• Nenhum resultado encontrado

CHAPA 1 SINDICATO PARA TODOS PERÍODO

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "CHAPA 1 SINDICATO PARA TODOS PERÍODO"

Copied!
8
0
0

Texto

(1)

CHAPA 1 |

SINDICATO PARA TODOS

(2)

|

PRINCÍPIOS

1) Intensificar a Luta pela valorização do cargo, buscando o resgate de remuneração

adequada e compatível, bem como a paridade constitucional; manter as garantias e

atribuições legais inerentes ao cargo e, resgatar as prerrogativas do Auditor-Fiscal

da Receita Federal do Brasil, na qualidade de autoridade tributária, administrativa e

aduaneira do órgão;

2) Resgatar a harmonia e solidariedade entre Ativos e Aposentados/Pensionistas; buscar

reverter o cenário de injustiça consolidada na proposta de progressão funcional imposta

pela administração da RFB, fortalecendo a união entre todos, visando ao bem comum.

3) Lutar contra a atual política de gestão corporativa: PAD Gestor, Políticas de Metas, a

iminente instauração do PDTI, entre outras ferramentas que contribuem para a distorção

do uso do princípio da eficiência na Administração Pública;

4) Promover a aproximação com os demais fiscos, com vistas à obtenção da

regulamentação da precedência funcional e previsão constitucional da LOF.

5) Atuar de forma independente e autônoma em relação à Administração da Receita

Federal do Brasil, aos Governos e aos demais setores da sociedade, bem como em

relação aos ideais político-partidários.

6) Defender a Justiça Tributária e Fiscal, a Previdência Social pública e estatal, a Aduana

e seu controle pelo Estado, como instrumentos de proteção à sociedade;

7) Defender o concurso público como única forma de ingresso no cargo de

Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, com a devida capacitação do Auditor para o

desenvolvimento das habilidades inerentes ao cargo.

8) Combater quaisquer formas de tratamento incompatível com a autoridade do cargo,

tais como as que visam tratá-lo como servidor subalterno, a exemplo do controle de

presença física no local de trabalho.

9) Trabalhar junto aos parlamentares da base de São Paulo, buscando apoio aos

projetos de interesse da classe e para o aperfeiçoamento da legislação tributária;

10) Atuar e integrar o trabalho parlamentar realizado pela DEN no Congresso Nacional.

(3)

|

PROPOSTAS DE CARÁTER GERAL:

1) Persistir na luta pela implementação de uma proposta de remuneração variável, aprovada em Lei, com

reconhecimento do direito à paridade constitucional, a exemplo dos fiscos estaduais.

2) Dar continuidade as ações necessárias à aprovação da Lei Orgânica do Fisco - LOF;

3) Continuar centrando esforços na aprovação das PEC de interesse da Classe, tais como 186 e 555;

4) Prosseguir na luta para que o Regimento Interno da RFB respeite as atribuições, garantias e prerrogativas

legais dos Auditores-Fiscais, bem como avançar na questão da desconcentração do poder decisório;

5) Difundir e aperfeiçoar ações sindicais preventivas e reativas contra excessos ou medidas despropositadas

em relação ao interesse público e da categoria, originadas por membros da Cúpula

6) Combater todas as normas que transgridam ou tenham como objetivo o enfraquecimento das atribuições

e prerrogativas legais dos Auditores-Fiscais;

7) Implementar ações que visem garantir o aperfeiçoamento constante do Unafisco Saúde como plano de

assistência médica de referência.

8) Exigir transparência na administração da RFB.

9) Promover fóruns para reexame dos motivos geradores das crises que determinaram a efetiva fragilização

da instituição e do cargo no âmbito do Poder Executivo; discutir qual o papel institucional da RFB e como o

auditor-fiscal pode contribuir para o fortalecimento do órgão;

10) Combater o corporativismo às avessas típico e exclusivo da administração da Receita Federal do Brasil.

|

PROPOSTAS DE CARÁTER LOCAL:

Além das atividades inerentes à Presidência e a cada Diretoria, colocar em prática as propostas

específicas abaixo:

1) Promover encontros periódicos em cada unidade para intensificar o contato da Diretoria do

Sindica-to com a Classe e fortalecer o relacionamenSindica-to entre colegas;

2) Fomentar a participação de novos colegas no quadro de dirigentes sindicais;

3) Estimular a participação dos filiados da DS São Paulo em grupos de trabalho;

4) Manter relação harmônica e cooperativa com as demais entidades representativas da Classe;

5) Estimular a representação local em cada unidade da RFB sob jurisdição da DS/SP.

6) Zelar pela boa administração e aplicação dos recursos humanos e financeiros da nossa DS,

garan-tindo o bom funcionamento e autossuficiência em nossas ações de carácter social e político.

(4)

1) Manter, e buscar o aperfeiçoamento, do atendimento jurídico pessoal que é prestado aos filiados da DS/SP, por meio de sua assessoria jurídica, bem como pelos Diretores Jurídicos da DS.

2) Promover a aproximação do Jurídico da DS SP com o Jurídico de outras entidades dos Fiscos Estaduais e Municipais, e de entidades sindicais e associativas de outras carreiras típicas de Estado, tanto em São Paulo quanto em Brasília, e em outras localidades, com vistas à permuta de experiências e ao aperfeiçoamento de estratégias jurídicas de atuação;

3) Acompanhar, junto à DEN e aos advogados patronos, as ações judiciais em curso, especialmente as coleti-vas, inclusive as oriundas dos extintos FENAFISP, SINDIFISP/SP e UNAFISCO SINDICAL, prestando informações atualizadas sobre as referidas ações, buscando a realização de reuniões no mínimo trimestrais com a Diretoria Jurídica da DEN, em Brasília;

4) Estudar e propor, em sintonia jurídica com a DEN, ações judiciais locais ou regionais, coletivas ou plúrimas, quando for o caso;

5) Acompanhar a jurisprudência do TRF-03 (Tribunal Regional Federal em São Paulo), sugerindo à DEN o ingresso de ações judiciais no referido Tribunal quando lhe parecer favorável essa estratégia;

6) Propor, quando necessário, medidas administrativas e judiciais, locais e regionais,

tendentes a garantir o respeito à autoridade, às prerrogativas e às atribuições inerentes ao cargo de Audi-tor-Fiscal;

7) Desenvolver estudos jurídicos para dar suporte à luta política pela valorização do cargo de Auditor-Fiscal e pela implementação da LOF;

8) Realizar ou participar da realização de Seminários e de Encontros Jurídicos, em temas de interesse da Clas-se dos Auditores-Fiscais, tais como a) a importância das garantias e prerrogativas de Autoridade de Estado; b) medidas judiciais contra o assédio no trabalho e o tolhimento da autonomia e da autoridade do cargo; c) aspectos do PAD e da Sindicância Patrimonial na RFB, dentre outros temas.

1) Promover e ampliar, em conjunto com a Diretoria Jurídica, a orientação aos filiados, inclusive com subsí-dios da DEN do Sindifisco Nacional;

2) Garantir pronta assistência aos filiados quando da ocorrência de problemas relacionados com as suas atividades profissionais;

3) Promover a orientação jurídica local aos filiados, relacionada à defesa profissional, com vistas a coibir e reprimir práticas ilegais ou abusivas;

4) Desenvolver e divulgar, em conjunto com os filiados, estudos técnicos, visando aperfeiçoar a legislação tributária, previdenciária e aduaneira, e do cargo de Auditor-Fiscal;

5) Prestar serviços de excelência no atendimento a dúvidas dos Auditores-Fiscais ativos, aposentados e pensionistas;

6) Lutar por melhores condições do ambiente físico de trabalho nas diversas unidades de São Paulo;

JURÍDIC

O

DEFE

SA PROFISSIONAL

E E

STUDOS TÉCNIC

OS

(5)

1) Aprofundar a relação com a mídia, buscando disseminar a opinião da DS/SP e do Sindifisco Nacional nas áreas de competência dos Auditores-Fiscais, com apoio de uma assessoria externa especializada; 2) Disponibilizar no site da DS São Paulo na internet a gravação dos eventos mais importantes para a classe;

3) Promover seminários e encontros com a finalidade de manter a Classe dos Auditores-Fiscais e a socieda-de a par dos movimentos relativos à justiça fiscal e à manutenção da previdência pública;

4) Promover o gerenciamento dos meios de comunicação adequados para melhor disseminação dos assun-tos de interesse da categoria para toda diversidade dos Auditores-fiscais.

1) Incentivar a participação dos aposentados e pensionistas na vida sindical;

2) Acompanhar, em conjunto com a Diretoria Jurídica da DS e da DEN, as ações judiciais em curso, promovi-das pela Sindifisco Nacional, de interesse dos aposentados e pensionistas;

3.) Realizar um levantamento dos aposentados e suas condições de vida, implementando uma política de contato mais próximo da DS/SP com os mesmos.

4) Criar e incentivar programas/projetos de bem-estar visando melhoria da qualidade de vida dos aposenta-dos e pensionistas.

1) Trabalhar junto aos parlamentares da base de São Paulo, buscando apoio aos projetos de interesse da classe e para o aperfeiçoamento da legislação tributária;

2) Atuar e integrar o trabalho parlamentar realizado pela DEN no Congresso Nacional. 3) Incentivar a participação nos seminários de formação e capacitação para atuar no Trabalho Parlamentar.

COMUNICA

ÇÃ

O

PARL

AMENT

AR

APOSENT

ADORIA

E PENSÕE

S

1) Apoiar campanhas de divulgação e adesão ao UNAFISCO SAÚDE;

2) Propor o credenciamento ao UNAFISCO SAÚDE de médicos, clínicas e hospitais sugeridos por seus filiados, com vistas a ampliar o atendimento na capital, São Paulo;

SA

(6)

Graduado em Ciências Contábeis e Direito. Ingressou na RFB em 1997. Foi Secretário, Diretor-Financeiro e Diretor do Plano de Saúde da DS Barueri/ Osasco. Na DS/SP, foi Conselheiro Fiscal (2014/2015) e Diretor de Administração e Finanças Adjunto (2016-2018), tendo atuado como Diretor de Administração e Finanças a partir de 2016

Graduada em Direito pela Universidade Mackenzie com especialização em Comércio Exterior na USP. Na RFB, trabalhou por 20 anos na Divisão de Fiscalização da Delegacia de São Paulo e por 16 anos, inicialmente Divisão de Tributação da DRF/SP e posteriormente, DERAT/SP. Na DS/SP, foi Membro do Grupo de Trabalho - Unafisco Saúde e Diretora do Plano de Saúde da DS/SP (2016-2018)

Graduada em Direito, Jornalismo e Letras. Pós-graduada em Administração Previdenciária. Ingressou na carreira em 1987, tendo atuado na Derat e Defis. No extinto Sindifisp/SP, foi Diretora suplente, Vice-presidente, além de ter sido a ultima presidente da entidade durante a unificação com o Unafisco Sindical. Na DS/SP, foi Secretária-adjunta (2015/2018)

PAULO ROGÉRIO OSHIRO

ANA LÚCIA ZACHARIAS

ANA MARIA TOMASELLI

administraçãoefinanças secretária

-

geral secretária

-

geraladjunta

diretorde

Auditor-Fiscal desde 1997. Gradua-do em Jornalismo pela PUC/SP. Mem-bro dos Comandos Local e Regional de Mobilização durante a Campanha Salarial 2015. Foi 2º Vice-presiden-te da DS/SP (2016-2018)

Graduado em Engenharia Eletrônica pela Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie. Ingressou na carreira em 2004, após atuar no Exército e na iniciativa privada. Foi membro do Conselho Fiscal da DS/SP (2016-2018)

Mestre em Engenharia Civil e em Admi-nistração Pública e Governo. Ingressou na RFB em 1993. Foi Chefe e, poste-riormente, Inspetor da Alfândega do Aeroporto Internacional de São Paulo. Na DS/SP, foi Vice-presidente da DS/ SP (2004-2007) e Diretor de Defesa Profissional e Estudos Técnicos (2016-2018)

FOCH SIMÃO JUNIOR

ANTÔNIO CARLOS SCHMIDT JUNIOR

JOSÉ CAETANO DOS SANTOS

vice

-

presidente

vice

-

presidente presidente

(7)

Graduado em Economia e pós-graduado em Administração de Empresas. Ingressou na RFB em 1970. Na ABTT, foi Secretário de Finanças (1974-1975) e Vice-Presidente (1976). Já foi Secretário de Finanças, Secretário-Geral (1982-1983) e do Conselho Fiscal (1984-1985) da Unafisco Regional de São Paulo. Na DS/SP, foi Membro da Junta Diretiva (2007-2009), Dire-tor de Finanças (2009-2011 e 2012-2013) e Diretor de Administração (2014-2015) e Mem-bro do Conselho Fiscal (2016-2018).

Graduado em Direito e pós graduado em Direito e em Comércio Exterior. In-gressou na RFB em 1996. Foi Diretor Jurídico da DEN do Unafisco Sindical e do Sindifisco Nacional por diversas ges-tões. Por três gestões, foi Diretor Jurí-dico da DS/Itajaí. Na DS/SP, Diretor de Defesa Profissional e Estudos Técnicos da (2014-2015) e Diretor de Assuntos Jurídicos (2016-2018).

LAURO YAMASHITA

WAGNER VAZ

assuntosdiretorjurídicosde administraçãodiretoradjuntoefinançasde

Graduado em Direito e Admi-nistração Pública. Ingressou na RFB em 1996. Foi Diretor Jurídi-co Adjunto da UnafisJurídi-co Nacional (2016/2019)

EDUARDO DE ANDRADE

diretoradjunto deassuntosjurídicos

Formado em Psicologia (2017; UNIP); Direito (2007; UNIP), e Engenharia Mecânica (1978; UFRJ). Auditor Fiscal desde 1997, tendo atuado na DRJ/ SP (a partir de 2004). Presidente de Turma (2009-2017) DITEC/SRRF/8ª RF(1993-1997 / 1998-2004) Chefe (2001-2002) e na DRF/SP/LESTE - Fiscalização: Malha PF (1997-1998).

Graduado em Engenharia Mecânica pela Escola Politécnica. Especialista em Gestão Estratégica pela Universidade Católica de Brasília. Ingressou na carreira em 1997. Trabalhou na Delegacia São Paulo Leste - DISAR, na DIPOL e na DIPAV. Aposentou-se em 2009. Foi membro da Comissão Eleitoral do Unafisco Sindical e Sindifisco Nacional e Diretor de Assuntos de Aposentadoria e Pensões da DS/SP (2016-2018).

Graduado em Ciências Contábeis. Ingressou na RFB em 2015. Diretor Suplente da DS/São Paulo (2016-2018), tendo atuado como Diretor de Comunicação a partir de 2016

NELSON QUADROS

FADEL HOLLO

DIOGO PAVAN LOUREIRO

diretordedefesaprofissional

(8)

Formado em Economia pela PUC/SP. Ingressou no cargo pelo concurso de 1979/80. Foi supervisor em diversas administrações e chefe de Fiscalização da antiga Delegacia Oeste.

Formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da USP. Ingressou na Receita Federal em 1997. Trabalhou no Setor de Tributação na Delegacia Leste (1998) e na Delegacia Centro Norte, Delegacia Especial de Fiscalização de IRPJ/Defis/SP na fiscalização de empresas comerciais até 2018, sendo transferido para a SRRF/8º RF na DIREP.

Formada em Administração de Empre-sas. Foi Técnica do Tesouro Nacional de 1991 a 1997. Assumiu como Auditora Fiscal em 1997, tendendo trabalhado na Divisão de Tributação da Derat (1997/2007) e na Divisão de Valoração Aduaneira da Deain/Demac (2007/2015).

diretorasuplente

JOSÉ SÉRGIO MINOTTI

FÁBIO DE SIQUEIRA BRANCO

diretorsuplente diretorsuplente

SUSANA SANDES RAMOS

Graduada em Letras. Ingressou na carreira no concurso de 1985. Foi Conselheira Fiscal do extinto Sindfisp/SP (2002-2005) Diretora Financeira do Sindfisp/SP (2005-2009). Na DS/SP, foi Conselheira Fiscal (2009-2011) e Diretora de Defesa da Justiça Fiscal e de Seguridade Social (2012-2013). Foi Diretora adjunta de Finanças e Contabilidade da Unafisco Nacional (2013-2016); Diretora-ad-junta de Assuntos de Aposentadoria, Pensões e Assistência Social da Unafisco Nacional (2016-2019).

Formado em Administração de Empre-sas. Ingressou na Receita em 2014. Atuou como coordenador do Comando Local do Comando de Mobilização e membro do Comando Regional da 8ªRF

Graduada em Engenharia Química Operacional e Administração de Empresas. Ingressou na RFB em 1982 no cargo de Controladora de Arrecadação Federal, com lotação na DRF/SP. Iniciou suas atividades profissionais na DISAR, ocupando diversos cargos, inclusive o de chefe da Divisão de Arrecadação da DRF/SP. Atuou na Divisão de Fiscalização, em atividades externas e Programação até 2018.

EDITH BENVINDO

CELSO SCKADT DOMINGOS

TÂNIA C. FEIJÓ NAPOLITANO

Referências

Documentos relacionados

Portanto, mesmo percebendo a presença da música em diferentes situações no ambiente de educação infantil, percebe-se que as atividades relacionadas ao fazer musical ainda são

segunda guerra, que ficou marcada pela exigência de um posicionamento político e social diante de dois contextos: a permanência de regimes totalitários, no mundo, e o

6 Num regime monárquico e de desigualdade social, sem partidos políticos, uma carta outor- gada pelo rei nada tinha realmente com o povo, considerado como o conjunto de

Crisóstomo (2001) apresenta elementos que devem ser considerados em relação a esta decisão. Ao adquirir soluções externas, usualmente, a equipe da empresa ainda tem um árduo

Este trabalho tem como objetivo contribuir para o estudo de espécies de Myrtaceae, com dados de anatomia e desenvolvimento floral, para fins taxonômicos, filogenéticos e

O objetivo do curso foi oportunizar aos participantes, um contato direto com as plantas nativas do Cerrado para identificação de espécies com potencial

Esta pesquisa discorre de uma situação pontual recorrente de um processo produtivo, onde se verifica as técnicas padronizadas e estudo dos indicadores em uma observação sistêmica

Foi membro da Comissão Instaladora do Instituto Universitário de Évora e viria a exercer muitos outros cargos de relevo na Universidade de Évora, nomeadamente, o de Pró-reitor (1976-