PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial

CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Móveis/Integrado

DISCIPLINA: Materiais, Acessórios, Acabamentos e Manutenção Industrial CÓDIGO:

Currículo: 2010 Ano / Semestre: 2012/1 e 2 Carga Horária total: 40 h/a

Turno: Manhã e Tarde Ano: 3º ano MOI T1

DIRETOR(A) GERAL DO CAMPUS: Marcelo Eder Lamb

DIRETOR (A) DE ENSINO: Sidinei Cruz Sobrinho

PROFESSOR(A): Mauro Kowalczuk/Alcimar Obalski

1. EMENTA

Introdução a manutenção industrial, importância da manutenção, evolução da manutenção. Dados sobre manutenção no Brasil e no mundo. Tipos de manutenção. Indicadores de desempenho da manutenção. Gestão e organização da manutenção. Softwares de manutenção.

Caracterizar a composição e processos de fabricação de materiais metálicos e não metálicos mais utilizados na indústria de móveis. Materiais não metálicos diferentes da madeira voltados ao projeto do produto através do desenvolvimento prático-teórico. Principais acessórios fabricados de forma padronizada utilizados na indústria de móveis. Principais acabamentos utilizados no produção moveleira.

2.OBJETIVOS

2.1 Do IFFarroupilha:

Conforme a Lei Nº 11.892/08 o Instituto Federal Farroupilha deverá:

I- ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, formando e qualificando cidadãos com vistas na atuação profissional nos diversos setores da economia, com ênfase no desenvolvimento socioeconômico local, regional e nacional;

II- desenvolver a educação profissional e tecnológica como processo educativo e investigativo de geração e adaptação de soluções técnicas e tecnológicas as demandas sociais e peculiaridades regionais;

III- promover a integração e a verticalização da educação básica à educação profissional e educação superior, otimizando a infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão;

IV- orientar sua oferta formativa em beneficio da consolidação e fortalecimento dos arranjos produtivos, sociais e culturais locais, identificados com base no mapeamento das potencialidades de desenvolvimento socioeconômico e cultural no âmbito de atuação do Instituto Federal;

V- constituir-se em centro de excelência do ensino de ciências, em geral, e de ciências aplicadas, em particular, estimulando o desenvolvimento de espírito critico voltado a investigação empírica;

VI- qualificar-se como centro de referência no apoio à oferta de ensino de ciências nas instituições públicas de ensino, oferecendo capacitação técnica e atualização pedagógica aos docentes das redes públicas de ensino;

VII- desenvolver programas de extensão e de divulgação cientifica e tecnológica;

VIII- realizar e estimular a pesquisa aplicada, a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico;

IX- promover a produção, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias sociais, notadamente as voltadas à preservação;

X- estimular e apoiar processos educativos que levem a geração de trabalho e renda e à emancipação do cidadão na perspectiva do desenvolvimento socioeconômico local e regional;

XI- ministrar em nível de educação superior cursos superiores:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA

CAMPUS SANTA ROSA

Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000 - Santa Rosa - RS Fone: (55) 3511 2575 Fax: (55) 3511 2591

(2)

2.2 Do nível de ensino:

Conforme a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9.394/96 Do Ensino Médio

Art. 35. O ensino médio, etapa final da educação básica, com duração mínima de três anos, terá como

finalidades:

I - a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental, possibilitando o prosseguimento de estudos;

II - a preparação básica para o trabalho e a cidadania do educando, para continuar aprendendo, de modo a ser capaz de se adaptar com flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores;

III - o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico;

IV - a compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina.

Da Educação Profissional

Art. 39º. A educação profissional e tecnológica, no cumprimento dos objetivos da educação nacional,

integra-se aos diferentes níveis e modalidades de educação e às dimensões do trabalho, da ciência e da tecnologia. (Redação dada pela Lei nº 11.741, de 2008)

De acordo com a Resolução n° 04/2010, de 22 de fevereiro de 2010 (Regulamento Da Organização Didática Dos Cursos Técnicos De Nível Médio):

Art. 5º São objetivos dos cursos Técnicos de Nível Médio do Instituto Federal Farroupilha:

I - Desenvolver, prioritariamente, o Ensino Médio na modalidade do Currículo Integrado; II - Contribuir para o aumento dos índices de escolarização média na região de atuação;

III - Ofertar ensino técnico na modalidade subsequente, na medida em que se fizer necessário para responder a demandas regionais;

IV - Formar cidadão para o mundo do trabalho, visando sua inserção nos diferentes segmentos socioeconômicos.

V - realizar pesquisa e desenvolvimento de novos processos, produtos e serviços, em estreita articulação com os setores produtivos e a sociedade;

VI - realizar atividades de extensão, a partir de um processo educativo, cultural e científico articulado, de forma indissociável, ao ensino e à pesquisa, viabilizando uma visão integrada da sociedade.

2.3 Do curso

2.3.1 Objetivo Geral

O objetivo geral do Curso Técnico em Móveis - integrado visa em, primeiro lugar, habilitar profissionais em nível médio a desenvolverem projetos de móveis e esquadrias, de maneira criativa e inovadora, otimizando os aspectos estético, formal e funcional, ajustando-os aos apelos mercadológicos e às necessidades do usuário.

2.3.2 Objetivos Específicos

Formar profissionais que estejam sintonizados com o mercado e as tecnologias, sejam criativos, tenham uma sólida base de conhecimentos e flexibilidade de se adaptar às situações;

Preparar técnicos com formação projetual, técnica, tecnológica e artística, que atuem neste mundo competitivo e globalizado, respeitando os aspectos socioculturais, éticos, morais, ecológicos e psicológicos;

Qualificar os técnicos para que, além da criatividade, possuam raciocínio abstrato, assimilação rápida de informações e de habilidades, flexibilidade para enfrentar situações novas, capacidade para compreender as bases sociais, econômicas, técnicas e científicas relacionadas ao seu trabalho;

(3)

Preparar profissionalmente os técnicos através do desenvolvimento e treinamento de habilidades específicas na área de móveis.

Propiciar aos estudantes do curso situações que possibilitem o seu preparo para que consigam acompanhar as mudanças e transformações do setor produtivo, com competência para comunicar-se fluentemente, conceber projetos, aprender a aprender, assimilar inovações e mudanças, gerir um trabalho autônomo, aplicar tecnologia de informação e de comunicação e ampliar o nível de informações para o desenvolver o senso crítico.

2.4. Objetivo Geral da Disciplina:

Proporcionar aos alunos qualificações tecnológicas em Manutenção Industrial e equipamentos mecânicos e fornecer conhecimentos para aprimoramento das atividades executadas dentro da empresa.

Apresentar uma visão global sobre materiais metálicos e não metálicos e seus processos de fabricação, suas principais propriedades e suas aplicações. Apresentar principais acessórios utilizados na fabricação de móveis, mostrando assim as configurações possíveis a partir de elementos que o mercado oferece.

2.4.1. Objetivos Específicos:

No final do conteúdo programático o aluno será apto a analisar os diferentes conceitos de qualidade e produtividade, conhecer os métodos de manutenção industrial nos campos corretivo e preventivo e a sua modernização.

Refletir sobre as operações industriais e de serviços e formas para seu planejamento, organização e controle, manter equipamentos e máquinas em condições de pleno funcionamento para garantir a produção normal e a qualidade dos produtos, prevenir prováveis falhas ou quebras dos elementos das máquinas.

Capacitar o aluno para que ele conheça os diferentes tipos de materiais que podem ser utilizados na indústria de móveis, seus processos de fabricação e especifidades. Verificar a possibilidade de utilizar materiais alternativos na confecção de móveis, alternativos ao uso da madeira. Capacitar ao aluno a escolher acessórios padronizados pela indústria para que o mesmo possa escolher com critério os dispositivos a serem utilizados.

3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

Unidades Descrição H/A

UNIDADE I

Ma 1. Apresentação plano de aula. Histórico, conceitos e objetivos. Serviços de rotina e serviços periódicos. Tipos de manutenção. Planejamento, programação e controle. Organização e administração. Manutenção corretiva: modelo

relatório de avaria. Manutenção Preventiva: objetivos, desenvolvimento, execução

1

2. Manutenção preditiva: objetivos, execução, diagnóstico, análise da

tendência de falha, estudo das vibrações, análise dos óleos, análise do estado das superfícies, análise estrutural, periocidade dos controles, limites técnicos.

1

3. TPM – Planejamento, organização, administração. Evolução do conceito de manutenção, objetivos da TPM, manutenção autônoma, efeitos, CPM, PERT-CPM, diagrama CPM.

1

4. Soldagem de manutenção: diferença entre soldagem de manutenção e de produção, etapas, planejamento da execução, procedimentos, tipos e causas prováveis das falhas, influência dos elementos de liga, elemento mecânico de ferro fundido com trinca, goivagem, martelamento, reconstrução.

1

5. Noções de manutenção de hidráulica industrial: divisão da hidráulica, manutenção de circuitos hidráulicos, bombas, atuadores hidráulicos, cilindros, válvulas. Noções básicas de pneumática. Classificação dos compressores, rede de ar comprimido, atuadores pneumáticos, manutenção de válvulas de controle.

1

6. Manutenção eletroeletrônica. Máquinas eletroeletrônicas, medidas elétricas,

(4)

continuidade, blocos eletrônicos, placas de controle, placas de acionamento, motores elétricos, sensoriamento, sinalização, ações preventivas, do campo para a bancada.

7. Análise de falhas em máquinas: origem dos danos, análise dos danos e defeitos, características gerais, análise e cuidados com componentes mecânicos.

1

8. Uso de ferramentas: ferramentas de aperto e desaperto, medindo aperto de

parafusos e porcas, recomendações. 1

9. Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos: desmontagem, secagem rápida das peças, normas segurança do uso de ar comprimido, manuais e croqui, atividades pós-desmontagem.

1

10. Primeira avaliação da disciplina. 1

11. Montagem de conjuntos mecânicos: objetivo da montagem, métodos para

a realização da montagem. 1

12. Recuperação de elementos mecânicos: análise situacional, recuperação de subconjuntos com movimentos, recuperação de eixos, de eixos por

deposição metálica, de mancais, de engrenagens, roscas.

1

13. Travas e vedantes químicos: adesão por trava química, aplicação da trava química, desmontagem, vedação de superfícies planas, fixação anaeróbica, desmontagem de peças com fixação anaeróbica.

1

14. Mancais de rolamento: conceito de mancal, tipos de rolamento, aplicação, como verificar as condições, inspeção de rolamentos em máquinas,

desmontagem de rolamentos, montagem de rolamentos, falhas de rolamentos e suas causas.

1

15. Mancais de deslizamento: função, inspeção, limpeza, alinhamento,

controle da folga, vantagens e desvantagens, formas construtivas e ajustes. 1

16. Eixos e correntes: eixos, classificação, desmontagem e montagem, danos

típicos. Correntes: tipos de correntes, danos típicos, manutenção. Polias: cuidados exigidos em polias V. Correias: colocação das correias,

tensionamento, manutenção, danos típicos.

1

17. Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens: variadores, tipos. Redutores, tipos. Manutenção, defeitos mais frequentes. Sistemas de vedação: conceito, elementos de vedação, retentores, tipos, gaxetas, selo mecânico. Alinhamento geométrico e nivelamento de máquinas e equipamentos: importância, peso dos componentes, o calor, elevação,

transporte e nivelamento.

1

18. Recuperação de guias e vias deslizantes: conceito, material usado, atrito, vantagens, manutenção, recuperação, processo mecânico. Lubrificação industrial: conceito e objetivos, lubrificantes, classificação dos óleos quanto à origem, aplicação, características. Graxas: tipos, lubrificantes sólidos, aditivos, lubrificantes de mancais de rolamento, de deslizamento, de motores,

engrenagens, motorredutores. Organização, programa de lubrificação, acompanhamento e controle, armazenagem e manuseio, acessórios.

1

19. Análise de lubrificantes por meio da técnica ferrográfica: conceito de ferrografia, funcionamento, ferrografia quantitativa, ferrografia analítica, outras técnicas. Análise de vibrações: vibração mecânica, deslocamento, possibilidade de análise de vibrações, análise espectral, densidade espectral, sensores, registradores, analisadores. Aplicações da manutenção.

1

20. Segunda avaliação da disciplina 1

UNIDADE II 21. Materiais metálicos ou não metálicos. 1

22. Propriedades físicas, Propriedades químicas, ferro fundido e o aço,

(5)

23. Tipos de dobradiças e aplicações práticas. 1

24. O alumínio: corrediças, trilhos e comparação com aberturas de alumínio. 1

25. Alumínio: tubos utilizados nos móveis. 1

26. O cobre: parafusos e suas aplicações. 1

27. Pregos: nomenclatura, tipos e aplicações. 1

28. Plástico: assentos, encostos, puxadores.. 1

29. Plástico: pés diversificados para móveis. 1

30. Vidro: tipos de vidros e utilizações. Pitões e acessórios de fixação. 1

31.Terceira avaliação da disciplina. 1

32.Acrílico: chapas, cores, tipos e aplicações e vantagens.. 1

33. Fórmica: tipos, aplicações, principal utilização. 1

34. Aula prática no laboratório. 1

35. Laminados: melamina, lâmina BP, aplicações. 1

36. Aplicações, segurança, produção, tipos de chapas, usinagem das chapas, corte a laser, cuidados na limpeza e conservação, Banheiras e boxes em acrílico.

1

37. Aula prática no laboratório. 1

38. Avaliação da disciplina. 1

39. Apresentação e entrega dos trabalhos. 1

40. Apresentação e entrega dos trabalhos. 1

METODOLOGIA DE ENSINO

O método a ser aplicado consiste na solicitação de tarefas ao aluno mediante o fornecimento de instruções para sua realização. O estímulo comum para realização da tarefa, pode ser uma aula expositiva, um filme, situações reais (práticas e/ou teóricas), ensaios ou outro meio. Com base nesse estímulo, diversas questões são formuladas, dando início ao processo de aprendizagem, capacitando o aluno a identificar e resolver problemas relativos ao contexto abordado.

4.AVALIAÇÃO

4.1. Avaliação da Aprendizagem:

A avaliação do processo de ensino-aprendizagem se dará segundo o regulamento do Instituto Federal Farroupilha, que em seu art. Art. 1º A avaliação deverá ser contínua e cumulativa, assumindo, de forma integrada, no processo de ensino-aprendizagem, as funções diagnóstica, formativa e somativa, com preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos. § 2º A avaliação, enquanto elemento formativo e sendo condição integradora entre ensino aprendizagem, deverá ser ampla, contínua, gradual, dinâmica e cooperativa, em que os seus resultados serão sistematizados, analisados e divulgados ao final de cada semestre letivo e/ou final de cada elemento curricular.

4.2. Indicadores avaliativos (qualitativos):

A avaliação será diagnóstico-cumulativa, tendo como por objetivos: conhecer melhor o educando, suas competências curriculares, seu estilo de aprendizagem, seus interesses e suas técnicas de trabalho. Também deverá adequar o processo de ensino aos educandos, como grupo e individualmente, tendo em vista os objetivos propostos. Avaliar o processo de ensino-aprendizagem, incluindo a análise e reflexão sobre o sucesso alcançado em função dos objetivos previstos e revê-los de acordo com os resultados apresentados.Na composição das notas será contemplado a participação dos alunos em aula, presença efetiva, participação em seminários e trabalhos, e os instrumentos de avaliação.

(6)

4.3. Instrumentos a serem usados pelo professor (a):

Para composição da nota da disciplina, no primeiro semestre, será realizado na décima aula a primeira avaliação da disciplina, contemplando o conteúdo visto nas nove primeiras aulas, com peso 2,0. Na vigésima aula será realizada a segunda avaliação, contemplando as aulas onze até dezoito, com peso 2,0. Para composição da nota no segundo semestre, será realizada na trigésima aula a terceira avaliação referente às aulas 21 até 29, com peso 2,0. Na trigésima oitava aula será realizada a quarta avaliação referente às aulas 30 até 38, com peso 2,0. Nas duas últimas aulas serão entregues e apresentados trabalhos com peso 2,0.

4.4. Critérios:

A integralização da nota será realizada através de dois instrumentos de avaliação (provas), sendo que a participação em aula, domínio técnico e argumentação, serão consideradas na complementação das notas dos instrumentos de avaliação. A presença em sala de aula, obedecerá os critérios estabelecidos pelo MEC: 75% de frequencia para os cursos superiores na disciplina e 75% no período letivo para os cursos da educação básica.

'

5. PROJETOS INTERDISCIPLINARES A SEREM DESENVOLVIDOS COM A TURMA

A interdisciplinaridade deste conteúdo programático se dá com as disciplinas do curso que possuem atividades práticas e de laboratório. Uma vez que é mostrado para o aluno máquinas, equipamentos, ferramentas que os mesmos vivenciarão nestas disciplinas.

6. ATIVIDADES EXTRACLASSE A SEREM DESENVOLVIDAS

Não há previsão de atividades extraclasse

7. RECUPERAÇÃO PARALELA

A recuperação paralela, quando necessária, será realizada com atendimento ao(s) aluno(s) em horário diferente da aula, em horário a combinar com os mesmos. A recuperação de nota de prova escrita aplicada será através de uma nova prova em horário de aula. O atendimento ao aluno será realizado fora da sala do professor nas sextas-feiras pela manhã 8:30 até 10:00 hs, e a tarde 16:30 até 17:00 hs.

8. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS 8.1 Básicas:

SCHACKELFORD, JAMES F. Ciência dos Materiais. 6a edição. Editora Pearson. 2008.

CALLISTER, WILLIAM D. Ciência e Engenharia de Materiais: uma introdução. 5a edição. Editora LTC. Rio de Janeiro. 2000.

CHIAVERINI.V.- Aços e ferros fundidos. ABM, 1979. GUY,A.- CIÊNCIA dos materiais. USP, 1980.

8.2 De Apoio:

SOUZA, S.A.- Ensaios mecânicos de materiais metálicos. Edgar Blucher, 1974. BRESCIANI,E.F.. Seleção de Materiais. Unicamp, 1988.

MONCHY, F. A função manutenção – formação para gerencia da manutenção industrial. São Paolo:Editora Durban Ltda, 1989.

TAVARES,L,A. Excelência na manutenção- estratégias, otimização e gerenciamento. Salvador: casa da qualidade Editora Ltda, 1996.

KINGHT WENDLING CONSULTING. Auditoria de manutenção para empresa “X”. Zurich, 1996.

9. OBSERVAÇÕES

(7)

Coordenação:

______________________________ Profª Fernanda Freitas Costa de Torres

Coordenadora do Eixo Tecnológico

Professor:

______________________________ Mauro Kowalczuk/Alcimar Obalski

Docente

Coordenação Geral de Ensino

______________________________ Profª Analice Marchezan Coordenadora Geral de Ensino

Supervisão Pedagógica:

_____________________________ Daiele Zuquetto Rosa

Imagem

Referências

temas relacionados :