57)

12. ESPECIFICAÇÕES PRINCIPAIS

ESPECIFICAÇÕES PRINCIPAIS

(58)

ESPECIFICAÇÕES PRINCIPAIS

12. ESPECIFICAÇÕES PRINCIPAIS

ITEM/MODELODOMOTOR D4BA D4BB Tipo Refrigerado a água, diesel 4 ciclos, válvula tipo suspensa Nº de cilindros – arranjo 4 em série

Bore X stroke (?) mm 91,1 x 95 91,1 x 100 Deslocamentototalcc 2477 2607 Tipo de câmara de combustão Turbilhão

Proporçãodecompressão 21:1 22:1 Ordemdedisparo 1-3-4-2

Direção de giro Anti-horário, conforme visto do volante Dimensões do motor mm

(comprimento total x largura total x altura total)

771,7 x 598 x 648 (Bus air con)

931,6 x 652,2 x 648 (Excavator) 755,4 x 486 x 648 (Skid loader) 906,4 x 632 x 823,5 (Gerador) Pesokg 200

Combustível Combustível óleo diesel (número de cetane (?) 45 ou mais) Bomba de injeção de combustível Bosch tipo VE

Regulador Controle de velocidade variável Bicodeinjeção Tipodefuro

Sistema de lubrificação tipo de alimentação de bomba de pressão acionada Óleo do motor (Trabalho pesado, Grau de

serviço classificação API)

CC ou melhor 

Sistema de refrigeração Circulação forçada por bomba centrífuga Motor de partida 12V-2,0kW (Excavator, Skidloader,

Gera-dor) 24V-50kW (bus air con motor)  Alternador 12V-60A (Excavator, Skidloader, Gerador) 24V-40A (Bus air con motor)

(59)

13. DADOS DE SERVIÇO

DADOS DE SERVIÇO

Imagem

Referências

temas relacionados :