Exame 2020/02/11. Nome: N.º Curso: GRUPO I [6 valores]

11 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

Contabilidade de Gestão I

Departamento de Gestão 1.º Semestre – Ano Letivo 2019/2020

Exame – 2020/02/11

Nome: __________________________________________ N.º _____ Curso: ________

GRUPO I

[6 valores]

1 – Uma empresa que comercializa um produto a 30 € unidade, incorreu em custos variáveis industriais de 50.000 € e em custos fixos industriais de 60.000 €. Sabendo que a empresa utiliza o sistema de custeio racional, vendeu 5.000 unidades (que representa 80% da capacidade instalada), os custos não industriais foram de 20.000 € e não houve variação da produção, o resultado foi de:

A 16.000 € B 18.000 € C 20.000 € D Nenhuma das anteriores

Cálculos [obrigatórios na folha de prova]:

Como não existe variação de produção, bastará calcular a diferença entre as vendas e todos os gastos do período: R = v – kv – kf = (5.000 x 30) – 50.000 – 60.000 - 20.000 = 20.000 €

Ou, seguindo a regra geral: Vendas = 5.000 x 30 = 150.000 € Grau de atividade = 80%

Custo industrial = 50.000 + ( 60.000 x 80% ) = 98.000 € Cini = 60.000 x 20% = 12.000 €

Custos não industriais = 20.000 €

R = 150.000 – 98.000 – 12.000 – 20.000 = 20.000 €

2 - Uma empresa, num certo período teve de produção acabada 4.000 unidades e, no fim desse período, verificou que a produção em vias de fabrico correspondia a 300 unidades com um grau de acabamento de 40 %. Tendo em conta que no período anterior tinham sobrado 200 unidades parcialmente fabricadas, a que faltava incorporar 30 % dos gastos, a produção efetiva ou produção desse período foi de:

A 4.020 u. e. B 2.890 u. e. C 3.980 u.e. D Nenhuma das anteriores

Cálculos [obrigatórios na folha de prova]:

Produção acabada = 4.000 unidades If pvf = 300 x 0,4 = 120 u.e. Ii pvf = 200 x (1-0,3) = 140 u.e.

(2)

3 - Suponha que os custos de produção numa empresa num determinado período contabilístico foram de 29.925 € tendo-se produzido 12.000 unidades de produto. Uma vez que para a empresa é normal a existência de 5% de unidades defeituosas e neste período ocorreram 2.000 unidades defeituosas sem qualquer tipo de

aproveitamento ou recuperação, o custo unitário de cada unidade vendável foi de:

A 2,625 €/unid. B 5,25 €/unid. C 4,99 €/unid. D Nenhuma das anteriores

Cálculos [obrigatórios na folha de prova]:

Produção defeituosa normal = 12.000 x 5% = 600 unidades Produção defeituosa anormal = 2.000 – 600 = 1.400 unidades Custo unitário = 29.925 / (10.000 + 1.400) = 2,625 €

4 - A Unimetal Lda. para apurar os gastos de produção imputa os gastos gerais de fabrico (GGF) por dois produtos: Armários (8.000 unid. produzidas) e Mesas (4.000 unid.produzidas). Para o efeito, utiliza uma base de imputação teórica das quantidades produzidas. A estimativa dos GGF fora de 18.000 € e a produção prevista de 6.000 e 3.000 unidades, respectivamente. Tendo em conta que os GGF, no período em análise, foram de 20.000 €, qual o CIPA de cada um dos produtos, bem como o montante dos custos industriais não incorporados.

A Armários 3.333 € Mesas 6.667 € CINI 0 € B Armários 16.000 € Mesas 6.000 € CINI 0 € C Armários 16.000 € Mesas 4.000 € CINI 6.000 € D Armários 16.000 € Mesas 8.000 € CINI - 4.000 € Cálculos [obrigatórios na folha de prova]:

Quota teórica / quantidades produzidas

Coeficiente de imputação = 18.000 / (6.000 + 3.000) = 2 € Imputação GGF armários = 8.000 * 2 = 16.000 €

Imputação GGF mesas = 4.000 * 2 = 8.000 € Cini = 20.000 – (16.000 + 8.000) = - 4.000 €

5 - Suponha que num processo de produção conjunta se obtêm 100 kg de um subproduto cujo preço de venda é de 5 €, os gastos industriais específicos são de 1 €/kg e os gastos de distribuição são de 50 €. Adotando o critério do lucro nulo para a sua valorização, o gasto industrial unitário vem:

A 4,5 €/kg B 4 €/kg C 0 €/kg D Nenhuma das anteriores

Cálculos [obrigatórios na folha de prova]:

Valor de venda = 100 x 5 = 500 € Gasto espec. Industrial = 100 x 1 = 100 € Gasto espec. Ñ industrial = 50 €

Lucro = 500 – 100 – 50 = 350 €  imputar gastos conjuntos  gasto de produção = 350 (gc) + 100 (ge ind.) = 450 €

(3)

GRUPO II

[6 valores]

A empresa Mytime comercializa relógios que fabrica mediante assemblagem do mecanismo que compra a terceiros, com mostradores e braceletes de “design” próprio, cujo fabrico encomenda igualmente a terceiros.

Os seus clientes são lojas de moda original, para senhoras, que encomendam as unidades pretendidas antecipadamente, mediante recurso a protótipos.

São produzidos actualmente três modelos, Europa, Ásia, África, sendo os elementos económicos da empresa os seguintes:

Europa Ásia África

Produção/Vendas 20.000 unid 10.000 unid 30.000 unid

Preço de Venda (€) 40 62 32

Matérias primas/Componentes e Outros gastos industriais variáveis unitários (€)

24 26 23

Gastos de Conversão fixos (€) 250.000

Gastos de distribuição variáveis por unidade (€)

4 6 3

Gastos de Distribuição fixos (€) 60.000

Gastos administrativos fixos (€) 84.000

▪ A capacidade de produção, para o exercício em questão, está estimada na assemblagem de 100.000 unidades. Com base na informação apresentada pretende-se que:

1) Determine o ponto crítico em quantidades, desdobrando-o por produto e referindo o respectivo significado (1 valor);

2) Determine a margem de segurança e comente o seu significado (0,5 valores);

3) Sem elaborar a Demonstração de Resultados, indique qual o resultado esperado (0,5 valores);

4) Determine o número de unidades que a empresa teria que vender para apurar um resultado de 360.000 € (1 valores);

5) Se a empresa aplicar o sistema de custeio de imputação racional qual será o resultado esperado para o período (1 valor);

6) A empresa admite que baixando o preço de venda do modelo Ásia em 15 €, poderia aumentar as respectivas vendas para 20.000 unidades tendo que suportar gastos fixos de distribuição adicionais de 40.000 €. (1 valor)?

1. É possível? Porquê?

2. Vale a pena do ponto de vista económico.

7) Calcule o lucro máximo possível se a empresa centralizar a produção num único produto (1 valor).

(4)

Resolução do Grupo II

1. Determine o ponto crítico em quantidades, desdobrando-o por produto e referindo o respectivo significado. PRODUTOS VENDAS [QUANT.] MIX [QV / TOTAL QV] PV CV MC [PV - CV] MCMP [MC X MIX] EUROPA 20.000 33,33 % 40 28 12 4 ÁSIA 10.000 16,67 % 62 32 30 5 ÁFRICA 30.000 50,00 % 32 26 6 3 60.000 100% 12

Ponto crítico em quantidade:

Qc = Kf / mcmp = 394.000 € / 12 = 32,833,33 unid.

A empresa terá de vender 32.833 unid. para não apresentar lucro ou prejuízo. Qc Europa = Qc × Mix Europa = 32.833,33 un. × 33,33% = 10.944 unidades Qc Ásia = Qc × Mix Ásia = 32.833,33 un. × 16,67% = 5.472 unidades Qc África = Qc × Mix África = 32.833,33 un. × 50,00% = 16.417 unidades

2. Determine a margem de segurança e comente o seu significado.

Margem de Segurança:

Ms = (Qv – Qc) / Qc = (60.000 unid. – 32.833 unid.) / 32.833 unid. x 100 = 82,74% A empresa encontrar-se-ia a vender 82,74% acima do ponto crítico.

(5)

3. Sem elaborar a Demonstração de Resultados, indique qual o resultado esperado.

R = (Qv – Q*) mcmp = (60.000 unid.– 32.833 unid) 12 = 326.000 €

4. Determine o número de unidades que a empresa teria que vender para apurar um resultado de 360.000 €:

R = Qv x mcmp – Kf

360.000 € = Qv * 12 – 394.000 € Qv = 62.833 unidades

Qv Europa = Qv × Mix Eu = 62.833,33 un. × 33,33% = 20.944 un.

Qv Ásia = Qv × Mix Ás = 32.833,33 un. × 16,67% = 10.472 un.

Qv África = Qv × Mix Áf = 32.833,33 un. × 50,00% = 31.417 un.

62.833 un.

5. Se a empresa aplicar o sistema de custeio de imputação racional qual será o resultado esperado para o período.

Uma vez que a Produção = Vendas o resultado não se altera independentemente o sistema de custeio aplicado. Assim e uma vez que em 3) se apurou um resultado de 326.000 €, pelo sistema de custeio racional, obter-se-ia o mesmo.

(6)

6. A empresa admite que baixando o preço de venda do modelo Ásia em 15 €, poderia aumentar as respectivas vendas para 20.000 unidades tendo que suportar gastos fixos de distribuição adicionais de 40.000 €.

A) 1.º TEM CAPACIDADE?

CAPACIDADE = 100.000 UNID.

VENDAS MERCADO INTERNO 60.000 UNID.

40.000 UNID. [TEM CAPACIDADE!]

B) VALE A PENA DO PONTO DE VISTA ECONÓMICO?

Ao baixar o preço em 15 €, a sua margem de contribuição baixa para 15 € (margem anterior de 30 € - 15 € = 15 €).

Por sua vez a margem de contribuição deste produto passa de 30 € x 10.000 unidades = 300.000 € para 15 € x 20.000 unidades = 300.000 €, mas a este valor há que retirar os 40.000 € de gastos fixos adicionais, pelo que esta hipótese não se justifica do ponto de vista dos custos.

7. Calcule o lucro máximo possível se a empresa centralizar a produção num único produto.

Se a empresa decidir centralizar a produção num único produto deverá ser no produto Ásia uma vez que é o que tem maior margem de contribuição.

A Hipotese de vender unicamente para o mercado do produtoi Ásia significa vender 100.000 unidades deste produto (a capacidade de produção) pelo que a margem de contribuição seria de 100.000 unidades x 30 € = 3.000.000 €.

Aquele montante haverá que deduzir os gastos fixos do perido, para se apurar o RAI que traduz o lucro máximo possível e que dá 3.000.000 € - 394.000 € = 2.606.000 €.

(7)

GRUPO III

[8 valores]

A sociedade de pastelarias reunidas lda. dedica-se ao fabrico de dois tipos de doces, muito conhecidos no mercado nacional: Bolos Sertório e Bolachas triângulo.

Ambos os produtos contemplam uma fase de fabrico comum e, posteriormente, uma fase de fabrico independente para cada produto. Assim:

1º - a partir da farinha, ovos e açúcar, na secção de mistura, é produzida a massa que irá dar origem aos referidos produtos e que posteriormente passa à secção de estágio e preparação para levedar.

2º - da secção de estágio e preparação obtêm-se os seguintes outputs:

- produto intermédio A que é utilizado para fabricar os bolos sertório, após a transformação que sofre na secção de forno e embalamento;

- produto intermédio B que é utilizado para fabricar as bolachas triângulo as quais são obtidas na secção de acabamento. Da transformação ocorrida nesta secção, também se obtém um subproduto, que resulta do aproveitamento das sobras do produto intermédio B, que é vendido directamente a uma fábrica de rações para animais, para integrar na produção destas.

- um resíduo que obriga a empresa a desfazer-se dele, entregando-o, depois de tratado e acondicionado, na lixeira municipal. O custo (industrial) associado a esta destruição e tratamento correspondeu, neste período a 649,92 €

Na produção da massa ocorre a existência de produção em vias de fabrico. A incorporação nesta dos ingredientes é sempre feita no início do processo, enquanto os gastos de conversão têm uma incorporação linear.

Para além do que antes se descreveu, existem igualmente duas secções de apoio à actividade produtiva: manutenção e gastos comuns.

Resta acrescentar que:

• Os bolos são embalados numa caixa de cartão, com um custo de 0,5 €/unid.

• O custo da embalagem das bolachas está, por simplificação, englobado nos gastos de conversão respectivos.

• Para a venda do subproduto, a empresa incorre em gastos de transporte correspondentes a 0,01 €/kg. Em novembro de 2019 a produção e as vendas da empresa corresponderam ao seguinte:

Produção e vendas

Produtos Unidade Vendas Produção Preço venda

Massa Kg - - 100.000 - -

Bolos sertório Unid. ??? 80.000 2 €/unid Bolachas triângulo Emb. 15.000 20.000 1,5 €/emb.

Subproduto Kg 4.000 4.000 0,2 €/kg

Resíduo Kg - - 2.000 - -

Já relativamente aos gastos de conversão, para o mesmo período, a informação pertinente está resumida no quadro seguinte: Secções Gastos Mistura Estágio e preparação Forno e

embalamento Acabamento Manutenção

Gastos comuns

Gastos diretos 10.000 € 8.000 € 7.000 € 5.000 € 20.000 € 3.000 €

Actividade Kg massa Kg massa Kg bolos Kg bolachas 212 hh - -

Manutenção 30 hh 50 hh 40 hh 20 hh - - 72 hh

(8)

Inventários

Descrição Compras Ii If

Qtd. Valor (€) Qtd. Valor (€) Qtd Valor (€)

Açucar (kg) 10.000 0,8 €/kg 1.000 750 € 500

Farinha (kg) 20.000 12.000 € 4.500 225 € 2.000 Ovos (dúzias) 1.000 1.500 € 100 1,2 €/duz. - - Bolos sertório (unid) - - - - 12.000 1,05 €/unid 7.000

Bolachas triângulo

(emb) - - - - 4.000 0,75 €/emb ???

Gastos não industriais fixos:

Descrição Administrativos Distribuição Financeiros Gastos não industriais 20.000 € 8.000 € 12.000 €

Critérios utilizados

Descrição Sistema

custeio Subprodutos Resíduo Custos conjuntos

Fórmula de custeio Critérios Total Lucro nulo

Custo nulo

Valor venda produção no ponto separação

FIFO

No que respeita à massa (produto intermédio), no inicio e no final do período existia produção em vias de fabrico sendo o inventário inicial correspondente a 500 kg com um grau de incorporação/valor de 60 %/100 €; já o inventário final correspondia a 300 kg com um grau de incorporação de 40 %.

Pretende-se:

A) Elabore o esquema do processo produtivo. (1 valor)

B) Prepare o mapa das secções homogéneas. (2,5 valores)

C) Determine os custos de produção e produção acabada, totais e unitários. (3,5 valores)

D) Elabore a demonstração de resultados por funções. (1 valor)

Resolução do Grupo III

a) Elabore o esquema correspondente ao processo produtivo. (1 valor)

(9)

b) PREPARE o mapa do custo das Secções Homogéneas. (2,5 valores)

c) DETERMINE OS CUSTOS DE PRODUÇÃO E PRODUÇÃO ACABADA, TOTAIS E UNITÁRIOS. (3,5 valores)

Custos conjuntos = CIPA Massa + Estágio e Preparação

CIPA Massa = CIPM Massa + Ii pvf – If PVF CIPM Massa = MP + Mistura

Consumo Matérias PRIMAS = 120.000 €

MP = AÇUCAR FARINHA OVOS TOTAIS

II = 750 225 120 1.095

COMPRAS = 8.000 12.000 1.500 21.500

IF = 400 1.200 0 1.600

CONSUMO = 8.350 11.025 1.620 20.995

CIPM Massa = 20.995 + 15.738 = 36.733 CIPA Massa = CIPM + Ii PVF – IF PVF CIPA = 36.733 + 100 – If pvf

(10)

Inv.i PVF MP = 100 €

Produção do Mês = Prod. Acabada + Inv.f PVF – Inv.i PVF

PM MP = 100.000 + 300 * 100 % – 500 * 100 % uea = 99.800 uea Gasto = 20.995 € Unit. = 0,21037 €

PMGC = 100.000 + 300 * 40 % – 500 * 60 % = 99.820 uea Gasto = 15.738 € Unit. = 0,15766 €

Inv.f PVF MP = 300 uea x 0,21037 € = 63,111 € Inv.f PVF GC = 120 uea x 0,15766 € = 18,919 €

Total 82,05 € CIPA = 36.733 + 100 – 82,03 = 36.750,95 €

Custos Conjuntos = 36.750,95 + 15.599,13 = 52.350,08 Custos conjuntos a repartir = Custos Conjuntos + residuo custos conjuntos a repartir = 52.350,08 + 649,92 = 53.000 €

Repartição (Método do Valor de Venda da Produção no Ponto de Separação):

V. Venda Produção A = 80.000 x 2 € = 160.000 € .

V. Venda Produção B = 20.000 X 1,5 € = 30.000 €

C. Específicos A = Forno + Caixas de cartão

C. Específicos A = 13.215,28 + 40.000

C. Específicos A = 53.215,28

C. Específicos B= Acabamento - subproduto

C. Específicos B = 8.447,60 € -760 €

C. Específicos B = 7.687,60 €

C. Conjuntos A = 106.784,72 € / 129.097,12 € x 53.000 € = 43.839,79 €

(11)

d) Elabore a Demonstração de Resultados por Funções. (1 valor)

FORMULÁRIO DE CONTABILIDADE DE GESTÃO

INV.I + PRODUÇÃO = VENDAS + INV.F ... PRODUTOS ACABADOS [EM QUANTIDADE]

INV.I + COMPRAS = CONSUMO + INV.F ... MATÉRIAS-PRIMAS [EM QUANTIDADE E VALOR]

CUSTO DE CONVERSÃO:CC = MOD + GGF

CUSTO INDUSTRIAL DO PERÍODO:CIP = MP + MOD + GGF

CUSTO INDUST. PROD. ACABADA:CIPA = CIP + INV.IPVF – INV.FPVF CIPAUNIT. = CIPA/PRODUÇÃO

CUSTO IND. PROD. VENDIDOS:CIPV = CIPA + INV.IPA – INV.FPA OU, CIPV = QV X CUSTO UNITÁRIO [FÓRMULAS DE CUSTEIO]

ANÁLISE CVR

RESULTADO:R = V – KF – KV OU, R = QV . [PV – CV] – KF

RESULTADO A PARTIR DO PONTO CRÍTICO:R = [QV – QC] . [PV – CV] OU, R = [V – VC] . %MC ▪ CUSTO/GASTO VARIÁVEL UNITÁRIO:CV = [KV INDUST. / PRODUÇÃO] + [KV Ñ. INDUST. / VENDAS] ▪ MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO:MC = V – KV OU, MC = PV – CV

% DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO:%MC = [V – KV] / V OU, %MC = [PV – CV] / PV ▪ QUANTIDADE CRÍTICA:QC = KF / [PV – CV] OU, QC = KF / MC

VALOR CRÍTICO:VC = KF / [1 – CV/PV] OU, VC = QC X PV OU, VC = KF / %MC

PONTO CRÍTICO MULTIPRODUTO: QC = KF / MCMP VC = KF / %MC ▪ MARGEM DE SEGURANÇA:MS = [QV – QC] / QC OU, MS = [V – VC] / VC ▪ RESULTADO MARGINAL:RM = QVM . [PV – CV]

SISTEMAS DE CUSTEIO

CUSTEIO TOTAL: CIP = KV IND. + KF IND. | CIÑI = 0 ▪ CUSTEIO VARIÁVEL:CIP = KV IND. | CIÑI = KF IND.

CUSTEIO IMPUTAÇÃO RACIONAL:CIP = KV IND. + [KF IND. X GA] | CIÑI = KF IND. X [1 – GA] ▪ GRAU DE ATIVIDADE:GA = ATIVID. OU PRODUÇÃO REAL / ATIVID. NORMAL OU CAPACIDADE ▪ GRAU DE SUBACTIVIDADE:G. SUBATIV. = [1 – GA]

SECÇÕES HOMOGÉNEAS:

▪ CUSTO DAS SECÇÕES = CUSTOS DIRETOS [DE FUNCIONAMENTO] + REEMBOLSOS DE OUTRAS SECÇÕES

MÉTODO DAS UNIDADES EQUIVALENTES:

▪ PRODUÇÃO DO MÊS UEA = PRODUÇÃO ACABADA + INV.F PVF – INV.I PVF

Imagem

Referências

temas relacionados :