A vida só pode ser compreendida, olhando-se para trás; mas só pode ser vivida, olhando-se para frente.

Texto

(1)

RAI - Livro 1

(2)

A vida só pode ser

compreendida, olhando-se para trás; mas só

pode ser vivida,

olhando-se para

frente.

(3)

06 36

08 16 14 46 92 55

APRESENTAÇÃO RESULTADOS

PREVIDENCIÁRIOS

Atuariais; Plano de Benefícios

GESTÃO E GOVERNANÇA

Missão; Valores; Visão; Objetivos Estratégicos INVESTIMENTOS

Política de Investimentos; Plano de Trabalho de Investimentos; Resultados e Indicadores; Anexo

MENSAGEM

Diretoria Executiva; Conselho Deliberativo; Conselho Fiscal

SEGURIDADE

Quantidade de Participantes;

Benefícios; Resgates e Portabilidades;

Relacionamento

COMUNICAÇÃO, MARKETING E GESTÃO DE PESSOAS

Principais Eventos Internos e Externos

RECEITAS E DESPESAS

ADMINISTRATIVAS

(4)

A Fundação de Previdência Complementar do

Servidor Público Federal do Poder

Judiciário – Funpresp-Jud foi criada com a finalidade de administrar e executar planos de benefícios

de caráter previdenciário para os membros e os servidores

públicos titulares de cargo efetivo do Poder Judiciário da União, do Ministério Público da União e do Conselho Nacional do Ministério Público.

A Funpresp-Jud é uma entidade fechada, sem fins lucrativos e com autonomia administrativa, financeira e gerencial, nos termos da Lei 12.618/2012,

e possui

uma estrutura organizacional composta pelo Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal e Diretoria-Executiva.

O regime de previdência complementar é facultativo e visa assegurar a consti -

tuição de reservas que garantam o benefício contratado, conforme art.

202 da

Constituição Federal de 1988.

A partir da aprovação do Plano de Benefícios da Funpresp-Jud, em 14/10/2013, os membros e servidores titulares de

cargos efetivos que ingressarem no serviço

público federal do

Poder Judiciário, do

Ministério Público da União

e do Conselho

Nacional do Ministério Público

terão suas aposentadorias limitadas ao teto do RGPS e poderão participar de

um Plano de Benefícios complementar para obter renda superior a esse valor. Para tanto, a União, na qualidade

de patrocinadora,

contribuirá paritariamente até o

limite de 8,5% sobre a parcela da remuneração

que ultrapassar o teto do RGPS.

Em conformidade

com a Resolução

CNPC 32/2019, a Funpresp-Jud apresenta o

APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO

(5)

DIRETORIA EXECUTIVA DIRETORIA

EXECUTIVA

Findo mais um ano atípico devido à

pandemia imposta ao mundo, concluímos

que a Fundação se reinventou

e demonstrou capacidade de enfrentar os desafios.

Dentre as diversas iniciativas realizadas, destacamos a Política de Relacionamento, o Regulamento dos Perfis de Investimentos,

a Política de Prevenção à Lavagem de

Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo, a nova Política de Alçadas Decisórias e a Política de Investimentos 2022-2026.

Promovemos o II Concurso Público, lançamos um novo Portal do Participante e um novo site, alinhados às atuais soluções tecnológicas.

Realizamos o 4º pleito

eleitoral para os Conselhos

Deliberativo e Fiscal e os novos

membros tomaram posse para um mandato de 4 anos. A Diretoria Executiva foi reconduzida para um mandato de 3 anos.

Recebemos o Selo de

Engajamento Abrapp 2021, com 94 pontos, de um total de

100, o que assegurou a 5ª posição no ranking das entidades de médio porte e a 26º no ranking geral.

Devido ao cenário econômico adverso, com a mudança radical dos rumos das taxas de juros e a queda nos preços dos ativos de Renda Fixa, de Renda Variável

e Imobiliários, a Carteira de

Investimentos do Plano de Benefícios obteve retorno

positivo de 3,42% em termos n

ominais e negativo em 6

,04% em termos reais,

abaixo da meta para o ano (14,61% em termos nominais e 4,13% em termos reais).

Em relação à meta de

participantes patrocinados, superamos e fechamos o ano

com 22.082 inscritos, um acréscimo de 12,95%.

Nos próximos anos, ainda que as adversidades

nos imponham novas demandas,

a oportunidade de expandir nossas rotas, a partir do novo Planejamento re com o propósito de proporcionar o melhor benefício

(6)

2021 foi cheio de intercorrências externas e desafios. Agravamento da pandemia, com reflexos no mercado financeiro; necessidade de atendimento das restrições sanitárias; e outros. Desafios que impuseram aos Conselhos e gestores da Fun- dação a busca pelo aprimoramento da boa governança em prol dos participantes

e colaboradores da Funpresp-Jud.

Muito se fez em 2021. O Regimento Interno, o Regulamento de Gestão de Pessoas e o Regulamento Eleitoral da Fundação foram atualizados. Findo o processo eleitoral de 2021, os candidatos eleitos, previamente habilitados pela PREVIC, foram desig- nados pelo Presidente do STF e empossados pelo Conselho Deliberativo no mês de

agosto. Considerando a atuação individual e coletiva dos integrantes da Diretoria Executiva, este Conselho também os reconduziu um novo mandato de três anos.

Alinhado às melhores práticas, este Conselho aprovou o Plano Gerencial de Inves- timentos 2021, a Política de Relacionamento e a Política de Prevenção à Lavagem

de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo.

Pelo terceiro ano consecutivo o Conselho Deliberativo aprovou a redução da taxa de carregamento do plano de benefícios, de 5% para 4,5%, desde abril de 2021,

o que resultou em mais recursos nas contas dos participantes.

Graças ao trabalho conjunto dos órgãos de governança, da equipe de colaboradores e dos patrocinadores, a Funpresp-Jud superou a meta de adesões prevista e encerrou 2021 com mais de 22 mil participantes patrocinados, o que demonstra a confiança dos membros e servidores na administração dos seus recursos pela Funpresp-Jud.

Tudo isso, nos leva a renovar a certeza de que todos estamos imbuídos no objetivo comum de servir à Funpresp-Jud e aos nossos participantes, cada um conhecendo e muito bem desempenhando nossas atribuições, otimizando recursos humanos

e financeiros para que possamos apresentar excelentes resultados ao final de

CONSELHO

DELIBERATIVO CONSELHO

DELIBERATIVO

(7)

CONSELHO FISCAL CONSELHO

FISCAL

O ano de 2021 começou com a expectativa de recuperação econômica em face da desaceleração decorrente da pandemia Covid-19

iniciada em 2020. No entanto,

especialmente para o segmento das entidades de previdência complementar, o ano mostrou-se desafiador ante à continuidade dos efeitos da pandemia, a isso

somado um ambiente turbulento para os investimentos.

O Conselho Fiscal, estatutariamente o órgão de fiscalização e controle interno da Fundação, adaptado à situação, realizou suas sessões deliberativas em ambiente virtual, sem qualquer prejuízo ao exercício de suas competências, emitindo rela-

tórios de controles internos relativos a 2020

e ao primeiro semestre de 2021, nos

quais foi verificada, entre outros, a aderência dos recursos garantidores do Plano de Benefícios à política de investimentos, a aderência das premissas e hipóteses

atuariais e os resultados do plano e da execução orçamentária.

Na observância das obrigações legais, destaca-se a edição de

resolução discipli-

nando a prestação de informações sobre o fundo administrativo, previsão contida na Resolução CNPC n. 43/2021.

Convém, por dever, recordar que o trabalho deste Colegiado se faz em conjunto com os demais órgãos estatutários e colaboradores da Fundação, na busca da melhor governança que se traduz, ao fim e ao cabo, em angariar a confiança de nossos participantes no sentido de que suas reservas financeiras são objeto

da melhor gestão possível, de forma a lhes garantir, no futuro, o pagamento de benefícios dignos.

(8)

Proporcionar ao participante e ao assistido

o melhor benefício previdenciário

Ética Transparência

Excelência Responsabilidade Ser reconhecida

pela excelência em administração de planos de

benefícios previdenciários até 2025

MISSÃO VISÃO VALORES

PARTES INTERESSADAS

Atrair e reter participantes.

Aperfeiçoar a comunicação interna e externa.

FINANCEIRA

Otimizar as rentabilidades dos recursos geridos, observando níveis prudentes de risco.

PROCESSOS INTERNOS

Ter prática de gestão eficiente, transparente e com foco em resultado.

Prover soluções de tecnologia e informação.

APRENDIZADO E CRESCIMENTO

Atrair e reter talentos.

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

GESTÃO E

GOVERNANÇA GESTÃO E

GOVERNANÇA

(9)

COMUNICAÇÃO, MARKETING &

GESTÃO DE PESSOAS

COMUNICAÇÃO, MARKETING &

GESTÃO DE

PESSOAS

A Funpresp-Jud pr

omoveu im portan- tes eventos

e palestras

com intuito de prestar

informações

de forma fluida, coerente

e eficaz

aos participantes e patrocinadores, bem como aos demais membros e servidores

do Poder Judici - ário da União,

do Ministério Público

da União

(MPU)

e do Conselho

Nacional do Ministério

Público

(CNMP).

Os eventos tiveram por objetivo também

fortalecer a Política de Gestão de Pessoas da Fun

- dação, aprimorando as

competências técnicas d

a força d e trab

alho q ue faz a Funpresp-Ju

d acontecer. Neste capí

- tulo destacamos as principais ações de comunicação desenvolvidas em 2021.

(10)

PRINCIPAIS EVENTOS

INTERNOS E EXTERNOS PRINCIPAIS EVENTOS INTERNOS E EXTERNOS

Março

1º CONEXÃO

FUNPRESP-JUD DE 2021

A primeira edição do Conexão Funpresp-Jud deste ano foi realizada no dia 4, pelo Google Meet, e reuniu cerca de 150 convidados, dentre empregados, Diretores, Conselheiros,

Facilitadores e Representantes Funpresp-Jud de 34 órgãos patrocinadores. O objetivo foi apresentar previamente o novo Portal do Participantes aos Representantes Funpresp-Jud e aos Facilitadores, de modo a abrir espaço para esclarecer dúvidas e apresentar críticas.

O lançamento do novo Portal do Participante, disponível no site da Fundação em ambiente restrito por senha, ocorreu no dia 8.

Fevereiro

FUNPRESP-JUD REALIZA O PRIMEIRO CURSO IN COMPANY DE 2021

A Funpresp-Jud promoveu o primeiro curso in company e online:

“Conduta, Ética e Integridade no contexto das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC)”, em parceria com a UniAbrapp, no dia 12, destinado a todos os empregados e Conselheiros e vinculado ao Objetivo Estratégico 4: “Ter práticas de gestão eficiente, transparente e com foco em resultado”.

(11)

Maio FUNPRESP-JUD REALIZA LIVE SOBRE PLANEJAMENTO PREVIDENCIÁRIO DAS MULHERES SERVIDORAS PÚBLICAS

A Funpresp-Jud realizou live sobre “Planejamento Previdenciário das Mulheres Servidoras Públicas”, no dia 25, com transmissão pelo YouTube. O assunto foi abordado pela advogada Thaís Maria Riedel de Resende Zuba, presidente da Associação Confederativa Brasileira da Advocacia Previdenciária (ACBRAP) e do Instituto Brasiliense de Direito Previdenciário (IBDPREV).

O evento foi aberto ao público em geral, com foco nas servidoras e membros federais titulares de cargo efetivo do Poder Judiciário da União, do Ministério Público da União e do Conselho Nacional do Ministério Público.

CHAPA 2 VENCE AS ELEIÇÕES PARA CONSELHOS NA FUNPRESP-JUD

A Chapa 2, “InovAção”, venceu as Eleições Funpresp-Jud 2021. A votação terminou no dia 30 e elegeu um representante para o Conselho Deliberativo e um para o Conselho Fiscal, com seus respectivos suplentes. O mandato será de quatro anos.

Para o Conselho Deliberativo, foram eleitos Celso de Oliveira e Sousa Neto (membro titular), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, e Gustavo Sanches (membro suplente), do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Para o Conselho Fiscal, Rodrigo Mendes Cerqueira (membro titular), do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, e Jailton Mangueira Assis (membro suplente), do Tribunal de Justiça do Distrito

Abril

DIA MUNDIAL DA SAÚDE:

FUNPRESP-JUD PROMOVE LIVE SOBRE SAÚDE MENTAL E MINDFULNESS

Em homenagem ao Dia Mundial da Saúde, celebrado em 7 de abril, a Funpresp-Jud realizou live para os seus empregados sobre “Saúde Mental em Tempos de Pandemia e exercícios de mindfulness”. O evento online foi conduzido pela Cristina Nicoli, Psicóloga e instrutora de Mindfulness pelo Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP.

(12)

Junho

2º CONEXÃO FUNPRESP-JUD 2021 DESTACA PLANEJAMENTO PREVIDENCIÁRIO E ESTRATÉGIA DE ADESÃO

A segunda edição deste ano do Conexão Funpresp-Jud foi realizada no dia 10, via Google Meet, para Representantes Funpresp-Jud e facilitadores, servidores das áreas de gestão de pessoas, cadastro e de pagamento dos patrocinadores.

O encontro virtual contou com a presença de 42 convidados de todo o país.

Julho

FUNPRESP-JUD REALIZA FESTA JULINA VIRTUAL

Pelo segundo ano consecutivo, a festa julina da Funpresp-Jud teve edição virtual. A equipe se reuniu através do Google Meet no dia 2. Sérgio Cabral, Gerente de Contabilidade, conduziu

brincadeiras como adivinhação de fotos de colegas e leitura de trava-línguas, que valeram prêmios patrocinados pelos diretores. Os melhores looks julinos foram escolhidos através de votação e também ganharam prêmios.

(13)

FUNPRESP-JUD LANÇA NO YOUTUBE SÉRIE “VERDADES E MENTIRAS SOBRE A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR”

A Funpresp-Jud lançou em seu canal no YouTube a série

“Verdades e Mentiras sobre a Previdência Complementar”.

Através de vídeos curtos, produzidos pela equipe da Gerência de Comunicação e Marketing da Fundação, a proposta é esclarecer importantes questões sobre as quais são criados mitos.

VOLUNTÁRIOS DA FUNPRESP-JUD LANÇAM PROJETO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PREVIDENCIÁRIA

Foi realizada no dia 27, pelo Google ClassRoom, primeira aula do projeto de educação financeira e previdenciária criado pelo grupo de voluntários da Funpresp-Jud, para alunos do 6º ano do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 102 Norte, em Brasília.

O objetivo do projeto é contribuir com a formação em educação financeira e previdenciária de jovens da escola pública, para que o conhecimento faça a diferença na conquista de um futuro economicamente seguro e promissor.

Agosto

CONEXÃO FUNPRESP-JUD TEVE NOVAS EDIÇÕES EM AGOSTO

O Conexão Funpresp-Jud, evento online realizado pela Fundação ao longo do ano com o objetivo de compartilhar informações com Representantes Funpresp-Jud, Associações e Sindicatos, contou com duas edições no mês de agosto, através do Google Meet.

A primeira, no dia 23, para Associações e Sindicatos dos membros e servidores do Poder Judiciário da União e do Ministério Público da União (MPU). O evento reuniu representantes da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), da Associação Nacional dos Procuradores e das Procuradoras do Trabalho (ANPT), da Associação Nacional dos Agentes de Segurança Institucional do MPU e CNMP (AGEMPU) e do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal no Estado do Sergipe (Sindjuf/SE).

A segunda edição do mês foi realizada no dia 24, para Representantes Funpresp-Jud da Região Nordeste do País.

(14)

SEMANA DA BOA AÇÃO

Voluntários da Funpresp-Jud, acompanhados pelo Diretor- Presidente, Amarildo Vieira de Oliveira, foram pessoalmente ao Centro de Ensino Fundamental (CEF) 102 Norte, em Brasília, entregar as cestas básicas compradas com recursos dos empregados da Fundação para 32 famílias de alunos que tiveram a renda comprometida pela pandemia e que estão em situação de vulnerabilidade social. A iniciativa faz parte da Semana da Boa Ação, realizada anualmente, desde 2018, em alusão ao Dia Nacional do Voluntariado, celebrado em 28 de agosto.

DIRETORES EXECUTIVOS E CONSELHEIROS SÃO EMPOSSADOS NA FUNPRESP-JUD

No dia 27, foi realizada sessão extraordinária do Conselho Deliberativo para empossar os membros da Diretoria Executiva e os Conselheiros eleitos pelos participantes para os Conselhos Deliberativo e Fiscal.

Tomaram posse Celso de Oliveira e Sousa Neto, membro titular, e Gustavo Sanches, membro suplente, no Conselho Deliberativo, e Rodrigo Mendes Cerqueira, membro titular e presidente substituto, e Jailton Mangueira Assis, membro suplente, no Conselho Fiscal. O mandato dos Conselheiros será de quatro anos, a contar da data da posse.

Tomaram posse os membros da Diretoria Executiva, que foram reconduzidos para mais um mandato de três anos, nos termos do § 3º do art. 48 do Estatuto Social. Foram empossados Amarildo Vieira de Oliveira, Diretor-Presidente; Marco Antônio Martins Garcia, Diretor de Administração; Ronnie Gonzaga Tavares, Diretor de Investimentos; e Edmilson Enedino das Chagas, Diretor da Seguridade.

(15)

Setembro

CONSELHO DELIBERATIVO DA

FUNPRESP-JUD TEM NOVO PRESIDENTE

O conselheiro Cícero Rodrigues de Oliveira Gomes assumiu a função de Presidente do Colegiado, no dia 8, durante reunião do Conselho Deliberativo, conforme designação do Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministro Luiz Fux, através da Portaria nº 222, de 1º de setembro de 2021.

ROBERTA ROSSI FALA SOBRE VOLUNTARIADO PARA EQUIPE DA FUNPRESP-JUD

No dia 10, os empregados da Funpresp-Jud assistiram a palestra online “Voluntariado: uma ferramenta de transformação”, ministrada pela especialista Roberta Rossi. A atividade fez parte dos treinamentos promovidos pela Gerência de Gestão de Pessoas (Gepes), que

atendem aos objetivos previstos no Planejamento Estratégico, como atrair e reter talentos.

FUNPRESP-JUD PUBLICA EDITAL DO CONCURSO PÚBLICO COM 10 VAGAS

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU), o extrato do edital para o preenchimento de 10 vagas e formação de cadastro reserva do quadro de pessoal da Funpresp-Jud.

O edital prevê três vagas para a carreira de Analista de Investimentos, uma vaga para Analista de Conformidade, duas vagas para Analista de Tecnologia e Informação, sendo uma para área de atuação em Infraestrutura de Tecnologia e outra para a área de Desenvolvimento de Sistemas, com remuneração inicial de R$ 8.204,82, e outras quatro vagas, sendo duas para Analistas de Seguridade, uma para Analista de Gestão de Pessoas e uma para Analista de Administração e Finanças, com remuneração inicial de R$ 6.558,63, todas com exigência de nível superior.

(16)

PALESTRA DESTACA VACINAÇÃO

COMO MEDIDA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DA PANDEMIA

A Funpresp-Jud realizou palestra online para a sua equipe sobre a vacinação da Covid-19 como medida de prevenção e controle da pandemia. O tema foi abordado e debatido pelos convidados Cláudio Maierovitch, coordenador do Núcleo de Epidemiologia e Vigilância em Saúde da Fiocruz Brasília e ex-Presidente da Anvisa, e José Paranaguá, coordenador do Núcleo de Estudos sobre Bioética e Diplomacia da Fiocruz Brasília.

Outubro

FUNPRESP-JUD LANÇA NOVO SITE

Com leiaute mais moderno, de acordo com a tendência atual, o novo site da Funpresp-Jud ganhou novos menus e funções para facilitar o acesso às informações e serviços.

O novo site permite o acesso mais simples e rápido a importantes informações para o participante, como adesão à Fundação, contratação da Cobertura Adicional de Risco (CAR), rendas pagas pelo plano JusMP-Prev, curso EAD, dentre outras. Também destaca os investimentos realizados pela Fundação e incentiva a realização de simulações de renda para a aposentadoria.

(17)

FUNPRESP-JUD DIVULGA NOVA POLÍTICA DE ALÇADAS DECISÓRIAS

O Conselho Deliberativo da Funpresp-Jud aprovou a nova Política de Alçadas Decisórias.

A Política de Alçadas Decisórias tem o objetivo de estabelecer responsabilidades, critérios e limites relacionados à tomada de decisão, especialmente, as que envolvam recursos orçamentários e financeiros.

Ela considera como alçada o limite das competências e atribuições para realização de atos administrativos decisórios, não apenas relacionados a transações monetárias.

VOLUNTÁRIOS DA FUNPRESP-JUD CELEBRAM DIA DAS CRIANÇAS COM ALUNOS DO CEF 102 NORTE

Em homenagem ao Dia das Crianças, voluntários da Funpresp-Jud realizaram uma ação especial para alunos do Centro de Ensino Fundamental (CEF) da 102 Norte, em Brasília, no dia 14 de outubro. A escola é parceira do projeto piloto de educação financeira e previdenciária

“Construindo o Futuro”, realizado pelos voluntários para alunos do 6º ano.

Durante a ação, foram entregues “dindins”, doados por um voluntário para todos os alunos, professores e servidores do turno da tarde. Os jovens do 6º ano também receberam um kit com materiais de educação financeira e previdenciária produzidos pela Funpresp-Jud, como cofrinhos e revistas em quadrinhos da Turma da Judi.

(18)

Dezembro

PALESTRA COM DANIEL RAMIREZ MARCA FIM DE ANO NA FUNPRESP-JUD

Pelo segundo ano consecutivo, a confraternização da equipe da Funpresp-Jud foi realizada virtualmente. A palestra “Manifesto Humanista”, com Daniel Ramirez, trouxe muitas reflexões para todos, juntamente com a mensagem sobre o desafio da ressignificação num momento pós-pandemia. Todos os diretores da Fundação também aproveitaram a ocasião para agradecer a equipe, falar sobre resultados e desafios.

Novembro

FUNPRESP-JUD RECEBE SELO DE ENGAJAMENTO ABRAPP 2021

A Funpresp-Jud recebeu o Selo de Engajamento Abrapp 2021, que tem como objetivo incentivar o maior comprometimento dos colaboradores e equipes para enfrentar os desafios impostos pelo cenário atual de mudanças aceleradas. Com alegria e motivação, a Fundação obteve a pontuação 94, de um total de 100 pontos, o que assegurou a 5ª posição no ranking das entidades de médio porte e a 26º no ranking geral.

Participaram da pesquisa 91% dos empregados.

FUNPRESP-JUD FAZ LIVE SOBRE PERFIS DE INVESTIMENTOS COM MEDIAÇÃO DA PATRÍCIA LAGES

Na quinta-feira 18, a Funpresp-Jud realizou live em seu canal no YouTube sobre Perfis de Investimentos. A novidade será implementada em 2022 e, por isso, foi tema de debate mediado pela especialista em Finanças Patrícia Lages, com a participação do Diretor- Presidente da Fundação, Amarildo Vieira de Oliveira, e do Diretor de

(19)

RESULTADOS

PREVIDENCIÁRIOS RESULTADOS

PREVIDENCIÁRIOS

(20)

EVOLUÇÃO DO CUSTEIO

O Plano JusMP-Prev possui somente um grupo de custeio, sendo seus benefícios estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD) e seu custo calculado atuarialmente apenas em relação aos aportes destinados ao FCBE, o qual cor- responde a um percentual da contribuição normal vertida pelos Participantes Patrocinados e Patrocinadores.

A contribuição normal média total, apurada considerando as contribuições dos participantes e a paridade do patrocinador, com as informações cadastrais em 31/12/2021, foi de 15,93%, da folha da remuneração de participação, já descontado da taxa de carregamento.

Comparativamente à Avaliação Atuarial de 2020, em que a contribuição normal média total foi mensurada em 15,85%, houve um aumento na referida contribuição, motivado pela diminuição da taxa de carregamento, que fez com que a parcela destinada ao saldo de conta fosse maior, pois se avaliarmos, não ocorreram al- terações significativas na massa de participantes.

O percentual destinado à formação do FCBE, na avaliação atuarial de 2021, foi de 13,44%. Desta forma, descontada a taxa de carregamento de 4,50% e o FCBE de 13,44%, o percentual destinado à conta de Reserva Acumulada Normal (RAN) é de 82,06%.

O Plano de Custeio proposto deverá ser aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação antes de sua aplicação, conforme normas vigentes.

Cabe esclarecer que os custos do FCBE são influenciados por fatores demográfi- cos, biométricos, econômicos e financeiro, configurando variáveis diversas e de reduzido controle do atuário ou da Entidade.

VARIAÇÃO DAS PROVISÕES MATEMÁTICAS

A variação das Provisões Matemáticas entre a Avaliação Atuarial de 2020 e a Avalia- ção Atuarial de 2021 decorre, principalmente, dos valores vertidos de contribuição dos participantes, dos patrocinadores, dos valores portados e da rentabilidade dos investimentos, que ainda superam o movimento de saídas decorrentes dos processos de resgates, portabilidades e devoluções.

As Provisões Matemáticas de Benefícios Concedidos (PMBC), registradas no balanço de 31/12/2021, estão subdivididas em duas contas, uma estruturada na modalidade de contribuição definida, que se referem aos saldos individuais dos assistidos em gozo de benefício de prestação continuada, no montante de R$ 553.030,55, e a outra par- cela a conta coletiva, que se refere ao FCBE dos assistidos em percepção do benefício mínimo após o esgotamento do saldo individual, no montante de R$ 1.187.261,68.

As Provisões Matemáticas de Benefícios a Conceder (PMBaC), registradas no balanço de 31/12/2021, estão subdivididas em duas contas, uma estruturada na modalidade de contribuição definida, que se referem aos saldos individuais dos participantes e patrocinadores, no montante de R$ 1.430.157.886,87, e a outra parcela a conta coletiva, que se refere ao FCBE, no montante de R$ 250.284.709,52.

Encontram-se na tabela a seguir os montantes de cada uma das contas, em reais, comparativamente com o exercício de 2020:

ATUARIAIS ATUARIAIS

(21)

CONTAS Patrimônio de Cobertura Provisões Matemáticas

Benefícios Concedidos Saldo de Conta Assistido Benefício Definido (FCBE) Benefícios a Conceder

Saldo de Conta Patrocinadores Saldo de Conta Participantes Benefício Definido (FCBE) Fundos Previdenciais

AVALIAÇÃO ATUARIAL DE 2020 (I) 1.221.610.340,98 1.221.610.340,98 243.092,30 91.928,20 151.164,10 1.221.367.248,68 492.729.398,07 560.843.305,71 167.794.544,90 0,00

AVALIAÇÃO ATUARIAL DE 2021 (II)

1.682.182.888,62 1.682.182.888,62 1.740.292,23 553.030,55 1.187.261,68 1.680.442.596,39 672.360.300,51 757.797.586,36 250.284.709,52 0,00

VARIAÇÃO [(II)/(I)]-1

37,7%

37,7%

615,9%

501,6%

685,4%

37,6%

36,5%

35,1%

49,2%

-

O Patrimônio Social possui o montante de R$ 1.684.469.047,79, formado pelo Pa- trimônio de Cobertura e o Fundo Administrativo no montante de R$ 2.286.159,17.

Importante destacar que a Funpresp-Jud iniciou, em novembro de 2019, a devo- lução de recursos à União, referente ao aporte de R$ 26,2 milhões recebidos para o início das atividades em 2013. A devolução atende às disposições dos termos de compromisso assinados entre a entidade e os patrocinadores.

PRINCIPAIS RISCOS ATUARIAIS

O Plano JusMP-Prev está estruturado na modalidade de contribuição definida para os benefícios programados e de risco. As hipóteses atuariais não são utilizadas para apuração das obrigações junto aos participantes, mas sim para o cálculo das rendas, por equivalência financeira.

As rendas pagas pelo Plano JusMP-Prev têm seu valor permanentemente ajustados ao saldo de conta mantido em nome do participante, considerando o resultado

é atrelado ao índice do Plano.

Os recursos alocados no FCBE têm natureza coletiva e visam dar garantia aos benefícios de risco e para a apuração do custeio necessário. Sendo assim, o FCBE é a única parcela que pode trazer desiquilíbrios atuariais, caso as hipóteses biométricas, demográficas, financeiras e econômicas não se confirmem no longo prazo. Por essa razão, anualmente é realizada a reavaliação do custeio necessário.

As premissas e as hipóteses adotadas na Avaliação Atuarial, descritas na tabela a seguir, foram formuladas com base no estudo técnico onde foram avaliadas sua aderência no longo prazo, com a indicação do atuário, a aprovação da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo e a manifestação do Conselho Fiscal.

PREMISSAS Tábua de Mortalidade Geral Tábua de Mortalidade de Inválidos Tábua de Entrada em Invalidez Rotatividade

Crescimento Salarial Composição familiar

Taxa de Juros Fator de Capacidade

AVALIAÇÃO ATUARIAL DE 2020 RP-2000 Geracional M&F AT-83 Male

Álvaro Vindas 0,00% a.a.

0,00% a.a.

- Família Real para os Assistidos.

- Família Padrão para os Ativos (90% de casados e cônjuge feminino 3 anos mais jovem.

4,15% a.a.

98,55%

AVALIAÇÃO ATUARIAL DE 2021 RP-2000 Geracional M&F AT-83 Male

Álvaro Vindas (D20%) 0,00% a.a.

0,00% a.a.

- Família Real para os Assistidos.

- Família Padrão para os Ativos (90% de casados e cônjuge feminino 3 anos mais jovem.

4,15% a.a.

98,66%

Fonte: Geabe

Cumpre esclarecer que, no curto prazo, as premissas atuariais utilizadas podem sofrer oscilações estatísticas. Contudo, com o objetivo de mitigar o risco atuarial da inade- quação de alguma premissa, exclusivamente em relação ao Fundo de Cobertura de

(22)

QUALIDADE DA BASE CADASTRAL

O cadastro dos participantes foi extraído do sistema previdenciário, posicionado em 31/12/2021. Após os testes de consistência e as devidas retificações, os dados foram considerados válidos e suficientes para a avaliação atuarial.

Os resultados gerados pelos testes de consistência aplicados ao cadastro de par- ticipantes encontram-se descritos em relatório específico da Gerência de Atuária e Benefícios (Geabe). As possíveis inconsistências foram ajustadas em conjunto com a Gerência de Arrecadação e Cadastro (Gearc) e quando não sanadas, foi considerada como parâmetro a média para a complementação das informações cadastrais.

VARIAÇÃO DO RESULTADO

Em face da modalidade em que o Plano é estruturado, não há que se falar em variação do resultado.

NATUREZA DO RESULTADO

ADEQUAÇÃO DO MÉTODO DE FINANCIAMENTO

Os regimes financeiros e os métodos de financiamento têm por objetivo estabe- lecer a forma de acumulação das reservas para garantia dos benefícios previsto pelo Plano e a determinação do plano de custeio anual.

No financiamento de todos os benefícios do Plano utiliza-se o regime financeiro de capitalização, adotando-se o método de financiamento financeiro (capitalização individual) na avaliação dos benefícios programados e de risco previstos no Plano, exceto o benefício por sobrevivência do assistido e dos aportes extraordinários, sendo que para estes a avaliação é pelo método agregado. Os referidos métodos são adequados e devem continuar sendo adotados para o financiamento dos benefícios do Plano, à luz da legislação previdenciária vigente.

BENEFÍCIOS Aposentadoria normal Aporte extraordinário

Benefício proporcional diferido Aposentadoria por invalidez (1)

Pensão por morte do participante ativo (1) Pensão por morte do participante assistido Sobrevivência do assistido

Suplementar

REGIME FINANCEIRO Capitalização Capitalização Capitalização Capitalização Capitalização Capitalização Capitalização Capitalização

MÉTODO DE FINANCIAMENTO Financeira

Agregado Financeira Financeira/ Agregado Financeira/ Agregado

Financeira Agregado Financeira

(1) Para a concessão do benefício mínimo considera o método de financiamento agregado.

OUTROS FATOS RELEVANTES

I - Considerando a avaliação atuarial de encerramento do exercício de 2021, os valores de ativos, exigíveis, patrimônio e fundos, foram aqueles extraídos do balancete contábil posicionados em 31/12/2021, não realizando qualquer ava- liação acerca das informações fornecidas pelas respectivas áreas responsáveis,

PLANO DE BENEFÍCIOS PLANO DE

BENEFÍCIOS

(23)

sendo sua viabilidade verificada por meio de análise de fluxos de pagamentos de benefícios, conforme disposto na Resolução CNPC 43/2021.

II - No encerramento de 2021, conforme determina o regulamento do Plano, foi revertido os valores apurados de Fundo Previdencial de Recursos não Resga- táveis (FRR) para o FCBE, no montante de R$ 593.662,64.

III - O Fundo Administrativo encerrou o exercício de 2021 com a quantia de R$ 2.286.159,17:

a - Foi iniciado, em novembro de 2019, a devolução de recursos à União, referente ao aporte inicial de R$ 26,2 milhões recebidos para o início das atividades em 2013. A devolução respeita os termos de compromisso as- sinados entre a entidade e os patrocinadores.

IV - As hipóteses e premissas atuariais são utilizadas para apuração das rendas mensais, por equivalência financeira, sendo os benefícios permanentemente ajustados ao saldo de conta mantido em favor dos participantes e para deter- minação do plano de custeio anual.

V - A rentabilidade nominal apurada no Plano de Benefícios no encerramento do exercício de 2021 foi de 3,42%, sendo seu efeito distribuído nas contas individuais dos participantes e na conta coletiva, valorizando, portanto, a cota patrimonial. Considerando a inflação (IPCA) no período de 10,6%, o Plano obteve uma rentabilidade real de -6,04%.

VI - No exercício de 2020, foi realizada a segregação real entre as parcelas referen- tes às contas individuais, relativas aos saldos da Reserva Acumulada Normal, Reserva Acumulada Suplementar e Saldo de Conta Individual de concessão de benefício, saldos estruturados na modalidade de contribuição definida de um lado e do outro, os recursos referentes à Conta Coletiva, qual seja, FCBE (Fundo

a - Rentabilidade nominal da parte dos saldos de contas individuais: 1,86% a.a.

b - Rentabilidade nominal da Parte do FCBE: 13,26% a.a.

VII - Em comparação com o exercício de 2020, foram alteradas as seguintes pre- missas: Tábua de Entrada em Invalidez da Álvaro Vindas para Álvaro Vindas (D20%) e Fator de Capacidade de 98,45% para 98,66%.

REGRA DE REVERSÃO E CONSTITUIÇÃO

O Fundo de Recursos não Resgatados (FRR) é um fundo previdencial constituído a partir de parcela de recursos não resgatados pelos participantes decorrentes do instituto do resgate, nas seguintes situações:

I - Parcela da CPATR (conta do patrocinador) não contemplada no valor do resgate pago ao ex-participante;

II - Saldos remanescentes das contas individuais de participantes ou assistidos, no caso de inexistirem beneficiários ou herdeiros legais.

Os recursos existentes no FRR, por exigência regulamentar (§ 1º do art. 18 do Re- gulamento do Plano de Benefícios), são transferidos anualmente ao FCBE e serão considerados para fins da elaboração do plano de custeio anual.

Em função dos resgates pagos no exercício de 2021, foi constituído o FRR e re- vertido ao FCBE um montante de R$ 593.662,64, na data-base de 31/12/2021.

CONCLUSÃO

Conclui-se que o Plano de Benefícios JusMP-Prev, administrado pela Funpresp-Jud, atende à legislação vigente e mantém a situação econômico-financeira e atuarial

(24)

SEGURIDADE SEGURIDADE

(25)

22.666

Participantes no Plano de Benefício, ao final de 2021.

10.885 11.781

PATROCINADOS VINCULADOS BPD

AUTOPATROCINADOS

NO PRAZO OPÇÃO INSTITUTOS ASSISTIDOS

22.098 450 69 20 19 10

MASCULINO FEMININO

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE PARTICIPANTES

Posição em 12/1/2022

PARTICIPANTES POR RAMOS DOS PATROCINADORES

Posição em 12/1/2022 40%

35%

30%

25%

20%

15%

10%

5%

0

19,73%

4.471 34,47%

7.813

18,63%

4.222 11,94%

2.706 9,33%

2.114 2,59%

588 1,40%

318 0,81%

183 0,58%

131 0,51%

115 0,02%

5

A MPU ORAL TJDFT STJ STF AR CNJ CNMP

22.666

14.580

19.606 20.691

8.876 6.134 3.533 84

1.207 24.000

22.000 20.000 18.000 16.000 14.000 12.000 10.000 8.000 6.000 4.000 2.000

0 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

2021

QUANTIDADE DE PARTICIPANTES QUANTIDADE DE

PARTICIPANTES

(26)

BENEFÍCIOS QUANTIDADE

28 11 8

MONTANTE R$ 372.892 R$ 117.737 R$ 68.300

ANO 2021 2020 2019

2021 2020 2019

R$ 400.000 R$ 350.000 R$ 300.000 R$ 250.000 R$ 200.000 R$ 150.000 R$ 100.000 R$ 50.000 R$ 0

BENEFÍCIOS BENEFÍCIOS

Em 2021, a Funpresp-Jud realizou pagamento de benefícios previdenciários aos seus assistidos, em um montante de R$ 372,9 mil.

Foram concedidos 28 benefícios, sendo apenas 11 de prestações mensais, onde 3 são aposentadorias por invalidez, 7 pensões por morte e 1 benefício suplementar.

Conforme determinado nos normativos vigentes, os participantes que encerram o vínculo com seu órgão têm o direito à opção pelo resgate e portabilidade. Em 2021, foram pagos o montante total de R$ 652,8 mil, referente a 69 resgates, e foi transferido um montante total de R$ 1.874,3 mil, referente a 61 portabilidades.

RESGATES E PORTABILIDADES RESGATES E PORTABILIDADES

RESGATES PORTABILIDADES

QUANTIDADE 69 48 56

QUANTIDADE 61 30 32 MONTANTE

R$ 652.848,91 R$ 578.029,60 R$ 298.293,05

MONTANTE R$ 1.874.336,49

R$ 724.383,71 R$ 594.467,21

ANO 2021 2020 2019

2021 2020 2019

R$ 2.000.000 R$ 1.800.000 R$ 1.600.000 R$ 1.400.000 R$ 1.200.000 R$ 1.000.000 R$ 800.000 R$ 600.000 R$ 400.000 R$ 200.000 R$ 0

2021 2020 2019

RESGATES PORTABILIDADES

(27)

Em 2021, a Fundação realizou 10.752 atendimentos a participantes, não participantes e representantes, sendo 8.368 por e-mail e 2.384 por telefone.

Entre os assuntos mais abordados podemos destacar:

Interesse pela Cobertura Adicional de Risco (CAR) por invalidez permanente e por morte; Plano de Benefícios JusMP-Prev para futuras adesões; Extrato de contribuições; Rentabilidade do plano; Regime de tributação; Benefício fiscal; Declaração do imposto de renda; Acesso ao Portal do Participante;

Acesso ao Portal do Patrocinador; Alteração de percentual de contribuição;

Contribuição esporádica; Migração de regime previdenciário; Benefício espe- cial; Beneficiários do Plano; Cursos de EAD (Ensino a Distância); e Solicitações

de simulações.

O Diretor de Seguridade realizou 10 lives com os seguintes temas: “Quer Melhorar sua Aposentadoria?“ e “Aderir ou Não. Eis a Questão!“, com um

total de 2.511 acessos. O Portal de Participante teve 71.302 acessos. Além disso, a Fundação disponibilizou o curso EAD de “Noções Básicas sobre In

-

vestimentos” para 784 inscritos.

A pesquisa de satisfação, aplicada junto

ao público demandante, apontou o

seguinte resultado: 60,23% consideraram o tempo de retorno das solicitações como excelente, 24,29% como muito bom, 11,16% como bom e 4,32% clas- sificaram entre regular e ruim. Quanto ao esclarecimento de dúvida, 87,17%

consideraram que suas perguntas foram totalmente esclarecidas, 9,23%

que foram parcialmente esclarecidas e 3,60% que não foram esclarecidas.

A qualidade do atendimento foi classificada como excelente por 63,37%, como muito boa por 24,44%, boa por 6,26% e entre regular e ruim 5,93%.

A

satisfação com a solução oferecida para sua demanda foi classificada como com parcialmente atendida por 9,44% e como não

RELACIONAMENTO RELACIONAMENTO

(28)

INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS

(29)

A Política de Investimentos 2021-2025 da Funpresp-Jud foi aprovada na 12ª Sessão Extraordinária do Conse- lho Deliberativo (CD), de 9/12/2020. Posteriormente, houve alteração que foi aprovada em 13/1/2021, na 1ª Sessão Ordinária do CD.

Em relação ao Plano de Gestão Administrativa (PGA), houve alteração no benchmark, com elevação da par- cela em IMA-B5 (de 65% para 75% do patrimônio) e consequente redução dos investimentos em CDI (de 35% para 25%). O detalhamento pode ser visto na Tabela 1 a seguir.

Fonte: Funpresp-Jud.

Notas: (1) Inclui ETF (Exchange Traded Fund) de renda fixa.

(2) Títulos Privados classificados como de baixo risco de crédito, conforme item 15.4 da Política de Investimentos 2021-2025.

(3) Limite Superior para Títulos Privados, o percentual indicado de 50% vale somente para aplicações em fundos de investimento abertos. Aplicações diretas (via carteira própria ou fundos de investimento exclusivos) ficam limitadas a 25%.

(4) Deverão ser deduzidos os custos dos investimentos: taxas de administração cobradas pelos gestores de recursos, despesas diretamente ligadas ao Custodiante Qualificado (remuneração, manutenção de contas - CETIP e SELIC), entre outros (corretagens, emolumentos, custo na compra/venda de títulos públicos e privados).

1. Renda Fixa (1)

Títulos Públicos Federais prefixados, pós-fixados, indexados à Inflação e Operações Compromissadas Títulos Privados (2) (3)

100%

100%

0%

100%

50%

0%

100%

100%

50%

100%

100%

80%

25% DI - Depósito Interfinanceiro e 75% em IMA-B5

-

-

TABELA 1

SEGMENTO DE APLICAÇÃO ALOCAÇÃO OBJETIVO

LIMITE INFERIOR

LIMITE SUPERIOR

LIMITE

LEGAL BENCHMARK (4)

POLÍTICA DE

INVESTIMENTOS POLÍTICA DE

INVESTIMENTOS

(30)

Fonte/Elaboração: Funpresp-Jud.

Notas: (1) Inclui ETF (Exchange Traded Fund) de renda fixa.

(2) Títulos Privados classificados como de baixo risco de crédito, conforme item 15.4 da Política de Investimentos 2020-2024.

(3) Limite Superior para Títulos Privados, o percentual indicado de 49% vale somente para aplicações em fundos de investimento abertos ou fundos exclusivos com gestão terceirizada. Aplicações diretas (carteira própria ou fundos de investimento exclusivos com gestão própria) ficam limitadas a 25%.

(4) Inclui ETF (Exchange Traded Fund) de renda variável, que são fundos de índices referenciados em cesta de ações de companhias abertas.

(5) Somente via aquisição de cotas de fundos de investimento e de cotas de fundos de investimento em cotas de fundos de investimento classificados como multimercado ou em Certificados de Operações Estruturadas (COE).

SEGMENTO DE APLICAÇÃO ALOCAÇÃO OBJETIVO

LIMITE INFERIOR

LIMITE SUPERIOR

LIMITE

LEGAL BENCHMARK 1. Renda Fixa (1)

Títulos Públicos Federais prefixados e indexados à Inflação, Operações Compromissadas, Títulos Públicos Federais pós-fixados Títulos Privados (2) (3)

2. Renda Variável(4)

3. Investimentos Estruturados(5) FI/FIC Multimercado

Certificados de Operações Estruturadas (COE)

4. Investimentos no Exterior 5. Imobiliário

6. Empréstimo aos Participantes Carteira Total

45%

30%

15%

18%

4%

4%

0%

9%

18%

10%

15%

15%

0%

4%

0%

0%

0%

2%

0%

0%

94%

94%

49%

45%

14%

14%

5%

10%

20%

15%

100%

100%

80%

70%

20%

15%

10%

10%

20%

15%

IPCA + 4,15% ao ano

Ibovespa

100% DI

BDRX IFIX

IPCA + 5,00% ao ano IPCA + 4,15% ao ano

TABELA 2

No caso do Plano de Benefícios (PB), a principal mu- dança em relação ao ano de 2020 se referiu às alte- rações nas alocações por segmento (vide Tabela 2 na sequência) e o início dos investimentos no segmento Imobiliário, o que de fato ocorreu no começo de 2021.

Finalmente, foi mantida a possibilidade de criação de fundos exclusivos para a administração dos recursos do Plano de Benefícios, seja com gestão terceirizada ou própria, que teve início em 2019 e continua em processo de ampliação, com Licitação e Processo Seletivo de Administrador e Gestores durante o ano de 2021, com a criação de três novos Fundos de In- vestimento Exclusivos no primeiro semestre.

(31)

O Plano Gerencial de Investimentos 2021 foi solicita- do pelo Conselho Deliberativo à Diretoria Executiva com o objetivo de se aprimorar a gestão de ativos da Fundação. Dessa forma, referido documento segue, necessariamente, as diretrizes gerais constantes da Política de Investimentos 2021-2025, e apresenta a estratégia mais indicada a ser seguida ao longo do ano, dentro de cada um dos cenários prospectivos elencados.

Especificamente em relação ao PGA, tendo em vista a escolha dos índices de referência (DI e IMA-B5), a gestão dos investimentos do PGA se dá predominante- mente de forma passiva, tentando ao máximo replicar os índices estabelecidos. Em virtude da alteração do benchmark para 2021 (25% CDI e 75% IMA-B5), já no primeiro dia útil do ano a Diretoria de Investimentos tomou as providências necessárias para ajustar as

Já em relação ao Plano de Benefícios, destacam-se:

PARÂMETROS DE RISCO DE MERCADO

Foram determinados os principais parâmetros de risco a serem seguidos pela Fundação, conforme segue:

• Valor em Risco (Value-at-Risk: V@R)

de 1 dia útil, paramétrico ou não paramétri- co, e 95% de intervalo de confiança1: o limite de rentabilidade diária mínima, com 95% de probabilidade, será de -1,35% (menos um vírgula trinta e cinco por cento), ou seja, é possível a ocorrência de rentabilidade diária negativa2;

• Volatilidade

3 anualizada, em janelas móveis de doze meses e desde o início do ano, representado pelo grau médio de variação dos retornos diários dos ativos ou das cotas dos fundos de investimento: o limite máximo anualizado será de 13,00% (treze por cento)4.

1 O V@R V@R é uma medida da probabilidade de perda de determinada aplicação em diversos cenários da economia. A metodologia avalia qual a perda máxima que uma carteira pode ter dentro de um horizonte de tempo predeterminado. Pode ser calculado pelo método histórico ou paramétrico. A partir de janeiro de 2021, foi adotado o modelo paramétrico baseado no RiskMetrics (com média igual a zero e variância calculada pela metodologia EWMA). Tradicionalmente na Fundação os cálculos são realizados com a utilização de horizonte de tempo mensal para os retornos dos investimentos e grau de confiança de 95%. Já o mercado financeiro tem por praxe realizar os cálculos com base nos retornos diários, também com grau de confiança de 95%.

2 A título de comparação, o nível de V@R 95% da Carteira de Investimentos do PB ao final de 2021 encontrava-se em -0,47% (com base nos retornos diários).

3 A Volatilidade representa o grau médio de variação dos retornos de um determinado investimento. Na Fundação, é calculada a partir dos retornos mensais da carteira de investimentos verificada no último dia útil de cada mês (sendo esta carteira mantida constante para os períodos anteriores), assim como também é verificada para um horizonte dos retornos mensais efetivamente realizados dos últimos doze meses, em janelas móveis. A partir de janeiro de 2021, o cálculo da Volatilidade diária (tanto em relação à série histórica quanto na ponta) passou a utilizar a metodologia EWMA (Equally Weighted Moving Average), com lambda de 0,94. Já o mercado financeiro tem por praxe realizar os cálculos com base nos retornos diários, em janelas móveis de 12 meses e/ou desde o início do ano.

PLANO GERENCIAL DE

INVESTIMENTOS 2021

PLANO GERENCIAL DE

INVESTIMENTOS 2021

(32)

8 A Volatilidade deverá ser calculada pelo conceito EWMA (Exponentially Weighted Moving Average) com lambda de 0,94 e horizonte de 29 dias úteis para os retornos diários. O resultado deverá ser anualizado (via multiplicação por raiz de 252).

9 Tradicionalmente, o lambda utilizado é de 0,94, de acordo com recomendação do RiskMetrics (metodologia desenvolvida pelo JP Morgan).

Entretanto, optamos por utilizar um lambda de 0,85 com vistas a termos maior sensibilidade para a detecção de alterações nos padrões de volatilidade, seja nas elevações ou nas reduções. Dessa forma, tanto o acionamento do stop loss (ou nível de alerta) quanto a informação para a realocação pós-stop loss serão mais ágeis.

DEFINIÇÃO DO NÍVEL DE STOP LOSS

O mecanismo de stop loss (contenção de perdas) tem por objetivo limitar as perdas em determinado investimento e impedir que o prejuízo continue se elevando inde- finidamente em cenário contrário ao previsto. Este é um mecanismo de proteção indispensável para investimentos Marcados a Mercado.

A definição do nível de stop loss pode obedecer a um dos seguintes parâmetros, quais sejam:

I - Análise específica do ativo

, ou

II - Análise da carteira de investimentos

5. A partir do exposto, chegou-se à conclusão de que novos indicadores deveriam passar a ser utilizados no lugar da DNP 36 Meses, quais sejam: Valor em Risco (V@R), Volatilidade e DrawDown6. Além disso, deveria ser criado um Comitê de Stop Loss com níveis de alçadas decisórias apropriadas para os momentos de crise, bem como garantir também ao Diretor de Investimentos nível de alçada para situações especiais.

Dessa forma, devem ser observados os seguintes indicadores e parâmetros para a verificação dos níveis de Alerta e Acionamento do mecanismo de stop loss:

i. Rentabilidade Diária x Valor em Risco (V@R)

7

• Caso ocorra rentabilidade diária negativa em magnitude igual ou superior a 75%

e inferior a 100% do V@R Diário máximo autorizado, indicará nível de Alerta;

• Caso ocorra rentabilidade diária negativa em magnitude igual ou superior ao V@R Diário máximo autorizado, indicará nível de Acionamento;

• Carteira Ótima da Fronteira Eficiente: caso o retorno diário fique igual ou superior ao V@R Diário máximo autorizado, indicará nível de Alerta para aquela Carteira.

ii. Volatilidade

8, 9

• Caso a Volatilidade fique igual ou superior a 75% e inferior a 100% da Volati- lidade Anualizada máxima autorizada, indicará nível de Alerta;

• Caso a Volatilidade fique igual ou superior à Volatilidade Anualizada máxima autorizada, indicará nível de Acionamento;

• Carteira Ótima da Fronteira Eficiente: a Volatilidade fique igual ou superior à Volatilidade Anualizada máxima autorizada, indicará nível de Alerta para aquela Carteira.

iii. DrawDown x V@R10

10

• Caso o DrawDown apresente rentabilidade acumulada negativa igual ou superior ao V@R de 10 dias úteis e inferior ao V@R de 21 dias úteis, indicará nível de Alerta;

• Caso o DrawDown apresente rentabilidade acumulada negativa superior ao V@R de 21 dias úteis, indicará nível de Acionamento;

• Na hipótese de acionamento do mecanismo de stop loss, e após a saída do mesmo, o DrawDown será calculado a partir da data de acionamento do me- canismo, desconsiderando eventual valor máximo verificado em momento anterior.

Cabe ao Comitê de Stop Loss a determinação dos ativos e respectivos volumes financeiros que deverão ser objeto de desinvestimento com vistas à redução do nível de risco de mercado da Carteira de Investimentos.

(33)

RAI - Livro 1

Importante destacar que a alçada decisória do Comitê de Stop Loss é ampla, ou seja, sem limitação para o percentual de redução do nível de risco dos investi- mentos. Entretanto, caso ocorra a verificação do acionamento do stop loss e não tenha ocorrido a reunião do Comitê, o Diretor de Investimentos pode reduzir em até 15% o nível de risco dos investimentos.

Finalmente, o novo modelo passou a ser adotado a partir do início de 2021 e não é utilizado para o Plano de Benefícios em si, mas para suas subdivisões: Reservas e FCBE. O Funpresp-Jud Athena FIM (fundo de investimento exclusivo com gestão da Fundação) também está sujeito às mesmas regras. Posteriormente, tais regras também serão utilizadas para cada perfil de investimento quando estiverem em funcionamento.

RENDA FIXA

O principal segmento de aplicação financeira dos recursos do Plano de Benefícios permaneceu sendo a Renda Fixa. Nesse sentido, os maiores esforços foram desti- nados aos ativos deste segmento, inicialmente com a expectativa de alongamento da duration para a busca de retornos mais elevados.

O movimento de alongamento no segmento de Renda Fixa leva em considera- ção os limites de risco de mercado apresentados, assim como são observados os movimentos de diversificação de investimentos para os demais segmentos autorizados, haja vista que estes também impactam o risco global da carteira.

Entretanto, por conta da conjuntura econômico-financeira verificada em 2021, não foi possível manter a estratégia de alongamento dos títulos de Renda Fixa.

Ao contrário, houve redução na duration desta carteira em postura mais defensiva por parte dos gestores da Fundação, com vistas a minimizar o impacto da elevação das taxas de rendimentos dos referidos títulos.

Dessa forma, a estratégia esperada para 2021 não se confirmou em nenhum dos indexadores: IPCA, prefixados e CDI/Selic.

RENDA VARIÁVEL

A diversificação dos investimentos do PB via Renda Variável seria mantida prio- ritariamente por meio de fundos de investimento abertos com retornos mais elevados (Subgrupo 1D), porém com menor liquidez e maior risco, mas também podendo ocorrer via Subgrupos 1A e 1B, além de ETF ou ainda com a possibilidade de investimentos diretamente em ações, em Ibovespa Futuro e opções de renda variável por meio dos fundos exclusivos.

Naquele momento, a alocação ocorria prioritariamente em veículos com estra- tégias de foco em dividendos e em valor/crescimento, selecionados a partir de procedimento licitatório e avaliados trimestralmente.

Caso o cenário básico voltasse a se confirmar, a estratégia da Fundação elevaria gradualmente o percentual de recursos do PB para o segmento de Renda Variável até o nível de cerca de 20%, sendo essa a Alocação Objetivo para o período 2021- 2025, tendo encerrado 2020 em cerca de 14% do PB.

Entretanto, assim como ocorreu na Renda Fixa, não foi possível manter a estra- tégia para a Renda Variável. Dessa forma, houve redução na participação deste segmento, que encerrou 2021 com apenas 9,9% do total de ativos do Plano de Benefícios. Esta alteração na estratégia foi importante para minimizar o impacto negativo deste segmento, pois o Ibovespa apresentou rentabilidade negativa no ano (- 11,93%).

(34)

INVESTIMENTOS ESTRUTURADOS

No segmento de Investimentos Estruturados, a Fundação deveria priorizar as aplicações nos novos veículos com retornos mais elevados (Subgrupo 2D), porém com menor liquidez e maior risco. A Fundação poderia continuar investimento nos fundos de investimento dos demais subgrupos (2A, 2B e 2C) do Grupo 2, além de eventualmente adquirir Certificados de Operações Estruturadas (COE).

Importante ressaltar que não se esperava que esta parcela de investimentos das Reservas do Plano de Benefícios apresentasse aumento de participação percentual ao longo dos meses subsequentes, pois, com a retomada da queda da Taxa Selic, a rentabilidade necessária para que tais veículos pudessem superar o benchmark (IPCA + 4,15%) passou a ser extremamente elevada (acima de 400% do CDI para um IPCA de 4%, por exemplo). Ao final de 2020, a participação deste segmento na Carteira de Investimentos das Reservas do PB foi de 4,6%. Para o período 2021-2025, a Alocação Objetivo era de 5%. É importante lembrar que os fundos multimercados em geral possuem baixa correlação com parte dos investimentos das Reservas do Plano de Benefícios, gerando maior retorno com menor risco para a Carteira de Investimentos. Finalmente, a possibilidade de se operar em diversos mercados, assim como a velocidade de eventuais ajustes nas posições, indica que tal tipo de veículo é bastante adequado para cenários de volatilidade elevada.

Por conta da citada conjuntura ao longo de 2021, e a retomada das elevações na taxa básica de juros, no último trimestre do ano foi possível retomar os investi- mentos neste segmento. Dessa forma, a participação dos Estruturados no Plano de Benefícios finalizou o ano em 5,1%, bastante próximo da Alocação Objetivo.

INVESTIMENTOS NO EXTERIOR

O processo de diversificação das aplicações financeiras do Plano de Benefícios com a utilização de investimentos no exterior foi mantido na Política de Investimentos 2021- 2025, sendo a Alocação Objetivo neste segmento de 9% das Reservas do PB, ressaltando que tal segmento encerrou o ano de 2020 com participação de 9,4% das Reservas do Plano de Benefícios. A Fundação continuaria mantendo aplicações nos atuais fundos de investimento (Subgrupos 3A e 3B), bem como nos novos veículos selecionados (Subgrupos 3C, 3D e 3E). Deve-se ressaltar que tais aplicações são ótimas alternativas de diversificação dos investimentos e melhoram o resultado da Carteira Ótima (Fronteira Eficiente) por conta da baixa (ou mesmo negativa) correlação entre ativos externos e domésticos.

Em relação a este segmento, a estratégia pouco se alterou em relação ao espe- rado, tendo sido possível o início das aplicações no Subgrupo 3D (Multimercados Exterior). No caso da participação, o segmento encerrou o ano em 7,9% do Plano de Benefícios, abaixo da Alocação Objetivo, notadamente por conta da menor alocação no FCBE (2,0%). Olhando especificamente para as Reservas, o segmento finalizou 2021 com participação de 8,9%, muito próximo ao pretendido.

IMOBILIÁRIO

Iniciou-se, em 2021, as aplicações no segmento Imobiliário tendo em vista o cenário favorável à época para tal tipo de investimento, principalmente por conta do ciclo de recuperação em que se encontrava. Prioritariamente, os investimentos foram realizados por meio de aquisição de cotas de fundo de investimento imobiliário negociados em bolsa de valores, mas não se descarta a aquisição de cotas de tais veículos que não estejam listados no mercado bursátil. A Alocação Objetivo para o segmento era de 18% das Reservas, porém a ser perseguida ao longo de 5 anos.

Ao final do ano a participação deste segmento foi de 2,5%, também devido à con-

(35)

TABELA 1

Plano de Benefícios (PB) * Reservas*

FCBE*

Plano de Gestão Administrativa (PGA) * Benchmark(1) PB *

Benchmark(2) PGA * 100% CDI * Poupança * IPCA PB Real **

PGA Real **

13,60%

13,60%

13,60%

13,54%

15,89%

13,31%

13,24%

8,07%

10,67%

2,65%

2,59%

14,03%

14,03%

14,03%

14,08%

10,82%

13,95%

14,00%

8,30%

6,29%

7,29%

7,33%

10,91%

10,91%

10,91%

10,36%

7,25%

10,20%

9,93%

6,61%

2,95%

7,73%

7,20%

8,87%

8,87%

8,87%

7,33%

8,14%

7,36%

6,42%

4,62%

3,75%

4,94%

3,46%

12,15%

12,15%

12,15%

9,20%

8,74%

9,23%

5,96%

4,26%

4,31%

7,52%

4,69%

8,81%

8,90%

8,27%

5,79%

8,84%

5,93%

2,76%

2,11%

4,52%

4,11%

1,21%

3,42%

1,86%

13,26%

9,34%

14,61%

4,29%

4,42%

3,15%

10,06%

-6,04%

5,25%

2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021

Funpresp-Jud, ABRAPP, B3, Banco Central, IBGE.

(1) Benchmark 2021 Plano de Benefícios (PB): IPCA + 4,15% ao ano.

(2) Benchmark 2021 Plano de Gestão Administrativa (PGA): 25% CDI + 75% IMA-B5, deduzidos os custos dos investimentos.

* Rentabilidade Nominal Líquida = Rentabilidade Nominal, deduzidos os custos dos investimentos.

** Rentabilidade Real Líquida = Rentabilidade Nominal Líquida, deduzido o IPCA.

*** PB: Início em 21/nov/2013 e PGA: início em 28/out/2013. CDI, Poupança e IPCA acumulados desde o início do PB e do PGA.

Inicialmente, a estratégia prevista para 2021 seria a de continuidade daquela adotada desde 2018: alongamento gradual dos ativos de Renda Fixa, com a compra de títulos com prazo de vencimento mais longo, e continuidade da diversificação dos investimentos, inclusive com a possibilidade de início das aplicações no segmento Imobiliário.

No entanto, o que se viu ao longo de 2021 foi uma guinada radical dos rumos das taxas de juros. Fortemente afetada por fatores externos e internos, assistimos a um expressivo e resiliente aumento nos índices inflacionários, levando o Banco Central a retomar a estratégia de elevação da taxa básica de juros. Este movimento, associado à expectativa de aperto monetário também nos países desenvolvidos, principalmente nos EUA, além da deterioração do quadro fiscal doméstico, foram os principais responsáveis pela expressiva queda nos preços dos ativos de Renda Fixa, de Renda Variável e Imobiliários em 2021.

O resultado da Carteira de Investimentos do Plano de Benefícios ficou aquém das expectativas para 2021, encerrando o período com rentabilidade nominal líquida de 3,42% e de -6,04% em termos reais, abaixo do benchmark estabelecido para o ano de IPCA + 4,15%.

Adicionalmente, o resultado da Reservas do Plano de Benefícios ficou abaixo do benchmark, encerrando o período com rentabilidade nominal líquida de 1,86% e rentabilidade real líquida de -7,45%.

Já na Carteira de Investimentos do FCBE, destaque para a mudança legal ocorrida em 2021. Essa parte dos recursos do Plano de Benefícios, que mantém parcela considerável de títulos de Renda Fixa com critério de Marcação pela Curva (MTC), fazendo seu nível de risco permanecer em patamar bastante reduzido, não pode mais ser utilizado para esse critério de marcação por conta da publicação da Resolução CNPC 43/2021. Nesse sentido, a marcação a mercado passou a ser a regra e, dessa forma, a estratégia e a gestão desses recursos, a partir de então,

RESULTADOS E INDICADORES RESULTADOS E

INDICADORES

Imagem

Referências

temas relacionados : A vida que não merece ser vivida