NBR 11375 PB 1447 - Tambor para cabo de aco.pdf

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

Copyright © 1990, Copyright © 1990, ABNT–Associação Brasileira ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Impresso no Brasil

Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados

Sede: Sede: Rio de Janeiro Rio de Janeiro

Av. Treze de Maio, 13 - 28 Av. Treze de Maio, 13 - 28ºº andar andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680 CEP 20003 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico: Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA NORMATÉCNICA

ABNT-Associação

ABNT-Associação

Brasileira de

Brasileira de

Normas Técnicas

Normas Técnicas

CDU: 621.86.054:621.798.13

CDU: 621.86.054:621.798.13 DEZ./1989DEZ./1989

T

Tambor para

ambor para cabo de

cabo de aço

aço

PB-1447

PB-1447

Palavras-chave: Tambor para cabo de aço. Equipamento de Palavras-chave: Tambor para cabo de aço. Equipamento de

 levantamento e movimentação de carga  levantamento e movimentação de carga

NB-112 - Tolerâncias gerais de dimensões lineares e NB-112 - Tolerâncias gerais de dimensões lineares e angulares - Especificação

angulares - Especificação

NB-283 - Cálculo de equipamento para levantamento NB-283 - Cálculo de equipamento para levantamento e movimentação de cargas - Procedimento

e movimentação de cargas - Procedimento ASTM-A-36 - Structural Steel

ASTM-A-36 - Structural Steel

3 Definições

3 Definições

Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 3.1 a 3.4 (ver Figura 1).

de 3.1 a 3.4 (ver Figura 1).

3.1 Ranhura

3.1 Ranhura

Canal usinado na superfície do tambor, onde se aloja o Canal usinado na superfície do tambor, onde se aloja o cabo de aço.

cabo de aço.

3.2 Diâmetro nominal

3.2 Diâmetro nominal

Diâmetro do tambor medido no fundo da ranhura. Diâmetro do tambor medido no fundo da ranhura.

3.3 Diâmetro primitivo

3.3 Diâmetro primitivo

Diâmetro do tambor medido no centro do cabo de Diâmetro do tambor medido no centro do cabo de aço.

aço.

3.4 Passo

3.4 Passo

Distância medida entre duas

Distância medida entre duas ranhuras consecutivas.ranhuras consecutivas.

SUMÁRIO

SUMÁRIO

1 Objetivo 1 Objetivo 2 Documentos complementares 2 Documentos complementares 3 Definições 3 Definições 4 Condições gerais 4 Condições gerais 5 Condições específicas 5 Condições específicas 6 Inspeção 6 Inspeção 7 Aceitação e rejeição 7 Aceitação e rejeição

1 Objetivo

1 Objetivo

Esta Norma fixa as condições exigíveis dos tambores para Esta Norma fixa as condições exigíveis dos tambores para cabos de aço para equipamentos de levantamento e cabos de aço para equipamentos de levantamento e movimentação de cargas, no que se refere às suas movimentação de cargas, no que se refere às suas di-mensões, materiais, bem como as características a mensões, materiais, bem como as características a se-rem verificadas quando de sua inspeção.

rem verificadas quando de sua inspeção.

2 Documentos complementares

2 Documentos complementares

Na aplicação desta Norma é necessário consultar: Na aplicação desta Norma é necessário consultar:

EB-125 - Peça fundida de aço-carbono para uso EB-125 - Peça fundida de aço-carbono para uso ge-ral - Especificação

ral - Especificação

EB-126 - Peças em ferro fundido cinzento EB-126 - Peças em ferro fundido cinzento classifica-das conforme a resistência à tração - Especificação das conforme a resistência à tração - Especificação NB-72 - Dimensões normalizadas - Procedimento NB-72 - Dimensões normalizadas - Procedimento NB-82 - Classificação por composição química de NB-82 - Classificação por composição química de aços para construção mecânica - Procedimento aços para construção mecânica - Procedimento

4 páginas 4 páginas Registrada no INMETRO como NBR 11375

Registrada no INMETRO como NBR 11375 NBR 3 - Norma Brasileira Registrada

NBR 3 - Norma Brasileira Registrada Padronização

Padronização

Origem: Projeto 4:010.01-012/89 Origem: Projeto 4:010.01-012/89 CB-4 - Comitê Brasileiro de Mecânica CB-4 - Comitê Brasileiro de Mecânica

CE-4:010.01 - Comissão de Estudo de Pontes Rolantes CE-4:010.01 - Comissão de Estudo de Pontes Rolantes PB-1447 - Drum for wire hope - Standardization

PB-1447 - Drum for wire hope - Standardization Incorpora Errata - Fev./1992

Incorpora Errata - Fev./1992 Cópia não autorizada

(2)

2

PB-1447/1989

(1)

 Quando for necessária dureza mais elevada.

5 Condi

çõ

es espec

í 

ficas

5.1 Caracter

í 

sticas dimensionais

5.1.1 Di

â

metro nominal

5.1.1.1 O diâmetro primitivo do tambor deve ser determi-nado em função do cabo de aço, conforme indicado na NB-283.

5.1.1.2 Oo diâmetro nominal mínimo deve ser determinado em função do diâmetro primitivo, adotando-se o valor nominal padronizado equivalente, imediatamente supe-rior, em milímetros: 180, 200, 224, 250, 280, 315, 355, 400, 450, 500, 560, 630, 710, 800, 900, 1000, 1120, 1250, 1400, 1600, 1800, 2000.

Nota: Para valores superiores aos acima indicados, utilizar a série de números normalizados conforme NB-72.

5.1.2 Dimens

õ

es das ranhuras

As dimensões das ranhuras estão indicadas na Figura 2 e Tabela 1.

4 Condi

çõ

es gerais

4.1 Materiais

Os tambores para cabos de aço para equipamentos de levantamento e movimentação de cargas podem ser fa-bricados de aço laminado, fundido ou ferro fundido. Os materiais, de acordo com a utilização, devem atender no mínimo às seguintes especificações:

a) aço laminado - ASTM-A-36, ABNT 1040 (1),

ABNT 1045 (1) (NB-82);

b) aço fundido - EB-125 - Grau AF-N4220; c) ferro fundido - EB-126.

Figura 1

(3)

PB-1447/1989

3

Figura 2

Tabela 1 - Dimens

õ

es das ranhuras

Diâmetrodo Tolerância de cabo h p R r R(+) 6,4 2,5 7,5 3,5 8 3,0 9,5 4,5 0,5 0,1 9,5 3,5 11 5,0 11,5 4,5 13 6,5 13 5,0 15 7,0 14,5 5,5 17 7,5 16 6,0 18 8,5 0,2 19 7,5 21 10,0 22 8,5 25 12,0 0,8 26 10,0 29 13,5 29 10,5 32 15,5 32 12,0 35 16,5 35 13,5 38 18,5 38 14,5 42 20,0 42 16,0 46 22,5 45 17,0 49 24,0 1,6 0,4 48 18,0 52 26,0 51 19,0 56 27,5 Unid.: mm Unid.: mm

(4)

4

PB-1447/1989

5.1.3 Designa

çã

o dos tambores

5.1.3.1  Os tambores são designados conforme o seu diâmetro nominal, o diâmetro nominal do cabo de aço para o qual se destina e o tratamento t érmico recebido, ou seja, CT- com tratamento térmico, ST - sem tratamento térmico. P.ex.: Tambor com diâmetro nominal de 1000mm, para cabo de aço de 26mm, com tratamento térmico.

Tambor - 1000 - 26 - CT

5.1.3.2 A designação dos tambores deve ser gravada de forma permanente em ambos os flanges.

5.2 Caracter

í 

sticas construtivas

5.2.1 Acabamento superficial

O grau de acabamento (Ra) da superfície das ranhuras do tambor deve ser de 6,3µm.

5.2.2 Tratamento t

é

rmico

Quando o equipamento operar sob condi ções severas, a superfície das ranhuras deve ser tratada termicamente de forma a aumentar sua resistência ao desgaste. Neste caso, a profundidade da camada tratada deve ser de 4mm, no mínimo.

5.2.3 Soldas

5.2.3.1 No caso de tambores formados por mais de um elemento cilíndrico soldados entre si, as soldas longitudi-nais de cada um desses elementos devem estar defasa-das de 90°.

5.2.3.2 Em conformidade com as características do proje-to, deve ser acordada entre fornecedor e cliente a ne-cessidade de se proceder a um alívio de tensões.

5.2.4 Dureza

Para estabelecer a dureza da superfície das ranhuras, devem-se levar em conta as condições de funcionamento do respectivo mecanismo de levantamento, de acordo com a Tabela 2.

Tabela 2 - Dureza das ranhuras do tambor

Faixas de A B C

dureza

Dureza Brinell 110 a 150 180 a 220 270 a 350

Nota: A classificação dos tambores nas faixas A, B e C, para cada equipamento, deve ser definida conforme acordo entre cliente e fabricante.

5.2.5 Comprimento da superf

í 

cie ranhurada

A superfície ranhurada deve ter comprimento tal que permaneça pelo menos duas voltas enroladas no tambor em cada extremidade do cabo de aço, quando o gancho ou outro dispositivo de içamento atingir o ponto mais baixo do seu curso.

5.2.6 Espessura da superf

í 

cie ranhurada

Em casos específicos, conforme acordo entre cliente e fabricante, a espessura da superf ície ranhurada deve ser tal que permita uma reusinagem das ranhuras.

5.2.7 Sentido das ranhuras

A terminologia utilizada para o sentido das ranhuras deve ser idêntica à convencionada para roscas e parafusos.

5.2.8 Balanceamento est

á

tico

A necessidade de execução de balanceamento estático do tambor deve ser acordada entre fornecedor e cliente.

6 Inspe

çã

o

6.1 Visual

Os tambores devem ser inspecionados visualmente, de modo que possam ser observados defeitos superficiais grosseiros, bem como o acabamento geral da pe ça. 6.2 Dimensional

6.2.1 Os tambores devem ser verificados quanto às suas dimensões principais.

6.2.2A tolerância da dimensã o “R ” e st á  indicada na Tabela 1.

6.2.3 As tolerâncias das dimensões de superfícies usinadas devem obedecer às especificações da NB-112.

6.3 Dureza

A dureza da superfície das ranhuras deve ser verificada de acordo com os valores indicados em 5.2.4. A medi ção deve ser executada no fundo e no topo da crista da ranhura.

6.4 Exame de descontinuidade

Deve ser executada uma inspe ção para detectar descontinuidades superficiais não-observadas no exame visual e descontinuidades internas na parede e nas soldas do tambor. O método de inspeção e o critério de rejeição devem ser acordados entre fornecedor e cliente.

7 Aceita

çã

o e rejei

çã

o

Os tambores para cabo de a ço que atendam aos requisitos estabelecidos nesta Norma devem ser aceitos; caso contrário, devem ser rejeitados.

Imagem

Referências

temas relacionados :