Como Fazer Portão de Alumínio

Texto

(1)

COMO FAZER PORTÃO DE

COMO FAZER PORTÃO DE

 ALUMÍNIO (de corr

 ALUMÍNIO (de corr

er) COMPLETO

er) COMPLETO

1ª PARTE

1ª PARTE

(EQUIPAMENTOS, PROCEDIMENTOS ENTRE

(EQUIPAMENTOS, PROCEDIMENTOS ENTRE

OUTROS)

OUTROS)

1

1 – – PorPorque que utilizar utilizar esquadrias esquadrias de de alumínio?alumínio?

a-O alumínio é o material mais utilizado na fabricação de esquadrias em todo omundo por uma

a-O alumínio é o material mais utilizado na fabricação de esquadrias em todo omundo por uma

série de razões, entre as quais destacam:

série de razões, entre as quais destacam:

b-O aspecto natural do alumínio é agradável  maioria das pessoas, que v!em nesse metal

b-O aspecto natural do alumínio é agradável  maioria das pessoas, que v!em nesse metal

um material limpo, atraente e moderno, compatível com a arquitetura de nossos dias"

um material limpo, atraente e moderno, compatível com a arquitetura de nossos dias"

c-O alumínio apresenta natural resist!ncia  corrosão, o que garante a longa vida #til para as

c-O alumínio apresenta natural resist!ncia  corrosão, o que garante a longa vida #til para as

esquadrias em grandes preocupações com conservação e manutenção

esquadrias em grandes preocupações com conservação e manutenção

d-O alumínio pode receber tratamentos de

d-O alumínio pode receber tratamentos de superfície, como anodização e pintura superfície, como anodização e pintura eletrostátieletrostática,ca,

que l$e podem conferir muitas cores, reforçam ainda mais a resist!ncia  corrosão e

que l$e podem conferir muitas cores, reforçam ainda mais a resist!ncia  corrosão e

propiciam apar!ncia mais uniforme e agradável

propiciam apar!ncia mais uniforme e agradável

2 – Esquadrias ou caixilharia?

2 – Esquadrias ou caixilharia?

%&istem diferença entre cai&il$o e esquadria'

(2)
(3)

(im) %&iste uma série de diferenças especialmente no trato técnico com os termos

(im) %&iste uma série de diferenças especialmente no trato técnico com os termos

*esquadria+ e *cai&il$aria+)

*esquadria+ e *cai&il$aria+)

odo cai&il$o é uma esquadria, mas nem toda esquadria é um cai&il$o)

odo cai&il$o é uma esquadria, mas nem toda esquadria é um cai&il$o)

Esquadria

Esquadria

 a definição genérica de todaestrutura desenvolvida para fec$ar um vão

 a definição genérica de todaestrutura desenvolvida para fec$ar um vão

Vão:

Vão: refere-se ao espaço, local .fenda, buraco, aus!ncia de parede/, paisagem, limite, refere-se ao espaço, local .fenda, buraco, aus!ncia de parede/, paisagem, limite,

lugar, etc)

lugar, etc)

Caixilho

Caixilho

 a identificação de cada peça, especialmente por tipologia

 a identificação de cada peça, especialmente por tipologia

0ada tipologia refere-se a um tipo característico de peça)

0ada tipologia refere-se a um tipo característico de peça)

Tipologia:

Tipologia: 1 tipologia refere-se ao tipo de aplicação funcional do cai&il$o) %&iste um 1 tipologia refere-se ao tipo de aplicação funcional do cai&il$o) %&iste um

vasto universo de tipos e modelos de portas e 2anelas que podem ser fabricados  partir da

vasto universo de tipos e modelos de portas e 2anelas que podem ser fabricados  partir da

utilização de perfis de alumínio) 3esmo empregando-se as mel$ores técnicas e usando os

utilização de perfis de alumínio) 3esmo empregando-se as mel$ores técnicas e usando os

equipamentos mais sofisticados, a construção obedece a criação artesanal, o que agrega

equipamentos mais sofisticados, a construção obedece a criação artesanal, o que agrega

mais qualidade e personalidade aos produtos)

mais qualidade e personalidade aos produtos)

Linhas:

Linhas: (ão características predominantes de um con2unto de perfis destinadosa (ão características predominantes de um con2unto de perfis destinadosa

produção de várias tipologias e que obedecem uma correlação de modelos e formas)

produção de várias tipologias e que obedecem uma correlação de modelos e formas)

4eferem-sebasicamente ao design .5%(%67O/ ou tend!ncia nas formas dos perfis que

4eferem-sebasicamente ao design .5%(%67O/ ou tend!ncia nas formas dos perfis que

compõe as esquadrias)

compõe as esquadrias)

Sistemas

Sistemas: odo sistema é uma 8in$a) 1s empresas sistemistas .e&trusoras de perfis/: odo sistema é uma 8in$a) 1s empresas sistemistas .e&trusoras de perfis/

adotam os termos *sistema+ ou *grife+como forma de valorizar seus produtos) 1 palavra

adotam os termos *sistema+ ou *grife+como forma de valorizar seus produtos) 1 palavra

*89671+ é considerada vulgar para os e&trusores)

*89671+ é considerada vulgar para os e&trusores)

Padrão ou Bitola

Padrão ou Bitola

9ndepend

9ndependentemente do 2argão, mais ou entemente do 2argão, mais ou menos sofisticado, toda lin$a, sistema menos sofisticado, toda lin$a, sistema ou grife estáou grife está

configurada dentro de uma itola ou ;adrão de 3edida) 1 itola é a principal refer!ncia da

configurada dentro de uma itola ou ;adrão de 3edida) 1 itola é a principal refer!ncia da

capacidade e qualidade estrutural .e até estética/ da esquadria de alumínio)

capacidade e qualidade estrutural .e até estética/ da esquadria de alumínio)

 1 b

 1 bitola da linitola da lin$a .sistema ou g$a .sistema ou grife/ é deterrife/ é determinada pelminada pela largura prea largura predominandominante do principate do principall

perfil montante de cada tipologia, dada em milímetros c$eios)

perfil montante de cada tipologia, dada em milímetros c$eios)

6a prática esta definição sempre precede da indicação*8in$a+ e depois da medida, assim:

6a prática esta definição sempre precede da indicação*8in$a+ e depois da medida, assim:

%&): 8in$a <=, 8in$a <>, 8in$a <?, 8in$a <@, 8in$a A=, 8in$a B<, etc

%&): 8in$a <=, 8in$a <>, 8in$a <?, 8in$a <@, 8in$a A=, 8in$a B<, etc

Procedimentos tradicionais

Procedimentos tradicionais

Corte 45 Graus (ou

(4)

ambém con$ecido como*modo convencional+ , onde o encontro dos montantes do quadro

ambém con$ecido como*modo convencional+ , onde o encontro dos montantes do quadro

do cai&il$o é feito a B> Craus e o encai&e .montagem/ é feito através de cun$as de fi&ação

do cai&il$o é feito a B> Craus e o encai&e .montagem/ é feito através de cun$as de fi&ação

.processo mac$o e cun$a/ ve2a figura =>

.processo mac$o e cun$a/ ve2a figura =>

Corte a 90 Graus:

Corte a 90 Graus:

ambém con$ecido como *0orte 4eto+, com uma série de ;ré-usinagens e desabes dos

ambém con$ecido como *0orte 4eto+, com uma série de ;ré-usinagens e desabes dos

perfis, cu2a montagem dos montantes e do quadro do cai&il$o é feita a D= Craus e a união

perfis, cu2a montagem dos montantes e do quadro do cai&il$o é feita a D= Craus e a união

é feita através de

é feita através de parafusoparafusos)s)

Principais tipos de esquadrias – tipologias !gura "#$

(5)

Conhecendo os principais equipamentos:

 1bai&o estão as principais máquinas de uma serral$eria) 6ão estão todas, apenas as principais) ;ode ser que voc! nem precise destas, ou até precise além destas muitas outras que estão postas no decorres desta apostila)

3áquina de 0orte

O nome certo é (%441 5% 59(0O, mas o popular é 3áquina de 0orte ou até *;olicorte+ também con$ecida como serra de meia esquadria) O corte é processado por um disco especial de vídea) %&istem muitos modelos e marcas .a que estou usando é uma da marca 5%E18 modelo 5E-?F@/) (e voc! ainda não tem uma máquina, adquira uma com disco de F< polegadas e não F= polegadas, pois as de F= polegadas voc! terá dificuldades em cortar certos perfis em B> graus, o disco não terá alcance suficiente) 1 máquina terá de ser  precisaG

Hresa de topo ou entestadeira .não é necessária em pequenos serviços/)

0om praticamente todos os equipamentos, e&istem várias versões) 1s mais sofisticadas são as que possuem cabeça dupla .duas fresas trabal$am paralelamente em diferentes graus) 1 %ntestadeira é um equipamento usado para fazer ental$es ou desabes nos e&tremos dos perfis) Iteis para dar acabamento nos encai&es das esquadrias) 0urvadeira .ambém con$ecida como calandra/

Jtilizadas para moldar perfis para esquadrias que e&igem configuração arredondada) 1 curvadeira possui tr!s carretéis dispostos em triKngulo por onde o perfil é submetido) 1 cada passada do perfil o carretel do meio é apertado e o perfil vai tomando forma em curva) %&istem vários taman$os de carretéis que normalmente são feitos de nLlon) %sses equipamentos, são aqueles que não são comuns no nosso dia a dia) Obviamente além destas, são necessárias muitas outras máquinas, como: 4efiladeira, Huradeira radial, ;arafusadeiras, rebitadeiras, além das ferramentas normais de uma oficina .(erral$eria/ Preparando para a ati%idade de serralheiro

(6)

Moc! não precisa $abilidades e&traordinárias para e&ercer nen$uma profissão) 6em os craque do esporte, nem os cientistas,nem os padeiros, nem os engen$eiros e nem o serral$eiro)

Jma pequena parte do seu sucesso virá da sua vocação natural , mas a maior parte do !&ito do seu trabal$o virá do empen$o e respeito por sua profissão, especialmente por aquilo que voc! aprende, mel$ora e desenvolve através da sua iniciativa e criatividade ;ara começar bem, ve2a algumas $abilidades que o serral$eiro precisará desenvolver para facilitar o seu dia-a-dia:

5esenvoltura no relacionamento com outras pessoas"

 1gilidade para interpretar perguntas e oferecer respostas .não necessariamente soluções, mas satisfação ao tema/"

0on$ecimento básico de metrologia"

5isposição para o trabal$o com máquinas operatrizes

0on$ecimento ásico de operações matemáticas .0álculo aritmético/" Nelo com as ferramentas e com as peças em processo de manufatura

Migília permanente com a sua prpria segurança e com todos os colegas e eventuais visitantes)

Cuidados com o alum&nio na 'rea de estocagem:

Os perfis de alumínio são fornecidos em tradicionalmente 1441( 5% (%9( 3%4O( na liga P=PA->)

Opcionalmente o cliente poderá solicitar ligas e .ou/ t!mperas diferentes e até barras com medidas especiais) %m geral, os fornecedores entregam as barras em pacotes, cu2o 2argão de mercado é*amarrado+, isto é, o serral$eiro receberá fei&es de amarrados ) 6a prática eles não estão amarrados e sim embalados com fitas de papel craft ou plástico leitoso) 6J601 5%9Q% 5% J(14 %;9s)

#ns!e$ão:

 muito importante que o serral$eiro faça uma inspeção sobre as condições que a carga c$egou  serral$eria) 6este estágio, observe o seguinte:

Rualidade da embalagem .reclame se perceber violação dos pacotes/"

5isposição do veículo de carga .reclame se tiver com sobrecarga ou debai&o de muito peso/"

;osição dos *amarrados+ .reclame se estiverem torcidos ou curvados/"

%&ra um !a"ote aleat'rio e ins!e"ione:

a)(e é material correto .aman$o, forma, desen$o/" b)0or da pintura ou anodização, riscos"

c)1specto do material quanto a rugosidade, acabamento da superfície" d)%mpenamento, planicidade, marca de trancos, c$oque ou batidas)

(7)

 1ps se inspecionado todo o material deve ser armazenado em prateleiras ou racSs) Observe se os racSs estão devidamente preparados para receber os perfis, isto é, envolvidas com borrac$a ou feltro ou qualquer material que prote2a as barras)

3esmo as sobras de barras que não inteiramente usadas, devem ser armazenadas devidamente embaladas)

*ãos + o,ra – - que temos mesmo pra .a)er?

Planee seu dia de tra&alo

%m um dia normal provavelmente voc! terá muitas atividades acumuladas e precisará faz!-las quase que simultaneamente) 9sso é comum) 3as não se esqueça de organizar-se, no mínimo, sobre os assuntos que devem ser tratados com prioridade)

*erique a ati+idade do dia

 1ntes de iniciar o corte dos perfis, verifique se voc! tem em estoque todos os elementos para produzir a esquadria em questão)

alvez voc! não ten$a, mas mesmo assim, dese2a adiantar o corte e usinagem de um con2unto de peças, então certifique-se que esta etapa será produtiva diante dos elementos que voc! dispõe)

Proeto, deseno ou "at-lo.o

6unca trabal$e confiando apenas no seu *feeling+.sentimento ou e&peri!ncia/, procure estar amparado por documentos técnicos) en$a em mãos o documento que oriente as operações) 6a prática, voc! precisa de uma Lista de Cortes.

/ista de "ortes

 uma relação constando a quantidade de peças .medidas e&atas/ e a sequ!ncia de aproveitamento por barra)

O (erral$eiro precisa seguir a 8ista de 0ortes, para evitar perdas) 1 lista de 0orte pode ser  feita por um técnico e&periente,por softTares específicos e disponíveis no mercado, ou se o serral$eiro tiver tempo, ele mesmo pode fazer os cálculos para mel$or aproveitamento das barras)

;rincipais tipos de esquadrias

P-/T0- 1E (/(E*

345" 6 245"

Mãos  o!ra)

Mamos supor que o cliente pediu um serviço de portões e uma grade no muro como nafigura =F)

(endo um portão deslizante de <,@=m largura & F,@=m altura, uma grade em cima do muro >,>=m comprimento & =,>=m de altura e também um portão social de =,@=m de largura & F,@= m de altura)

0om as medidas passadas pelo cliente, voc! terá uma idéia do serviço mas é

imprescindível ir no local e fazer as medições) ;ara isso as ferramentas são: .ve2a ane&o =< como tirar as medidas/

8ápis

(8)

3angueira de nível rena de F= metros e ;rumo

Haça perguntas básicas do modelo do portão, core, tipo de fec$adura e se também quer automatizar, não esqueça de anotar os dados do cliente, o retorne com o resultado o mais rápido possível)

(upon$amos que o modelo do portão se2a o da figura =F

;odemos observar que a coluna esquerda e o muro da direita são da mesma altura) Heito as medições, podemos iniciar os cálculos para orçamento: vamos tirar por base as medidas abai&o na .figura =</)

(9)

- ;ara um orçamento podemos ter valores arredondados para mais ou para menos no má&imo =Fcentímetro)

(erá necessário a consulta no seu catálogo de perfis: detal$es do catálogo poderá bai&ar o catálogo da asa

alumínio:$ttp:UUTTT)asaaluminio)com)brUsiteUcatalogos)p$p

bai&ar o arquivo: V01W8OCO C%418 5% ;%4H9(V 0atálogo este que será usado para seleção de perfis neste portão)

%sboce em um papel o desen$o do portão da garagem como na .f igura =A/, faça todas as anotações dos perfis que serão usados neste portão)

2ª PARTE

 (CÁLCULO/ORÇAMENTO E PLANO DE CORTE)

CORTES DOS PERFIS

(10)

Ruando o corte for em série, mais de uma barra do mesmo taman$o, coloque um limitador, este limitador é a medida entre o disco da serra até um ponto de apoio e&atamente na medida que cortaremos, isto facilita o corte quando temos mais de uma barra do mesmo

taman$o) 1 imagem seguinte está mais clara)

(11)

%ssa barra branca foto abai&o, foi uma forma que encontrei para usar de apoio do

%ssa barra branca foto abai&o, foi uma forma que encontrei para usar de apoio do

limitador, a mesma se encontra fi&a na máquina, então entro com a medida e marco na

limitador, a mesma se encontra fi&a na máquina, então entro com a medida e marco na

barra branca e assim coloco o limitador 

barra branca e assim coloco o limitador 

 1ntes de col

(12)

%sta é a barra vertical, ela foi marcada com F,??metros, isso porque foi descontado a

%sta é a barra vertical, ela foi marcada com F,??metros, isso porque foi descontado a

altura do tril$o mais as roldanas que medem A centímetros, totalizando F,@= metros)

altura do tril$o mais as roldanas que medem A centímetros, totalizando F,@= metros)

6ote que o limitador está preso com um alicate de pressão)

6ote que o limitador está preso com um alicate de pressão)

0omo 2á dito, .foto abai&o/a medida inicia-se pelo disco até a posição do gabarito, nota-se

0omo 2á dito, .foto abai&o/a medida inicia-se pelo disco até a posição do gabarito, nota-se

que o Kngulo da máquina está em = Craus) 1s medidas sempre são feitas neste Kngulo)

que o Kngulo da máquina está em = Craus) 1s medidas sempre são feitas neste Kngulo)

endo a medida feita com o limitador, podemos então cortar em B> graus a primeira barra,

(13)

tendo mais medidas iguais corte-as também)

tendo mais medidas iguais corte-as também)

6ote também que ficaram rebarbas devido ao corte)

6ote também que ficaram rebarbas devido ao corte)

.este tipo de rebarba fica apenas quando é feito em serra de vídea com muito uso/

.este tipo de rebarba fica apenas quando é feito em serra de vídea com muito uso/

;ronto, terminando de cortar as quatro barras, use uma lima para tirar as rebarbas, tome

;ronto, terminando de cortar as quatro barras, use uma lima para tirar as rebarbas, tome

cuidado para não danificar o alumínio, lime de fora para dentro do perfil) .Hoto acima/

cuidado para não danificar o alumínio, lime de fora para dentro do perfil) .Hoto acima/

8impe com uma vassoura de pelo, toda a limal$a do alumínio depois passe um pano

8impe com uma vassoura de pelo, toda a limal$a do alumínio depois passe um pano

umedecido em água em seguida apie em espon2as, sem que esfole uma nas outras)

(14)

;egue a barra de F,??metros para furação da fec$adura %m relação as barras $orizontais é a menor)

 1 furação da fec$adura tente efetuar antes de montar o portão, pois facilita no manuseio)

0omo dito anteriormente, a furação da fec$adura se dá antes da montagem do quadro do portão, isso evita riscos e transtornos de apoio do portão, 2á que o mesmo terá apro&imadamente > metros quadrados e também não será necessário um au&iliar) ;ara assegurar que faremos a furação no lugar correto, se imagine no local da obra do lado de fora, de frente para a resid!ncia, o portão deslizará da esquerda para direita, logo

a aba terá que ficar na esquerda e a fec$adura na direita da barra) ;egue a barra vertical .de F,??m/)

0oloque-a em pé

 1 aba terá que ficar na sua mão esquerda voltada para frente 3eça de bai&o para cima F,F= metros e passe um risco com o au&ilio do esquadro .HOO 10931/)

 1í será a posição correta da fec$adura)

(15)

Herramentas necessárias: Huradeira eletrXnica com reverso

roca Bmm 8ima c$ata)

Yit fec$adura completa) Crafite em p 8ápis preto nZ < %squadro de precisão

roca c$ata de >U@

 1gora prenda a barra em um torno de bancada ou em uma bancada, com a aba voltada para bai&o)

(16)

0onfirme as medidas e marque a fec$adura como diz o fabricante)

 1pie a fec$adura deitada em cima da marca de F,F=m e marque a outra e&tremidade)

ficará assim com duas marcações

(17)

3arque outro lado e pronto, marcação feita, vamos apoiar a fec$adura em pé centralizada na barra)

%u centralizei com o au&ílio de um esquadro .esquadro deslizante com uma trava de parafuso/)

(18)

segure o lápis apoiado no esquadro e deslize até a outra marcação)

segure o lápis apoiado no esquadro e deslize até a outra marcação)

;assei o risco nas duas laterais da barra, de uma lin$a  outra)

(19)

;ronto as marcações estão feitas)

;ronto as marcações estão feitas)

 1gora pa

 1gora passe um risco ligsse um risco ligando as lin$ando as lin$as para depas para depois recortarois recortar))

0om uma furadeira eletrXnica e uma broca de Bmm, faça os furos do lado de dentro das

0om uma furadeira eletrXnica e uma broca de Bmm, faça os furos do lado de dentro das

lin$as, em toda volta até que possa ser recortado com maior facilidade)

(20)

Hicará deste 2eito)

Hicará deste 2eito)

 1gora com

 1gora com o au&ilio de uo au&ilio de uma tal$adma tal$adeira ou formãeira ou formão, vá dando peo, vá dando pequenas paquenas pancadas com umncadas com um

martelo para destacar o centro)

martelo para destacar o centro)

;ronto, ficou muito mau acabado)

(21)

0om o au&ilio de uma lima, d! o acabamento, retire todos as rebarbas)

(22)

;rontoG

0om a fec$adura no local, faça um pequeno risco como se fosse dar continuação ao que tin$a anteriormente marcadas com setas)

(23)

feito a marcação vá para outro lado do perfil

 1pie a fec$adura ao lado do perfil, com as lin$as em série)

Hirme bem a fec$adura e marque com um lápis onde se encai&a o miolo) o!s," o MIOLO da #e$%ad&ra ' ara !aio, e*tão +&ita ate*ão ao #&rar.

(24)

lado de fora

lado de dentro

(25)

Heito as marcações nas duas e&tremidades, vamos  furação lado de bai&o é a direita da foto

;ara confirmação da marcação, apie o acabamento da fec$adura no risco feito)

(26)

Haça dois furos alin$ados, na medida em que não ultrapasse o taman$o do acabamento)

transpasse o furo

(27)

;ronto, agora faça o mesmo processo do outro lado

coloque o acabamento

(28)

0oloque a fec$adura no local e tente encai&ar o miolo, caso ten$a dificuldades, tente fazer  um pequeno corte em cima como na figura seguinte)

%sse corte faz com que a fec$adura corra para as laterais, tendo uma folga maior, facilitando o encai&e do miolo)

O corte pode ser feito com a lima)

 1tenção a fec$adura não pode ter uma folga maior que >mm ( corte uns dois ou tr!s milímetros, isso é suficiente)

(29)

;ronto, deu tudo certo e o miolo encai&ou-se perfeitamente)

(30)

3arque com lápis ou uma ponta de metal os furos do acabamento)

Heito isso, retire a fec$adura)

(31)

(e for rebite, use um rebite de Pmm de comprimento por <,Bmm de espessura e um furo de <,>mm ou Amm)

%m fim, encai&e dos dois lados o acabamento, coloque os parafusos,.se for rebites s encai&e e não fi&e definitivo/ retire e guarde, s será colocado novamente quando terminar 

o portão)

0O8O01[\O 51( 4O85161(

;egue outra barra de sentido $orizontal do portão)

ATEN-O ANTES DE USINAR, /0 AT O 2INAL E LEIA A DICA.  1 barra que fica em bai&o do portão

Haça o mesmo processo da fec$adura, apie em uma bancada ou prenda em uma morsa .torno de bancada/)

(32)

6ão marque menos de <= centímetros, pois este espaço será ocupado pelas cantoneiras e cun$as mais para frente

Heito a marcação, fazemos a usinagem da mesma forma que foi colocada a fec$adura, um furo ao lado do outro em cima do risco, esta medida não é padrão, pois depende do

taman$o das roldanas que serão usadas)  1penas centralize bem os cortes)

(33)

%ncai&e a roldana encai&a na furação

Haça as marcações sem que a roldana saia do lugar, ela terá que ficar perfeitamente em paralelo com a barra)

(34)

Heito as marcações, fure com uma broca de Amm e use parafuso de ino& com rosca soberba, B&F>mm .Bmm diKmetro e F>mm de comprimento/

Haça o mesmo processo do outro lado da parra, totalizando duas roldanas) ;rontoG

Heito os furos nas barras, retire e guarde as roldanas e fec$adura)

Obs): %sses acessrios são colocados no final do serviço assim como a fec$adura, para que não atrapal$e ao movimentarmos o portão)

---DICA" 0omo o tril$o é de Pmetros padrão de fábrica, vamos supor que o portão ten$a até

A,A>metros O que fazer pra não instalar mais ?=cm de tril$o' pois o portão terá de recol$er A,A>m e fec$ar A,A> metros, totalizando P,?=metros)

%ntão instale o tril$o com uma distancia do batente de 34$+, espaço este onde correrá a água fluvial, com isso voc! gan$ara ] <>cm de tril$o

 16%( 5% H1N%4 O 1 J(961C%3 51( 4O85161( a marcação da roldana deverá ser  feito da seguinte forma:

de traz para frente da barra, meça <>cm ] B>cm do recuo da roldana ^ ?=cm faça a marca e a usinagem)

conclusão, com a roldana recuada B>cm, e o tril$o afastado <>cm, evitamos de comprar  mais uma barra de Pm pra retirar apenas ?=cm)

(35)

3O61C%3 5O RJ154O e

0O8O01[\O 51( 0J671( %

016O6%941(

Materiais"

=@ 0antoneiras cod 5=PD - 0omprado por quilo, embalagem com =FYg ou F=Yg .Malor do uns F=` mais caro que o alumínio natural/, o quilo vem com F< cantoneiras e <B cun$as FP - 0J671(

rocas de Pmm e F=mm 8ima c$ata

;unção sem ponta de Amm & <==mm .Amm diKmetro <=mm comprimento/ de aço Manádium)

al$adeira de aço .feita de barra de torção/

3artelo

3arreta de borrac$a

FP parafusos 96OQ de rosca soberba com cabeça cXnica, <&<=mm .<mm diKmetro <=mm comprimento/.opcional/

=B apa furo para broca de F=mm ou AU@ na cor do alumínio) Huradeira eletrXnica

(36)

0antoneiras e cun$as, notem que não é perfil em V8V, esse tipo de cantoneira tem apro&imadamente D>graus na parte e&terna e D= na interna, ela é compensada quando colocamos a cun$a que tem um > graus ou se2a ela começa com espessura de Bmm e vai

afinando até F,>mm)

(epare os dois perfis maiores, a travessa de cima e a de bai&o . o que encai&a as

roldanas/Obrigatoriamente terão de iniciar pelas travessas que vão em cima e em bai&o do

(37)

;rimeiramente coloque a cantoneira de dentro, do angulo mais fec$ado da barra)

Me2a com a barra deitada, de forma alguma coloque outra cantoneira, depois teremos que bater a cun$a)

(38)

 1gora coloque a cun$a e empurre com o dedo até que não entre mais

0$egando nesse processo cantoneira e cun$a, não pode errar de forma alguma, pois uma vez colocado não tem como retirar)

(39)

%u tirei esta foto, mas não bati as cun$as, elas estão para fora, foto para demostração)

5esta forma está totalmente ERRADA, note que foram colocadas as cun$as e não foram batidas)

(e bater a cun$a de fora, voc! não tem como bater a de dentro)

O(): CASO ACONTE-A, faça um furo de F=mm na outra cantoneira e bata com o punção)

0oloque primeiro a cantoneira *F+ e bata a cun$a, depois coloque a *<+ cantoneira e também bata a cun$a)

(40)

Moltando)))

Merifique se a cantoneira está bem encostada no perfil aí bata com uma tal$adeira .fina/ ou punção bata até que a cun$a não possa mais entrar .tem que ficar bem apertada/

(41)

Haça o mesmo processo do outro lado, e também na outra barra, a travessa que vai em cima do portão)

Hicará desta forma, a cun$a no fundo sem visão nen$uma)

0om certeza esta cun$a não sai mais, apenas cortando o perfil, então muito cuidado com as medidas, se possível, monte toda a estrutura em um cavalete pra ter a certeza das

medidas, caso contrário perderá o perfil)

/a+os ra se5&*da etaa

Esta etaa re6&er &+ o&6&i*%o +ais de ate*ão, ois 7o$8 te+ 6&e to+ar $&idado ra *ão re*der o dedo, ois ter9 de se5&rar d&as $&*%as ao +es+o i*sta*te 6&e

!ate o er#i:...

(42)

(fechamento do quadro)

Obs): %sta etapa não tirei fotos, mas antes de fec$ar o quadro, tem que fazer os foros nos perfis que estão encai&adas as cantoneiras, .nos dois perfis, superior e inferior/ o circulo

em verde, pode ser feito com a lima c$ata, o circulo em vermel$o é feito com broca de F=mm)

O furo é feito na mesma direção das cun$as)

0940J8O 1314%8O furo no alin$amento da cun$a de dentro

0940J8O M%45% 2anela aberta com lima c$ata, no mesmo alin$amento da cun$a de fora) %sses furos são feitos antes do fec$amento do quadro)

(43)

(epare as barras laterais para que se2am encai&adas na barra superior e inferior 

Merifique a posição e&ata dos alumínios, note que as abas estão na mesma posição) %ncai&e as pontas das cantoneiras mantendo as barras em apro&imadamente @=graus e

(44)

5epois a segunda cun$a, tomando cuidado pra não cair a primeira cun$a)

(egure com o dedo uma cun$a e encai&e a outra cun$a, e tente fec$ar o perfil até que não caia)

%mpurre o o perfil da lateral até se 2untar)

Hec$ado) )

(45)

ata a cun$a, até que forme os D= graus)

;ode dar uma diferença, no final de tudo acerte batendo com a marreta de borrac$a nos cantos)

ata também com a tal$adeira feita de barra de torção

Hicou formado um V8V

(46)

;r&imo passo é colocar outra barra lateral, pra formar VJV 6\O 0O8ORJ% 1 5% 0931 19651

(ão duas laterais e uma de bai&o)

Haça o mesmo processo do outro lado .lateral do portão/

(47)

mesmo processo

mesmo processo

Haça o processo com a barra de cima e pronto

(48)

Ruadro fec$ado)

;ARRA CENTRAL

arra central é o perfil onde divide duas ou mais partes do portão, e&emplo colocação de 81349 na parte inferior e réguas na parte superior, ou se2a o portão ficaria com designer duplo, logo teria, 81349 U 1441 0%6418 e 4CJ1()

(49)

Co:o$aão da !arra $e*tra: $o+ d&as a!as $od

<=><<<

Primeiro temos que calcular o fechamento, qual o custo enef!cio" #erifique a quantidade do perfil mais caro$ lamri ou régua"

%égua pesa &,'g *amri pesa ,00g

+ lamri é o mais pesado (cdigo -9./)

1%12+3 4+2+ 1512P*+ A*6%A 7+ #8+ 71 &,0021%+3 Porque oc: tem que calcular o fechamento da área aseado no lamri"

(50)

#amos supor que oc: ainda n<o colocou a arra central, a cliente quer um uma grade superior, ela pediu (entre >0 a 0 cm), o restante com fechamento de lamri, + que oc: ai fa=er" 4ortar qualquer alor >0 cm da régua """ %1P+3A;NÃO!!!!

#eja o que é melhor e mais lucratio, ou seja n<o jogar dinheiro fora (sora de alum!nio dinheiro no li?o) 1ite ao má?imo as soras de alum!nio$

4omece pelo lamri, é o alum!nio mais pesado, @ual medida oc: ai cortar" 4alcule no modo que n<o tenha sora, pois esse alum!nio é um dos mais caros do port<o, pesa B. g enquanto as réguas pesam B. &,g$

Caça o seguinte; 3aemos que a cliente quer um gradil em cima de B. D0cm, #amos manter a medida apro?imada do cliente$

PEGADINHA CUIDADO!!!! CALCULE O CUSTO BENEFICIO

1512P*+ 71 4+2+ E8+ CAF1%GGGG

emos &,00 metros de <o em altura; &,00 . 0,D0 H -,I0m . &,00 de <o . ,0D0 de régua J%A7K* resulta em um <o de -,I0 onde será encai?ada a arra central (largura da arra central I cm) logo &,00 .

(0,D00,0I) H &,00 . 0,DI H -,D de sora de <o para preenchimento com lamri$

1nt<o pegamos o lamri que mede I metros e diidimos em pedaços de -,Dm HL I,00 B -,Dm H >,'9  pedaços H 0,'9 sora por pedaço ent<o > ? -,D H (-,DI) 4om uma arra oc: teria > pedaços de -,Dm

com uma sora de (-,DIm li?o)$

CORRETO

4omece calculando o lamri, usando D0cm de gradil n<o é iáel como o e?emplo acima$ #amos chegar  pr?imo erificar qual o tamanho das réguas para o gradil$

#<o &,00 altura$

amanho das %éguas; """" amanho do lamri """

&,00m . (0,D0m0,0Im) H -,D (errado)

4omeçamos com o lamri, ao inés de -,D que geram > pedaços com sora amos eneficiar, ao inés de > pedaços, diida por D pedaços$

I,00 B D H -,0m, -,0 ? D H Im sem sora

#amos melhorar I,00 B D H -,0 (desconte a espessura do dente da serra estou considerando >mm) as medidas aai?o em ermelho est<o em mm

I000. (DM>)H I000.-& H 9''mm B D H -D9/m

Passando noamente para metros -D9/mm arredondando -,D9m

4orte os lamris com -,D9m IB-,D9 H D,0&pedacos logo DM-,D9 H ,9Im utili=ados em D pedaços com soras (I,00.,9I) H Dcm de sora desse Dcm a serra corta -,&cm logo a sora real seria de &,'cm$ Agora amos er o tamanho que cortaremos as réguas$

saendo que -,D9 é o lamri, o restante é; arra central Icm ent<o -,D90,0Im H -,m, o restante seria a régua do gradil

&,00m de <o . -,m (lamri e $central) &,00.-,H0,Dm ou Dcm 1nt<o a %égua teria de ter Dcm$

(51)

Pra saer quantos pedaços uma arra de Im utili=am em Dcm

I,00B0,D H ->,>> considerando o inteiro ->?0,D H ,' Ntil com sora de (I,00.,'H-cm) 4ada arra de régua fa= -> pedaços de Dcm com sora de -cm por arra de Imetros$

M13O( 1CO41 J(9614 O( 016O( 51 1441 0%6418:

Usi*a5e+ da !arra $e*tra: $o+ d&as a!as

$od <=><<<

%sse foi o quadro que montamos no decorrer do blog)

3eça o quadro pelo lado interno barra vertical trazeira e barra vertical da fec$adura, e corte o perfil ?@-??? .duas abas / com as mesmas medidas, siga e&atamente

milimetricamente, caso contrária a barra ficara abaulada)

%ssa é a barra central .tem duas abas para clic/ uma das abas será rebitada as réguas outra os lambris)

(52)

5epois de cortar o perfil ?@-???, vamos usinar)

;egue um retal$o de perfil de uma aba que sobrou do quadro para servir de gabarito, e risque com um lápis como na foto, note que as abas estão voltadas para cima)

%stá meio apagado, mas note a seta que tem um risco)

O risco saiu meio apagado, mas é s para saber onde será cortado

(53)

Mire a peça e marque também a lateral da aba

ome cuidado ao cortar a aba, pois não poderá ficar nen$um espaço, então corte sempre menos que o marcado, assim voc! poderá ir retirando na lima)

;eça 2á cortada, a ideia é cortar apenas as duas abas, para que a outra parte do portão se encai&e perfeitamente na barra central)

(54)

Mista por cima depois do corte

(55)

3ais um angulo de visão do corte

 1gora com o retal$o que serviu de gabarito, encoste na barra para verificar onde terá de limar)

(56)

Ruando se encai&ar perfeitamente, terá de fazer o mesmo processo do outro lado da barra ( faça a usinagem do outro lado quando ter a certeza do comprimento da barra, a

mesma tem que ter o taman$o e&ato do vão do quadro)

8%34%-(% a medida tem que ser tirara internamente ignorando as abas)

;ronto, feito as duas e&tremidades da barra ?@-???, o passo seguinte será acoplar nas barras verticais do quadro do portão

Os encai&es não podem ficar com nen$um ressalto, o encai&e tem que ser perfeito) .é c$ato mas são os detal$es dará um bom acabamento/

(57)

Heito as usinagens, coloque no quadro pra conferir as distancias)

 1 barra será fi&ada mais pra frente) ;ra saber o local e&ato, use uma régua na qual será usada no gradil do portão)6a qual 2á calculamos)

6este caso a régua terá B>cm

B>=mm =,B>m

M94% O RJ154O 5O ;O4\O, 1( 11( O65% M\O %6019Q15O( O( 0890( %4\O 5% H9014 MO815O ;141 19QO)

 1gora vamos fazer o apoio, onde será fi&ado ao quadro do portão) ;egue uma cantoneira de <>&<>mm, <,>cm&<,>cm ou F&F polegada

(58)

% também um retal$o do perfil ?@-??? use de gabarito pra marcar a cantoneira)

0om uma régua 2á na medida que será usada no portão pra ser feito o gradil, corte dois pedaços)

 1tenção, esse pedaço será a medida usada no portão até o final da grade, .3%5951 %Q11/

(e preferir o lambri pode usar, opinei pela régua que neste caso é menor assim fica mais fácil manusea -la

(59)

 1gora ns usaremos um retal$o do perfil ??? de duas abas)

 1pie sobre o retal$o ?@-??? em cima da cantoneira pra marcar o taman$o do recorte)

(60)

;ronto, corte < pedaços, um dos pedaços da cantoneira terá de ter <>mm & F>mm, então faça a usinagem)

ve2a como fazer)

;egue a cantoneira cortada de <>&<>mm

0om o gabarito ?@-???, apie apenas a aba na cantoneira e marque com lápis, recorte com um arco de serra) .s será feito em uma das cantoneira/ o motivo e&plico mais pra

(61)

Hicará assim, co mesmo taman$o da aba, se possível de um acabamento com a lima pra ficar tudo no mesmo taman$o) 6ão $á necessidade de ficar perfeito, pois a cantoneira não

ficará visível, o interessante é ficar toda ela na medida da aba, se ficar menor alguns mm, não tem problema)

0antoneira cortada, o furo que voc! está vendo na cantoneira desconsidere, pois usei de uma sobra que estava furada)

(62)

 1ntes de apoiar a cantoneira, verifique que a barra na qual eu comprei, tem .ol$al/ guia para cantUcun$a, não vamos usa-las, ou mel$or dizendo, temos que retira-las pra não encavalar, vale lembrar que a barra central sem o ol$al é mais em conta, comprei por não

ter opção)

(63)

%ntão com uma tal$adeira bem finin$a .pode ser formão/ 4etire o ol$al pouco mais que <>mm

5essa forma)

Haça esse processo nos < lados do perfil ?@-???

 1gora coloque a cantoneira pra verificar a medida cantoneira <>&<>

(64)

Moltando a régua que voc! cortou anteriormente, faça acabamento se tiver rebarba) ire o má&imo de rebarba pra não arran$ar o alumínio, pois será usado de gabarito)

;or enquanto separe a barra central, apie com o au&ilio de um cavalete a barra régua) como na foto acima)

 1o invés de voc! trabal$ar com a barra central pra fazer as marcações, use um retal$o ?@-???)

(65)

8embro que poderá ser usada a barra central, mas além de dar mais trabal$o, pode riscar  o alumínio de tanto tirar e colocar a peca) %ntão vamos usar um gabarito ?@-???)

Me2a que a barra da esquerda é a régua de B=cm e o gabarito está substituindo a barra central)

.retal$o no meio/

Obs) %sta foto foi tirada com ol$al, mas até o gabarito tem que remover o ol$al) .não é o caso deste gabarito/ foi apenas pra foto)

5entro do retal$o encai&e a cantoneira <>&<>  1penas pra marcação da furação)

(66)

 1 idéia é encai&ar a cantoneira no lado de dentro nesta posição, com a parte de cima emparel$ada com o perfil do quadro do portão, com um rebai&o de F,Pmm, por esse

motivo será usado o perfil ?@-??? sem o ol$al)

Me2a que o perfil retal$o fica emparel$ado com a barra do portão) e a cantoneira terá de ficar rente ao perfil na parte de cima)

(67)

Haça o mesmo processo do outro lado, com a parte menor voltada para cima a maior será furada e rebitada) .não ten$o fotos/ e recon$eço que a foto acima está fora de foco e mau

posicionada)

Heito isso, coloque a barra central)

%ncai&e primeiro na cantoneira maior de <>&<>, o outro lado <>&F> encai&e por segundo plano)

Hiz um esboço s pra ter uma noção do que se trata, .não sei desen$ar/ mas detal$ei o nome de cada perfil

Heito os encai&es da barra central, vamos medir onde furar) % também fi&ada nas barras laterais)

(68)

 1gora vamos marcar onde furar, coloque um perfil apenas medindo com a aba e passe um risco de ponta a ponta)

O risco ficará desta forma) Haça nas duas e&tremidades

(69)

3ais detal$es do risco

(70)

 1gora passe um risco no meio da peça ?@-???, bem no centro do clic, .o perfil branco/ para usar de marcação de centro) .na foto não mostra, mas tem um risco no meio do clic,

onde vou usar daqui pra frente)

aseando-se no risco da peca branca, fiz a marcação do risco central onde vai ficar o furo) ve2a as setas

(71)

Haça os furos com broca de B,>mm e coloque os rebites)

( rebitar 

(72)

Hicará assim 5aqui pra frente coloque as réguas e depois os lambris)

R?UAS

4éguas são as barras que formam uma grade no portão, um espeço para ventilação ou visualização e&terna)

(73)

4éguas são as barras verticais posicionadas uma ao lado da outra, podendo ser colocadas em qualquer Kngulo para alterar o modelo do portão)

;aramos aqui, quadro pronto) Mamos c$amar de quadro)

(74)

0oloque o quadro em uma bancada carpetada ou cavalete forrado) 3eça por dentro do quadro de aba  aba)

6este caso o resultado foi <PB=mm

;ara o cálculo, devemos ter também a largura e&ata do perfil a ser usado) Me2a a largura da régua .tem no catálogo/

(75)

%ste portão que usei pra fazer o tutorial, o cliente pediu espaços desiguais) .opção do cliente/

F a cada um mil$ão)

%ntão vou tentar e e&plicar da forma tradicional, que são os espaços entre barras .réguas/ iguais)

 1ntes de fi&ar as barras, vamos ver quantas barras de P metros vamos precisar) .foi feito no início do blog/, mas vamos calcular novamente, 2á que fiz mudanças nas medidas

devido aos padrões de mercado)

ambém quantos pedaços pra fazer um gradil de <,PBm .<PB=mm/ de vão com réguas nas verticais)

%spaços padrão entre barras F==mm a FF=mm

O8%9 18CJ31( H43J81( ;41 %60O6414 O( M18O4%( %Q1O() H43J81(

  (s!a$amentos entre 2ra+essas)  10"m 2emos que en"ontrar um +alor !r'3imo a 100mm

P (/ar.ura do Perl)  5"mPerl que estou usando "omo r.uas (&arras)

* (Com!rimento 2otal do +ão  64"m /ar.ura do +ão de a&a a a&a

78; < 2%*==%= >>>>>>>>>>> 72@(*>)A(P)

=P%C; 72 2%*==%= >>>>>>>> @*>(72DP)EA(721)

@10"m (este +alor não d- e3ato, !or isso a F'rmula !ara um +alor mais !r'3imo)

(76)

*@64"m

8%72#<%< < 2%*==%=? 7T 8 39 72@ (* > ) A(P )

72 @ (64 > 10)A(510) 72 @ ( 54 )A 15 )

72 @ 16,9H sem!re arredonde !ara "ima 7T 8 39 %(;1[O( %64% 41M%((1( 5O C41598'  @ 9,94"m @ * >(72D P )EA(721) @64>(1ID 5 )EA(1I 1) @64> J5 EA 1J @ 1I9 A 1J  @ 9,94 Con"lusão

8m .radil "om "om!rimento de ,64m !re"isamos de 1I !eda$os de r.uas de 5"m de lar.ura "om es!a$os entre as r.uas de 9,94"m

ATEN-O %(1  J31 H43J81 ;41 0180J814 1 RJ169515% 5% 1441( % %(;1[O( %64% 1441( RJ% 6\O (% 1;8901 6O ;O4\O 61 RJ18 %(W 61 HOO, ;O9( O( %(;1[O( 1 04949O 5O 089%6% HO413 5% 5%(9CJ19( (%3 J3 ;154\O 5% 59(16091)

faça um gabarito)

corte um perfil na medida de D,DBcm e use pra apoiar as réguas pra furar 

(77)

0oloque os rebites, não fure todas de uma vez, fure e rebite imediatamente

como os rebites serão tampados posteriormente com o perfil 0890, pode usar rebite natural que o custo é menor)

(78)

apie o gabarito e fure

8ipe as limal$as antes de rebitar 

(79)
(80)

pronto

como comentado anteriormente, este gradil foi feito com medidas não padronizadas) não cabe a frmula acima)

medidas pra colocação dos lambris

=ª PARTE > Co+o #a@er ortão de

a:&+*io >

(81)

(COLOCA-O DOS LAM;RIS)

0omentário sobre lambri aos leigos)

8ambris são os perfis que são usados pra fazer as partes fec$adas dos portões)

Ceralmente são tiras de alumínio que se encai&am umas as outras por conecção mac$o-f!mea) 8embra muito forro de pvc de teto)

7á vários modelos de lambri, neste caso estamos usando o 3%91 0161, também c$amado de IN9O()

oa sorte)

3eça a altura do portão, da barra de bai&o até a barra central, medidas feitas pelo lado interno antes da aba)

(82)

4esultando é F,<F?m ou F<F?mm

0omo serão cortadas várias peças iguais, coloque um gabarito para facilitar o corte) .corte em série/

Obs): corte um pedaço e ve2a se encai&a sem folga e também não muito apertado para que não arran$e ao encai&ar)

(83)

3edida do disco até o gabarito F<F?m

5epois de uma peça cortada na medida dese2ada, apie rente ao disco e coloque um fi&ador como limite de corte, ve2a pr&ima foto)

(84)

3edida do disco até o gabarito F<F?m .limitador para corte em série/

0onfirme novamente a medida

0onfirmado a medida com primeiro corte com o gabarito 0orte todo o restante dos lambris)

(85)
(86)

 1gora vamos ver quantos lambris necessitam) 3eça a largura

endo a largura em mãos, ve2a quanto mede cada lambri

%sta medida tem no catálogo, mas vamos confirmar 2á que tem vários distribuidores que usam outros catálogos s pra basear o modelo contendo medidas diferentes)

(87)

%ste é um e&emplo de alteração) 6o catálogo o buzio cdigo do fabricante 1(1 consta FP?mm e na prática tem F@Bmm

%sta foto é um e&emplo de encai&e mac$o f!mea dos lambris)

(88)

%stamos vendo também o espaço de uma onda e outra na união de < lambris) %ste espaço será #til no encai&e do ultimo lambri, será onde podemos cortar se não ter 

medida e&ata, 2á que os cálculos pra compra do material foi baseado no catálogo considerando FP?mm)

(89)

peça 2á retirada um filete de >mm)

5ependendo da sobra, temos que fazer este processo em mais fol$as

Outra visão do corte

8embre que o corte nunca poderá ser colocada como ultima fol$a, 2á que as imperfeições terão de ser escondidas dentro do lado f!mea do lambri

(90)

8embre que a parte da onda será voltada para o lado de fora do portão .lado da rua/

(91)

;ortão apoiado em um cavalete encai&e todas os lambris) 6ão coloque rebites)

0$egando na ultima fol$a é onde vamos perceber se vai ou não ter que cortar o filete mostrados nas fotos anteriores)

(92)

Horma de encai&e é simples)

 1 ultima fol$a pra encai&ar temos que ter a certeza de que os corte estão corretos)

(93)

(empre manten$a levantado pelo menos duas fol$as pra poder encai&ar as pr&imas)

(94)

0olocando a ultima fol$a

5! uma leve pressão com a mão)

(e continuar alto ou levantando, bata com o martelo de borrac$a uma  uma, começando pelo lado oposta ao que levanta

(95)

6este caso bata da esquerda pra direita

O primeiro lambri, coloque < rebites um em cada meia onda, antes de rebitar confirme se todos os lambris estão bem encai&ados) 1contece de o mac$o-femea ficar encai&ado por 

(96)

;or bai&o ve2a se o rebite se encai&ou no centro da aba) (e ficar ao lado retire e coloque novamente)

O centro da aba, geralmente tem um risco em bai&o relevo)

(e preferir faça o furo de bai&o pra cima, evita erros) . necessário que fique no centro/ pois ao contrário voc! não conseguirá colocar o clic)

 1 medida do rebite, d! preferencia ao taman$o má&imo de F=mm, se for maior também terá problemas ao encai&ar os clics)

(97)

%spessura A,<mm ou B,=mm

Me2a como está no centro)

(98)

;erceba que o rebite se acomodou perfeitamente em bai&o do clic

(99)

(e preferir coloque o portão em pé pra poder furar o lambri, o incomodo é que precisa de alguém pra segurar do outro lado)

(100)
(101)

;ronto, este processo é simples e rápido)

erminando os lambris, encai&e os clics, .não ten$o fotos, mas se voc! c$egou até aqui com certeza vai tirar de letra)/

(102)

8embrando que tem que instalar os rodízios .guia/ de cima onde vai encai&ado na cai&a guia) .tril$o superior/ HO431O 5% J

5901: (% 1 J8931 ;%[1 H9014 (O4165O 3%15%, 3%[1 1 (O41) M13O( (J;O4 RJ% 1 (O41 HO9 5% A=mm

%6\O (%;14% P 81349(, > 5%8%( MO0 0O41 >mm O J893% 0O4% 1;%61( <33 ;41 ;O5%4 (% 1_J(14 6O 8O018)

Bª PARTE > Co+o #a@er ortão de

a:&+*io >

(INSTALA-O DO TRILO)

C;*<(*E7T- 1- T/=L- ;=( =7>E/=-/$

3  P(SS-:

; 2#/K; <*L = CK8B%<; < M;% 2#/N7%,

O %C;7=/K%<; 8=% 8% /#7K% P%% #P<# 8 ; 2#/K;

M#8 C; ;7<%=  M;% <; 7#*/

• 0onsidere um espaço pra saida da água fluvial, minimo de F==mm pr&imo ao

(103)

• O tril$o terá que ficar em perfeito alin$amento com o batente, não pode ter

ondulação, pois em caso de automação terá problemas)

• (e o muro tiver rodapé, encoste o tril$o no mesmo (%3 %(;1[O( • (e não tiver rodapé, dei&e um espaço de > 1 F=mm

• (e a parede tiver apenas no reboco, pegue informações com o proprietário se ele

vai colocar ou não revestimente e de o desconto caso o faça)

• ambém em prumo com o tril$o superior)

2  P(SS-:

% <#=2%7C#% <; 2#/K; P%% ; B;C; <; 8;

Parede Fora de !rumo, in"linada !ara dentro do im'+el

Parede Fora de !rumo, in"linada !ara Fora do im'+el

(104)

Parede "om &arri.a (a&aolada)

@  P(SS-

: ; 2#/K; <* = CK8B%<; 7; CK; M#C%7<;

%P7%=  7#*/

A  P(SS-

: %PQ= =P% ; 2P; < =C%G <;

CK8B%72; <; 2#/K;, O K;% < M%R % #7=2%/%S; <;

P;2;, *#M#8 = ;= %C%B%72;= <; *; =2% 2;<;=

(105)

P;72;=, *#2%7<; P;==N*#= #7C;7*7#7C#%= C;;:

%/%<8%=, %7CK%= C%8=%<;= P; C#72;, 2C

%ntes de 3ar as "antoneiras no trilo "ai3a !asse uma lima na !arte

do trilo que so&ressae ou sea no an.ulo que Forma 90 .raus do

trilo tem uma so&ra de alumíniode A> 1,5mm, isso ter- que ser

remo+ido *endo no "at-lo.o a medidadade 50mm tirando a so&ra

"ar- "om a!ro3imadamente 4J,5mm, !ara que sea en"ai3ada aas

"antoneiras de 3a$ão na !arede

Coloque uma "antoneira a "ada m

Ma$a Furos nas "antoneiras !ra ser 3ado na !arede "om Furos de 6 a

Jmm 3e "on &u"as J ou 10

Coloque o !ortão em ! no trilo inFerio, "om o !ortão Fe"ado e o

au3ilio do !rumo, marque as distãn"ias "om as "antoneiras soltas e

au3ilio de um la!is ou "aneta !ra retro!roetor, !ara !osterior 3a"ao

no trilo "ai3a T8T

B  P(SS-

: C; ; P;2; 7% P;=#S; *2#C%/,  %C#% </

C;/;8 % C%/K% C;B#7<; ;= G8#%= <; P;2;

(106)

  P(SS-:

a$

 PG8 ; P8;,  C; ; P;2; MCK%<;, C;/;8 ;

P;2; 7; 7N*/

,$

 7#*/%<; %B% 8 P;8C; ; P;2;  %8 ; M8; <%

C%/K% C; 8 /LP#=

c$

 M%S% ; M8; C; % M8%<#%

d$

 C;/;8 % B8CK%  ; P%%M8=;  %P2 C; % CK%*,

P#2% ; =; P;C<#72; 7;= PQU#;= M8;= <% C%/K%

9  P(SS-:

C; ; P;2; VL <=/#R%7<; /#* =;B ; 2#/K;,

CKG;8 % K;% <% #7=2%/%S; <; B%2<; M%S% 8%2; (4)

M8;= 7; B%2<;, 8 7% P%2 =8P#; ;82; 7% P%2

#7M#;  ;82;= <;#= 72 % MCK%<8% 8 %C;P%7K% ;

P;2;

;&ser+a$ão: O 7C==L#; =C%#% ; M8; C; 8% B;C%

%#;, P;#= =L M#U%<; B8CK%  P%%M8=; 2#P; C%BS% CK%2%,

% M# < #P<# ; %2#2; <; P;2; C; ; P%%M8=;

(107)

5  P(SS-:

%B% ; P;2;  =G8 M# ; B%2<; P%%

%C% C; ; /LP#= ;= M8;= <% P%<,  =G8#<% 82#/#R %

M8%<#% P%% M%R ;= M8;=

(108)

# P(SS-:

C;/;8 %= B8CK%=  %P2 B ;= P%%M8=;=

C; CK%* < M7<% P#2% ; P;C==;  2;<;= ;= 4 P;72;=

< M#U%S;

10

 P(SS-:

M%R7<; ;= M8;= P%% M#U%S; <; =P/K; <%

MCK%<8% <; P;2;

(109)

P;72;, ; =8 P;2; < %/8N7#; VL =2L #7=2%/%<;

*(7;SE=- E

*(7;TE7D0-/E>E/E7TE (- T/=L-:

%27K% ; 2#/K; =P /#P; P%% *#2% P;B/%= C; %=

;/<%7%=

(S /-L1(7(S 1- P-/T0-:

7; <#U M#C% %C88/%<; %#%

7 P87%= P<%= 7; PC8=; <; 2#/K;

/E>E/E7TE ( C(L(

: 7; O 7C==L#; C;/;C% G%U% P%%

8 ; P;2; <=/#R, P;#= ;= G8#%= =; <;7<;=  7; KL

%2#2; C; % C%/K% <#=P7=%7<; %==# 8%/8 < G%U% 

Q/; % G%U% P;< <%7#M#C% ; <=P7K; <; P;2;

Imagem

Referências

temas relacionados :
Outline : ARRA CENTRAL