Melhor Realista Português Estilo realista-naturalista Um dos ideólogos do Realismo Lusitano ( )

14 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)
(2)

E

E

ç

ç

a de Queir

a de Queir

ó

ó

s(1845

s(1845

-

-

1900)

1900)

Melhor Realista Português

Melhor Realista Português

Estilo realista

Estilo realista

-

-

naturalista

naturalista

Um dos ide

Um dos ide

ó

ó

logos do Realismo

logos do Realismo

Lusitano (1865

Lusitano (1865

-

-

1890)

1890)

Influência do Determinismo

Influência do Determinismo

(

(

Taine

Taine

): Meio, Ra

): Meio, Ra

ç

ç

a e Momento

a e Momento

(3)

E

E

ç

ç

a de Queir

a de Queir

ó

ó

s(1845

s(1845

-

-

1900)

1900)

Fases do Autor

Fases do Autor

:

:

1.

1.

Influência Romântica (folhetins e

Influência Romântica (folhetins e

produ

produ

ç

ç

ão jornal

ão jornal

í

í

stica);

stica);

2.

2.

Realismo Combativo (cr

Realismo Combativo (cr

í

í

tica

tica

social e eclesi

social e eclesi

á

á

stica);

stica);

3.

3.

Maturidade Intelectual (realismo

Maturidade Intelectual (realismo

fant

(4)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

a)

a)

Publica

Publica

ç

ç

ão

ão

:

:

1901 (

1901 (

ú

ú

ltimo romance do autor,

ltimo romance do autor,

publicado postumamente);

publicado postumamente);

Tem como base um conto de sua

Tem como base um conto de sua

autoria,

autoria,

A Civiliza

A Civiliza

ç

ç

ão

ão

;

;

Segundo a

Segundo a

Advertência

Advertência

da

da

primeira edi

primeira edi

ç

ç

ão, datada de 24 de

ão, datada de 24 de

abril, o romance não passou pelo

abril, o romance não passou pelo

crivo severo das implac

crivo severo das implac

á

á

veis

veis

revisões do autor (os dois cap

revisões do autor (os dois cap

í

í

tulos

tulos

finais, sobretudo, demonstram

finais, sobretudo, demonstram

isso);

(5)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

b)

b)

Estrutura

Estrutura

:

:

Dividido em XVI cap

Dividido em XVI cap

í

í

tulos que podem ser

tulos que podem ser

assim esquematizados:

assim esquematizados:

1.

1.

Cap

Cap

í

í

tulos I a VII (valoriza

tulos I a VII (valoriza

ç

ç

ão da Cidade e

ão da Cidade e

oposi

oposi

ç

ç

ão ao campo);

ão ao campo);

2.

2.

Cap

Cap

í

í

tulo VIII (transi

tulo VIII (transi

ç

ç

ão para o campo);

ão para o campo);

3.

3.

Cap

Cap

í

í

tulos IX ao XVI (valoriza

tulos IX ao XVI (valoriza

ç

ç

ão da

ão da

Serras = campo, natureza e

Serras = campo, natureza e

simplicidade);

(6)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

c)

c) EspaEspaççoo:: Espa

Espaçço representativo na estruturao representativo na estruturaçção do ão do romance;

romance;

1.

1. A CidadeA Cidade: : Paris, Avenida dos Campos Paris, Avenida dos Campos ElElísiosísios, , n

núúmero 202 (microcosmo da civilizamero 202 (microcosmo da civilizaçção ão urbana e meton

urbana e metoníímia do tecnicismo, do mia do tecnicismo, do

cientificismo, do artificialismo, da frivolidade e cientificismo, do artificialismo, da frivolidade e

futilidade da burguesia); futilidade da burguesia);

2.

2. As SerrasAs Serras: : Portugal, Portugal, GuiãesGuiães, na região do , na região do Douro e as serras de

Douro e as serras de TormesTormes, onde ficava a , onde ficava a casa senhorial dos Jacintos, edificada em casa senhorial dos Jacintos, edificada em

1410 (natureza contemplada de forma id

1410 (natureza contemplada de forma idíílica, lica, espa

espaçço de libertao de libertaçção da inteligência, fonte de ão da inteligência, fonte de paz e felicidade na busca de uma vida

paz e felicidade na busca de uma vida autêntica, simples e serena);

(7)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

d)

d) TempoTempo::

A narrativa se inicia em torno de 1820 indo at

A narrativa se inicia em torno de 1820 indo atéé cerca de 1893;

cerca de 1893;

Relato linear, mas não de forma cont

Relato linear, mas não de forma contíínua;nua; Poder

Poderííamos assim esquematizar o tempo:amos assim esquematizar o tempo: I)

I) Entre as dEntre as déécadas de 1820cadas de 1820--1830: Dom 1830: Dom GaliãoGalião éé socorrido pelo infante Dom Miguel

socorrido pelo infante Dom Miguel nas ruas de nas ruas de Lisboa e se torna seu s

Lisboa e se torna seu súúdito fiel. Com a expulsão dito fiel. Com a expulsão de Dom Miguel de Portugal (1834), Dom

de Dom Miguel de Portugal (1834), Dom GaliãoGalião parte para Paris(cap

parte para Paris(capíítulo 1);tulo 1);

II)

II) No final de 1853, morre o pai de Jacinto. A 10 de No final de 1853, morre o pai de Jacinto. A 10 de janeiro de 1854, nasce o

janeiro de 1854, nasce o ““PrPrííncipe da Grãncipe da Grã--VenturaVentura”” (cap

(8)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

III)

III) Por volta de 1875, Jacinto e ZéPor volta de 1875, Jacinto e Zé Fernandes se Fernandes se conhecem da universidade e Jacinto formulou a conhecem da universidade e Jacinto formulou a

sua id

sua idééia do mundo: ia do mundo: ““O homem sO homem sóó éé superiormente superiormente feliz quando

feliz quando éé superiormente civilizado”superiormente civilizado”

suma ciência X suma potência = suma felicidade

suma ciência X suma potência = suma felicidade

Em 1880, Z

Em 1880, Zéé Fernandes Fernandes éé chamado por seu tio, chamado por seu tio, Afonso Fernandes para cuidar das suas

Afonso Fernandes para cuidar das suas propriedades

propriedades

(cap

(cap

í

í

tulo 1)

tulo 1)

;;

IV)

IV) De fevereiro de 1887 a abril de 1888, ZDe fevereiro de 1887 a abril de 1888, Zéé Fernandes volta a Paris e assiste

Fernandes volta a Paris e assiste àà decadência decadência f

fíísica e ao progressivo desânimo e sica e ao progressivo desânimo e entediamentoentediamento de seu amigo Jacinto( cap

de seu amigo Jacinto( capíítulos 2 a 7 e intulos 2 a 7 e iníício do cio do oitavo);

(9)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

V)

V) Abril de 1888 a maio de 1889: Jacinto chega em Abril de 1888 a maio de 1889: Jacinto chega em Tormes

Tormes, entusiasma, entusiasma--se com a vida no campo e se com a vida no campo e casa

casa--se com Joaninha(maior parte do capse com Joaninha(maior parte do capíítulo 8 tulo 8 ee cap

capíítulos de 9 a 14);tulos de 9 a 14);

VI)

VI) Em 1894, cinco anos depois, Jacinto e Joaninha jEm 1894, cinco anos depois, Jacinto e Joaninha jáá têm dois filhos (Teresa e Jacintinho); Z

têm dois filhos (Teresa e Jacintinho); Zéé Fernandes Fernandes faz uma r

faz uma ráápida visita a Paris e retorna pida visita a Paris e retorna definitivamente para Portugal (cap

definitivamente para Portugal (capíítulos 15 e 16).tulos 15 e 16).

e)

e) Foco narrativoFoco narrativo::

Narrador testemunha (narrador observador)

Narrador testemunha (narrador observador)

=Z

=Zéé Fernandes, Fernandes, deuteragonistadeuteragonista, , úúnica nica personagem mais desenvolvida, fora o

personagem mais desenvolvida, fora o

protagonista (Jacinto de

(10)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

f)

f) Estilo literEstilo literááriorio::

Obra situada na

Obra situada na terceira fase do autorterceira fase do autor, a fase , a fase madura e simb

madura e simbóólica;lica; Escola Realista;

Escola Realista;

Mescla de tendências:

Mescla de tendências:

1.

1. Realismo (espRealismo (espíírito crrito críítico que castiga o tico que castiga o

francesismo da elite rural portuguesa de seu

francesismo da elite rural portuguesa de seu

tempo, motivo do abandono das propriedades

tempo, motivo do abandono das propriedades

agr

agráárias);rias);

2.

2. Naturalismo (romance de tese, Naturalismo (romance de tese, zoomorfismozoomorfismo e e a est

a estéética do feio);tica do feio);

3.

3. Impressionismo (descriImpressionismo (descriçções conforme a ões conforme a capta

(11)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

g)

g) CaracterCaracteríísticassticas::

Uso expressivo da pontua

Uso expressivo da pontuaçção;ão; Adjetiva

Adjetivaçção marcante;ão marcante; A a

A açção do meio social e crão do meio social e críítica tica àà futilidade, futilidade, marcada pelas aparências;

marcada pelas aparências;

Cr

Críítica tica àà civilizacivilizaçção urbana;ão urbana; Elabora

Elaboraçção estilão estilíística;stica; Linguagem cuidada;

Linguagem cuidada;

Descri

Descriçções em excesso;ões em excesso; Perspectiva realista;

Perspectiva realista;

Recusa de idealiza

Recusa de idealizaçções;ões; Ironia e estilo caricatural;

(12)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

h)

h)

Natureza representativa

Natureza representativa

:

:

Serras = espa

Serras = espa

ç

ç

o buc

o buc

ó

ó

lico;

lico;

Temas cl

Temas cl

á

á

ssicos:

ssicos:

1.

1.

Fugere

Fugere

Urbem

Urbem

;

;

2.

2.

Locus

Locus

Amoenus

Amoenus

;

;

3.

3.

Inutilia

Inutilia

Truncat

Truncat

;

;

4.

4.

Aurea

Aurea

Mediocritas

Mediocritas

;

;

5.

(13)

A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras

i)

i) PersonagensPersonagens:: Jacinto de

Jacinto de TormesTormes (protagonista);(protagonista); Z

Zéé Fernandes (Fernandes (deuteragonistadeuteragonista);); Madame

Madame ColombeColombe (amante de Z(amante de Zéé Fernandes);Fernandes); Madame de

Madame de OriolOriol (amante de Jacinto);(amante de Jacinto);

Joaninha (com quem Jacinto vai se casar e ter

Joaninha (com quem Jacinto vai se casar e ter

dois filhos)

dois filhos)

Silv

Silvéério (administrador da quinta dos rio (administrador da quinta dos TormesTormes);); Tia Vicência (tia do narrador);

Tia Vicência (tia do narrador);

Etc.

(14)

Imagem

Referências

temas relacionados :