• Nenhum resultado encontrado

Órgão Autônomo

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2020

Share "Órgão Autônomo"

Copied!
8
0
0

Texto

(1)

Orgão Autônomo

Oswaldo Coelho dos Santos Filho

Procurador do Estado da Guanabara

I — CONCEITO

1 — 0 Poder Público tem procurado, através da criação órgãos autônom os, assegurar aos se rviço s, in s titu to s e esta- e je cim e n to s incum bidos da execução de a tividade s de pes­ quisa 0 u ensino, ou de ca rá te r in d u s tria l, com ercial ou agrícola a_utilização de recursos por eles gerados no cu s te io e m anuten- Çao das p ró p ria s atividade s.

2 — 0 D ecreto-lei n.° 200, de 2 5 /0 2 /6 7 , com a redação dada Pelo D ecreto-lei n.° 900, de 2 9 /0 9 /6 9 , dispõe no seu a rtig o 172 PUe o Poder E xecutivo poderá assegurar autonom ia a d m in istra - IVa e fin a n ce ira , nó grau conveniente, a ce rto s órgãos da adm i- n|stração centralizada.

3 — Segundo dispõe o cita d o d is p o s itiv o legal, poderão go- * ar da autonom ia os órgãos que, por suas p e cu lia rid a d e s de Organização e fu nciona m e nto, exijam tra ta m e n to d ife re n te do aPlicado à a d m in istra çã o d ire ta , observada sem pre a 'super­ visão m in is te ria l.

4 — De acordo ainda com o re fe rid o D ecreto-lei, os órgãos que o b tiv e re m essa autonom ia terão a denom inação gené- r'ca de "ó rg ã o s a u tô n o m o s" (art. 172, § 1°).

5 — Na h ipótese de concessão de autonom ia fin a n c e ira , 'ico u o Poder Executivo, á rb itro da conveniência dessa m edida, autorizado a u tiliz a r fundos e speciais de natureza c o n tá b il, á pujo c ré d ito deverão se r levados todos os recursos vin cu la d o s as ativid a d e s do órgão autônom o, sejam de origem orçam entá- ria . sejam e xtra -o rça m e n tá rio s ou p ro ve n ie n te s de re ce ita Prôpria.

(2)

ó n„ o „ i ^ ex[9®nc' a básica para a criação de órgão autônomo inríonQ . a P otencialidade para gerar recursos próprios, independentem ente dos orçam entários.

^ , ^ om ^u' cro nesse diplom a legal, o Poder E xecutivo tem gura o autonom ia a vá rio s órgãos da a d m in istra çã o direta. 8 ~7 podem os c ita r com o exem plos de órgãos autônomos os seguintes:

1 ' S ™ 0 DE ESTUDOS DE INTEGRAÇÃO DA POLÍTICA ? n l / í /SP0RTES ~ GEIPOT — (D ecreto n.° 64.312, de 0 7 /0 4 /6 9 ). Transform ado em em presa pública — Lei n.° 5.908, de 2 0 /8 /7 3 .

2. AGÊNCIA NACIONAL (D ecreto n.° 62.980, de 15/07/68 e D ecreto-lei n.° 592, de 2 3 /0 5 /6 9 ). R egim ento Interno — Portaria G C /A N /8 6 , de 2 9 /0 6 /7 3 .

3 ' S ? ? ,f?wE N A Ç Ã 0 0 0 APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR — CAPES — (D e cre to n.° 66.662, de 0 5 /0 6 /7 0 ).

4 ' n a c i o n a l DE ESTUDOS E PESQUISAS

EDÜ-9 7 /n iEDÜ-9 í!i INEP ~ (D e cre to n.° 66.957, de

t f / 0 7 / 7 0 e D ecreto n.° 71.407, de 2 2 /1 1 /7 2 ).

5 ‘ mÍ I I I Í Í J Í ? 0 0 p a t r i m ô n i o HISTÓRICO E a r t í s t i c o 2 7 /0 7 /7 0 ) ~ IPHAN ~ (D ecreto n.° 66.967, de

6 ' dpqJo?, d e t r e in a m e n t o E DESENVOLVIMENTO d o

PESSOAL DO MINISTÉRIO DA FAZENDA — CETREMFA 7o (?Qecnr^ ° n;° 68 924- de 1 5 /0 7 /7 1 , alterado pelo de 5 n / n 5 / i 5 3Í, de 2° /° 1 /7 2 ) ; D ecreto n.° 60.602, de on j ^ e9 'm ento Interno aprovado pela PT n.° GB

9, de 0 3 /0 2 /7 2 do M in is tro da Fazenda).

7 ‘ tIP n c 'Io ' o?eA j F0R ÇAS A R M A D A S — HFA — (D e c re ­ to n. 69.846, de 2 8 /1 2 /7 1 ).

8 ' í ? ? n n c D n ? í ° DESENVOLVIMENTO DE BRASÍLIA ~ (D ecreto-lei n.° 302, de 2 8 /0 2 /6 7 , e D ecreto n.° 60.722, de 1 2 /0 5 /6 7 ).

9- PROJETO RONDON (D ecreto n.° 67.505, de 0 6 /11/7 0)-10 CENESP N/?i? I0 N A L De EDUCAÇAO ESPECIAL —

ESP — (D ecreto n.° 72.425, de 3 /0 7 /7 3 ).

(3)

II

__ a u to n o m ia a d m in is t r a t iv a

9 — Há, no entanto, outros órgãos que, m algrado não te ­ nham sido co ntem plad os com a autonom ia, apresentam c o n d i­ ções para que isso aconteça. É o caso das fazendas experim en- tais do M in is té rio da A g ric u ltu ra que geram recursos, com o é fácil com preender, e, às vezes, não têm m eios de a d q u irir se­ d e n te s , enxadas e o u tro s in stru m e n ta is, porque a re ce ita te m de ser re co lh id a ao Banco do Brasil à ordem do M in is té rio da fazenda. Essas d ific u ld a d e s são conseqüências da vinculação desses órgãos à a d m in istra çã o centralizada. Ora, com a tra n s ­ form ação em órgãos autônom os e a criação do Fundo Especial, ^ca ria m elas autorizadas a u tiliz a r esses recursos na m anuten­ ção dos p ró p rio s se rviço s.

10 — A inda outras a tividade s apresentam condiçõe s para aum entar suas fo n te s de re ce ita e, via de conseqüência, lib e r­ tarem -se da necessidade de su p rim e n to por parte do Tesouro Nacional para a m anutenção dos seus se rviço s. É, e x e m p lific a ti- vamente, o caso dos m useus que, em bora já inte g re m um órgão autônom o — IPHAN — poderão te r sua re ce ita aum entada se cobrarem ingresso para a v is ita ç ã o pública, venderem re p ro ­ duções de obras de arte e prestação de se rviço s dive rso s.

11 — Os o b je tiv o s ideais da autonom ia a d m in is tra tiv a dos órgãos autônom os são os se g u in te s:

a) a d m in is tra r program as de pesquisa, de tra b a lh o de campo e o u tro s;

b) firm a r convênio ou c o n tra to com o u tro órgão da adm i­ nistração p ública ou com entidade privada;

c) e sta b e le ce r norm as sobre assuntos a serem e sp e cifica - ^°s, in c lu s iv e norm as in te rn a s sobre a d m in istra çã o g eral;

d) a d m itir pessoal, em funções regidas pela CLT, de acor­ do com ta b e la s num éricas e de re d is trib u iç õ e s ;

e) a d q u irir e a lie n a r m a te ria l e c o n tra ta r se rv iç o s de te r- ceiros;

f) m a n te r te s o u ra ria p ró p ria ;

(4)

f iL ^ i Processar dire ta m e n te m ovim ento bancário, elaborar lo g o ^- 6 pa^ arnen*0 ’ em penhar despesas e p ra tic a r atos

aná-h) c ria r grupos-tarefa, para execução de program as de trabalho

III

— AUTONOMIA FINANCEIRA

12 — A autonom ia fin a n ce ira é exercitada com a:

a) criação de fundo contábil com denom inação própria; r p n f l Ü o / ^ 0 ' 4^ d ° / undo — fo n te s : d o ta ç õ e s o rç a m e n tá ria s ;

f o r i n p m ™ o s tro s fu n d o s ; o u tro s re c u rs o s e x tra -o rç a m e n tá rio s prias j S aplicação, m ontante e tc.); rendas pró-orestarãn h 3S ? venda de produtos, cobrança de taxas e prestaçao de serviços rem unerados;

vé<? Hp ^ om Petência para g e rir o fundo, m ovim entando-o atra­ vés de duas autoridades.

IV

— LIMITES DA AUTONOMIA

e s tã o 3<?iXifrfo9U' nd° d is Põ.e 0 a r t- 172, in fin e , esses órgãos de Drnmm/o 3 suPervisao m in is te ria l, cujos o b je tiv o s são os

8 Prorr|over a execução dos program as do G overno.

autoridaHp miÜPt? VaÇ? ° - do P,ano de A p lica çã o de C apital pela tação da nrT ' re Presenta, em si, um fa to r de lim i­ tação da própria autonom ia do órgão.

d i r i g i a T i n d ^ o ^ S ó ^ e : 39068’ * SUperVÍSã° ministerial é

h a rm o ^ n iz a ^ n a T / 3S~ atividade s dos órgãos supervisio n a d o s e sua atuaçao com a dos dem ais M in is té rio s ;

P e rvislonad o^P H r 0m p0rtam ent0 a d m in is tra tiv o dos órgãos su- a d lrig e n fe s ^ c a p a c ita d o s " 00 Sentid° de qUe 6Stejam C° nfÍad° S e bens p ú b lic o s ^ & ap' icaçao e u tiliza çã o de d in h e iro s, valores

(5)

d) acom panhar os custos globais dos program as s e to ria is do G overno, a fim de alcançar uma prestação econôm ica de serviços:

e) fo rn e c e r aos órgãos pró p rio s os e lem entos n e cessários à prestação de contas do exe rcício fin a n ce iro .

V

— ÓRGÃOS AUTÔNOMOS SEM AUTONOMIA

16 — C om pulsando a Lei n.° 5.847, de 6 de dezem bro de 1972, que e stim o u a re ce ita e fixo u a despesa da União para 0 e xe rcício fin a n c e iro de 1973, v e rific a m o s constarem com o

Unidade O rç a m e n tá ria " os seguinte s órgãos:

— A gência Nacional (P residência da República):

— H ospital das Forças A rm adas (P residência da R epública); — G rupo de Estudos para a Integração da P olítica de Trans­

p o rte s (GEIPOT) — M in is té rio dos T ransportes;

— Coordenação do D esenvolvim en to de B rasília (M in is té ­ rio do Planejam ento e Coordenação G eral).

17 — Não o bstante a e x istê n cia de d e cre to s p re s id e n c ia is concedendo-lhes autonom ia fin a n ce ira , perm aneceram ignorados como unidade orça m e n tá ria o IPHAN, o INEP, a CAPES, na área ^o M in is té rio de Educação e C ultura, o CETREMFA, no M in is té rio da Fazenda, e o Projeto Rondon, no M in is té rio do In te rio r.

18 — É uma d is to rç ã o de execução que precisa se r repara­ da, sob pena de d e svirtu a m e n to da fin a lid a d e con tid a nos d e cre ­ tos de concessão da autonom ia e, conseqü entem ente, fru s tra r- se, nesse p a rtic u la r, nos órgãos em tal situação, os o b je tiv o s da Reform a A d m in is tra tiv a .

19 — Todos sabem os quão m orosa é a m áquina b u ro c rá tic a Para proceder à concessão de c ré d ito s suplem enta res ou a sim - Pies tra n sfo rm a çã o de dotações de uma ru b rica para o u tra que, em alguns casos, levam m eses, prejudican do o d e se n vo lvim e n to de pesquisas im portantes ou, no caso da CAPES do MEC, d e i­ ta n d o em d ific u ld a d e s os b o ls is ta s no e stra n g e iro .

20 — Com a in s titu iç ã o do Fundo Especial, ao qual serão Ovados todos os recursos o rça m e n tá rio s, e xtra -o rça m e n tá rio s e re ce ita s pró p ria s, e a aprovação pela autoridad e m in is te ria l com petente do Plano de A p lica çã o de C ap ita l, o órgão dotado

(6)

de autonomia fin a n ce ira poderá bem desem penhar a sua m issão sem se preocupar, com o acontece com os dem ais da adm inistra- çao direta, desprovidos de tal autonom ia.

É sabido que a cla ssifica çã o por e lem entos, inalterável, torna d ifíc il em m uitos casos a fie l execução orçam entária, isto e, se levarm os em consideração que a e s tim a tiv a é fe ita com a antecedência de um ano.

VI —

UNIDADE ORÇAMENTARIA

. Se se q u ise r o b te r do aparelham ento a d m in is tra tiv o m aior aproveitam ento, há que se dotá-lo de m eios fle x ív e is ou, em outras palavras, livrá-lo da b ito la em perrada que deve deixar de ser a adm inistração in te ira m e n te centralizado ra.

^ A creditam os, portanto, que o problem a, no caso, possa er contornado com a criação da

unidade orçamentária

por oca- lao da elaboração da proposta da Lei de M eios para o fu tu ro iterrM G 10 COm° Pro v 'denciado para os órgãos re fe rid o s no

. ^ ^ urgente, portanto, que as autoridades responsáveis L assunt? pon^ am f ' m a essa anom alia, dotando ta is órgãos mos desse in stru m e n to necessário ao seu funcionam

ento-VII —

FUNDO ESPECIAL

Hr> 0 iss0, 0 órgão autônom o p roporia o orçam ento aup i? ,0 *Ür.a^ ° Pró Prio ' de fo rm a global, is to é, de modo dn com 61 ^ .eios_ cor|ste um v a lo r m ínim o d estinad o ao Fun- G eral n f SP^ Cifica çã o de rubrfcas, e o su b m e te ria à S ecretaria- M in is té rio ^ mc na Pro P °sta O rçam entária do respectivo

V II

PLANO DE APLICAÇÃO E CONTROLE MINISTERIAL

s u b m e te ria ^ n T0 ,D iário O fic ia l” a Lei de M e io s, o órgão qual pautaria s e ú s g a s to s . EStad° Um Pla" ° d6 A p lic a ç ã o ’ P recur2S6o 7 ? P Kl Í ! Í S3érÍO’ através da S ecretaria-G eral, lib e ra ria os rado pela rd ° com o cronogram a de d esem bolso

elabooriaGeral de Finanças e aprovado pelo M in istro

(7)

27 — É escusado dizer que as contas do órgão autônom o, no fin a l do exe rcício , deverão e sta r de acordo com o Plano de A plicação elaborado.

28 — Para atende r às despesas e ssenciais como, por exem- Plo, bolsas-de-estudo, o Plano de A plicação deverá c o n te r pre­ visão de uma Reserva para aplicação no início do e xe rcício se- Quinte, evitando-se, desse modo, solução de contin u id a d e na atuação do órgão.

29 — No curso do e xercício, de dois em dois, ou de trê s ern trê s m eses, haveria prestações parciais de contas, com a indicação precisa da aplicação de recursos, sem prejuízo da aPresentação fin a l, nos m oldes e prazos esta b e le cid o s pela lr|spetoria-G eral de Finanças.

3 0 — De posse desses elem entos, a Inspetoria-G eral de fin a n ça s te ria condiçõe s de analisar a prestação de contas, apro- Vando-a para o encam inham ento ao Tribunal de Contas da União, ° u propondo, se fo sse o caso, a aplicação das sanções cabíveis.

31 — A supervisão m in is te ria l, desse m odo, estará pre se n te todos esses atos, dando-se pleno cu m p rim e n to às e xigência s e9ais, sem prejuízo de se o b te r da autonom ização do órgão o M áximo de re su lta d o s p ráticos.

(8)

,

.

Referências

Documentos relacionados

Análise dos caminhos recebidos de roteadores externos Seleção do caminho mais apropriado para cada destino Anúncio do caminho aos vizinhos.. Análise do

Para participar, basta realizar compras no valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais) nas lojas e quiosques participantes do Shopping, relacionados no Anexo deste Regulamento,

8 Graduação, Economia, Núcleo Incubadora Unitrabalho, Universidade Estadual de Maringá-UEM 9 Engenheiro Agrônomo, Programa de Mestrado em Agronomia, Universidade Estadual de

Os candidatos regularmente inscritos que, por motivo de confissão religiosa, comprovada, não desempenhem atividades no sábado, deverão comparecer ao local

Podemos criar o seguinte passo a passo para nunca mais errar questões dessa natureza. Eis a seguir uma série de perguntinhas que você deve fazer para checar quantas letras e

DOWNTOWN ORLANDO Atlantic Ocean &amp; Beaches 90 min ORLANDO INTERNATIONAL AIRPORT 20 min to Tampa &amp; Gulf Beaches I-4 West Disney 5 min DOWNTOWN DISNEY MARKETPLACE

Neste sentido, entende-se que a estratégia de desinvestimento deva ser elaborada e apresentada ao Comitê de Investimentos do Fundo no curtíssimo prazo (até outubro de

Politicamente, João Cutileiro sempre se opôs ao Estado Novo, tendo integrado o Movimento de Unidade Democrática (MUD), com uma passagem, ainda que breve, Pelo