DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE PRODUTOS

12 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

EMC 6605 - Projeto Conceitual

2006.1

CAPÍTULO 1

DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DO

PRODUTO E SUA IMPORTÂNCIA

PARA A COMPETITIVIDADE

2

Capítulo 1

Desenvolvimento integrado do produto e sua importância para a competitividade PROJETO CONCEITUAL – AULA 1

• Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

• Breve histórico da área de conhecimento • Desenvolvimento de produtos e sua importância

para a competitividade

• O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

Principais tópicos

3 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

DESENVOLVIMENTO

INTEGRADO DE PRODUTOS

4 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ O desenvolvimento do produto compreende os aspectos de planejamento e projeto, desde:

ƒ

a pesquisa de mercado;

ƒ

o projeto do produto;

ƒ

o projeto do processo de fabricação;

ƒ

o plano de distribuição, de manutenção;

ƒ

o descarte ou desativação do produto.

ƒ O DP é todo o processo de transformação de informações necessárias para a identificação da demanda, a produção e o uso do produto. 5 MEIOS DE TRANFORMAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO INFORMAÇÕES DE PRODUÇÃO/USO Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

VISÃO GERAL DO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

6 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ

O desenvolvimento integrado do produto implica

que o processo de transformação e geração de

informações é:

ƒ

realizado por uma equipe multidisciplinar ou

ƒ

que os requisitos, as restrições e as soluções, ao

longo das fases do processo, são pensados

simultaneamente;

ƒ

O termo

engenharia simultânea

também é usado

para expressar o desenvolvimento integrado de

produtos.

(2)

7 Projeto Preliminar c Modelagem Geométrica Modelagem Comportamento lp Análise Integridade Análise econômica Otimização Integrada

VISUALIZANDO ELEMENTOS DA ES NO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos 8

PRINCÍPIOS, CONHECIMENTOS, EXPERIÊNCIA, FERRAMENTAS, REGRAS

Otimização Integrada do Produto

SELEÇÃO DE MATERIAIS PROJETO PARA MANUFATURA PROJETO PARA MONTAGEM PROJETO PARA O AMBIENTE PROJETO PARA MANTENABILIDADE PROJETO PARA CONFIABILIDADE ... VISUALIZANDO ELEMENTOS DA ES NO DESENVOLVIMENTO DE

PRODUTOS Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

9 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

PRODUTO

10 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ O termo

produto

refere-se a um objeto concebido, produzido industrialmente, com características e funções, comercializado e usado pelas pessoas ou organizações, de modo a atender seus desejos ou necessidades.

ƒ Atributos básicos de um produto:

ƒ

material;

ƒ

embalagem;

ƒ

marca;

ƒ

serviços pós-venda e

garantias;

ƒ

etc.

ƒ

aparência;

ƒ

forma;

ƒ

cor;

ƒ

função;

ƒ

imagem;

11

ƒ Em Kotler, et al. (1999) produto é qualquer coisa oferecida ao mercado para obter atenção, para aquisição, uso ou consumo e que pode satisfazer necessidades e desejos.

ƒ Os produtossão percebidos pelos consumidores como um

conjunto de benefícios e são escolhidos aqueles cujos benefícios representam a melhor opção para os recursos disponíveis pelo consumidor.

ƒ Produtos incluem objetos físicos, serviços, organizações, idéias ou uma combinação destas entidades e são caracterizados por três níveis de atributos.

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

níveis

12 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

Visão geral de produto

Benefício ou serviço Embalagem Características Estilo Qualidade Marca Instalação Serviço pós-venda Distribuição e crédito Garantia Núcleo do produto Produto real Produto expandido Kotler, et al. (1999)

(3)

13

ƒ Em Blanchard & Fabricky (1981) produtos são considerados como sistemas. Trata-se de uma combinação de elementos, ou partes, que formam um todo complexo, ou unitário, que tem, ou serve, a algum propósito.

ƒ As partes operantes de um sistema são as grandezas de entrada, de saída e os processos realizados. Em particular,

na engenharia, está-se interessado em sistemas técnicos.

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

FUNÇÕES Grandezas de entrada Grandezas de saída SISTEMA TÉCNICO

14 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

GRAU DE INOVAÇÃO DO

PRODUTO

15

ƒ Quanto ao grau de novidade, os produtos podem ser classificados em:

ƒ variantes de produtos existentes: extensões de linha, o re-posicionamento de produtos em termos de seu uso e mercado, formas novas, versões modificadas e, em alguns, casos a nova embalagem de produtos existentes;

ƒ Inovativos: modificações feitas em produtos existentes, gerando produtos de elevado valor agregado, geralmente, um maior grau de inovação requer um tempo mais longo ou esforço de desenvolvimento e maior custo de pesquisa;

ƒ Criativos:geralmente são produtos com existência nova, o tempo de desenvolvimento é longo e os custos de pesquisa e desenvolvimento são elevados. A introdução no mercado, de produtos criativos pode ser de risco elevado, mas também pode gerar novos paradigmas e potencializar novos campos industriais.

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos 16

EXEMPLO DE PRODUTOS VARIANTES Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

17

EXEMPLO DE PRODUTOS INOVATIVOS Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

Fonte desconhecida Aço forjado, 3 peças

Termoplástico, 1 peça

ICY RIDER Inventor: Dan Hanebrink http://inventors.about.co m/gi/dynamic/offsite.htm ?site=http://www.time.co m/time/2003/inventions/i nvicebike.html Fuel-Cell Bike http://inventors.about.com/gi/dyn amic/offsite.htm?site=http://www.t ime.com/time/2001/inventions/ 18

EXEMPLO DE PRODUTOS CRIATIVOS Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

Philips Paper-like Display

http://www.geekzone.co.nz/content.asp?contentid=5142

Fonte desconhecida

http://inventors.about.com/od/astartinventions/a/air_bags.htm Ford, 1971; Generl Motors, 1973 Dean Kamen

2000 Segway HT

(4)

19 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

CICLO DE VIDA DE

PRODUTOS

20

ƒ Ciclo de vida do produto: todos os produtos, independente de sua natureza ou características, têm um determinado ciclo de vida

ƒ

Ponto de vista econômico:

Crescimento Maturidade Declínio

Introdução Vendas Lucro v end as /l uc ro tempo

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

21

ƒ

Ciclo de inovação

(PATTERSON, 1993)

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

Fl ux o d e ca ixa Surg im ent o d a op or tu ni da de Pe rcep ç ã o d a op or tuni d ad e In íc io da s at iv id ad es do pr oj et o Pr od ut o es peci fid o e pl an o de pr o du çã o La nçã om ent o Pr im ei ro s cl ie nt es sa tisf ei to s Ciclo de inovação Ret or no d o in ve st im en to Período de retorno líquido Tempo In íc io d o decl ín io

22 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

Fl ux o d e ca ix a In íc io da s at iv id ad e s do pr oj e to Pr od ut o es p eci fid o e p la no d e p rod uç ã o Desenvolvimento do produto Tempo Pl an e jam en to Pr o jet o i nf o rm ac io na l Pr oj et o c o ncei tu a l Pr oj e to pr elim in a r Pr oj et o d e ta lh a do Pl an ej am e nt o d o C VF adaptação de PATTERSON, 1993 23

ƒ

Ponto de vista de transformação de informações

e materiais (Back, 1983):

Projeto Planejamento Produção Matéria prima Produção Consumo Recursos Recuperação Sucata Bens manufaturados Distribuição Bens vendidos Resíduos Be n s m a te ri a is In fo rm aç ões

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos 24

Planejamento do produto Projeto do produto Fabricação do produto Distribuição do produto Utilização do produto

Determinação das necessidades de projeto, levando em conta os estados

futuros do produto

Embalagem Manufatura

Distribuição

Identificação dos clientes do projeto e de suas necessidades Fase Informações Manufatura Xxxxxxxx Distribuição xxxxxxxx Uso xxxxxxxxx ... ... Categorização de informações de projeto

Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ Utilização de modelos do ciclo de vida e as informações correspondentes a cada fase para o desenvolvimento do produto

(5)

25 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

PROJETO

DEFINIÇÕES GERAIS

26 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ Conforme o AURÉLIO (1986) a palavra projeto é a “idéia que se forma de executar ou realizar algo no futuro, é um plano, um intento ou desígnio”.Assim, projeto do produto é um plano de um empreendimento a ser realizado - um produto, com o fim de atender a uma necessidade;

ƒ Projeto corresponde ao termo design em inglês e konstruktionem alemão.

ƒ Traduzido do dicionário Oxford (FOWLER, H.W. e FOWLER, F.G., 1964), o projeto ainda pode ser definido como “um plano mental, um esquema de ataque, visão de um fim, adaptação de meios para fins, ..., esquemas preliminares de um objeto, ..., invenção”

;

27 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ meios para fins implica que se projeta não para um exercício mental abstrato, mas com uma meta definida em vista;

ƒ mentalsugere que o projeto é um processo de pensamento. Quando se projeta trata-se primeiramente com idéias, com abstrações, ao invés de números. É vital que se desenvolva e aplique a imaginação para visualizar, realisticamente, a futura concepção do produto;

ƒ plano, esquema, sugere que o projeto é distinto do ponto de vista da implementação. Diferentes planos podem ser preparados;

ƒ invenção, significa que se está procurando alguma coisa nova, pelo menos parcialmente. A criatividade é crucial para esse propósito.

28 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

PROJETO

DEFINIÇÕES DE ENGENHARIA

29 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ Projeto de engenharia é o “uso de princípios científicos, informações técnicas e imaginação na definição de estruturas, máquinas ou sistemas para desempenhar funções pré-especificadas com máxima economia e eficiência”;

ƒ Projeto é uma atividade predominantemente cognitiva, fundamentada em conhecimento, experiência e dirigida na

busca de soluções ótimasde produtos técnicos, a fim, de determinar a construção funcional e estrutural e criar documentos com informações precisas e claras para a fabricação;

30 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒ O projeto do produto pode ser formulado como uma

atividade de planejar, sujeito às restrições de resolução, uma peça ou um sistema, para atender de forma ótima, as necessidades estabelecidas, sujeito, ainda, às restrições de solução.

ƒ Como restrições de resolução se entende aquelas que se relacionam com o conhecimento disponível, o tempo, facilidades de laboratório e de computação para resolver o problema;

ƒ As restrições de soluçãoque englobam aspectos de custos, disponibilidade de materiais, equipamentos de fabricação, de uso, manutenção e descarte.

(6)

31 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

PROJETO

PRODUTO

O que fazer

Para quem fazer

Quando fazer

Com que fazer Como fazer

Processo eficiente

Processo eficaz

Metodologia de projeto do produto

Necessidades

32 Conceitos para o desenvolvimento integrado de produtos

ƒEvbuomwam, N.F.O, et al. A survey of design philosophies, models, methods and systems; 1996. ƒFingers, S. e Dixon, J.R, A review of

research in mechanical engineering design. Part I: descriptive, prescriptive, and computer-based models of design process; 1989.

ƒFingers, S. e Dixon, J.R, A review of research in mechanical engineering design. Part II: representations, analysis, and design for life cycle; 1989.

ƒHorváth, I., A treatise on order in engineering design research; 2004.

ƒEngenharia do produto ƒProjeto de engenharia ƒTeoria de projeto ƒEngineering design ƒProduct design ƒTheory of design ƒMethodisches Konstruieren ƒTheorie der Konstruktionsprozesse

Leituras recomendadas para uma visão geral da área de estudo Termos encontrados na literatura

para essa área de estudo

33 Breve histórico da área de conhecimento

BREVE HISTÓRICO DA ÁREA

DE CONHECIMENTO

34

ƒ No século XX, a partir da Segunda Guerra Mundial, iniciaram-se estudos da atividade de projeto como uma disciplina independente.

ƒ A partir de 1960 encontram-se algumas obras que tratam da atividade de desenvolvimento de produtos de uma forma mais sistemática.

ƒ Na década de 1980, países como Estados Unidos da América e Inglaterra fizeram estudos para identificar razões da perda de competitividade de seus produtos. Ficou evidenciado que estas perdas estavam associadas a deficiências na qualidade de projeto de seus produtos.

Breve histórico da área de conhecimento

35

ƒ Na Alemanha, desde a década de 1970, desenvolveu-se um grande esforço de pesquisa nesta área do conhecimento, como mostram várias obras, de autores tais como: KOLLER (1976); RODENACKER (1976); PAHL e BEITZ (1977) e ROTH (1982)

ƒ Após o estudo da ASME (1985) houve um grande impulso em pesquisas e publicações de resultados, introduzindo novos conceitos, dentre os quais: projeto para o ciclo de vida do produto; projeto para manufatura; projeto para montagem; projeto para qualidade total; projeto para competitividade; desdobramento da função qualidade, QFD; engenharia simultânea; desenvolvimento integrado do produto; sistemas especialistas em projeto; etc.

Breve histórico da área de conhecimento 36

ƒ No Brasil foram poucas as iniciativas de ensino e pesquisa nesta área de conhecimento. No Departamento de Engenharia Mecânica da UFSC, foram dados os primeiros passos em 1976, introduzindo disciplinas de metodologia de projeto de produtos industriais, na graduação e pós-graduação.

ƒ No início da década de 1980, BACK (1983) publicou a primeira obra em português sobre metodologia de projeto de produtos industriais.

ƒ Na década de 1990, com a abertura da economia brasileira, é que houve, por parte da indústria brasileira, uma grande procura de profissionais com competência em desenvolvimento do produto.

(7)

37 Breve histórico da área de conhecimento

Tabela 1.1 Evolução no campo de conhecimento em projeto de produtos

A obra, até esta data, apresentou a melhor visão sobre o abrangente processo de projeto de engenharia. Praticamente não usou o termo de projeto ou desenvolvimento de produto, mas é uma boa obra e descreve de forma sistemática o desenvolvimento de projetos de engenharia.

WOODSON, T. T. (1966) 2

Este foi o primeiro livro que apresentou, de forma mais orientada as atividades desenvolvidas ao longo do processo de projeto de engenharia.

ASIMOV, M. (1962) 1

Comentários sobre a obra Principais

referências Item

38 Breve histórico da área de conhecimento

O autor apresentou uma sistemática, ou melhor, uma metodologia de projeto de sistemas técnicos. Está baseada em resultados de pesquisas desenvolvidas na Alemanha semelhantes ao material citado no item 4. KOLLER, R. (1976)

5

Foram publicados neste período 36 artigos na revista Konstruktion, descrevendo a prática de projeto como resultados de pesquisas de diversos centros na Alemanha. Este pode ser considerado um marco inicial e importante para a sistematização do processo de desenvolvimento de produtos. PAHL, G. e BEITZ,

W. (1972 – 1974) 4

Esta, talvez, seja a primeira obra que adota o termo de projeto de produtos e,

pioneiramente, apresenta capítulos tais como: projeto para função; projeto para uso; projeto para aparência e projeto para manufatura. Para a época foi uma obra muito boa. CAIN, W. D.

(1969) 3

39 Breve histórico da área de conhecimento

As pesquisas realizadas na Alemanha e descritas nas obras dos itens 4 a 7, resultaram nesta norma que apresenta uma sistemática de projeto de sistemas técnicos. Em 1985 foi publicada a VDI 2221. VDI 2222 (1977)

8

Os autores, no item 4, eram os editores dos artigos e esta obra é uma transformação daqueles artigos em um livro. A obra foi republicada, até o presente, em várias edições, inclusive em inglês. Provavelmente estes dois autores sejam, mundialmente, os mais referenciados neste domínio de conhecimento. Foi, e é ainda, uma excelente obra

PAHL, G. e BEITZ, W. (1977) 7

Esta obra é semelhante ao livro de KOLLER, também apresenta uma metodologia de desenvolvimento de sistemas técnicos. RODENACKER,

W.G. (1976) 6

40 Breve histórico da área de conhecimento

Esta foi a primeira obra sobre metodologia de projeto de produtos industriais publicada em português. O conteúdo fez parte de duas disciplinas ministradas na pós-graduação em engenharia mecânica da UFSC e cobria aspectos de projeto do produto. Fundamentou as bases para pesquisa e ensino em metodologia de projeto e para o reconhecimento deste domínio no Brasil. BACK, N. (1983)

10

Esta obra é típica de engenharia de sistemas e foi o livro que, até aquela data, melhor apresentou uma visão global do processo de desenvolvimento de produtos. Tinha a visão de projeto do produto para o consumidor e para o ciclo de vida do produto, próxima da atual visão da engenharia simultânea. BLANCHARD, B.

S. e FABRICKY, W. J. (1981) 9

41 Breve histórico da área de conhecimento

Este artigo apresenta recomendações e diretrizes para o ensino e pesquisa na área. Os trabalhos dos itens 11 e 12, podem ser considerados como um marco para o desenvolvimento desta área de conhecimento, especialmente, nos Estados Unidos e Inglaterra.

ASME (1986) 12

A pesquisa foi realizada pela ASME, procurando identificar as razões pelas quais os produtos dos Estados Unidos estavam perdendo competitividade frente a produtos do Japão e Alemanha. A constatação foi baixa qualidade do projeto de seus produtos e teve como principal causa os descuidos no ensino e pesquisa na área de

desenvolvimento de produtos. ASME (1985)

11

42 Breve histórico da área de conhecimento

Estas três obras representam muito bem um número elevado de publicações, que surgiram a partir do final da década de 80, nas quais são descritas metodologias de desenvolvimento de produtos com as visões de engenharia simultânea, qualidade total, desenvolvimento integrado ou projeto para competitividade. CLAUSING, D. (1994); KUSIAK, A. (1993) e ULLMAN, D.G. (1992) 14

De forma análoga ao item 11, este artigo aborda o correspondente estudo efetuado na Inglaterra.

WALLACE, K. M. e HALES, C. (1987) 13

(8)

43

A partir dos meados da década de 80, a área de desenvolvimento de produtos recebeu uma atenção muito grande, resultando numa avalanche de publicações, novos termos, conceitos e siglas

Breve histórico da área de conhecimento

• projeto para o ciclo de vida do produto (Design For Life Cycle – DFLC); • projeto para o consumidor (Design For Consumer);

• projeto para custo (Design For Cost – DFC);

• projeto para manufatura (Design For Manufacturing – DFM); • projeto para montagem (Design For Assembly – DFA); • projeto para meio ambiente (Design For Environment – DFE); • projeto para confiabilidade (Design For Reliability); • projeto para mantenabilidade (Design For Maintainability); • engenharia simultânea (Concurrent Engineering – CE); • projeto para a qualidade (Design For Quality – DFQ); • projeto para competitividade (Design For Competitiveness); e

• desenvolvimento integrado do produto (Integrated Product Development – IPD).

44

Visões gerais

ƒ O projeto deve ser elaborado tendo por preocupação certas características ou qualidades do produto. Exemplos nesta linha têm-se: projeto para custo; projeto para manufatura; projeto para montagem; projeto para confiabilidade; projeto para mantenabilidade, projeto para meio ambiente.

ƒ No processo de desenvolvimento do produto a preocupação refere-se a multidisciplinaridade, ciclo de vida do produto, integração de equipes e simultaneidade de atividades de desenvolvimento. Nesta linha podem ser enquadrados os seguintes: projeto para o ciclo de vida do produto; engenharia simultânea; projeto para a qualidade; projeto para competitividade e desenvolvimento integrado do produto.

Breve histórico da área de conhecimento

45

IMPORTÂNCIA DO

DESENVOLVIMENTO DE

PRODUTOS

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade 46

ƒ De acordo com COUTINHO (1994), o desempenho competitivo é condicionado por um vasto conjunto de fatores

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

47

ƒ Os fatores internosà empresa são aqueles que estão sob a sua esfera de decisão e através dos quais se procura distinguir de seus competidores, principalmente com o

PROJETO DO PRODUTO.

ƒ Os fatores estruturais são aqueles que, mesmo não sendo inteiramente controlados pela organização, estão parcialmente sob sua área de influência e caracterizam o ambiente competitivo que ela enfrenta diretamente.

ƒ Os fatores sistêmicos são aqueles dos tipos:

macroeconômicos; político-institucionais; regulatórios; infra-estruturais e sociais; normalmente fora do controle da organização, mas relevantes para seu sucesso.

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade 48

Influência das decisões de projeto nos custos do ciclo de vida do produto

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

C omp ro m et ime nt o d e cu st o d o ci cl o de v ida do pr od ut o ( % )

Análise de mercado, estudo de viabilidade, requisitos de projeto, concepção, manutebilidade, etc. 100 75 50 25 0 Planejamento e projeto conceitual Projeto

preliminar Projetodetalhado Produção construção e avaliação Uso e apoio logístico do produto Projeto detalhado e desenvolvimento. Avaliação de alternativas, análises, definições, etc.

(9)

49

Influência das decisões de projeto sobre o custo total do produto

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

In flu ên ci a p er ce ntu al s obr e o cu st o to ta l do pr od ut o Material Projeto Contabilidade de c ustos 5% 10 20 20% 30 40 50 5% 5% 60 70 70% 80 90 100 50% 15% 30% Mão de obra Instalações SMITH, 1991 50

Influência de mudanças no desenvolvimento do produto Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

Cu st o de m udan ça 10.000 1.000 100 10

Início Projeto Protótipo Produção Lançamento Estágio de desenvolvimento

HUTHWAITE e SCHNEBERGER, 1992

51

ƒDe 70% a 90% do custo do ciclo de vidado produto já estão

comprometidos com as decisões tomadas até o final do

projetodo produto;

ƒO projeto conceitualde um produto deve ser bem elaborado de início, para evitaros elevados custos de modificaçõesem estágios avançados do desenvolvimento;

ƒA aplicação de metodologias ou procedimentos de desenvolvimento integrado do produto ou de engenharia simultânea tem apresentado consideráveis vantagens nos seguintes aspectos: redução de tempode desenvolvimento do produto; redução de modificações do projeto e aumento da qualidadesob os mais diversos aspectos.

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade 52

ƒMecanismopara obtençãoe consideração de novas e melhoradas idéias de produtos e processos, de consumidores, de colaboradores e de mercado. Este processo era facilitado e apoiado por um contínuo fluxo de informações de novas metodologias, materiais e tecnologias;

ƒMecanismo para seleção de novas idéias para estudos preliminares relativos ao projeto, potencial de mercado, fabricação, custos e estratégias da empresa;

ƒEmprego da engenharia simultânea usando equipes

multifuncionais para obtenção da integração da função do produto, dos processos de manufatura, aspectos de mercado e outras considerações do ciclo de vida, durante o processo de realização do produto;

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

Práticas de empresas competitivas

53

ƒBem definidos pontos e critérios de decisãoe de participantes de decisão, durante o processo de realização do produto;

ƒO máximo uso da computaçãono desenvolvimento de protótipos, métodos e tecnologias de simulação;

ƒEspecial atenção para o papel de protótipos, seus propósitos, números, tempos e tecnologias;

ƒConstante pesquisa visando a substituição de materiais;

ƒComprometimento total da empresapor qualidade, custo e prazos de lançamento do produto no mercado;

ƒEspecial atenção para o controle de processos visando alta qualidade ao produto;

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

Práticas de empresas competitivas

54

ƒEspecial atenção para tolerâncias;

ƒEstabelecimento e contínuo refino das medidas da qualidadedo produto e do desempenho do projeto e dos processos de manufatura;

ƒCrescente ênfase na integração de sistemas de tecnologias mecânicas, eletrônicas, ópticas e da computação;

ƒUso, ao máximo possível, de concepções baseadas em custos; ƒUso, ao máximo possível, de tecnologias computacionais, CAD,

modelagem sólida, de montagem; e

ƒOutras metodologias e tecnologias específicastais como projeto para manufatura, montagem, confiabilidade, segurança, mantenabilidade, apoio logístico, etc.

Desenvolvimento de produtos e sua importância para a competitividade

(10)

55

O ENSINO DO

DESENVOLVIMENTO DE

PRODUTOS

O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras 56 O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

Competências para os profissionais de

DP

ƒAbordagens sistemáticas de desenvolvimento e projeto de produto; ƒConhecimentos de modelos, métodos

e ferramentas de projeto; ƒ... Validação Lançamento Preparação da Produção Projeto Detalhado Projeto Preliminar IMPLEMENTAÇÃO PROJETAÇÃO Projeto Conceitual Projeto Informacional Planejamento do Projeto

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PLANEJAMENTO Validação Lançamento Preparação da Produção Projeto Detalhado Projeto Preliminar IMPLEMENTAÇÃO PROJETAÇÃO Projeto Conceitual Projeto Informacional Planejamento do Projeto

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PLANEJAMENTO Validação Lançamento Preparação da Produção Projeto Detalhado Projeto Preliminar IMPLEMENTAÇÃO PROJETAÇÃO Projeto Conceitual Projeto Informacional Planejamento do Projeto

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PLANEJAMENTO Validação Lançamento Preparação da Produção Projeto Detalhado Projeto Preliminar IMPLEMENTAÇÃO PROJETAÇÃO Projeto Conceitual Projeto Informacional Planejamento do Projeto

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS PLANEJAMENTO

ƒ Criatividade

ƒ Intuição

ƒ Motivação

ƒ Comunicação

ƒ Relacionamento

Bassetto, 2004

57 O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

Bassetto, 2004

58

Recomendações para capacitação de projetistas de

produtos industriais (DIXON, 1991)

O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

Conhecer os conceitos e práticas dos processos de projeto num ambiente de engenharia simultânea, bem como, a prática de trabalho e de tomada de decisão em equipes multidisciplinares e multiculturais. Saber elaborar e apresentar relatórios efetivos. Engenharia simultânea e princípios de trabalho em equipe 2

Conhecer os passos essenciais do processo de realização de produtos e os processos de

benchmarking competitivo. Compreender o impacto

do projeto sobre marketing, finanças, manufatura e estratégia da empresa na realização de produtos; dos tipos e propósitos dos protótipos; da qualidade, custo e tempo de lançamento no processo de desenvolvimento de produtos.

Projeto de engenharia no contexto do negócio 1

Desdobramento das capacidades típicas necessárias ao projetista Capacidades dos

projetistas Item

59 O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

Conhecer e saber usar estatística, probabilidade, teoria da decisão e princípios de projeto de experimentos.

Estatísticas 5

Conhecer e praticar selecionados métodos de modelagem computacional; modelagem de processos analíticos; desenvolver modelos para análise e simulação de projetos; conhecer métodos de prototipagem rápida. Análise e

prototipagem 4

Conhecer os processos de manufatura, suas características físicas, economias, práticas e tolerâncias; conhecer e praticar os métodos de projeto para manufatura, de projeto para montagem, de projeto para o ciclo de vida e os métodos estatísticos de controle de processos.

Manufatura 3

60 O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

Manter-se informado e aprender sobre novos materiais, tecnologias e processos, quando necessários, através de leituras, discussões, conferências técnicas e de negócios.

Novas informações e aprendizagem 11

Saber projetar, re-projetar e avaliar montagens mecânicas considerando o desempenho técnico, de manufatura, custo, tolerância e outros aspectos do ciclo de vida.

Projeto de montagens e de tolerâncias. 10

Saber projetar, re-projetar, avaliar, dimensionar e otimizar componentes e sistemas, considerando o seu desempenho técnico, de manufatura, custo e outros aspectos do ciclo de vida do produto. Saber formular problemas para otimização e desempenhar selecionados métodos de otimização Projeto e otimização

de componentes e sistemas 9

Conhecer os principais modelos descritivos, prescritivos e computacionais de processos de projeto de produtos industriais. Por exemplo, a metodologia de PAHL e BEITZ.

Teoria e metodologia de projeto 8

Conhecer e saber aplicar sistemas CAD, CAE, CIM e equivalentes.

Projeto assistido por computador CAD 7

(11)

61

Recomendações para prática do desenvolvimento de um produto industrial:

ƒapresentar informações na forma de necessidades detectadas ou especificações de um produto que deve ser projetado e não uma descrição de algo já projetado ou existente que precisa ser analisado;

ƒformação de equipes de três a cinco membros com as capacidades principais necessárias, como por exemplo, para desenvolver um protótipo de máquina agrícola: engenharia mecânica; engenharia agrícola; desenho industrial; previsão e análise de custos e instrumentação;

O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras 62

Recomendações para prática de desenvolvimento de produto: ƒque os problemas de projeto sejam tais que possibilitem à equipe

tomar decisões com o objetivo de gerar alternativas de soluções, que atendam a um determinado segmento de mercado, um preço de venda e que possa ser fabricado um protótipo com os recursos disponíveis;

ƒque a equipe de desenvolvimento tome decisões na escolha da melhor solução, não somente em termos de desempenho técnico mas, também, de custos, manufaturabilidade e otimização dos vários aspectos do ciclo de vida do produto; e

ƒque o projeto seja viável quanto à fabricação de um protótipo, que seja testado e submetido à avaliação de possíveis usuários, para que a equipe tenha retorno de avaliações do projeto realizado

O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras

63

Algumas perspectivas para o DP

ƒOrganização e gerenciamento de equipe de desenvolvimento de

produtos, visando melhorar o seu desempenho, eficiência e eficácia;

ƒDesenvolvimento de sistemas de avaliação do desempenho de equipes

de projeto e da qualidade do projeto;

ƒSistematização do conhecimento para o projeto de produtos industriais. Esta sistematização tem como objetivos principais o ensino e o desenvolvimento de sistemas computacionais de suporte ao projeto.

ƒDesenvolvimento de sistemas especialistas de projeto de determinados

domínios de produtos; e

ƒSistemas computacionais para o desenvolvimento virtual de produtos ou

prototipagem virtual que consiste na aplicação de avançados sistemas de tecnologia de informações nas atividades do ciclo de vida do produto (marketing, concepção, modelagem, análise, manufatura, testes, apoio logístico, até o descarte) em ambientes eletrônicos.

O ensino do desenvolvimento de produtos e perspectivas futuras 64

PROBLEMAS E TEMAS DE

DISCUSSÃO

Problemas e temas de discussão

65

Problemas e temas de discussão

1. Quais são as principais razões que levaram à necessidade atual de desenvolvimento de um produto através de uma equipe multidisciplinar?

2. Quais são as capacidades típicas dos profissionais que integram uma equipe de desenvolvimento integrado de produtos?

3. Apresente um exemplo de problema de desenvolvimento de produto que requer uma equipe multidisciplinar e identifique as disciplinas necessárias.

4. Discuta as possíveis razões que levaram a considerar, somente em anos recentes, a área de projeto de produtos como uma ciência que pode ser pesquisada por princípios, ferramentas, metodologias, sistematizado o processo de desenvolvimento e, assim, capacitando os profissionais com cursos formais, não somente por experiência prática de vários anos.

5. Quais são as razões que levaram, com a globalização, a considerar estratégico o domínio de conhecimento de desenvolvimento de projeto de produtos? 6. Na literatura tem-se o termo ciclo de vida para expressar dois conceitos do produto.

Quais são estes dois conceitos e quais são suas principais diferenças?

7. Quais são as fases típicas pelas quais passa um produto em seu ciclo de vida? Escolha um produto e defina as fases de seu ciclo de vida.

Problemas e temas de discussão 66

Problemas e temas de discussão

8. Na literatura têm-se relatadas e discutidas várias experiências e formas de capacitação de profissionais para integrar equipes de desenvolvimento de produtos. Discuta estas experiências e formas e apresente, com justificativas, o modo mais eficaz, segundo sua opinião.

9. Discuta as formas e os conteúdos de cursos para capacitação de profissionais aptos a trabalhar em equipe de desenvolvimento de projetos de produtos.

10. Quais argumentos que usaria para justificar a afirmação “o principal fator para a competitividade de produtos industriais é a qualidade de seus projetos”. 11. Faça comentários sobre a validade da afirmação “que os custos de modificações, se

necessárias de uma para outra fase do desenvolvimento, é acrescida de um fator de dez”.

12. Porque é importante para as empresas dominarem o processo de desenvolvimento de produtos?

13. Pesquise na internet, usando as palavras significativas deste texto e das referências, e identifique congressos, revistas e países onde os mesmos são publicados. 14. Discuta o uso de metodologias de desenvolvimento integrado de produtos nas

empresas brasileiras, quem usa, como usam e o que fazer para que todos usem. Problemas e temas de discussão

(12)

67

Referências

1. ASIMOV, M. Introduction to design: fundamentals of engineering design. Prentice Hall, 1962. Traduzido para o português. Introdução ao projeto de engenharia. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1968.

2. ASME - National Science Foundation. Goals and priorities for research on design theory and methodology. 1985. Technical report.

3. ASME RESEARCH. Design theory and methodology: a new discipline. Mechanical Engineering. p. 23-27. August, 1986.

4. BACK, N. Metodologia de projeto de produtos industriais. Rio de Janeiro: Guanabara DOIS, 1983.

5. BARTON, J. A.; LOVE, D. M.; TAYLOR, G. D. Design determines 70% of cost? A review of implications for design evaluation. Journal of Engineering Design. v. 12, n. 1, p. 47-58, 2001.

6. BLANCHARD, B. S.; FABRYCKY, W. J. Systems engineering and analysis. New Jersey: Prentice Hall, 1981.

7. CAIN, W. D. Engineering product design. London: Business Books Ltd., 1969. 8. CLAUSING, D. Total quality development - a step-by-step guide to world-class

concurrent engineering. New York: ASME Press, 1994.

Problemas e temas de discussão 68

Referências

9. COUTINHO, L.; FERRAZ; J. C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Editora Papirus, 1994.

10. DIXON, J. R. Engineering Design Science: new goals for engineering education. Mechanical Engineering. V. 113, n.3, p. 56-62, March 1991.

11. LOVEJOY, W. S.; SRINIVASAN, V. Perspective: ten years of experience teaching a multi-disciplinary produtct development course. The journal of Product Innovation Management, v. 19, n. 1, p. 32-45, 2002.

12. NEVINS, J. L.; WHITNEY, D. L. Concurrent design of products and processes. McGraw-Hill, 1989.

13. OTTO, K.; WOOD, K. Product design: techniques in reverse engineering and new product development. New York: Prentice Hall, 2001.

14. PAHL, G.; BEITZ, W. Konstruktionslehre. 3. ed. Berlin: Springer Verlag, 1993.

15. PAHL, G.; BEITZ, W. Engineering design: a systematic approach. 5. ed. Berlin: Springer Verlag, 1996.

16. PAHL, G.; BEITZ, W.; FELDHUSEN, J.; GROTE, K.H. Projeto na engenharia. Edgard Blücher, 2005.

17. PUGH, S. Total design. Wokingham: Addison Wesley, 1991.

18. ROOZENBURG, N.F.M; EEKELS, J. Product design : fundamentals and methods. Chichester, England: John Wiley & Sons Ltd., 1995.

Problemas e temas de discussão

69

Referências

17. SMITH, P. G.; REINERTSEN, D. G. Developing products in half the time. New York: Van Nostrand Reinhold, 1991.

18. ULLMAN, D. G. The mechanical design process. New York: McGraw-Hill, 1992.

19. WOODSON, T. T. Introduction to engineering design. New York: McGraw-Hill, 1966. 20. VIDOSIC, J. P. Elements of design engineering. John Wiley & Sons, 1969. 21. VDI 2222: Konstruktionsmethodik, konzipieren technischer Produkte. Düsseldorf: VDI

Verlag. 1977.

22. VDI 2221: Methodik zum entwickeln und konstruieren technischer Systeme und Produkte. Düsseldorf: VDI-Verlag, 1986. 35p.

23. WALLACE, K. M.; HALES, C. Some applications of a systematic design approach in Britain. Konstruktion. n. 7, p. 275-279, 1987

Imagem

Referências

temas relacionados :