• Nenhum resultado encontrado

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA"

Copied!
96
0
0

Texto

(1)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

(2)
(3)

TRANSPORTE

TRANSPORTE EM LOGÍSTICA

É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o nível de serviço do sistema logístico.

(4)

TRANSPORTE

O PAPEL DO TRANSPORTE NA LOGÍSTICA

A atividade de transporte representa o elemento mais visível e importante do custo logísticos na maior parte das empresas, pois o transporte de materiais é considerado um dos elementos de maior complexidade nas organizações, gerando um custo de 70% a 80% em toda atividade industrial e comercial.

(5)

TRANSPORTE

UM SISTEMA DE TRANSPORTE BEM ESTRUTURADO GARANTE:

 Aumento da competitividade;

 Redução de preços dos produtos;  Qualidade no serviço prestado.

(6)
(7)

MODAIS DE TRANSPORTE

Os transportes de cargas possuem cinco tipos de modais:  Modal Rodoviário;  Modal Ferroviário;  Modal Aéreo;  Modal Aquaviário;  Modal Dutoviário.

(8)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL RODOVIÁRIO

O transporte rodoviário no Brasil é o principal sistema logístico do país e conta com uma rede de 1 751 868 quilômetros de estradas e rodovias nacionais (a quarta

maior do mundo), por onde passam cerca de 56% de todas as cargas movimentadas no território brasileiro.

(9)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL RODOVIÁRIO

 Vantagens: entrega porta a porta, movimentação menor de mercadoria e menor exigência de embalagem, maior disponibilidade de vias de acesso, facilidade de substituir o veículo em caso de quebra ou acidente, embarques e partidas mais rápidos, adequado para curtas e médias distâncias.

 Desvantagens: fretes mais altos em alguns casos, menos competitivos para longas distâncias, está sujeito a congestionamento nas estradas.

(10)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL RODOVIÁRIO

Custo fixo: seguro do veículo, rodovias construídas

mantidas com fundos públicos.

(11)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL FERROVIÁRIO

É um modal de transporte com uma elevada capacidade de carga e energeticamente eficiente, embora careça de flexibilidade e exija uma contínua aplicação de capital.

(12)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL FERROVIÁRIO

Vantagens: adequado para longas distâncias e

grandes quantidades, menor custo de frete e seguro com relação ao modal rodoviário.

 Desvantagens: menor flexibilidade de rotas, necessidade maior de transporto e alta exposição a furtos.

(13)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL FERROVIÁRIO

Custo fixo: equipamentos, terminais. Custo variável: combustível.

(14)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL AÉREO: é o modal de transportes que consiste

em transportar mercadorias (cargas) e/ou pessoas através de aeronaves.

(15)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL AÉREO

 Vantagens: velocidade, confiabilidade, atinge regiões inacessíveis para outros modais,

 Desvantagens: menor capacidade de peso e volume das cargas, custo de fretes elevados.

(16)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL AÉREO

Custo fixo: aeronaves, manuseios.

(17)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL MARÍTIMO:

É o modal que se realiza nos mares e oceanos, sendo o meio de transporte mais utilizado internacionalmente para o deslocamento de mercadorias.

(18)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL MARÍTIMO

 Vantagens: maior capacidade de carga, carrega qualquer tipo de carga, menor custo de transporte.

 Desvantagens: necessidade de transbordo nos portos, distância dos centros de produção, rapidez limitada, frequente congestionamentos nos portos.

(19)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL MARÍTIMO

Custo fixo: navios e equipamentos.

Custo variável: capacidade para transportar grandes

(20)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL FLUVIAL: é a navegação realizada em rios. A

exemplo do marítimo, também pode ser nacional ou internacional, se tiver ligando países ou continentes.

(21)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL FLUVIAL

 Vantagens: maior capacidade de carga, carrega qualquer tipo de carga, menor custo de transporte.

 Desvantagens: necessidade de transbordo nos portos, distância dos centros de produção, rapidez limitada.

(22)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL FLUVIAL

Custo fixo: navios e equipamentos.

Custo variável: capacidade para transportar grandes

(23)

MODAIS DE TRANSPORTE

ALGUNS TIPOS DE NAVIOS:

 Cargueiros: são navios construídos para o transporte de carga geral, ou seja, carga acondicionada. Normalmente, seus porões são divididos horizontalmente, formando o que poderíamos chamar de prateleiras, onde diversos tipos de cargas podem ser acomodadas para o transporte.

(24)

MODAIS DE TRANSPORTE

ALGUNS TIPOS DE NAVIOS:

 Roll-on / Roll-off (Ro-Ro): são navios especiais para o transporte de veículos, carretas, trailers. Dispõem de rampas na proa ou na lateral, por onde a carga sobre rodas se desloca para entrar ou sair da embarcação.

 Graneleiros: são navios destinados apenas ao transporte de granéis sólidos. Seus porões, além de não possuírem divisões, têm cantos arredondados, o que facilita a estiva da carga.

(25)

MODAIS DE TRANSPORTE

ALGUNS TIPOS DE NAVIOS:

Multipurpose: são navios projetados para linhas

regulares, para transportar cargas diversas como: neo-granéis (aço, tubos) e container.

 Porta-container: são navios especializados, utilizados exclusivamente para transportar containers.

(26)

MODAIS DE TRANSPORTE

Navegação de longo curso: aquela realizada entre portos

de países diferentes.

Navegação de cabotagem: aquela realizada entre portos

(27)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL DUTOVIÁRIO: se traduz no transporte de granéis

líquidos e sólidos, por gravidade ou pressão mecânica, através de dutos adequadamente projetados à finalidade que se destina.

(28)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL DUTOVIÁRIO

 Vantagens: o transporte opera vinte e quatro horas por dia e sete dias por semana, é o mais confiável de todos os modais.

 Desvantagens: os dutos não são flexíveis e são limitados quanto aos produtos que podem transportar.

(29)

MODAIS DE TRANSPORTE

MODAL DUTOVIÁRIO

Custo fixo: CF mais elevado, direitos de acesso,

construção, requisitos para controle das estações e capacidade de bombeamento.

Custo variável: custo com mão de obra sem grande

(30)

MODAIS DE TRANSPORTE

ESCOLHA DO MODAL DE TRANSPORTE

Deve-se escolher a melhor opção de modal, analisando os custos, características de serviços, rotas possíveis, capacidade de transporte, segurança e rapidez.

(31)

INTERMODALIDADE

INTERMODALIDADE: é a utilização sequencial de duas

ou mais formas de transporte para completar um movimento coordenado de mercadorias e pessoas de uma origem a um destino final recorrendo em cada um deles a um conhecimento (bilhete) diferente.

(32)

MULTIMODALIDADE

MULTIMODALIDADE: é uma operação integrada, atribuída ao operador de transporte multimodal (OTM) ou transitário de cargas, envolvendo mais de uma forma de transporte durante uma mesma viagem, incluída em um só conhecimento (bilhete).

O operador logístico é responsável por toda a operação, assumindo todos os riscos desde a origem até seu destino final.

(33)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

FRETE: é a remuneração paga pelo serviço contratado de

transporte de uma mercadoria.

Os custos do transporte são influenciados por diversas características, tais como:

- Tipo de carga, peso e volume, distância e localização dos pontos de embarque e desembarque.

(34)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

FRETE FOB E CIF

O significado das siglas FOB e CIF está relacionado com o pagamento de frete no transporte marítimo de mercadorias. Estas siglas são utilizadas para distinguir dentre comprador e fornecedor quem arca com os custos do frete, ou seja, quem suporta os custos e riscos do transporte.

(35)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

(36)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

FOB – Free on Board (Livre a Bordo)

Ao vendedor (exportador) fica a obrigação de colocar a mercadoria a bordo do navio, no porto de embarque designado pelo importador.

Neste tipo de frete, o comprador assume todos os riscos e custos com o transporte da mercadoria, assim que ela é colocada a bordo do navio.

(37)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

CIF – Cost, Insurance and freight (Custo, Seguro e Frete)

(38)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

CIF – Cost, Insurance and freight (Custo, Seguro e Frete)

Neste tipo de frete, o fornecedor é responsável por

todos os custos e riscos com a entrega da mercadoria,

incluindo o seguro marítimo e frete até o porto de

destino designado pelo comprador.

(39)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

Os transportadores lidam com carga e não com mercadoria. A carga, geralmente, é composta por mercadorias protegidas por embalagem apropriada, de modo que fiquem prontas para o transporte.

(40)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

Segundo sua natureza, a carga pode ser classificada basicamente em:

 Carga geral: carga embarcada e transportada com acondicionamento (embalagem de transporte ou unitização), com marca de identificação e contagem de unidades. Se não estiver unitizada é chamada de “carga

solta”, representada por itens avulsos embarcados separadamente em embrulhos, fardos, pacotes, caixas.

(41)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

CARGA GERAL

Carga solta

(42)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

 Carga a Granel: é carga líquida ou seca embarcada e transportada sem acondicionamento, sem marca de identificação e sem contagem de unidades, tais como petróleo, trigo etc .

(43)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

(44)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

Carga Frigorificada: é a carga que necessita ser

refrigerada ou congelada para conservar as qualidades essenciais do produto durante o transporte, tais como frutas frescas, carnes etc

(45)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

Carga Perigosa: é a carga que, em virtude de sua

natureza, pode provocar acidentes, danificando outras cargas ou os meios de transporte e colocando em risco

as pessoas que a manipulam.

(46)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

Neo-Granel: Corresponde ao carregamento formado

por conglomerados homogêneos de mercadorias, de carga geral, sem acondicionamento específico, cujo volume ou quantidade possibilita o transporte em lotes, em um único embarque (exemplo: veículos, tubos).

(47)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUIÇÃO: é a parte da logística que trata das

relações empresa-cliente-consumidor, realizando a distribuição física do produto acabado até os pontos de venda ao consumidor, assegurando a pontualidade, a precisão e que os pedidos estejam completos.

DISTRIBUIÇÃO FÍSICA

Trata-se do deslocamento do produto acabado da manufatura até o consumidor final.

(48)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

OBJETIVO GERAL DA DISTRIBUIÇÃO FÍSICA

Levar os produtos certos, para os lugares certos, no momento certo e com o nível de serviço desejado, pelo menor custo possível.

(49)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

IMPORTÂNCIA DA DISTRIBUIÇÃO

A distribuição física é vital para as nossas vidas, até porque muitas vezes os fabricantes, clientes e clientes potenciais estão geograficamente mal distribuídos, ocasionando sérios transtornos logísticos.

(50)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

IMPORTÂNCIA DA DISTRIBUIÇÃO

Pode-se afirmar que a distribuição física agrega valor de lugar e tempo, colocando os produtos em mercados onde eles ficam disponíveis para os clientes no momento em que desejarem.

(51)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

O PAPEL DO DISTRIBUIDOR

Agregar valor, interligando compradores e vendedores, providenciar meios eficientes de vendas e entrega de produtos aos clientes.

(52)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

Constituem em conjuntos de organizações interdependentes envolvidas no processo de tornar um produto ou serviço disponível para consumo.

(53)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

TIPOS DE CANAIS DISTRIBUIÇÃO

 Canal direto – é o circuito em que não existem intermediários, isto é, o produto transita diretamente do produtor para o consumidor final. Têm a vantagem de ser completamente controlados pelos produtores e de proporcionarem um melhor conhecimento do mercado; por outro lado, têm o inconveniente de não permitirem uma grande dispersão geográfica.

(54)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

 Canal Curto – é o circuito em que o produto transita do produtor para um varejista, ou número reduzido de varejista. Os circuitos curtos permitem uma melhor cobertura do mercado; contudo, requerem uma rede de intermediários que, embora pequena, faz com que a empresa possa ficar dependente destes e perder o controle do circuito.

(55)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

 Canal Longo – é o circuito em que intervém o atacadista e eventualmente outros intermediários tais como o importador. Estes canais são utilizados preferencialmente para produtos de grande consumo e requerem reabastecimentos frequentes dos intermediários. Possibilitam um alcance geográfico amplo, mas a gestão das relações internas do circuito é mais trabalhosa e complexa.

(56)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

COMPONENTES DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

 Estoque de produtos;

 Instalações físicas (CD, armazéns, etc);  Área para carga e descarga de produtos;  Equipamentos e Veículos;

 Informações diversas;

 Hardware e software diversos;  Pessoal.

(57)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

TIPOS DE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

 Distribuição “um para um” ou transferência de produtos: o veículo é totalmente carregado no depósito

da fábrica ou num CD do varejista e carga é transportada para outro ponto de destino, podendo ser outro CD, uma loja, ou outra instalação qualquer.

(58)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

TIPOS DE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

Distribuição “um para muitos” ou compartilhada: o

veículo é carregado no CD do varejista com mercadorias destinadas a diversas lojas ou clientes, executando um roteiro de entregas predeterminadas.

(59)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

PROPRIEDADES DOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

Amplitude / largura do canal: diz respeito ao número de

empresas que atuam no mesmo nível de uma mesma cadeia.

(60)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUIÇÃO EXCLUSIVA (amplitude unitária)

Ex: Produtos especiais ( jóias, aviões)

FABRICANTES VAREJISTA A CONSUMIDOR FINAL

(61)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUIÇÃO SELETIVA (amplitude múltipla, mas controlada)

Ex: Produtos que envolvem pesquisa antes da compra (móveis, produtos eletrônicos)

FABRICANTES

VAREJISTA A

VAREJISTA B CONSUMIDOR FINAL

(62)

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUIÇÃO INTENSIVA (amplitude múltipla e aberta)

Ex: Produtos de consumo frequente (produtos alimentícios)

FABRICANTES VAREJISTA B VAREJISTA A

VAREJISTA C

CONSUMIDOR FINAL

(63)

SCM - SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) – GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO

É o caminho que um produto percorre desde a sua fabricação até o consumo, passando pelos distribuidores e revendedores.

A logística vem para que este caminho seja percorrido de uma maneira mais rápida e com menor custo.

(64)
(65)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

O Sistema de monitoramento de transporte é um avançado sistema de coleta de informações da operação dos veículos. Nesse sistema utilizam-se módulos com tecnologia GPS – Global Position System (Sistema de Posicionamento Global), um sistema que fornece a posição de qualquer ponto da terra através de coordenadas geográficas emitidas por um sistema de satélites.

(66)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

 O transporte de cargas no Brasil, é bastante prejudicado pelas condições de insegurança em nossas estradas, resultando numa alta incidência de roubos e de prejuízos para transportadores e operadores logísticos.

(67)

APLICAÇÕES COMERCIAIS DO GPS

NAVEGAÇÃO AVIAÇÃO GERENCIAMENTO TRANSPORTE DE CARGAS NAVEGAÇÃO PESSOAL REDES DE COMUNICAÇÃO FERROVIAS

(68)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

Os sistemas de monitoramento e rastreamento são utilizados para evitar problemas como:

 Combate ao tráfico de drogas e roubo de cargas praticadas por quadrilhas especializadas na interceptação de mercadorias;

(69)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

O sistema de rastreamento veicular, além de monitorar as cargas quando roubadas, possibilita que as empresas monitorem seu produto e todo o seu ciclo de distribuição, em tempo real, proporcionando uma vantagem competitiva para o negócio.

(70)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

O GPS é um sistema eletrônico que fornece informações via satélite a um aparelho receptor móvel, indicando a posição do mesmo, tendo as coordenadas terrestres como referência.

(71)

ESTRUTURA DO SISTEMA DE

RASTREABILIDADE

• As Coordenadas Geográficas (latitude e longitude) nos dão condições para localizar qualquer ponto sobre a superfície terrestre.

(72)

LATITUDE

A latitude é a distância ao Equador medida ao longo do meridiano de Greenwich. Esta distância mede-se em graus, podendo variar entre 0º e 90º para Norte ou para Sul.

(73)

LONGITUDE

• A longitude é a distância ao meridiano de Greenwich medida ao longo do Equador. Esta distância mede-se em graus, podendo variar entre 0º e 180º para Leste ou para Oeste.

(74)

ESTRUTURA DO SISTEMA DE

RASTREABILIDADE

 SUB-SISTEMA ESPACIAL

 SUB-SISTEMA DE CONTROLE  SUB-SISTEMA DE USUÁRIO

(75)

SUB-SISTEMA ESPACIAL

 É composto de 28 satélites em órbita ao redor da terra, duas vezes por dia, a uma distância de 20.000km, emitindo simultaneamente sinais codificados.

(76)

SUB-SISTEMA DE CONTROLE

 É formado por um conjunto de estações de monitoramento terrestres que rastreiam e atualizam constantemente a posição de cada satélite, realizando as correções de rota e ajuste de hora.

 A estação mestre fica em uma base aérea da USAF no estado do Colorado/EUA.

(77)

SUB-SISTEMA DE USUÁRIO

 É composto pelos receptores dos usuários e pela comunidade GPS (centros de pesquisa, universidades, etc).

(78)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

BENEFÍCIOS DO USO DO GPS:

 Correto uso do veículo: com o monitoramento o veículo só poderá ser utilizado para fins comerciais, evitando assim o uso do veículo para fins pessoais ou que não sejam de interesse da empresa.

(79)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

 Eliminação de manobras desnecessárias: os

equipamentos de GPS já costumam fornecer o melhor caminho que o motorista deverá fazer para o trajeto desejado.

 Recuperação de veículos: com o sistema de

rastreamento, ficou mais fácil encontrar o veículo após o roubo.

(80)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

Rastreamento

A rastreabilidade é um conceito que surgiu devido à necessidade de saber em que local é que um produto se encontra na cadeia logística.

(81)

SISTEMA DE MONITORAMENTO E

RASTREABILIDADE

O rastreamento exige três dados básicos:

 O produto necessita estar identificado (o que se está rastreando);

 A origem deve ser conhecida (de onde vem o produto que está sendo rastreado);

 O destino deve estar definido (para onde este produto será enviado).

(82)

TERCEIRIZAÇÃO

TERCEIRIZAÇÃO

• É quando determinada atividade da empresa é realizada por terceiros, por motivos de especialização, de melhor gestão dos negócios, aumento da produtividade e redução de custo. É um contrato de prestação de serviços.

(83)

TERCEIRIZAÇÃO

• Embora haja uma tendência à terceirização no País, logística não é "uma receita de bolo". A decisão entre uma operação própria ou terceirizada deve ser tomada caso a caso. Para empresas que trabalham com produtos de baixo valor agregado, terceirizar o transporte representa quase sempre um ganho imediato. De acordo com o consultor, com a terceirização é possível que a empresa otimize gastos e se concentre em sua atividade principal.

(84)

TERCEIRIZAÇÃO

• Quando se terceiriza o transporte, a possibilidade de haver espaços ociosos dentro de contêineres é muito menor. Isso ocorre porque, como trabalham para várias empresas, as transportadoras geralmente carregam vários tipos de produtos que fazem com que os caminhões operem sempre na capacidade máxima.

(85)

TERCEIRIZAÇÃO

Principais Vantagens Percebidas com a Terceirização Logística:

 Redução de Custo e Investimentos:

Possibilidade que as empresas têm de evitar altos investimentos de capital com armazéns, caminhões e sistemas de informatização através do uso de serviços logísticos provenientes de um operador logístico. Desta forma as empresas podem utilizar o capital disponível para aplicar em áreas que tragam maior retorno.

(86)

TERCEIRIZAÇÃO

 Melhora na Qualidade do Serviço Logístico para os

Clientes:

Melhora potencial do serviço prestado ao cliente em tempo, lugar e custo.

(87)

TERCEIRIZAÇÃO

 Foco nas Atividades Centrais:

Eliminando as atividades que não estão relacionadas às

competências essenciais a empresa poderia focar seus recursos em atividades ligadas as suas competências essenciais, aumentando a sua vantagem competitiva.

(88)

TERCEIRIZAÇÃO

Principais Desvantagens Percebidas com a Terceirização Logística:

 Incerteza sobre o nível de serviço;

 Relacionamento com o mercado/cliente;

 Perda de acesso a informações críticas de clientes e mercado.

(89)

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O

TRANSPORTE DE CARGA

OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE CARGA:

 Fatura Comercial

A fatura comercial é o documento de natureza contratual necessário para a operação de compra e venda entre o importador brasileiro e o exportador estrangeiro.

(90)

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O

TRANSPORTE DE CARGA

A fatura deve conter algumas indicações como:

 Nome e endereço, completos, do exportador;  Nome e endereço, completos, do importador;  especificação das mercadorias ;

 Peso e volume da mercadoria;  País de origem e destino;

(91)

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O

TRANSPORTE DE CARGA

Conhecimento de carga

O conhecimento de carga, também conhecido como conhecimento de transporte emitido pelo transportador, define a contratação da operação de transporte internacional, comprova o recebimento da mercadoria na origem e a obrigação de entregá-la no lugar de destino.

(92)

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O

TRANSPORTE

O conhecimento de carga recebe denominações específicas em função da via de transporte: CRT (Rodoviário), TIF (Ferroviário), BL (Marítimo) ou AWB (Aéreo).

(93)

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O

TRANSPORTE DE CARGA

 SEGURO

Os seguros existentes no mercado de transporte de carga são três:

 Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de

Carga (RCTR-C)

Seguro obrigatório por lei e destinado ao Transportador Rodoviário cobre perdas ou danos sofridos pelos bens ou mercadorias pertencentes a terceiros e que lhe tenham sido entregues para transporte, desde que estas perdas ou danos sejam decorrentes de acidentes com o veículo transportador, tais como: colisão, capotagem, tombamento, incêndio ou explosão.

(94)

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O

TRANSPORTE

 Responsabilidade Civil do Transportador Aéreo de

Carga (RCTA-C)

Seguro destinado a empresas que possuam autorização do Departamento de Aviação Civil - D.A.C., para operar como transportadora aérea, e que além do percurso rodoviário, tenham o percurso aéreo sob sua responsabilidade. Garante danos causados às mercadorias de terceiros em transporte.

(95)

LICENÇAS PARA O TRANSPORTE

 LICENÇAS

Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi criada para proteger a saúde do cidadão, através do controle sanitário da produção e comercialização de produtos e serviços submetidos à vigilância sanitária. O órgão também exerce controle de portos, aeroportos e fronteiras e faz a interlocução do Ministério das Relações Exteriores com instituições estrangeiras para tratar de assuntos internacionais na área de vigilância sanitária.

(96)

LICENÇAS PARA O TRANSPORTE

 AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL PARA O TRANSPORTE

INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSO

É um documento obrigatório a partir de 10 de junho 2012, para o exercício da atividade de transporte aquaviário e interestadual (para os terrestres e fluviais), de produtos perigosos. Portanto, serão obrigatórios para os transportadores de produtos perigosos nos modais rodoviário (veículos), ferroviário (trens) ou aquaviário (embarcações), que exercerem a atividade em mais de um estado (configurando dessa forma o transporte interestadual), e os transportadores de produtos perigosos nos modais marítimos (embarcações).

Referências

Documentos relacionados

Segundo Casimiro e Macedo (2005) as primeiras preocupacoes com o curriculo, no Brasil, datam dos anos 1920. Desde entao ate a decada de 1980, o campo foi marcado pela

Caso seja identificada qualquer deficiência no teste, a Companhia registra a perda imediatamente como despesa no resultado do período, primeiramente reduzindo os custos de

Para esse teste foi adotada uma metodologia contemplando a melhor estimativa de todos os fluxos de caixa futuros relacionados aos riscos vigentes na data base do teste, com valores

Resta evidente, portanto, a inconstitucionalidade do sistema processual penal brasileiro pela permanência do núcleo inquisitório, considerando fatores como a

Para a consecução da pesquisa foram trabalhados os seguintes objetivos: Entender o processo educacional ancestral e escolarizado na visão dos pais das crianças indígenas, na

2 - Este Documento não desobriga o Transportador de Produtos Perigosos a seguir as demais normas, leis e regulamentos referentes ao transporte de produtos perigosos nas

Assim, evidencia-se que para este Juízo os vínculos com o menor não eram levados em conta no momento de tomar uma decisão importante, pois a tutela estabelecia uma

Esse procedimento de eliminação de dados faltantes, especialmente para amostras aleatórias, é comum nos trabalhos de microeconometria aplica- da, e é chamado listwise deletion